Avaliação do Tópico:
  • 0 Voto(s) - 0 em Média
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
[REFLEXÃO] Ou a gente se organiza politicamente, ou estamos fodidos
#21
(12-05-2023, 09:16 PM)Minerim Escreveu: Voltei pela treta (...)

Já disse que veio avacalhar, então já imagino que trás nada de produtivo.

Próximo da fila, por favor.
Citação:“Fortuna Perdida? Nada se perdeu... Coragem perdida?
Muito se perdeu... Honra perdida? Tudo se perdeu...”

(Provérbio Irlandês)
Responda-o
#22
(12-05-2023, 07:54 PM)Wild Escreveu: Salve foro, bom ver as respostas.

O que eu vejo aqui que o pessoal falha em entender é que achando que por ser uma puta missão ingrata é que devem passar longe da política, por qualquer motivo que seja.

É para irmos em sentido contrário, é isso que eu quero que vocês percebam. Quanto pior for, com mais força que a gente tem que reagir.

E olha, já estamos na merda, reagir já significa que a gente demorou demais pra agir. Reação significa que já perdemos a primeira rodada e agora temos que correr atrás do prejuízo.

A gente sabe que o jogo é viciado, a gente sabe que é injusto, é financiado nos interesses escusos de mafioso pesado, banqueiros, etc. Mas é justamente por isso que tem que ser contra-balanceado. Falam de limites, quem disse que a gente precisa se limitar as regras que impõe a nós? Onde tá escrito isso? Política é o meio. O jogo é a gente aceitar ou não merdas como politicamente correto e similares. A gente não é obrigado a aceitar isso.

Vou dar +1 no @Fernando_R1 por que ele entendeu parcialmente a proposta justamente no trabalho de formiguinha, um grão de cada vez. Quando eu falo ação política, meu tópico todo é para reconhecermos que qualquer ação que tomarmos, mesmo a não-ação, ela é política. Que a gente reconheça que existe uma causa que vale a pena a gente defender, mesmo que em segredo, no anonimato, sem ter que mover uma palha. E que acima de tudo que reconheçamos que toda escolha que tomamos em sociedade é algo que terá repercussões.

Não é hora de agir, pensar em partidos, candidatos, passeatas, nada disso, eu falei e repito. É hora de organizar, de estudar, de chegar a consensos, de validar nossa causa e isso dar um ponto de partida a alguma outra coisa no futuro. Será que tá tão ruim assim de me entenderem e vou ter que desenhar?

Lembrem que...

Que quando a gente abre mão da política acontece o que descrevi: que nem os referidos do podcast, eles estão simplesmente abrindo mão do seu poder político e dando de mão beijada pras feminazis massacrarem eles. 1. Não há vácuo no poder. 2. O poder é algo tomado, com muito esforço, não dado. Lembrem dessas 2 frases e não deem de graça o que custou muito sangue pra conseguirmos, como o direito a livre expressão.

Que a gente tem que parar com os limpinhos e frescos do "ain, política é suja, eu que não boto a mão nesse chiqueiro" por que tudo o que foi conquistado na história da humanidade foi com muita luta, sujeira, suor, sangue. Os mimadinhos tem que lembrar que o jogo é e sempre será sujo.

Quanto aos fatalistas de plantão, botem uma coisa na cabeça: O ocidente, em especial a hegemonia americana, só vai de mal a pior por que primeiro o jogo lá é muito mais pesado que aqui, já que lá rola muito mais grana. Mas que é possível a gente se blindar, como país, tomando as escolhas políticas certas. Onde que a gente vê revolução colorida numa Rússia por exemplo, que mantém a lei do agente estrangeiro e fica de olho nas ONGs? A galera de lá já se ligou no jogo e está se blindando dessas merdas do globalismo e pautas afins. Ação política que freia essas merdas que destroem um país.

E se acham que isso tá muito longe da nossa realidade, não temos um governo forte que faça oposição a essas pautas por que os políticos são todos uns vendidos, olhem agora o caso da Flórida, onde o governador lá sancionou leis anti-ESG mandando a BlackRock tomar naquele lugar. Pode ser até algo fútil ou temporário e que não dê muito certo, mas o cara nadou contra toda a correnteza sozinho e conseguiu isso com ação política, lá onde o jogo é estupidamente mais pesado e o governo americano basicamente come na mão do establishment. 

Dá pra se opor, é isso que quero mostrar.

De novo, lembrem, não estou querendo que ninguém aqui mova uma palha. Mas que reconheçam que há causas válidas aqui, que somos agentes políticos e que a gente precisa saber disso e trabalhar em cima disso, organizando as ideias e pautas comuns, e que toda essa merda só está tomando de conta por que fomos covardes, omissos, ou até mesmo coniventes. Mas que a gente pode, com sorte, mudar alguma coisa.

Ou ao menos tentamos, que já é melhor que não fazer nada. A experiência ao menos nos edifica, não é perda energia. 

Agora se neguin ficar choramingando dizendo que tá tudo perdido, não tem como jogar, é perda de tempo, etc. e não fazer absolutamente nada, aí que a merda toma de conta. Com uma mentalidade merda dessas, já estão derrotados mesmo (por amor a Santo Cristo, leiam as 48 Leis do Poder e A Arte da Guerra...)

Se você fizer por você e por sua família já tá excelente. Eu realmente não acredito em mudança política, é mais uma Matrix pra fazer você tirar o foco da sua vida, se isso trouxer bonança pra tua família ainda vai, mas na maioria das vezes é pernicioso.

Seja um exemplo para os teus, mesmo assim alguns poucos estão despertos para te usarem de exemplo se você realmente for um.
Spoiler Revelar
"Use o sistema contra o sistema, parasite o parasita"
Responda-o
#23
(12-05-2023, 09:40 PM)Trglodita Escreveu: Se você fizer por você e por sua família já tá excelente. Eu realmente não acredito em mudança política, é mais uma Matrix pra fazer você tirar o foco da sua vida, se isso trouxer bonança pra tua família ainda vai, mas na maioria das vezes é pernicioso.

Seja um exemplo para os teus, mesmo assim alguns poucos estão despertos para te usarem de exemplo se você realmente for um.

É falacioso achar que isso tira foco de alguma coisa e não é uma parte integral da formação do sujeito.

Você acreditar ou não em "mudança política" não muda os fatos, que tem gente que se organiza, batalha e consegue a mudança que deseja, nem que seja o pessoal lá do outro lado, pra ferrar com a gente.

É possível mudança, nem que seja pra pior, por que política não é um jogo estático, é o contrário disso.

A raiz do problema é justamente o preconceito e descrença do bostileiro médio com política, que não quer tocar nela com uma vara de 3 metros, mas que faz com quem é mais esperto se aproveite da brecha deixada por esses.
Citação:“Fortuna Perdida? Nada se perdeu... Coragem perdida?
Muito se perdeu... Honra perdida? Tudo se perdeu...”

(Provérbio Irlandês)
Responda-o
#24
Então, @Wild talvez a sua questão não seja então uma mudança política, mas cultural?

Eu acho que a questão é bem literalmente uma forma cultural e não por via política, o fim da política é a coerção, se você obriga alguém a fazer uma coisa por medo de multa, prisão, etc, essas pessoas não entendem o que é, já a cultura muda.

Agora, eu não vejo nenhum progresso plausível que possa ser feito nem de agora e nem daqui a 20, 30, 40 anos... principalmente porque a Real sempre foi conversa de bar, sempre foi desligada de movimentos e por isso sempre foi para raio de maluco... tem umas conversas que rolam na real que eu vou te falar, dá até depressão, o Penoso e o Oneshot são provas...

Então assim, acho que é interessante até, bem intencionada, mas não funciona na realidade.
Papo reto mesmo é cada um fazer o movimento individual de acordo com o que acredita e carregar a mudança cultural na base do exemplo.
The absence of virtue is claimed by despair






Responda-o
#25
(11-05-2023, 07:49 PM)Wild Escreveu: Resumo da Ópera (textão muito longo, não li, mimimi mimimi): OU A GENTE SE ORGANIZA POLITICAMENTE OU ESTAMOS FODIDOS.

Sem mais. Força e honra,

A política não é apenas sobre a governança em nível de estado. É também sobre poder e influência em todos os níveis da sociedade, incluindo comunidades e interações individuais. Portanto, estar preparado para se envolver de maneira eficaz nesses espaços é crucial, especialmente quando se busca mudança social ou reconhecimento de uma causa específica.

Nesse sentido, você está absolutamente correto ao afirmar que é necessário se organizar e ter uma estratégia política clara. Isso é verdade para qualquer grupo que busque influenciar a sociedade de alguma forma. Mas, é importante lembrar que ter um posicionamento político claro não significa necessariamente ter uma filiação partidária. Um grupo pode ter metas e objetivos claros e se posicionar politicamente em torno desses objetivos, sem necessariamente ter que se alinhar com um partido político específico.
Responda-o
#26
(13-05-2023, 12:10 PM)Awaken Escreveu: Então, @Wild talvez a sua questão não seja então uma mudança política, mas cultural?

