Avaliação do Tópico:
  • 0 Voto(s) - 0 em Média
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Feito é melhor que perfeito
#1
Muitas pessoas, sob a alegação de não terem o tempo necessário, negligenciam áreas essenciais do desenvolvimento pessoal. Quando não isso, por terem uma mentalidade perfeccionista, desistem do que estão a fazer quando os resultados esperados não foram o que se imaginava. Estas pessoas estariam certas em abdicar de coisas essenciais para a melhora como ser humano devido a essas justificativas?

Imagine que você trabalhou em uma escala de doze horas e quando chegou em casa, estava tão cansado (segundo a sua concepção), que fazer exercícios físicos se tornou algo descartável. Estudar para trabalhar em escalas melhores também já não é mais uma opção frente ao cansaço que você sente após uma jornada exaustiva. Comer algo saudável? Como? Quem se atreveria a pensar em não comer em algum fast food após ter trabalhado em uma jornada tão exaustiva?

De outro modo, digamos que você seja uma pessoa perfeccionista e percebeu que o seu rendimento nos treinamentos e nos estudos não é dos melhores. A sua dieta também não está montada da melhor maneira, e você apresenta um percentual de gordura de dois dígitos. Como alguém que come decentemente e treina pode não ter um físico com o percentual de gordura de um dígito? Como alguém que estuda uma média diária de duas horas por dia pode ter tanta dificuldade em reter as informações? Fica decidido então que estas coisas não são para você, está tudo errado, e da sua parte, essas atividades já não serão mais desempenhadas.

Pegue as atividades que são essenciais para o seu crescimento como pessoa, quanto tempo você dedica a essas atividades? Quantas vezes você já não abdicou delas para fazer alguma tarefa idiota no seu trabalho? Quantas vezes você já não abdicou dessas tarefas sob a desculpa de estar cansado? O que é realmente importante para você?

Se você se identificou com o primeiro caso e diz ser o tipo de pessoa que deixa de fazer as coisas mais importantes para focalizar trabalhos estúpidos que não acrescentam em nada na sua vida (não que não seja honrado cumprir tarefas delegadas, mas elas não devem ser mais importantes que os seus objetivos, se é que você os têm), hora de mudar. Que tal acordar 30 minutos mais cedo todos os dias para se dedicar aquilo que é essencial para a sua saúde? Ou que tal acordar mais cedo e estudar por 1h? Ou aproveitar os 40 minutos restantes do seu almoço para estudar uma disciplina do concurso público que você tanto almeja?

Identificou-se com o segundo caso? Você é o tipo de pessoa que deixa as coisas de lado porque considera não estar nas condições ideais? O tipo de pessoa que deixa de fazer exercícios porque não tem uma dieta 100% balanceada; o tipo de pessoa que deixa de estudar porque um celular para estudar não supre a falta de um notebook; etc. Já percebeu que todas as vezes que você deixa tarefas essenciais para o desenvolvimento pessoal de lado isso se torna um hábito deletério? Você deixa as coisas de lado com muita facilidade, e tudo por conta de um perfeccionismo que te faz iniciar uma corrida em marcha ré, sempre na estaca zero. Ao menos quando você ficava aquelas duas horas estudando, achando que não estava retendo o conteúdo, certamente o mínimo essencial foi aproveitado e a chance de se desenvolver nessa seara, diz-se, de descobrir a forma mais acertada de se fazer o que é necessário, aumenta. Cada vez que você abandona algo por causa de um senso de perfeccionismo idiota que não deveria existir, você volta à estaca zero e o que resta é a aflição de não ter conseguido se desenvolver em algo que você já viu outra pessoa fazer (acredite, as mesmas aflições, mas uma vontade imbatível de se aprimorar).

