Avaliação do Tópico:
  • 0 Voto(s) - 0 em Média
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Seja o melhor que você puder ser
#1
Citação:
Com o objetivo de trazer conteúdos para essa casa e enriquecer cada vez mais, trarei alguns post de alguns da blogosfera Realista na qual não consta nesse fórum. E como já existe um projeto para tal, o Projeto das Relíquias Perdidas, deixarei ele como parte do projeto. Informo ainda, que o texto foi editado tirando as partes na qual foi direcionado para o blog ou local de escrita do presente autor. Resaltando mais uma vez que o presente texto foi adaptado para o fórum, deixando poucas referências feitas no texto ao seu original, bem como alterado as imagens da época pois não encontrei as mesmas. O nome do autor se encontrará sempre ao final do tópico e se for usuário desta casa o marcarei. Obs: O tópico não é para ser feita criticas ao autor por outros motivos já debatidos nessa casa, favor atentar-se ao conteúdo do artigo e se houver qualquer tipo de critica que seja por essa postagem.

Seja o melhor que você puder ser

[Image: treino_stallone.jpg]

Com esse artigo, também começo uma nova "série", ou tag, ou tópico para artigos do mesmo assunto. Essa série decidi chamar Homens de Valor. Por que Homens de Valor? Porque nessa série eu vou dar exemplos de homens que se superam no quesito desenvolvimento pessoal e nos servem como bons exemplos à seguir. 

Eu estou ciente que falta na nossa sociedade apoio aos homens. É isso mesmo. As mulheres tem os apoios de umas com as outras, são mais protegidas por lei que os homens e são consideradas como o "sexo frágil" (grande bobagem). Ou seja, a sociedade não julga duramente se uma mulher tem dificuldades para achar seu caminho na vida. Mas infelizmente julga os homens. Nós sempre temos que saber o caminho, temos sempre que saber o que estamos fazendo. Temos que ser rochas. Temos que ter sucesso para ser respeitados e não sermos invisíveis. Não temos o direito de nos sentir deprimidos e tristes, de sentar, levar as mãos ao rosto e chorar. Os homens por medo de serem julgados pelos próprios homens, geralmente não tem com quem se abrir, pedir um conselho, reclamar. Muitos homens não tem uma boa figura paterna para seguir. Nós somos obrigados a engolir sapos e ficar quietos, firmes, porque é isso que esperam de nós. A sociedade espera que façamos tudo sozinhos e tiremos coelho da cartola a cada momento.

Existem sim movimentos masculinistas como a Real (do qual participo), como o MGTOW (Men Going Their Own Way), entre outros, que aconselham os homens em tudo, onde os homens se ajudam e se aconselham. Algo dedicado apenas para os homens. Já escrevi alguns artigos apenas para aconselhar nossos irmãos de bunda peluda, como os artigos sobre marriage strike/casamento. Mas como sempre digo, o negócio é focar no desenvolvimento pessoal, mulher nunca deve ser fim nem objetivo na vida de um homem.

E que as leitoras do PFL (Ex blog do Rover) não me levem a mal. Não sou machista e nem misógino. Acho que o conteúdo do blog tem muita coisa para ajudar ambos os homens e as mulheres, mas vocês mulheres tem muito lugar onde procurar ajuda e conselhos. Nós não temos.
Como primeiro artigo dessa série, quero destacar dois homens que admiro, dois atores. Sim, eles são celebridades, são ricos e famosos. Mas quer saber? Eles merecem ser, porque eles são absolutamente mestres no que fazem, que é atuar. São muito talentosos, é claro. Mas o que faz com que eles estejam no topo de suas profissões é o esforço e trabalho duríssimo que colocam em cima, não dependem apenas do talento. E eles é que serão nossos dois exemplos aqui.

Daniel Day-Lewis
Com certeza muitos que leem aqui (BLOG) conhecem Daniel Day-Lewis. Ele simplesmente é vencedor de três Oscars de melhor ator em papel principal, e é o único por enquanto. Você com certeza também já viu muitos filmes onde ele atuou. Mas não é dos prêmios (merecidos) que ele recebeu que quero falar.
Quero falar da ética de trabalho dele. Daniel é o chamado "method actor". O sistema do method actor foi criado por Lee Strasberg que foi ator, diretor e professor de atuação. Resumindo, esse sistema exige que o ator viva o momento da atuação como verdade. Isso inclui muitas técnicas diferentes. Algo que não vou explicar porque não é minha área, não manjo nada de atuação.