Eu acho que a questão é bem literalmente uma forma cultural e não por via política, o fim da política é a coerção, se você obriga alguém a fazer uma coisa por medo de multa, prisão, etc, essas pessoas não entendem o que é, já a cultura muda.

Agora, eu não vejo nenhum progresso plausível que possa ser feito nem de agora e nem daqui a 20, 30, 40 anos... principalmente porque a Real sempre foi conversa de bar, sempre foi desligada de movimentos e por isso sempre foi para raio de maluco... tem umas conversas que rolam na real que eu vou te falar, dá até depressão, o Penoso e o Oneshot são provas...

Então assim, acho que é interessante até, bem intencionada, mas não funciona na realidade.
Papo reto mesmo é cada um fazer o movimento individual de acordo com o que acredita e carregar a mudança cultural na base do exemplo.

Vê que agora estamos alinhando mais os ponteiros? Sim, passa por mudança cultural também, que nem o velho Olavo já dizia, qualquer ação disparatada agora é apenas ejaculação precoce, por que a gente já viu que não adianta eleger político X ou Y apenas. 

A degradação da cultura é um processo que levou décadas, imagina reconstruir ela, ainda mais num país sem raiz cultural forte (pouca gente conhece a história, falta de heróis nacionais, etc.). 

Sem contar que a reforma cultural é uma meta muito mais realista e concreta do que simplesmente dizer que "política não presta", "o estado é ilegítimo", etc., frases que perdão o termo, são asininas por que simplesmente ignoram os problemas.

Também é parte do que acho interessante. Quando digo "se organizar", "estudar", falo no sentido que o Olavo dizia mesmo, fazer think tanks, botar a bunda na cadeira, parar e pensar, quem a gente é, qual nosso papel nessa bagaça, quem são nossos inimigos, qual a história deles, fazer a lição de casa, saca? 

Não obstante tanto recomendo a galera ler A arte da guerra, um dos principais princípios do livro é justamente conhecer a si próprio e ao inimigo antes de fazer qualquer coisa.

(13-05-2023, 12:16 PM)João de Barro Escreveu: A política não é apenas sobre a governança em nível de estado. É também sobre poder e influência em todos os níveis da sociedade, incluindo comunidades e interações individuais. Portanto, estar preparado para se envolver de maneira eficaz nesses espaços é crucial, especialmente quando se busca mudança social ou reconhecimento de uma causa específica.

Nesse sentido, você está absolutamente correto ao afirmar que é necessário se organizar e ter uma estratégia política clara. Isso é verdade para qualquer grupo que busque influenciar a sociedade de alguma forma. Mas, é importante lembrar que ter um posicionamento político claro não significa necessariamente ter uma filiação partidária. Um grupo pode ter metas e objetivos claros e se posicionar politicamente em torno desses objetivos, sem necessariamente ter que se alinhar com um partido político específico.

Exatamente isso, obrigado! irretocável.

Se a gente reconhecer que somos agentes políticos e que temos pautas políticas que vale a pena serem defendidas, já é uma vitória gigantesca para a nossa Real.





Vou reforçar aqui esse ponto por que realmente acho que a galera precisa entender uma coisa:

Política, na acepção original do termo não tem nada a ver com politicagem, político safado ladrão corrupto e partidos políticos e etc. Política é tudo sobre os assuntos referentes à polis(cidade). Isso vai desde de leis até as normas informais e sensos comuns.

Toda ação nossa no âmbito social pode ter desdobramentos políticos, no sentido de que vivemos numa sociedade regida por diversas regras e um acordo social, esse regido pela política. Mas acho que até Aristóteles já sabia de algo assim, né?

Citação:A raiz do problema é justamente o preconceito e descrença do bostileiro médio com política, que não quer tocar nela com uma vara de 3 metros, mas que faz com quem é mais esperto se aproveite da brecha deixada por esses.

A própria aversão que a gente tem a política e ódio aos políticos é uma ideologia como qualquer outra, alimentada por uma narrativa mequetrefe, pode ter algum fundamento, mas não representa a realidade. Essa ideologia só beneficia os políticos que ganham carta branca pra fazer a merda que quiserem, a gente não se beneficia nada dessa ideologia estapafúrdia.

Enquanto a pessoa pode acreditar que não adianta mexer com isso, é fato concreto de que a política tá aí, é uma ferramenta muito real e efetiva, e tá sendo usada pra ferrar a gente, ou seja, tá adiantando muito pra alguém. Se a gente abrir mão de usar ela, vai estar dando de mão beijada pra que ferrem conosco.
Citação:“Fortuna Perdida? Nada se perdeu... Coragem perdida?
Muito se perdeu... Honra perdida? Tudo se perdeu...”

(Provérbio Irlandês)
Responda-o
#27
Permita-me discordar de você, caro @Wild. Essas frases não ignoram o problema, mas sim expõem o problema de forma casual, demonstrando que a casualidade é a raiz de todos os problemas que se seguem. Não faz sentido discutirmos os meios de resolver as operações matemáticas se os sinais estão trocados e a montagem da equação está completamente equivocada.

Ao alinharmos nossos pontos de vista, podemos ter uma discussão mais produtiva. No entanto, é importante partir do princípio correto para abordar nossos problemas. Caso contrário, estaríamos agindo como aqueles que se unem aos violentadores para proteger a vítima sem abordar a violência em si. A solução real é interromper a violência como um todo.

Devemos evitar nos tornar um grupo de extremistas na internet que se apoiam cegamente em ideias de terceiros, como ocorre com certos grupos como os MGTOWs, que vendem livros de autopiedade por meio de publicidade. Para a Real, como o próprio nome sugere, devemos buscar a Verdade com V maiúsculo. Antes de discutir as consequências de X, é fundamental discutir se X é válido, caso contrário, estaremos perdendo um tempo enorme em uma masturbação ideológica sem sentido.

Se não discutirmos o princípio de que o Estado é legítimo e age em nome do povo, nunca chegaremos a um ponto em que possamos analisar de forma clara quais armas políticas devemos ter para combater abusos por parte do Estado.
The absence of virtue is claimed by despair






Responda-o
#28
@Wild Entendo seu ponto de vista e concordo que os políticos podem abusar do poder caso a gente "durma no ponto" sem fazer nada...
Nesse sentido, a minha visão libertária sobre a pólis é a de que fortalecer e popularizar iniciativas particulares e instituições voluntárias é uma abordagem importante.

A Igreja Católica é um ótimo exemplo de instituição desse tipo, tem uma longa tradição de voluntarismo, onde a participação, contribuição financeira e a obediência aos mandamentos são totalmente voluntárias. Essa abordagem respeita a liberdade individual e a propriedade privada, permitindo que as pessoas sigam e reconheçam seu líder religioso de acordo com suas convicções, além disso, caso tenham problemas, há justiça privada e outros meios de recorrerem dentro do próprio organismo católico. Não sei vocês, mas se todo ente privado fosse assim, acho que poucas coisas na sociedade teriam problemas.

A Doutrina Social da Igreja Católica é um ótimo exemplo pra seguir: oferece orientações sobre questões sociais, econômicas e políticas, enfatizando a dignidade humana, a solidariedade, a subsidiaridade e a justiça social. Esses princípios podem servir como base para a criação de instituições voluntárias e iniciativas particulares que busquem promover o bem comum e ajudar a mitigar os problemas causados pelo abuso de poder estatal.
Só de você parar pra pensar nessas questões, você imagina se fôssemos nos armar politicamente e estrategicamente, você estaria preparado para discutir a dignidade humana das mulheres, pensaria em alguma estratégia para ajudá-las? Você trabalharia em conjunto com mulher pra resolver esse problema? Se sim, te louvo, mas muitos aqui não iriam.

Uma instituição voluntária e privada pode ser alcançada por meio de ações como educação, engajamento cívico, defesa dos direitos individuais e promoção de alternativas voluntárias às soluções estatais e as bigtechs que se envolvem e/ou são reféns das mesmas. Mas depende de cada um e trabalhar em conjunto com alguém nesse país é terrível porque não tem ninguém que entenda o conjunto, o bem comum, só entendem do pau não entrar na própria bunda.

Espero que essa resposta seja mais precisa. Se você tiver mais perguntas ou quiser discutir mais sobre o assunto, estou à disposição para continuar a conversa.
The absence of virtue is claimed by despair






Responda-o
#29
Um salve pro Awaken, agradeço às ponderações e comentários produtivos.

(13-05-2023, 10:33 PM)Awaken Escreveu: Permita-me discordar de você, caro @Wild. Essas frases não ignoram o problema, mas sim expõem o problema de forma casual, demonstrando que a casualidade é a raiz de todos os problemas que se seguem. Não faz sentido discutirmos os meios de resolver as operações matemáticas se os sinais estão trocados e a montagem da equação está completamente equivocada.

Ao alinharmos nossos pontos de vista, podemos ter uma discussão mais produtiva. No entanto, é importante partir do princípio correto para abordar nossos problemas. Caso contrário, estaríamos agindo como aqueles que se unem aos violentadores para proteger a vítima sem abordar a violência em si. A solução real é interromper a violência como um todo.
Até agora beleza, acompanhando.

