Avaliação do Tópico:
  • 0 Voto(s) - 0 em Média
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Desjuvenize sua mente
#1
Desjuvenize sua mente

“Tomar consciência da matrix é diferente de sair dela!”
por Gekko, do Fórum do Búfalo

[Image: liberdade-696x435.jpg]

Você conheceu a Real há algum tempo. De início, ficou com raiva. Percebeu que foi enganado durante boa parte da sua vida. Sentimentos negativos tomaram conta de você. Afinal, tudo em que você acreditava em relação a uma faceta importante das relações humanas caiu por terra e você acabou de se dar conta que era apenas um instrumento usado para alimentar o próprio sistema que te oprimia sem que você percebesse, fazendo com que você tantas vezes se sentisse culpado por uma situação da qual você era apenas uma vítima.

O tempo passou. Você aprendeu a dominar esse sentimento. Leu mais. Leu bastante. Adquiriu conhecimento valioso e percebeu que a teoria é boa, mas que é necessário o conhecimento que só se adquire na prática. Decidiu dar a cara a tapa e encarar novamente a vida, agora munido do conhecimento da Real, sente-se mais seguro para lidar com certas situações. Consegue enxergar o jogo acontecendo. Consegue ver artimanhas que antes passavam despercebidas à sua mente incauta. Até o dia em que o seu ego te trai, alguma pseudo santa te ilude e você acha que encontrou uma mulher exceção ou ao menos alguém com quem pode se relacionar e abre a guarda. Um belo dia você quebra a cara. Sentimentos de revolta e raiva de si mesmo tomam conta de você. Mas você já não se considera mais um juvena. Conheceu a Real já tem um certo tempo e não podia dar esse vacilo. Talvez fique até com vergonha de relatar o ocorrido aos confrades, com medo das metralhadoras dos metedores de real de plantão, que estão sempre prontos a disparar contra quem comete algum deslize.

O tempo passa e você decide que é hora de focar no seu desenvolvimento pessoal. Se dedica aos estudos, ao treinamento corporal, à sua profissão, às finanças. Melhora em todos esses aspectos. E pensa que agora é um realista com experiência de vida e que se desenvolveu bem nesses atributos. Você se esforçou bastante e agora espera colher alguns frutos. Mas, de repente, você se revolta novamente, porque o resultado esperado não veio. Você continua atraindo o mesmo padrão de mulheres. Elas continuam hipergâmicas e você continua sendo vítima do cudocismo feminino. Aí você se revolta e acha que não se desenvolveu o suficiente ou que não importa o que faça, nada vai adiantar. Você sempre será preterido por elas, que muitas vezes, por razões que nem Freud explica, preferem ficar com um cara que não tem a renda que você tem, o shape que você tem ou o nível de escolaridade que você tem.

A partir daí, seguem-se dois caminhos: uns caem na total decepção e acham que a Real é enrolação, se afastam aos poucos ou até mesmo viram detratores do conhecimento que um dia acharam que ia sanar os seus males. Outros voltam à fase da revolta, mas desta vez com uma roupagem diferente e menos perceptível. Decidem tomar atitudes drásticas na tentativa – que a esta altura já se tornou insana – de se destacar. Tomam anabolizantes. Passam a gastar muito para ostentar. Ficam obcecados com a própria aparência e as próprias posses. Querem um carro melhor a todo custo. Tudo que possa ajudá-los nessa competição frenética é feito. Uns porque sentem a necessidade de serem os fodões que estão colhendo os louros da vitória. Outros porque querem, por fim da força, encontrar uma mulher que valha à pena para seguir a vida junto com ela.

Em ambos os casos, me desculpe. Mas você é um escravo. Sua mente ainda está juvenizada, apesar de todo o tempo que você possa ter na Real. Apesar de todo o seu esforço. Faltou a você encarar o que talvez seja o mais difícil: o deserto. A aridez da realidade. E você continuou, durante todo o seu tempo na Real, buscando cegamente o que sempre buscou antes dela. Munido de mais ferramentas, entendendo melhor o jogo, com mais conhecimento de causa, mas trilhando o mesmo caminho. Você continua alimentando o sistema que te oprime, dia após dia. Você negligenciou o que talvez seja a parte mais importante do conhecimento da Real: o crescimento emocional e espiritual que te leva à libertação. Libertação dos padrões que a sociedade quer te impor para fazer com que você dedique toda a sua energia para manter a roda girando. Libertação da escravidão que é fazer tudo se baseando em opinião feminina. Libertação de ter que usar a opinião delas como parâmetro. Libertação de achar que o seu sucesso como ser humano é medido pelo nível das mulheres que você “pega”. Libertação de sentimentos negativos quando alguma coisa dá errado nesse quesito.