Seja lá qual for a sua justificativa, o fato é que quando você abandona certas atividades, está abandonando com elas a possibilidade de um futuro melhor, com uma melhor qualidade de vida, é nada mais que autodestruição for vagabundagem. O retorno a atividade é sempre mais doloroso e deixar de fazer as coisas pode tornar-se ainda uma forma de lidar com tudo que você diz não poder controlar, desistindo no menor dos problemas, devido a sua incompetência. Acrescente atividades difíceis e necessárias mesmo na sua rotina conturbada e, na hipótese de já executá-las e estar encontrando dificuldades, continue, a tendência é que você encontre as respostas que procura de acordo com a prática regular. Antes de pensar em não incorporar algo à sua rotina ou de descartar algo da sua rotina, pense no prejuízo que isso lhe trará futuramente. Ação é melhor que inação. Feito é melhor que perfeito. 
Responda-o
#2
Muito boa essa reflexão. Eu mesmo sou ainda assim, estou tentando mudar essa situação, um exemplo disso é sobre estudos, as vezes eu deixo de estudar sobre um determinado assunto simplesmente por não ter o livro que eu acredito ser o ideal, posso ter 10 livros sobre o assunto mais se não tiver aquele (livro exceção Gargalhada) não começo a estudar o assunto, talvez seja apenas uma desculpa esfarrapada, mas tenho essa estupidez de perfecção sobre estudos.

Sobre o outro ponto abordado que é as desculpas dadas por nós muitas vezes como por exemplo a "falta de tempo", também cometo esse erro, na verdade minha imaginação fala mais alto que meu desejo e atitude de tocar aquilo.

Tentarei assimilar esse assunto mais profundamente e ver se paro com manias de paspalho. 

Crescimento sempre!!!

                Veni, vidi, vici
.
Responda-o
#3
Tava pensando em algo parecido dias atrás e me veio uma frase na cabeça, anotei imediatamente, um treino ruim não é tão ruim quanto um dia sem treino, minha mentalidade é perfeccionista ao extremo mas quando me coloco na posição de fazer alguma coisa, vou até o limite..., hoje mesmo passei o dia com os olhos vermelhos por restrição de sono e excesso de trabalho, não comi quase nada (nos últimos dias) mas foda-se fui treinar, tinha me preparado antes - o ritual - não tive perda nenhuma de desempenho, fui lá e fiz o meu, mais um pra conta. 

 A vida é uma competição, sempre foi e sempre será. O nascimento. A vida. Tudo é competição... espiritualidade é competição, ciência também. Quando alguém me diz que tô trabalhando muito, que devo descansar, tudo entra por um ouvido e sai pelo outro, são palavras vazias. Nem árvore descansa e peixes não dormem. Eu digo que desenvolvimento pessoal é simples e puramente o desenvolvimento da individualidade, não é egoísmo e nunca será, é apenas se situar na realidade. Já viu como nos portamos na frente de "amigos" *coisa mais rara que exceção? Esquecemos do que é realmente importante e ficamos inebriados pela sensação de pertencimento, "nossa, sou acolhido por um grupo, sou estimado", puro engodo, principalmente nesse tempo que vivemos, quase todas as relações sociais são completamente inúteis, estamos rodeados de vampiros emocionais onde qualquer manifestação de sucesso ou empenho é ofensa pessoal. Tudo nos rouba energia. Desconfie de tudo que prometa aniquilar tua individualidade.

 Asseguro-vos de que o trabalho árduo é a única e mais efetiva maneira de se aproximar de Deus, do divino, da sabedoria, da individualidade e da felicidade do espírito; viver no círculo do ímpeto é infinitamente melhor do que viver no círculo da avareza. Quanto mais eu faço, mais feliz eu me sinto, disciplina é liberdade, e permaneça firme na jornada, logo você tirará motivação da preguiça alheia; quantas e quantas vezes estive lá exausto de tanto me exercitar mas contente pra burro em me sentir vitorioso, comemoro cada meta cumprida mesmo que infinitesimal como uma medalha adquirida a duras penas, mas respeito os que decidem sair pra comemorar títulos de times de futebol. E digo mais, associem-se com pessoas que colocam o trabalho na linha de frente da vida, percebo a cada dia que faço muito pouco e que devo fazer muito mais para subir rumo a novos patamares, consegui ter tal dimensão ao me aproximar de pessoas afortunadas.  

Caso não tenha ficado claro, não me refiro em competir com outrem, a maior competição acontece na mente, o seu pior inimigo tá mais próximo do que imaginas.
 

Responda-o
#4
Excelente reflexão! Não posso deixar de dizer que isso me atingiu e me fez repensar sobre minha situação atual. Guardarei este tópico para minha vida.
Tomai, por tanto, a armadura de Deus, para que possais resistir nos dias maus e manter-vos inabaláveis no cumprimento do vosso dever. Efésios 6, 13

Responda-o
#5
Ótima reflexão.
TUDO OQUE TE RESTA É O DESENVOLVIMENTO PESSOAL!