Mas é por ser um method actor que ele eleva seus níveis de trabalho e preparação à patamares muito elevados. Vamos ilustrar isso um pouco com o tipo de preparação que ele fez para alguns dos seus filmes.


[Image: fd149c0ffb209fe3ea3754b530210810.jpg]
A Insustentável Leveza do Ser (The Unbearable Lightness of Being de 1988)

Para esse filme, Daniel Day-Lewis aprendeu tcheco e agiu como o personagem dele no filme por todos os 8 meses da filmagem. Dentro e fora do set. Por 8 meses ele deixou de ser ele e agiu como Tomas, seu personagem. O cara aprendeu um novo idioma (um que é difícil de aprender) para gravar um filme.

[Image: images?q=tbn%3AANd9GcQTqpsgSGB02o8uSOLJt...w&usqp=CAU]

Meu pé esquerdo (My Left Foot de 1989)

Enquanto ele deu vida ao poeta irlandês Christy Brown, que era deficiente e viveu numa cadeira de rodas, não saiu da cadeira de rodas e a equipe das filmagens tinha que carregá-lo de um lado para outro. Por causa disso, acabou fraturando duas costelas. Ele também fez com que todas as suas refeições fossem dadas para ele em uma colher, direto na boca. Ganhou um Oscar por essa atuação.

[Image: o-ultimo-dos-moicanos-divulgacao.jpg]
O Último dos Moicanos (The Last of the Mohicans de 1992)

Para se preparar para esse papel, ele aprendeu sozinho a viver como um sobrevivencialista e aprendeu a caçar animais para comer. Ele se recusava a comer qualquer coisa que não fosse caçada por ele, seja com seu mosquete ou com seu tomahawk (machado indígena), ambos dos quais ele aprendeu a usar de forma precisa. Ele também aprendeu a construir canoas.

[Image: images?q=tbn%3AANd9GcQjOsZ5PJUliggodTSZP...Q&usqp=CAU]

Época da Inocência (The Age of Innocense de 1993)

Para se preparar pra esse papel, um cavalheiro dos anos 1870, ele simplesmente se hospedou no Plaza Hotel em New York, usando o nome do personagem, e andou vestindo as roupas de época pela cidade e no seu dia a dia durante as filmagens.

[Image: plano-critoco-em-nome-do-pai-filme.jpg]

Em Nome do Pai (In The Name of The Father de 1993)

Para poder parecer real no papel de um homem condenado injustamente, ele dormiu muitas noites numa solitária gelada na prisão abandonada onde filmaram o filme. Para fazer a cena de interrogatório do filme, ele ficou acordado três dias seguidos. E pediu para que o staff das filmagens jogasse água fria e ficasse sempre xingando ele, para que a experiência de um prisioneiro do IRA (Exército Republicano Irlandês - grupo terrorista) fosse o mais realista possível.

[Image: as-bruxas-de-salem]

As Bruxas de Salém (The Crucible de 1996)

O cidadão simplesmente não tomou banho durante toda a duração da filmagem. Para poder perceber como era viver no Século XVII, como era a higiene pessoal naquela época. Ele também construiu a casa em que o personagem dele viveu no filme e ajudou a montar o set de filmagens. Pra finalizar ele ficou vivendo alguns dias na casa em que construiu. Não tinha nem água nem energia elétrica na casa.
 
[Image: OLutador.jpg]

O Lutador (The Boxer de 1997)
Ele não apenas treinou forte na academia como treinou todos os dias por um ano e meio com o antigo campeão peso pesado Barry McCuigan, para se tornar um boxeador de nível profissional. E chegou ao extremo de auto tatuar a próprias mãos, com agulhas e tinta.
 
[Image: gangues-de-nova-york-daniel-daylewis.jpg...C790&ssl=1]

Gangues de Nova Iorque (Gangs of New York de 2002)

Para o papel de Bill, the Butcher (Bill, o açougueiro), Day-Lewis teve lições em açougue para aprender a cortar carnes. No set ele permanecia dentro do personagem. Afiava suas facas entre as tomadas, falava com o sotaque carregado da Nova Iorque da época e decidiu que não ia usar nenhuma roupa quente (o filme foi gravado no inverno) porque segundo ele, não era assim na época. Isso fez com que ele pegasse pneumonia. Ele recusou os tratamentos modernos e exigiu que o tratassem a moda da época, mesmo correndo riscos. Maluco? Talvez. Mas não saiu do papel.