(13-05-2023, 10:33 PM)Awaken Escreveu: Devemos evitar nos tornar um grupo de extremistas na internet que se apoiam cegamente em ideias de terceiros, como ocorre com certos grupos como os MGTOWs, que vendem livros de autopiedade por meio de publicidade. Para a Real, como o próprio nome sugere, devemos buscar a Verdade com V maiúsculo. Antes de discutir as consequências de X, é fundamental discutir se X é válido, caso contrário, estaremos perdendo um tempo enorme em uma masturbação ideológica sem sentido.

Se não discutirmos o princípio de que o Estado é legítimo e age em nome do povo, nunca chegaremos a um ponto em que possamos analisar de forma clara quais armas políticas devemos ter para combater abusos por parte do Estado.
Então, eu concordo que a busca tem que ser pela Verdade. Já defendi e defendo isso. Mas assim como a educação, acredito que isso deve ser um compromisso pessoal, da pessoa para ela mesma, uma promessa particular pra buscar algo intransferível.

Agora quanto a questão de extremismo, não podemos cair na besteira pois taxar outros de extremista já é uma tática política pra desmercer um adversário. Eu mesmo não acho que os MGTOWs são extremistas por si só, nem os red pills, talvez em boa parte nem os black pill.

Extremista pra mim é aquele que tem um projeto de mudança social abrangente, em outras palavras, que quer tirar tudo do lugar, algo radical. O cara acreditar numa opinião menos popular, digamos assim, mas não fazer mal a ninguém, pra mim não seria extremista de forma alguma.

Claro que a gente deve fugir do extremismo. Mas ao mesmo tempo o lado de lá mantém o extremismo sobre rédeas e usa dele tanto quanto a ala mais moderada, pra fazer avanços. Ao invés de ignorar o lado mais abrasivo, creio que a gente precisa dar um jeito de domar ele. Tudo o que você reprime, joga pra debaixo do tapete só volta ainda pior depois.

Outra coisa: Política é pragmatismo. Enquanto a gente fica aqui perdido no tempo da Revolução Francesa discutindo se estado é legítimo ou não, nossos inimigos estão usando ele ativamente. Eu acho que independente do estado ser legítimo ou não, a gente tem que se esforçar no mínimo pra tornar ele funcional.

Lembro-vos que mesmo sem sociedade nenhuma, numa tribo isolada no meio do nada, 20 mil anos atrás, ainda existiria a bendita política.

Creio que precisamos focar no que realmente importa, que são os problemas do hoje e do agora, ao invés de focar na discussão teórica sobre o Estado. Claro, dá pra repassar esse tema, entre outros, pra embasar algumas coisas, mas isso não é o foco, entende?

(13-05-2023, 11:15 PM)Awaken Escreveu: Uma instituição voluntária e privada pode ser alcançada por meio de ações como educação, engajamento cívico, defesa dos direitos individuais e promoção de alternativas voluntárias às soluções estatais e as bigtechs que se envolvem e/ou são reféns das mesmas. Mas depende de cada um e trabalhar em conjunto com alguém nesse país é terrível porque não tem ninguém que entenda o conjunto, o bem comum, só entendem do pau não entrar na própria bunda.

Espero que essa resposta seja mais precisa. Se você tiver mais perguntas ou quiser discutir mais sobre o assunto, estou à disposição para continuar a conversa.

Essa ideia de se trabalhar em insitituições e sociedades voluntárias é simplesmente perfeita. Vai em casamento perfeito com a ideia de think tanks, grupos de estudos, mannerbunds, irmandades, sociedades iniciáticas e afins. A bronca é só que o brasileiro é horrível pra se organizar com qualquer coisa que seja.

No mais estou achando produtiva a nossa conversa, espero que o mesmo também seja para você.

Força e honra,
Citação:“Fortuna Perdida? Nada se perdeu... Coragem perdida?
Muito se perdeu... Honra perdida? Tudo se perdeu...”

(Provérbio Irlandês)
Responda-o
#30
(13-05-2023, 02:01 AM)Wild Escreveu:
(12-05-2023, 09:40 PM)Trglodita Escreveu: Se você fizer por você e por sua família já tá excelente. Eu realmente não acredito em mudança política, é mais uma Matrix pra fazer você tirar o foco da sua vida, se isso trouxer bonança pra tua família ainda vai, mas na maioria das vezes é pernicioso.

Seja um exemplo para os teus, mesmo assim alguns poucos estão despertos para te usarem de exemplo se você realmente for um.

É falacioso achar que isso tira foco de alguma coisa e não é uma parte integral da formação do sujeito.

Você acreditar ou não em "mudança política" não muda os fatos, que tem gente que se organiza, batalha e consegue a mudança que deseja, nem que seja o pessoal lá do outro lado, pra ferrar com a gente.

É possível mudança, nem que seja pra pior, por que política não é um jogo estático, é o contrário disso.

A raiz do problema é justamente o preconceito e descrença do bostileiro médio com política, que não quer tocar nela com uma vara de 3 metros, mas que faz com quem é mais esperto se aproveite da brecha deixada por esses.

O bostileiro mostrou a sua essência durante a Pandemia, vi até auto intitulado anarquista apoiando as medidas tiranas do estado. A política em geral, seja de um lado ou do outro, busca sempre fortalecer ainda mais o estado, querer mudar isso participando ativamente é dar legitimidade. É bem mais digno o cara que quer participar apenas pra obter vantagem pra sua família. Yaoming
Spoiler Revelar
"Use o sistema contra o sistema, parasite o parasita"
Responda-o
#31
Spoiler Revelar
WildEntão, eu concordo que a busca tem que ser pela Verdade. Já defendi e defendo isso. Mas assim como a educação, acredito que isso deve ser um compromisso pessoal, da pessoa para ela mesma, uma promessa particular pra buscar algo intransferível.

Agora quanto a questão de extremismo, não podemos cair na besteira pois taxar outros de extremista já é uma tática política pra desmercer um adversário. Eu mesmo não acho que os MGTOWs são extremistas por si só, nem os red pills, talvez em boa parte nem os black pill.

Extremista pra mim é aquele que tem um projeto de mudança social abrangente, em outras palavras, que quer tirar tudo do lugar, algo radical. O cara acreditar numa opinião menos popular, digamos assim, mas não fazer mal a ninguém, pra mim não seria extremista de forma alguma.

Claro que a gente deve fugir do extremismo. Mas ao mesmo tempo o lado de lá mantém o extremismo sobre rédeas e usa dele tanto quanto a ala mais moderada, pra fazer avanços. Ao invés de ignorar o lado mais abrasivo, creio que a gente precisa dar um jeito de domar ele. Tudo o que você reprime, joga pra debaixo do tapete só volta ainda pior depois.

Outra coisa: Política é pragmatismo. Enquanto a gente fica aqui perdido no tempo da Revolução Francesa discutindo se estado é legítimo ou não, nossos inimigos estão usando ele ativamente. Eu acho que independente do estado ser legítimo ou não, a gente tem que se esforçar no mínimo pra tornar ele funcional.

Lembro-vos que mesmo sem sociedade nenhuma, numa tribo isolada no meio do nada, 20 mil anos atrás, ainda existiria a bendita política.

Creio que precisamos focar no que realmente importa, que são os problemas do hoje e do agora, ao invés de focar na discussão teórica sobre o Estado. Claro, dá pra repassar esse tema, entre outros, pra embasar algumas coisas, mas isso não é o foco, entende?

Então, eu concordo contigo, mas não é ficar "masturbando" assunto, porque isso já é mais que batido.
É a gente discutir e delimitar o que é ético ser feito em relação a isso, e eu sei que esse exemplo é bem pesado de ser usado, mas é crítico desse jeito para que você possa ver a gravidade do assunto.

Você afirma que independente de ser legítimo ou não, devemos nos esforçar para manter o mínimo de funcionalidade.

O problema ético disso é que você está praticamente me dizendo que independente de nós, o estupro acontece, mas que nós devemos pelo menos nos esforçar pra nos unirmos aos estupradores para manter o estupro funcional. Como vai ser ético eu me unir aos bandidos pra organizar o roubo? Roubo é roubo.

Como sugestão para uma discussão, eu sugiro ideias voluntárias como:

1. Nunca usar dinheiro público para benefício próprio.
2. Estipular salários baixos e pagos pelos voluntários por meio de arrecadação.
3. Quem usa não deve gozar de nenhuma vantagem como carros, ternos, sapatos, auxílios de combustível, viagem, etc.
4. Deve-se trabalhar sempre com o bem comum que se refere a todos: como patrimônio público, o planejamento viário e de construção da cidade.
5. Saúde, educação e segurança devem ser decididos sempre pela população e fazer de tudo para EVITAR ou fazer de tudo para REDUZIR o tamanho do estado nessas áreas e a interferência da mesma nesses setores.
6. Reduzir sempre a questão aos municípios a ponto dos mesmos sempre serem independentes, por exemplo: Ao invés de usar a Polícia Federal/Polícia Militar/Polícia Civil, usar a polícia municipal, como o modelo de "Sherif" que existe nos EUA, que todo mundo sabe quem é, todo mundo sabe onde fica e o cargo não é público.

