Avaliação do Tópico:
  • 0 Voto(s) - 0 em Média
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
A Catedral de Notre-Dame e as profecias
#1
A Catedral de Notre-Dame e as profecias
Igreja incendiada em Paris foi cenário do cumprimento de várias profecias bíblicas

[Image: ak-nd3-1604.jpg]

No anoitecer do último 15 de abril, o fogo consumiu um edifício histórico na ilha do rio Sena, no centro de Paris, a capital da França. Não se tratava de qualquer edifício. Construída a partir de 1163, a Catedral de Notre-Dame era possivelmente o monumento mais visitado do mundo. Cerca de 13 milhões de pessoas iam anualmente conhecê-la, mais do que o dobro de turistas que visitam anualmente o Brasil. Se o ponto turístico foi danificado grandemente, a história profética que ele representa precisa ser edificada na mente de todos, mesmo dos que jamais conhecerão o templo consumido pelas chamas.

Os 856 anos de história da Notre-Dame são a continuação de uma história mais antiga. O local sediou na Antiguidade um templo pagão dedicado a Júpiter, construído provavelmente na época de Tibério César, o imperador romano dos dias de Cristo (Lc 3:1). Em 508, Clóvis, rei dos francos, tornou-se o primeiro rei católico romano após a queda do Império Romano do Ocidente. Ele fundou a França com praticamente as mesmas fronteiras de hoje e fez de Paris sua capital. Sua conversão ao catolicismo romano marca o início da simbiose entre a Igreja Católica Romana e as nações da Europa Ocidental, uma união predita na profecia bíblica, que duraria 1.260 anos (Nm 14:34; Ez 4:7; Dn 7:25; 12:7; Ap 11:2, 3; 12:6, 14; 13:5). O filho de Clóvis e sua esposa Clotilde, Quildeberto, reinou na França entre 511 e 558. Seguindo a orientação do bispo Ambrósio de Milão, de transformar santuários pagãos em templos católicos, Quildeberto transformou o templo da ilha no rio Sena na catedral de Paris.

Esse rei extremamente católico combateu e venceu outras tribos bárbaras cujos reis não eram católicos, e matou em 531 seu cunhado Amalarico, rei dos visigodos, porque este seguia a heresia do arianismo. Essa vitória do catolicismo sobre os reis não católicos estava prevista na profecia Daniel 7:8. A ascensão do chifre pequeno (catolicismo romano) arrancaria três chifres (as tribos bárbaras não católicas), estabelecendo a hegemonia da Igreja Romana no Ocidente. Quildeberto começou a colecionar relíquias de santos, uma prática que produziu muita superstição e misticismo durante a Idade Média. Um incêndio destruiu a catedral em 857.

Luís VII, rei francês conhecido como “o piedoso”, iniciou a construção da nova catedral de Paris, dedicada à Nossa Senhora (Notre-Dame, em francês), após a visita do papa Alexandre III à França em 1163. A construção terminou em 1345. Já o rei Luís IX, que foi canonizado pela Igreja Católica, adquiriu por altíssimo preço em 1238 a suposta coroa de espinhos que Jesus Cristo teria usado das mãos de Balduíno II, rei latino de Constantinopla, falido com os gastos nas cruzadas para reconquistar a costa oriental do Mediterrâneo dos muçulmanos. A relíquia foi guardada na Catedral de Notre-Dame, junto com milhares de outros supostos objetos sagrados. Na Idade Média, quando relíquias eram expostas ao público, concedia-se perdão dos pecados aos que se confessassem (O Grande Conflito, p. 129).

A Catedral de Notre-Dame, baluarte do catolicismo, foi frequentada por homens que posteriormente contribuíram para minar a supremacia católica. Jacques Lefrève, Guilherme Farel, João Calvino, Pierre de Olivetán e Luís de Berquin viveram em Paris enquanto eram católicos convictos, e participaram de missas na catedral. Ao pesquisar a Bíblia, esses reformadores contestaram as práticas não bíblicas da Igreja de Roma e fundaram a Igreja Reformada. A divisão religiosa não foi bem aceita pelos monarcas franceses. Os huguenotes (cristãos protestantes franceses) foram exilados e martirizados. Em 21 de janeiro de 1535, o rei Francisco organizou uma grande procissão em Paris, que culminou na Catedral de Notre-Dame, onde solenemente jurou extirpar o protestantismo da França (O Grande Conflito, p. 229).

Foi na Catedral de Notre-Dame que se casaram em 1558 Maria Stuart da Escócia com o delfim Francisco II. Viúva no ano seguinte, ela voltou à Escócia para assumir o reinado daquele país. Uma das marcas de seu governo foi a intolerância religiosa, já que ela queria a todo custo eliminar o protestantismo da Escócia e assumir o trono da Inglaterra, governado por sua prima Isabel, com o fim de restaurar o poderio católico romano em toda a Grã-Bretanha. O reformador João Knox enfrentou duros embates com Maria Stuart, defendendo perante ela a autoridade bíblica (Mt 10:18; O Grande Conflito, p. 251).

Em 18 de agosto de 1572, a irmã do rei da França, a católica Margarida, casou-se na Catedral de Notre-Dame com o príncipe Henrique, filho de uma protestante. O ato parecia representar tolerância, mas não foi bem assim. Uma semana depois, em 24 de agosto, ocorreu o Massacre da Noite de São Bartolomeu, que tirou a vida de 70 mil protestantes. Quando o mesmo Henrique IV já era rei da França, ele tornou-se definitivamente protestante, e os membros da Liga Católica juraram na Catedral de Notre-Dame em 1590 que jamais o reconheceriam como rei. Henrique somente conseguiu reassumir o trono quando abjurou o protestantismo. Mesmo assim, decretou o Édito de Nantes, concedendo liberdade religiosa. O édito foi revogado em 1685, o que ocasionou a fuga de muitos protestantes franceses para a América do Norte. Um nobre protestante, o Visconde de Turrene, foi batizado no catolicismo na Catedral de Notre-Dame.

Esses atos de intolerância religiosa de que a catedral parisiense foi cenário em primeiro plano foram descritos antecipadamente em diversas profecias bíblicas, especialmente Daniel 7 e Apocalipse 11 e 12. As passagens predizem que um poder religioso apóstata oprimiria com a força do estado os servos fiéis de Deus durante 1.260 anos. A situação dos cristãos que desejavam viver conforme a Bíblia foi predita no Apocalipse como uma fuga para o “deserto” (Ap 12:6), e seu êxodo para a América do Norte é profetizado da seguinte maneira: “a terra [América do Norte], porém, socorreu a mulher [igreja perseguida]” (Ap 12:16). O tempo de perseguição profetizado se estendeu entre 538 e 1798.

Nos últimos anos desse período, novamente Notre-Dame foi palco do cumprimento de profecias. Os fatos representados em Apocalipse 11 se cumpriram durante a Revolução Francesa, entre 1789 e 1798. Durante o Reinado do Terror, o culto a Deus foi proibido. Em 10 de novembro de 1793, uma prostituta coberta apenas por um véu foi aclamada a “deusa da razão” perante a Assembleia Nacional Francesa. O presidente da assembleia despiu-a do véu, deixando-a nua, e a conduziu em uma procissão até a Catedral de Notre-Dame. Ali a dançarina foi adorada pelos revolucionários como a “deusa da razão”, num culto blasfemo. No mesmo dia, Bíblias confiscadas foram queimadas. Possuir uma Bíblia implicava pena de morte ao seu dono. 50 mil pessoas morreram naquela noite em toda a França. Durante três anos e meio, até junho de 1797, a religião cristã, em todas as suas manifestações, foi proibida no que havia sido o mais antigo reino católico romano do mundo. O período cumpriu à risca a profecia de Apocalipse 11:9 (ver O Grande Conflito, p. 265-288).

Apesar da reabilitação dos cultos religiosos na França, isso não significou o fim do anticlericalismo revolucionário. Os revolucionários franceses estavam guerreando na Itália contra as tropas dos Estados Papais, o país governado pelo papa. Em 10 de fevereiro de 1798, o general Luís Alexandre Berthier exigiu que o papa Pio VI abdicasse de seus poderes temporais. Diante da recusa do pontífice, este foi preso dez dias depois, e permaneceu encarcerado até seu falecimento no ano seguinte. Os jornais franceses publicaram a notícia de sua morte com a manchete: “Pio VI e último”. O evento foi profetizado em Apocalipse 13:3 por meio do símbolo de uma das cabeças da besta que subia do mar ter sido golpeada mortalmente. O novo papa, Pio VII, só pôde ser eleito em 14 de março de 1800. Roma ficou mais de dois anos sem papa, e o novo pontífice tinha muito menos poder político que todos os seus antecessores.

Na tentativa de salvar o catolicismo romano dos golpes que recebera, Pio VII acabou fazendo concessões que diminuíram mais ainda o poder de sua função. Pio VII esteve em Paris em 2 de dezembro de 1804, para a coroação de Napoleão Bonaparte como imperador dos franceses. Durante a cerimônia, realizada na Catedral de Notre-Dame, Napoleão tomou a coroa das mãos do papa e coroou-se a si mesmo, e em seguida coroou a imperatriz Josefina. O gesto arrogante tinha um significado político claro: o papado não estava mais acima do poder político; isso foi uma evidente concretização do término do período de 1.260 anos de supremacia papal predito na Bíblia.

Cenário de grandes eventos com profundo significado profético, a Catedral de Notre-Dame se tornou um ícone europeu e é reconhecida como patrimônio da humanidade. Por isso, é impossível calcular o tamanho das perdas (materiais e, sobretudo, simbólicas) causadas pelo incêndio da última terça-feira. Apesar desse episódio triste, a time-line da história nos lembra que edificações humanas, por mais sólidas que sejam, não permanecerão de pé para sempre. Prédios e monumentos estão sujeitos ao fogo e à ação destrutiva do tempo. O reino suscitado por Deus (Dn 2:44) é o único que jamais será destruído.