A Real é para você, homem. É para você aprender a ser plenamente livre. A colocar a sua dignidade masculina acima da sua satisfação sexual e do seu ego e suas vaidades fúteis. A Real é para te ajudar a se tornar um homem melhor e a lutar por você mesmo, pelo que você quer, pelo que te faz feliz, pelos seus objetivos, pelo que você acredita, para poder praticar seus hobbies, para poder viver sem ter que atender a padrões que só te colocam numa covarde desvantagem, ao passo em que você está inserido em uma sociedade misândrica. Você deve se desenvolver em todos os aspectos e tanto quanto possível, mas que isso seja feito visando a sua satisfação pessoal, a sua melhora como homem, a sua capacidade de ajudar outros a seguirem o mesmo caminho e ajudar a reerguer o sexo masculino. Enquanto você ficar nesse pensamento juvena matrixiano 2.0 de que mulher é consequência do desenvolvimento pessoal, você estará preso às mesmas correntes que estava antes. Você não será um realista na plena acepção da palavra. E enquanto não enfiar isso na sua cabeça de uma vez por todas, para levar a sua vida de forma produtiva e livre, você será sempre apenas um escravo esclarecido. Não haverá sol por trás das nuvens, nem luz no fim do túnel, nem muito menos pote de ouro no fim do arco-íris. Apenas uma vida de burro de carga, cheia de frustração.

Comentário do Guardião:

A Real não te transforma de um matrixiano mangina frustrado em um milionário, forte e inteligente. A Real te mostra suas fraquezas e te ensina a conhecer a si mesmo. A Real só mostra o caminho. Quem tem poder de fazer alguma transformação é você mesmo. 

Este texto faz parte do projeto: Segunda das Relíquias Perdidas.
Responda-o
#2
Comentários pertinentes:

(05-09-2015, 03:31 AM)Senna Escreveu: Um tópico excelente, esclarecedor e oportuno!

Não me lembro se já disse aqui no fórum, mas considerando a lista dos níveis de consciência de David Hawkins e observando o perfil daqueles se tornam adeptos da filosofia realista, cheguei a conclusão de que a maioria dos realistas se enquadram em dois níveis: ódio/raiva e orgulho/arrogância.

Obviamente o nível do ódio corresponde a fase da revolta e o nível do orgulho a fase em que o realista busca o desenvolvimento pessoal para ficar "rico e bombado aos 30 anos". Uma parcela menor de realistas chega ao nível da Coragem, que é onde finalmente alcançam aquilo que almejavam. Porém em todos esses níveis de consciência há um detalhe que não pode passar batido: Todos são níveis de consciência do ego.

Dessa forma, é impossível não se frustrar a longo prazo com o tipo de vida que se alcança vivendo nesses níveis, pois uma vez que o ego está a dominar a constante insatisfação sempre estará presente, sem contar que por vezes haverá um tempo e esforço enormes gastos em alcançar coisas que não precisamos e nem queremos.

Por isso, para finalmente se desconectar da matrix, transcender o ego precisa ser um objetivo, isso envolve combatê-lo em nossas ações, desejos, para conseguir conhecer nosso verdadeiro objetivo, e assim, finalmente alcançarmos a realização pessoal.

(05-09-2015, 02:50 PM)thothenki Escreveu: Eu me afastei da Real nos últimos meses, por conta de muito trabalho.

Esse texto é ótimo.

Do ano passado pra esse eu estava nessa corda bamba entre revolta com alguns conceitos x fuga da Real.

Esse deserto é verdadeiro.
Deserto de solidão por suas opiniões diferentes, por você não se dobrar ao que o sistema e ao que os outros querem que você siga.