São coisas que aumentariam o voluntarismo e consequentemente a legitimidade por parte de quem dedica seu tempo a isso, porque não seriam sustentadas por imposto, mas somente pelas pessoas ou grupos interessados que podem ou querem financiar aquele gestor.
The absence of virtue is claimed by despair






Responda-o
#32
(17-05-2023, 07:43 PM)Awaken Escreveu: Então, eu concordo contigo, mas não é ficar "masturbando" assunto, porque isso já é mais que batido.
É a gente discutir e delimitar o que é ético ser feito em relação a isso, e eu sei que esse exemplo é bem pesado de ser usado, mas é crítico desse jeito para que você possa ver a gravidade do assunto.

Você afirma que independente de ser legítimo ou não, devemos nos esforçar para manter o mínimo de funcionalidade.

O problema ético disso é que você está praticamente me dizendo que independente de nós, o estupro acontece, mas que nós devemos pelo menos nos esforçar pra nos unirmos aos estupradores para manter o estupro funcional. Como vai ser ético eu me unir aos bandidos pra organizar o roubo? Roubo é roubo.
Cara, aí você se passa e apela um pouco. Estupro e roubo são dois exemplos claros de atitudes criminosas e ilegais, qualquer um vai concordar com isso, contudo compor o Estado não é algo criminoso em si, mesmo que o estado deixe uma estrutura que alguns usam pra cometam crimes.

Eu não estou dizendo que a gente tem que fazer vista grossa ao que tem de errado. É o contrário, a gente tem que fazer parte ativamente justamente para impedir essas merdas. Do contrário o que sugere? Larga esse estado pra lá e faz um estado paralelo? Não acho que rola. Bom ou ruim, esse é o que temos, é o que foi consensuado perante a sociedade que foi criado e é o que tem mais chances de dar certo.

A outra alternativa é dar um golpe de estado e tentar colocar um melhor no lugar, mas não acho que vai rolar, um estado golpista ou autoritário sempre vai viver em cima da poça de sangue dos que foram sacrificados do estado anterior.

Já a parte das sugestões achei muito boa, uma coisa que vejo que os americanos fazem bem, por exemplo, é valorizar o serviço social voluntário e suas micro-sociedades desde sua cidade até o seu estado. O governo federal demora muito pra chegar nessa equação e ter essa independência é algo ótimo para as organizações voluntárias das pessoas, já que não terão um "papai estado" pra magicamente resolver todos os problemas.

Agora de volta para o assunto aqui, vamos trabalhar nos nossos consensos:

* Você acha que há causas políticas válidas que envolvem o homem na sociedade atual? Ou só as feminazi e LGBTXYZ e afins que tem?
* Alguma injustiça que vale a pena ser reparada? Algo que é injusto ou desbalanceado? Ou simplesmente deixa tudo como está?
* Você acha que há algum ponto em que parcela dos homens são completamente ignorados? Ou tá tudo bom para todos os homens?

Se concorda com alguma dessas frases, acha interessante que desenvolvamos narrativas que demandem artigos, pesquisas, embasamento de forma geral para poder circundar esses problemas e trazê-los à tona?

Vamos lá, o show não pode parar. Força e honra,
Citação:“Fortuna Perdida? Nada se perdeu... Coragem perdida?
Muito se perdeu... Honra perdida? Tudo se perdeu...”

(Provérbio Irlandês)
Responda-o
#33
Wild, acho que estamos batendo cabeça. Não estou tentando te atacar e nem desmerecer teu tópico.

Eu quero colaborar pra aprimorar tua ideia.

Sugiro essa leitura rápida pra sabermos do que estamos falando e alinharmos os pensamentos.

Desculpa, eu nem cheguei a ler tudo, estou atrasado pro trabalho.
Quando tiver um tempo eu vou fazer o alinhamento contigo dessas questões uma por uma.

Aqui está o PDF.

https://rothbardbrasil.com/wp-content/up...do_new.pdf
The absence of virtue is claimed by despair






Responda-o
#34
Não será nada fácil mudar algo no sistema atual. Os despertos são uma minoria ínfima, e a enorme massa, alienada e confortável em sua mediocridade atual.

A forma mais rápida, e frágil, seria a violenta luta armada e um ditador com mão de ferro pra mudar e manter algo. E logo os países estrangeiros interviriam na hora, afinal somos colônia.

Veja você que o Dr. Enéas passou sua vida inteira lutando para mudar algo, acabou com sua reputação e carreira pregando para melhorar o Brasil, ele mesmo fundou um partido para tal pois sabia que nenhum dos atuais iria suportá-lo. E mesmo hoje que ele agora é somente uma ideia batalham para manchar seu legado.  

A maneira segura é invadir sistematicamente espaços estudantis e culturais a exemplo do que a esquerda fez, e talvez tenhamos algum resultado em quarenta ou cinquenta anos. Isso se não nos contaminarmos com o sistema, pois é o que normalmente acontece quando rolamos na imundície, concorde você ou não.

A carta reescrevendo a história está rolando também. A geração Z é a primeira com QI médio abaixo de seus pais. Nós já temos opinião formada, a geração que está vindo não.

Em resumo: Você comentou sobre retardar o fim. O sistema brigará para ter seu filho. Não tente ganhar o mundo. Seu trabalho começa em sua casa primeiro, forme bons filhos, com valores e tradição. Eles farão o contraponto.
Se o machado está cego e sua lâmina não foi afiada, é preciso golpear com mais força. Agir com sabedoria assegura o sucesso. - Salomão em Eclesiastes 10.10.
Muito cara legal foi parar debaixo de uma ponte por causa de uma mulher. - Bukowski.
As maiores redpills ouvimos da boca de mulheres.
Responda-o
#35
(18-05-2023, 10:16 AM)Awaken Escreveu: Wild, acho que estamos batendo cabeça. Não estou tentando te atacar e nem desmerecer teu tópico.

Eu quero colaborar pra aprimorar tua ideia.

Sugiro essa leitura rápida pra sabermos do que estamos falando e alinharmos os pensamentos.

Desculpa, eu nem cheguei a ler tudo, estou atrasado pro trabalho.
Quando tiver um tempo eu vou fazer o alinhamento contigo dessas questões uma por uma.

Aqui está o PDF.

https://rothbardbrasil.com/wp-content/up...do_new.pdf

Relaxa, cara, está super tranquilo. Estou realmente curtindo sua participação. Sem crises, sem problemas até agora. Pode mandar ver.

Já baixei e vou ler sim, pode deixar. Vamos alinhar os pensamentos sim.

(18-05-2023, 12:06 PM)Fairchild Escreveu: Não será nada fácil mudar algo no sistema atual. Os despertos são uma minoria ínfima, e a enorme massa, alienada e confortável em sua mediocridade atual.

A forma mais rápida, e frágil, seria a violenta luta armada e um ditador com mão de ferro pra mudar e manter algo. E logo os países estrangeiros interviriam na hora, afinal somos colônia.

Veja você que o Dr. Enéas passou sua vida inteira lutando para mudar algo, acabou com sua reputação e carreira pregando para melhorar o Brasil, ele mesmo fundou um partido para tal pois sabia que nenhum dos atuais iria suportá-lo. E mesmo hoje que ele agora é somente uma ideia batalham para manchar seu legado.  

A maneira segura é invadir sistematicamente espaços estudantis e culturais a exemplo do que a esquerda fez, e talvez tenhamos algum resultado em quarenta ou cinquenta anos. Isso se não nos contaminarmos com o sistema, pois é o que normalmente acontece quando rolamos na imundície, concorde você ou não. 

A carta reescrevendo a história está rolando também. A geração Z é a primeira com QI médio abaixo de seus pais. Nós já temos opinião formada, a geração que está vindo não.

Em resumo: Você comentou sobre retardar o fim. O sistema brigará para ter seu filho. Não tente ganhar o mundo. Seu trabalho começa em sua casa primeiro, forme bons filhos, com valores e tradição. Eles farão o contraponto.

Postagem super relevante. Valeu!

Infelizmente esse é o destino de todos que tentam mudar alguma coisa. O cara é cercado até não poder mais e mesmo depois de deixar esse mundo é perserguido.

Contudo também hoje vejo uma certa ressurgência de pessoas que olham para o passado e exemplos como um Enéas e começam a ver sinais do quanto era brilhante, e que era acima de tudo de um cara que realmente amava o Brasil, lá do jeito dele. Ele se foi, mas seu legado viverá. 

É com esse pensamento que temos que viver, saber que nossas ideias e atitudes viverão muito além da gente.

Cuidemos então de nossas famílias, a guerra para a próxima geração, já bem mais doutrinada que a anterior, e mais enfraquecida, bestializada, idiotizada, será imensamente mais difícil. Cuidemos dos nossos.

