Avaliação do Tópico:
  • 2 Voto(s) - 5 em Média
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Como aproveitar oportunidades que surgem durante crises
#1
Ocorreu algo interessante nessa semana que me inspirou a escrever esse artigo. O fato interessante foi essa greve dos caminhoneiros. Na verdade ela não foi interessante. Ela é uma consequência de duas coisas ruins do país.


Primeiro, nosso governo ridículo, governado por pessoas que só querem sugar e esquecem que pra manter a “máquina” funcionando, para poderem roubar mais no futuro, precisam deixar que um pouco retorne pra sociedade. Até para roubar socialistas são burros. Segundo que um país continental, que é a 6ª ou 7ª economia do mundo, ter praticamente toda a sua logística industrial e de varejo realizada no meio rodoviário, é uma das coisas mais ridículas e absurdas que se poderia esperar e imaginar de um país. 


Esclarecendo esse segundo ponto, tudo nessa merda de país é transportado em caminhões. É caro, demorado, ineficiente, perigoso para o cidadão nas estradas e polui mais. Mas é claro que nosso governo de esquerda não vai investir bilhões para criar uma malha ferroviária para que o país se desenvolva no segmento da logística. Aliás, é por isso que a indústria pesada no Brasil, em sua maioria se concentra perto da costa, por não haver meios de escoar a produção de maneira eficiente. Mas vamos deixar isso pra lá, isso não é aula de administração.


O fato é que fui prejudicado por essa greve, nem tanto como consumidor mas razoavelmente como empresário. Sem entrar em detalhes pra manter o anonimato da minha pessoa e empresa, digo que eu tenho dois fornecedores na região sul que atrasaram suas encomendas, porque elas chegam a mim em São Paulo através de caminhões. 


“Ok Rover, onde você quer chegar com isso?”


É aqui que começa o artigo realmente. Eu vou usar o que aconteceu comigo essa semana, como um exemplo para ilustrar a ideia principal desse artigo. 


Uma das regras principais em qualquer empreendimento é nunca ter apenas um fornecedor. Tenha no mínimo três, o ideal são cinco deles para cada tipo de produto ou matéria-prima usada no seu negócio. Faça uma prospecção deles, do mesmo modo que um olheiro olha pra um jogador de futebol ou atleta de qualquer outro esporte (eu gosto dos detalhes que os olheiros usam para avaliar jogadores de futebol americano). Sempre compre com aquele que consegue combinar tempo de entrega mais rápido, melhor preço, mais meios de pagamento e pontualidade/honestidade. Os fornecedores que oferecerem todos esses atributos ou maior parte deles, sempre ficam no topo da lista. 


Infelizmente eu tenho prazos a cumprir na minha empresa. E com os caminhões parados com minha mercadoria na estrada, eu teria prejuízos. Liguei para meus dois fornecedores e expliquei a situação dos prazos, que eles já sabem, é claro. Eu sou um comprador que sempre paga em dia, compra bastante, sou honesto e gosto de manter boas relações com as pessoas que eu preciso pra manter meu negócio girando. Ou seja, sou um cliente que alguém gostaria de manter. Então o que eu fiz?


Pedi desconto de 45% em cada uma das duas cargas. Ou eu iria cancelar o pedido e negociar com o próximo fornecedor na minha lista de fornecedores, fornecedor que está no estado de SP. Negociação vai, negociação vem, consegui 40% em uma carga e 30% em outra. Sim, teve o atraso, mas com algumas ligações eu consegui resolver a situação e gastar bem menos com mercadoria.


Percebeu? A greve é uma crise, mas mantendo a cabeça fria e sendo analítico eu consegui economizar bastante nessa situação e ter até algum lucro, mesmo tendo que fazer desconto nas minhas vendas, devido ao atraso. No fim da cagada toda, ainda ganhei um pouco mais de dinheiro do que era pra ganhar originalmente (principalmente devido aos descontos que consegui por causa do atraso do fornecedor). 


Crise e recessão é possivelmente a melhor época pra ganhar dinheiro, abrir ou expandir um negócio. Guerras também contam, mas graças a Deus não estamos no meio de uma (apesar dos 60 mil assassinatos/ano). Também é possível se dar bem em uma carreira, se você estiver jogando com as cartas certas. Esse é nosso cenário atual. O Brasil está uma grande merda. Uma enxurrada de corrupção e escândalos por todos os lados, violência, crimes, etc. E apesar de que a intuição nos diz que não é possível ganhar dinheiro agora, a realidade mostra diferente. 


Afaste-se um pouco da TV e das notícias na Internet


É isso mesmo. Primeiro passo. Esqueça um pouco a merda em que estamos. Você NÃO TEM PODER PRA MUDAR ISSO. Se algum idiota disse que você tem o poder do voto, vire de costas e saia andando. Ou você acha mesmo que essas urnas eletrônicas são confiáveis? O dinheiro dos seus impostos está sendo roubado na Petrobras e sendo dado para os miseráveis vagabundos do Bolsa Família? E DAÍ? Repito, você não tem o poder de mudar isso. Se você está insatisfeito, faça como eu, comece a planejar sua mudança para um país decente. Aliás, quanto de imposto você deixa pro governo por ano pra reclamar e se descabelar tanto? Uns R$ 50 milhões de reais? Não né, nem eu. Então relaxa e goza. O problema do Brasil não tem solução. Então você se conforma ou cai fora (como eu farei).