Autor do texto: FERNANDO DIAS
"A paixão é como o álcool. Entorpece a consciência, elimina a lucidez, impede o julgamento crítico e provoca alucinações, fazendo com que o ser amado seja visto como divino." Como lidar com Mulheres - Nessahan Alita
Responda-o
#2
Spoiler Revelar
(19-04-2019, 10:46 AM)Melancton Escreveu:
A Catedral de Notre-Dame e as profecias
Igreja incendiada em Paris foi cenário do cumprimento de várias profecias bíblicas

[Image: ak-nd3-1604.jpg]

No anoitecer do último 15 de abril, o fogo consumiu um edifício histórico na ilha do rio Sena, no centro de Paris, a capital da França. Não se tratava de qualquer edifício. Construída a partir de 1163, a Catedral de Notre-Dame era possivelmente o monumento mais visitado do mundo. Cerca de 13 milhões de pessoas iam anualmente conhecê-la, mais do que o dobro de turistas que visitam anualmente o Brasil. Se o ponto turístico foi danificado grandemente, a história profética que ele representa precisa ser edificada na mente de todos, mesmo dos que jamais conhecerão o templo consumido pelas chamas.

Os 856 anos de história da Notre-Dame são a continuação de uma história mais antiga. O local sediou na Antiguidade um templo pagão dedicado a Júpiter, construído provavelmente na época de Tibério César, o imperador romano dos dias de Cristo (Lc 3:1). Em 508, Clóvis, rei dos francos, tornou-se o primeiro rei católico romano após a queda do Império Romano do Ocidente. Ele fundou a França com praticamente as mesmas fronteiras de hoje e fez de Paris sua capital. Sua conversão ao catolicismo romano marca o início da simbiose entre a Igreja Católica Romana e as nações da Europa Ocidental, uma união predita na profecia bíblica, que duraria 1.260 anos (Nm 14:34; Ez 4:7; Dn 7:25; 12:7; Ap 11:2, 3; 12:6, 14; 13:5). O filho de Clóvis e sua esposa Clotilde, Quildeberto, reinou na França entre 511 e 558. Seguindo a orientação do bispo Ambrósio de Milão, de transformar santuários pagãos em templos católicos, Quildeberto transformou o templo da ilha no rio Sena na catedral de Paris.

Esse rei extremamente católico combateu e venceu outras tribos bárbaras cujos reis não eram católicos, e matou em 531 seu cunhado Amalarico, rei dos visigodos, porque este seguia a heresia do arianismo. Essa vitória do catolicismo sobre os reis não católicos estava prevista na profecia Daniel 7:8. A ascensão do chifre pequeno (catolicismo romano) arrancaria três chifres (as tribos bárbaras não católicas), estabelecendo a hegemonia da Igreja Romana no Ocidente. Quildeberto começou a colecionar relíquias de santos, uma prática que produziu muita superstição e misticismo durante a Idade Média. Um incêndio destruiu a catedral em 857.

Luís VII, rei francês conhecido como “o piedoso”, iniciou a construção da nova catedral de Paris, dedicada à Nossa Senhora (Notre-Dame, em francês), após a visita do papa Alexandre III à França em 1163. A construção terminou em 1345. Já o rei Luís IX, que foi canonizado pela Igreja Católica, adquiriu por altíssimo preço em 1238 a suposta coroa de espinhos que Jesus Cristo teria usado das mãos de Balduíno II, rei latino de Constantinopla, falido com os gastos nas cruzadas para reconquistar a costa oriental do Mediterrâneo dos muçulmanos. A relíquia foi guardada na Catedral de Notre-Dame, junto com milhares de outros supostos objetos sagrados. Na Idade Média, quando relíquias eram expostas ao público, concedia-se perdão dos pecados aos que se confessassem (O Grande Conflito, p. 129).

A Catedral de Notre-Dame, baluarte do catolicismo, foi frequentada por homens que posteriormente contribuíram para minar a supremacia católica. Jacques Lefrève, Guilherme Farel, João Calvino, Pierre de Olivetán e Luís de Berquin viveram em Paris enquanto eram católicos convictos, e participaram de missas na catedral. Ao pesquisar a Bíblia, esses reformadores contestaram as práticas não bíblicas da Igreja de Roma e fundaram a Igreja Reformada. A divisão religiosa não foi bem aceita pelos monarcas franceses. Os huguenotes (cristãos protestantes franceses) foram exilados e martirizados. Em 21 de janeiro de 1535, o rei Francisco organizou uma grande procissão em Paris, que culminou na Catedral de Notre-Dame, onde solenemente jurou extirpar o protestantismo da França (O Grande Conflito, p. 229).

Foi na Catedral de Notre-Dame que se casaram em 1558 Maria Stuart da Escócia com o delfim Francisco II. Viúva no ano seguinte, ela voltou à Escócia para assumir o reinado daquele país. Uma das marcas de seu governo foi a intolerância religiosa, já que ela queria a todo custo eliminar o protestantismo da Escócia e assumir o trono da Inglaterra, governado por sua prima Isabel, com o fim de restaurar o poderio católico romano em toda a Grã-Bretanha. O reformador João Knox enfrentou duros embates com Maria Stuart, defendendo perante ela a autoridade bíblica (Mt 10:18; O Grande Conflito, p. 251).

Em 18 de agosto de 1572, a irmã do rei da França, a católica Margarida, casou-se na Catedral de Notre-Dame com o príncipe Henrique, filho de uma protestante. O ato parecia representar tolerância, mas não foi bem assim. Uma semana depois, em 24 de agosto, ocorreu o Massacre da Noite de São Bartolomeu, que tirou a vida de 70 mil protestantes. Quando o mesmo Henrique IV já era rei da França, ele tornou-se definitivamente protestante, e os membros da Liga Católica juraram na Catedral de Notre-Dame em 1590 que jamais o reconheceriam como rei. Henrique somente conseguiu reassumir o trono quando abjurou o protestantismo. Mesmo assim, decretou o Édito de Nantes, concedendo liberdade religiosa. O édito foi revogado em 1685, o que ocasionou a fuga de muitos protestantes franceses para a América do Norte. Um nobre protestante, o Visconde de Turrene, foi batizado no catolicismo na Catedral de Notre-Dame.

Esses atos de intolerância religiosa de que a catedral parisiense foi cenário em primeiro plano foram descritos antecipadamente em diversas profecias bíblicas, especialmente Daniel 7 e Apocalipse 11 e 12. As passagens predizem que um poder religioso apóstata oprimiria com a força do estado os servos fiéis de Deus durante 1.260 anos. A situação dos cristãos que desejavam viver conforme a Bíblia foi predita no Apocalipse como uma fuga para o “deserto” (Ap 12:6), e seu êxodo para a América do Norte é profetizado da seguinte maneira: “a terra [América do Norte], porém, socorreu a mulher [igreja perseguida]” (Ap 12:16). O tempo de perseguição profetizado se estendeu entre 538 e 1798.

Nos últimos anos desse período, novamente Notre-Dame foi palco do cumprimento de profecias. Os fatos representados em Apocalipse 11 se cumpriram durante a Revolução Francesa, entre 1789 e 1798. Durante o Reinado do Terror, o culto a Deus foi proibido. Em 10 de novembro de 1793, uma prostituta coberta apenas por um véu foi aclamada a “deusa da razão” perante a Assembleia Nacional Francesa. O presidente da assembleia despiu-a do véu, deixando-a nua, e a conduziu em uma procissão até a Catedral de Notre-Dame. Ali a dançarina foi adorada pelos revolucionários como a “deusa da razão”, num culto blasfemo. No mesmo dia, Bíblias confiscadas foram queimadas. Possuir uma Bíblia implicava pena de morte ao seu dono. 50 mil pessoas morreram naquela noite em toda a França. Durante três anos e meio, até junho de 1797, a religião cristã, em todas as suas manifestações, foi proibida no que havia sido o mais antigo reino católico romano do mundo. O período cumpriu à risca a profecia de Apocalipse 11:9 (ver O Grande Conflito, p. 265-288).

Apesar da reabilitação dos cultos religiosos na França, isso não significou o fim do anticlericalismo revolucionário. Os revolucionários franceses estavam guerreando na Itália contra as tropas dos Estados Papais, o país governado pelo papa. Em 10 de fevereiro de 1798, o general Luís Alexandre Berthier exigiu que o papa Pio VI abdicasse de seus poderes temporais. Diante da recusa do pontífice, este foi preso dez dias depois, e permaneceu encarcerado até seu falecimento no ano seguinte. Os jornais franceses publicaram a notícia de sua morte com a manchete: “Pio VI e último”. O evento foi profetizado em Apocalipse 13:3 por meio do símbolo de uma das cabeças da besta que subia do mar ter sido golpeada mortalmente. O novo papa, Pio VII, só pôde ser eleito em 14 de março de 1800. Roma ficou mais de dois anos sem papa, e o novo pontífice tinha muito menos poder político que todos os seus antecessores.

Na tentativa de salvar o catolicismo romano dos golpes que recebera, Pio VII acabou fazendo concessões que diminuíram mais ainda o poder de sua função. Pio VII esteve em Paris em 2 de dezembro de 1804, para a coroação de Napoleão Bonaparte como imperador dos franceses. Durante a cerimônia, realizada na Catedral de Notre-Dame, Napoleão tomou a coroa das mãos do papa e coroou-se a si mesmo, e em seguida coroou a imperatriz Josefina. O gesto arrogante tinha um significado político claro: o papado não estava mais acima do poder político; isso foi uma evidente concretização do término do período de 1.260 anos de supremacia papal predito na Bíblia.

Cenário de grandes eventos com profundo significado profético, a Catedral de Notre-Dame se tornou um ícone europeu e é reconhecida como patrimônio da humanidade. Por isso, é impossível calcular o tamanho das perdas (materiais e, sobretudo, simbólicas) causadas pelo incêndio da última terça-feira. Apesar desse episódio triste, a time-line da história nos lembra que edificações humanas, por mais sólidas que sejam, não permanecerão de pé para sempre. Prédios e monumentos estão sujeitos ao fogo e à ação destrutiva do tempo. O reino suscitado por Deus (Dn 2:44) é o único que jamais será destruído.

Autor do texto: FERNANDO DIAS

Interessantíssimo até chegar ao Apocalipse quando cagou tudo.

O primeiro capítulo e versículo do Apocalipse diz que as coisas que estão ali escritas deverão acontecer em BREVE! Lê a porcaria do versículo 1. Muitas das coisas que se passam nesses capítulos, principalmente os usados pelo autor desse texto fictício e herege, JÁ ACONTECERAM ou estavam acontecendo naquela hora em que São João escrevia.