[Image: images?q=tbn%3AANd9GcS721oQwhJw7Cn0z6DEP...w&usqp=CAU]
O Mundo de Jack e Rose (The Ballad of Jack and Rose de 2005)

Esse filme foi dirigido pela mulher dele, Rebecca Miller. Ela ofereceu o papel principal pra ele. Ele aceitou e imediatamente saiu de casa. Para poder viver a solidão e isolamento do personagem, abandonou a mulher e foi morar sozinho durante as filmagens (voltou pra casa depois, é claro).

[Image: SANGUE.jpg]

Sangue Negro (There Will be blood de 2007)

Para começar, o ator coadjuvante decidiu abandonar o filme, pois ele não conseguiu lidar com o Day-Lewis em seu papel em tempo integral (na frente e atrás das câmeras). O cara substituto, Paul Dano, levou boladas de boliche de verdade em uma das cenas. E por fim, Daniel aprendeu a usar equipamento de extração de petróleo real para o filme.

[Image: 14598993.jpg?w=1024&h=512&a=c&version=1575255600]
Lincoln de 2012

Ele exigiu que todos no set, incluíndo o Steven Spielberg, que o chamassem de "Sr. Presidente" e não deixou que os atores ingleses falassem com ele com seu sotaque britânico (Daniel Day-Lewis também é britânico), para não prejudicá-lo em acertar a voz que Lincoln teria.

Bom, o Daniel Day-Lewis é realmente um cara que leva o seu trabalho ao extremo, talvez até além do limite da sanidade. Eu diria que até as vezes de maneira perigosa para a própria saúde, mas não dá pra deixar de admirar o cara. Ele é uma pessoa que faz as coisas da melhor maneira possível, ele se dedica o máximo que consegue. Desde 2012, quando filmou o Lincoln, não fez outro filme. Talvez esteja se preparando pra outro projeto, pois eu não duvidaria que ele pararia por vários anos para se preparar pra um único filme.

Agora vamos falar de outro ator. Este não é extremo como o DDL. Mas é igualmente talentoso e um cara que trabalha extremamente duro pra ser bom do jeito que é.

Anthony Hopkins

Sir Anthony Hopkins é um grande ator, todos nós sabemos disso. Ele é um homem de vários talentos, não é apenas ator como é compositor

[Image: intro-1568920260.jpg]
Só a cara de louco assassino que ele consegue fazer como Hannibal Lecter já faz por merecer o salário milionário.

Mas vamos voltar para a profissão pela qual ele é conhecido. Ele não faz os "malabarismos" de preparação do Daniel Day-Lewis, mas quando recebe um script em que se interessa, lê esse script entre 150 e 200 vezes. É isso mesmo que você leu. Imagine que ele tivesse participado dos filmes do Senhor dos Anéis, que provavelmente teve scripts gigantescos (aliás, quase todo filme tem um script gigante). Bom, ele teria lido tudo aquilo mais de 100 vezes até conhecer e memorizar cada parte do conteúdo.

Ele é famoso por gravar suas cenas apenas uma vez. Isso pode ser problemático para alguns atores e diretores, mas é o preço a pagar pra ter Anthony Hopkins no seu elenco. Simplesmente porque quando ele chega lá pra trabalhar, já sabe suas falas e as falas dos outros atores, além disso já está totalmente preparado para fazer reagir emocionalmente como cada cena pede. Ele não precisa que o diretor diga para ele como agir, já que conhece o personagem e o scrip de trás para frente.

Então esses dois caras são os exemplos de hoje. Agora você deve se perguntar:

"Mas você quer que eu vire ator, Rover?"

Não, claro que não. Caso você queira, ótimo, vá ser ator, é uma boa profissão. Mas não é esse o ponto aqui.
O que quero dizer é que você deve trabalhar duro, pra ser o melhor que puder ser no que faz. Esses dois atores são ótimos exemplos de trabalho duro, dedicação. Bruce Lee (que também era ator) dizia que não existem limites para o que podemos fazer. Existem patamares, platôs. Uma vez que atingimos esses patamares, devemos continuar trabalhando para melhorar e atingir a próxima plataforma.

"Ah Rover, mas pra que eu vou querer melhorar no que eu faço? Eu odeio meu emprego, só faço isso por causa do dinheiro mesmo."