Evite ficar vendo ou lendo notícias de corrupção e de crimes. Não seja mais um no meio da boiada. Não seja mais um dos zumbis no meio dessa histeria em massa. Tá uma merda? Tá! Então não fique perdendo seu precioso tempo mostrando pra si mesmo algo que já sabe.


Durante tempos difíceis, e estamos em tempos difíceis, vence aquele que pensa racionalmente e se livra dos pensamentos estúpidos que ocupam tempo precioso. Fazendo isso, no meio dessa sujeira toda, você começa a enxergar oportunidades. Nessas situações de crise algumas pessoas ficam assustadas e começam a cortar gastos, param de comprar coisas supérfluas e se adaptam. Mas... essa não é a realidade da maioria dos brasileiros. Não. O brasileiro continua gastando, mesmo com seu poder de compra diminuindo. Todo dia você vê na timeline do seu Facebook coisas como essa abaixo?


[Image: tabela_comidas.jpg]


Esqueça 1994, esqueça quando o Kinder Ovo era apenas R$ 1 real. Pare de viver 20 anos atrás. Estamos em 2015 2017. Pois ficar se lamentando também não vai mudar nada. Não seja mais um membro da boiada.


Fato é, que o poder de compra das pessoas diminuiu e com isso a inadimplência (o popular calote) cresce. A maioria das pessoas no Brasil estão presas no fluxo de renda onde não sobra pra investir em nada (Classe E) e para classe média (Classe C e D) que praticamente não sobra nada e quando sobra é desperdiçado em supérfluos.


Com todos esses calotes os bancos no Brasil estão enriquecendo, o brasileiro está tremendamente endividado. Bens mais caros, como carros e imóveis, estão indo a leilão. Empresas que um dia foram lucrativas, não estão lucrando tanto hoje em dia e tem empresários desesperados pra passá-las pra frente por menos da metade do preço que realmente valem.


Existem muitas oportunidades por ai. Muita gente desesperada e despreparada, sem o mínimo conhecimento financeiro, querendo vender algo que tem por preço de banana, pra resolver uma solução a curto prazo (ex: pagar dívidas). No Brasil, se você é esperto, tem algum dinheiro guardado e está disposto a assumir certo risco, você pode se dar muito bem.


Quem pode se beneficiar da ignorância e dos problemas dos outros? VOCÊ.



Maneiras burras de ganhar dinheiro (ou tentar)


Eu já vi muita gente, inclusive amigos, se ferrando lindamente por decisões burras na tentativa de ganhar dinheiro fácil, rápido e em quantidade. A pior delas é tentar ganhar dinheiro com esses planos mirabolantes de Marketing multinível, ou seja, as famosas pirâmides. E tem também os esquemas de aprender a ganhar fortunas na Internet, como aqueles de vender produtos da China, por exemplo.



Tive um amigo, isso mesmo, tive, porque ele ficou tão bitolado que a maioria das pessoas do nosso círculo se afastaram dele. O cidadão há alguns anos tropeçou na famosa Herbalife (ou Merdalife), e não falava de outra coisa. Queria arrastar tudo e todos para serem seus representantes, queria nos vender shakes e outras porcarias como comprimidos de cálcio. Só falava nessa porra de Herbalife, pior que aqueles crentes deslumbrados que só falam de igreja. O cara mostrava fotos dele com diretores e carrões esportivos que acho que nem deixavam ele sentar dentro. Se deu mal, está na merda hoje, trabalhando de funcionário numa empresa merda e ganhando um salário merda. Tem também o exemplo de um parente da minha namorada que perdeu em torno de R$ 10 mil com a famigerada TelexFree.







Aqui vai um conselho pra você: não existe maneira de ganhar dinheiro fácil e rápido honestamente. Não há. Simples assim. Aliás, até tem, mas você precisaria de uma fortuna pra começar. Sim, me refiro a dividendos vindos de investimentos como ações, por exemplo. Se você tiver uns R$ 10 milhões em ações de empresas seguras que pagam dividendos, será muito fácil ganhar uma fortuna todos os meses. Ou que tal R$ 10 milhões investidos em vários imóveis, que vão te render muito de aluguel? Mas se você tivesse tudo isso nem estaria lendo um artigo como esse, certo? Certo. O que quero dizer é que para nós, que não somos extremamente ricos, não há caminho fácil. A não ser que você abra um puteiro ou vire traficante. Mas não queremos isso não é? Nem gaste seu tempo procurando por soluções milagrosas, elas não existem. Não existe almoço grátis. 


E quanto a empreender, outro erro que muitos cometem, é enxergar um negócio apenas pelo que ele pode render por mês. O dinheiro é importante? É claro, é o principal, o motivo de ter um negócio é ganhar dinheiro. O problema é que para fazer com que dê dinheiro, ele precisa ser sustentável. É necessário criar valor. Qualquer negócio pode dar dinheiro já no começo se for bem planejado, mas qualquer produto ou serviço que seja necessita de valor. O cliente tem que sentir, pensar ou saber, que o dinheiro que ele está gastando ali está valendo a pena para ele. Assim que negócios se tornam sustentáveis no longo prazo ao invés de quebrar quando deixam de ser uma novidade ou modinha.


Maneiras inteligentes de ganhar dinheiro


Ganha dinheiro aquele que é útil para as pessoas, que cria ou troca algo que elas querem e/ou precisam. Sempre vejo as pessoas reclamando sobre porque o Neymar ganha uma fortuna “só pra jogar bola”. Eu sinceramente também acho isso uma merda. O Neymar é uma caricatura de homem, não passa de um moleque ridículo.


