Avaliação do Tópico:
  • 0 Voto(s) - 0 em Média
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
A verdade sobre mães solteiras
#1
A verdade sobre mães solteiras
Por Stefan Molyneux -31/07/2023

[Artigo extraído da apresentação The Truth About Single Moms] e do https://rothbardbrasil.com/a-verdade-sob...solteiras/

Esta é a verdade sobre mães solteiras. Sim, é hora de ficar confortável. Pegue seus ovários, puxe uma almofada porque isso vai ser demorado, mas eu prometo a você, vai ser fascinante, alucinante e transformador para você.

Para ser honesto, devo dizer antes de mais nada que eu fui criado por uma mãe solteira. Meus pais se divorciaram quando eu era criança e meu pai se mudou para a África. Cresci na Inglaterra e no Canadá e agora sou casado e feliz há 13 anos. Eu, como pai, estive sempre presente em casa porque não há nada melhor do que uma possível supercompensação; então eu meio que possuo uma visão do assunto de ambos os lados.

A análise será fortemente baseada em dados, mas primeiro precisamos falar sobre o conflito subjacente na sociedade e, eu diria, dentro da condição humana. Você sabe como sempre queremos descansar, mas o descanso nos faz mal. Sempre queremos mais calorias do que precisamos, mas o excesso de peso é ruim para nós. Esses são aspectos fundamentais de ser uma entidade biológica baseada em carbono e um dos conflitos mais fundamentais da sociedade que realmente aparece nessa situação de mãe solteira, essa explosão de maternidade solteira no Ocidente nos últimos 40 ou 50 anos é a relação entre risco e segurança.

Então considere os seguros. Você tem uma casa e compra um seguro contra roubo. Bem, se você nunca for roubado, então você perde muito dinheiro sem propósito, mas o ponto é que você não sabe com antecedência se será roubado ou não. Se você não fizer um seguro e for roubado, você perderá ainda mais dinheiro. Agora, a razão pela qual as pessoas fazem seguro contra roubo é porque as pessoas são roubadas e, se forem roubadas, não recebem nada. Essa é a motivação fundamental dessas coisas.

E não há resposta certa, são apenas benefícios constantes. Não há resposta certa para isso. Ambrose Peters destacou que algumas pessoas escolherão comprar seguro e claramente estão pagando mais do que seu risco generalizado; caso contrário, a seguradora não poderia ganhar dinheiro. Mas elas estão pagando menos do que seu risco específico, como se fossem roubadas. Algumas pessoas dizem: “Esqueça, é um esquema para pegar otários. As chances de ser roubado são muito baixas, então não vou comprar seguro” e muitas dessas pessoas se dão bem e muitas outras não.

É como quando você era criança, você tem uma prova chegando e quer realmente andar de bicicleta em vez de estudar para a prova. Bem, você pode ir andar de bicicleta e talvez você se saia bem na prova. Talvez seja mais fácil do que você pensa, talvez o professor fique doente, ou talvez algo aconteça e você não precise fazer a prova naquele dia. Então você está incorrendo naquele tipo de risco e recompensa onde se você não anda de bicicleta e estuda para a prova, provavelmente vai se sair melhor na prova.

Então, qual é a resposta certa? Bem, é difícil dizer. Mas acho que a maioria das pessoas que estuda para a prova não gostaria que alguns de seus pontos nas notas das provas fossem retirados e dados às crianças que não estudaram para a prova.

Da mesma forma, como no nosso país, muitas leis entraram em vigor no seguro de saúde que diziam que você não poderia recusar o seguro de saúde de alguém se ele tivesse uma condição pré-existente. Em outras palavras, você não pode recusar seguro saúde para alguém que já está doente. Então é claro que muitas pessoas apenas concluíram que se não puderem dizer não para elas se elas já estiverem doentes, elas iriam esperar até ficarem doentes para então solicitarem um seguro de saúde. E não é nada assim que supostamente deveria funcionar no livre mercado. É como pegar o telefone e ligar para a companhia de seguros e dizer: “Ei cara, eu realmente preciso de um seguro contra roubo porque estou sendo roubado neste momento”. Eles diriam: “É um pouco tarde para isso”. Essas coisas devem ser feitas quando ainda não sabemos o que vai acontecer.

Então, se não há mais a permissão de discriminar pessoas com condições pré-existentes, tipo não poder recusar seguro para alguém que já estiver doente, o que ocorreu foi como dizer: “Tudo bem. Vou esperar até ficar doente, e aí vou solicitar o seguro.” Isso eleva enormemente o preço do seguro e então as pessoas têm que ser forçadas a comprar seguro porque o incentivo é esperar até que você fique doente para comprar seguro e então você acaba tendo algo como o Obama Care. É assim que as bolas de neve geralmente funcionam. Quando você começa a mexer com os riscos e recompensas da sociedade humana, é um grande desafio, um grande problema, as coisas se desenrolam absurdamente rápido.

Então, por que existe maternidade solteira hoje em dia? Bem, provavelmente há muitas razões, mas a mais fundamental é que o custo da maternidade solteira foi transferido das famílias de mães solteiras, dos pais de mães solteiras, para a sociedade como um todo. Você pode considerar a democracia e os impostos como uma forma de seguro após o fato, onde você tem impostos, você substitui o seguro. Então, certamente, quando você socializou a medicina como aqui no Canadá, então você realmente não tem muito mercado para seguros de saúde. Ainda há um pouco para as coisas que não estão cobertas. Mas a tributação substitui o seguro.

Agora, há também um outro tipo de seguro que quero mencionar. Quando se é muito querido em uma determinada comunidade, isso é um tipo de seguro. Fui diagnosticado com câncer há alguns anos e tive que fugir do Canadá porque o sistema de saúde aqui simplesmente não estava funcionando, pois me diagnosticou erroneamente por um ano e não me fez a operação de que precisava, então fui para os Estados Unidos. Eu revelei minha situação através dos meus canais e as pessoas se prontificaram a ajudar pois gostam do que eu faço e acho que gostam de mim e querem que eu continue fazendo isso, então elas pagaram minha conta de saúde.