A "profecia" que esse Fernando Dias diz "se cumprir", já foi "cumprida" diversas vezes por diversos pastores e estudiosos bíblicos, vira e mexe tem um novo "doutor bíblico", um guerreiro, fazer adivinhação com a Bíblia de acordo com fatos aleatórios dos dias atuais.

O problema é que você vê que o cara tá usando Apocalipse 11, 12 e 13, coisas que realmente já aconteceram.

Caceta, Apocalipse 12. Uma "mulher vestida do sol, a lua debaixo dos seus pés e na cabeça uma coroa de doze estrelas” (Ap 12,1).", dá a luz a um filho (Jesus), o dragão persegue a mulher (Maria) e o filho (Jesus) e esses sofrem a perseguição de satanás (claramente descrito como o dragão e a serpente), esse filho (Jesus) é perseguido, mas é arrebatado (Porra isso não é obviamente Jesus?), a perseguição continua à mulher (Maria), nisso a batalha passa de uma simples perseguição terrena a briga entre anjos (claramente descreve uma batalha espiritual que precede a vinda do Messias, o Dragão também passa a ser chamado de Serpente, uma alusão clara a Satanás), na Terra o dragão tenta enviar um exército (vomitou um rio pra fazer a mulher submergir, mas a "terra", engole esse rio) e no final das contas quando Maria escapa, o Dragão não desiste e continua a perseguir à descendência de Maria, ora... descendência? Isso mesmo a Igreja!

Cara, são obviamente acontecimentos daquela época que São João descreve, não tem nada de futurístico nisso, 2000 e cacetada.

Pro texto fazer sentido, ele tem que fazer sentido como um todo. Leia por exemplo o capítulo 12, versículo 11 e veja se não está falando claramente dos mártires que estavam sendo perseguidos por Nero naquele exato momento por serem cristãos, por negarem o culto ao imperador.
Esse negócio de "o Apocalipse prediz que vai acontecer", isso é bagulho que surge depois do iluminismo.

Esse cara tá tão doidão quanto meu ex sogro que falava que a Igreja Católica era a primeira besta, a segunda e ainda o Vaticano era a prostituta da Babilônia.

É ser bem ignorante mesmo.

Se quiserem explicações sobre esses termos eu posso ajudar com o pouco que sei.
The absence of virtue is claimed by despair






Responda-o
#3
(19-04-2019, 10:46 AM)Melancton Escreveu:
A Catedral de Notre-Dame e as profecias
Igreja incendiada em Paris foi cenário do cumprimento de várias profecias bíblicas

[Image: ak-nd3-1604.jpg]

No anoitecer do último 15 de abril, o fogo consumiu um edifício histórico na ilha do rio Sena, no centro de Paris, a capital da França. Não se tratava de qualquer edifício. Construída a partir de 1163, a Catedral de Notre-Dame era possivelmente o monumento mais visitado do mundo. Cerca de 13 milhões de pessoas iam anualmente conhecê-la, mais do que o dobro de turistas que visitam anualmente o Brasil. Se o ponto turístico foi danificado grandemente, a história profética que ele representa precisa ser edificada na mente de todos, mesmo dos que jamais conhecerão o templo consumido pelas chamas.

Os 856 anos de história da Notre-Dame são a continuação de uma história mais antiga. O local sediou na Antiguidade um templo pagão dedicado a Júpiter, construído provavelmente na época de Tibério César, o imperador romano dos dias de Cristo (Lc 3:1). Em 508, Clóvis, rei dos francos, tornou-se o primeiro rei católico romano após a queda do Império Romano do Ocidente. Ele fundou a França com praticamente as mesmas fronteiras de hoje e fez de Paris sua capital. Sua conversão ao catolicismo romano marca o início da simbiose entre a Igreja Católica Romana e as nações da Europa Ocidental, uma união predita na profecia bíblica, que duraria 1.260 anos (Nm 14:34; Ez 4:7; Dn 7:25; 12:7; Ap 11:2, 3; 12:6, 14; 13:5). O filho de Clóvis e sua esposa Clotilde, Quildeberto, reinou na França entre 511 e 558. Seguindo a orientação do bispo Ambrósio de Milão, de transformar santuários pagãos em templos católicos, Quildeberto transformou o templo da ilha no rio Sena na catedral de Paris.

Esse rei extremamente católico combateu e venceu outras tribos bárbaras cujos reis não eram católicos, e matou em 531 seu cunhado Amalarico, rei dos visigodos, porque este seguia a heresia do arianismo. Essa vitória do catolicismo sobre os reis não católicos estava prevista na profecia Daniel 7:8. A ascensão do chifre pequeno (catolicismo romano) arrancaria três chifres (as tribos bárbaras não católicas), estabelecendo a hegemonia da Igreja Romana no Ocidente. Quildeberto começou a colecionar relíquias de santos, uma prática que produziu muita superstição e misticismo durante a Idade Média. Um incêndio destruiu a catedral em 857.

Luís VII, rei francês conhecido como “o piedoso”, iniciou a construção da nova catedral de Paris, dedicada à Nossa Senhora (Notre-Dame, em francês), após a visita do papa Alexandre III à França em 1163. A construção terminou em 1345. Já o rei Luís IX, que foi canonizado pela Igreja Católica, adquiriu por altíssimo preço em 1238 a suposta coroa de espinhos que Jesus Cristo teria usado das mãos de Balduíno II, rei latino de Constantinopla, falido com os gastos nas cruzadas para reconquistar a costa oriental do Mediterrâneo dos muçulmanos. A relíquia foi guardada na Catedral de Notre-Dame, junto com milhares de outros supostos objetos sagrados. Na Idade Média, quando relíquias eram expostas ao público, concedia-se perdão dos pecados aos que se confessassem (O Grande Conflito, p. 129).

A Catedral de Notre-Dame, baluarte do catolicismo, foi frequentada por homens que posteriormente contribuíram para minar a supremacia católica. Jacques Lefrève, Guilherme Farel, João Calvino, Pierre de Olivetán e Luís de Berquin viveram em Paris enquanto eram católicos convictos, e participaram de missas na catedral. Ao pesquisar a Bíblia, esses reformadores contestaram as práticas não bíblicas da Igreja de Roma e fundaram a Igreja Reformada. A divisão religiosa não foi bem aceita pelos monarcas franceses. Os huguenotes (cristãos protestantes franceses) foram exilados e martirizados. Em 21 de janeiro de 1535, o rei Francisco organizou uma grande procissão em Paris, que culminou na Catedral de Notre-Dame, onde solenemente jurou extirpar o protestantismo da França (O Grande Conflito, p. 229).

Foi na Catedral de Notre-Dame que se casaram em 1558 Maria Stuart da Escócia com o delfim Francisco II. Viúva no ano seguinte, ela voltou à Escócia para assumir o reinado daquele país. Uma das marcas de seu governo foi a intolerância religiosa, já que ela queria a todo custo eliminar o protestantismo da Escócia e assumir o trono da Inglaterra, governado por sua prima Isabel, com o fim de restaurar o poderio católico romano em toda a Grã-Bretanha. O reformador João Knox enfrentou duros embates com Maria Stuart, defendendo perante ela a autoridade bíblica (Mt 10:18; O Grande Conflito, p. 251).

Em 18 de agosto de 1572, a irmã do rei da França, a católica Margarida, casou-se na Catedral de Notre-Dame com o príncipe Henrique, filho de uma protestante. O ato parecia representar tolerância, mas não foi bem assim. Uma semana depois, em 24 de agosto, ocorreu o Massacre da Noite de São Bartolomeu, que tirou a vida de 70 mil protestantes. Quando o mesmo Henrique IV já era rei da França, ele tornou-se definitivamente protestante, e os membros da Liga Católica juraram na Catedral de Notre-Dame em 1590 que jamais o reconheceriam como rei. Henrique somente conseguiu reassumir o trono quando abjurou o protestantismo. Mesmo assim, decretou o Édito de Nantes, concedendo liberdade religiosa. O édito foi revogado em 1685, o que ocasionou a fuga de muitos protestantes franceses para a América do Norte. Um nobre protestante, o Visconde de Turrene, foi batizado no catolicismo na Catedral de Notre-Dame.

Esses atos de intolerância religiosa de que a catedral parisiense foi cenário em primeiro plano foram descritos antecipadamente em diversas profecias bíblicas, especialmente Daniel 7 e Apocalipse 11 e 12. As passagens predizem que um poder religioso apóstata oprimiria com a força do estado os servos fiéis de Deus durante 1.260 anos. A situação dos cristãos que desejavam viver conforme a Bíblia foi predita no Apocalipse como uma fuga para o “deserto” (Ap 12:6), e seu êxodo para a América do Norte é profetizado da seguinte maneira: “a terra [América do Norte], porém, socorreu a mulher [igreja perseguida]” (Ap 12:16). O tempo de perseguição profetizado se estendeu entre 538 e 1798.

Nos últimos anos desse período, novamente Notre-Dame foi palco do cumprimento de profecias. Os fatos representados em Apocalipse 11 se cumpriram durante a Revolução Francesa, entre 1789 e 1798. Durante o Reinado do Terror, o culto a Deus foi proibido. Em 10 de novembro de 1793, uma prostituta coberta apenas por um véu foi aclamada a “deusa da razão” perante a Assembleia Nacional Francesa. O presidente da assembleia despiu-a do véu, deixando-a nua, e a conduziu em uma procissão até a Catedral de Notre-Dame. Ali a dançarina foi adorada pelos revolucionários como a “deusa da razão”, num culto blasfemo. No mesmo dia, Bíblias confiscadas foram queimadas. Possuir uma Bíblia implicava pena de morte ao seu dono. 50 mil pessoas morreram naquela noite em toda a França. Durante três anos e meio, até junho de 1797, a religião cristã, em todas as suas manifestações, foi proibida no que havia sido o mais antigo reino católico romano do mundo. O período cumpriu à risca a profecia de Apocalipse 11:9 (ver O Grande Conflito, p. 265-288).

Apesar da reabilitação dos cultos religiosos na França, isso não significou o fim do anticlericalismo revolucionário. Os revolucionários franceses estavam guerreando na Itália contra as tropas dos Estados Papais, o país governado pelo papa. Em 10 de fevereiro de 1798, o general Luís Alexandre Berthier exigiu que o papa Pio VI abdicasse de seus poderes temporais. Diante da recusa do pontífice, este foi preso dez dias depois, e permaneceu encarcerado até seu falecimento no ano seguinte. Os jornais franceses publicaram a notícia de sua morte com a manchete: “Pio VI e último”. O evento foi profetizado em Apocalipse 13:3 por meio do símbolo de uma das cabeças da besta que subia do mar ter sido golpeada mortalmente. O novo papa, Pio VII, só pôde ser eleito em 14 de março de 1800. Roma ficou mais de dois anos sem papa, e o novo pontífice tinha muito menos poder político que todos os seus antecessores.