MAS... o Neymar tem um grande talento. Ele tem um enorme talento em um negócio que dá dinheiro: o esporte profissional. O Neymar ganha R$ 5 milhões por mês (sei lá se é realmente isso)? Bom pra ele. Ele só ganha isso porque ele rende R$ 50 milhões por mês para os empregadores dele. As pessoas consomem o Neymar. Consomem as camisas do clube com o nome dele, consomem o ingresso para vê-lo no estádio. Consomem os produtos que ele promove em propagandas. E aqueles caras nas praias do nordeste que desenham dentro de taças com areia colorida? Aquilo é um talento também, eu não conseguiria fazer algo igual. Mas a demanda não é grande, então eles continuam pobres e nunca vão ver nada perto da grana do Neymar. Lembra do meu artigo Botar a mão na massa nunca valeu tanto a pena (este artigo está/estará aqui no forum também) onde eu mostro o caso de peões que ganham mais do que engravatados de escritório? Qualquer profissão que traga valor ao empregador ou ao cliente, será bem remunerada. É por isso que um pedreiro talentoso ganha muito mais que um bancariosinho que usa terno, desesperado pra atingir as metas do mês.



O caso é que vai ganhar dinheiro aquele que tem algo que as pessoas querem e/ou precisam. Por mais ridículo que essa “coisa” seja. Veja por exemplo a cultura de ostentação que tomou conta do Brasil. Já ouviu falar da história do cara que aluga iPhones para trouxas ostentar na balada? Não? Divirta-se com essa matéria do G1.

'Ganho R$ 2 mil por mês', diz editor que aluga iPhones para 'ostentação'

Marco Aurélio Costa aluga celulares por até R$ 170 dependendo do modelo. Editor de imagens já possui 5 smartphones da Apple para alugar em Natal.


[Image: iphone.jpg]


O iPhone 5 pode ser alugado por R$ 120. A versão 5S sai por R$ 170. É o preço para ter o smartphone da Apple por 24 horas. Com a proposta de alugar um dos celulares mais desejados do mercado, o mineiro Marco Aurélio Costa, 28 anos, tem ganho uma média de R$ 2 mil por mês em Natal. O editor de imagens credita o sucesso do negócio ao desejo das pessoas de 'ostentar' o produto. "Como não podem comprar um iPhone, as pessoas alugam. E com as redes sociais, muita gente quer mostrar que está na vida boa. É a coisa da ostentação", diz.


O negócio começou quando Marco Aurélio comprou um smartphone novo e ficou com dois iPhones em casa. "Preferi locar do que vender. Minha primeira cliente foi uma jovem de 19 anos que queria um telefone porque o namorado não tinha condição de comprar. Tirou várias fotos, gostou e espalhou para amigos", explica. Do boca a boca a frequência a locação de celulares aumentou, assim como o preço do aluguel. "Comecei cobrando R$ 80 e aumentei depois da repercussão", afirma.


Atualmente o editor de imagens possui cinco iPhones, quatro do modelo 5 e outro 5S. "O 5S é o que faço uso pessoal, mas também alugo. Neste fim de semana, por exemplo, estou usando um celular mais antigo que nem foto tira", revela Marco Aurélio, que chegou a Natal em fevereiro e está no negócio de aluguel de celulares desde maio. A renda extra Marco Aurélio usa para lazer. "Dá para garantir os fins de semana na praia", brinca.


Quando anunciou o aluguel de iPhones em um grupo da Apple nas redes sociais, as pessoas acharam que Marco Aurélio estava fazendo piada. "Alugo iPhone 5S para vc curtir nas baladas. 150 reais a diária, a primeira impressão sempre será a primeira que ficará (sic)", dizia o anúncio, que foi apagado pela administração do grupo. "Mesmo assim teve gente que me ligou perguntando se era sério e consegui alugar", afirma.


Mesmo com o crescimento da clientela, o editor de imagens afirma que não aluga o smartphone para qualquer um. "Não é fila de sopa. E a maioria que aluga não gosta de ser identificado. Até porque se for identificado derruba a fantasia toda", reforça. Até hoje ninguém deu calote ou roubou os smartphones. "Uma metade é paga antes da locação e a outra na devolução. Só pego o CPF. Se perder eu rastreio o celular", acrescenta. O acerto, segundo Marco Aurélio, é sempre na palavra, no entanto o mineiro já estuda fazer contratos com os clientes.


Sem revelar o nome dos clientes, Marco Aurélio conta histórias de pessoas que alugam seus Iphones. "Teve um cara que alugou para sair com uma menina. Acho que ajudou porque os dois estão juntos até hoje. Outra garota locou e na hora de baixar um aplicativo precisou usar meu nome. As pessoas pensaram que o celular era roubado", brinca. A maioria da clientela é formada por homens jovens. "Para cada mulher tem três homens alugando. Querem impressionar a mulherada", diz.


O negócio tem dado tão certo que o editor de imagens até brinca sobre ampliar a variedade de produtos. "Se eu tivesse uma Lamborghini alugaria. Penso até em comprar umas cuecas da Calvin Klein para o pessoal usar e deixar mostrando", conta. O editor de imagens já recebeu proposta de um amigo para se associar ao negócio. Enquanto a parceria não é fechada, a nova meta é comprar a versão 6 do smartphone, que o mineiro pretende alugar por R$ 220.


"Estou só esperando o preço baixar para comprar. Tem que aproveitar antes de aparecer concorrência alugando mais barato. Falando nisso, você tem iPhone? Se não tiver estamos aí", diz Marco Aurélio, antes de encerrar a conversa com a reportagem do G1.


