Avaliação do Tópico:
  • 1 Voto(s) - 5 em Média
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
[REFLEXÃO] Análise - Aquiles e Páris do filme Tróia
#1
Talvez vocês já tenham assistido o filme Tróia de 2004, dirigido pelo diretor Wolfgang Petersen. Eu particularmente gosto bastante desse filme, apesar de fugir um pouco da história original. Sou louco pela mitologia grega (assim como a nórdica) e conheço a lenda de Tróia. Mas o objetivo desse texto não é explicar a história e como o filme foi desenvolvido, já existem várias resenhas a respeito na internet. O que vou colocar nesse texto vai ser uma análise de dois personagens presentes no filme, pra levar a uma discussão realística. Aos novatos, não pensem que será uma cartilha pra seguir à risca, decorando falas e gestos. Não, é apenas pra mostrar a diferença de duas realidades e o que vocês podem tirar de proveitoso delas.

Fazendo um levantamento geral, temos Aquiles sendo:

-Frio
-Sério e Confiante
-Determinado
-Honrado e um homem com princípios
-Inalcançável/Imparável
-Não implora pra ser amado
-É líder e justo
-Transmite confiança
-É corajoso no sentido mais foda da palavra
-Busca ser o melhor e deixar um legado
-Apesar de ser orgulhoso, sabe reconhecer quando erra e pede desculpas
-Protetor
-Transmite confiança apenas com seus gestos e o olhar
-Pune a quem o desrespeita
-Sabe reconhecer artimanhas

[Image: aquiles.jpg]

No outro lado, temos o príncipe Páris, sendo:

-Emotivo
-Desonrado (se deitou e fugiu com uma mulher casada)
-Irresponsável (causou uma guerra e a destruição do seu país por conta de um amor passional)
-Inocente
-Covarde
-Sem palavra
-Romântico
-Jogou no lixo todo o esforço que o seu pai fez pelo país em troca de amor passional

[Image: 113.jpg]

APRESENTAÇÃO

Na primeira cena do filme, temos a apresentação daquele que é o personagem principal: Aquiles. Agamemnom, líder da Grécia está para atacar outra cidade-estado para prosseguir com sua unificação da Grécia. Porém, sugere ao seu adversário, uma luta justa entre seus melhores homens. Ele aceita e chama Boagrios, um gigante que aparentemente derrotaria qualquer soldado do exército de Agamemnom. Este, então, chama Aquiles, que não está presente. Indignado, o rei manda um garoto buscá-lo no acampamento, para que se apresente ao exército. Chegando lá, o garoto o avista com duas prostitutas, aparentemente  teve uma noite de sexo, mas logo percebemos com uma atitude um pouco ríspida, que ele não sente nada por elas, não passando apenas de uma diversão. Ao sair, o garoto fala "Você vai lutar com o maior homem que eu já vi. Eu não lutaria com ele" e ele responde " Então é por isso que seu nome nunca será lembrado". Chegando no local da batalha, Aquiles é ovacionado, mostrando que já é um homem conhecido e venerado. O rei, então tenta repreender ele, mas Aquiles logo mostra que não leva desaforo e que é um prêmio a ser conquistado, tem seus valores e não aceita ser comandado por um homem desonrado como é Agamemnom, logo fala "imagine um rei que trava suas próprias batalhas, não seria uma novidade?". A sequência da luta, mostra o herói derrotando o gigante com um único golpe, mostrando toda sua habilidade e força, mas o maior ato de coragem foi quando ele encara o exército, ainda assustados com ele e grita duas vezes "Há mais alguém??!!". Tomem a cena:




Gosto dessa parte porque mostra como Aquiles tem determinação, se posta como um prêmio, tem valores e princípios, não se dobra perante pessoas desonradas e quer deixar um legado na história. Agamemnom o inveja, pois sabe que ele é mais querido, mais amado e ao mesmo tempo, mais temido que ele.

