Avaliação do Tópico:
  • 5 Voto(s) - 5 em Média
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
[RELATO] Como digerir livros acima do seu nível e aumentar a sua inteligência
#1
Fala confraria! 
Nos últimos tempos passei por um processo de renovação mental, físico e intelectual. Esse processo foi meio que forçado pela situação do meu meio (incluindo a falta de recursos financeiros, problemas familiares, e muita vontade de fazer algo decente da minha vida), e hoje posso olhar pra trás e ver algumas lições que apareceram e que vejo que são valiosas.
Mas eu vou deixar pra dar detalhes disso em outro tópico, (porque o relato vai ser extenso) mas posso adiantar que esse foi um período de muitos aprendizados e crescimento. 

É como dizem alguns realistas: Você não aprende enquanto não meter a cara e fazer. 

Nesse tópico eu vou dar algumas dicas de como vocês podem fazer pra aprender mais, em menos tempo (com uma quantidade de esforço bem maior, obviamente). Vou dar essas dicas pois foi isso que aprendi e apliquei nos últimos meses, e vi que os resultados foram e continuam sendo bons. 
Aprendi essas técnicas de uma maneira forçada, por perceber que estava ficando pra trás em conhecimento na faculdade e que precisaria dar um boost no aprendizado ou teria de me contentar em ficar no mesmo nível que diversos indivíduos medíocres. 
E quem estudou algum curso de humanas em uma federal sabe que isso não é algo bom. 

Como digerir livros acima do seu nível e aumentar a sua inteligência

A primeira dica que quero deixar clara aqui é que: a inteligência não é estática. 
Se você for burro, da pra sair dessa situação (com muito esforço, mas você não está preso nisso pra sempre). Se você for mediano da pra se tornar um fora da curva, e se você for fora da curva, dá pra se tornar um indivíduo único. O que vai ser preciso é foco, disciplina e metodologias de estudo (seja a repetição constante, ou qualquer outra coisa que funcionar pra você). 

Um fator orientador que fará você ir além, bem além, do que já faz é a frase: "Para fazer grandes coisas e feitos memoráveis, você deve ler para liderar". A lógica por trás dela é bem simples: Você deve aceitar a responsabilidade de que será necessário fazer muito mais que os outros, pois eles olharão pra você e te seguirão, o que aumentará mais ainda suas responsabilidades. 

A segunda dica é que você PRECISA SE PRESSIONAR EM DIREÇÃO A TEXTOS MAIS DIFÍCEIS/FORTES. 
Estudo é igual academia: Se não pegar mais peso não vai crescer. Esqueça esses materiais de concursos públicos feitos para analfabetos funcionais terem uma chance de se acomodar na vida por meio de um emprego estatal (só minha opinião, se curte concurso, não precisa ficar bravo). Esqueça as aulas de cursinhos que estão no youtube pra ajudar menino a passar no vestibular. E esqueça de uma vez por todas que estudar é coisa fácil e relaxante. 
Estudar é uma coisa punk meu amigo. Estudar não é pra dar prazer, é pra te ajudar a melhorar sua conexões neurológicas, aumentar sua inteligência e moldar a sua Razão. 

O que eu fiz, ou seja, apliquei no meu cotidiano foi a seguinte ação: Passei a ler Feynman ao invés de Friedman, Biografias ao invés de livros de negócios e clássicos ao invés da literatura contemporânea. 
É claro que você não precisa fazer exatamente como fiz, mas deve sempre ter em mente que determinados livros são feitos para serem simples, pois assim vendem mais. Nessa simplificação feita pelos autores e editores, muita coisa se perde, pois existem coisas que não se simplificam. 

Exemplo: Mecânica Quântica não se simplifica facilmente. Apesar de existir inúmeros livros da tal da "Lei da Atração" que envolvem esse tema, pode ter certeza que o que é dito neles, será algo barato e sem vergonha, feito só pra justificar uma lei imaginária para tias de meia idade. Se você quer de fato começar a compreender esse tema, leia Erwim Schrodinger ou Werner Heisenberg. Ou se quiser ser o bixão mesmo, leia os 2. Vai dar muito trabalho, mas uma hora você começa a entender como esses caras pensavam, e nesse momento, você pode ter certeza que seu intelecto subiu uns 3 pontos.  


A terceira dica é: Antes de começar a ler, QUEBRE a porra da mentalidade que a escola te ensinou. 
As escolas no Brasil são horríveis. Ao invés de passarem conhecimentos úteis para toda a vida, passam informações que possibilitam apenas a entrada de um indivíduo em outra escola, que por si só transmite informações que muitas das vezes não serão úteis fora de um nicho específico (as vezes elas não são úteis em lugar algum). 

Lembrem-se disso: As LIÇÕES importam mais do que datas, nomes, locais e etc. 
Saber quem fez o que, só é relevante desde que compreendido em um contexto total, abrangente. Procure entender as coisas antes de as memorizar. 

A quarta dica é: Não fique com medo de estragar o final. Leia os reviews da obras. 
A lógica aqui é ser mais ágil, e poder evitar merdas literárias. Tem muita coisa nos comentários das obras, que te indicam se aquela leitura é decente, ou se não é enrolação. 

Exemplo: O livro - Poder do Hábito - é nada mais do que uma encheção de linguiça feita pra enganar trouxa e tomar seu dinheiro. Porque digo isso? Pois o que está escrito em 300 páginas poderiam ser ditas em 20. Ou tudo o que o cara fala, está nos RESUMOS (aquele parágrafo que você encontra logo abaixo dos títulos dos artigos científicos) e CONCLUSÕES dos artigos científicos. Mas como a população tem medo de ciência, é mais fácil pagar esses livros que nada mais são do que a reescrita de textos de outras pessoas. Você evita gastar tempo e dinheiro com essas obras sabendo da opinião de quem as leu.  
E um outro pensamento: Lembra quando falei para lerem biografias? Então, se você ler a biografia de grandes homens, perceberá nas entrelinhas o tal do "poder do hábito". Isso não é ciência de foguete. Esse conhecimento existe apenas desde sempre. 