Portanto, existe este tipo de seguro e essa é outra maneira de você se proteger das vicissitudes da vida, dos desafios e aleatoriedades que ocorrem na vida.

Então, no passado, eram os mais velhos que realmente tomavam nota, tutelavam, controlavam e, até certo ponto, cuidavam da sexualidade juvenil. E estamos falando de tempos antes de haver um controle de natalidade confiável. Portanto, se sua filha engravidasse, isso seria ruim para você como família. Não havia nenhum tipo de estado de bem-estar social em que você pudesse colocar sua filha e as contas delas seriam pagas. Sempre houve o “estado de bem-estar social” do sistema educacional público, que é uma creche socializada com capacidades entorpecentes.

Mas se sua filha engravidasse, certamente antes de 1973, quando o aborto foi legalizado nos EUA, você teria que esconder sua filha por seis meses ou mais. Ela teria a criança, a criança seria entregue para adoção e praticamente todo mundo saberia o que estava acontecendo e então a futura possibilidade de casamento de sua filha seria significativamente reduzida. Como se o valor dela no mercado de casamento diminuísse significativamente, e isso seria ruim. Você acabaria com um genro de qualidade inferior, em média, se sua filha engravidasse, o que significava que ela não teria muito dinheiro para ela, então você poderia ter que contribuir mais, então era muito ruim e isso é uma razão; e tem também sua honra familiar e assim por diante. Você seria revelado como um pai não muito bom, talvez de algumas maneiras, então esse é um resultado que poderia acontecer.

O segundo resultado é que você tentaria fazer um aborto. Particularmente quando era ilegal, isso era horrível e extremamente arriscado e perigoso e todo esse tipo de coisa, então isso também era ruim. Ou você pode fazer o menino se casar com sua filha, o casamento forçado. Mas então o que você está fazendo é convidar um cara de qualidade relativamente baixa que engravidou sua filha para se tornar apenas um pool genético para sempre e viver com você em seu ambiente geral pelos próximos 40 anos – coisa que está bem longe de ser uma boa solução.

Portanto, existem muitas maneiras diferentes. Ou, é claro, a filha poderia simplesmente ter o bebê no qual você, como avô, seria responsável por pagar, criar, sustentar e assim por diante.

Todos esses são resultados altamente negativos e, como revertem para os indivíduos, e não para o coletivo social e a tributação, os indivíduos realmente se envolveram no gerenciamento da sexualidade feminina e da sexualidade masculina e porque, antes do controle de natalidade confiável, o sexo carregava consigo um determinado compromisso de 20 anos ou mais na criação de um filho. Era por isso que você precisava de compromisso. Antes de liberar os demônios felizes da sexualidade juvenil, você precisava de pessoas comprometidas. É por isso que havia sexo depois do casamento, porque continha esse requisito implícito de compromisso de produzir um ser humano que vai precisar de recursos por 20 anos ou mais.

Então, no passado, havia muito foco em acompanhar e criar os filhos da maneira certa, para que eles não fizessem muito sexo ou não fizessem sexo desprotegido com alguém. Quando o estado de bem-estar social surgiu, isso corroeu tudo e agora os pais não precisam ser os aplicadores da lei, eles não precisam ser os exterminadores de testículos de possíveis progenitores. Muitos deles, é claro, ainda o fazem, mas as motivações financeiras não estão presentes. Portanto, o risco de ser uma mãe fora do casamento, ser uma mãe solteira, diminuiu enormemente e, de certa forma, as recompensas aumentaram. E isso é meio que um seguro após o fato através da redistribuição forçada de renda sob o sistema tributário. Esse é o conflito que está acontecendo na sociedade no momento.

Então, esse é apenas o pano de fundo geral, obrigado por sua paciência. Eu acho que é uma coisa muito importante para se ter em perspectiva. Agora podemos mergulhar fundo nos dados, explodir sua mente com uma série de gráficos esperançosamente não muito fálicos; esta é a verdade sobre mães solteiras.

Pois bem, eu cresci sem pai e cresci assistindo tv – era meio retrô, mas eu assistia programas como Leave it to Beaver onde os pais eram bastante positivos. Mas isso me deixou meio ressentido porque se esse modelo positivo de pai estava ausente da minha vida, isso significava que minha mãe basicamente me colocou sob o cara errado ou ela foi incapaz de manter o cara certo ou algo assim. Mas algo estava faltando e eu realmente sinto falta disso e lamento ter crescido sem um pai. Eu poderia continuar indefinidamente, mas posso citar apenas pequenos exemplos, como aprender a fazer a barba. Aprendi em uma revista em algum lugar – isso foi antes do YouTube. Não sei se há instruções de barbear no YouTube – provavelmente sim – para todas as crianças sem pai. Mas, como não estava depilando as pernas, não poderia pedir muita ajuda à minha mãe. É como aquele filme de Michael Keaton, “Desta forma, não desta forma.” É assim que você se barbeia. Mas apenas pequenas coisas assim.

O que substituiu os pais para muitas crianças, muitos dos meninos em particular que estão crescendo sem seus pais e as filhas, é claro, é a mídia, é como os pais são retratados na mídia. Isso piorou progressivamente desde os anos 1950 e início dos anos 1960. Realmente ficou terrível a ponto de você quase simplesmente não conseguir encontrar nenhum tipo de modelo positivo nos pais da mídia. E há muitas razões para isso, mas acho que uma razão fundamental é que as mães solteiras não querem que seus filhos sejam expostos a modelos masculinos muito positivos, porque então as crianças vão se ressentir das mães solteiras se perguntando coisas como “Onde está esse grande pai que vejo na mídia?” Então, quando não temos algo, tendemos a rebaixá-lo. Como diz aquela velha fábula sobre a raposa que tenta pegar as uvas da treliça, não consegue alcançá-las e diz: “Ah, elas provavelmente estão azedas mesmo”.

