Avaliação do Tópico:
  • 1 Voto(s) - 5 em Média
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
7 Objetivos antes dos 30 anos
#21
(27-10-2017, 02:25 PM)O Homem Invisível Escreveu: Ernane, se formar para ganhar dinheiro é algo errado a se fazer, o certo é se formar para adquirir conhecimento e depois usar sua criatividade para usar esse conhecimento para gerar renda.

tu está correto, mas eu não vou mentir pra ti que fico "preocupado" que os meus ex colegas de escola todos já se deram bem e eu levei no cu fortemente. Mas como eu disse, bola pra frente!

(26-10-2017, 06:52 PM)Trglodita Escreveu: Ernane. Com sua idade eu ja estava formado, mas ainda fudido de grana. 25 anos é guri ainda.

Mas fudido com o canudo na mão fica bem mais tranquilo né Trglodita? Kkkkkk
Mas eu entendo o que tu quis dizer, e obrigado pelo apoio irmão! Bola pra frente, uma hora o sol nasce pra nós
Responda-o
#22
(25-10-2017, 11:27 PM)Ernane Carreira Escreveu: To muito longe disso. As duas relações que eu tive me foderam e eu perdi tudo duas vezes. Agora com 25 tenho que correr pra me formar na faculdade e encaminhar minha vida.

Mas bola pra frente, segue o jogo.


Confrade, quedas na vida ocorrem, mas nos ensinam muita coisa! Você ainda tem tempo de sobra para se reconstruir.

Tire uma lição do que ocorreu e trabalhe para ser melhor do que antes, mas como os confrades disseram antes, defina objetivos e trace seu caminho em cima disso, depois parta pra cima.

Também me separei mas no meu caso o único estrago foi emocional, depois que coloquei a cabeça no lugar estou mais maduro, experiente e pronto pra outra! Como dizem, mar calmo não faz bons marinheiros. Homens experientes tem inúmeras cicatrizes que atestam as batalhas vencidas.
  Se o machado está cego e sua lâmina não foi afiada, é preciso golpear com mais força. Agir com sabedoria assegura o sucesso. - Salomão em Eclesiastes 10.10.
  Muito cara legal foi parar debaixo de uma ponte por causa de uma mulher. - Bukowski.
Responda-o
#23
As vezes ter um imóvel no seu nome não é a opção mais vantajosa. Ainda mais se contarmos esse deadline de 30 anos de idade, onde a grande maioria vai estar começando o financiamento de um imóvel ou nem vai ter nada.


Mas digamos que o cidadão tenha ai uns R$ 350 mil na mão pra comprar uma casa/apartamento. E dependendo do local, você não compra absolutamente merda nenhuma com esse valor. Aqui em SP o metro quadrado tá saindo em média R$ 4 mil. As vezes é melhor investir um montante desse num investimento seguro, como uma renda fixa, por exemplo, do que pagar a vista ou financiar um imóvel pra morar.


Porque apesar da segurança de ter a própria moradia, a capacidade que aquele montante tem de fazer dinheiro se perde. É claro que o imóvel vai valorizar com o passar dos anos, mas enquanto você mora nele, ele se torna um passivo. E no fim, você ainda tem que pagar IPTU.


Digamos que você pegue um LCI pós-fixado de 12 meses à 95% do CDI, com esses 350k, isso rende R$ 46 mil. Se você retira todo o rendimento ao final, vai ter R$ 3.800 por mês como orçamento mensal pro ano seguinte. Dá até pra adicionar R$ 16 mil de volta no montante e ficar com um orçamento de R$ 2.500 mensais pra pagar um aluguel e o restante das suas contas você paga com o salário do seu trabalho/empreendimento, etc.


Não que ter seu imóvel próprio seja ruim, muito pelo contrário, é ótimo. Mas as vezes, dependendo da situação, vale a pena deixar seu dinheiro trabalhar num investimento para pagar sua moradia. Isso te dá mais flexibilidade. Você não fica preso à um imóvel que pode valorizar mas pode correr o risco de não ter nenhum comprador pra ele no futuro.