A quinta e última dica é: Depois de terminar a leitura, volte tudo de novo. 
Eu não estou dizendo que você deve ler o livro de novo, mas estou dizendo que você deve voltar e anotar com a SUA MÃO, todas as passagens que lhe pareceram importantes. Faça isso em um caderno separado, para você poder ler sempre que precisar. E também, para ir memorizando as coisas de maneira gradual. 
Eu tenho uma pilha de cadernos (aqueles que custas 2 reais e tem 60 folhas) com anotações e sempre que preciso, pego um deles e vou atrás de informações úteis que "salvei". 

Dica bônus: Tente sempre ler um livro de cada bibliografia. 
Isso não serve apenas para aumentar seu conhecimento sobre um determinado assunto, mas serve também pra você pegar o costume de fazer a avaliação do material que está lendo, da mesma forma que um avaliador de uma comissão científica faria. 
Depois de começar a fazer isso, notei que que fica muito fácil compreender assuntos difíceis, e até mesmo debater sobre o tema com outras pessoas, tendo em vista que o aprofundamento necessário para averiguar possíveis erros ou acertos foi realizado. 

Muitas das coisas aqui não são novas, obviamente. Mas creio que as dicas serão úteis para iniciantes ou para quem as seguia de um jeito intuitivo. Apliquem o que eu sugeri (da forma que vocês acharem melhor claro), e notarão a diferença no crescimento intelectual de vocês.
Todo mapeamento começa na visualização e compreensão do espaço, dentro da mente. Tal arte, se dominada, pode trazer muitos frutos positivos. 
Responda-o
#2
Spoiler Revelar

Citação:Fala confraria! 
Nos últimos tempos passei por um processo de renovação mental, físico e intelectual. Esse processo foi meio que forçado pela situação do meu meio (incluindo a falta de recursos financeiros, problemas familiares, e muita vontade de fazer algo decente da minha vida), e hoje posso olhar pra trás e ver algumas lições que apareceram e que vejo que são valiosas.
Mas eu vou deixar pra dar detalhes disso em outro tópico, (porque o relato vai ser extenso) mas posso adiantar que esse foi um período de muitos aprendizados e crescimento. 

É como dizem alguns realistas: Você não aprende enquanto não meter a cara e fazer.


Muito bom correlegionário, tbm fiz o mesmo e os resultados são surpreendentes, na espera do relato. 

Spoiler Revelar

Citação:Como digerir livros acima do seu nível e aumentar a sua inteligência

A primeira dica que quero deixar clara aqui é que: a inteligência não é estática. 
Se você for burro, da pra sair dessa situação (com muito esforço, mas você não está preso nisso pra sempre). Se você for mediano da pra se tornar um fora da curva, e se você for fora da curva, dá pra se tornar um indivíduo único. O que vai ser preciso é foco, disciplina e metodologias de estudo (seja a repetição constante, ou qualquer outra coisa que funcionar pra você). 

Um fator orientador que fará você ir além, bem além, do que já faz é a frase: "Para fazer grandes coisas e feitos memoráveis, você deve ler para liderar". A lógica por trás dela é bem simples: Você deve aceitar a responsabilidade de que será necessário fazer muito mais que os outros, pois eles olharão pra você e te seguirão, o que aumentará mais ainda suas responsabilidades. 

A segunda dica é que você PRECISA SE PRESSIONAR EM DIREÇÃO A TEXTOS MAIS DIFÍCEIS/FORTES. 
Estudo é igual academia: Se não pegar mais peso não vai crescer. Esqueça esses materiais de concursos públicos feitos para analfabetos funcionais terem uma chance de se acomodar na vida por meio de um emprego estatal (só minha opinião, se curte concurso, não precisa ficar bravo). Esqueça as aulas de cursinhos que estão no youtube pra ajudar menino a passar no vestibular. E esqueça de uma vez por todas que estudar é coisa fácil e relaxante. 
Estudar é uma coisa punk meu amigo. Estudar não é pra dar prazer, é pra te ajudar a melhorar sua conexões neurológicas, aumentar sua inteligência e moldar a sua Razão. 

O que eu fiz, ou seja, apliquei no meu cotidiano foi a seguinte ação: Passei a ler Feynman ao invés de Friedman, Biografias ao invés de livros de negócios e clássicos ao invés da literatura contemporânea. 
É claro que você não precisa fazer exatamente como fiz, mas deve sempre ter em mente que determinados livros são feitos para serem simples, pois assim vendem mais. Nessa simplificação feita pelos autores e editores, muita coisa se perde, pois existem coisas que não se simplificam. 

Exemplo: Mecânica Quântica não se simplifica facilmente. Apesar de existir inúmeros livros da tal da "Lei da Atração" que envolvem esse tema, pode ter certeza que o que é dito neles, será algo barato e sem vergonha, feito só pra justificar uma lei imaginária para tias de meia idade. Se você quer de fato começar a compreender esse tema, leia Erwim Schrodinger ou Werner Heisenberg. Ou se quiser ser o bixão mesmo, leia os 2. Vai dar muito trabalho, mas uma hora você começa a entender como esses caras pensavam, e nesse momento, você pode ter certeza que seu intelecto subiu uns 3 pontos.  