Na tentativa de salvar o catolicismo romano dos golpes que recebera, Pio VII acabou fazendo concessões que diminuíram mais ainda o poder de sua função. Pio VII esteve em Paris em 2 de dezembro de 1804, para a coroação de Napoleão Bonaparte como imperador dos franceses. Durante a cerimônia, realizada na Catedral de Notre-Dame, Napoleão tomou a coroa das mãos do papa e coroou-se a si mesmo, e em seguida coroou a imperatriz Josefina. O gesto arrogante tinha um significado político claro: o papado não estava mais acima do poder político; isso foi uma evidente concretização do término do período de 1.260 anos de supremacia papal predito na Bíblia.

Cenário de grandes eventos com profundo significado profético, a Catedral de Notre-Dame se tornou um ícone europeu e é reconhecida como patrimônio da humanidade. Por isso, é impossível calcular o tamanho das perdas (materiais e, sobretudo, simbólicas) causadas pelo incêndio da última terça-feira. Apesar desse episódio triste, a time-line da história nos lembra que edificações humanas, por mais sólidas que sejam, não permanecerão de pé para sempre. Prédios e monumentos estão sujeitos ao fogo e à ação destrutiva do tempo. O reino suscitado por Deus (Dn 2:44) é o único que jamais será destruído.

Autor do texto: FERNANDO DIAS

Belas palavras, só perde para o silêncio
Responda-o
#4
Também sou da opinião que se isso não for um sinal do fim dos tempos, foi algo planejado com muita cautela. Ótima Contribuição, irmão. Abraço


Responda-o
#5
(19-04-2019, 12:17 PM)Awaken Escreveu:
Spoiler Revelar
(19-04-2019, 10:46 AM)Melancton Escreveu:
A Catedral de Notre-Dame e as profecias
Igreja incendiada em Paris foi cenário do cumprimento de várias profecias bíblicas

[Image: ak-nd3-1604.jpg]

No anoitecer do último 15 de abril, o fogo consumiu um edifício histórico na ilha do rio Sena, no centro de Paris, a capital da França. Não se tratava de qualquer edifício. Construída a partir de 1163, a Catedral de Notre-Dame era possivelmente o monumento mais visitado do mundo. Cerca de 13 milhões de pessoas iam anualmente conhecê-la, mais do que o dobro de turistas que visitam anualmente o Brasil. Se o ponto turístico foi danificado grandemente, a história profética que ele representa precisa ser edificada na mente de todos, mesmo dos que jamais conhecerão o templo consumido pelas chamas.

Os 856 anos de história da Notre-Dame são a continuação de uma história mais antiga. O local sediou na Antiguidade um templo pagão dedicado a Júpiter, construído provavelmente na época de Tibério César, o imperador romano dos dias de Cristo (Lc 3:1). Em 508, Clóvis, rei dos francos, tornou-se o primeiro rei católico romano após a queda do Império Romano do Ocidente. Ele fundou a França com praticamente as mesmas fronteiras de hoje e fez de Paris sua capital. Sua conversão ao catolicismo romano marca o início da simbiose entre a Igreja Católica Romana e as nações da Europa Ocidental, uma união predita na profecia bíblica, que duraria 1.260 anos (Nm 14:34; Ez 4:7; Dn 7:25; 12:7; Ap 11:2, 3; 12:6, 14; 13:5). O filho de Clóvis e sua esposa Clotilde, Quildeberto, reinou na França entre 511 e 558. Seguindo a orientação do bispo Ambrósio de Milão, de transformar santuários pagãos em templos católicos, Quildeberto transformou o templo da ilha no rio Sena na catedral de Paris.

Esse rei extremamente católico combateu e venceu outras tribos bárbaras cujos reis não eram católicos, e matou em 531 seu cunhado Amalarico, rei dos visigodos, porque este seguia a heresia do arianismo. Essa vitória do catolicismo sobre os reis não católicos estava prevista na profecia Daniel 7:8. A ascensão do chifre pequeno (catolicismo romano) arrancaria três chifres (as tribos bárbaras não católicas), estabelecendo a hegemonia da Igreja Romana no Ocidente. Quildeberto começou a colecionar relíquias de santos, uma prática que produziu muita superstição e misticismo durante a Idade Média. Um incêndio destruiu a catedral em 857.

Luís VII, rei francês conhecido como “o piedoso”, iniciou a construção da nova catedral de Paris, dedicada à Nossa Senhora (Notre-Dame, em francês), após a visita do papa Alexandre III à França em 1163. A construção terminou em 1345. Já o rei Luís IX, que foi canonizado pela Igreja Católica, adquiriu por altíssimo preço em 1238 a suposta coroa de espinhos que Jesus Cristo teria usado das mãos de Balduíno II, rei latino de Constantinopla, falido com os gastos nas cruzadas para reconquistar a costa oriental do Mediterrâneo dos muçulmanos. A relíquia foi guardada na Catedral de Notre-Dame, junto com milhares de outros supostos objetos sagrados. Na Idade Média, quando relíquias eram expostas ao público, concedia-se perdão dos pecados aos que se confessassem (O Grande Conflito, p. 129).

A Catedral de Notre-Dame, baluarte do catolicismo, foi frequentada por homens que posteriormente contribuíram para minar a supremacia católica. Jacques Lefrève, Guilherme Farel, João Calvino, Pierre de Olivetán e Luís de Berquin viveram em Paris enquanto eram católicos convictos, e participaram de missas na catedral. Ao pesquisar a Bíblia, esses reformadores contestaram as práticas não bíblicas da Igreja de Roma e fundaram a Igreja Reformada. A divisão religiosa não foi bem aceita pelos monarcas franceses. Os huguenotes (cristãos protestantes franceses) foram exilados e martirizados. Em 21 de janeiro de 1535, o rei Francisco organizou uma grande procissão em Paris, que culminou na Catedral de Notre-Dame, onde solenemente jurou extirpar o protestantismo da França (O Grande Conflito, p. 229).

Foi na Catedral de Notre-Dame que se casaram em 1558 Maria Stuart da Escócia com o delfim Francisco II. Viúva no ano seguinte, ela voltou à Escócia para assumir o reinado daquele país. Uma das marcas de seu governo foi a intolerância religiosa, já que ela queria a todo custo eliminar o protestantismo da Escócia e assumir o trono da Inglaterra, governado por sua prima Isabel, com o fim de restaurar o poderio católico romano em toda a Grã-Bretanha. O reformador João Knox enfrentou duros embates com Maria Stuart, defendendo perante ela a autoridade bíblica (Mt 10:18; O Grande Conflito, p. 251).

Em 18 de agosto de 1572, a irmã do rei da França, a católica Margarida, casou-se na Catedral de Notre-Dame com o príncipe Henrique, filho de uma protestante. O ato parecia representar tolerância, mas não foi bem assim. Uma semana depois, em 24 de agosto, ocorreu o Massacre da Noite de São Bartolomeu, que tirou a vida de 70 mil protestantes. Quando o mesmo Henrique IV já era rei da França, ele tornou-se definitivamente protestante, e os membros da Liga Católica juraram na Catedral de Notre-Dame em 1590 que jamais o reconheceriam como rei. Henrique somente conseguiu reassumir o trono quando abjurou o protestantismo. Mesmo assim, decretou o Édito de Nantes, concedendo liberdade religiosa. O édito foi revogado em 1685, o que ocasionou a fuga de muitos protestantes franceses para a América do Norte. Um nobre protestante, o Visconde de Turrene, foi batizado no catolicismo na Catedral de Notre-Dame.

Esses atos de intolerância religiosa de que a catedral parisiense foi cenário em primeiro plano foram descritos antecipadamente em diversas profecias bíblicas, especialmente Daniel 7 e Apocalipse 11 e 12. As passagens predizem que um poder religioso apóstata oprimiria com a força do estado os servos fiéis de Deus durante 1.260 anos. A situação dos cristãos que desejavam viver conforme a Bíblia foi predita no Apocalipse como uma fuga para o “deserto” (Ap 12:6), e seu êxodo para a América do Norte é profetizado da seguinte maneira: “a terra [América do Norte], porém, socorreu a mulher [igreja perseguida]” (Ap 12:16). O tempo de perseguição profetizado se estendeu entre 538 e 1798.

Nos últimos anos desse período, novamente Notre-Dame foi palco do cumprimento de profecias. Os fatos representados em Apocalipse 11 se cumpriram durante a Revolução Francesa, entre 1789 e 1798. Durante o Reinado do Terror, o culto a Deus foi proibido. Em 10 de novembro de 1793, uma prostituta coberta apenas por um véu foi aclamada a “deusa da razão” perante a Assembleia Nacional Francesa. O presidente da assembleia despiu-a do véu, deixando-a nua, e a conduziu em uma procissão até a Catedral de Notre-Dame. Ali a dançarina foi adorada pelos revolucionários como a “deusa da razão”, num culto blasfemo. No mesmo dia, Bíblias confiscadas foram queimadas. Possuir uma Bíblia implicava pena de morte ao seu dono. 50 mil pessoas morreram naquela noite em toda a França. Durante três anos e meio, até junho de 1797, a religião cristã, em todas as suas manifestações, foi proibida no que havia sido o mais antigo reino católico romano do mundo. O período cumpriu à risca a profecia de Apocalipse 11:9 (ver O Grande Conflito, p. 265-288).

Apesar da reabilitação dos cultos religiosos na França, isso não significou o fim do anticlericalismo revolucionário. Os revolucionários franceses estavam guerreando na Itália contra as tropas dos Estados Papais, o país governado pelo papa. Em 10 de fevereiro de 1798, o general Luís Alexandre Berthier exigiu que o papa Pio VI abdicasse de seus poderes temporais. Diante da recusa do pontífice, este foi preso dez dias depois, e permaneceu encarcerado até seu falecimento no ano seguinte. Os jornais franceses publicaram a notícia de sua morte com a manchete: “Pio VI e último”. O evento foi profetizado em Apocalipse 13:3 por meio do símbolo de uma das cabeças da besta que subia do mar ter sido golpeada mortalmente. O novo papa, Pio VII, só pôde ser eleito em 14 de março de 1800. Roma ficou mais de dois anos sem papa, e o novo pontífice tinha muito menos poder político que todos os seus antecessores.