[Image: homem-preguicoso-e-gordo-de-camiseta-e-f...51-473.jpg]
Se você chegou nesse ponto, é melhor começar a pensar em fazer outra coisa

Sim, compreendo. Mesmo com a parada que dei de escrever no blog, ainda continuo recebendo muitos emails de pessoas (na sua maioria homens) me contando como estão sem rumo na vida e odeiam o que fazem.
Sabe o que eu digo para eles?

A mesma coisa que vou dizer aqui agora. Trabalhar é algo que você vai ter que fazer na vida. Mesmo que você nasça em berço de ouro, extremamente rico e sem precisar trabalhar, uma hora você vai querer iniciar um projeto, algo pessoal, algum tipo de trabalho. Na vida você vai ter três caminhos. Ou você vai trabalhar com algo que gosta, ou algo que não gosta ou algo que suporta, mas largaria quando pudesse. Se trabalhar com algo que gosta e for extremamente sortudo, um ponto fora da curva, você vai ganhar muito dinheiro com isso. Se não for tão sortudo, vai trabalhar com algo que te completa como pessoa, mas não traz retorno financeiro. Por outro lado a grande maioria trabalha com algo que odeia, mas trabalha porque precisa do dinheiro pra sobreviver. E temos aqueles que trabalham em algo que suportam apenas, mas não hesitariam em largar isso. Acho que eu faço parte desse grupo.
 
O que eu sempre digo pra esse povo sem rumo no email é o seguinte: Se você não trabalha em algo que gosta, se você odeia seu trabalho ou apenas o suporta, então que ele dê dinheiro. Se você faz o que gosta mas não está ganhando dinheiro o suficiente, talvez seja porque você ainda não é bom o suficiente pra merecer uma recompensa financeira melhor. Trabalhe duro para melhorar, seja lá o que você faz.
 
"Ahh Rover, mas eu odeio meu trabalho e ele paga pouco, salário de fome."

ENTÃO PEÇA DEMISSÃO FILHO DA PUTA!

Vai vender pastel na feira. Vai vender cachorro quente na porta da faculdade. Abra um negócio. Procure outro emprego. Vire pedreiro. Tente outra coisa. Se seu emprego é uma merda e te paga pouco, oras caralho, procure outro emprego merda que pague mais ou vá fazer o que você gosta, já que é pra receber um salário merda, então pelo menos trabalhe com algo que é prazeroso pra você. Você trabalha de terno e gravata num escritório fazendo planilhas de Excel o dia todo pra ganhar R$ 2 mil por mês, levar esporro do chefe e está de saco cheio? Sim, isso é uma merda. Vá vender pipoca no parque. Deve ser uma merda também, mas com certeza você vai tirar mais do que R$ 2 mil e vai mudar de ares. 

Bem melhor, não? Seu trabalho tem que ter um sentido. Se você não o faz porque gosta, então tem que ter outro tipo de recompensa. Se você conseguir aliar as duas vantagens num só, ótimo, mas se não conseguir, você PRECISA ganhar de um lado. Não dá pra perder dos dois. Se você faz isso, ESTÁ JOGANDO SUA VIDA NO LIXO. E o que você faz realmente não importa muito. Só é preciso que você tenha uma motivação e disciplina para fazer. Como eu disse em muitos artigos passados, é preciso ter OBJETIVOS na vida. Tenha SONHOS, METAS À CUMPRIR.

Se o seu trabalho não é um desses objetivos, sonhos e metas, que ele seja uma ferramenta que vai te ajudar a realizá-los. E procure se tornar o melhor que puder no que você faz. Porque quando você se torna muito bom em algo, mesmo que não goste desse algo, será recompensado. Eu sei disso, porque mesmo não morrendo de amores pelo que eu faço, me tornei muito bom nisso e agora estou colhendo os frutos do esforço. Faça o mesmo.

Autor: @Mr. Rover

                Passei, vi e, ao contrário deles, venci.
Responda-o
#2
Esse tópico do Rover é bom porque ele nos mostra como devemos ir e focar no que fazemos, ocorre que desejam algo porém não estão pronto para entrar afundo nela, não querem sofrer para então usufruir de seu trabalho e esforço. Todo Trabalho deve ter esforço e foco, e visão simples e clara do que se realmente quer, veja quem você quer ser e a incorpore ele em você, mesmo que não seja real e apenas um mero pensamento, pensamentos moldam seu corpo e seu espirito, a força da percepção de algo mesmo que não seja real lhe torna aquilo com o tempo, pois sua mente começa a similar aquela nova identidade, é tudo questão de adaptação.