Temos que tirar o chapéu pra esse rapaz chamado Marco Aurélio. Ele foi criativo e está se aproveitando da ignorância e vontade de aparecer dos brasileiros. Por mais ridículo que possa parecer esse negócio, (e ele até tira sarro ao citar alugar cuecas de marca) ele está oferecendo algo que as pessoas querem.


O segredo é CRIAR e OFERECER. Criar, não significa que você precise inventar algo extraordinário. Você tem que ter algo a oferecer, algo bom, que seja útil, que as pessoas queiram e precisem. E não estou falando só em vender produtos. Estou falando de você mesmo também. Você pode, por exemplo, se especializar em algo muito específico ou se tornar muito bom em alguma atividade, que vai te tornar necessário para algum empregador ou para que você preste serviço sendo seu próprio patrão. Isso é criar.


Oferecer é saber vender seu “peixe”. Faça as pessoas acreditarem ou perceberem que você está vendendo algo que elas precisam e/ou querem, seja isso um produto ou seus talentos, conhecimentos, habilidades. 


Se você conseguir equilibrar o criar e oferecer, você vai se dar muito bem. Se você for muito bom em um deles e ruim no outro, vai fracassar. Veja por exemplo o caso de pessoas muito inteligentes, espertas, talentosas e que estão patinando sem sair do lugar. Elas criam, mas não oferecem. O oposto acontece também. A pessoa é muito boa em vender e se vender, mas na hora de entregar o produto ou serviço, falha miseravelmente, e nunca mais vai ser procurada por aquele cliente/empregador. 


O melhor investimento pra começar


Em momentos de crise (e momentos de calmaria também) o primeiro melhor investimento que você pode fazer é economizar. Não adianta você querer fazer e acontecer se estiver endividado e/ou gastando igual ou mais do que ganha. Antes de querer investir na bolsa, fundos imobiliários, renda fixa como LCI e LCA, imóveis, querer começar um empreendimento, etc, você precisa antes TER o dinheiro, ele tem que sair de algum lugar. E você só vai conseguir isso economizando diretamente a partir da sua renda principal, que no caso é seu salário. Não tem jeito. Para chegar na tão sonhada IF, mesmo que você tenha várias fontes de renda, é necessário economizar para depois começar a pensar a investir e fazer o “bolo” crescer.


Quais as oportunidades que ando vendo por ai


Para quem não tem nenhum dinheiro fica difícil. Mas se você tem algum ou tem algo razoável guardado, sempre surgem possibilidades. Vou dar alguns exemplos abaixo.


Microempresas que estão para quebrar: Aqui existem oportunidades de ouro pra quem não tem muito dinheiro. Digamos que você quer vender cachorro quente, churrasquinho, churros, caldo de cana, pastel ou pipoca em algum local público, como praça, feira, shopping, frente de balada, faculdade, velório, etc. Só que você não tem dinheiro pra comprar o equipamento novo pra começar a realizar tal atividade. Você pode achar uma barganha de alguém que quer se desfazer do negócio, está com dívidas, vai se mudar pra outra cidade/estado, etc. Eu vejo muito por ai, pessoas vendendo equipamentos de lojas de todo tipo. Equipamentos que custam uma fortuna por preço de banana. Desde carros até equipamentos industriais. É só saber procurar especificamente o que você quer na internet, jornais ou periódicos do assunto. E usar o famoso boca a boca também. Ter contatos não vai te atrapalhar.


Imóveis: Eu não paro de namorar a possibilidade de comprar algum imóvel como investimento, oportunidades não faltam. Eu confesso que adoro imóveis e tenho muita vontade de investir neles, seja aqui ou lá fora. Sempre estou fuçando em anúncios de imobiliárias. É verdade que ainda não puxei o gatilho em nenhuma oportunidade, mas isso se deve ao fato de eu ser um investidor ultra conservador, estar planejando cair fora desse país o mais rápido possível e para tal investimento eu teria que mexer nos meus investimentos já consolidados. Ou seja, não é minha prioridade no momento, no meu caso, cada vez menos coisas me amarrando aqui no Brasil, melhor. Entretanto, para quem deseja ficar e tem certo dinheiro na mão, imóveis podem ser uma bela opção. Tem muita gente desesperada por ai querendo se desfazer de um terreno, uma casa, um apartamento ou até mesmo um imóvel comercial por um valor mais baixo do que realmente vale. Um dos meus irmãos é um ótimo exemplo. Ele comprou, em 2013 ainda, um terreno em um condomínio fechado aqui em São Paulo. Os terrenos na época estavam saindo na base de R$ 80 mil, o condomínio estava começando. Mas como ele tinha parte do dinheiro na mão e o vendedor estava com a corda no pescoço, conseguiu o terreno por R$ 55 mil. Pra isso ele teve que vender o carro dele, um Renault Sandero, para poder inteirar a grana. Teve 30% de desconto no preço do terreno por pagar a vista. Hoje ele ainda possui o terreno e está decidindo se vai construir lá ou vai vender. Se quiser, vende hoje o terreno por R$ 110 mil. Veja só, pouco menos de dois anos e meio e ele poderá lucrar mais de 100% nesse investimento. Que tipo de ação da bolsa ou renda fixa retorna isso em tão pouco tempo?


Sem contar os leilões. Mas leilões são um assunto para pessoas que dominam esse mundo e tipo de investimento, além de ter “bala na agulha”. O esquema é descobrir pessoas com problemas financeiros querendo vender. O melhor é a compra à vista ou no máximo 5 prestações, seguida da venda depois de alguns meses de valorização. E caso haja a intenção de alugar, sempre prefira imóveis comerciais, o retorno é sempre maior do que no âmbito residencial. 


