Avaliação do Tópico:
  • 0 Voto(s) - 0 em Média
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
[REFLEXÃO] Porque o Cristianismo tem se feminilizado?
#1
O cristianismo tem se feminilizado e como consequência os homens tem se afastado da igreja enquanto cada vez mais mulheres têm aderido à fé, o que retro alimenta a ciclo. Essa é uma preocupação real e por isso serão apresentados uma série de artigos sobre o tema nos próximos dias. A imagem do post representa Davi ao vencer Golias. "O estudioso católico Leon Podles, em seu livro "The Church Impotent" aponta para vários fatores que surgiram na Alta Idade Média, que ele acredita terem iniciado a feminização do cristianismo, o mais notável dos quais é o surgimento do "misticismo nupcial". No Novo Testamento, Jesus é comparado a um noivo que vem buscar sua noiva - seus seguidores. A noiva simboliza a igreja como um todo. Mas na Idade Média, as místicas femininas, seguindo a liderança de pensadores, começaram a desenvolver uma interpretação do relacionamento entre noivo e noiva como representando aquilo que existia não apenas entre Cristo e a igreja coletiva, mas Cristo e a alma individual. Jesus se tornou não apenas um salvador global, mas um amante pessoal, cuja união com os crentes foi descrita pelos místicos cristãos com imagens eróticas. Baseando-se no Cântico dos Cânticos do Antigo Testamento, mas novamente, usando-o como uma alegoria para descrever o relacionamento de Deus com um indivíduo, e não com todo o seu povo (como era tradicionalmente interpretado), eles desenvolveram uma nova maneira de o cristão se relacionar com Cristo - agora marcado por um desejo íntimo. Em "Por que os homens odeiam ir à igreja", David Murrow aponta para exemplos de como as imagens nupciais nascidas na Idade Média continuam na era moderna, citando livros com títulos como "Apaixonar-se por Jesus: abandonando-se ao maior romance de sua vida", e autores que “encorajam vigorosamente as mulheres a imaginar Jesus como seu amante pessoal”: “Diz-se aos leitores que 'desenvolvam um caso com o único Amante que realmente satisfará seus desejos mais íntimos: Jesus Cristo.' Outro oferece esta descrição ofegante do amor de Deus: 'Este Alguém entrou no seu mundo e revelou a você que Ele é seu verdadeiro Marido. Então ele te vestiu com um vestido de noiva mais branco que o linho mais branco. Você se sentiu virginal novamente. E vivo! Ele te beijou com graça e prometeu nunca deixá-lo ou abandoná-lo. E você queria ir e estar com Ele. '” Embora grande parte do que Murrow chama de imagens de "Jesus é meu namorado" seja dirigida a mulheres, Murrow acredita que ele se tornou impregnado por toda a fé e "migra para os homens também". "Hoje em dia", ele escreve: “é bastante comum os pastores descreverem um homem devoto como 'totalmente apaixonado por Jesus'. Já ouvi mais de um ministro de homens implorando a uma multidão de rapazes que se apaixonassem profundamente pelo Salvador." A imagem e a linguagem de um relacionamento íntimo e romântico também são muito comuns nas músicas modernas de “louvor e adoração” que têm letras às vezes quase indistinguíveis daquelas que são ouvidas no rádio “secular”. Murrow afirma que a idéia de crente individual como noiva é simplesmente não-bíblica, escrevendo que “A Bíblia nunca descreve nosso amor a Deus em termos tão eróticos. Os homens das Escrituras amavam a Deus, mas nunca estavam desesperados por ele ou apaixonados por ele. ”Podles acredita que o surgimento de imagens nupciais é parte do que levou os homens a começar a abandonar a fé durante o final da Idade Média. Ambos acham que o ethos incorporado na analogia nupcial continua sendo um fator do porquê o evangelho cristão atrai mais mulheres do que homens. Podles e Murrow sustentam que fazer o objetivo da fé cristã de desenvolver, como diz o primeiro, um "caso de amor arrebatador com Cristo" simplesmente não ressoa com a maioria dos homens, que lutam para se relacionar com a Deidade como uma noiva virginal corada. A idéia de Jesus como companheiro comprometido e protetor amoroso é mais atraente para as mulheres, dizem eles, enquanto os homens procuram um líder - um rei poderoso e conquistador para sofrer, em vez de abraçar." Sob essa teoria, o surgimento das imagens nupciais não apenas tornou a narrativa cristã menos atraente para os homens, como também levou o ethos geral da fé a uma direção mais feminina. Os valores associados às noivas, especialmente nos séculos passados - amor, proteção, conforto, passividade, obediência, dependência, receptividade - passaram a dominar o ethos do evangelho cristão e a serem privilegiados por suas qualidades, enquanto qualidades mais masculinas como sofrimento, sacrifício e conflito eram comparativamente desprezadas. O surgimento de uma narrativa centrada em Jesus como um amante pessoal também ajudou a transformar o evangelho cristão de uma busca pública em um assunto particular. Os homens são inerentemente voltados para o exterior em sua disposição - a masculinidade em todas as culturas e épocas teve que ser perseguida e comprovada na esfera pública - mas o misticismo da Idade Média começou a transformar a fé cristã em uma direção interior. Como Podles coloca: “A transferência do papel de noiva da comunidade para a alma ajudou a produzir o individualismo piedoso que dissolveu a comunidade eclesiástica no Ocidente.” Quando “a única preocupação real do cristianismo é 'Jesus e eu' ”Você obtém as sementes da possibilidade de ser "espiritual" em vez de "religioso"; a freqüência à igreja se torna mais opcional, e a fé não precisa informar ou se cruzar com domínios como negócios ou política - tudo o que importa é o relacionamento pessoal com Cristo. A salvação individual é privilegiada sobre a salvação comunitária ou global; o reino de Deus pode esperar o mundo chegar e não precisa ser avançado na terra. A fé se torna transcendência, uma questão de sentimento, em vez de ação. Se os movimentos místicos no final da Idade Média tornaram o cristianismo uma fé cada vez mais privada do que pública, as mudanças culturais e econômicas nos séculos vindouros ampliariam a idéia de que as primeiras constituíam o domínio das mulheres, enquanto as segundas eram o domínio próprio dos homens."