Ao contrário, temos Páris, junto com seu irmão, nas províncias de Esparta, tratando de uma aliança com Menelau, rei da cidade-estado, o que resultaria em certa paz para sua terra Tróia. Mas Páris não está nem aí com isso, pois pra ele, o que mais importa é Helena, esposa de Menelau, a quem ele está perdidamente apaixonado. Num ato de apego, desonra e irresponsabilidade, ele dorme com ela, e no outro dia, foge com a rainha. Heitor, um dos homens mais honrados do filme, descobre o ato irresponsável e mete a real no irmão mangina "Você acabou de jogar no lixo todo o amor que seu pai tem por você, jogou no lixo todo o respeito que Tróia tem por você". Mas Páris está cego, ao ponto de dizer que lutaria por ela e pelo amor, então Heitor solta mais uma real "Você diz isso, mas não sabe nada sobre guerra e não sabe nada sobre o amor!", o príncipe, então responde, dando o veredicto que age por emoção e pelo ego "Mas mesmo assim, eu vou". Com isso, temos a apresentação de Páris, um príncipe irresponsável, mangina e cego de paixão.

MOTIVAÇÕES

As motivações de Aquiles são claras desde o início, deseja ser o melhor guerreiro da Grécia, escrever seu nome na história e deixar um legado. Se considera um prêmio, não se dobra perante pessoas desonradas, procura liderar de forma correta seus homens (os Mirmidões) e cobra a lealdade plena  deles. É ambicioso, acha que cada um deve escrever sua história, sem ser servo de um rei e ser obrigado a lutar por interesses fúteis. Sabe o seu valor e cobra por respeito. Em uma conversa com sua amada Briseis, ao perguntar sobre o que quer em Tróia, ele responde "Aquilo que todos os soldados vieram buscar, eu quero mais". 

Páris é um príncipe que cresceu com regalias, e ao contrário do seu honrado irmão, pouco importa com o esforço feito por seus ancestrais para construir seu país e deixá-lo em pé. O que importa são os prazeres da conquista, a ilusão do amor e que só isso basta pra viver. Acha que tudo se resolve em nome do amor, esquece que para ser justo e honrado, às vezes deve-se abdicar de muitas coisas, mas é o que seria certo a se fazer. Vive em um mundo florido e não tem noção das consequências de seus atos irresponsáveis. É egoísta por pensar somente nos seus interesses e não levar em consideração o amor de seus pais e do seu país, que foi destruído por fugir com Helena. Em uma das cenas mais importantes do filme, Páris propõe uma luta com Menelau, para acabar com a guerra. Durante a batalha, sabendo que iria perder, foge covardemente, causando a ira dos gregos, Menelau grita pra Helena "Foi por isso que você me trocou??!!". Seu pai, que ama seus filhos incondicionavelmente, repreende "Não foge, meu filho, lute com ele!Lute com ele!". O sentido dessa frase seria algo como 'Não fuja filho, seja homem, tenha honra, mantenha sua palavra, mesmo que signifique sua morte!'. Mas a única motivação de Páris não é a honra, mas sim Helena. Eis a cena:





QUESTÕES AMOROSAS

Aquiles conheceu Briseis logo após conquistar quase só, a praia e o templo de Apolo. Os homens a capturaram, para ser sua escrava, mas Aquiles em momento nenhum a estrupa nem tenta forçar ela a deitar-se com ele. Pelo contrário, a deixa livre, mas sempre a tratando em tom de comando e ao mesmo tempo, protetor. A questiona algumas vezes, chegando a provocar, pois não concorda com tudo que ela diz. Sempre fala acertado, de maneira a desconcertá-la quase sempre. Briseis não consegue saber o que ele quer, pois é misterioso. Isso a intriga e ao mesmo tempo, a deixa perto dele, pois ele consegue ser diferente de todos os outros homens a quem conheceu. Eis a cena do encontro:





Quando finalmente ela o procura, ele a domina e faz sexo selvagem, quase sem sentimentos. Briseis agora está se deitando com um homem, que tinha tudo para ser mais um soldado como outro, mas na verdade era o mais superior de todos, a tratando como uma menina, protegendo e cuidando dela, mas que nunca a tratou como uma semideusa. Em uma cena, quando estavam juntos, ela pergunta "Ainda sou sua prisioneira?", ele responde " É minha convidada". Briseis então, pra testar sua dependência, fala "Convidadas podem sair daqui a qualquer momento", Aquiles a surpreendendo mais uma vez, fala inabalável "Pode ir então". A moça, então, o abraça e continua com ele na cama.