É de se observar que o primeiro ator ele incorpora aquilo em sua vida, mesmo que seja apenas para atuar, mas ele tenta tornar real em sua vida. Lembro-me do @Libertador em sua ida ao EUA, na qual ao perceber a postura e mentalidade dos melhores e piores vendedores notou que os melhores mesmo não conseguindo as vendas eles se mantinham de cabeça erguida e começou aplicar isso em sua vida, mudando assim sua mentalidade mesmo que ele não conseguisse vender, e bom, suas vendas melhoram e muito.

O @Héracles toca muito nesse assunto o da palavra e o poder que ela detém. Mas é algo Real e que já apliquei em minha vida, as vezes eu andava com a cabeça para baixo e postura arqueada, e comecei a notar isso e vi como uma postura molda um cara e passei a imaginar que era um General de Guerra e comecei andar como uma postura mais firme e com isso automaticamente vêm mais confiança. Enfim, com o tempo isso vai te moldando e seu sub-consciente começa a captar tais novas identidades.

                Passei, vi e, ao contrário deles, venci.
Responda-o
#3
Esse texto é fantástico, sempre é bom poder reler, sendo que concordo muito com essas ideias.

Um ponto interessante, porém, é que a excelência cobra um preço imenso, gerando, em muitos casos, aposentadorias precoces... não sei se por desgaste ou outro motivo, exemplos:

-Daniel Day-Lewis
-Georges St. Pierre
Responda-o
#4
O tópico é excelente. Não é novidade pra ninguém que o 'sistema' só se importa com resultados. Aqui na real nós debatemos muito sobre os frutos do desenvolvimento pessoal etc., mas a verdade é que, pra nós, o mais importante deveria ser o processo e não o resultado, porque os outros só se importarão com os nossos resultados, e resultado por incrível que pareça não significa muita coisa. 

Quem fala sobre isso é o Kasparov, um gênio do xadrez, ele dizia que a vitória cria uma espécie de bolha da qual nós ignoramos completamente os erros cometidos no processo. E isso é a mais pura verdade, quando você consegue conquistar algo a última coisa que você vai fazer é pensar "onde foi que eu errei?!", e se você fizer esse simples exercício de refletir sobre os seus erros no processo, poderia melhorar infinitamente na próxima e assim sucessivamente. Só que nem tudo são flores, tem ainda aquelas coisas em que somos horríveis de ruim enquanto outros são quase alienígenas profissionais. Uma sensação extremamente desagradável é quando alguém chega pra você e lhe mostra o quão abaixo na média você é, isso mesmo, abaixo da média. Não chega a ser nem medíocre. 

Eu acho que esses atores aí são exemplos de pessoas que se atêm ao processo, talvez para eles seja necessário fazer essas coisas. Você olha pra dentro de si e vê até onde você é capaz, reconhece suas fraquezas e vulnerabilidades e principalmente que existem pessoas infinitamente melhores que você e existem inclusive aquelas que você sequer chegará aos pés. Essa é a parte mais difícil de aceitar. E então você vai ter que despender uma quantidade de energia descomunal para conseguir um resultado minimamente aceitável enquanto outros conseguirão fácil e é essa a natureza dos fatos. Mas a parte boa é que quanto mais você se esforça, mais você vai pegando jeito pela coisa, mais os seus padrões vão aumentando e melhor você vai ficando. 

Eu afirmo pra todo mundo, a lei do esforço nunca me traiu, pelo menos não até hoje. 

Se você é ruim, deve se esforçar em dobro para melhorar. Se você é bom, tem obrigação de se esforçar cada vez mais para ser ainda melhor... esse é um ensinamento que tento levar pra vida.
 

Responda-o
#5
A mensagem do texto é fundamental, mas eu acho que muito da ideia se perdeu ao citar exemplos de atores de hollywood... deixa a coisa toda com cara de clichê, mas enfim, como dito no início, a discussão é pertinente ... e grato pela citação.