A terceira dica éAntes de começar a ler, QUEBRE a porra da mentalidade que a escola te ensinou. 
As escolas no Brasil são horríveis. Ao invés de passarem conhecimentos úteis para toda a vida, passam informações que possibilitam apenas a entrada de um indivíduo em outra escola, que por si só transmite informações que muitas das vezes não serão úteis fora de um nicho específico (as vezes elas não são úteis em lugar algum). 

Lembrem-se disso: As LIÇÕES importam mais do que datas, nomes, locais e etc. 
Saber quem fez o que, só é relevante desde que compreendido em um contexto total, abrangente. Procure entender as coisas antes de as memorizar. 

A quarta dica éNão fique com medo de estragar o final. Leia os reviews da obras. 
A lógica aqui é ser mais ágil, e poder evitar merdas literárias. Tem muita coisa nos comentários das obras, que te indicam se aquela leitura é decente, ou se não é enrolação. 

Exemplo: O livro - Poder do Hábito - é nada mais do que uma encheção de linguiça feita pra enganar trouxa e tomar seu dinheiro. Porque digo isso? Pois o que está escrito em 300 páginas poderiam ser ditas em 20. Ou tudo o que o cara fala, está nos RESUMOS (aquele parágrafo que você encontra logo abaixo dos títulos dos artigos científicos) e CONCLUSÕES dos artigos científicos. Mas como a população tem medo de ciência, é mais fácil pagar esses livros que nada mais são do que a reescrita de textos de outras pessoas. Você evita gastar tempo e dinheiro com essas obras sabendo da opinião de quem as leu.  
E um outro pensamento: Lembra quando falei para lerem biografias? Então, se você ler a biografia de grandes homens, perceberá nas entrelinhas o tal do "poder do hábito". Isso não é ciência de foguete. Esse conhecimento existe apenas desde sempre. 

A quinta e última dica éDepois de terminar a leitura, volte tudo de novo. 
Eu não estou dizendo que você deve ler o livro de novo, mas estou dizendo que você deve voltar e anotar com a SUA MÃO, todas as passagens que lhe pareceram importantes. Faça isso em um caderno separado, para você poder ler sempre que precisar. E também, para ir memorizando as coisas de maneira gradual. 
Eu tenho uma pilha de cadernos (aqueles que custas 2 reais e tem 60 folhas) com anotações e sempre que preciso, pego um deles e vou atrás de informações úteis que "salvei". 

Dica bônus: Tente sempre ler um livro de cada bibliografia. 
Isso não serve apenas para aumentar seu conhecimento sobre um determinado assunto, mas serve também pra você pegar o costume de fazer a avaliação do material que está lendo, da mesma forma que um avaliador de uma comissão científica faria. 
Depois de começar a fazer isso, notei que que fica muito fácil compreender assuntos difíceis, e até mesmo debater sobre o tema com outras pessoas, tendo em vista que o aprofundamento necessário para averiguar possíveis erros ou acertos foi realizado. 

Muitas das coisas aqui não são novas, obviamente. Mas creio que as dicas serão úteis para iniciantes ou para quem as seguia de um jeito intuitivo. Apliquem o que eu sugeri (da forma que vocês acharem melhor claro), e notarão a diferença no crescimento intelectual de vocês.


Tenho alguns considerações e ressalvas a fazer, o ser humano só cresce quando se esforça para tal, ficar no fácil e confortável não o ajudará a crescer e ao se pressionar e trilhar o caminho mais difícil ele tenderá a buscar todos os recursos necessários para o mesmo por este motivo tendemos a crescer, apesar que o objetivo é sempre o conforto e bem estar

Sim para haver uma evolução intelectual é necessário que busquemos o além o mais complexo de se resolver, de se ler, de se entender, fará que criemos mais conexões neurais e assim crescer a capacidade intelectiva. O que vejo hoje em dia é que em sua grande maioria daqueles que "estudam", é que não fazem por prazer de estudar e adquirir o conhecimento, e sim pelo quê o estudo poderá lhe proporcionar tendendo sempre ao seu bem estar ou status e não para resolver problemas contidianos tanto individual ou coletivo, e só o fazem para lhe garantir esses benefícios, como por exemplo entrar em uma faculdade/universidade e ao entrarem "estudam" sempre para passar na matéria ou prova e nunca pelo conhecimento em si.

Agora a respeito de se ler texto difíceis deve-se ter em mente que não é qualquer um que conseguirá aprender ou entender algo e deverá se aprimorando gradualmente e nunca se estagnar, no seu exemplo citado um brasileiro mediano ou até mesmo um pouco acima da média não conseguirá entender a incerteza de Heisenber sem um preparo antes que deve-se vim de livros fáceis e assim evoluindo gradativamente. 

No mais é isso, eu não sou uma pessoa muito inteligente e por isso é um dos meus principais focos do meu Desenvolvimento Pessoal, e sei que não me dedico o suficiente para o mesmo, mas já está no meu planejamento para 2020 que farei com um foco maior, já comecei mais sem tempo e foco necessários.

                Passei, vi e, ao contrário deles, venci.
Responda-o
#3
Obrigado pelo comentário confrade!

O conforto e o bem estar, na minha visão, são consequências de determinados atos. Você ganha uma quantidade boa de grana? Então vai poder ter bens melhores. Porém, esse pode não ser o objetivo último. As vezes nem pensamos nisso e nos motivamos por estarmos focados em um pensamento "maior".