Responda-o
#6
Boas pontuações. Tempo é um ativo que estará sempre sendo reduzido e será sempre escasso.

Não procrastinar é fundamental para tratar corretamente esse ''bem'' pra que o mesmo ''trabalhe'' a seu favor.
"Não existe mulher feia, você que bebeu pouco." (Mancho, Rodimeu)

"Só os canalhas precisam de uma ideologia que os absolva e justifique." (Rodrigues, Nelsson)
Responda-o
#7
O perfeccionismo também está ligado a rotinas engessadas, no sentido de que quando não é possível realizar uma tarefa conforme previamente planejado, adaptações não servem, sendo necessário reiniciar o processo. Por exemplo, alguém que tenha definido o horário de início de seus estudos todos os dias às 19:00 horas. Vamos supor que acontece um imprevisto e só será possível estudar depois das 20:00 horas naquele dia. Se esse alguém for perfeccionista (e procrastinador) não estudará nesse dia e deixará para o dia seguinte.

Sofro desse mal.
Se você não estiver disposto a ser forte e não for interiormente corajoso, é melhor desistir de ser macho e virar uma borboleta... [Nessahan Alita]
Responda-o
#8
Isso me lembrou da Via Negativa, do livro do Taleb. Quem tiver oportunidade, leia.
O amor supera tudo  Heart

Na vida real ou na internet?
Responda-o
#9
(30-11-2019, 05:10 PM)Mindingo Escreveu: Isso me lembrou da Via Negativa, do livro do Taleb. Quem tiver oportunidade, leia.

Qual livro?

" A finalidade do homem é a ação, não o pensamento, embora este seja nobre."
Responda-o
#10
(30-11-2019, 10:18 PM)Dark_Painter01 Escreveu:
(30-11-2019, 05:10 PM)Mindingo Escreveu: Isso me lembrou da Via Negativa, do livro do Taleb. Quem tiver oportunidade, leia.
Qual livro?

Antifrágil: Coisas que se Beneficiam com o Caos
Livro por Nassim Nicholas Taleb


O livro se encontra fácil pra baixar em pdf. Não o li, vou copiar aqui o trecho de uma análise:

Outro conceito interessante apresentado no livro é o da via negativa. Segundo o autor, aquilo que você sabe ser falso é mais valioso do que o que julga ser verdadeiro, na medida em que algo que você comprovou ser falso jamais poderá tornar-se verdadeiro novamente, enquanto que o que julga ser verdadeiro pode, um dia, vir a ser comprovadamente falso.

Esta epistemologia negativa – de compor o conhecimento através do falso, em vez do verdadeiro – apresenta maior robustez, uma vez que um milhão de observações não podem confirmar uma teoria, ao passo que uma simples observação pode refutá-la por completo.

Tal afirmação é ilustrada pela história do peru: todo dia o açougueiro alimenta a ave, fazendo com que cada vez mais ela acredite que ele é seu amigo. Nada indica o contrário, até a véspera de Natal. É aí, por exemplo, que confundimos ausência de evidência (nada sugere que o açougueiro não seja amigo do peru) com evidência de ausência (nada prova que o açougueiro seja amigo do peru).

Ou, dito de outra forma: quando nada de errado acontece não significa que estamos seguros. Significa, apenas, que ainda não aconteceu nada errado. São duas afirmações bem diferentes.

A noite de Natal representa, para o peru, o cisne negro em sua vida, isto é: um evento raro, porém possível e fácil de explicar retrospectivamente e que muda completamente o curso dos acontecimentos. Para Taleb, o importante é prevenir-se deste tipo de acontecimento e das suas consequências devastadoras.
Responda-o
#11
@Dark_Painter01 @Neo Solid

Explicando de uma maneira mais alinhada com a ideia do tópico, a via negativa seria o pegar o caminho dos erros, aperfeiçoando-se a cada erro e eliminando-o, até atingir o objetivo final.

Não seguir pela via negativa implicaria mirar sempre o objetivo final, não prestando atenção nos erros, podendo comenter várias vezes os mesmos erros e não atingir o objetivo final.

Resumindo, faça errado, mas faça algo e preste mais atenção nos erros. Tudo é informação, cresce aquele que consegue aprender com isso.

E o livro é o Antifragil, já recomendado por muitos aqui.
O amor supera tudo  Heart

Na vida real ou na internet?
Responda-o


Pular fórum:


Usuários visualizando este tópico: 1 Visitante(s)