Força e honra,
Citação:“Fortuna Perdida? Nada se perdeu... Coragem perdida?
Muito se perdeu... Honra perdida? Tudo se perdeu...”

(Provérbio Irlandês)
Responda-o
#36
Spoiler Revelar
Cara, aí você se passa e apela um pouco. Estupro e roubo são dois exemplos claros de atitudes criminosas e ilegais, qualquer um vai concordar com isso, contudo compor o Estado não é algo criminoso em si, mesmo que o estado deixe uma estrutura que alguns usam pra cometam crimes.

@Wild, então...
Vamos por partes alinhando.

1. Eu te pedi pra ler o livro "Anatomia do Estado" justamente pra nós termos esse consenso sobre que tipo de estado que estamos falando, porque pra mim o Estado moderno é criminoso em si, esse do contexto do livro, não existe "contrato social velado" ou "nós o povo", existe uma casta que domina e outra casta que é subjugada, isso é o Estado atual, e não tem como isso ser ético, isso é tão criminoso quanto o traficante que põe a barricada na favela.

2. Eu não sou anarquista, eu sou a favor de GOVERNO, governo é quando pessoas decidem eleger um administrador para a coisa pública. Um exemplo clássico que temos de governo legítimo é o governo de condomínios, ao qual chamamos de síndico a pessoa que é responsável pela ordem, leis locais, fiscalização, etc. Isso não é imposto pra ninguém, a pessoa que não considerar suas exigências atendidas dentro das leis do condomínio pode ficar sem pagar o condomínio até que seja atendido, e se a pessoa não gosta ou não concorda com as leis locais pode se mudar, pode processar o condomínio, pode fazer um monte de coisas que dizem respeito a própria participação nas decisões locais. É CLARO, que sem ética e sem moral NADA se sustenta sozinha, nesse quesito eu sou de que a moral cristã deve nortear os interessados a se unirem à proposta pra não ter discussão do que um acha do "ponto de vista" do outro.

Spoiler Revelar
Eu não estou dizendo que a gente tem que fazer vista grossa ao que tem de errado. É o contrário, a gente tem que fazer parte ativamente justamente para impedir essas merdas. Do contrário o que sugere? Larga esse estado pra lá e faz um estado paralelo? Não acho que rola. Bom ou ruim, esse é o que temos, é o que foi consensuado perante a sociedade que foi criado e é o que tem mais chances de dar certo.

Eu sugiro justamente o que eu falei, iniciativas privadas e/ou individuais para a fomentação de uma ação paralela ao estado que IMPEÇA o pensamento coletivista, a questão é justamente criar uma frente independente tanto financeiramente, tanto por parte protetiva (ou seja, a comunidade se sustenta sozinha, a comunidade se protege sozinha). Ps: Proteger, não quer dizer atacar caso o estado venha, é dialogar o máximo até que a legítima defesa seja o último recurso eminente, não defendo guerra, golpe, criação de grupos paramilitares ou facções criminosas ou mafiosas do tipo, porque isso é basicamente virar concorrente do estado, e o estado não gosta de concorrência.

Eu não consensualizei com nada na vivda, sempre foi imposto viver sob o jugo do Estado, eu não saí da tutela dos meus pais pra decidir se eu queria ou não tirar uma identidade, um CPF, se eu queria votar ou não, etc.
Ou tu adere ou tu vai preso na primeira oportunidade, escolha simples. Isso sem falar nas penas menores, não poder comprar nada, não poder viajar, não poder um monte de coisas porque você não tem a coleira de ovelha.
Não é uma identificação "porque eu quero dizer aos outros quem eu sou para que as pessoas confiem em mim", é "ou você tira esse cadastro de ovelha ou você vai sofrer as consequências".

Spoiler Revelar
A outra alternativa é dar um golpe de estado e tentar colocar um melhor no lugar, mas não acho que vai rolar, um estado golpista ou autoritário sempre vai viver em cima da poça de sangue dos que foram sacrificados do estado anterior.

Você já sacou como o Estado funciona então? Olha só que interessante, quer dizer então que um golpe pode ser uma solução? E porque a formação do próprio estado não é um golpe? Quem financiou a expedição para o Brasil? O território Brasileiro é propriedade privada de quem? Difícil retroceder na história sem contar os inúmeros golpes e ações militares que culminaram no que somos hoje, meu caro. Nem mesmo as monarquias que são legítimas como a de Portugal e Espanha, por exemplo, sobrevivem aos erros.

Não, um golpe não é a solução. A solução é fortalecer movimentos em diversas áreas que prezem pela independência estatal, vou bater sempre nessa tecla.
Podem ser desde municipalistas que querem que o município tenha independência em suas áreas, pode ser uma organização de desenvolvedores de programas, pode ser uma organização de religiosos, pode ser uma organização de homens que querem apoiar uns aos outros, pode ser qualquer coisa mesmo.... desde que não seja dependente de imposto, de coerção ou de qualquer tipo de agressão a indivíduos pacíficos.

Então, por exemplo: Eu sempre apoiei que a Real fosse um grupo de homens nobres que trocam experiências e buscam aprimoramento juntos, buscando o sucesso pessoal e financeiro sempre, como se fosse uma espécie de maçonaria. Você é iniciado e logo começa a trabalhar para um "veterano", depois quando vai evoluindo, vai ganhando experiências e subindo de cargo, aí já pega a gerência de alguma empresa, quando é idoso, já pega uma empresa, já emprega pessoas e já dá conselhos sobre quem entra ou sai.

Um grupo que eu virasse pra você Wild, e falasse assim: Meu nobre, você trabalha com o quê? "Ah eu trabalho pescando baleia com anzol no oceano", aí a gente senta juntos, apresenta uma proposta pro grupo, o grupo vai vê o custo, a gente financia e paga com juros pra todos os investidores, bota uma empresa pra rodar, esse grupo vai gerando outros realistas, outros membros e aí vai crescendo.
No fim, o capital desse grupo já vai ser milionário, bilionário e o céu é o limite, meu caro.. o dono de tal loja é Fulano, mas no fundo quem manda ali é a Real, Beltrano tem o supermercado "Compra boa", mas no fundo essa rede é  da Real, o gerente é da Real, é um "grau 20"... e os grau 33, só ficam na administração da porra toda e coordenando os grupos. Essa é minha visão.

Isso são apenas princípios, tá? Eu tô falando aqui de um exemplo hipotético que é essa suposta sociedade realista de desenvolvimento masculino. Pode falar que é viagem minha porque é mesmo, isso é bastante otimista da minha parte, mas serve como exemplo do que poderia ser alcançado com esforço.


Spoiler Revelar

Já a parte das sugestões achei muito boa, uma coisa que vejo que os americanos fazem bem, por exemplo, é valorizar o serviço social voluntário e suas micro-sociedades desde sua cidade até o seu estado. O governo federal demora muito pra chegar nessa equação e ter essa independência é algo ótimo para as organizações voluntárias das pessoas, já que não terão um "papai estado" pra magicamente resolver todos os problemas.

HaGargalhada... viu como você chega nos lances? Você me entende, só não consegue ainda se desvencilhar de como viver sem o papai Lula ou o papai Bolsonaro...


Citação:Agora de volta para o assunto aqui, vamos trabalhar nos nossos consensos:
Bora!

Citação:* Você acha que há causas políticas válidas que envolvem o homem na sociedade atual? Ou só as feminazi e LGBTXYZ e afins que tem?
Claro! O homem que não sabe usar o estado a favor dele, meu caro!

TEM MUITA GENTE MILIONÁRIA vivendo de estado, concurseiro, político (é mais fácil você entrar se você for homem, e se for bonito então? Aí que a mulherada vota em você), é maluco que não tem o ensino médio que é diretor de hospital ganhando 30 mil... a política em si não precisa ter escrito lá: "Eu favoreço o homem com a lei que dá pro homem x coisa". Os "betas" somos nós aqui que trabalhamos honestamente pra sustentar os espertões lá...

Eu conheço até maluco que tem pai militar que botou ele na carreira e o maluco só cresceu nos cargos por ser filho... porra, não é favorável? Só não nada com os peixes grandes quem não quer.
Conheço papo retão mesmo, maluco que se mandar escrever uma redação do ENEM, o cara não faz nem 10 pontos, mas tá aí rodando de Corolla do ano... Batalhador? Revolucionário? Não... homem no estado.

A política já é dos homens, os próprios partidos não conseguem meter 30% de mulher nos cargos eletivos porque mulher não quer isso... o estado é um estado HOMENISTA, e toda essa agenda feminista e de agenda 2030, gays e afins, são coisas criadas pelo próprio sistema que é formado por homens, meu caro... as mulheres não participam nem o suficiente pra fazer o arroz na cozinha da política, quem dirá assumir a churrasqueira.
SE TEM ALGUÉM FODENDO OS HOMENS SÃO OS HOMENS e eu tô de boa... porque os homens tão aí lutando contra feminista, contra a esquerda, achando que o problema são os progressistas, quando caírem na mão dos conservadores vão se foder do mesmo jeito, só que de outra maneira.