Com, o tempo e o caminhar do desenvolvimento pessoal do que vejo, é que para o homem, quanto mais ele tenta se distanciar da matrix, mais as dificuldades aumentam e não menos, como muitos esperam.

É cada vez mais gente dando pitaco sobre a vida tua; mais parasitas; mais gente que não presta aparece pra desestabilizar seus ganhos. O mundo quer te puxar pra festa, pra farra, pra ostentação, pra um casamento, pra que você tenha filhos, pra que se enforque na prestação de algum imóvel ou carro mais caro.

E quanto mais você ignora, e quando já não aguenta, manda a real pros chatos de plantão se tocarem dos teus princípios, e que não importa o quanto forcem, a internalização desse conhecimento é um escudo que nada pode atravessar, mais lhe dificultam as coisas; mais tentam te desmotivar; relativizar conceitos para dizer os aspectos negativos futuros (fictícios) que lhe ocorrerão, entre outras coisas. É uma guerra diária que a mente precisa travar contra o mundo, e disso não se pode fugir se o ideal é manter tua honra e teus objetivos. É luta ou fuga (entregar-se à matrix mais uma vez).

Das coisas que tenho passado, por exemplo, é uma encheção de saco cada vez maior para que eu contraia relacionamento sério com a primeira mulher que me apareça na frente; questionamentos sobre minha idade e que eu já deveria pensar em casamento e filhos para não passar a velhice sozinho; que eu preciso comprar isso e aquilo. Que não posso me isolar de noticiários; que preciso estar mais disponível aos favores que os outros querem; que tenho que "aproveitar mais a vida" e toda a sorte de imbecilidades matrixianas que sempre ouvimos.

O que mais tenho feito, ao invés de mandar a real de casa como fazia antes, é ou ignorar tudo isso ou ridicularizar e mostrar como me encontro superior a isso tudo no momento.

Esse tipo de encheção de saco mundana, tenho vencido, primeiro pela aquisição de equilíbrio emocional; agindo primeiramente racionalmente (e racionalizando muitos aspectos emocionais, já falei disso em resposta em outro tópico). E depois na melhoria espiritual, que é a linha auxiliar fundamental para melhorar o aspecto racional e o único que pode controlar o emocional (que é o mais forte dos três na animalidade, e que é o mais evidente entre os três em qualquer ser humano). Para controle do emocional, só mesmo com o racional e espiritual bem equlibrados; estes se tornam extremamente fortes se dedicados a eles grande tempo de entendimento e aperfeiçoamento. Esse aperfeiçoamento é feito somente através de auto-conhecimento e conhecimento e com base no Todo, que é Deus. De outro modo o homem fica sempre com um pé tendendo ao que o mundo sugere e quer dele. Torna-se incapaz de seguir sua visão e objetivo.

(06-09-2015, 05:03 PM)Gekko Escreveu:
(05-09-2015, 02:50 PM)thothenki Escreveu:
Spoiler Revelar

Eu me afastei da Real nos últimos meses, por conta de muito trabalho.

Esse texto é ótimo.

Do ano passado pra esse eu estava nessa corda bamba entre revolta com alguns conceitos x fuga da Real.

Esse deserto é verdadeiro.
Deserto de solidão por suas opiniões diferentes, por você não se dobrar ao que o sistema e ao que os outros querem que você siga.

Com, o tempo e o caminhar do desenvolvimento pessoal do que vejo, é que para o homem, quanto mais ele tenta se distanciar da matrix, mais as dificuldades aumentam e não menos, como muitos esperam.

É cada vez mais gente dando pitaco sobre a vida tua; mais parasitas; mais gente que não presta aparece pra desestabilizar seus ganhos. O mundo quer te puxar pra festa, pra farra, pra ostentação, pra um casamento, pra que você tenha filhos, pra que se enforque na prestação de algum imóvel ou carro mais caro.