Sobre o prazer associado ao estudo, penso praticamente dessa forma também. Só vou um pouco além, pois comecei a enxergar o crescimento intelectual (os estudos) como enxergo o treino da academia. Sempre procuro ler uma folha a mais (e na gym, fazer 1 rep a mais), sempre procuro leituras mais pesadas (na gym, colocar 1kg a mais), cronometro meu tempo de leitura pra ver quantas palavras leio por minuto (na gym marco o tempo de descanso, e o tempo que levo pra fazer uma série de jeito correto), e procuro por formas de diferenciar a leitura, pois percebi que a forma de se ler alguma coisa varia de acordo com o que você está lendo (na gym, o treino varia de acordo com o que quero melhorar no período e etc). O meu prazer vem disso: da metrificação da minha evolução e do crescimento. Algumas coisas eu consigo aplicar (tipo o material de carpintaria que baixei pra me ajudar a dar um trato em uma mesa de madeira que tenho aqui em casa), outras não.

Estudar para status ou bem estar é válido, entretanto, não é possível ir muito longe com isso. Uma hora você atinge o status desejado (ou desiste dele) e aí acontece a estagnação. O bem estar é difícil, porque pode ocorrer o que acontece com milhões de mulheres ao redor do mundo: Leem livros tipo 50 tons de cinza pra se sentirem bem, pra poder imaginar as coisas e viver sonhando com uma ilusão. Nesse caso o crescimento deixa de existir, pois o prazer foi associado a uma leitura de baixa qualidade.

No mais, é isso aí mano. Foque no aumento do seu Q.I, mas não se esqueça das demais formas de inteligência (com a emocional, sinestésica, espacial, corporal e etc...) e procure por uma forma de lidar com elas bem. Vai chegar um ponto onde você se tornará um líder natural, pois simplesmente é mais desenvolvido como humano.

Se precisar de alguma ajuda em algo específico, entre em contato. Estou com algumas teorias e preciso de "cobaias" para as testar (se fizer o teste apenas em mim, como saberei se elas podem ser boas para os outros, né?).
Todo mapeamento começa na visualização e compreensão do espaço, dentro da mente. Tal arte, se dominada, pode trazer muitos frutos positivos. 
Responda-o
#4
Camarada @Geoman , quero cumprimentá-lo por esse tópico excepcional!

Tem um livro que "li" esse ano que não entendi absolutamente nada. Sabe o que é ler um livro e não conseguir descrever um capítulo sequer?
O livro é ótimo, dá para perceber os ensinamentos valiosíssimos contidos nele, mas por falta de bagagem e conhecimento, não consegui aproveitá-lo.

edit***: com certeza tentarei ler a obra futuramente, com maior bagagem. Se não conseguir, vou ler mais e tentar de novo. Uma hora eu vou ganhar desse puto! Gargalhada

Esse ano li 25 ou 26 livros.
Foquei a minha leitura nos clássicos. Primeiro os mais simples e curtos, como O Alienista, O Homem que Falava Javanês, A Metamorfose, e por aí vai.

Hoje, até minha forma de pensar é diferente. A cada livro lido, nosso cérebro se expande e jamais volta ao tamanho anterior. Que foda isso né velho, puta que o pariu.

Tem uma obra do Mortmer Adler que é conceituadíssima, chamada Como Ler Livros.
Quero lê-lo no início do ano que vem.

O Olavo de Carvalho disse que é um dos cinco livros que ele levaria para a vida toda.
O Olivertalk fez uma série de cinco podcasts falando dessa obra.

Enfim, esse tópico merecia mais movimentações, é uma pena.
Mateus 21:22
Responda-o
#5
(20-09-2020, 06:26 PM)hjr_10 Escreveu: Esse ano li 25 ou 26 livros.
Foquei a minha leitura nos clássicos. Primeiro os mais simples e curtos, como O Alienista, O Homem que Falava Javanês, A Metamorfose, e por aí vai.

Segui a mesma estratégia nesse ano. Dei prioridade em ler os grandes clássicos começando pelos mais curtos, até porque constantemente são mencionados de forma indireta ou direta por aí e eu ficava boiando sem entender.

Nesse ano até agora conclui 16 livros. Isso porque estou lendo sem pressa nenhuma e alguns livros eu acabo relendo trechos inteiros porque achei muito interessantes. Então, como são livros pequenos, acaba que consigo fazer isso sem problemas. Eu só não li mais porque inventei de escrever um livro e gastei centenas de horas no desenvolvimento dele e depois de quase pronto ainda o reli umas 30x (E ele tem 200 páginas). Não imaginei que seria tão cansativo fazer um livro. Mas, de todo jeito, esse ano ainda ele já vai estar nas prateleiras de todo o Brasil (por isso não vou falar o nome, por uma questão de anonimato).

A minha meta nesse ano era ler 12 livros, sendo dois grandes que já estava lendo e 10 pequenos novos que escolheria, meta que já bati inclusive, continuo lendo agora, mas com menos pressa ainda do que antes. No final do ano vou ver se faço algum post dizendo quais foram os melhores na minha opinião. Hjr10, sugiro que faça o mesmo para eu pegar umas ideias contigo do que ler no ano que vem.

Uma coisa que estou implementando é reler trechos marcados de um dos livros lidos como revisão, como eu fazia com os estudos para concurso. A cada 15 dias escolho um dos livros que já li e leio todas as partes grifadas que achei interessantes. Acho importante porque não adianta ler 100 livros e não lembrar as partes relevantes e os conceitos mais profundos nem de 5 deles.

@Geoman, eu não cronometro o tempo porque prefiro ler devagar e com atenção do que com pressa. Acredito que até faz mal ler rápido só para ver o desenrolar da história do que ir lendo com calma e sem pressa para ir digerindo o livro. É como comer com pressa pra engolir logo ou comer devagar para mastigar melhor e a comida chegar mais preparada no estomago.