[Image: 1.jpg]

E assim fazer declarações depreciativas sobre algo que você não pode ter é um impulso humano inevitável e esta é uma das razões. Há tantas crianças crescendo sem modelos masculinos positivos e, portanto, você tem modelos masculinos negativos na mídia. É inevitável. Isso é verdade em particular para comerciais, mas também é verdade para programas de tv. Os homens são como retardados funcionais, não conseguem amarrar os sapatos, não podem ter um papel importante na criação de uma família, estão sempre fora de sintonia, sempre retrô, sempre ridículos, sempre ruins.

É uma grande epidemia. Nos Estados Unidos, 27,4 milhões de crianças vivem longe de seus pais biológicos, 1/3 de todas as crianças do país; 17,7 milhões ou 39% dos alunos da 1ª à 12ª série têm seus pais biológicos ausentes em suas casas. Agora, isso não significa que eles nunca vejam seus pais, não significa que não haja padrastos, mas que seus pais biológicos são ausentes. Não é só nos EUA. A quantidade de crianças nascidas fora do casamento a cada ano é impressionante. A falta de pai está associada a uma longa lista de resultados negativos para a criança. Veremos isso um pouco mais adiante.

Agora é claro que você vai ouvir sobre as mães solteiras nobres corajosas, trabalhadoras e dedicadas, mas o que dizem os dados, qual é a verdade sobre a maternidade solteira?

Então vamos dar uma olhada aqui. No estudo de séries televisivas, o número de vezes que uma mãe contava uma piada às custas do pai aumentou de 1,8 vez por episódio na década de 1950 para 4,3 vezes por episódio na década de 90. Os pais da classe trabalhadora são duas vezes mais propensos do que os pais da classe alta a serem considerados o alvo da piada. Agora, esta é apenas uma pequena fração de como os homens são retratados negativamente, mas é algo que pode pelo menos ser medido, portanto, 2 a 3 vezes mais. O pai zombava da mãe, a mãe zombava do pai.

[Image: 2.jpg]

Então, na década de 1950, o pai zombava muito mais da mãe, você pode pensar no tipo de coisa que ocorria em I Love Lucy. E agora, na década de 1990, a mãe zomba do pai quase o dobro do que costumavam fazer nessa proporção. E, novamente, isso ocorre porque elas são mães solteiras e não há pais por perto e é doloroso para crianças sem pais serem expostas a modelos masculinos positivos. Existe apenas essa demanda inconsciente por esse rebaixamento da masculinidade.

E quanto as crianças estão sendo expostas a isso? Bem, em grande quantidade – uma quantia enorme. A televisão tem uma enorme influência nas crianças desde muito cedo. Estas são estatísticas de crianças de 8 a 18 anos e, como você pode ver, são quase oito horas de mídia por dia. E isso são tablets, TVs e computadores e assim por diante. E quando eles têm 11 a 14 anos, são quase 12 horas por dia. São quase 12 horas por dia, é dickensiano. Devem tê-los enfiado em chaminés com telas. Desce um pouco 15 a 18, 11 a 23 provavelmente para meninos por causa do túnel carpal dos 11 aos 14 anos. Homens um pouco mais que mulheres, crianças brancas, crianças de famílias brancas 8 horas e meia de mídia; Crianças hispânicas 13 horas de mídia; quase o mesmo para os negros. Portanto, não o dobro, mas muito mais entre os jovens hispânicos e negros.

[Image: 3.jpg]

E é claro que as feministas estão constantemente protestando contra a representação de mulheres na televisão. E se você olhar para Gamergate ou os comentários de Anita Sarkeesian sobre como as mulheres são retratadas nos videogames, as feministas têm um foco muito poderoso e forte em como as mulheres são retratadas na mídia.

Você ouve muito sobre como os homens são retratados na mídia? Eu diria que não, pelo menos não proporcionalmente às mulheres, mas em um grau em que os homens são retratados negativamente na mídia. Eu argumento que supera em muito a forma como as mulheres são retratadas negativamente. E não é somente que os homens sejam idiotas, os homens também são frios e violentos. Como um James Bond, um Schwarzenegger, homens sendo frios e violentos ou incompetentes. Ambos, é claro, são altamente negativos para a sociedade.

Então, vamos dar uma olhada rápida na proporção de casamento e divórcio.

[Image: 4.jpg]

Esta linha vermelha superior é a taxa de casamento por mil pessoas. Não quer dizer que 16 pessoas se casaram. Em cada ano em particular – de 1930 a 2011 – você pode ver esse grande pico no período pós-guerra, quando todos os homens voltaram da Segunda Guerra Mundial, do baby boom e assim por diante. Esta é a taxa de divórcio, como você pode ver, é muito baixa, abaixo de 2 por mil e depois subindo para quase 6 por mil e agora está estabilizada. Mas ela se estabilizou porque as taxas de casamento estão caindo, então menos pessoas estão se casando, portanto, menos pessoas estão se divorciando. A linha laranja é a relação casamento-divórcio, então quando é maior significa que há menos divórcios e quando é menor você pode ver. E isso é uma grande coisa para as crianças. Entre 25% e 50% das crianças com pais divorciados nunca ou quase nunca veem seus pais, e isso é terrível.

[Image: 5.jpg]
Nascimentos fora do casamento (EUA)
Este é um gráfico de nascimentos fora do casamento nos Estados Unidos. E como você pode ver, em 1940, apenas 4% das crianças nasciam fora do casamento e, em 2010, são 41%. Portanto, é um aumento massivo desde 1950. É um aumento de dez vezes desde 1950.

De acordo com o efeito Flynn – de James Flynn, que já esteve no meu programa – ele apenas apontou que o QI está subindo a cada geração e, portanto, são pessoas mais inteligentes que têm mais filhos fora do casamento. E eu apenas assumiria que a grande tragédia é que as pessoas não estão recebendo os fatos sobre como é difícil e, de fato, perigoso para as pessoas e para a sociedade que as crianças nasçam fora do casamento. E por casamento não me refiro necessariamente a uma instituição legal formal do governo, mas simplesmente a uma espécie de compromisso público com obrigações contratuais. Não precisa ser baseado no governo, mas o casamento é anterior ao governo.

Então, vamos ver os nascimentos fora dos casamentos por estado.