Aliás, outra ideia que vou dar de graça para alguém aí que tenha o dinheiro e os meios. Residências estudantis perto de faculdades. Especialmente em cidades do interior (e por que não na capital também) são uma bela maneira de ganhar dinheiro. Pois há muitos estudantes que as vezes deixam de ir cursar a universidade porque alugar uma casa ou apartamento fica muito caro.


A minha ideia em relação a um imóvel lucrativo seria: Comprar um terreno razoavelmente grande (uns 1 mil m2) constrói-se um prédio pequeno (no máximo 3 andares) com várias unidades que nada mais são que quartos com banheiro (15 a 20 unidades), uma cozinha e lavanderia comunitária, e estacionamento para 10 ou 15 carros. Na cozinha, pode-se oferecer refeições feitas por uma cozinheira contratada e cobrar por isso também, mas nada gourmet, estilo bandejão/marmita mesmo. Estive pensando sobre isso no passado. Não realizei, mas ter brincado com os números e com as contas, mostrou que poderia ser muito lucrativo, apesar do grande investimento necessário. Em um espaço não tão grande, seria possível ter vários aluguéis ao invés de apenas um, como uma casa em um terreno grande.


Atualização: Meu irmão ainda possui o terreno e hoje (2017) está avaliado em R$ 150 mil. Sugiro aos confrades que se interessam por imóveis a adquirir o livro "Investir em Imóveis - Entenda os segredos práticos deste mercado" do autor Gilberto Benevides. Eu possuo esse livro e recomendei o mesmo num artigo da série de livros que eu indicava.


No caso, são pequenos exemplos que me vieram à cabeça enquanto escrevo esse artigo inspirado pelos descontos que obtive devido à greve dos caminhoneiros. Mas existem milhares de outras oportunidades. Oportunidades que podem estar na sua cara agora mesmo. Como disse o meu colega blogueiro Corey, no artigo dele chamado Tolerando o Brasil e planos para 2015, apesar do país estar mergulhado na lama, temos sim possibilidade de nos dar bem. Leve em consideração o conselho lá de cima, que eu já tinha dado em outro artigo e o próprio Corey dá no blog dele: esqueça as desgraças externas, foque na sua realidade. Não desmorone junto com o país, aproveite as oportunidades.


Lembre-se, coisas ou serviços que as pessoas precisam e querem. Não precisa complicar, não é necessário inventar novamente a lâmpada ou um papel higiênico que interage com seu smartphone quando você bate aquele barro. No momento de crise sempre concentre-se em coisas simples, no que as pessoas precisam, mas não se esqueça que o brasileiro é burro e descontrolado com suas finanças, ele também vai gastar no que quer, além do que precisa, vai “por no cartão” como muitos fazem. Esteja lá para fornecer o que ele quer e precisa. Esteja lá para tirar o dinheiro dele. Ele que se entenda com o banco depois.



Este artigo foi publicado no Projeto Free Lifestyle em 11/03/2015.
Responda-o
#2
(29-03-2017, 11:13 PM)Mr. Rover Escreveu:
Aliás, outra ideia que vou dar de graça para alguém aí que tenha o dinheiro e os meios. Residências estudantis perto de faculdades. Especialmente em cidades do interior (e por que não na capital também) são uma bela maneira de ganhar dinheiro. Pois há muitos estudantes que as vezes deixam de ir cursar a universidade porque alugar uma casa ou apartamento fica muito caro.


A minha ideia em relação a um imóvel lucrativo seria: Comprar um terreno razoavelmente grande (uns 1 mil m2) constrói-se um prédio pequeno (no máximo 3 andares) com várias unidades que nada mais são que quartos com banheiro (15 a 20 unidades), uma cozinha e lavanderia comunitária, e estacionamento para 10 ou 15 carros. Na cozinha, pode-se oferecer refeições feitas por uma cozinheira contratada e cobrar por isso também, mas nada gourmet, estilo bandejão/marmita mesmo. Estive pensando sobre isso no passado. Não realizei, mas ter brincado com os números e com as contas, mostrou que poderia ser muito lucrativo, apesar do grande investimento necessário. Em um espaço não tão grande, seria possível ter vários aluguéis ao invés de apenas um, como uma casa em um terreno grande.


Exemplo prático disso:

Os pais de um amigo moram em um sobrado realmente grande, com uma edícula também grande no fundo e mais espaço ainda no terreno. Bem localizado, bairro bom e próximo ao centro. Cidade interiorana 200K habitantes.

Eles abriram mão do conforto e se mudaram para a edícula atrás, e começaram a alugar os quartos da casa para pessoas interessadas em ficar poucos dias. Geralmente são profissionais, pois há várias empresas nessa cidade e vem muita gente de fora passar poucos, ou mesmo um só, dias aqui.

Isso deu realmente certo e eles legalizaram tudo como uma pousada.
Já investiram em reformas na casa para poder acomodar mais pessoas. Estão prontos agora para investir um dinheiro alto e construir mais quartos na área vazia do terreno.

Nunca falta hóspedes, aliás falta vagas. Elem melhoraram a estrutura, oferecem alimentação e etc.
Mesmo não tendo faculdades próximas ou coisas mais óbvias pra aparecer gente, não falta hóspede.