Texto tirado da página Furia e tradição
Responda-o
#2
Bora formatar isso aí. Use parágrafos.

Que diferença faz se o cristianismo está feminilizado? O que importa é sua relação pessoal com o Eterno. Se for pra igreja vai encontrar a maioria mulher mesmo e dentre elas várias ex-putas.

Não sei onde que cristianismo é religião pra "homem bruto". Pode até já ter sido, mas hoje...
 Os seus problemas não irão ser resolvidos se você começar a agir agora, mas se quiser que eles piorem, basta ficar parado.
Responda-o
#3
O cristianismo está corrompido e cheio de sarcedotes satânico/comunistas infiltrados, um obstaculo sistêmico para aqueles que buscam a verdade. A matriz de geração civilizacional não está funcionando adequadamente.

E a interpretação da Bíblia no br? Gargalhada tá pior que o Direito brasileiro e não é por acaso. A misericórdia e a graça divina alcançam os justos e os de boa fé nesses locais...

Cristianismo sem torah é algo incompleto.

Edite

Os pecados praticados pelo feminino são legitimados pelo femininismo e o cristianismo feminista endossa parte dessa cultura e condutas. Por essas e outras que as chamadas mulheres autodeclaradas conservadoras podem ser consideradas uma variável do feminismo, feministas hibridas.A força moral da narrativa de mulheres combatendo o feminismo resvala na hipocrisia.

Há mais conservadorismo entre os homens do que nas mulheres e isso é notório.
Responda-o
#4
Movido para a seção Religião.
A maior necessidade do mundo é a de homens - homens que se não comprem nem se vendam; homens que no íntimo da alma sejam verdadeiros e honestos; homens que não temam chamar o pecado pelo seu nome exato; homens, cuja consciência seja tão fiel ao dever como a bússola o é ao pólo; homens que permaneçam firmes pelo que é reto, ainda que caiam os céus.
Responda-o
#5
(10-10-2019, 04:30 PM)Reddington Escreveu: Bora formatar isso aí. Use parágrafos.