E quanto mais você ignora, e quando já não aguenta, manda a real pros chatos de plantão se tocarem dos teus princípios, e que não importa o quanto forcem, a internalização desse conhecimento é um escudo que nada pode atravessar, mais lhe dificultam as coisas; mais tentam te desmotivar; relativizar conceitos para dizer os aspectos negativos futuros (fictícios) que lhe ocorrerão, entre outras coisas. É uma guerra diária que a mente precisa travar contra o mundo, e disso não se pode fugir se o ideal é manter tua honra e teus objetivos. É luta ou fuga (entregar-se à matrix mais uma vez).

Das coisas que tenho passado, por exemplo, é uma encheção de saco cada vez maior para que eu contraia relacionamento sério com a primeira mulher que me apareça na frente; questionamentos sobre minha idade e que eu já deveria pensar em casamento e filhos para não passar a velhice sozinho; que eu preciso comprar isso e aquilo. Que não posso me isolar de noticiários; que preciso estar mais disponível aos favores que os outros querem; que tenho que "aproveitar mais a vida" e toda a sorte de imbecilidades matrixianas que sempre ouvimos.

O que mais tenho feito, ao invés de mandar a real de casa como fazia antes, é ou ignorar tudo isso ou ridicularizar e mostrar como me encontro superior a isso tudo no momento.

Esse tipo de encheção de saco mundana, tenho vencido, primeiro pela aquisição de equilíbrio emocional; agindo primeiramente racionalmente (e racionalizando muitos aspectos emocionais, já falei disso em resposta em outro tópico). E depois na melhoria espiritual, que é a linha auxiliar fundamental para melhorar o aspecto racional e o único que pode controlar o emocional (que é o mais forte dos três na animalidade, e que é o mais evidente entre os três em qualquer ser humano). Para controle do emocional, só mesmo com o racional e espiritual bem equlibrados; estes se tornam extremamente fortes se dedicados a eles grande tempo de entendimento e aperfeiçoamento. Esse aperfeiçoamento é feito somente através de auto-conhecimento e conhecimento e com base no Todo, que é Deus. De outro modo o homem fica sempre com um pé tendendo ao que o mundo sugere e quer dele. Torna-se incapaz de seguir sua visão e objetivo.

É bem assim mesmo, confrade. A toda hora e a todo momento, as pessoas, a televisão, o cinema e etc estão tentando te afastar daquilo que você acredita. E é necessário ter muita força de caráter e muita convicção quando seus ideais, suas metas e suas convicções não condizem com os da maioria, com as coisas que são tidas como normais. As pessoas querem que todos sigam o mesmo curso na vida, existindo sem questionar, seguindo um padrão que serviu muito bem à sociedade pré revolução feminazi/sexual. Esse padrão de casar, constituir uma família honrada e criar filhos em um lar saudável praticamente já não existe mais.

Outro ponto é a galera do "você tem que curtir a vida". Essas pessoas não conseguem conceber em suas mentes a possibilidade de as pessoas gostarem de coisas diferentes. Os baladeiros por exemplo. Acham que só quem curte a vida são as pessoas que frequentam baladas. Todos os outros estão vendo a vida passar como vegetais na concepção umbigocêntrica deles. E muitas vezes essas pessoas importunam, tentam te dar conselhos, te levar para junto da massa.

O que é mais importante é aprender a pensar por si. Fazer suas próprias escolhas, sem seguir padrões antiquados que querem se lhes impor. Afinal, quem vai assumir as consequências dos seus atos e do rumo que você decidir tomar na vida é você. E as pessoas que tetam te tirar do teu caminho atualmente - até mesmo os teus parentes mais bem intencionados - serão as primeiras a te criticar quando você se der mal e estiver vivendo uma vida ferrada.

(05-09-2015, 12:40 AM)Appollo Escreveu: Parabéns Gekko belo texto!

Conhecer a real e pratica-a são dois passos que damos para mudar nossas vidas para sempre. É um caminho, e como os demais sempre vai ter as adversidades e pedras esperando na estrada.

A real não promete nos transformarmos num super- homem invencível e nem num batman rico, inteligente e fodão.

A real resgata o desejo do homem de evoluir, de conhecer a si mesmo, entender suas fraquezas, supera-las bem como entender seu papel nessa sociedade caotica.

(16-09-2015, 05:01 PM)Piratão Escreveu: Excelente texto mesmo. Já tinha lido faz tempo, mas não podia postar aqui antes.