Agora quanto a conseguir mundos e fundos antes dos 30, é complicado. Em breve vou ver se posto o artigo que escrevi sobre isso uns tempos atrás. Você não deve colocar prazos na sua vida. O único prazo é a morte.
Responda-o
#24
(27-10-2017, 09:39 PM)Fairchild Escreveu:
(25-10-2017, 11:27 PM)Ernane Carreira Escreveu: To muito longe disso. As duas relações que eu tive me foderam e eu perdi tudo duas vezes. Agora com 25 tenho que correr pra me formar na faculdade e encaminhar minha vida.

Mas bola pra frente, segue o jogo.


 Confrade, quedas na vida ocorrem, mas nos ensinam muita coisa! Você ainda tem tempo de sobra para se reconstruir.

 Tire uma lição do que ocorreu e trabalhe para ser melhor do que antes, mas como os confrades disseram antes, defina objetivos e trace seu caminho em cima disso, depois parta pra cima.

 Também me separei mas no meu caso o único estrago foi emocional, depois que coloquei a cabeça no lugar estou mais maduro, experiente e pronto pra outra! Como dizem, mar calmo não faz bons marinheiros. Homens experientes tem inúmeras cicatrizes que atestam as batalhas vencidas.

Obrigado pelas palavras irmão, e realmente sua frase é muito boa. Depois que eu cheguei ao fundo do poço duas vezes, eu me sinto mais preparado pra encarar os problemas da vida.

Se tu também se separou então sabe como nós ficamos no fim. É um misto de humilhação com uma dor infernal.

Mas vambora, tenho fé(e estou correndo atrás pra isso) que dias melhores virão
Responda-o
#25
Dicas bem valiosas, todo planejamento financeiro a longo prazo, de fato, trará bons frutos.
Responda-o
#26
Arrumar um grande amor.
O amor supera tudo  Heart

Na vida real ou na internet?
Responda-o
#27
Boas dicas, passei dos 30 e não realizei nem metade porque investi tudo o que podia em estudos (acabei escolhendo uma formação que implodiu) e acabei não tendo grandes êxitos profissionais, AINDA (apesar de ter "estabilidade" profissional). O foco e o esforço agora é empreender, com uma ideia milagrosa que eu ainda não tenho, para recuperar o tempo "perdido" e garantir a aposentadoria.

Para a gurizada de 18~20 anos que está lendo isso, a dica que eu dou é, "toma muito cuidado com o que escolhe". Não aja apenas por emoção, impulso e nem apenas por conselhos de terceiros ou mídia. Em alguns anos tudo pode mudar e o que é fraco hoje, se torna fortíssimo e vice versa. Estude o que tolera, o famoso "CxB" entre o que tu tolera e o que dá dinheiro (não recomendo fórmulas mágicas ou "medicina à qualquer custo") e aporte com força.

Queria ter recebido esses conselhos 13 anos atrás e meu foco é espalhar ao máximo os problemas que sofri no caminho para ajudar quem tenha interesse à não passar pelas dores que tenho passado por escolhas ruins (não é vitimismo, odeio isso).
Responda-o
#28
Com o tempo passei a meio que desprezar esses artigos mostrando o que fazer até os 30 anos. 

Ter carro, imóvel, plano de saúde e ainda poupar dinheiro até os 30 anos é a representação do mundo dos unicórnios. Tem muita gente boa aí se esforçando igual a um desgraçado sem ter o básico, que é um emprego.

Penso assim, até os 30 anos temos que nos desgraçar nessa vida, fazer dívida para constituir o que é importante. O caminho é muito mais salgado do que dizem esses artigos. Fazemos dívida, nos estressamos, precisamos de uma válvula de escape que é uma viagem que pagaremos em 12 vezes. E quanto a isso? Ok, é necessário. Ficaremos sem pagar algumas contas importantes no prazo correto, precisaremos estudar e tentar arrumar um emprego numa rotina conturbada, etc. Dinheiro para poupar? Realidade de uma minoria.