Abriram mão do conforto de um grande sobrado e moram na edícula, porém a principal renda da família agora vem dessa ideia. É um dinheiro que vem "de graça".
Responda-o
#3
Em momentos de crise (e momentos de calmaria também) o primeiro melhor investimento que você pode fazer é economizar. Não adianta você querer fazer e acontecer se estiver endividado e/ou gastando igual ou mais do que ganha. Antes de querer investir na bolsa, fundos imobiliários, renda fixa como LCI e LCA, imóveis, querer começar um empreendimento, etc, você precisa antes TER o dinheiro, ele tem que sair de algum lugar. E você só vai conseguir isso economizando diretamente a partir da sua renda principal, que no caso é seu salário. Não tem jeito. Para chegar na tão sonhada IF, mesmo que você tenha várias fontes de renda, é necessário economizar para depois começar a pensar a investir e fazer o “bolo” crescer.

Empreender no BR, este país de merda cheio de corruptos  é 90% de chance de furada. A melhor dica passada foi essa aí de cima

Responda-o
#4
O que percebi nessa crise são as pessoas buscando baixos preços. Se existir algo vendido a baixo preço, vai ter um grande avanço em suas vendas.

Outra coisa é o consumismo desenfreado do brasileiro e a necessidade de ostentar. Essa do iPhone5 foi uma excelente ideia, pois é vasto o número de pessoas que gastam bastante mesmo na crise econômica.

Penso que aqueles att-whore do consumismo e do exibicionismo que alugaram o iPhone precisava desse item para alguns de seus fins, como impressionar e botar foto no Face, mas foi mais barato, fácil e acessível alugar. É assim que funciona a lógica dos aluguéis. Compre um terreno grande, e faça muitas casas e coloque um aluguel bem barato. Coloque uma oferta promocional de $250 mensais por 8 meses. Muitos vão tentar mudar para o seu imóvel, sair do aluguel de $600 de outro para o de $250, e assim vai.
Responda-o
#5
(30-03-2017, 12:58 AM)TheOak Escreveu:
(29-03-2017, 11:13 PM)Mr. Rover Escreveu:
Aliás, outra ideia que vou dar de graça para alguém aí que tenha o dinheiro e os meios. Residências estudantis perto de faculdades. Especialmente em cidades do interior (e por que não na capital também) são uma bela maneira de ganhar dinheiro. Pois há muitos estudantes que as vezes deixam de ir cursar a universidade porque alugar uma casa ou apartamento fica muito caro.


A minha ideia em relação a um imóvel lucrativo seria: Comprar um terreno razoavelmente grande (uns 1 mil m2) constrói-se um prédio pequeno (no máximo 3 andares) com várias unidades que nada mais são que quartos com banheiro (15 a 20 unidades), uma cozinha e lavanderia comunitária, e estacionamento para 10 ou 15 carros. Na cozinha, pode-se oferecer refeições feitas por uma cozinheira contratada e cobrar por isso também, mas nada gourmet, estilo bandejão/marmita mesmo. Estive pensando sobre isso no passado. Não realizei, mas ter brincado com os números e com as contas, mostrou que poderia ser muito lucrativo, apesar do grande investimento necessário. Em um espaço não tão grande, seria possível ter vários aluguéis ao invés de apenas um, como uma casa em um terreno grande.


Exemplo prático disso:

Os pais de um amigo moram em um sobrado realmente grande, com uma edícula também grande no fundo e mais espaço ainda no terreno. Bem localizado, bairro bom e próximo ao centro. Cidade interiorana 200K habitantes.

Eles abriram mão do conforto e se mudaram para a edícula atrás, e começaram a alugar os quartos da casa para pessoas interessadas em ficar poucos dias. Geralmente são profissionais, pois há várias empresas nessa cidade e vem muita gente de fora passar poucos, ou mesmo um só, dias aqui.

Isso deu realmente certo e eles legalizaram tudo como uma pousada.
Já investiram em reformas na casa para poder acomodar mais pessoas. Estão prontos agora para investir um dinheiro alto e construir mais quartos na área vazia do terreno.

Nunca falta hóspedes, aliás falta vagas. Elem melhoraram a estrutura, oferecem alimentação e etc.
Mesmo não tendo faculdades próximas ou coisas mais óbvias pra aparecer gente, não falta hóspede.

Abriram mão do conforto de um grande sobrado e moram na edícula, porém a principal renda da família agora vem dessa ideia. É um dinheiro que vem "de graça".

Isso é uma coisa que as pessoas não fazem muito aqui no Brasil porque tem medo da violência e da inadimplência, já no exterior (América do Norte/Europa) é algo mais normal alugar um quarto um andar da casa, etc. Nesse caso ai, foi uma bela ideia. Em cidade grande, com bastante fluxo de turistas, dá pra fazer isso com intercambistas também que vem pra aprender português.
Responda-o
#6
(30-03-2017, 06:35 PM)Ph da Real Escreveu: O que percebi nessa crise são as pessoas buscando baixos preços. Se existir algo vendido a baixo preço, vai ter um grande avanço em suas vendas.

Outra coisa é o consumismo desenfreado do brasileiro e a necessidade de ostentar. Essa do iPhone5 foi uma excelente ideia, pois é vasto o número de pessoas que gastam bastante mesmo na crise econômica.

Penso que aqueles att-whore do consumismo e do exibicionismo que alugaram o iPhone precisava desse item para alguns de seus fins, como impressionar e botar foto no Face, mas foi mais barato, fácil e acessível alugar. É assim que funciona a lógica dos aluguéis. Compre um terreno grande, e faça muitas casas e coloque um aluguel bem barato. Coloque uma oferta promocional de $250 mensais por 8 meses. Muitos vão tentar mudar para o seu imóvel, sair do aluguel de $600 de outro para o de $250, e assim vai.