Na tentativa de salvar o catolicismo romano dos golpes que recebera, Pio VII acabou fazendo concessões que diminuíram mais ainda o poder de sua função. Pio VII esteve em Paris em 2 de dezembro de 1804, para a coroação de Napoleão Bonaparte como imperador dos franceses. Durante a cerimônia, realizada na Catedral de Notre-Dame, Napoleão tomou a coroa das mãos do papa e coroou-se a si mesmo, e em seguida coroou a imperatriz Josefina. O gesto arrogante tinha um significado político claro: o papado não estava mais acima do poder político; isso foi uma evidente concretização do término do período de 1.260 anos de supremacia papal predito na Bíblia.

Cenário de grandes eventos com profundo significado profético, a Catedral de Notre-Dame se tornou um ícone europeu e é reconhecida como patrimônio da humanidade. Por isso, é impossível calcular o tamanho das perdas (materiais e, sobretudo, simbólicas) causadas pelo incêndio da última terça-feira. Apesar desse episódio triste, a time-line da história nos lembra que edificações humanas, por mais sólidas que sejam, não permanecerão de pé para sempre. Prédios e monumentos estão sujeitos ao fogo e à ação destrutiva do tempo. O reino suscitado por Deus (Dn 2:44) é o único que jamais será destruído.

Autor do texto: FERNANDO DIAS

Interessantíssimo até chegar ao Apocalipse quando cagou tudo.

O primeiro capítulo e versículo do Apocalipse diz que as coisas que estão ali escritas deverão acontecer em BREVE! Lê a porcaria do versículo 1. Muitas das coisas que se passam nesses capítulos, principalmente os usados pelo autor desse texto fictício e herege, JÁ ACONTECERAM ou estavam acontecendo naquela hora em que São João escrevia.

A "profecia" que esse Fernando Dias diz "se cumprir", já foi "cumprida" diversas vezes por diversos pastores e estudiosos bíblicos, vira e mexe tem um novo "doutor bíblico", um guerreiro, fazer adivinhação com a Bíblia de acordo com fatos aleatórios dos dias atuais.

O problema é que você vê que o cara tá usando Apocalipse 11, 12 e 13, coisas que realmente já aconteceram.

Caceta, Apocalipse 12. Uma "mulher vestida do sol, a lua debaixo dos seus pés e na cabeça uma coroa de doze estrelas” (Ap 12,1).", dá a luz a um filho (Jesus), o dragão persegue a mulher (Maria) e o filho (Jesus) e esses sofrem a perseguição de satanás (claramente descrito como o dragão e a serpente), esse filho (Jesus) é perseguido, mas é arrebatado (Porra isso não é obviamente Jesus?), a perseguição continua à mulher (Maria), nisso a batalha passa de uma simples perseguição terrena a briga entre anjos (claramente descreve uma batalha espiritual que precede a vinda do Messias, o Dragão também passa a ser chamado de Serpente, uma alusão clara a Satanás), na Terra o dragão tenta enviar um exército (vomitou um rio pra fazer a mulher submergir, mas a "terra", engole esse rio) e no final das contas quando Maria escapa, o Dragão não desiste e continua a perseguir à descendência de Maria, ora... descendência? Isso mesmo a Igreja!

Cara, são obviamente acontecimentos daquela época que São João descreve, não tem nada de futurístico nisso, 2000 e cacetada.

Pro texto fazer sentido, ele tem que fazer sentido como um todo. Leia por exemplo o capítulo 12, versículo 11 e veja se não está falando claramente dos mártires que estavam sendo perseguidos por Nero naquele exato momento por serem cristãos, por negarem o culto ao imperador.
Esse negócio de "o Apocalipse prediz que vai acontecer", isso é bagulho que surge depois do iluminismo.

Esse cara tá tão doidão quanto meu ex sogro que falava que a Igreja Católica era a primeira besta, a segunda e ainda o Vaticano era a prostituta da Babilônia.

É ser bem ignorante mesmo.

Se quiserem explicações sobre esses termos eu posso ajudar com o pouco que sei.

Eu postei porque achei o texto formidavel, nao percebi que as profecias podiam magoar algum catolico

Postei mais pela historia do monumento que se perdeu que é muito interessante

sobre você discordar das profecias, tudo bem, é um direito seu, é tambem porque voce tem uma visao limitada do assunto, apocalipse é um livro profetico e que utiliza linguagem simbolica, mas a interpretação esta na propria biblia, estude essa tabela para aprender mais

[Image: a3a354d8-acc7-409f-b130-c8a232a3d3e3.jpg]

Mas não vai fazer muita diferença, pois apesar de voce não entender do assunto, vai acreditar no que a igreja catolica te mandar acreditar.

Por isso eu nao vejo necessidade de debatermos religiao pois a nossa base é totalmente contraria, eu pessoalmente considero a biblia acima de qualquer instituição terrestre e voce considera a igreja catolica e a tradição acima da biblia, entao, as nossas bases de fe sao antagonicas

A bíblia mesmo ja adverte contra esse tipo de postura:

Citação:Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos anuncie outro evangelho além do que já vos tenho anunciado, seja anátema.
Assim, como já vo-lo dissemos, agora de novo também vo-lo digo. Se alguém vos anunciar outro evangelho além do que já recebestes, seja anátema.

Gálatas 1:8,9

Eu vou te mostrar meus argumentos pela biblia e voce vai desconsiderar e mostrar os seus pela igreja catolica e tradição, o que nao vale nada para mim.

Para você a igreja catolica está acima da bíblia.
Para mim a bíblia está acima de qualquer igreja e de qualquer tradição, papa ou suposto anjo.


E como voce mesmo disse no topico da terra plana:

(27-03-2019, 10:14 PM)Awaken Escreveu: Parece que tem gente que fica ofendida como se a Bíblia fosse a razão da sua fé, a razão da fé em Cristo está em saber que ele deixou um legado, e que esse legado está escorado na tradição da Igreja que é a coluna da verdade, e PRONTO E ACABOU, eu não acreditaria nem na Bíblia se a Igreja não falasse que aquilo dali aconteceu de verdade.

A Bíblia não veio, e então a fé, a fé veio, e então a Bíblia.

Então toda a vez que você ver um charlatão usar Bíblia pra justificar teorias loucas sobre terra plana, "anti cristos", "bestas de apocalipse", etc você já sabe que ele está completamente ERRADO.
"A paixão é como o álcool. Entorpece a consciência, elimina a lucidez, impede o julgamento crítico e provoca alucinações, fazendo com que o ser amado seja visto como divino." Como lidar com Mulheres - Nessahan Alita
Responda-o
#6
Spoiler Revelar
(20-04-2019, 08:41 AM)Melancton Escreveu:
(19-04-2019, 12:17 PM)Awaken Escreveu: Interessantíssimo até chegar ao Apocalipse quando cagou tudo.

O primeiro capítulo e versículo do Apocalipse diz que as coisas que estão ali escritas deverão acontecer em BREVE! Lê a porcaria do versículo 1. Muitas das coisas que se passam nesses capítulos, principalmente os usados pelo autor desse texto fictício e herege, JÁ ACONTECERAM ou estavam acontecendo naquela hora em que São João escrevia.

A "profecia" que esse Fernando Dias diz "se cumprir", já foi "cumprida" diversas vezes por diversos pastores e estudiosos bíblicos, vira e mexe tem um novo "doutor bíblico", um guerreiro, fazer adivinhação com a Bíblia de acordo com fatos aleatórios dos dias atuais.

O problema é que você vê que o cara tá usando Apocalipse 11, 12 e 13, coisas que realmente já aconteceram.

Caceta, Apocalipse 12. Uma "mulher vestida do sol, a lua debaixo dos seus pés e na cabeça uma coroa de doze estrelas” (Ap 12,1).", dá a luz a um filho (Jesus), o dragão persegue a mulher (Maria) e o filho (Jesus) e esses sofrem a perseguição de satanás (claramente descrito como o dragão e a serpente), esse filho (Jesus) é perseguido, mas é arrebatado (Porra isso não é obviamente Jesus?), a perseguição continua à mulher (Maria), nisso a batalha passa de uma simples perseguição terrena a briga entre anjos (claramente descreve uma batalha espiritual que precede a vinda do Messias, o Dragão também passa a ser chamado de Serpente, uma alusão clara a Satanás), na Terra o dragão tenta enviar um exército (vomitou um rio pra fazer a mulher submergir, mas a "terra", engole esse rio) e no final das contas quando Maria escapa, o Dragão não desiste e continua a perseguir à descendência de Maria, ora... descendência? Isso mesmo a Igreja!

Cara, são obviamente acontecimentos daquela época que São João descreve, não tem nada de futurístico nisso, 2000 e cacetada.

Pro texto fazer sentido, ele tem que fazer sentido como um todo. Leia por exemplo o capítulo 12, versículo 11 e veja se não está falando claramente dos mártires que estavam sendo perseguidos por Nero naquele exato momento por serem cristãos, por negarem o culto ao imperador.
Esse negócio de "o Apocalipse prediz que vai acontecer", isso é bagulho que surge depois do iluminismo.

Esse cara tá tão doidão quanto meu ex sogro que falava que a Igreja Católica era a primeira besta, a segunda e ainda o Vaticano era a prostituta da Babilônia.

É ser bem ignorante mesmo.

Se quiserem explicações sobre esses termos eu posso ajudar com o pouco que sei.

Eu postei porque achei o texto formidavel, nao percebi que as profecias podiam magoar algum catolico

Postei mais pela historia do monumento que se perdeu que é muito interessante

sobre você discordar das profecias, tudo bem, é um direito seu, é tambem porque voce tem uma visao limitada do assunto, apocalipse é um livro profetico e que utiliza linguagem simbolica, mas a interpretação esta na propria biblia, estude essa tabela para aprender mais

[Image: a3a354d8-acc7-409f-b130-c8a232a3d3e3.jpg]

Mas não vai fazer muita diferença, pois apesar de voce não entender do assunto, vai acreditar no que a igreja catolica te mandar acreditar.