O sistema só mantém e apoia essas iniciativas por PODER, pra manutenção de poder, só tem apoio de votos porque votos significam DINHEIRO e o dinheiro é o espólio do roubo que dependendo da quantidade, garantem apoio ou não ao chefe da quadrilha, logo, não interessa se há leis ou políticas pra homens, não é homens versus mulheres. É por isso que censura, campanhas de ideologia de gênero, aborto, etc são pautas tão caras ao estado, porque interessam financeiramente a eles, se algumas não passaram ainda porque eles tem medo da opinião pública, mas logo, logo nosso carequinha de Moraes dá sua canetada constitucional.

É a casta estatal do sistema contra você, contra o indivíduo, a luta de classes é uma cortina de fumaça e eu já tô cansado de repetir isso.

Citação:* Alguma injustiça que vale a pena ser reparada? Algo que é injusto ou desbalanceado? Ou simplesmente deixa tudo como está?

De certa forma a participação na defesa pessoal quanto as injustiças cometidas pelo governo, quando oportuno, é válida.

Eu votei em 2018 no Bolsonaro porque eu não queria que o PT comesse meu cu.
Em 2022, eu já percebi que o governo Bolsonaro foi Coca Cola pra caralho, e quando sempre oportuno, serviu ao sistema ao invés de buscar apoio legítimo em quem os colocou lá, a população.
Votei nulo e voto de novo se cair nessa bestialidade de Lula vs Bolsonaro novamente, porque sei que independente quem esteja na presidência, tomar no cu não é uma opção, tapa um buraco, mas abre outro.

Quanto a reparar injustiças feitas pelo estado, não me interessa se fulaninho comeu fulaninha e agora ela tá pedindo pensão por uma lei absurda que uma feminista lançou, isso não vai mudar porque nós não vamos conseguir o apoio de ninguém em política, porque pra isso é preciso de CAPITAL pra comprar opiniões e votos, é preciso "articulação política" pra um cara público enfrentar a opinião pública e arriscar perder seu cargo de poder, auxílio terno, auxílio moradia, auxílio prostituta, auxílio telefone, auxílio loira do cu rosa e ainda uma merreca de salário na casa dos 5 digítos, é imprudente sonhar com uma mudança política em que o sistema se dobre as vontades do que é justo, do que é correto, esperar um debate em um circo onde quem grita mais é quem tem razão, onde ninguém tem debate civilizado, onde NINGUÉM está interessado em buscar um acordo, é só poder, logo se é só poder que interessa pra qualquer lado, a única arma que eu tenho é votar em legítima defesa, mais nada.

Tu vê esses filhos da puta, 30 anos de política, como esses caras fazem merda pra caralho e ainda tão aí com o apoio de todo mundo? Conseguem se reeleger mesmo depois de escândalo de propina... o CARA DO DINHEIRO NA CUECA tira foto do lado do Lula na campanha e o cara ganha!! Tá tudo arregado, caralho e tudo arregado com muito dinheiro, dinheiro de pobre, dinheiro de trabalhador, dinheiro de maluco que foi montar empresa e quebrou porque pagava imposto demais, dinheiro da dona de casa, do pedreiro, da faxineira, do barbeiro... dinheiro do cara que perdeu tudo, foi morar na rua e agora é dependente químico.


Esperar que o sistema se corrija pela "ordem" é cômico, o sistema sempre vai procurar uma brecha, se a máfia tá sendo ameaçada, vão examinar até o cabelo do teu cu pra te entregar pra cadeia, pra assassinar tua reputação, pra te foder político-socialmente e tu nunca mais nem ser porteiro porque ninguém confia em ti.

Agora, tu tá preparado? Tem moral?

Eu não me meto, eu vou pelo caminho da obediência velada, "pago pedágio" até onde eu sou obrigado, e por mim eu devo obediência e respeito apenas à Santa Igreja Católica (em seu corpo), o resto eu quero que vá dormir com o capeta na puta que pariu, não fomento, não apoio, não exijo nada que não seja pra minha LEGÍTIMA DEFESA pra foder o Estado.

Os políticos votarem o próprio salário, Lula dar aumento pra juízes do supremo assim que entrou, é a prova que o crime foi premeditado! Eu não tenho dúvidas que a eleição já estava definida desde quando começou por conchavos políticos, meu caro, não se muda o sistema só com vontade de corrigir injustiça não... se fosse assim eu viraria o Batman.

Citação:* Você acha que há algum ponto em que parcela dos homens são completamente ignorados? Ou tá tudo bom para todos os homens?

Eu acho que os homens desse Brasil são humilhados e roubados desde os tempos do império, se lembra de Tiradentes? Reclamavam do "quinto", hoje nós pagamos 5/12 de imposto, quase meio ano de imposto. Se está tudo bem? Nunca esteve, meu caro, está tudo péssimo, e a solução não é mais, é menos.
Quanto mais nos fortalecermos NOBRES e entre nós mesmos, sem a ajuda de estado, sem voto contra de quem nos impede, sem adolescente burro votando em Lula, nós vamos gastar menos tempo, menos esforço e menos gente morta também, porque tenta só fazer o certo na política pra ver se alguma facção não vem atrás de você...

Você acha que já em algum momento esteve bom pros homens? Eu já prevejo morrer sem ver esse dia chegar.

Citação:Se concorda com alguma dessas frases, acha interessante que desenvolvamos narrativas que demandem artigos, pesquisas, embasamento de forma geral para poder circundar esses problemas e trazê-los à tona?

Eu acho interessante desde que a gente não vire MBL, aliás, quanto mais secreta melhor.
Outra tentativa válida é partirmos todos para os EUA e formarmos uma resistência consolidada contra o Estado, para garantir que tenhamos fundos e armas o suficiente para tanto mandar o estado tomar no cu quando e quantas vezes quisermos, baseados sempre em muita caridade e muito voluntarismo com o intuito sincero de que nunca conseguiremos mudar o mundo, nem conseguir apagar a maldade das pessoas, mas conseguir de uma certa forma atender elas nas suas necessidades tanto físicas quanto espirituais.
The absence of virtue is claimed by despair






Responda-o
#37
Então, cara, vejo que diferimos basicamente em dois pontos:

1. Eu "acredito" que daria, em tese, reformar o estado por dentro. Você por outro lado acha que é melhor formar associações longe do estado. Não acho que as duas plataformas são contraditórias, afinal dá pra fazer as duas sem ter que legitimar o estado em si. Podemos seguir das duas maneiras, cada uma à sua extensão do que for possível.

2. Vejo também como você tem um forte teor "anti-estado" e sim, dá pra entender num contexto de que o estado sempre foi de uma elite, apenas para fim daquela elite se manter no poder. Nisso concordamos. Ainda assim um estado forte é a única coisa que pode nos blindar dos avanços do globalismo de um WEF ou BlackRock da vida, então por isso eu tento balancear as equações por esse lado. Estado forte não quer dizer estado inchado, cheio de funças bem pagos pelo meu trabalho pra foder comigo, antes que os liberalecos de meia tijela venham me chamar de comunista.

Acho que já ficou bem claro que meu objetivo foi "presentar a política" a um movimento onde sinceramente, o que mais vemos é descrença e preconceito com esse sistema (com suas razões falhas e incompletas, mas racionais afinal). Meu objetivo é apenas dar as ferramentas para que quando for um realista, red pill ou qualquer coisa lá na frente participar de um podcast e discussão, não saia de lá que nem uma mocinha que apanhou do padrasto, é dar legitimidade política pra causa realista e claro, unificar as frontes, lutar contra a erosão e atomização das relações sociais. É uma coisa mais pragmática e imediata.

Se você acha que a gente tem que ir mais fundo e combater a estrutura de estado atual em si, assine meu nome embaixo, é uma causa que vale a pena ser lutada. Mas que ao mesmo tempo é algo muito mais complexo e problemático do que a média do pessoa aqui conseguiria ou estaria disposta a fazer (sem ofensa). Para esse caso precisamos juntar uma frente intelectual e estar muito bem fundamentados e com objetivos bem claros. Mas novamente, se o caso for, conte comigo.

Agora, como resolvemos esse impasse? Quais metas a gente pode trabalhar? Por onde tem que ir nossos esforços? Quero ouvir sugestões suas, até agora suas postagens tem sido muito produtivas e com sorte a gente pensa em algo.

P.S.: Termino de ler o PDF lá da Rothbard esse fim de semana.
Citação:“Fortuna Perdida? Nada se perdeu... Coragem perdida?
Muito se perdeu... Honra perdida? Tudo se perdeu...”

(Provérbio Irlandês)
Responda-o
#38
Existe motivos para que a Real (ou Redpill, na mídia) dificilmente vire um movimento organizado. Alguns motivos são estes:

1- Há diferenças entre a mentalidade de pessoas conservadoras e reacionárias e a de pessoas progressistas e revolucionárias.

2- Há diferenças entre a cultura da androsfera e os movimentos progressistas, e dentre eles, o feminismo.

3- Há diferenças entre os homens e as mulheres.