[Image: maxresdefault.jpg]

Páris sempre tratava Helena como uma semideusa, endeusando-a e sendo excessivamente romântico. Helena de fato tinha se interessado por ele, mas parecia mais por questões de estar cansada dos abusos de Menelau do que amor propriamente dito. Entretanto, seria muito mais propenso a abusar de Páris com um tempo, devido à falta de masculinidade e romantismo em excesso do príncipe. Este, por sinal, por ter motivação única e exclusivamente no amor de Helena, muito provavelmente perderia todo o sentido na vida se ela o deixasse, como acontece com milhares de homens modernos de hoje. Vale lembrar, também, o respeito que ele nunca mais terá de Helena devido ao ato covarde na luta contra Menelau. Acha que mulher esquece disso?

LIÇÕES

É claro que ficou faltando algumas coisas, como a briga de Aquiles e Agamenmom , que resultou na retirada temporária do herói da batalha, pois sua honra fora ferida, voltando apenas se o rei viesse se redimir, mostrando que ele tem um preço alto e cobra por isso. Também temos a batalha épica entre Aquiles e o honrado Heitor. Mas acho que o que foi exposto já dá pra tirar boas conclusões a respeito das diferenças entre os dois personagens e as consequências de suas atitudes. Um ficou com o respeito, a honra, a glória, o amor de uma mulher honrada e conseguiu chegar a seus objetivos e deixar um legado. O outro ficou com a desonra, a fama de covarde, de egoísta e de uma pessoa que causou a destruição de tudo aquilo que seus ancestrais e sua família construiu com luta e amor. Quantos Aquiles e quantos Páris vemos hoje em dia? 
Pra quem não assistiu o filme, eu garanto, é um bom filme, vale a pena assistir.

Se alguém tem alguma coisa a acrescentar ou alguma crítica, pode comentar.
Responda-o
#2
Bela descrição confradre.

Deveria existir tópicos especifico pra isso, mini-comentários sobre filmes. Eu mesmo tenho vontade de fazer coisas semelhantes (Ex: recentemente assistir Middle Man, é muito foda).

Mas abrir um tópico pra cada filme, aí é foda.

Sobre o filme, tenho mais admiração por Heitor do que por Aquiles nesse filme. Não sei se por ter sentido pena dele, coitado, envolvido por um bosta do irmão dele, e o cara morreu pra honrar uma luta pela cidade dele e a família.

Sem dúvida, a parte mais triste do filme.
Responda-o
#3
Uma outra coisa que vale a ser dita, é que no mundo moderno, homens como Aquiles e Páris permanecerão.

Mas homens honrados, bonzinhos, tirados para Capitão Salva Pilantra, esses aí provavelmente morrerão com tempo.

Não por uma luta, mas porque não tem mais razão para agir assim, num mundo em que só viram pra eles quando a situação tá preta.

Alguém aqui se dispõe a ser "Capitão Salva Alguma Coisa" por alguém a algo que só lhe oferece aborrecimento e desprezo e , que não seja sua família e amigos de peito?
Responda-o
#4
O Heitor foi um grande exemplo de homem honrado, sempre cumpriu com suas responsabilidades e honrou o legado do pai. Até no momento de sua morte, impediu que os arqueiros atirassem em Aquiles. Mesmo sabendo que não era páreo, cumpriu sua palavra e foi fazer uma luta justa.

Eu acho legal analisar filmes, como um grande amante da sétima arte que sou. Existem filmes como 300, O Poderoso Chefão, O Último Samurai, Gladiador, que ensinam vários valores de honra e de masculinidade. Seria legal um post assim.