E sobre os 50 tons de cinza que mencionou, você tem toda a razão, eu vi vários estudos mostrando que leituras de romances e ficção afetam negativamente o nosso cérebro, fazem muito mal e fazem as pessoas viverem em um mundo de ilusão se tornando inaptas para os deveres práticos da vida. Isso afeta até a forma como essas mulheres se relacionam com os homens, as tornando mais exigentes e mais deslocadas da realidade, é realmente nocivo. Então, é bom tomar cuidado e escolher bem as leituras, inclusive esse é um ponto que eu abordo no meu livro (um livro que tem partes que critica quem lê livros). Talvez, até faça um tópico sobre isso no futuro.

Sobre a segunda dica, eu passei dois anos para ler 5 livros da Ellen White, da série Grande Conflito que menciono de vez em quando aqui no fórum. Demorei tanto porque a leitura é difícil, usa muitas palavras que não são de uso comum, como "condescendência", mas depois que peguei o gosto e assimilei todo o linguajar usado, eu mesmo vejo que essas palavras são bem melhores para explicar os conceitos e, as vezes, tenho dificuldade para explicar as ideias do livro sem usa-las. 

Acabei incorporando várias palavras novas ao meu vocabulário e tenho que tomar cuidado para conversar e não usar esses termos difíceis que algumas pessoas não entendem. E me esforço para fazer o que li na Bíblia que Jesus explicava as coisas na linguagem do povo e que devemos fazer o mesmo, explicar até mesmo conceitos avançados de forma simples. E que não devemos ficar tentando falar de forma rebuscada só para mostrar que sabemos falar difícil, o objetivo é se fazer entender e não ficar competindo sobre quem fala mais difícil como eu vejo algumas pessoas que leem muito e eruditos fazem. Pois quem realmente domina um assunto consegue explicar os conceitos de forma simples até para uma criança de 10 anos de idade e se não conseguimos fazer isso é porque não entendemos o assunto a fundo ainda.

E os 5 livros referidos acima eram muito densos e com muitas reflexões que me forçavam as vezes a parar a leitura e passar o dia refletindo a respeito do que li. Então, apesar de ter sido uma leitura de certa forma lenta (cada livro tinha em média 700 páginas), isso deu um upgrade gigante na minha mente, depois que parti para os grandes clássicos vi que só alguns eram realmente bons e outros eram completamente rasos. E estou optando por leituras mais complexas agora, mas me esforçando para seguir o cronograma de ler os grandes clássicos de tamanho menor como o @hjr_10 vem fazendo. Mas, já tenho uma boa lista de futuras leituras de livros grandes que pretendo seguir assim que concluir esses clássicos menores.

Porque ler clássicos é tão importante? Porque daqui 30 anos você acha que vão estar estudando e falando de um livro do momento desse ano ou sobre "O principe" de Maquiavel? Vão estar falando de algum livro de negócios e auto ajuda que fez muito sucesso esse mês ou de "A arte da guerra" de Sun Tzu? Pode apostar que vão estar falando mais dos grandes clássicos do que dos livros que eram sensação 30 anos antes. 

Quanto mais antigo é um livro que ainda é discutido e analisado maior a chance dele continuar sendo relevante no futuro. Um livro que bombou nesse ano, daqui 10 anos pode não ser sequer mencionado e nem estudado em universidade nenhuma ou citado em nenhuma palestra relevante. Agora um livro de 500 ou 1000 anos atrás que ainda é estudado, daqui 10 anos, vai continuar relevante e sendo comentado e citado. Por isso acho importante conhecer esses grandes clássicos para compreender essas referências que fazem. Afinal, existe algum motivo para serem tão importantes.

Sobre a quarta dica, eu assisto alguns resumos de livros bons, inclusive de alguns que já li e também assisto palestras de caras fodas que escreveram esses livros ou especialistas em alguma área do meu interesse e faço um resumo com os melhores trechos em um caderno para consultar depois quando julgo necessário, como se estivesse estudando mesmo. Isso também tem me ajudado bastante a fixar as coisas e as ordenar de forma inteligente e a fazer conexões entre diferentes nichos de conhecimento.

Sobre a quinta dica, eu desisti de fazer isso, não estava conseguindo fazer resumos radicalmente pequenos porque vejo muita coisa interessante e acabava perdendo muito tempo resumindo no caderno e acaba desistindo e deixando o resumo pela metade, o que decidi fazer foi grifar as melhores partes no próprio livro e escrever pequenos insights e reflexões de caneta nas bordas do livro. (Depois que o @hjr_10 me deu a ideia de colar aqueles post-its de papel nas páginas e escrever neles, eu vou testar para ver se fica melhor). Quando muito, eu tento citar uma frase ou outra, algo radicalmente resumido. Preciso aprender a resumir de forma realmente concisa se for seguir essa ideia dos resumos.

Eu sei que alguns tem pavor disso e consideram heresia ficar grifando e escrevendo no próprio livro, mas o livro é meu e quando eu morrer vão doar tudo mesmo, então uso sem dó, estão lá para serem usados. Não tenho apego nenhum pelos meus livros. Faço isso até com os livros antigos que herdei do meu pai e avô que tem décadas de idade, alguns são mais velhos do que eu e já estão grifados e cheios de anotações feito por eles. E eu acabo lendo o livro, lendo as anotações deles e colocando as minhas observações do lado das anotações deles e vida que segue.

@Bastardo, você está certíssimo. O cérebro foi feito para ser usado e forçado ao extremo assim como o corpo. Se a pessoa ficar só no celular, netflix, facebook, computador, o cérebro vai atrofiando pela falta de uso e a pessoa vai imbecilizando. 

Apesar de que eu no fundo acredito que não faz diferença nenhuma no final da vida se lemos 1 livro ou 300 livros na vida inteira, pois quando a gente morrer o cérebro simplesmente virará pó e todo o conhecimento se esvairá. Então, é bom não se apegar demais ao conhecimento e nem se engrandecer só porque leu mais livros que os outros como alguns ególatras fazem. Afinal também existe a matrix do conhecimento e a galera que usa isso como uma forma de competição para massagear o ego e se sentir superior aos outros. 