[Image: 6.jpg]

[Image: 7.jpg]

Estes são os “melhores” estados dos EUA e são divididos pelos principais grupos raciais. O outro provavelmente inclui nativos americanos, asiáticos e assim por diante. Mas, como você pode ver aqui em Utah, apenas 18,7% dos nascimentos são fora do casamento, contra 32,5% em Washington. É um grande desafio falar sobre as estatísticas dos EUA, onde as características raciais influenciam muito a forma dos dados. Então, como você pode observar, a taxa mais alta, 54,7% está no Mississippi e 63,6% deles estão na comunidade negra; Novo México, claro, alto em hispânicos, 20,1% são provavelmente nativos americanos no Novo México; Distrito de Columbia, 77% dos nascimentos fora do casamento para a comunidade negra e assim por diante. Embora raça seja um desafio para se falar, ela realmente precisa estar aqui para explicar alguns dos dados.

Não é apenas um problema americano. Os EUA representam 41% de nascimentos fora do casamento, Canadá 27%, México 55%, Austrália 33%, Nova Zelândia 49%. Na Europa Ocidental, temos desde a alta de 56% na França até a baixa de 28% na Itália, sem dúvida como resultado das intensas pressões católicas sobre sexo e casamento. É um problema da Europa Ocidental também. Olhando um pouco mais ao redor do mundo, Israel 5%, Turquia 3%, Hungria 45%.

https://rothbardbrasil.com/wp-content/up...3/07/8.jpg

Assim, nas federações russas e ex-russas ou nos condados do ex-bloco soviético, muito mais alto e claro, o comunismo empreendeu um ataque direto contra o que eles consideram ser a família burguesa após a revolução de 1917 e particularmente após a incorporação da Europa Oriental após a Segunda Guerra Mundial houve um ataque massivo à família, cuja apresentação podemos vincular abaixo.

Na África Subsaariana, de um mínimo de 6% na Nigéria para um máximo de 63% na África do Sul. E, novamente, por mais fascinante que seja investigar os porquês, isso tornaria uma longa apresentação ainda mais longa. Difícil não identificar o atípico, nascimentos fora do casamento na Índia apenas 1%. Portanto, não é a natureza humana ou seria toda a natureza humana.

[Image: 9.jpg]

E as Filipinas, é claro, foram um satélite dos EUA por algum tempo, ainda há 300.000 americanos, muitos cristãos lá. Portanto, Indonésia 3%, Japão 2%, Coréia do Sul 2%, Taiwan 4%.

[Image: 10.jpg]

Continua no próximo post....
"A paixão é como o álcool. Entorpece a consciência, elimina a lucidez, impede o julgamento crítico e provoca alucinações, fazendo com que o ser amado seja visto como divino." Como lidar com Mulheres - Nessahan Alita
Responda-o
#2
Você pode olhar se quiser estratégias reprodutivas r/K, que foram diferenciadas por alguns pensadores entre as raças, se quiser olhar mais sobre isso. Nascimentos fora do casamento América Central e do Sul, Argentina 13%, Colômbia uma abertura de pernas de cair o queixo 84% e bastante alta fora do atípico argentino.

[Image: 11.jpg]

Nascimentos fora do casamento nos EUA 41%, no Peru com 76%, Colômbia com 84%.

[Image: 12.jpg]

A maternidade solteira foi desaprovada de forma significativa e foi associada ao ataque socialista. Na verdade, existe um livro do início dos anos 1900 chamado algo como Pais ausentes e o Socialismo. Uma espécie de objetivo do socialismo é arrancar o pai, rebaixar o pai, o que torna as mulheres mais dependentes do estado, o que permite o crescimento do poder do estado de acordo com alguns pensadores.

[Image: 13.jpg]
Índice de aprovação da maternidade solteira

Esta é a porcentagem de adultos que aprovam uma mulher que quer ter um filho como mãe solteira, mas não quer ter um relacionamento estável com um homem. Para aqueles da minha idade ou um pouco mais jovens, suponho, houve uma série de episódios de Murphy Brown com Candice Bergen, onde ela, como personagem, decidiu ter um filho fora do casamento. Dan Quayle criticou isso e então todas as harpias selvagens do feminismo e da esquerda voaram sobre sua jugular como um bando de morcegos vampiros. E embora muitas pessoas – é como o relatório de Patrick Moynihan sobre as famílias negras da década de 1960 – perceberam em retrospectiva que valia a pena discutir o assunto, que com o tempo a reação é sempre muito forte.

Assim, a Alemanha, que tem uma maternidade solteira muito baixa, também tem baixa aprovação da maternidade solteira; Espanha muito alta. Esses valores se traduzem em resultados. A maioria das pessoas navega não de acordo com nenhuma filosofia objetiva ou racional, mas de acordo com o que é socialmente aprovado por aqueles ao seu redor. Em outras palavras, a maioria das pessoas está destinada a conseguir tudo o que podem conseguir sem se prejudicar, e é isso que elas fazem.

As crianças precisam de dois pais? Aqui está uma pesquisa. A Alemanha, claro, com baixa maternidade solteira tem um número muito alto de pessoas, quase 9 em cada 10 que dizem “Sim, as crianças precisam de dois pais”. A Suécia, com um massivo estado de redistribuição socialista, caiu 47%. Você pode ver os números aqui.

[Image: 14.jpg]

Então, com quem as crianças estão crescendo? Aqui você pode ver que são crianças americanas por estrutura familiar. Quase 60% são pais casados; pais coabitantes 3,5%; pais casados ​​e padrastos 5,1%; pais solteiros coabitantes e padrastos mãe solteira 21% quase; mãe solteira pai solteiro, muito baixa, 2,7%; pai coabitante e outros 3,9%.

[Image: 15.jpg]

Já falamos sobre isso antes, e nunca é demais repetir se você olhar para o verde brilhante aqui, abuso moderado e número de abuso grave de crianças por mil, o lugar mais seguro para as crianças é de longe o lar com pais biológicos casados.