E pessoas honradas devem se preocupar mais em si e sua família, salvar primeiramente a eles. Depois seus amigos verdadeiros, e por último, pessoas desconhecidas, mas que valham a pena, e sem esperar nada em troca. Aqui no fórum, somos altruístas uns com os outros, ajudamos porque sabemos que são homens de bem que precisam de ajuda, mas ninguém espera nada em troca. Ser Capitão Salva Alguma Coisa de gente que não merece? Não mesmo.
Responda-o
#5
(24-06-2015, 09:55 AM)Fëanor Escreveu: O Heitor foi um grande exemplo de homem honrado, sempre cumpriu com suas responsabilidades e honrou o legado do pai. Até no momento de sua morte, impediu que os arqueiros atirassem em Aquiles. Mesmo sabendo que não era páreo, cumpriu sua palavra e foi fazer uma luta justa.

Eu acho legal analisar filmes, como um grande amante da sétima arte que sou. Existem filmes como 300, O Poderoso Chefão, O Último Samurai, Gladiador, que ensinam vários valores de honra e de masculinidade. Seria legal um post assim.

E pessoas honradas devem se preocupar mais em si e sua família, salvar primeiramente a eles. Depois seus amigos verdadeiros, e por último, pessoas desconhecidas, mas que valham a pena, e sem esperar nada em troca. Aqui no fórum, somos altruístas uns com os outros, ajudamos porque sabemos que são homens de bem que precisam de ajuda, mas ninguém espera nada em troca. Ser Capitão Salva Alguma Coisa de gente que não merece? Não mesmo.

Me esqueci de falar que quem tava falando era Heitor !!!! É ele mesmo.  

Vejam pessoas como Aquiles (Mourinho, Cristiano Ronaldo, Dan Bilzerian (pelo que aparenta....) ) e como Páris (Puas em geral, ensinando pegar mulher dos outros...).

Agora Heitor, como peça principal de uma cidade, tá cheio de homem (comum) que agem como ele e só se fode.

Off-topic: Assista Middle Man cara. Ele é o retrato do que o homem moderno deve ser.

Infelizmente ele acaba se pervertendo no decorrer do filme. Mas a interação social e jogos de interesses demonstradas no filme é muito boa.
Responda-o
#6
(24-06-2015, 10:24 AM)Don Welzo Escreveu:
(24-06-2015, 09:55 AM)Fëanor Escreveu: O Heitor foi um grande exemplo de homem honrado, sempre cumpriu com suas responsabilidades e honrou o legado do pai. Até no momento de sua morte, impediu que os arqueiros atirassem em Aquiles. Mesmo sabendo que não era páreo, cumpriu sua palavra e foi fazer uma luta justa.

Eu acho legal analisar filmes, como um grande amante da sétima arte que sou. Existem filmes como 300, O Poderoso Chefão, O Último Samurai, Gladiador, que ensinam vários valores de honra e de masculinidade. Seria legal um post assim.

E pessoas honradas devem se preocupar mais em si e sua família, salvar primeiramente a eles. Depois seus amigos verdadeiros, e por último, pessoas desconhecidas, mas que valham a pena, e sem esperar nada em troca. Aqui no fórum, somos altruístas uns com os outros, ajudamos porque sabemos que são homens de bem que precisam de ajuda, mas ninguém espera nada em troca. Ser Capitão Salva Alguma Coisa de gente que não merece? Não mesmo.

Me esqueci de falar que quem tava falando era Heitor !!!! É ele mesmo.  

Vejam pessoas como Aquiles (Mourinho, Cristiano Ronaldo, Dan Bilzerian (pelo que aparenta....) ) e como Páris (Puas em geral, ensinando pegar mulher dos outros...).

Agora Heitor, como peça principal de uma cidade, tá cheio de homem (comum) que agem como ele e só se fode.

Off-topic: Assista Middle Man cara. Ele é o retrato do que o homem moderno deve ser.

Infelizmente ele acaba se pervertendo no decorrer do filme. Mas a interação social e jogos de interesses demonstradas no filme é muito boa.