Por isso eu nao vejo necessidade de debatermos religiao pois a nossa base é totalmente contraria, eu pessoalmente considero a biblia acima de qualquer instituição terrestre e voce considera a igreja catolica e a tradição acima da biblia, entao, as nossas bases de fe sao antagonicas

A bíblia mesmo ja adverte contra esse tipo de postura:

Citação:Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos anuncie outro evangelho além do que já vos tenho anunciado, seja anátema.
Assim, como já vo-lo dissemos, agora de novo também vo-lo digo. Se alguém vos anunciar outro evangelho além do que já recebestes, seja anátema.

Gálatas 1:8,9

Eu vou te mostrar meus argumentos pela biblia e voce vai desconsiderar e mostrar os seus pela igreja catolica e tradição, o que nao vale nada para mim.

Para você a igreja catolica está acima da bíblia.
Para mim a bíblia está acima de qualquer igreja e de qualquer tradição, papa ou suposto anjo.


E como voce mesmo disse no topico da terra plana:

(27-03-2019, 10:14 PM)Awaken Escreveu: Parece que tem gente que fica ofendida como se a Bíblia fosse a razão da sua fé, a razão da fé em Cristo está em saber que ele deixou um legado, e que esse legado está escorado na tradição da Igreja que é a coluna da verdade, e PRONTO E ACABOU, eu não acreditaria nem na Bíblia se a Igreja não falasse que aquilo dali aconteceu de verdade.

A Bíblia não veio, e então a fé, a fé veio, e então a Bíblia.

Então toda a vez que você ver um charlatão usar Bíblia pra justificar teorias loucas sobre terra plana, "anti cristos", "bestas de apocalipse", etc você já sabe que ele está completamente ERRADO.

GargalhadaGargalhadahGargalhada Tá de boa, cara. Eu entendo realmente que você publicou por causa do lance histórico da catedral e tudo mais, não fico ofendido com o texto, só acho que assim como ao autor do texto cabe a acusação, me cabe também responder. (mesmo que o autor não esteja aqui e mesmo que eu não tenha respondido tudo)

"Você vai acreditar só no que a Igreja te disser."

Eu realmente não acreditaria na Bíblia se não fosse a Igreja me dizendo que isso aí é a verdade, eles tem definitivamente a autoridade delegada por Cristo.

Aí tu vem me dizer, você @Melancton: "mas a interpretação esta na própria bíblia".
Olha, eu queria saber DE VERDADE, aonde na Bíblia você encontrou essa tabela de interpretação porque na minha não tem. (fui presbiteriano até os meus 22 anos de idade, nem na Igreja Presbiteriana eu aprendi essa interpretação e nunca achei na Bíblia, se a chave de leitura está em uma estrutura filosófica do que poderia ser, jovem, isso não passa de imaginário perto das provas históricas que eu dou.)

Porque eu não sou limitado a achar coisas somente na Bíblia, o magistério e a tradição (histórica) nos contam o que precisamos saber.

Existem coisas muito erradas nessa tabela de interpretação Bíblica que não contam toda a história, algumas perguntas acho que você deveria se fazer de como é que você tá com 12 tribos no A.T. e de repente vira o novo e só existe Judá? Como foi o período de Judá sob o domínio REAL da Babilônia? Que profecias Jesus fez a respeito da cidade de Jerusalém e do templo? Quando elas se cumpriram? Que alerta João quer passar com as tribulações, os martírios e os anti-cristãos senão tudo aquilo que estava ocorrendo ali justamente na cara dos cristãos? Se o livro apocalipse se trata de um livro profético, futurístico e que todo seu conteúdo é de integridade alegoricamente interpretativa, porque existem dentro deles cartas às Igrejas da época?

Enfim, não vou me alongar muito.

Acho que antes de falar de história você deve realmente procurar que contexto se vivia naquela época antes de falar de qualquer ponto futurístico.
The absence of virtue is claimed by despair






Responda-o
#7
Interpretação bíblica só perde para cabeça de Ministros  do STF e projeto lei elaborado por fundação gringa e traduzido e assinado por Deputado federal brasileiro e endossado pela CCJ.


[Image: giphy.gif]
A guerra política também é  espiritual orando para YHWH castigar o Congresso, STF e a isentosfera.
Responda-o
#8
@Melancton Não vou nem comentar o texto, somente a sua desonestidade.

"...Postei mais pela historia do monumento que se perdeu que é muito interessante" "...não percebi que as profecias podiam magoar algum católico" mas é um falso mesmo... o que menos tem nesse texto é conteúdo sobre a historia do edifício, pra cada um fato citado há dois ataques velados a igreja católica, não vou assumir que é propaganda protestante porque pelo conteúdo pode ser coisa de ateísta ou satanista disfarçado.

"Eu vou te mostrar meus argumentos pela bíblia." procede para postar tabela aleatória com interpretação arbitrária que não está na bíblia Facepalm

"sobre você discordar das profecias, tudo bem, é um direito seu, é tambem porque voce tem uma visao limitada do assunto" como você assume isso? voce sabe o que o cidadão estudou?

"Mas não vai fazer muita diferença, pois apesar de voce não entender do assunto, vai acreditar no que a igreja catolica te mandar acreditar." Todas as sua conclusões foram feitas a partir da leitura direta da bíblia então? Ninguem te influenciou ou ajudou no entendimento? É isso que pode ser concluído já que voce critica alguém por aceitar a orientação de outrem. Só contradições... Não entendi
Quando não se procura agradar o mundo, ele se vinga; se por acaso se consegue agradá-lo, ele ainda se vinga nos corrompendo. A única saída é trabalharmos longe dele, tão indiferentes a seu julgamento quanto prontificando-nos a ser-lhe úteis.
Antonin-Dalmace Sertillanges
Responda-o
#9
Diversas igrejas estão sendo incendiadas pelo mundo, essa aí das atacadas é a de mais renome. Esses dias um maluco foi preso tentando entrar na catedral de NY com gasolina, 7,5 litros! Alegaram que não haviam evidências de terrorismo, era o que então?

https://jovempan.uol.com.br/noticias/mun...olina.html
  Se o machado está cego e sua lâmina não foi afiada, é preciso golpear com mais força. Agir com sabedoria assegura o sucesso. - Salomão em Eclesiastes 10.10.
  Muito cara legal foi parar debaixo de uma ponte por causa de uma mulher. - Bukowski.
Responda-o
#10
(20-04-2019, 11:20 AM)Awaken Escreveu: GargalhadaGargalhadahGargalhada Tá de boa, cara. Eu entendo realmente que você publicou por causa do lance histórico da catedral e tudo mais, não fico ofendido com o texto, só acho que assim como ao autor do texto cabe a acusação, me cabe também responder. (mesmo que o autor não esteja aqui e mesmo que eu não tenha respondido tudo)

afirmativo

(20-04-2019, 11:20 AM)Awaken Escreveu: "Você vai acreditar só no que a Igreja te disser."

Eu realmente não acreditaria na Bíblia se não fosse a Igreja me dizendo que isso aí é a verdade, eles tem definitivamente a autoridade delegada por Cristo.

entendo seu ponto de vista, porem, eu nao concordo que Cristo delegou isso para a igreja catolica, tambem nao acredito que a igreja catolica tenha poder para mudar as leis de Cristo e de Deus, por isso eu fico com a biblia

a propria biblia ja alerta que tentariam mudar os seus preceitos e para nao acreditar nisso, como mostrei o trecho biblico acima da minha resposta anterior

eu estava lendo o site que o Adão indica aqui no forum e francamente esse papa e os anteriores não apoiam a biblia, olha so essa fala dele como exemplo e depois leia o inicio do topico do Libertador sobre o sabado quando ele fala dos 7 dias da criaçao

Spoiler Revelar
Papa defende a Evolução e despreza o criacionismo
quarta-feira, outubro 29, 2014  profeciareligião  
undefined
Tentando misturar o imiscível
O papa Francisco afirmou nesta segunda-feira (27), durante discurso na Pontifícia Academia de Ciências, que a teoria da evolução e o big bang são reais e criticou a interpretação das pessoas que leem o Gênesis, livro da Bíblia, achando que Deus “tenha agido como um mago, com uma varinha mágica capaz de criar todas as coisas”. Segundo ele, a criação do mundo “não é obra do caos, mas deriva de um princípio supremo que cria por amor”. “O big bang não contradiz a intervenção criadora, mas a exige”, disse o pontífice na inauguração de um busto de bronze em homenagem ao papa Emérito Bento XVI. O big bang é, segundo aceita a maior parte da comunidade científica, a explosão ocorrida há cerca de 13,8 bilhões de anos que deu origem à expansão do Universo. Já a teoria da evolução, iniciada pelo britânico Charles Darwin (1809-1882), que prega que os seres vivos não são imutáveis e se transformam de acordo com sua melhor adaptação ao meio ambiente, pela seleção natural. O papa acrescentou dizendo que a “evolução da natureza não é incompatível com a noção de criação, pois exige a criação de seres que evoluem”.

Ele criticou que quando as pessoas leem o livro do Gênesis, sobre como foi a origem do mundo, pensam que Deus tenha agido como um mago. “Mas não é assim”, explica.

Segundo Francisco, o homem foi criado com uma característica especial – a liberdade – e recebe a incumbência de proteger a criação, mas quando a liberdade se torna autonomia, destrói a criação e o homem assume o lugar do criador.

“Ao cientista, portanto, sobretudo ao cientista cristão, corresponde a atitude de interrogar-se sobre o futuro da humanidade e da Terra; de construir um mundo humano para todas as pessoas e não para um grupo ou uma classe de privilegiados”, concluiu o pontífice.