[Image: 16.jpg]
Abuso infantil por estrutura familiar

Agora eu entendo e direi isso pela enésima vez nestas apresentações: você não pode atribuir automaticamente causalidade à correlação. Portanto, pode ser que as pessoas mais legais se casem mais e, portanto, o casamento e o não abuso de seus filhos sejam um subproduto de serem legais. A correlação e a causalidade são complicadas, caso contrário, os alienígenas do espaço desceriam, olhariam para o mundo e diriam “Aha! Os seres humanos são escravos dos cachorros porque eles recolhem suas fezes”. Mas, no entanto, é importante entender que se você não conseguir se casar e manter um relacionamento estável, terá uma probabilidade significativamente maior de abusar de seus filhos.

Novamente, esses números são baixos, mas os incidentes múltiplos, como você pode ver no abuso moderado, é quase dez vezes mais provável que uma mãe solteira com um parceiro tenha seus filhos abusados ​​normalmente do que se os pais biológicos fossem casados. Portanto, o não casamento é ruim, muito ruim para as crianças em termos de aumentar os incidentes de abuso.

Abuso infantil pelos pais, já falamos sobre isso antes e você pode acessar bombinthebrain.com para obter mais informações sobre isso. Abuso infantil pelos pais: quase metade das crianças que são abusadas são abusadas apenas pela mãe; ambos os pais 21%; pai e outros 1%; pai 22%; mãe e outros 7%.

[Image: 17.jpg]
Abuso infantil por pais

Agora, um dos fatos muito interessantes que aprendi ao fazer esse tipo de apresentação é que a maioria das pessoas tem uma compulsão automática de correr em defesa das mulheres. “Isso é incrivelmente machista”. “Isso ofende a responsabilidade moral da mulher, a capacidade moral e isso é horrível”. As mulheres são iguais aos homens e se você ouvir uma estatística negativa sobre um homem e não se apressar em defender os homens, não faça isso pelas mulheres. E se o fizerem para as mulheres, pelo menos façam-no para os homens, mas não vamos ter esta disparidade onde tentamos imediatamente encontrar desculpas para imoralidades por parte das mulheres.

E as pessoas dizem: “Bem, veja, mas mães ou mulheres estão muito mais expostas a crianças porque são as cuidadoras principais, então é claro que haverá mais abuso infantil”. Isso não é particularmente válido. Como se eu me aposentasse e acabasse batendo na minha esposa e dissesse “Bom policial, eu trabalhava. Agora estou muito mais em casa com minha esposa, então é claro que eu bato mais nela.” Ele não diria “Bem, isso parece legítimo para mim”. A exposição contínua não desculpa esse tipo de coisa. Eu trabalho com diamantes, então é claro, roubo essas coisas….

Então, novamente, vamos dividir isso um pouco por raça.

[Image: 18.jpg]
Filhos morando com os dois pais

Crianças morando com ambos os pais de 1960 até o presente, apenas no presente. É realmente surpreendente pensar que nas comunidades brancas, 96,9% das crianças viviam com ambos os pais em 1960. O que é ainda mais surpreendente, de certa forma, dada a atual desintegração das famílias negras, é que quase 66% das crianças negras vivem com ambas as famílias. Esses números têm diminuído e uma das razões pelas quais colocamos isso aqui é que há uma explicação geral, instintiva, para problemas na comunidade negra que é ficar repetidos as palavras racismo, escravidão; escravidão, racismo.

No entanto, em 1960, os negros estavam muito mais sujeitos ao racismo – isso foi quatro anos antes da Lei dos Direitos Civis. Em 1960, os negros estavam mais sujeitos ao racismo social e à falta de oportunidade, mas a estabilidade familiar era muito maior. Então não pode ser quando os negros estão mais longe da escravidão e mais longe do racismo mais institucionalizado que a família negra se desintegrou mais. Portanto, não podemos dizer que a causa é a escravidão e o racismo, o que não quer dizer que eles não tenham efeito, mas não podem ter um efeito mais fraco quase meio século depois da escravidão e do racismo institucionalizado. Isso não pode ter mais efeito agora do que naquela época, então deve ser outra coisa ou algo em conjunto com os efeitos prolongados da escravidão e do racismo, mas isso é realmente importante. Mais negros estavam saindo da pobreza no pós-guerra até …., o estado de bem-estar social. O estado de bem-estar social que muitas pessoas escreveram na época causaria uma desintegração da família e, claro, muitas pessoas disseram: “Oh, não seja ridículo” e agora os dados estão fazendo com que eles coloquem maionese de pimenta em suas palavras por um bom saboroso sanduíche de arrependimento.

Um pouco de gráfico de dispersão, eu entendo. Um pouco aleatoriedade aqui. Divorciados, separados, viúvos e nunca casados. Eu quero apontar isso também. Uma mãe solteira não significa viúva, não significa que o pai morreu. Isso se chama viúva. Mãe solteira é solteira, nunca se casou ou se divorciou. Solteira por opção, não por acaso

[Image: 19.jpg]
Crianças morando apenas com o pai

Então, temos um pouco aleatoriedade aqui e estamos comparando isso com… filhos vivendo com a mãe apenas em 1960, 8% até 2012, 24%. Esses números são um pouco mais coerentes na medida em que, se você observar quem nunca se casou, caiu de 5% ou 6% em 1968 para quase a metade agora e isso é muito importante. Você vê que o número de viúvos caiu consideravelmente se você olhar para 21%, 22% em 1968 para 3% agora. Portanto, a razão pela qual existem mães solteiras não é porque são viúvas, nem porque seus maridos morreram. Esses números são muito, muito mais baixos do que isso agora.

Então, o que está causando isso basicamente é não se casar; a que nunca se casou aqui subindo, ou se divorciou ou se separou. Separadas mesmo está caindo. Portanto, tem muito mais a ver com escolha do que com acidentes ou circunstâncias.

Filhos morando apenas com a mãe. Vamos olhar para a população negra.