Em todo lugar do mundo o consumidor tem um tipo de perfil.

Nos EUA/Canadá, por exemplo, tem aquela coisa do "You get what you pay for" (você recebe aquilo que paga). Ou seja, você tem um produto bom pra vender mas que não é maravilhoso, mas de acordo com o perfil do americano/canadense, é mais fácil você vender mais se o preço for um pouco acima do praticado pelos concorrentes, do que se cobrar menos. Porque custando mais caro, dá a impressão ao consumidor de que a qualidade é maior.


Já no Brasil, que é país de terceiro mundo, as pessoas vão sempre no preço e não se atentam em qualidade. Com exceção de alguns produtos e serviços, é claro. Automóveis é uma das exceções, são caros e são uma merda.
Responda-o
#7
- Excelente tópico. Tópicos assim, fazem uma grande diferença.
Responda-o
#8
Muito bom o tópico.

Eu ainda estou na fase de economizar. Já reduzi meus gastos, e vou fazer a minha reserva de emergência de 6 meses do que gasto mensalmente. Depois vou juntar dinheiro para começar a investir. Estou avaliando diversas opções que começam com valores baixos mas que tenham potencial de crescerem bastante.

A crise é o período em que surgem diversas oportunidades únicas. A questão é saber aproveitar. Vou procurar esse livro "Investir em Imóveis - Entenda os segredos práticos deste mercado" para ler.
A maior necessidade do mundo é a de homens - homens que se não comprem nem se vendam; homens que no íntimo da alma sejam verdadeiros e honestos; homens que não temam chamar o pecado pelo seu nome exato; homens, cuja consciência seja tão fiel ao dever como a bússola o é ao pólo; homens que permaneçam firmes pelo que é reto, ainda que caiam os céus.
Responda-o
#9
imóvel é roubada em 99% dos casos, renda fixa rende mais.

coisa de brasileiro: investir em imóvel e comprar carro 0
Responda-o
#10
(01-04-2017, 11:11 PM)Sr. Ancap Escreveu: imóvel é roubada em 99% dos casos, renda fixa rende mais.

coisa de brasileiro: investir em imóvel e comprar carro 0

Por que imóvel é roubada em praticamente todos os casos?
Pode dar uns exemplos?

Eu tenho uma visão bem diferente relacionada a imóveis. Estou curioso com as suas informações.
Responda-o
#11
(01-04-2017, 11:36 PM)TheOak Escreveu:
(01-04-2017, 11:11 PM)Sr. Ancap Escreveu: imóvel é roubada em 99% dos casos, renda fixa rende mais.

coisa de brasileiro: investir em imóvel e comprar carro 0

Por que imóvel é roubada em praticamente todos os casos?
Pode dar uns exemplos?

Eu tenho uma visão bem diferente relacionada a imóveis. Estou curioso com as suas informações.

Uma crítica que eu já ouvi sobre imóveis é que eles rendem pouco porque perdem para a inflação.
No caso da renda fixa, os juros são muito maiores do que a inflação.

Por exemplo, o Tesouro Prefixado 2023 (LTN) rende 10% ao ano. 
A inflação é de 4.76

Só ver essa tabela: http://www.tesouro.fazenda.gov.br/tesour...os-titulos
Inflação: http://pt.tradingeconomics.com/brazil/inflation-cpi
Responda-o
#12
Imóvel pode ser bom investimento se render no mesmo período mais do que renda fixa(TD e LCA/LCI), rendimento real sem inflação e impostos. Isso tanto pra vender ou alugar, sendo que alugar é pior ainda pois vc corre muito mais riscos com inquilino. Renda fixa vc faz o investimento e esquece até resgatar e os únicos riscos são o Brasil quebrar(TD) e uma quebradeira geral de banco pra vc nao receber o FGC(LCA/LCI).

Comprar imóvel na planta pra revender em alguns meses foi possivel e um bom investimento antes da crise, agora nunca mais visto que o pais nunca vai se recuperar enquanto não adotar um modelo mais capitalista.

Além do mais vivemos em um país socialista então um maluco no poder pode passar a mão no seu imóvel num futuro próximo
Responda-o
#13
(02-04-2017, 12:10 AM)Sr. Ancap Escreveu: Imóvel pode ser bom investimento se render no mesmo período mais do que renda fixa(TD e LCA/LCI), rendimento real sem inflação e impostos. Isso tanto pra vender ou alugar, sendo que alugar é pior ainda pois vc corre muito mais riscos com inquilino. Renda fixa vc faz o investimento e esquece até resgatar e os únicos riscos são o Brasil quebrar(TD) e uma quebradeira geral de banco pra vc nao receber o FGC(LCA/LCI).

Comprar imóvel na planta pra revender em alguns meses foi possivel e um bom investimento antes da crise, agora nunca mais visto que o pais nunca vai se recuperar enquanto não adotar um modelo mais capitalista.

Além do mais vivemos em um país socialista então um maluco no poder pode passar a mão no seu imóvel num futuro próximo

Também acho. Imagine comprar um imóvel de 200k para alugar e não achar algum inquilino que aceite um aluguel de no mínimo 1000 reais. Pensando o quanto que ganharia na poupança com essa grana parada, teria mais ou menos 1050 reais e olha que ela perde para a inflação.

E imóvel de 200k é fichinha se pensarmos nas altas dos preços dos imóveis ultimamente e considerarmos o cenário de crise.