Porém, depois dos 30 começamos a ter certa folga. Até os 30 anos a vida é um terreno cheio de espinhos em que pisamos com os pés descalços. Depois dessa idade (para alguns mais tarde), poderemos pagar um plano de saúde, já teremos nosso carro, imóvel, e muito provavelmente uma vida mais tranquila.

O que falei acima, é justamente o que vivido hoje próximo dos 25 anos. Tenho carro, casa, dívida, família. A folga financeira virá justamente aos 30 anos, e tenho estudado muito para que a folga financeira seja ainda maior permitindo que eu faça viagens, que eu foque em meus hobbies e nas coisas pelas quais eu quero ser lembrado.
Responda-o
#29
*
Spoiler Revelar
 Eu vejo a vida de outra forma, não fico olhando pra minha idade e dizendo "olha, falta apenas 3 anos pros 30, acelera enquanto é tempo", além de desenvolver ansiedade, te faz viver em dois tempos simultaneamente, o passado e futuro sendo que o único que realmente importa é o presente. Só para ilustrar, as pessoas olham pro relógio e batem o olho logo nas horas depois elas reparam nos minutos e praticamente ninguém repara nos segundos por achá-los irrelevante, mas experimente acompanhar os segundos que se passam num minuto, embora as pessoas achem que as horas passem muito rápido e que o tempo está ficando cada vez mais abreviado, se você fizer esse simples exercício vai notar que demora pra burro ficar olhando os números passarem até completar o limite de 60 segundos, as pessoas subestimam muito as pequenas coisas, e são justamente elas que formam o todo. 


 O ponto onde eu quero chegar é que a idade, analogamente, se equipara as horas e ao se apegar a isto você tem um limitado conhecimento do seu próprio tempo, um outro exemplo é que a medida em que vamos envelhecendo os aniversários perdem cada vez mais a graça até o ponto onde não faz a menor diferença alguém lembrar ou não do dia em que você nasceu. Eu acredito que tenho apenas um ano de vida e esse ano segue respectivamente do dia em que nasci até o dia de minha morte, foi a maneira que achei de eliminar essa frustração de olhar pra trás e ver que já perdi muito tempo ou então a de olhar pro futuro e enxergá-lo demasiadamente distante ou incerto, a grande verdade é que você perde mais tempo pensando no que deveria ter feito ou no que tem de fazer do que das bobagens que você fez no passado ou das oportunidades que você perdeu e que poderiam mudar teu futuro, todo mundo olha apenas para os macros e é por isso que o tempo parece tão curto.
 

Se eu disser para um garoto de 16 anos, "pivete, estude, treine e não perca tempo com bobagens que daqui a 14 anos você colherá os frutos de seus esforços", por mais que ele se sinta impactado no momento, vai ser muito difícil pra ele ficar focado ou motivado por tanto tempo ainda mais nessa idade onde qualquer coisa tem a capacidade de impressionar visto tamanha imaturidade que se costuma ter, agora diga pra um homem de meia idade que ele já perdeu tempo demais nessa estrada e deposite nele uma carga imensa de pressão, a tendência é ele desistir até por conta da couraça que vamos criando no decorrer da vida onde se prioriza a segurança e o conforto. Essas polarizações são tóxicas ao desenvolvimento pois te impedem de viver no presente, cada segundo, minuto e hora do dia é importante muito mais do que um plano muito longo visto que imprevistos acontecem a todo instante. Planejar a longo prazo é sempre bom mas nenhum planejamento leva em consideração os imprevistos que acontecem na vida, é como em um fatídico dia você estar num escritório tedioso e noutro sua cidade ser engolida por um furacão, num dia você tem uma noção chata sobre a vida noutro, caso sobreviva, você tenderá a apreciar melhor seus dias aqui nesse planeta. Eu acredito que é mais conveniente tocar a vida em meio à incertezas e imprevistos do que diante de um planejamento sólido e sem margem para modificações. 