É bom vermos isso como uma forma de mantermos uma mente vigorosa e saudável para fazermos melhor uso enquanto estamos vivos. Da mesma forma como cuidamos do nosso corpo para ter saúde e qualidade de vida durante a vida mesmo sabendo que em breve ele vai envelhecer e perecer e não vai sobrar nada não importando quantos anos tenhamos dedicado a nutrição e a musculação. Ou seja, no final tudo é passageiro e ilusão como já dizia Salomão. Então, não se matem de estudar nem levem tudo isso tão a sério, lembrem-se que assim como o desenvolvimento físico o desenvolvimento intelectual também é só passatempo e distração que fazemos para ter mais qualidade de vida durante essa vida passageira, mas que no final tudo se vai. Por isso é melhor focar em ler o que gosta sem pressa ou desespero e aproveitar a viagem da vida enquanto não acaba.

Salomão Escreveu:E, demais disto, filho meu, atenta: não há limite para fazer livros, e o muito estudar é enfado da carne.

Eclesiastes 12:12
“A maior necessidade do mundo é a de homens — homens que se não comprem nem se vendam; homens que, no íntimo de seu coração, sejam verdadeiros e honestos; homens que não temam chamar o pecado pelo seu nome exato; homens cuja consciência seja tão fiel ao dever como a bússola o é ao polo; homens que permaneçam firmes pelo que é reto, ainda que caiam os céus.” Ellen White, Educação, Pág 57.
Responda-o
#6
https://tiozinhozl.blogspot.com/2020/05/...os-b3.html


https://entreclassicos.wordpress.com/plano-de-leitura/
Responda-o
#7
Ótimo tópico amigo. Parabéns.

Gostaria de fazer algumas observações que vão, em grande parte, estar em concordância com o que foi dito acima, por isso não vou fazer comentários por tópicos como o colega, mas um mais geral e ontológico sobre as minhas observações com relação a esse tema - até para não me estender em demasia - . Mas deve ficar sub-entendido que concordo em grande parte com as dicas, e já utilizei muito de algumas delas. Dito isso...


(26-10-2019, 01:59 PM)Geoman Escreveu: "Para fazer grandes coisas e feitos memoráveis, você deve ler para liderar".

Isso é um fato que eu observo na prática e também percebi lendo biografias. Sempre o cara diferenciado, que LIDERA de uma perspectiva respeitável de fato, lê muitas coisas, sempre. É o sujeito que uniu a razão, o espírito e o físico em uma coisa só. É sempre bom reforçar essa afirmação.

Concordo absolutamente na parte que você diz que: "VOCÊ PRECISA SE PRESSIONAR EM DIREÇÃO A TEXTOS MAIS DIFÍCEIS/FORTES."

Sem dúvidas.

Eu percebo que muito da minha capacidade literária, analítica e argumentativa melhora consideravelmente quando leio coisas complexas, especialmente filosofia. Textos intrincados e com pensamentos complexos de filósofos são uma excelente maneira que EU encontrei de melhorar minha capacidade de raciocínio e de percepção de todas as nuances que um simples texto pode ter. Por isso eu sempre recomendo o estudo de filosofia, mas de uma maneira prática e não puramente intelectual e teórica. 

O objetivo da filosofia é nos ensinar a pensar, por isso questões elementares da vida humana são dissecadas de uma forma epistemológica, para que seja possível haver uma das partes fundamentais da ciência que é: experimentação! Sem isso, não há ciência, e justamente essa característica elementar é esquecida por muitos "estudantes"... ficar apenas no campo teórico não vai fazer muita coisa por você, é preciso por em prática o que se lê/aprende...

E isso entra no ponto onde você recomenda resumos e anotações. Precisamos pegar toda essa informação e usa-lá de forma prática, e um esboço disso são como você faz seus resumos. Eu escrevo em anotações as informações dos livros que eu leio, sempre tentando explicar os conceitos ou ideias de uma maneira rápida, como se estivesse ensinando uma criança, usando exemplos que chegam a ser toscos. Uma dica que pra mim é fundamental é que: Qualquer insight que eu eventualmente tenha relacionado a algum tema que eu esteja estudando, não importa onde eu estiver ou o que eu estiver fazendo, eu paro para anotar. Esses isights são poderozissimos para concretizar a ideia geral e ligar todos os pontos que talvez possam ter ficado soltos na sua mente.   

Também existe uma técnica que eu uso quando preciso fazer alguma apresentação, ou quando quero me aprofundar muito em um conhecimento e não tenho muito tempo. Eu vou tentar explicar brevemente a seguir. É o que os antigos ocultistas chamavam de "eureka".

Você precisa aprender, vamos supor, sobre hipertrofia miofibrilar para embasar mais convincentemente algum serviço seu a um cliente no dia 29 de setembro de 2020. A partir de hoje, dia 21 de setembro, pegue livros especializados, renomados e não renomados, artigos de todos os lugares e notas, livros didáticos, vídeos de youtube, aulas dos mais variados tipos, textos de blogs de todos os tipos, tudo o que conseguir, e passe a semana inteira pesquisando só sobre esses assuntos e tudo relacionado que acabar achando. Esqueça todo o resto. Defina o norte e cheque tudo relacionado. Sim, um volume enorme de informação. Faça anotações e principalmente "BRAINSTORMNS" (se não conhece, pesquise esse termo agora mesmo) sobre tudo que você estiver pensando sobre o tema - por mais estúpido que possa ser - ... vá ligando os pontos e sempre que tiver insights - mesmo que seja no meio da madrugada - anote nos seus brainstorns. Crie um livro de brinstorns, sem se preocupar se o que você escreveu tem muita lógica... simplesmente de vasão aos seus pensamentos e ideias escrevendo nos seus esquemas e continue absorvendo informação...  aos poucos você vai notar que muitas coisas que você instintivamente "deduz", depois de mais um pouco de pesquisa se mostram verdadeiras...