Por isso, investir em imóveis deve ser feito com cautela e uma análise de caso. Se comprar na periferia, quatro imóveis de 50k ( alguns tem até 3 cômodos) e alugar para desesperados, por $600 reais mensais, já ganha uns $2400 reais.
Responda-o
#14
E o grande pulo de investir em imóveis sempre foi ou comprar terreno barato e depois revender anos depois ou comprar salas comerciais para alugar, só com que a crise essas duas opções foram pro ralo.
Responda-o
#15
Uma Biblia sobre investimentos .
Responda-o
#16
Esse tipo de tópico não se  acha em outro lugar na Internet. É empolgante poder ler idéias e conhecimentos de pessoas que viveram isso de verdade, e não gastar minutos de leitura sobre apenas teorias. Esse tópico deveria virar utilidade pública!
O homem que tenta ser bom o tempo todo está fadado à ruína entre os inúmeros outros que não são bons.
Responda-o
#17
Interessante o confronto de ideias sobre investimentos em imóveis, tinha também um conceito bem fechado que o melhor é sempre ter a propriedade de um bem assim [seja terreno ou casa/apto.].

Mas depois desse tombo que o Brasil levou, uma perspectiva liberal [não necessariamente anarco-cap] te faz voltar a analisar bem as legislações do país, e se dar conta que renda e propriedade privadas estão sempre na mira dos governos.

Um exemplo disso está na própria CF: "Art 186 da CF/88 – A função social é cumprida quando a propriedade rural atende, simultaneamente, segundo critérios e graus de exigência estabelecidos em lei."

Muito tenso, isso é a constituição vigente no país; onde a mídia chama invasões de imóveis públicos e privados de "ocupações", então o jeito é abrir as ideias a outros modos de investimentos interessantes a serem estudados, como Ouro, Metais, LTN, CDB, e até os bitcoin, também.
Responda-o
#18
Spoiler Revelar

(03-11-2017, 10:24 AM)Baralho Escreveu: Interessante o confronto de ideias sobre investimentos em imóveis, tinha também um conceito bem fechado que o melhor é sempre ter a propriedade de um bem assim [seja terreno ou casa/apto.].

Mas depois desse tombo que o Brasil levou, uma perspectiva liberal [não necessariamente anarco-cap] te faz voltar a analisar bem as legislações do país, e se dar conta que renda e propriedade privadas estão sempre na mira dos governos.

Um exemplo disso está na própria CF: "Art 186 da CF/88 – A função social é cumprida quando a propriedade rural atende, simultaneamente, segundo critérios e graus de exigência estabelecidos em lei."

Muito tenso, isso é a constituição vigente no país; onde a mídia chama invasões de imóveis públicos e privados de "ocupações", então o jeito é abrir as ideias a outros modos de investimentos interessantes a serem estudados, como Ouro, Metais, LTN, CDB, e até os bitcoin, também.



Hoje dependendo da situação, vale mais a pena ter o montante investido, realizar a retirada dos dividendos e adequar à um orçamento pessoal anual, do que ser dono do imóvel/propriedade. Acho que até citei isso em algum tópico recente da semana passada.


Citação:então o jeito é abrir as ideias a outros modos de investimentos interessantes a serem estudados, como Ouro, Metais, LTN, CDB, e até os bitcoin, também.

E LCI/LCA. Aproveitem que esse investimento ainda não cai na peneira do IR.
Responda-o
#19
Minha intenção é diversificação de investimentos até a tão sonhada IF.<br>
<br>
Hoje a maior parte esta numa agiotagem nuito boa e rentável que me garante um salario mensal muito bom, reinvestido obviamente. Outra parte esta em CDB (reserva emergência), tenho algo em TD, tenho varios tokens, cryptos e estou formando uma reserva em BTC também com compra via p2p (sem rastreio por CPF). Investimentos Out of the grid que me atraem mais, por que será? Yaoming
<br>
<br>
Ja outra coisa que muito me atrai é imóvel:<br>
<br>
Primeiro que eles sempre valorizam.<br>
Segundo pela segurança de investimento. <br>
Terceiro que o rendimento pode ser muito bom.<br>
<br>
Ai vocês imaginam o cabra comprando ap ou casa supervalorizada de 160k pra alugar por 900 ou 1k/mês. É obvio que não vale a pena.<br>
O esquema que busco são terrenos em bairros bons e bem localizados, que tenha no minimo 2 casas simples,&nbsp; madeira mesmo, e que tenha espaço para construir mais duas.<br>
<br>
Aqui onde moro se acha terreno assim com 2 casas por 115/120k. Gasta-se mais 40k para construir mais 2 casas bem pequenas de madeira com sala, banheiro, cozinha e 2 quartos, o aluguel deve ser barato (aqui é barato aluguel de casa desse tipo por 600 temers), alem de alugar fácil, o locador é do perfil que paga em dinheiro e não declara nada.<br>
<br>
Temos um investimento em imóvel de 160k com um rendimento de 2400 temers/mês. 1.5% ao mês livre de IR com a segurança do imóvel. Conheço muita gente que vive disso e ja tem mais de 35 casas. Ruim, né? <br>
<br>
Nesse esquema ideal é fazer sem averbar nada. IPTU de terreno e se ele valorizar muito e depois quiser vender é só passar uma retroescavadeira e derrubar tudo.<br>
<b
Spoiler Revelar
"Facts don't care about your fellings!"

Responda-o
#20
Todos deveriam passar por este tópico. Excelente.

@Trglodita Só passar uma retroescavadeira Mito demais Gargalhada
A vida passa como um conto ligeiro. 
Responda-o


Pular fórum:


Usuários visualizando este tópico: 1 Visitante(s)