 A retórica pode até mesmo influenciar o modo como alguém pode perceber tais eventos, se alguém muito apressado e que tem um compromisso importante as 16:00 hrs lhe perguntar as horas e você constatar no relógio 15:45hr, ao dizer "faltam 15 minutos", essa pessoa poderá ter uma pontada no peito de ansiedade e/ou calafrios, já se você dizer, "é 15:45hr" a tendência é a pessoa não se sentir tão impactada como no exemplo anterior então tudo parte do pressuposto de enganar o cérebro. Ao dizer, tenho 16 anos, o futuro além de incerto é longínquo mas se eu disser, tenho 45 anos, parece que metade da minha vida foi ceifada pelo tempo, a melancolia é notória. Se eu disser que tenho apenas um ano e ele se decorre por toda a extensão de minha vida, eu não poderei começar no próximo ano, eu tenho que começar hoje, agora, se eu sinto vontade de estudar oratória por exemplo, não preciso esperar o momento perfeito para isso, posso começar hoje, nesse exato instante depois é só manter o ritmo e a partir daí traçar pequenas metas espaçadas com recompensas periódicas... por mais utópico que essa visão seja, até a ciência vos prova que nada se conquista com ansiedade ou com melancolia, o otimismo ainda é a melhor escolha. A intensidade daquela sensação que temos ao estabelecermos um objetivo de vida a longo prazo será igual a intensidade da frustração caso não alcancemos. 
 

Responda-o
#30
Eu discordo de muita coisa...
Na minha opinião 30 anos não né mais a idade marco...
Acho que com o aumento da expectativa de vida devemos ter a idade marco como 40 anos.
Eclesiastes 9:11
Responda-o
#31
Concordo com o @Daredevil  realmente a meta parece um mundo de algodão doce e unicórnios. Parece que depois dos 25 anos essa listas de "como ser homem", "hábitos de vencedores", "o que ter e conhecer com tal idade", etc e tal, perdem totalmente o sentido e são até engraçadas de ler. A vida é uma aleatoriedade tamanha que encarcerar ela em algumas metas tangíveis altamente (ou melhor, supostamente) controláveis chega a ser tragicômico quando você chega do outro lado, ou seja, passa dos 30. Não consigo me imaginar vivendo de uma maneira claustrofóbica, limitando ou planejando cada passo, afinal de contas, nem sabemos se estaremos vivos hoje a noite.

Esse tendência moderna de encaixotar a vida em aquisições que vão determinar dentro de alguma medida arbitrária favorável ao consumismo (sempre ele) se você tem ou não sucesso é a fonte dessa onda de frustração e depressão que acabam com a vitalidade dos homens comuns. Nosso fim último é ter coisas, posses para mostrar para o mundo que temos sucesso, mas nosso verdadeiro ímpeto masculino que é servir a algum propósito é esquecido. Vocês não deveriam se perguntar "o que ter com tal idade " mas sim antes de qualquer coisa, COMO TER E PORQUE EU QUERO TER. Para ser alpha, comer LCR´s, ter carro top, trincado, bronzeado com 40 de braço e poder se vangloriar para pessoas rasas mais sem graça que você mesmo que tem um ap quitado num bairro nobre? Todas as metas perdem o sentido se você não sabe responder o pq delas, e essa resposta não está na nossa percepção material e consumista da vida.

O que eu diria para os jovens hoje, o que eu gostaria de ter ouvido lá no passado? Descubram o propósito de vida de vocês fazendo cada empreendimento que se propuserem a fazer, como se fosse o último. Deem a vida em cada ação, façam o melhor que nesse processo o seu significado de vida aparecerá e o sucesso financeiro ou o que for semelhante a isso será apenas uma consequência. Se fracassarem, tenham a certeza que fracassaram dando o melhor que puderam, não tenham preguiça de viver, de tentar fazer acontecer, de aprender, de ERRAR! não tenham crenças limitantes, e eu vejo essas listas como crenças limitantes. 

