Avaliação do Tópico:
  • 1 Voto(s) - 5 em Média
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
[RELATO] Da Roça à Auditoria
#1
E aí realistas. Não encontrei relatos de desenvolvimento profissional, portanto vou usar meu exemplo para motivação de colegas que estejam na campanha pelo cargo público. A real foi importante pra minha decisão de perseverar nos estudos, creio que minha trajetória pode motivar outros companheiros a persistir.

Omitirei datas e locais para evitar exposição.

O Início

Logo de cara comecei a vida num lar classe média-baixa do Brasil, um daqueles em que se tem o suficiente pra viver sem luxo algum, pai professor, mãe cozinheira. Meu pai foi um cara muito esforçado, depois de conseguir um diploma entrou no mundo dos concursos até conseguir um emprego na prefeitura de uma cidadezinha. A infância foi cheia de restrições financeiras, endividamentos, até chegar o ponto em que uma renda extra era necessária. Meus pais foram pra lavoura, e eu e meu irmão, também. Até os 13 anos trabalhei na roça, conciliando a escola com a plantação. Isto me ensinou uma humildade importante, que me faz entender o valor do trabalho e do dinheiro, por outro lado a rotina exaustiva deixou claro que a enxada não era o que eu queria pro futuro; só o estudo poderia me libertar de uma vida submetida àquela jornada.

A adolescência chega e meu pai é aprovado num cargo melhor, o que tornou possível que todos saíssemos da roça e mudássemos pra cidade grande. Com isso pude me dedicar aos estudos, mas ao invés de colocar a cara nos livros, me joguei na matrix dos videogames. Como resultado da minha vagabundagem não fui aprovado na federal de primeira, passei um ano no cursinho e o governo conseguiu "perder" meu caderno de provas, mais uma derrota. Dois anos sem aprovação, comecei a uniesquina mais próxima de casa. Minha mãe me inscreveu no vestibular da federal daquele ano, eu disse pra ela que só faria se ela me colocasse no portão do local de prova, porque já não cria na aprovação. 

Chega o dia da prova, eu me sento na cadeira e faço uma oração: "Deus, não creio que vou ser aprovado, eu não mereço, mas se o Senhor quiser vou ficar onde me mandar". Por simples misericórdia divina (não há outra explicação), fui aprovado, em 1o lugar para o curso de Direito na Federal. Não quero dizer que isso vai ser regra na vida de todos, eu me considero completamente imerecedor dessa vaga, mas por vezes Deus nos ajuda e nos põe em lugares que Ele sabe serem importantes pro nosso desenvolvimento.

Então me mudo para a nova cidade, faço o primeiro semestre do Curso, crio amizades fantásticas, deixo de ser o moleque introvertido para andar com "as crianças legais" da facul. Infelizmente a cobiça subiu a minha cabeça, fui aprovado no 2o semestre para uma outra universidade que eu considerava melhor. Eu tinha me comprometido a estar onde Deus me mandasse, mas agora por pura arrogância achei melhor fazer meu caminho. O resultado foram 5 anos de desventuras e tristezas num lugar que só me deprimia. No fundo do poço, a luz da Real começou a brilhar. Assisti uma palestra do mestre William Douglas em que ele nos desafiou a imaginar nossa vida em 10 anos, após a dinâmica pediu que respondêssemos se chegaríamos a essa meta com o nível de esforço que exercíamos na nossa vida naquele momento. Eu percebi que não teria chance alguma de alcançar minhas metas agindo como um beta dependente de jogos eletrônicos e de amor romântico.

A primeira fase foi largar os jogos, o que foi difícil e traumático, até se tornar leve e libertador. O próximo passo foi escolher um cargo pra disputar, logo me veio Fiscalização Tributária na cabeça. Comecei no último ano de faculdade o projeto, aprendendo uma porrada de coisas, fazendo TCC e lidando com a malfadada depressão. Saindo da universidade voltei pra casa dos meus pais, interessante como o convívio com pessoas que nos amam ajudam os tempos ruins a se esvair. Um ano e meio depois de sair da faculdade, com algumas dezenas de milhares de exercícios feitos, gigabytes de resumos e incontáveis horas de estudo recebo a notícia que fui aprovado no cargo que desejava, no lugar que desejava.

A sensação de dever cumprido é fenomenal, poder viver seu sonho, acordar todo dia e ver o fruto do seu trabalho ali diante de você é muito mais do que se pode descrever. Sempre me vem a mente o final de Faroeste Caboclo: "E se lembrou de quando era uma criança e de tudo que vivera até ali". Lembro de sentar no topo de uma carroça cheia de esterco e pensar como lutar por uma vida longe de tudo aquilo. Troquei a enxada pela caneta, sem perder a convicção de que nós somos capazes de fazer muito mais do que o mundo a nossa volta diz ser possível. 