Pessoas conservadoras e reacionárias tendem a ser mais individualistas. O esforço individual, a resistência individual etc. são coisas mais da esfera conservadora. Eu já ouvi de FEMINISTA que hoje em dia, são as mulheres conservadoras que tem mais iniciativa pessoal e "garra" de correr atrás e de resolver os próprios problemas, por incrível que pareça...

Até as ideologias de massa do meio reacionário tem uma certa tendência ao individualismo e à iniciativa pessoal. O fascismo (sim, existe características reacionárias no fascismo também) tem essa coisa de "homem de personalidade forte que reergue o país das cinzas", "ficar de pé entre ruínas" etc. 

Também, geralmente conservadores estão em cursos de administração, engenharia, direito, medicina, militares etc. e não nos de ciências sociais, história, letras, ciências políticas etc. O partido Democrata dos EUA tem uns 45 milhões de membros, enquanto os Republicanos tem uns 35 milhões. Existe uma certa apatia em relação a assuntos políticos e sociais entre os conservadores.

Terroristas de esquerda costumam agir em agrupamentos maiores. Terroristas e perpetradores de massacres de direita costumam agir sozinhos ou em grupos pequenos.

A esquerda produz menos materiais de desenvolvimento pessoal. E até mesmo os materiais de desenvolvimento pessoal populares entre os esquerdistas são diferentes: "O Segredo", por exemplo... não é um livro ruim, mas falta um pouco aquela pegada do tipo "mermão, corre atrás também..."

Reparem também a diferença do movimento feminista e LGBT e a androsfera masculinista:

O feminismo tem pelo menos uns 2 séculos. O movimento LGBT uns 50 anos. São dois movimentos que já tem vários subgrupos, porém são bastante coesos e unidos, apesar de uma diferença aqui e outra ali. E já tem tradição de militância nas ruas, assembleias políticas, seminários, meios acadêmicos, consultórios de psicologia etc.

A androsfera tem pouquíssimo tempo e tem sub-grupos que não conversam muito entre si (Incels, MGTOWs, father's rights, PUAs, Redpills, Nofappers, tradcons, etc). E esses grupos mesmos já se autodenominam como um "estilo de vida, e não uma ideologia política". Houve tentativas de formar uma androsfera há uns 100 anos atrás e também autores que criticavam o movimento feminista da época. Mas eram poucos e também eram mais secos do que os de hoje.

Obs: não defendo que deveria haver união entre o grupo dos virjões e o restante da androsfera, só esclarecendo.

O feminismo e os movimento LGBT estão historicamente muito bem colocados nos meios esquerdistas. Houve uma certa resistência no começo, mas logo foi superada. Hoje em dia, algumas feministas no máximo reclamam de esquerdomachos que têm atitudes machistas e que não ajudam na luta delas. Porém elas não são rejeitadas na esquerda. E a androsfera? Os meios conservadores e reacionários tem uma certa resistência aos redpills, MGTOWs etc. Atualmente alguns tradicionalistas abriram mais a mente para essas ideias. Mas não são muitos. Existe mulheres conservadoras e que não são feministas. Mas mulher "Guerreira da Real"/Redpill?? Isso aí tem pouquíssimas. Quantas Esther Villar existem por aí? 

Talvez, mas bem somente "talvez", o equivalente feminista do sexo masculino é um "father's rights activist", ou "men's rights actvist". E mesmo assim, ainda há diferenças. Eu nunca li muito material feminista, mas pelo jeito o foco delas não são os relacionamentos...

O equivalente a um Incel do sexo feminino não é uma feminista, mas sim alguma esquisita que ninguém tem coragem de comer (e a quantidade de mulheres Incels é BAIXÍSSIMA). E geralmente elas não ficam frequentando chans. Elas buscam ajuda psicológica, pois elas já têm incentivo cultural para fazerem isso.

O equivalente a um MGTOW do sexo feminino não é uma feminista, e sim alguma solteirona ou divorciada que não quer relacionamento. Essa solteirona pode ser até mesmo alguma mulher conservadora e frequentadora de igreja, mas não quer mais se relacionar (não precisa ser feminista para ter ideias misândricas ou anti-casamento, misogamia etc).

O equivalente a uma "Redpill" feminina não é necessariamente uma feminista, mas sei lá, alguma coach ou psicóloga "conselheira amorosa" que fala sobre o "profano masculino", "red flags masculinas", desenvolvimento pessoal feminino", a valorização da mulher etc.

Aliás, o desenvolvimento pessoal feminino é BEM diferente do masculino...

Geralmente recorrem a autoajuda, a livros que mostram arquétipos do "sagrado feminino", "deusa interior", coisas que elevam a autoestima delas.  

E tem mais outra coisa também: não me lembro de ver conselheiras amorosas "Metendo a Real" em mulheres. Muitas vezes é "você merece o melhor", "não se contente com pouco", "saia de relacionamentos abusivos" "cuidado com homem com vibe de estuprador" etc. Não me lembro de ver alguma falando "pô, mulher, pare de ser chata com o macho, deixe ele ir pescar de vez em quando, apaga seu instagram cheio de fotos semi-nuas, arruma o seu shape, aprenda a cozinhar, pare de ser ciumenta com os hobbies dele, pare de fazer joguinhos infernais etc". 

Se um cara escreve um livro de desenvolvimento pessoal masculino com frases do tipo "você é especial", "você é maravilhoso", "bodypositive", "ain, etc". o escritor sofreria bullying por excesso de viadagem. E com razão.

Não existe uma "Real" para mulheres.

Falando agora sobre pornografia: as feministas anti-pornografia hoje são minoria, e a postura delas é de militância contra a “escravidão sexual machista”. A maioria é sex-lib e defende mais é que a mulher “se liberte”, tenha autonomia e seja “emponderada” (vibradores, contos eróticos, swing etc). Existe incentivo para a liberação sexual. A liberação sexual delas, e não tanto dos homens. Além disso, são mais permissivas com traição (principalmente se for a mulher). E tem poucos canais sobre “NoFap” feito por mulheres e para mulheres (e geralmente não são feministas).

Já na androsfera, a abstinência e o controle sexual é amplamente difundido. O “NoFap” é mais coisa de masculinista do que de feminista. Claro, existe também a galera que fala de GP, swing, waifus, bonecas sexuais etc. Mas a absoluta maioria dos canais de Redpill falam para evitar pornografia, masturbação e desregramento sexual, e usar o tempo e energia para alguma coisa útil. E também a traição costuma ser mal-vista, mesmo quando é homem. Quase não tem ninguém "livrando a barra dos brother".

A feminista anti-pornografia não diz “pô, macho, tenha mais auto-controle, não desperdice seu tempo e energia etc”. Na verdade, ela diz “pare de colonizar nossas corpas, nos escravizar e nos objetificar etc”. Ela é ativista, e não coach.

A postura das feministas anti-pornografia é de MILITÂNCIA POLÍTICA. A dos masculinistas anti-pornografia é de DESENVOLVIMENTO PESSOAL. 

E sobre a cultura da androsfera: para as mulheres, não existe um "Taxi Driver", um "Clube da Luta", um "Rambo", um "007", um “Três Homens em Conflito” etc. Eu só me lembro de duas personagens femininas fodonas solitárias nos últimos tempos: a Katniss Everdeen, do "Jogos Vorazes", e a Lisbeth Salander, da série de livros "Millenium". E essa última aí foi criada por um ESQUERDOMACHO sueco. Foi criada por outro homem. E que por mais esquerdista que seja, admira qualidades dos personagens fodões solitários de filmes masculinos, e quis criar uma personagem feminina do mesmo jeito. E aquela moça do filme “Menina de Ouro”? Esse filme foi dirigido pelo Clint Eastwood! Talvez a Mulan também, mas ela é baseada numa pessoa que existiu na vida real. E quantos outros HOMENS desse estereótipo não existem nos filmes?

Agora, o que existe no meio feminista? A branquela que liberta as negras de uma vida sufocante (Histórias Cruzadas), a amiga que liberta a outra amiga das garras de outro macho (Thelma & Louise, Tomates Verdes e Fritos, Cor Púrpura etc), a fêmea oprimida pelas próprias doenças psicológicas (As Horas). Várias feministas ficam fazendo textões sobre como as bruxas da idade média eram emponderadas e tinham iniciativa. Mas nos filmes eu vi muito pouco o arquétipo da BRUXA, que resolve adquirir força e poder para si própria. Existe mais é o arquétipo da VÍTIMA, incapacitada, debilitada e que precisa da união de outras mulheres em volta para se libertarem da opressão. Existe pouca imaginação para elas promoverem DESENVOLVIMENTO PESSOAL. Mas existe muita imaginação para elas promoverem MILITÂNCIA POLÍTICA.

E não me lembro de ter visto nos meios progressistas coisas como: "cuidado com ideias misândricas", "cuidado com generalizações" etc. Por incrível que pareça, algumas pouquíssimas feministas (bem poucas mesmo) já demonstraram algum grau de preocupação com a saúde mental de Incels, e também já falaram coisas como "vai fazer uma atividade física, arrumar serviço, sair da frente do computador, ir num psicólogo", "pare de procurar só stacys", “pare de frequentar chans”, etc. Mas não passa disso. No geral, elas fazem é chacota desses caras.