(G1 Notícias)

Nota: O papa, que já condenou o “fundamentalismo” daqueles que leem os primeiros capítulos da Bíblia de forma literal (confira aqui), volta e meia vem “alfinetando” os que creem na criação segundo a Bíblia. Esta é a primeira vez que, assim como fizeram Bento XVI e João Paulo II, Francisco defende abertamente a teoria da evolução. Com todo o respeito, ou ele não leu direito a Bíblia, ou não entende o evolucionismo. Dizer que ambos não se contradizem é promover um grande erro. Se a teoria da evolução estivesse correta, a morte seria elemento constitutivo da criação de Deus, uma vez que, até o surgimento do primeiro ser humano, outros milhões de organismos teriam morrido. Além disso, se a história dos primeiros capítulos do Gênesis não são literais, que sentido teria a morte de Cristo por um pecado que não ocorreu? Por que cargas d’água Jesus teria Se referido a Adão e Eva como personagens históricos (assim como fez também com Noé), comparando, inclusive, Sua vinda com os dias anteriores ao dilúvio? Que árvore da vida seria aquela prometida pelo Apocalipse aos salvos, se a correspondente árvore da vida do Gênesis fosse apenas um mito? Se o papa realmente crê no Deus todo-poderoso, por que não crer que Ele poderia ter criado a vida na Terra em seis dias? Faria diferença se Ele houvesse criado em seis horas ou seis segundos? Por que Ele dependeria do processo evolutivo? Por que depender de um processo que envolve sobrevivência dos mais fortes/aptos e morte de incontáveis indivíduos desfavorecidos pela seleção natural? Que Deus seria esse? Segundo a Bíblia, a morte é um inimigo que será finalmente destruído por Jesus, não um elemento constitutivo natural da criação. Quanto ao big bang, essa teoria não é unanimidade absoluta e foi inicialmente proposta por um padre. Há quem discorde dela em bases científicas. E se houver no futuro uma reviravolta cosmológica, como ficará a igreja? Será que a igreja católica não aprendeu nada com o erro de defender o aristotelismo geocentrista? O fato é que cada vez mais aumenta a polarização entre o criacionismo bíblico e o evolucionismo teísta defendido pelo papa e outros religiosos. [MB]

Leia também: "Mistura impossível"


http://www.criacionismo.com.br/2014/10/p...eza-o.html

agora, antes que venham me apedrejar, eu tenho que dizer, nao se sintam ofendidos catolicos, mas eu acho que a igreja catolica esta enganando muita gente e que eles agem de má fé sim

mas eu tambem acho que existem muitos catolicos de bom coraçao que sao fieis apesar de tudo que a igreja é

entao, eu nao estou atacando voces, estou criticando a instituiçao da igreja catolica, nao os catolicos, nao levem isso como um ataque pessoal, porque nao é, existe muitos catolicos de bom coraçao e que sao fieis a Deus, assim como fora da igreja catolica, existe muita gente fiel e que anda com Deus

Eu nao acho que exista salvação só na igreja catolica

(20-04-2019, 11:20 AM)Awaken Escreveu: Aí tu vem me dizer, você @Melancton: "mas a interpretação esta na própria bíblia".
Olha, eu queria saber DE VERDADE, aonde na Bíblia você encontrou essa tabela de interpretação porque na minha não tem.

na tabela tem as fontes, vou mostrar

em um dos itens diz que aguas significa povos, o que pode ser lido em apocalipse 17:15:

"Então o anjo me disse: “As águas que você viu, onde está sentada a prostituta, são povos, multidões, nações e línguas.”
Apocalipse 17:15"


assim, como todas as outras palavras, a fonte que usaram para fazer a interpretação do simbolo esta na tabela que postei, é so para auxiliar no estudo, mas voce pode ignorar ela e buscar os significados na biblia sozinho o que dará mais trabalho

Cristo usou a biblia como interprete quando foi falar dele mesmo no antigo testamento para os discipulos:
"E, começando por Moisés, e por todos os profetas, explicava-lhes o que dele se achava em todas as Escrituras.

Lucas 24:27"

se voce abrir cada item da tabela, ja vai ver a resposta la mesmo com as passagens biblicas

(20-04-2019, 11:20 AM)Awaken Escreveu: Se o livro apocalipse se trata de um livro profético, futurístico e que todo seu conteúdo é de integridade alegoricamente interpretativa, porque existem dentro deles cartas às Igrejas da época?

Awaken, sobre as 7 igrejas eu achei um estudo muito bom que vou compartilhar com voce, eu ia resumir para te responder, mas acho melhor voce ver direto da fonte, eu aprendi muito com esse estudo

esta na página 13 deste link https://issuu.com/webdsa/docs/revista-ap...6/12227530


É a lição 2 chamada "As sete igrejas do Apocalipse", em 15 minutos da pra ler toda a liçao das 7 igrejas
"A paixão é como o álcool. Entorpece a consciência, elimina a lucidez, impede o julgamento crítico e provoca alucinações, fazendo com que o ser amado seja visto como divino." Como lidar com Mulheres - Nessahan Alita
Responda-o
#11
(21-04-2019, 11:22 AM)Corvo Escreveu: @Melancton Não vou nem comentar o texto

pode comentar o texto porque o texto é bom

(21-04-2019, 11:22 AM)Corvo Escreveu: "...Postei mais pela historia do monumento que se perdeu que é muito interessante" "...não percebi que as profecias podiam magoar algum católico" mas é um falso mesmo... o que menos tem nesse texto é conteúdo sobre a historia do edifício, pra cada um fato citado há dois ataques velados a igreja católica, não vou assumir que é propaganda protestante porque pelo conteúdo pode ser coisa de ateísta ou satanista disfarçado.

o problema é que quanto o texto critica a igreja catolica voce se sentiu ofendido como se eu tivesse te atacando pessoalmente, eu nao tenho nada contra voce ou os catolicos, nem conheço voces pessoalmente

é igual outra vez que comentei da real com uma mulher e ela me chamou de gay por criticar as mulheres, quer dizer, se eu criticar as mulheres eu sou gay? nao existe a possibilidade de eu ser hetero e criticar porque nao aprovo o comportamento delas?

Foi o que voce fez agora, por que eu critiquei a igreja catolica eu sou satanista? nao existe a possibilidade de eu ser cristão também e estudante da biblia e não concordar com as coisas que a igreja catolica faz? Ou eu concordo com a igreja catolica ou eu sou satanista? so existe essas duas opções?

o problema que nem fui eu que critiquei a igreja catolica, e aposto que nem leu os versiculos biblicos do texto

(21-04-2019, 11:22 AM)Corvo Escreveu: "Eu vou te mostrar meus argumentos pela bíblia." procede para postar tabela aleatória com interpretação arbitrária que não está na bíblia Facepalm

é uma tabela para auxiliar, mas voce pode ler apocalipse e ficar sem entender também, igual aconteceu comigo Yaoming

existem outras tabelas, a interpretação da tabela tem os links de cada passagem, voce pode ler e conferir por si mesmo

vou citar um exemplo da propria tabela, ali fala que o dragao representa o diabo e mostra o trecho biblico em que ela mesmo se explica:
"O grande dragão foi lançado fora. Ele é a antiga serpente chamada diabo ou Satanás, que engana o mundo todo. Ele e os seus anjos foram lançado à terra.
Apocalipse 12:9"

outro trecho fala que chifres são poder, rei ou reino e mostra os trechos, olha:

"E os dez chifres que viste são dez reis, que ainda não receberam o reino, mas receberão poder como reis por uma hora, juntamente com a besta.

Apocalipse 17:12"

"E, quanto aos dez chifres, daquele mesmo reino se levantarão dez reis; e depois deles se levantará outro, o qual será diferente dos primeiros, e abaterá a três reis.

Daniel 7:24"

a explicação esta bem clara e na propria biblia, ela literamente fala "Os dez chifres que viste são dez reis!!
basta voce ver os links da tabela, eles nao sao imperativos, mas sim orientativos, eu postei a tabela para ajudar, mas qualquer um lendo a biblia de forma atenta, pode perceber esse trecho em que ela mesmo se explica

(21-04-2019, 11:22 AM)Corvo Escreveu: "sobre você discordar das profecias, tudo bem, é um direito seu, é tambem porque voce tem uma visao limitada do assunto" como você assume isso? voce sabe o que o cidadão estudou?

ele mesmo falou que nao sabe muito de profecias e de apocalipse, mas que responde com o pouco que sabe

(21-04-2019, 11:22 AM)Corvo Escreveu: "Mas não vai fazer muita diferença, pois apesar de voce não entender do assunto, vai acreditar no que a igreja catolica te mandar acreditar." Todas as sua conclusões foram feitas a partir da leitura direta da bíblia então? Ninguem te influenciou ou ajudou no entendimento? É isso que pode ser concluído já que voce critica alguém por aceitar a orientação de outrem. Só contradições... Não entendi

eu precisei da ajuda de outros sim, eu nao conseguia entender apocalipse de jeito nenhum, ja tinha lido varias vezes, coloquei acima quem me ajudou, essa revista, eu tenho aqui em casa e estudei ela toda, e por sorte achei ela online para mostrar aqui pra voces tambem

nao vejo como contradição, pois eu nao vejo nada de errado de receber orientaçoes, o que eu me preocupo é em aceitar o que uma igreja fala como se fosse autoridade celestial, sem questionar, mesmo que ela contradiza a biblia, mas se voce questiona o que é dito pelo papa e pela igreja catolica e verifica por si mesmo, ai eu te dou os parabens pois apoio isso

ate na minha igreja eu questiono o que o pastor pregou indo em casa e estudando o assunto sozinho com minha biblia e quando nao entendo eu pergunto, e estudo as respostas que me dao, o topico do Libertador sobre o sábado foi um que eu estudei ele todo, passagem por passagem, e questionei com o pastor, eu estou aprendendo ainda e acho que um livro como a biblia nunca pararei de aprender porque é um livro muito completo e com muitas liçoes pra vida
"A paixão é como o álcool. Entorpece a consciência, elimina a lucidez, impede o julgamento crítico e provoca alucinações, fazendo com que o ser amado seja visto como divino." Como lidar com Mulheres - Nessahan Alita
Responda-o
#12
Sinceramente eu não estou com saco pra te mostrar algumas coisas...

Melhor não prosseguirmos com esse assunto.

Você partiu de tentar provar seu ponto pra tentar atacar a Igreja com fontes sensacionalistas.
The absence of virtue is claimed by despair






Responda-o
#13
O contexto é claro, a França é o berço um modelo de civilização que jogou a Igreja no lixo e optou pelo secularismo.

Sou protestante mas temos que ir com zelo nessa interpretação bíblica ao pé da letra. Eu posso usar a livre interpretação bíblica e retirar versículos para explicar todos os fenômenos que estão acontecendo no Mundo e de certa forma eu vou sempre 'acertar' alguma coisa, sem me importar com o contexto da apresentação da citação bíblica,

O Apocalipse evidencia a perseguição sistêmica da Cristandade e serve para alertar e confortar todos que seguem a Cristo acerca dos tempos difíceis que virão.