Que diferença faz se o cristianismo está feminilizado? O que importa é sua relação pessoal com o Eterno. Se for pra igreja vai encontrar a maioria mulher mesmo e dentre elas várias ex-putas.

Não sei onde que cristianismo é religião pra "homem bruto". Pode até já ter sido, mas hoje...

Não consigo editar
Responda-o
#6
As igrejas não são atraentes pra quem é racional-além de ser um ambiente feminino. A política já corrompeu as igrejas há tempos,a Igreja Católica br tá cheia de padre comunista.Por que um homem se poria num ambiente desses?
Responda-o
#7
A maioria devastadora das comunidades religiosas de qualquer credo atualmente são simplesmente lixo, completamente desvirtuadas dos propósitos originais. O Cristianismo não é exceção. Além disso a sociedade não gosta de homens e uma comunidade religiosa "moderninha" vai apelar para o sentimento que encanta a sociedade.

O problema da Igreja está na superficialidade do que é ensinado, combinado com um desdém a cultivar uma santidade sadia. Discutir o tópico do papel dos sexos na humanidade é complicado e mexe com o orgulho de muita gente.

Mas não devemos desistir da igreja, o Feminismo assusta, mas vai embora no seu momento. O Cristianismo cambaleia mas não é derrubado.
Responda-o
#8
O romantismo germânico, filosófico, chegou na igreja e hoje reza a missa no púlpito.

E o líder, crente, honrado, que respeitava a igreja e autoridade da casa, deu lugar a um desvalido, piegas, romântico, escravo do feminazismo e do Estado.

Um exemplo disso, em forma de país: o Brasil.
"Só os canalhas precisam de uma ideologia que os absolva e justifique." (Rodrigues, Nelsson)
Responda-o
#9
Jesus veio pra pregar a salvação. 

Ele não veio pra fundar religião ou igreja. 

Essa é a verdade.
"Homem Marmito"® is trademark of Marmito Man Corporation ™
Responda-o
#10
Assumindo que o texto se refere a igreja católica, posso dizer que o ambiente está mais politizado do que nunca, o que tem de conservadorismo lá tem minguado a cada dia.

O sentimento de passividade permeia o ambiente, lembro da ultima vez que entrei numa discussão sobre o desarmamento e o direito de legitima defesa, eram apenas eu e mais dois, contra todos os outros, os que mais atuavam nas ações e tinham protagonismo dentro da paróquia eram os que mais defendiam o desarmamento e vitimização dos criminosos. Outros que possivelmente concordariam conosco se mantinham neutros e não se pronunciavam em nome do politicamente correto, exercendo o velho sorrir e acenar Pinguins 

Hoje não perco mais meu tempo, a expiral do silêncio em ação.

Há muito pouco de exortação ao heroico e virtudes masculinas, muito pelo contrário, a seguir um exemplo que ocorreu recentemente. Dentro de uma mesma comunidade dois COORDENADORES de Grupos do ECC que as esposas botaram chifres (em um intervalo de poucos meses de um pro outro) de maneira que ficou público para todos da cidade, os caras simplesmente após muita comoção perdoaram e aceitaram as esposas de volta, uma das esposas ainda comentava que a culpa tinha sido do marido por não tê-la feito feliz e só o aceitou após ele prometer mudar Troll-feminino   (ambos eram relativamente bem sucedidos $) pqp Mesa

As pessoas tratavam os dois otários como homens evoluídos e misericordiosos, em nome da manutenção da família e tal, mas acredito que os desprezavam pelas costas. E quem respeita um cuckold de verdade?