As coisas podem dar errado por muitos motivos, mas nunca por não termos dado o nosso melhor. Por isso continuem lutando, amigos, os resultados certamente virão pra quem se esforça.
Responda-o
#2
Parabéns, confrade.

Sem dúvidas um exemplo a ser seguido.

Não pelo fato de ser concurso público, mas no âmbito de batalhar para ter uma vida melhor e mais confortável.
[...]
Responda-o
#3
Parabéns. Seu relato é motivador para quem já está nesse caminho da vitória. no meu caso é entristecedor por nao gostar de estudar e nao ter essa força de vontade. Estou fazendo inglês, mas ainda nao peguei tesao na coisa. Espero que a hora que engatar eu siga nessa linha, como disse você, que deus me coloque onde achar melhor. como eu sou cetico, acredito no acaso, que o acaso me coloque onde ele achar melhor. Talvez minha desesperança tenha vindo do ceticismo mas eu realmente lhe parabenizo. Fico realmente feliz em ver caras assim crescendo, essa necessidade de querer mudar de vida eh uma grande força que temos que despertar e quanto mais cedo melhor.
Responda-o
#4
Parabéns confrade!

Realmente após ler seu relato acredito mais ainda na seguinte frase: a insatisfação é o primeiro passo da mudança.
Responda-o
#5
Relato edificante. Ler isso é uma injeção de ânimo, parabéns pelo sucesso.
Responda-o
#6
Parabéns, confrade!

Sempre inspiradores os relatos de quem vence as dificuldades financeiras/falta de oportunidades e alcança um lugar ao sol.
A realidade nua e crua.
Responda-o
#7
(17-07-2018, 02:49 PM)Navegante Escreveu: Meus pais foram pra lavoura, e eu e meu irmão, também. Até os 13 anos trabalhei na roça, conciliando a escola com a plantação. Isto me ensinou uma humildade importante, que me faz entender o valor do trabalho e do dinheiro, por outro lado a rotina exaustiva deixou claro que  a enxada não era o que eu queria pro futuro; só o estudo poderia me libertar de uma vida submetida àquela jornada.


A adolescência chega e meu pai é aprovado num cargo melhor, o que tornou possível que todos saíssemos da roça e mudássemos pra cidade grande. Com isso pude me dedicar aos estudos, mas ao invés de colocar a cara nos livros, me joguei na matrix dos videogames. Como resultado da minha vagabundagem não fui aprovado na federal de primeira, passei um ano no cursinho e o governo conseguiu "perder" meu caderno de provas, mais uma derrota. Dois anos sem aprovação, comecei a uniesquina mais próxima de casa. Minha mãe me inscreveu no vestibular da federal daquele ano, eu disse pra ela que só faria se ela me colocasse no portão do local de prova, porque já não cria na aprovação. 

 O resultado foram 5 anos de desventuras e tristezas num lugar que só me deprimia. No fundo do poço, a luz da Real começou a brilhar. Assisti uma palestra do mestre William Douglas em que ele nos desafiou a imaginar nossa vida em 10 anos, após a dinâmica pediu que respondêssemos se chegaríamos a essa meta com o nível de esforço que exercíamos na nossa vida naquele momento. [b]Eu percebi que não teria chance alguma de alcançar minhas metas agindo como um beta dependente de jogos eletrônicos e de amor romântico.[/b]

Longe de mim querer reduzir seu relato (muito bom, por sinal), mas esses dois pontos me chamaram a atenção. A vida nos presenteia com lições valiosas que as vezes não nos damos conta ou deixamos passar (como a primeira, que destaquei), e como algumas delas (como a segunda) são necessárias para nos acordar do transe que estamos envoltos.

Não fosse por este exercício de se imaginar no futuro, talvez você jamais se desse conta da necessidade de focar, somos imediatistas, por vezes nossa visão fica limitada ao curto prazo e precisamos de surras de Realidade para lembrar que existe uma necessidade de pensar no longo prazo. Ademais, parabéns e jamais se esqueça destas lições.
Jet Sky < link

Um homem com escolhas é um homem livre.
Responda-o
#8
Parabéns pelo sucesso e por motivar outros. Teu sucesso irradia e ajuda-nos a melhorar. Que Deus me edifique sempre mais, como fez contigo, e que com Ele, possa desenvolver cada vez mais força, sabedoria e coragem (este me inspirei do Libertador). Obrigado pelo relato.
Responda-o
#9
(17-07-2018, 06:47 PM)Motörhead Escreveu: Parabéns. Seu relato é motivador para quem já está nesse caminho da vitória. no meu caso é entristecedor por nao gostar de estudar e nao ter essa força de vontade.