Vou botar na minha lista de filmes pra assistir. Obrigado.
Responda-o
#7
Primeiramente, meus parabéns pela análise do Confrade. Foi bem estudada, e precisa.
Aquiles é de fato, a figura de maior destaque na Guerra de Tróia. Diomedes, Rei de Argos, de quem tomei o nome, só está atrás dele, em feitos e realizações.
No filme, as realizações foram bem polarizadas, quanto a que um homem deve ou não deve ser, em termos de postura.
Nesta obra, só tenho uma ressalva: ter-se deixado apenas subentendida, a invulnerabilidade de Aquiles, principalmente, se me recordo bem, na luta com Heitor; embora, quando retratada a Morte de Aquiles, qualquer entendedor de Mitologia, entenderia o porquê ocorreu daquela maneira.
Para os que desconhecem: A mãe de Aquiles, a Deusa Tétis (que comandava as Marés), também apenas subentendida como tal, sabendo que o Destino de seu filho, seria morrer jovem e em grande glória, tentou evitar esse fim, de várias formas. A principal, foi levar seu filho, ainda bebê, até o Submundo, e banhá-lo no Rio Estige, assim tornando seu corpo, impenetrável a qualquer arma mortal. No entanto, ela o segurou pelo calcanhar, sendo assim, a única parte vulnerável de seu corpo.

Nos mitos e poemas, porém, mesmo os Heróis, são capazes de cometer erros, e principalmente, reconhecê-los.

===================

A Rainha Pentesiléia, das Amazonas, levou algumas de suas guerreiras, a combater em favor dos Troianos. Sabendo que Aquiles estava em campo, a Rainha não hesitou em duelar com ele, sendo prontamente derrotada. Aquiles, percebendo que seu oponente tinha algo de estranho, tirou a armadura do corpo, e constatou que era uma mulher jovem, e bela, lamentando profundamente ter a matado.

Tersites, um dos Generais de Argos, zombou de Aquiles, ao ver a cena, por estar lamentando a morte de um inimigo. O Filho de Tétis, enfurecido, matou então Tersites, com um só golpe.

Diomedes, Rei de Argos, vendo um parente e General sendo morto dessa forma, sacou de suas armas, e incitou Aquiles ao combate, buscando vingar seu ato bárbaro. Todos os Gregos interviram, sabendo que se seus dois melhores guerreiros se enfrentassem, a perda seria grande.

(Nota: Sou fã obviamente, de Diomedes, mas contra um oponente invulnerável, e mais habilidoso que ele, o Rei de Argos, não teria chance)

Por fim, Aquiles se comprometeu a fazer os Ritos Fúnebres por Tersites, e fazer oferendas para apaziguar sua alma, e Diomedes, em devolver o corpo de Pentesiléia aos Troianos, para que pudessem fazer o mesmo por ela, tendo assim, se resolvido a questão entre eles.

==========================

Mesmo Diomedes, cometeu uma falta grave durante a Guerra (simplificando, deixou que um estuprador ficasse com seu crime impune), mas depois do conflito, ele buscou redenção pela sua decisão.

Fiz essa ressalva e acréscimo, para nos lembrar que as maiores referências masculinas, estão em sua conduta, e ela também passa por buscar correção e redenção pelos erros que cometemos no caminho. Que possamos nos lembrar disso, e não deixar nosso Orgulho nos tirar do Caminho.
Responda-o
#8
Bacana cara, eu ainda nem li, na verdade nem sou muito fã desse filme, mas acho bem legal sempre focarmos em pegar exemplos de grandes homens, seja na vida real ou no cinema, tu sempre acaba aprendendo alguma coisa, melhor do que ficar blablabla o lado obscuro, vou ler com calma depois opino sobre o que achei, bela iniciativa, abs
Foi a guerra quem em mim despertou um animal 