[Image: 20.jpg]

Quase metade agora, mas em 1960 era apenas 20% das crianças negras que viviam apenas com a mãe. E você pode ver isso subindo de 5% ou 6% em 1960 para os brancos para 18,5% agora. Mas novamente agora aqui vemos que não podemos olhar para a desintegração das famílias negras e dizer “escravidão, racismo”. Isso é uma não-resposta e desafia os dados. Portanto, o fato de as crianças viverem apenas com a mãe, a comunidade negra mais do que dobrou desde 1960. Se você vai dizer “escravidão e racismo”, temos que dizer que os fatos da escravidão e do racismo são maiores agora do que eram em 1960, mais que o dobro. Isso não pode ser remotamente sustentado racionalmente.

[Image: 21.jpg]
Nascimentos fora do casamento por raça, 2012 nos EUA.

Crianças brancas 29%, crianças hispânicas 54%, crianças negras 72%. Mais uma vez, isso aumentou muito mais do que na década de 1960.

[Image: 22.jpg]
Crianças que vivem longe de seus pais biológicos.
Crianças brancas 21%, crianças hispânicas 31%, crianças negras 58%. Esta é uma das razões pelas quais negros e hispânicos tendem a votar mais no lado democrata pelo que eles “dizem”; mas o que acontece quando os republicanos chegam ao poder? Os gastos sociais na verdade aumentam. Mas, no papel, para os eleitores, os democratas são como “Tome, algumas coisas grátis para vocês” e isso basicamente atrai mães solteiras, razão pela qual mulheres, mães solteiras em particular, e mães solteiras hispânicas e negras ainda mais em particular tendem a votar nos democratas.

Curiosamente, as mulheres casadas tendem a votar nos republicanos porque tendem a depender da renda de seus maridos e os republicanos tendem a prometer impostos mais baixos e assim por diante. Portanto, se você gosta, pelo menos no papel, de um governo menor e de um mercado mais livre, precisa promover o casamento como uma instituição social.

Agora, quem está tendo esses nascimentos fora do casamento? O cenário de Murphy Brown, onde há uma mulher de quase 30 anos que decide ter um filho sozinha, é muito incomum.

[Image: 23.jpg]
Nascimentos fora do casamento, por idade da mulher

19 anos e menos 20%, 24 anos quase 37%, 25 a 29 anos 23%, inalterado. Portanto, na maioria das vezes, são as mulheres que podem pagar, pelo menos que são capazes de arcar com as despesas associadas a ser mãe. Como elas podem sustentar essas crianças? Bem, por causa do estado de bem-estar social até certo ponto, até o ponto lógico.

Continua no próximo post...
"A paixão é como o álcool. Entorpece a consciência, elimina a lucidez, impede o julgamento crítico e provoca alucinações, fazendo com que o ser amado seja visto como divino." Como lidar com Mulheres - Nessahan Alita
Responda-o
#3
[Image: 24.jpg]
Filhos menores de pais solteiros por 100.000 mais o total de gastos sociais

Isto é interessante. Você ainda é mãe solteira se seu filho tem 30 anos? Bem, na verdade não. Você era, mas o bem-estar social do governo tende a ser cortado quando as crianças completam 18 anos. Bem, então muda para empréstimos estudantis, sobre os quais faremos outra apresentação. Já defendi antes que o estado de bem-estar social é o estado da mãe solteira. É o estado desintegrado do casamento e esta não é, obviamente, a única forma de bem-estar social que existe. Há o bem-estar social corporativo, o complexo industrial militar e assim por diante, sobre os quais faremos outra apresentação, mas neste ponto, olhe para esses números.

À medida que as crianças aumentam, os gastos com assistência social do governo sobem. Se você olhar aqui, através do gráfico, no início dos anos 1990, Clinton tentou reformar o bem-estar social. Tudo o que aconteceu foi que a taxa de aumento desacelerado do bem-estar social não diminuiu significativamente ou de forma alguma. E muitos deles saíram do livro Losing Ground, de Charles Murray, que vale a pena ler.

Mas o que é interessante é que, se você observar os gastos com assistência social, que diminuíram e diminuíram ligeiramente nos anos 90, o mesmo aconteceu com os filhos menores de pais solteiros. À medida que o bem-estar social diminui, há menos mães solteiras e, naturalmente, sob Bush, começou a subir novamente, outra leve queda e depois simplesmente subiu. Mas é interessante ver como, quando os gastos com assistência social diminuem, o número de filhos de mães solteiras diminui. Estes são todos em dólares constantes de 2009. Isto é muito importante.

Novamente, o estado de bem-estar social é o estado de mãe solteira ou o estado de família sem dois pais.

[Image: 25.jpg]
Famílias dependentes de assistência social

Portanto, este gráfico de 2000 a 2014, uma subseção de bem-estar social, assistência temporária para famílias carentes e isso diminuiu de 2,2 milhões para 1,5 milhão, mas o que é realmente importante aqui, olhe para o lado direito. A família com dois pais é uma proporção minúscula dessa forma de gastos com bem-estar social. Nenhuma família parental é criada por avós, primos ou tias ou algo assim. Família monoparental. Mas é quase inédito que famílias biparentais precisem desse tipo de bem-estar social. Por exemplo, se você pudesse imaginar famílias com dois pais se tornando a norma, os gastos com bem-estar social cairiam enormemente e isso é importante. Seriam impostos, dívidas, inflação, impressão de dinheiro, toda a instabilidade econômica que vem disso.

[Image: 26.jpg]
Mães que trabalham e a faixa etária do filho mais novo.

Em 1975, com menos de três anos, apenas 34% das mães que trabalhavam tinham filhos tão jovens. Agora quase dobrou para 60%. São as crianças mais novas, em muitos aspectos, as mais vulneráveis ​​que viram o maior aumento no número de mães ausentes. Como crianças colocadas em creches por 20 horas ou mais por semana, exibem todos os mesmos sintomas de crianças que foram literalmente abandonadas por suas mães. Portanto, sintomas de abandono materno, estar na creche quando bebê e crescendo por 20 ou mais horas por semana é abandono materno. Se você vai trabalhar em período integral e seu filho tem seis meses ou um ano de idade, é provável que eles apresentem características semelhantes.