Eu já tenho 30, tenho algumas coisas dessa lista, e outras eu sei que estão longe, tenho objetivos lógico, todos temos, mas esse é o tipo de coisa que não faz mais sentido. Alguns vão dizer que essas metas são parâmetros para ter uma vida tranquila e segura. Eu sei disso, mas pq você quer segurança afinal? Guardar dinheiro é importante sim, eu já disse isso em alguma postagem minha, pq infelizmente precisamos do dinheiro pra tudo nesse mundo, inclusive para tornar realidade sonhos e a nossa verdadeira vocação, por isso saber aproveitar cada momento é tão fundamental, mas eu acho que esse mensagem quase ninguém vai entender direito.
"Compreendi o tormento cruciante do sobrevivente da guerra, a sensação de traição e covardia experimentada por aqueles que ainda se agarram à vida quando seus camaradas já dela se soltaram."  (Xeones para o rei Xerxes)

Responda-o
#32
Spoiler Revelar
(30-08-2019, 08:40 AM)Héracles Escreveu: Concordo com o @Daredevil  realmente a meta parece um mundo de algodão doce e unicórnios. Parece que depois dos 25 anos essa listas de "como ser homem", "hábitos de vencedores", "o que ter e conhecer com tal idade", etc e tal, perdem totalmente o sentido e são até engraçadas de ler. A vida é uma aleatoriedade tamanha que encarcerar ela em algumas metas tangíveis altamente (ou melhor, supostamente) controláveis chega a ser tragicômico quando você chega do outro lado, ou seja, passa dos 30. Não consigo me imaginar vivendo de uma maneira claustrofóbica, limitando ou planejando cada passo, afinal de contas, nem sabemos se estaremos vivos hoje a noite.

Esse tendência moderna de encaixotar a vida em aquisições que vão determinar dentro de alguma medida arbitrária favorável ao consumismo (sempre ele) se você tem ou não sucesso é a fonte dessa onda de frustração e depressão que acabam com a vitalidade dos homens comuns. Nosso fim último é ter coisas, posses para mostrar para o mundo que temos sucesso, mas nosso verdadeiro ímpeto masculino que é servir a algum propósito é esquecido. Vocês não deveriam se perguntar "o que ter com tal idade " mas sim antes de qualquer coisa, COMO TER E PORQUE EU QUERO TER. Para ser alpha, comer LCR´s, ter carro top, trincado, bronzeado com 40 de braço e poder se vangloriar para pessoas rasas mais sem graça que você mesmo que tem um ap quitado num bairro nobre? Todas as metas perdem o sentido se você não sabe responder o pq delas, e essa resposta não está na nossa percepção material e consumista da vida.

O que eu diria para os jovens hoje, o que eu gostaria de ter ouvido lá no passado? Descubram o propósito de vida de vocês fazendo cada empreendimento que se propuserem a fazer, como se fosse o último. Deem a vida em cada ação, façam o melhor que nesse processo o seu significado de vida aparecerá e o sucesso financeiro ou o que for semelhante a isso será apenas uma consequência. Se fracassarem, tenham a certeza que fracassaram dando o melhor que puderam, não tenham preguiça de viver, de tentar fazer acontecer, de aprender, de ERRAR! não tenham crenças limitantes, e eu vejo essas listas como crenças limitantes. 

Eu já tenho 30, tenho algumas coisas dessa lista, e outras eu sei que estão longe, tenho objetivos lógico, todos temos, mas esse é o tipo de coisa que não faz mais sentido. Alguns vão dizer que essas metas são parâmetros para ter uma vida tranquila e segura. Eu sei disso, mas pq você quer segurança afinal? Guardar dinheiro é importante sim, eu já disse isso em alguma postagem minha, pq infelizmente precisamos do dinheiro pra tudo nesse mundo, inclusive para tornar realidade sonhos e a nossa verdadeira vocação, por isso saber aproveitar cada momento é tão fundamental, mas eu acho que esse mensagem quase ninguém vai entender direito.