A palavra é o nosso poder de criação, criação é energia... palavras ou pensamentos avulsos são, precisamente, desperdício de energia. Pessoas que entenderam isso e alcançaram algum sucesso em determinada coisa (lembrando que sucesso é algo que vai muito além de reconhecimento social e ganhos materiais) aprenderam a fechar esse ducto por onde a energia escorre, e ao silenciar esse falatório interminável externa e internamente, finalmente ACORDARAM para a realidade dos fatos, realidade essa impossível de ser "sentida" quando estamos presos nas nossas próprias crenças. Se transmutando a cada determinada circunstância como se fosse parte UNA com a tarefa, ou seja, perdendo a identidade pessoal no curso da ação. Conforme citado no texto, e eu  cito novamente o tal Bruce Li, pois era precisamente isso que ele quis dizer quando falou: "seja  como a água, sem forma". Ser como a água e não ter forma forma significa não ter identidade pessoal com a tarefa, ou seja, eliminar a dualidade e se tornar um só com a sua criação (ação). Ao eliminar essa dualidade, você atinge essa capacidade genial de preencher todos os espaços e de ter a criatividade sem limites e de, pegando o exemplo dos atores, incorporar totalmente os personagens. Isso que esses exemplos aprenderam, isso que você pode observar em qualquer exemplo de perseverança e de trabalho feito com esmero em qualquer lugar, a característica de que a pessoa em si perde a sua identidade pessoal e incorpora totalmente a tarefa, ela mesma (a pessoa) é apenas um veículo por onde algo muito superior e insondável está agindo.

Muito disso nós podemos ler em diversos textos sagrados (cristãos e não cristãos), onde se lê, por exemplo: "Pai, se queres, afasta de mim este cálice (identificação pessoal*); contudo, não seja feita a minha vontade, mas a tua".
"Compreendi o tormento cruciante do sobrevivente da guerra, a sensação de traição e covardia experimentada por aqueles que ainda se agarram à vida quando seus camaradas já dela se soltaram."  (Xeones para o rei Xerxes)

Responda-o
#6
Muito bom, camarada @Bastardo . Baita reflexão.

O comentário acima do confrade @Héracles está com certeza entre os mais certeiros e excelentes que li nos últimos tempos aqui nesse ambiente.
Digo, pois calhou de hoje mesmo eu iniciar a leitura do livro Os Segredos da Mente Milionária, e em uma das partes o autor cita algo muito parecido com o que o camarada disse. Puta que o pariu, cirúrgico isso aí.

Se formos analisar, perdemos muito tempo e energia com coisas fúteis, desnecessárias e o pior, com pensamentos negativos. Um dos desafios do livro é ficarmos sete dias sem reclamar. Quando vier pensamentos do tipo, cortar na hora.

Caralho, depois que li e resolvi seguir essa porra, em 30 minutos tive que cortar uns cinco pensamentos negativos, seja de reclamações ou coisas sem fúteis que nada iriam me agregar.

E é bem isso mesmo.
Esse feriado me fez refletir um pouco acerca das minhas atitudes e não me agradei com a conclusão.

Interessante que se você analisar as coisas separadamente, tem uma falsa ilusão de que as coisas estão bem.
Explico melhor. a mesa onde eu uso para fazer pesquisas e coisa do tipo, por exemplo, está uma bagunça há tempos. Não tem nada demais nisso. Mas aí você percebe que a mesa de casa está bagunçada, a do trabalho também, e outros fatores da vida também. Ora, é exatamente o contrário então: se até a mesa está bagunçada, imagina o resto, caraio?

Os nossos resultados são consequências de nossas ações.

Precisamos focar nos nossos objetivos, dar o nosso melhor. Podemos até não sermos os melhores em nossas profissões, mas temos de fazer de tudo para sermos. E isso vale para qualquer outra área ou seguimento da vida.

E aproveitar todo o tempo e energia para isso.
O arrombado esquerdista do Emicida tem uma frase que é "Você é o único representante do seu sonho na terra. Se isso não te faz correr atrás, eu não sei o que faz". E é bem isso mesmo.

O ducto da reclamação, pensamentos avulsos e más energias deve ser fechado, como disse o camarada acima.

Mas isso não acontece da noite para o dia, leva tempo. Quem achar que vai dar um giro de 360º do dia para a noite vai se frustrar.
O desenvolvimento é contínuo.
#somostodosvelhos
Responda-o
#7
Bastardo, muito obrigado pela contribuição. Excelente tópico.

Já adicionei o seu tópico no sumário das relíquias perdidas. Se você ou os outros realistas tiverem mais tópicos clássicos antigos que ainda não estão no fórum, podem ir postando para ajudar e assim de fato criarmos aqui no fórum um legado realista.
Responda-o


Pular fórum:


Usuários visualizando este tópico: 1 Visitante(s)