Ask mais badass da rede Big Grin : ask.fm/warMR 
Responda-o
#9
Excelente análise confrade, juntamente com o complemento do Diomedes.
Responda-o
#10
(24-06-2015, 11:09 AM)DiomedesVerro Escreveu: Primeiramente, meus parabéns pela análise do Confrade. Foi bem estudada, e precisa.
Aquiles é de fato, a figura de maior destaque na Guerra de Tróia. Diomedes, Rei de Argos, de quem tomei o nome, só está atrás dele, em feitos e realizações.
No filme, as realizações foram bem polarizadas, quanto a que um homem deve ou não deve ser, em termos de postura.
Nesta obra, só tenho uma ressalva: ter-se deixado apenas subentendida, a invulnerabilidade de Aquiles, principalmente, se me recordo bem, na luta com Heitor; embora, quando retratada a Morte de Aquiles, qualquer entendedor de Mitologia, entenderia o porquê ocorreu daquela maneira.
Para os que desconhecem: A mãe de Aquiles, a Deusa Tétis (que comandava as Marés), também apenas subentendida como tal, sabendo que o Destino de seu filho, seria morrer jovem e em grande glória, tentou evitar esse fim, de várias formas. A principal, foi levar seu filho, ainda bebê, até o Submundo, e banhá-lo no Rio Estige, assim tornando seu corpo, impenetrável a qualquer arma mortal. No entanto, ela o segurou pelo calcanhar, sendo assim, a única parte vulnerável de seu corpo.

Nos mitos e poemas, porém, mesmo os Heróis, são capazes de cometer erros, e principalmente, reconhecê-los.

===================

A Rainha Pentesiléia, das Amazonas, levou algumas de suas guerreiras, a combater em favor dos Troianos. Sabendo que Aquiles estava em campo, a Rainha não hesitou em duelar com ele, sendo prontamente derrotada. Aquiles, percebendo que seu oponente tinha algo de estranho, tirou a armadura do corpo, e constatou que era uma mulher jovem, e bela, lamentando profundamente ter a matado.

Tersites, um dos Generais de Argos, zombou de Aquiles, ao ver a cena, por estar lamentando a morte de um inimigo. O Filho de Tétis, enfurecido, matou então Tersites, com um só golpe.

Diomedes, Rei de Argos, vendo um parente e General sendo morto dessa forma, sacou de suas armas, e incitou Aquiles ao combate, buscando vingar seu ato bárbaro. Todos os Gregos interviram, sabendo que se seus dois melhores guerreiros se enfrentassem, a perda seria grande.

(Nota: Sou fã obviamente, de Diomedes, mas contra um oponente invulnerável, e mais habilidoso que ele, o Rei de Argos, não teria chance)

Por fim, Aquiles se comprometeu a fazer os Ritos Fúnebres por Tersites, e fazer oferendas para apaziguar sua alma, e Diomedes, em devolver o corpo de Pentesiléia aos Troianos, para que pudessem fazer o mesmo por ela, tendo assim, se resolvido a questão entre eles.

==========================

Mesmo Diomedes, cometeu uma falta grave durante a Guerra (simplificando, deixou que um estuprador ficasse com seu crime impune), mas depois do conflito, ele buscou redenção pela sua decisão.

Fiz essa ressalva e acréscimo, para nos lembrar que as maiores referências masculinas, estão em sua conduta, e ela também passa por buscar correção e redenção pelos erros que cometemos no caminho. Que possamos nos lembrar disso, e não deixar nosso Orgulho nos tirar do Caminho.
Essa foi uma observação muito importante. Sempre achei interessante que mesmo os heróis gregos cometiam erros e logo buscavam a redenção. Aquiles, Ulisses, Hércules, Diomedes entre outros. Como esses mitos, para os gregos, serviam de ensinamentos morais, acredito que esses erros serviam pra mostrar que nem mesmo os mais perfeitos humanos estavam isentos de falhas, mas que ao cometê-las, tratavam logo de resolver.

Uma falha de Aquiles, tratada no filme, foi ter agredido Briseis logo após saber da morte de Pátroclo. Depois ele teve a humildade de reconhecer o erro e pedir desculpas. Durante o cerco de Tróia, ele a procura pra salvá-la, mostrando que este sabia reconhecer o valor de uma mulher honrada e que faria de tudo para protegê-la.