Eu sei que parece lorota e bom de mais para ser verdade, mas isso é real ... experimente e volte aqui para contar.

Lá pelo dia 26-27, você simplesmente para de procurar coisas sobre isso e absolutamente não pensa mais sobre o assunto, até NA HORA DE APRESENTAR. Sim, isso mesmo. Tente esquecer tudo o que você fez, não pesquise nem procure mais nada. Apenas deixe lá no fundo da sua mente que o seu subconsciente saberá o que fazer quando for a hora. Todo esse esquema pode ser aplicado a livros, e é o que eu faço atualmente inclusive.

Existe toda uma teoria por trás disso tudo, que eu vou explicar melhor na minha série dos berserkers (sim, eu não esqueci dela) mas tudo isso tem haver com usar a outra faceta da nossa mente, não apenas o racional. Nas apresentações que fiz isso, eu que sou uma pessoa que fala pouco, não conseguia parar de falar e surgia tanto assunto e informações na minha cabeça que eu chegava a me assustar. Eu relatei sobre isso em algum texto meu do blog, mas achei que valeria a pena reforçar aqui.

Essa técnica eureka, era a forma de como grandes gênios chegavam a conclusões extraordinárias em momentos improváveis. Não foi por acaso, ou pq deus quis, mas sim devido a muita informações, de todos os tipos sendo fermentadas no subconsciente até o momento certo onde tudo faz sentido.  

NOTA!: É importante deixar claro que toda essa informação tem que ser relacionada a um mesmo assunto. Ficar vagando cada hora por um assunto diferente vai ter exatamente o efeito contrário ao que se deseja, CONFORME JÁ É EXTENSIVAMENTE DOCUMENTADO.  NÃO ESQUEÇA DISSO!!!

Outra coisa que eu recomendo e muito é LER ASSUNTOS DIRETAMENTE OPOSTOS AS SUAS CERTEZAS. E é fácil observar que a grande maioria dos realistas JAMAIS FEZ OU FARÁ ISSO... apenas continuará a ler coisas que são refirmações das próprias crenças. Ler coisas que você não acredita, e que vão contra as suas convicções é algo doloroso de se fazer, mas é necessário. Só assim você vai ter uma noção mais exata se o que acredita tem algum mérito de fato, e se você não é só mais um idiota útil repetindo jargões estúpidos que alguém quer que você repita. Como um sábio disse, não lemos para aprender, apenas para reafirmar nossas convicções, por isso é importante quebrar esse ciclo. Se force a ler coisas que vão contra sua forma de pensar. Eu já li o livro do Frankil e do Hitler. Já li Mises e Marx, já li Nietzsche e Chesterton... enfim... agora por exemplo, estou lendo um livro do Gransci (lendo o livro que ELE ESCREVEU e não artigos de pessoas que escrevem sobre o que acham que ele quis escrever... é importante aceitar e entender essa diferença), também estou lendo um livro totalmente cristão/católico, outro budista e um terceiro "pagão". 

isso melhora infinitamente a sua capacidade argumentativa e reduz as chaces de você ser só mais um papagaio miserável que não pensa com a própria cabeça. Se tu é cristão, leia coisas budistas, satanistas, hindus... se tu é conservador capitalista, leia algo liberal de esquerda... , acho que deu para entender... force a sua cabeça e tenhas as suas PRÓPRIAS CONVICÇÕES, saia da caixa das suas crenças limitantes.  Até pq ler sobre algo não vai te transformar em um agente ou apoiador da causa. 

Como sempre, tentei ser breve mas não consegui, mas fica ai o meu complemento a esse ótimo tópico...
"Compreendi o tormento cruciante do sobrevivente da guerra, a sensação de traição e covardia experimentada por aqueles que ainda se agarram à vida quando seus camaradas já dela se soltaram."  (Xeones para o rei Xerxes)

Responda-o
#8
trollface Sobre ficção os bostileiros pensam que a bíblia é um livro desse tipo, a presunção da ignorância é uma maldição admitida como benção mutua e coletiva.




Prefiro o método "DOS" logica, analise gramatical, analise sintática... a otimização da relação entre símbolos, signos e  posterior exame da complexidade contextual e as vezes técnica é uma forma de aguçar e otimizar a interpretação.


[Image: 41fwCanyORL._SR600,315_SCLZZZZZZZ_.jpg]


GRAMATICAS indicadas pelo Prof. Gurgel.





Agora se quiser perder o pouco de  Q.i que tem assista a live abaixo....3:15 h  Gargalhada não equivalem a 10 min de de leitura.



Só Jesus salva, vá e não peques mais...
Responda-o
#9
Que baita tópico, diga de passagi

Um novato, mancebo, juvena ao se deparar com um tópico desses provavelmente deve refletir:

1) como fui parar aqui? esse assunto não é do meu interesse (já sabemos qual é, né confrades? [meme descontinuado])

2) vou observar e aprender. 


Por essas e outras, tenho sempre a convicção de estar no lugar certo.

Excelente! Excelente!
Responda-o
#10
@Geoman, não conhecia esse seu tópico, mas agora que conheço, posso dizer, excelente e irretocável. E parabéns pela iniciativa e vontade de se desenvolver, é para poucos. 

 Vou deixar algumas dicas que me ajudaram e talvez possam ajudar alguém por aí...