O importante é se apaixonar por aprender, não tanto por estudar. Estudo é um dos caminhos para aprender, quando vc decide chegar no cargo público A, ou alcançar o posto B numa empresa, e faz disso uma meta na vida, não tem livro, exercício, videoaula que te impeça de chegar lá. Eventualmente, estudar vira parte do seu dia-a-dia, você acaba gostando. Eu mesmo não consigo parar mais, ou como diria o próprio William Douglas, "difícil não é gostar de estudar, difícil é tirar o estudante de você depois que se pega o gosto pela coisa".

Quanto à força de vontade, é preciso que você faça um diagnóstico das coisas que podem estar roubando ela de você. Diminuir, ou retirar, atividades que jorram dopamina vão ajudar a manter o foco nas coisas e vai possibilitar que a mente trabalhe melhor em tarefas exaustivas. A lista é longa, cada um tem seus vícios, cortá-los pode ser traumático, mas aos poucos sua mente se ajusta e acha outras coisas para fixar. No mais, disciplina é maior do que motivação, tem dia que vc não acorda a fim de se esforçar e aí que entra o poder do hábito saudável. O negócio é construí-lo aos poucos.

(17-07-2018, 06:47 PM)Motörhead Escreveu: Talvez minha desesperança tenha vindo do ceticismo 


Espiritualidade é uma parte importante da nossa existência se vc ficar se negando mergulhar nesse campo vai continuar lutando com a infelicidade e desesperança. Recomendo ler "Surpreendido pela Alegria", autobiografia do C.S. Lewis, ele tem uma história muito bonita de espiritualidade, com sentimentos parecidos com o que vc descreveu.
Responda-o
#10
(17-07-2018, 11:26 PM)Gorlami Escreveu: A vida nos presenteia com lições valiosas que as vezes não nos damos conta ou deixamos passar (como a primeira, que destaquei), e como algumas delas (como a segunda) são necessárias para nos acordar do transe que estamos envoltos.

Ótima interpretação, confrade, esse é o sentimento que eu tenho em relação àquela palestra, é um daqueles momentos que vc sabe que dividiu a sua vida entre antes e depois. A matrix tem um poder incrível de reduzir pessoas à alienação total, por vezes a gente está no lugar certo, na hora certa para receber um conhecimento que ajuda a mudar de mentalidade. Não dá nem pra descrever a gratidão por aquelas palavras.
Responda-o
#11
Parabéns pela conquista! 

Relatos como esse criam uma cultura no fórum que incentivam outros a estudar, a gente lendo essas coisas percebemos como estamos desperdiçando tempo com coisas fúteis, enquanto poderíamos estar estudando. 

Para alguns de nós estudar é algo muito difícil, pra mim por exemplo, chega a dar depressão só de pensar em estudar, mas tenho que me esforçar. O grande problema de estudar é ficar decorando, leio o começo e quando chego no fim já esqueci tudo, estou tentando criar métodos de simplificar as informações ao máximo para poder entender com mais facilidade. Engraçado que certas coisas decoro naturalmente, nutrição por exemplo, academia, mas português matemática, leis, é complicado entender. Mas sempre que entro no fórum vejo os outros falando que passou em concurso tal, lembro como é importante se dedicar, o fórum acaba se tornando um grande motivador.
Responda-o
#12
(18-07-2018, 09:45 AM)Cavalheiro Negro Escreveu: Parabéns pela conquista! 

Relatos como esse criam uma cultura no fórum que incentivam outros a estudar, a gente lendo essas coisas percebemos como estamos desperdiçando tempo com coisas fúteis, enquanto poderíamos estar estudando. 

Para alguns de nós estudar é algo muito difícil, pra mim por exemplo, chega a dar depressão só de pensar em estudar, mas tenho que me esforçar. O grande problema de estudar é ficar decorando, leio o começo e quando chego no fim já esqueci tudo, estou tentando criar métodos de simplificar as informações ao máximo para poder entender com mais facilidade. Engraçado que certas coisas decoro naturalmente, nutrição por exemplo, academia, mas português matemática, leis, é complicado entender. Mas sempre que entro no fórum vejo os outros falando que passou em concurso tal, lembro como é importante se dedicar, o fórum acaba se tornando um grande motivador.

Isso também acontecia (ou acontece?) comigo, mas depois de uma autocrítica percebi que isso se deve básicamente ao modo como encaramos o estudo. Inconscientemente você automaticamente encara o evento "estudar" como algo chato, tedioso, negativo e até mesmo como "inútil" (mesmo sabendo conscientemente que é importante). Observe que estudar sobre treino é algo que você faz por motivação própria, logo sua mente aceita de maneira menos dolorosa. Reflita sobre isso, talvez ajude.
Jet Sky < link

Um homem com escolhas é um homem livre.
Responda-o
#13
parabéns, também gostaria de voltar a estudar.
Responda-o


Pular fórum:


Usuários visualizando este tópico: 1 Visitante(s)