Sobre a morte de Aquiles, no filme deu pra subtender que Páris acertou aleatoriamente em seu calcanhar. Foi um erro que achei que o filme cometeu. Na lenda, Apolo desce à Terra e avisa a Páris que seu ponto fraco era o calcanhar e GUIA a flecha até seu calcanhar. Os gregos nunca iriam permitir que em suas lendas, um covarde iria ficar com toda a glória perante um homem virtuoso.
Responda-o
#11
(24-06-2015, 11:31 AM)Fëanor Escreveu:
(24-06-2015, 11:09 AM)DiomedesVerro Escreveu: Primeiramente, meus parabéns pela análise do Confrade. Foi bem estudada, e precisa.
Aquiles é de fato, a figura de maior destaque na Guerra de Tróia. Diomedes, Rei de Argos, de quem tomei o nome, só está atrás dele, em feitos e realizações.
No filme, as realizações foram bem polarizadas, quanto a que um homem deve ou não deve ser, em termos de postura.
Nesta obra, só tenho uma ressalva: ter-se deixado apenas subentendida, a invulnerabilidade de Aquiles, principalmente, se me recordo bem, na luta com Heitor; embora, quando retratada a Morte de Aquiles, qualquer entendedor de Mitologia, entenderia o porquê ocorreu daquela maneira.
Para os que desconhecem: A mãe de Aquiles, a Deusa Tétis (que comandava as Marés), também apenas subentendida como tal, sabendo que o Destino de seu filho, seria morrer jovem e em grande glória, tentou evitar esse fim, de várias formas. A principal, foi levar seu filho, ainda bebê, até o Submundo, e banhá-lo no Rio Estige, assim tornando seu corpo, impenetrável a qualquer arma mortal. No entanto, ela o segurou pelo calcanhar, sendo assim, a única parte vulnerável de seu corpo.

Nos mitos e poemas, porém, mesmo os Heróis, são capazes de cometer erros, e principalmente, reconhecê-los.

===================

A Rainha Pentesiléia, das Amazonas, levou algumas de suas guerreiras, a combater em favor dos Troianos. Sabendo que Aquiles estava em campo, a Rainha não hesitou em duelar com ele, sendo prontamente derrotada. Aquiles, percebendo que seu oponente tinha algo de estranho, tirou a armadura do corpo, e constatou que era uma mulher jovem, e bela, lamentando profundamente ter a matado.

Tersites, um dos Generais de Argos, zombou de Aquiles, ao ver a cena, por estar lamentando a morte de um inimigo. O Filho de Tétis, enfurecido, matou então Tersites, com um só golpe.

Diomedes, Rei de Argos, vendo um parente e General sendo morto dessa forma, sacou de suas armas, e incitou Aquiles ao combate, buscando vingar seu ato bárbaro. Todos os Gregos interviram, sabendo que se seus dois melhores guerreiros se enfrentassem, a perda seria grande.

(Nota: Sou fã obviamente, de Diomedes, mas contra um oponente invulnerável, e mais habilidoso que ele, o Rei de Argos, não teria chance)

Por fim, Aquiles se comprometeu a fazer os Ritos Fúnebres por Tersites, e fazer oferendas para apaziguar sua alma, e Diomedes, em devolver o corpo de Pentesiléia aos Troianos, para que pudessem fazer o mesmo por ela, tendo assim, se resolvido a questão entre eles.

==========================

Mesmo Diomedes, cometeu uma falta grave durante a Guerra (simplificando, deixou que um estuprador ficasse com seu crime impune), mas depois do conflito, ele buscou redenção pela sua decisão.

Fiz essa ressalva e acréscimo, para nos lembrar que as maiores referências masculinas, estão em sua conduta, e ela também passa por buscar correção e redenção pelos erros que cometemos no caminho. Que possamos nos lembrar disso, e não deixar nosso Orgulho nos tirar do Caminho.
Essa foi uma observação muito importante. Sempre achei interessante que mesmo os heróis gregos cometiam erros e logo buscavam a redenção. Aquiles, Ulisses, Hércules, Diomedes entre outros. Como esses mitos, para os gregos, serviam de ensinamentos morais, acredito que esses erros serviam pra mostrar que nem mesmo os mais perfeitos humanos estavam isentos de falhas, mas que ao cometê-las, tratavam logo de resolver.

Uma falha de Aquiles, tratada no filme, foi ter agredido Briseis logo após saber da morte de Pátroclo. Depois ele teve a humildade de reconhecer o erro e pedir desculpas. Durante o cerco de Tróia, ele a procura pra salvá-la, mostrando que este sabia reconhecer o valor de uma mulher honrada e que faria de tudo para protegê-la.