Falando na matrix (filme), a mente que conhece a Real e permanece juvena me lembra o traíra do filme, o Cypher. A Real era muito dura, e tudo que ele queria era usar seus conhecimentos para ser reinserido na matrix, rico e cheio de mulheres. É o que nosso inconsciente faz quando a Real degenera em PUA como filosofia de vida.

(15-09-2015, 06:49 PM)Gekko Escreveu: O que me motivou a escrever este tópico foi que a gente morre de escrever sobre isso, mas fica um monte de gente dizendo que se desenvolveu, que focou nisso, que tirou o foco de mulher, que isso e aquilo, mas se queixa que não está tendo sucesso com mulher A ou B ou com as mulheres em geral e fica aquele mimimi eterno. Meu amigo, se você ainda está se importando com isso, você ainda tá com mente de juvena. Criou-se uma espécie de axioma nos meios realistas segundo o qual você deve se desenvolver e as mulheres serão consequência. Mas eu digo que enquanto você estiver pensando nessa consequência, você tá com mente de juvena e vai se frustrar eternamente e vez após vez. Na lista de preocupações das mulheres, os homens estão em 346º lugar, depois de coisas como a cor da coleira da cadela poodle dela. Então por que cargas d'água você vai ficar balizando sua vida ou medindo o seu sucesso como homem baseado nisso? Larga mão e vai ser feliz e viver para si. A consequência esperada do seu desenvolvimento pessoal deve ser o seu bem estar, sua felicidade, sua saúde, seu conforto e sua realização. Para com essa escravidão de ficar com essa mentalidade maldita de ninguém me ama ninguém quer dar pra mim. Isso é manginice.

Eu até brinco com os confrades mais chegados com quem troco idéia mais frequentemente dizendo que sou beta e que eles são alfas, e rola umas brincadeiras nesse sentido, mas é só cachorrada nossa, pra descontrair. Se você for ficar pensando nisso você endoida. Periga voltar pra fase da revolta ainda mais potencializada que da primeira vez.
Responda-o
#3
(22-04-2019, 10:12 AM)Guardião Escreveu: Em ambos os casos, me desculpe. Mas você é um escravo. Sua mente ainda está juvenizada, apesar de todo o tempo que você possa ter na Real. Apesar de todo o seu esforço. Faltou a você encarar o que talvez seja o mais difícil: o deserto. A aridez da realidade. E você continuou, durante todo o seu tempo na Real, buscando cegamente o que sempre buscou antes dela. Munido de mais ferramentas, entendendo melhor o jogo, com mais conhecimento de causa, mas trilhando o mesmo caminho. Você continua alimentando o sistema que te oprime, dia após dia. Você negligenciou o que talvez seja a parte mais importante do conhecimento da Real: o crescimento emocional e espiritual que te leva à libertação. Libertação dos padrões que a sociedade quer te impor para fazer com que você dedique toda a sua energia para manter a roda girando. Libertação da escravidão que é fazer tudo se baseando em opinião feminina. Libertação de ter que usar a opinião delas como parâmetro. Libertação de achar que o seu sucesso como ser humano é medido pelo nível das mulheres que você “pega”. Libertação de sentimentos negativos quando alguma coisa dá errado nesse quesito.


Este texto faz parte do projeto: Segunda das Relíquias Perdidas.

UP
Jet Sky < link

Um homem com escolhas é um homem livre.
Responda-o
#4
Muito bom!

Compartilho da mesma ideia.
The absence of virtue is claimed by despair






Responda-o
#5
Excelente
"Antes de mas nada, saiba que você morrera e sera esquecido. Portanto, Busque  a felicidade dentro de sua alma e não fora. Entregue-se ao seu espirito. Somente ele estará com você depois da morte." (Nessahan Alita)

Spoiler Revelar
"Desenvolver apenas algumas camadas, negligenciando outras, mais cedo ou mais tarde, a vida cobrara o preço da negligencia." (Mandrake)

"Como eu sempre digo, o homem que não conhece a Real sempre acaba se dando mal." (Conde de Monte Cristo)
Responda-o


Pular fórum:


Usuários visualizando este tópico: 1 Visitante(s)