Responda-o
#14
(22-04-2019, 10:54 AM)Fernando_R1 Escreveu: O contexto é claro, a França é o berço um modelo de civilização que jogou a Igreja no lixo e optou pelo secularismo.

Sou protestante mas temos que ir com zelo nessa interpretação bíblica ao pé da letra. Eu posso usar a livre interpretação bíblica e retirar versículos para explicar todos os fenômenos que estão acontecendo no Mundo e de certa forma eu vou sempre 'acertar' alguma coisa, sem me importar com o contexto da apresentação da citação bíblica,

O Apocalipse evidencia a perseguição sistêmica da Cristandade e serve para alertar e confortar todos que seguem a Cristo acerca dos tempos difíceis que virão.

Perfeito.

Esse discurso floreado de que todos podem interpretar a bíblia como querem é bem perigoso. Assim surgem picaretas e fanáticos extremistas.
Um homem com escolhas é um homem livre.
MEU BLOG - POST NOVO - Mudança de Nome
Responda-o
#15
(22-04-2019, 11:08 AM)Gorlami Escreveu:
(22-04-2019, 10:54 AM)Fernando_R1 Escreveu: O contexto é claro, a França é o berço um modelo de civilização que jogou a Igreja no lixo e optou pelo secularismo.

Sou protestante mas temos que ir com zelo nessa interpretação bíblica ao pé da letra. Eu posso usar a livre interpretação bíblica e retirar versículos para explicar todos os fenômenos que estão acontecendo no Mundo e de certa forma eu vou sempre 'acertar' alguma coisa, sem me importar com o contexto da apresentação da citação bíblica,

O Apocalipse evidencia a perseguição sistêmica da Cristandade e serve para alertar e confortar todos que seguem a Cristo acerca dos tempos difíceis que virão.

Perfeito.

Esse discurso floreado de que todos podem interpretar a bíblia como querem é bem perigoso. Assim surgem picaretas e fanáticos extremistas.

Voces só podem estar de sacanagem. Não é possivel, aposto duas msol que ninguem leu o link da revista de estudo do Apocalipse que coloquei e que nem pegou os trechos da tabela para verificar, se tivessem lido, veriam que eu não estou interpretando ao pé da letra como voce disse. E não estou tirando os trechos do contexto como voce insinuou, ja que o proprio contexto ajuda a entender melhor os trechos e também nao estou dizendo que todos podem interpretar a bíblia como querem como o Gorlami afirmou, até porque a verdade é unica, só tem uma interpretação, entao, so tem um jeito de interpretar o Apocalipse corretamente, nao tem como ter duas verdades contrarias sobre um assunto, entao não dá para todos interpretar a biblia como querem.

Estou falando da tabela que postei, e não do texto do autor do topico. Estou respondendo por mim mesmo, ainda não me aprofundei no estudo ao ponto de confirmar todos os pontos de vista dele sobre o Apocalipse, 

(21-04-2019, 06:07 PM)Melancton Escreveu: vou citar um exemplo da propria tabela, ali fala que o dragao representa o diabo e mostra o trecho biblico em que ela mesmo se explica:
"O grande dragão foi lançado fora. Ele é a antiga serpente chamada diabo ou Satanás, que engana o mundo todo. Ele e os seus anjos foram lançado à terra.
Apocalipse 12:9"

olha como está claro, o proprio versiculo falou: O grande dragão foi lançado fora. Ele é a antiga serpente chamada diabo ou Satanás

aí como pode dizer que o dragão não representa diabo? que a tabela que postei para ajudar não tem base biblica? o próprio anjo que deu a visão, já deu a resposta, logo em seguida.

veja como o contexto ajuda a interpretar o livro

outro trecho da tabela fala que chifres são poder, rei ou reino e mostra os trechos, olha:

"E os dez chifres que viste são dez reis, que ainda não receberam o reino, mas receberão poder como reis por uma hora, juntamente com a besta.

Apocalipse 17:12"

"E, quanto aos dez chifres, daquele mesmo reino se levantarão dez reis; e depois deles se levantará outro, o qual será diferente dos primeiros, e abaterá a três reis.

Daniel 7:24"

a explicação esta bem clara e na propria biblia, ela literamente fala "Os dez chifres que viste são dez reis!!

[b]"Os dez chifres que viste são dez reis!!"[/b]

ai se eu afirmo que chifres no Apocalipse significam reis, vem o Gorlami falar que é perigoso afirmar isso e insinuando que estou inventando e que isso é coisa de "picaretas e fanáticos extremistas" sendo que a propria biblia já ajuda com muitas respostas

tem gente que acha que o livro de apocalipse deve ser descartado, que nao foi feito para ser entendido, que tem que ignorar o livro

O livro de apocalipse foi colocado por Deus na biblia para ser estudado e comprendido, a própria palavra apocalipse significa REVELAÇÃO

o livro é dificil de ser estudado, mas se estudar com atenção, com calma, e verificando as passagens, com muita oração, dá para começar a entender muitos trechos, e se eu gosto de estudar o assunto, qual o problema?

(21-04-2019, 07:13 PM)Awaken Escreveu: Sinceramente eu não estou com saco pra te mostrar algumas coisas...

Melhor não prosseguirmos com esse assunto.

Você partiu de tentar provar seu ponto pra tentar atacar a Igreja com fontes sensacionalistas.

Eu quis mostrar na minha resposta uma declaraçao do papa que contradizia a biblia porque isso era importante no ponto principal da discussão, se fosse uma fonte sensacionalista ele não mostraria a fonte da resposta (O papa Francisco afirmou nesta segunda-feira (27), durante discurso na Pontifícia Academia de Ciências), fontes sensacionalistas não mostram a fonte, o local e o dia que foi feito a afirmação, pois assim se for mentira, qualquer um poderia verificar e descobrir que é so uma reportagem falsa, sensacionalista, inventando coisas para acusar o papa

nessa declaração do papa, da a entender que ele afirma que a terra não foi criada em 7 dias literais e que genesis é figurativo e que a evolução foi parte da criação

Essa declaração parece ir de confronto com o livro da biblia de genesis e outras declarações como a de Jesus e de Paulo que tratam Adão e Eva como personagens reais e entende-se que a criaçao é algo real que ocorreu e que não houve processo evolucionista

esse foi so uma frase do papa que aparentemente é contraria a bíblia, eu poderia citar outras, mas citei uma so para mostrar o meu ponto do texto que é: Quem tem maior autoridade nesses casos? A bíblia ou a igreja Católica?

o ponto da nossa discussao, como eu disse, é que voce diz:

(20-04-2019, 11:20 AM)Awaken Escreveu: Eu realmente não acreditaria na Bíblia se não fosse a Igreja me dizendo que isso aí é a verdade, eles tem definitivamente a autoridade delegada por Cristo.

Já eu digo o contrário que:
Eu realmente não acreditaria na Igreja Católica se não for a bíblia me dizendo que isso aí é a verdade, porque a igreja católica definitivamente NÃO tem autoridade delegada por Cristo.

Deixando de lado a interpretação do Apocalipse, e deixando de lado as declarações do Papa, o ponto principal da discussão é:

Quem tem maior autoridade? A bíblia ou a Igreja Catolica? 
Cristo realmente delegou toda a autoridade para a igreja catolica? Existem evidencias disso?
Se a Igreja Católica em algum momento contradizer a Bíblia, em qual eu devo acreditar?
A igreja catolica, tem autoridade para interpretar e alterar a biblia e para acrescentar regras que nao estão na biblia? 
A igreja catolica tem autoridade para perdoar pecados? A igreja catolica tem autoridade para salvar uma pessoa ou para condenar?
Se uma pessoa for condenada pela igreja catolica, ela pode se salvar mesmo estando fora da igreja catolica?

Se voce puder me apresentar esses pontos, eu agradeço
"A paixão é como o álcool. Entorpece a consciência, elimina a lucidez, impede o julgamento crítico e provoca alucinações, fazendo com que o ser amado seja visto como divino." Como lidar com Mulheres - Nessahan Alita
Responda-o
#16
Que síndrome de perseguição é essa, jovem?

Fiz uma observação geral sobre livre interpretação, fazendo um link com picaretas por aí (do tipo que pedem seu cartão de crédito com senha) que interpretam os textos bíblicos como bem entendem. Eu, Gorlami, não entrei no mérito da sua tabela ou seja lá o que seja.

Relaxa aí.
Um homem com escolhas é um homem livre.
MEU BLOG - POST NOVO - Mudança de Nome
Responda-o
#17
(22-04-2019, 03:28 PM)Gorlami Escreveu: Que síndrome de perseguição é essa, jovem?

Fiz uma observação geral sobre livre interpretação, fazendo um link com picaretas por aí (do tipo que pedem seu cartão de crédito com senha) que interpretam os textos bíblicos como bem entendem. Eu, Gorlami, não entrei no mérito da sua tabela ou seja lá o que seja.

Relaxa aí.

Foi mal, Gorlami

Pensei que estava se direcionando diretamente a mim.

por isso achei a acusação contra mim sem fundamento Yaoming

segue o baile
"A paixão é como o álcool. Entorpece a consciência, elimina a lucidez, impede o julgamento crítico e provoca alucinações, fazendo com que o ser amado seja visto como divino." Como lidar com Mulheres - Nessahan Alita
Responda-o
#18
Jovem, gostaria muito de te responder, mas já me posicionava irônico e desrespeitoso.

Essa casa não tolera isso, então deixemos o debate para lá.

No mais eu só tenho uma coisa a dizer, meu jovem.

O Senhor te repreenda! A Santa Igreja derramou seu sangue para que você pudesse ter o que ler hoje, se a Igreja ao qual você cita é o demônio, então a Bíblia que você carrega é amaldiçoada. Lance-a ao fogo.

Mais uma coisa, uma explicação dessas de Apocalipse é vastamente complexa.
Envolve muita história hebraica/israelita/judia e eu não tenho saco pra te explicar tudo, serião mesmo.

Não tô mandando ir estudar não, mas acredito que se você olhar só a história contida na Bíblia e desconsiderar a história dos outros povos (como eram as hierarquias, os sistemas de governo, quem foi escravo de quem, quem morreu e quem sobreviveu na história, quem se prostituiu com outros povos) enfim.

Não adianta falar com alguém que só tá preso a Bíblia.
The absence of virtue is claimed by despair






Responda-o


Pular fórum:


Usuários visualizando este tópico: 1 Visitante(s)