Fechou o tópico!

[Image: tenor.gifhttp:]
Responda-o
#33
Recebi um inbox de um confrade sobre esse tópico, perguntando sobre algumas experiências pessoais minhas e eu gostaria de contribuir além do que contribuí com o cara.

Concordo totalmente com o que o Herácles e com o Daredevil disseram. Também já entrei na casa dos 30 e antes de conhecer a real sofri de várias baixas que drenaram minha vitalidade, muitos de ordem emocional. Após ler muito o LR e o búfalo, aprendi a me olhar de fora para dentro e então esses tópicos sobre "o que fazer até os 20, 30, 100" perderam um pouco do brilho para mim. São fundamentais, pois tem conselhos que eu gostaria de ter recebido aos 16, 18 anos, que me levariam a ter hoje uma vida bem melhor.

Não querendo conspirar (por isso não vou me aprofundar), gosto muito de refletir sobre coisas, situações e sobre mim mesmo. Notei que o tempo tem passado de uma forma muito mais rápida do que 30, 40 anos atrás e consegui equacionar isso (fiz um rascunho básico que acabou virando lixo). O fato é que um guri com 18 anos hoje é totalmente diferente de um com 18 nos anos 80. A cabeça é diferente, a vida é diferente, digamos que 18 anos hoje meio que equivale à um moleque com 13 anos nos anos 70 (no sentido de responsabilidade, trabalho, etc), o que me leva a acreditar que a idade tem virado apenas um número e essa história de que "as pessoas estão vivendo mais" nada mais é do que os dias passando mais rápido.

Onde quero chegar com isso!? É que é meio superficial creditar metas e objetivos à todos sendo que nem todos são iguais. Tem gente que tem milhares de oportunidades na vida, portas abertas, já outras tem uma vida um pouco mais difícil. Essas terão que se desgastar N vezes mais para chegar em um mesmo ponto do que seu semelhante.

Por experiência própria eu digo, se tu se comparar muito, a depressão vem. Comparações devem ser feitas sempre com base em um referencial em comum (quem é da área de exatas vai entender bem o meu exemplo). O que mais importa é tu despertar, seja aos 16, seja aos 30 ou seja aos 50. Estar na ignorância não é feio, feio é estar nela, saber e permanecer por escolha.

Fiz escolhas ruins na minha vida, como disse há alguns posts acima. Acabei fazendo escolhas ruins para formação acadêmica (além de limitações pessoais). Passei pelo que tinha que passar e isso tem moldado muito a minha personalidade, modéstia à parte, tenho me apaixonado pela pessoa em que estou me tornando e MUITO DISSO se deve ao conteúdo que a Real disponibilizou.

Ainda tenho meus momentos de frustração ao me comparar com pessoas que fizeram escolhas mais assertivas!? Sim, mas isso tem se tornado cada vez menos frequente à medida que a dor e a vida me caleja.

"O maior desenvolvimento e as maiores criação acontecem em tempos de guerra, apesar de toda dor e perda". O importante é despertar, se for aos 16, maravilha, se for aos 50, bom também, afinal, "o passado não existe mais".
Responda-o
#34
(31-08-2019, 06:00 PM)Seattle Escreveu:
Spoiler Revelar
 
Recebi um inbox de um confrade sobre esse tópico, perguntando sobre algumas experiências pessoais minhas e eu gostaria de contribuir além do que contribuí com o cara.