Portanto, analisando o gráfico das mães que trabalham por faixa etária do filho mais novo e, como você pode ver, menores de três anos desde 1975 aumentaram enormemente e menores de seis anos também. O que acontece se você não tiver um pai ou marido para cuidar de você como mãe com filhos? As contas não param de chegar. Você apenas tem que encontrar outras maneiras de paga-las.

[Image: 27.jpg]
Mães trabalhadoras com filhos menores de um ano

Em 1940, mães trabalhadoras com filhos menores de um ano incluía todas as mães casadas que trabalham com filhos menores de seis anos – esses são apenas os dados que pudemos encontrar. Mas são apenas 6%. Já em 2013, crianças menores de um ano 57,3% das mães estão trabalhando. Isso é trágico. Não é trágico porque sou contra mulheres trabalhando, acho ótimo. É trágico por vários motivos – vínculo materno, presença materna. Trabalhei em uma creche quando adolescente por vários anos e tínhamos dois adultos. Eu era assistente. Mas eu e outro adulto estávamos em uma sala com cerca de 25 crianças de cinco a dez anos, às vezes mais crianças. E você não pode dar esse tipo de atenção individualizada. Além disso, é muito difícil amamentar se você trabalha em período integral. Você pode bombear e armazenar e tudo isso, mas é muito difícil amamentar quando você está trabalhando tanto. E as crianças que são amamentadas por pelo menos 12 meses têm um QI superior em quatro pontos. Quatro pontos a mais! Isso é bastante significativo.

Portanto, se você amamentar apenas por menos de um mês, terá uma queda de quatro pontos no QI em relação à amamentação por 12 meses. E se você amamentar por 18 meses ou mais, que é o recomendado, os resultados são ainda melhores. Portanto, isso está custando pontos de QI às crianças.

Assim, de 2001 a 2011, as crianças que vivem com famílias chefiadas por mulheres sem a presença do cônjuge têm uma taxa de pobreza de 48%, que é mais de quatro vezes a taxa de famílias casadas. Você poderia praticamente eliminar a pobreza se as pessoas simplesmente se casassem antes de terem filhos. Não importa qual seja a sua opinião sobre o casamento, os dados não mentem. Mas se você vai ter filhos, faz mais sentido em todos os níveis se casar. E, novamente, não necessariamente falando sobre casamento instituído ou regulamentado pelo governo e assim por diante, mas daquele tipo de compromisso público.

[Image: 28.jpg]
Resultados negativos – taxa de pobreza

Então você pode dar uma olhada nos dados aqui, esta é a taxa média de pobreza em amarelo. As taxas de pobreza de casais casados ​​e famílias chefiadas por mulheres, como você pode ver, é catastrófica. E as crianças ainda precisam de atendimento odontológico, ainda precisam de assistência médica, ainda precisam de comida adicional, você precisa de acomodações maiores, provavelmente precisa de um carro. Todas essas coisas costumavam ser pagas pelo marido e agora são pagas de uma forma estranha, pelos filhos através da dívida nacional.

Quais são os resultados negativos em termos de taxa de pobreza?

[Image: 29.jpg]

Famílias brancas casadas têm uma taxa de pobreza de 3,2%, não casadas 22%, famílias hispânicas 13,2% contra 37,9%. As famílias negras casadas têm uma taxa de pobreza de apenas 7%, pouco mais do que o dobro das famílias brancas, mas se não forem casadas, a taxa é de 35,6%. Trágico.

Portanto, as mulheres casadas têm menos probabilidade de passar pela pobreza e o casamento também reduz a taxa de pobreza para mães solteiras empregadas e desempregadas. Mulheres que tiveram seu primeiro filho fora do casamento têm 3,6 vezes mais chances de estar abaixo da linha da pobreza, 4,5% mais chances de receber ajuda-alimentação do que mulheres que tiveram seu primeiro filho dentro do casamento. A probabilidade de mães solteiras desempregadas estarem na pobreza cai 65% se elas se casarem com o pai de seus filhos. O casamento mais que dobrou a renda familiar dessas mães e de seus filhos.

Se você quer se livrar da pobreza, case-se. Ou continue sugando a teta do estado e destruindo a economia e as oportunidades de seus filhos. Entre as mães solteiras que trabalham meio período, o casamento diminuiu a taxa de pobreza de 55% para 17%. O casamento aumentou a renda familiar em 75% e elevou 83% dessas famílias acima do nível de pobreza.

Entre as mães que trabalhavam em tempo integral, o casamento aumentaria a renda de quase 2/3 dessas famílias para 150% do nível de pobreza. O casamento aumenta a renda familiar média das mães entre 10.200 e 11.400 por ano, reduz a probabilidade de as mães viverem na pobreza em pelo menos 2/3.

[Image: 30.jpg]
Lares sem pai.

Novamente, lares sem pai de novo não significa que você nunca viu seu pai, não significa que seu pai foi abduzido por alienígenas do espaço. Significa apenas que ele não mora com você, não mora com a mãe.

Em 2009, um estudo mostrou que 1,5 milhão de crianças ficaram desabrigadas em um ano. E apenas 10% delas vieram de lares com pai, 90% delas vieram de lares sem pai. E isso é novamente muito importante. Quase 78% das famílias sem-teto são mulheres e essas são estatísticas bastante trágicas.

Crianças órfãs têm mais problemas acadêmicos, pontuando mal em testes de leitura, matemática e habilidades de raciocínio. Em crianças de 7 a 12 anos que viveram com pelo menos um dos pais biológicos, os jovens que passaram por divórcio, separação ou nascimento sem união relataram médias de notas mais baixas do que aqueles que sempre viveram com ambos os pais biológicos.

Novamente, a causalidade da correlação é um desafio, pois talvez as pessoas mais inteligentes tendam a permanecer casadas por mais tempo e haja uma forte correlação entre o sucesso conjugal e o nível educacional. Por exemplo, quanto mais educado você for, o que é uma indicação de inteligência, maior a probabilidade de você continuar casado.