 Não muito eu fiz um investimento que revolucionou minha forma de estudar, foi algo ridiculamente barato e modesto, eu poderia até fazer mas decidi comprar, trata-se de um quadro branco, comprei também pincéis e um apagador obviamente. Faço cálculos, gráficos, resumos, rabiscos, tabelas, comparações etc., e quando necessário, tiro uma foto, antes de apagar o que foi escrito, para imprimir e guardar como material. Já estou planejando comprar outro quadro maior para ter mais espaço para rabiscos. Tem um monte de parafernália que blogueiras tentam empurrar na mídia, é pincel neon, caneta que escreve sozinha, cadeira de estudos que faz massagem, película para tablets que imita o papel etc., eu não tenho paciência para essas coisas, um quadro branco é ridiculamente mais útil e barato do que essas bugigangas todas. 

 Vou dar outra dica, valorizem o tempo de vocês e usem todas as ferramentas (boas) que existem. Eu passei a valorizar a sétima arte e a coloquei como uma forma de ampliar meus estudos. Tenho uma lista de filmes clássicos assim como livros, dos quais eu assisto com papel e caneta do lado anotando tudo o que eu puder (perfil psicológico dos personagens, sensações que tive em determinada cena, curiosidades, easter eggs, análises ou qualquer outra coisa que eu ache necessário), depois eu compilo tudo e produzo um resumo crítico para guardar nos meus arquivos pessoais. Não é que a televisão não preste mas o seu principal objetivo é impedir o exercício de sua criticidade. Faça uma boa lista de filmes (alinhada aos seus objetivos) e assista-os como um crítico, como um cientista que vasculha o objeto de estudo com toda a minúcia possível e necessária. 

 Outra coisa que me transformou como ser humano foi a leitura de poesias, e se você observar bem, os maiores livros do ocidente (em peso histórico) possuem uma carga poética sublime, mística, transcendental. A Odisseia é belíssima, a Epopeia de Gilgamesh, a Divina Comédia, a própria Bíblia..., são livros profundamente poéticos e estupidamente geniais, deliciosos de se ler. Descobri um novo mundo na poesia e logo me viciei, esse hábito me fez enxergar o mundo de uma forma completamente diferente. Não sei se por isso mas percebi uma acentuada melhora na minha capacidade de me comunicar persuasivamente com as pessoas. E bizarramente eu memorizei vários poemas e fico sempre a repeti-los mentalmente ou então em voz normal quando estou mais a vontade. Também memorizei alguns Salmos bíblicos e vez ou outra os repito. Isso me lembra muito o Tesla, ele teve uma educação um tanto quanto clássica dada por seu tio, que era matemático, e um dos exercícios era a repetição incansável de trechos da Bíblia, poemas etc., em voz alta..., eu nunca fui atrás de saber disso mas acredito que a leitura e repetição de poesias ou de textos importantes (com certo grau poético) contribua com o aperfeiçoamento da memória como um todo e do imaginário evidentemente.
 

Responda-o
#11
@hjr_10

Citação:Tem uma obra do Mortmer Adler que é conceituadíssima, chamada Como Ler Livros.

Quero lê-lo no início do ano que vem.

Mais do que recomendo e você que está lendo clássicos no final do livro tem uma lista de leituras que deve-se fazer de acordo com o nível e categoria deles. É uma pequena catalogação de clássicos.

Citação:Tem um livro que "li" esse ano que não entendi absolutamente nada. Sabe o que é ler um livro e não conseguir descrever um capítulo sequer?

O livro é ótimo, dá para perceber os ensinamentos valiosíssimos contidos nele, mas por falta de bagagem e conhecimento, não consegui aproveitá-lo.

Certa feita, peguei um livro e comecei a ler e parei, lia e relia e não entendia quase nada do que se era dito, o livro era do Filosofo Brasileiro Mario Ferreira dos Santos, cujo titulo é "Filosofia da Crise", e eu parava e pensava, como é que até a obra de Kant, a saber, Fundamentos da Metafisica dos Costumes, obras esta em que é considerada difícil eu conseguir assimilhar e esta não ? Me deixou muito pensativo, então deixei ela de mão e fui ler outra coisa, até hoje não retornei ao livro por motivos maiores, mas um dia retornarei a ela e farei a leitura novamente.

                Passei, vi e, ao contrário deles, venci.
Responda-o
#12
Topico excepcional!!!! Pintando as 5 estrelas, subindo e aguardando mais conteudo.......
"É o saldão das balzacas"  Minerin 
Responda-o
#13
Complementando o tópico para a ampliação do conhecimento.

Recomendo utilizar a aplicação chamada ANKI, o qual utiliza a memorização de forma espaçada. Logo, os conhecimentos socioculturais que você obtêm de uma boa leitura podem ser gravadas nessa aplicação para serem utilizadas no dia a dia e nunca serem esquecidos.

Adendo: O ANKI é totalmente gratuito.
Responda-o
#14
(22-09-2020, 06:38 PM)ikiler Escreveu: Complementando o tópico para a ampliação do conhecimento.

Recomendo utilizar a aplicação chamada ANKI, o qual utiliza a memorização de forma espaçada. Logo, os conhecimentos socioculturais que você obtêm de uma boa leitura podem ser gravadas nessa aplicação para serem utilizadas no dia a dia e nunca serem esquecidos.

Adendo: O ANKI é totalmente gratuito.

excelente ideia
Responda-o


Possíveis Tópicos Relacionados...
Tópico Autor Respostas Visualizações Última Postagem
  Marcações de livros do acervo da real e outros livros Myers 3 495 13-09-2022, 10:33 AM
Última Postagem: Myers

Pular fórum:


Usuários visualizando este tópico: 1 Visitante(s)