Essa é a coisa sutil, a diferença entre o sentimento que é abertamente aceito e o que é realmente sentido, a falsidade institucionalizada dentro do ambiente religioso, manipulação e distorção dos texto sagrados, difícil tolerar.
Quando não se procura agradar o mundo, ele se vinga; se por acaso se consegue agradá-lo, ele ainda se vinga nos corrompendo. A única saída é trabalharmos longe dele, tão indiferentes a seu julgamento quanto prontificando-nos a ser-lhe úteis.
Antonin-Dalmace Sertillanges
Responda-o
#11
EDUCAÇÃO!
The absence of virtue is claimed by despair






Responda-o
#12
Porque a igreja é uma empresa que precisa lucrar, só não paga imposto. Então se a maior parte do público é feminino ela precisa adaptar o discurso, simples. É uma relação empresa x público-alvo. Quem NÃO LACRA NÃO LUCRA.
Responda-o
#13
Sou católico não praticante. Sinto falta de frequentar as missas, especialmente por ter saudades da época que participava da Pastoral da Juventude, 2003 e 2004. Tempo muito bom, agregou muito, fazíamos grupos de discussões sobre diversos assuntos, tudo debatido com seriedade e bom senso e éramos só adolescentes de 15 a 19 anos no máximo. Às vezes dá vontade de voltar mas quando ouço esses relatos de que trocaram a religiosidade pela política, isso me frustra.
"Escola? E o aprendizado com os próprios erros? A experiência te faz professor de si próprio".
Responda-o
#14
Eu acompanho o Padre Paulo Ricardo e uma coisa eu tenho que concordar com ele.

Houve um tempo em que a Igreja Católica caiu em comodidade, como tudo o que tem seu ponto de crescimento estabilidade e fim (leia aqui como o gráfico de vida útil de um produto, os produtos não duram para sempre, entretanto, há para as empresas um momento no qual eles tem que repensar ou trocar seus métodos), e esse momento da Igreja foi quando chegamos a um ponto estável demais para discutir coisas frívolas e fúteis.

É como a Real, se houve um auge na Real foi na época do Orkut, hoje é 90% punhetação e se não passarmos logo pra uma estrutura educacional e modernizarmos o acesso ao conhecimento logo seremos trocados pelos MGTOWs que acabam por alcançar muito mais gente com vídeos no Youtube, Podcasts e outros afins.

Claro, que não devemos perder nossa raiz.

Mas voltando ao assunto, a Santa Igreja virou um antro de homens covardes, por causa justamente da falta de hombridade em assumir suas posições.
Eu costumo a falar dos opositores protestantes/evangélicos/pentecostais, porém nas Igrejas deles há mais homens que nós, porque há de se exigir certas "bolas" para assumir determinadas posições como Lutero o fez em 1517.

O laicismo retirou o estado de dentro da Igreja, impedindo assim que pessoas guerreassem em nome de religião e tornou isso uma coisa "pessoal", porém o que afetou em questão disso para a Igreja Católica é que criou um bando de bunda moles que não fazem ideia nem do que é a própria Igreja, e a resposta comum que se houve com o enfrentamento é "O nosso Deus é o mesmo, temos que respeitar a diversidade".

A coisa ficou pior depois do CVII, o concílio pastoral "desligou" o sistema imunológico da Igreja que não pode mais condenar ninguém e está "dialogando" com o mundo moderno.

PERDEMOS A IGREJA, OS SEMINÁRIOS ESTÃO VAZIOS, OS BISPOS ESTÃO ENTRANDO EM APOSTASIA, tudo para querer agradar.

A Igreja tem que voltar a declarar sua fé, a fé no Cristo Crucificado, Jesus Cristo Homem, no glorioso São José, no pai da Igreja São Pedro e em tantos homens fortes que são exemplo!
Em especial, após as aparições Marianas, a Igreja ficou muito apegada a Maria, claro que devemos ser, porém os homens estão procurando uma mãe que os livre do pai.

A IGREJA BRASILEIRA É EM SEU SEIO UMA IGREJA MATERNAL, principalmente por nossa padroeira ser Nossa Senhora Aparecida.

Sejamos nós homens, junto com Maria, porém assumindo o papel dos homens exemplos de coragem e santidade na Igreja.
The absence of virtue is claimed by despair






Responda-o


Pular fórum:


Usuários visualizando este tópico: 1 Visitante(s)