Na androsfera SEMPRE tem homens falando "brother, manera no radicalismo", "vamos respeitar a moça aqui nos comentários", "qual é, mano, tu ainda tá na Rage/Fase da Revolta, dá um tempo de conteúdo Redpill/MGTOW", "hein, velho, toma cuidado com a misoginia, com extremismo etc". Existe MUITO cuidado em falar coisas que não pareçam misóginas.

Por que existe tanto cuidado? 1- Porque o cara pode perder público (e às vezes, público feminino. Aliás, alguns são até casados); 2- Porque o cara pode ser processado e preso; 3- Porque ele sabe que o homem é mais fisicamente forte e agressivo do que a mulher, e também tem menos inteligência emocional; 4- Para não atrair um público radical que está a poucos passos de outro público mais radical ainda (e que atrapalhou MUITO a Real no passado...); 5- Porque o cara tem bom-senso. 

E falando um pouco mais sobre misandria e misoginia: a mulher desenvolve mais cedo ideias de sobrevivência e auto-preservação contra o sexo oposto (“tome cuidado com certos tipos de homens”, “acho esquisito a forma como meu professor/tio/homem adulto me olhava”, “garotos são mais agressivos, me torram mais a paciência e não me deixam participar das brincadeiras deles” etc). E o homem demora mais a desenvolver uma certa desconfiança contra o sexo oposto (“pô, mano, cuidado com algumas safadas aí que só querem se aproveitar de você”, “então, eu também já comecei a reparar que mulher também faz besteira, comete agressões etc”, “aí, uma vez eu achei que uma guria tava a fim de mim, mas ela só queria me deixar na friendzone”, “eu perdi tudo no divórcio”, "mulher não gosta de cara grudento demais" etc). A quantidade de manginas e feministos é maior do que a de maria-redpills. As mulheres já reparam algo de errado nos homens quando elas ainda são crianças ou pré-adolescentes. Os homens reparam algo de errado nas mulheres só quando já são adultos, ou no mínimo adolescentes. Os homens demoram mais pra cair na real (e “na Real”, com “R” maiúsculo também).

Aliás, já reparei outra coisa também: as garotas do meu convívio escolar que mais tarde se tornariam militantes feministas (algumas lésbicas ou bissexuais) tinham uma certa facilidade de se enturmar com os garotos, e achavam um saco as brincadeiras e os assuntos de meninas. Na adolescência, elas queriam participar das rodas de conversa dos garotos, jogar bola, ficar ouvindo putaria etc. Na infância, elas achavam melhor brincar com os garotos, ficar mexendo com sujeira, insetos, coisas nojentas etc. 

E vocês aí, confrades... vocês que são da Real... algum de vocês brincava de casinha ou de boneca?? Algum de vocês se sente oprimido pelo "ginocentrismo matriarcal" por não poderem entrar no Clube das Luluzinhas?? Acredito que quase todos vocês brincavam de futebol, guerrinha, espionagem etc, brincadeiras "neutras" (pique-pega, esconde-esconde etc) ou então eram mais solitários (video game, brincadeira imaginativa sozinha etc). Geralmente os homens que participam de brincadeiras femininas, atividades femininas etc. se revelam gays depois ou se tornam manginas que querem entrar nos coletivos feministas e ficar pelados nos protestos.

Engraçado é que depois da adolescência, existe um certo esforço das feministas em diminuir o grau de masculinidade dos homens, pois assim, supostamente, eles se tornariam "menos" estupradores, agressores, impulsivos, perpetradores de guerras etc. Primeiro elas gostam do universo masculino, e mais tarde despejam rancor em cima dele... E os caras da Real/Redpill?? Vocês participavam do universo feminino e depois passaram a querer destrui-lo? Esse tipo de atitude não é recorrente em nossos meios.

Isso é comum é entre misóginos hardcore. Eles odeiam até mesmo as qualidades das mulheres (diplomacia, ternura com animais e crianças, intuição, força psicológica etc).

Notem mais uma vez que o movimento feminista e a cultura da androsfera não são “dois lados da mesma moeda”, "opostos simétricos" etc. mas sim “diferentes”. E BEM diferentes. Não são apenas diferenças de ideias. São diferenças de contexto, de mentalidade e de objetivos. 

Um outro fator importante aí no jogo: ATRAÇÃO FEMININA. A mulher é mais exigente que o homem. Se um cara da Real percebe que a namorada dele assiste alguns conteúdos sobre feminismo, violência doméstica etc. talvez ele não queira se afastar dela de imediato. Ele não a enxerga como uma "grande ameaça". Mas se a mulher descobre que o cara é consumidor de conteúdo Redpill, provavelmente ela pode se afastar dele. E me digam aí, confrades... qual homem heterossexual vai querer virar repelente de mulheres? A Redpill ainda é vista como algo misógino por muita gente ainda. E não por acaso, vários se escondem em fakes ou canais do youtube que só aparecem a voz. Imagine só, a sua namorada, sua chefe ou suas colegas de trabalho descobrirem o que você acessa na internet? A mulher geralmente apoia ideias redpills só se for de filho homem, e olhe lá...

Além disso, mulheres tem mais tendência a sociabilidade e serem mais unidas quando se trata de questões ideológicas. Mulheres costumam ser mais diplomáticas umas com as outras. Já os homens... Redpills, PUAs e MGTOWs nem sonham em fazer uma espécie de "Marcha dos Solteirões", reivindicando leis melhores nos divórcios e acusações falsas. Seria considerado estranho pela mídia (“IIIIHHHH, sei não, hein... um bando de machos solteiros juntos para reclamarem?”, "isso me cheira a ressentimento e misoginia, e talvez até um pouco de viadagem..." etc). Talvez seria considerado estranho até para eles mesmos, pois a responsabilidade individual é muito enfatizada nesses meios. Aliás, MGTOW é "Homem Seguindo o Próprio Caminho", e eles gostam de colocar ênfase no termo "Próprio Caminho". Eles costumam falar: "nós seguimos nosso próprio caminho, e não uma ideologia".

Só uma sugestão: tem mais tempo livre, paciência e gosta da área de humanas? Tem mais visão de "serviço social"? Quer expandir as atividades além dos fóruns? Podem criar um blog, um livro (ficção ou não), um canal (nem precisa mostrar o rosto ou só para vender curso) etc. E caso fizerem isso de forma anônima, podem mencionar a existência dos fóruns também. A Real tem pouco contexto para militância, mas tem muito para auxiliar no desenvolvimento pessoal dos outros.

Concluindo: progressistas e conservadores têm mentalidades bem diferentes. Feminismo e a cultura da androsfera tem origens, contextos e objetivos bem diferentes. E as mulheres e os homens são diferentes. Por essas e outras, é difícil a Real (e Redpill, MGTOW, etc) se tornar um movimento politicamente organizado e que se expõe. Pelo menos, agora. Provavelmente vai continuar crescendo, mas de forma silenciosa, anônima e individual.
Responda-o
#39
O @Texugo Real acabou de postar e resumir de maneira magistral por que muita coisa não vai pra frente.

É uma diferença muito grande de mentalidade. Infelizmente a pessoa mais individualista por vezes acaba falhando na parte "política/social"  da coisa, seja por egoísmo, por miopia, ou só por tacanhice mesmo.

Aí ela perde não por que não tem razão, não tem um bom argumento. Perde por falta de organização, por que prefere ficar se digladiando com o amiguinho que pensa 99% igual. Já apontei isso aqui.

O pior que agora que tá apontando as diferenças, dá justamente pra poder trabalhar isso. Encontrar meios de contornar as dificuldades apontadas em cada campo das ideias.

Não é de hoje que inseri os termos "desenvolvimento social" na conversa e o mais novo "desenvolvimento político" para além do desenvolvimento pessoal. O pessoal tem que lembrar que tem muito além do próprio umbigo em jogo.

Excelente resposta, demorou, mas li tudo. Agradeço o comentário.

Força e honra,
Citação:“Fortuna Perdida? Nada se perdeu... Coragem perdida?
Muito se perdeu... Honra perdida? Tudo se perdeu...”

(Provérbio Irlandês)
Responda-o
#40
Ou vivemos uma vida solar ou estamos fodidos, muito mais verídico.
"Há um amplo fosso de aleatoriedade e incerteza entre a criação de um grande romance – ou joia, ou cookies com pedaços de chocolate – e a presença de grandes pilhas desse romance – ou joia, ou sacos de biscoitos – nas vitrines de milhares de lojas. É por isso que as pessoas bem-sucedidas em todas as áreas quase sempre fazem parte de um certo conjunto – o conjunto das pessoas que não desistem." O andar do bêbado.
Responda-o


Possíveis Tópicos Relacionados...
Tópico Autor Respostas Visualizações Última Postagem
  Como lidar com gente estúpida? Merdingo 142 30,998 28-11-2022, 09:33 PM
Última Postagem: MacGyver

Pular fórum:


Usuários visualizando este tópico: 2 Visitante(s)