Concordo totalmente com o que o Herácles e com o Daredevil disseram. Também já entrei na casa dos 30 e antes de conhecer a real sofri de várias baixas que drenaram minha vitalidade, muitos de ordem emocional. Após ler muito o LR e o búfalo, aprendi a me olhar de fora para dentro e então esses tópicos sobre "o que fazer até os 20, 30, 100" perderam um pouco do brilho para mim. São fundamentais, pois tem conselhos que eu gostaria de ter recebido aos 16, 18 anos, que me levariam a ter hoje uma vida bem melhor.

Não querendo conspirar (por isso não vou me aprofundar), gosto muito de refletir sobre coisas, situações e sobre mim mesmo. Notei que o tempo tem passado de uma forma muito mais rápida do que 30, 40 anos atrás e consegui equacionar isso (fiz um rascunho básico que acabou virando lixo). O fato é que um guri com 18 anos hoje é totalmente diferente de um com 18 nos anos 80. A cabeça é diferente, a vida é diferente, digamos que 18 anos hoje meio que equivale à um moleque com 13 anos nos anos 70 (no sentido de responsabilidade, trabalho, etc), o que me leva a acreditar que a idade tem virado apenas um número e essa história de que "as pessoas estão vivendo mais" nada mais é do que os dias passando mais rápido.

Onde quero chegar com isso!? É que é meio superficial creditar metas e objetivos à todos sendo que nem todos são iguais. Tem gente que tem milhares de oportunidades na vida, portas abertas, já outras tem uma vida um pouco mais difícil. Essas terão que se desgastar N vezes mais para chegar em um mesmo ponto do que seu semelhante.

Por experiência própria eu digo, se tu se comparar muito, a depressão vem. Comparações devem ser feitas sempre com base em um referencial em comum (quem é da área de exatas vai entender bem o meu exemplo). O que mais importa é tu despertar, seja aos 16, seja aos 30 ou seja aos 50. Estar na ignorância não é feio, feio é estar nela, saber e permanecer por escolha.

Fiz escolhas ruins na minha vida, como disse há alguns posts acima. Acabei fazendo escolhas ruins para formação acadêmica (além de limitações pessoais). Passei pelo que tinha que passar e isso tem moldado muito a minha personalidade, modéstia à parte, tenho me apaixonado pela pessoa em que estou me tornando e MUITO DISSO se deve ao conteúdo que a Real disponibilizou.

Ainda tenho meus momentos de frustração ao me comparar com pessoas que fizeram escolhas mais assertivas!? Sim, mas isso tem se tornado cada vez menos frequente à medida que a dor e a vida me caleja.

"O maior desenvolvimento e as maiores criação acontecem em tempos de guerra, apesar de toda dor e perda". O importante é despertar, se for aos 16, maravilha, se for aos 50, bom também, afinal, "o passado não existe mais".
 

Queria dizer mais uma coisa, esqueci, perdi o tempo para editar o tópico, mas lá vai. 

Muito da minha mentalidade sobre objetivos para se fazer até os 20, 30, X anos desmoronou quando eu li uma pesquisa/estatística que dizia que um grande percentual das pessoas residentes no Brasil recebem/ganham/vivem com até R$1500,00. Não lembro o número exato mas era a absoluta maioria. Outra estatística também me chamou a atenção, a maior parte dos brasileiros tem algum tipo de dívida que corrói o orçamento, além de não conseguir poupar sequer R$50,00 por mês. 

Em resumo, quando eu olhava para cima, via amigos recebendo R$5 mil, R$10 mil, R$20 mil que seja, fui me frustrando e definhando, levando minha vitalidade e fazendo com que eu me sentisse um bosta, porque, à cada reajuste desses caras, o abismo aumentava. 

Quando encontrei essa pesquisa que me fez olhar para trás, vi que, mesmo tendo, atualmente, rendimentos baixos, estou em uma situação melhor do que a infinita parte dos Brasileiros. Desde então, comecei a exercitar a gratidão e, por me preocupar menos com isso (tem dias que ainda me frustro), tudo começou a fluir melhor.
Responda-o


Pular fórum:


Usuários visualizando este tópico: 1 Visitante(s)