Sobre a morte de Aquiles, no filme deu pra subtender que Páris acertou aleatoriamente em seu calcanhar. Foi um erro que achei que o filme cometeu. Na lenda, Apolo desce à Terra e avisa a Páris que seu ponto fraco era o calcanhar e GUIA a flecha até seu calcanhar. Os gregos nunca iriam permitir que em suas lendas, um covarde iria ficar com toda a glória perante um homem virtuoso.

Exatamente, Confrade, o mérito de Páris pela morte de Aquiles, foi ZERO. Ele morreu porque era chegada a hora dele, e nada mais.
Responda-o
#12
Diomedes, qual foi o livro que tu leu sobre Troia?

Também nao entendi essa parte: "Nesta obra, só tenho uma ressalva: ter-se deixado apenas subentendida, a invulnerabilidade de Aquiles, principalmente, se me recordo bem, na luta com Heitor; embora, quando retratada a Morte de Aquiles, qualquer entendedor de Mitologia, entenderia o porquê ocorreu daquela maneira."
Responda-o
#13
(24-06-2015, 01:16 PM)Don Welzo Escreveu: Diomedes, qual foi o livro que tu leu sobre Troia?

Também nao entendi essa parte: "Nesta obra, só tenho uma ressalva: ter-se deixado apenas subentendida, a invulnerabilidade de Aquiles, principalmente, se me recordo bem, na luta com Heitor; embora, quando retratada a Morte de Aquiles, qualquer entendedor de Mitologia, entenderia o porquê ocorreu daquela maneira."

Eu li um livro chamado simplesmente de Tróia (mas não recordo de qual autor), tem também diversos livros sobre mitologia grega que tem a lenda da guerra no seu conteúdo. E obviamente, a Ilíada, que foca mais na parte do último ano da guerra e no personagem Aquiles.

Sobre a morte de Aquiles, vou explicar melhor: Tétis, a mãe dele, era uma nereida, uma espécie de deusa do mar, ela era extremamente cobiçada por Zeus e Poseidon. Estava prestes a se entregar à Zeus, mas os dois deuses viram uma profecia que afirmava que Tétis iria dar a luz a um filho que seria muito superior ao pai. Então, eles ficaram receoso de perder o posto no panteão dos deuses e casou Tétis com Peleu, rei dos Mirmidões e um dos maiores guerreiros do mundo.

Mas Tétis não se conformava com a mortalidade do filho, e por isso mergulhou ele no Rio Estige, a fim de torná-lo invulnerável, mas por segurar no calcanhar, apenas essa parte ficou desprotegida. Sua educação tanto de guerreiro como de cultura, ficou por conta do Centauro Quíron até ele virar esse personagem foda que ele é conhecido.
Responda-o
#14
Roubar mulher dos outros é manginice nível hard.
Responda-o
#15
Excelente artigo sobre o filme Tróia.

Eu não assisti o filme, mas li em livros sobre essa guerra.

Embora Goste bastante de bastante Aquiles, admiro muito Heitor.

Que tenham mais artigos como esse de filmes no Fórum.
Responda-o
#16
(24-06-2015, 01:52 PM)Roald Amundsen Escreveu: Roubar mulher dos outros é manginice nível hard.


[2]
http://ask.fm/RajadaRealista

Quem são eles, para se entrometer quando cuidamos de NOSSOS interesses? (Vito Corleone).

Responda-o
#17
[3]

Dessa desonra nunca partilhei
Foi a guerra quem em mim despertou um animal 

Ask mais badass da rede Big Grin : ask.fm/warMR 
Responda-o
#18
Obrigado pela intervenção, Fëanor, explicou perfeitamente.
Responda-o
#19
Ferrou sua pátria por ser mangina. Ta Serto
Responda-o
#20
(24-06-2015, 09:08 PM)clark001 Escreveu: Ferrou sua pátria por ser mangina. Ta Serto

E quem pagou o pato foi o Irmão. É mole....

Mas mangina que trabalha a ideia de pegar mulher dos outros, é não quero nem como amigo.
Responda-o


Pular fórum:


Usuários visualizando este tópico: 1 Visitante(s)