As pessoas casadas que são inteligentes têm maior probabilidade de dar à luz filhos mais inteligentes. Até onde eu entendo, a correlação genética entre a inteligência de um filho e a inteligência dos pais é de 0,5. Então não é 0 que não é correlação, não é 1 que é uma correlação perfeita. Mais ou menos no meio, há uma regressão à média em torno do QI ou da inteligência. E então pode ser que pessoas menos inteligentes tendam a se divorciar mais e pessoas menos inteligentes tendam a ter filhos menos inteligentes. Eu entendo tudo isso. No entanto, o efeito Flynn diz que as pessoas estão ficando mais inteligentes, portanto, os casamentos estáveis ​​devem estar aumentando. No entanto, as situações não conjugais estão aumentando. Portanto, não há como todas essas pessoas serem menos inteligentes.

O envolvimento do pai nas escolas está associado a uma alta probabilidade de o aluno obter notas altas. Isso é verdadeiro para pais e famílias com pais biológicos, para padrastos e pais que chefiam famílias monoparentais. Portanto, se você é pai, mesmo que seja apenas um pai sem a mãe por perto, é mais provável que seus filhos tirem nota máxima.

As crianças que vivem com seus pais biológicos casados ​​tiveram um nível significativamente mais alto do que aquelas que vivem com seus pais não biológicos. Então, padrastos, “você não é meu chefe, você não é meu pai”, essas coisas não funcionam tão bem. Não que elas não funcionem, mas elas não funcionam tão bem.

Filhos de pais ausentes têm maior probabilidade de faltar à escola, ser expulsos da escola e abandoná-la aos 16 anos. Eles têm menos probabilidade de manter qualificações acadêmicas e profissionais quando adultos. Os pesquisadores descobriram que o pai demonstrou sensibilidade para com o filho na transição para a escola e incentivou a autonomia do filho. Previu um relacionamento muito melhor entre a criança e seus professores.

Falaremos em outro momento sobre as diferenças gerais realmente fascinantes entre a criação de filhos de homens e mulheres. Mas, em geral, as mulheres são mais cautelosas e protetoras e os homens são mais rudes e encorajadores e ambos são necessários e importantes para que as crianças floresçam.

[Image: 31.jpg]
Desistentes do ensino médio.

Apenas 29% dos que abandonaram o ensino médio vêm de um lar com pai; lares sem pai respondem por 71%.

Em 2012, mais de 305.000 adolescentes deram à luz em todo o país nos EUA, 30% das adolescentes que abandonam a escola dizem que é devido à paternidade. Apenas 38% das mães que têm filhos antes dos 18 anos obtêm o diploma do ensino médio aos 22 anos. Menos de 2% obtêm o diploma universitário aos 30 anos.

[Image: 32.jpg]
Crianças que apresentam distúrbios comportamentais

15% delas vêm de casa com pai, 85% vêm de lares sem pai. E lembre-se, devido à maneira como o sistema educacional funciona no Ocidente e na maioria dos países, essas crianças estão todas amontoadas. Portanto, sua decisão de ter um filho fora do casamento e potencialmente arriscar taxas mais altas de disfunção, bem, meus filhos serão expostos a isso na vizinhança, na escola, no shopping. Pode haver bullying, pode haver uma cultura de drogas, pode haver álcool – todas essas coisas fluem das crianças para que não sejam contidas na família. Elas fluem para a sociedade.

O estudo examinou a prevalência e os efeitos das mudanças no relacionamento da mãe entre o nascimento e os três anos de idade sobre o bem-estar de seus filhos. As crianças nascidas de mães solteiras apresentam níveis mais elevados de comportamento agressivo do que as crianças nascidas de mães casadas. Viver em uma casa de mãe solteira é equivalente a experimentar 5,25 transições de parceria, separações e reconciliações.

A interação pai-bebê sem compromisso no início do terceiro mês de vida prediz problemas comportamentais precoces em crianças, incluindo uma taxa mais alta de agressividade. Os efeitos que são maiores para bebês do sexo masculino permaneceram independentemente do comportamento da mãe e foram observados com um ano de idade.

Trabalhando com meu canal eu pude ficar em casa com minha filha e passar muito tempo com ela, o que foi uma verdadeira bênção e uma coisa maravilhosa. Eu era capaz de cantar para ela antes de ela nascer e brincar com ela desde o nascimento e assim por diante. Ela é muito assertiva, mas não agressiva. Interações afetuosas, lúdicas e envolventes entre pais e filhos são preditivas de popularidade posterior entre os colegas e dentro do ambiente escolar.

Estima-se que entre as crianças menores de 13 anos, aquelas que vivem com mães solteiras passam de 12 a 14 horas a menos com seus pais por semana em comparação com crianças que vivem com pais casados. O desafio de lidar com múltiplas responsabilidades pode resultar em níveis elevados de estresse e práticas insuficientes de criação de filhos entre pais solteiros.

Então, deixe-me fazer uma analogia aqui. Em termos de inteligência e causalidade, temos um vídeo chamado “A verdade sobre a surra”, onde argumentamos com dados que a surra resulta em uma queda de 4 a 5 pontos no QI. Não bata em seus filhos e os amamente, isso pode resultar na diferença de quase 100 para 110 no QI, e isso é bem significativo. E as pessoas dizem “Ah, sim, mas você vê que as crianças que são menos inteligentes são mais propensas a apanhar”. Não é que espancar produza inteligência inferior, isso é apenas comprovado pelos dados, mas é algo compreensível.

Portanto, é verdade que as crianças sem pais são mais agressivas e mais disfuncionais – em média, não todas. E as pessoas dizem que talvez elas venham de pessoas caóticas disfuncionais, é genético e assim por diante. Aqui está um problema. Deixe-me fazer outra analogia.

Digamos que uma criança mais inteligente que cresce no Japão aprenderá sua língua nativa mais rapidamente. Ele vai. Mas todas as crianças praticamente aprenderão sua língua nativa até certo ponto. No entanto, se você realmente não está exposto ao japonês, não importa o quão inteligente você seja, você não vai falar japonês. Portanto, a inteligência não substitui a falta de exposição a algo. E então, se você cresceu sem pai, simplesmente não terá essas interações. Portanto, não é uma questão de inteligência, é uma questão de exposição.

[Image: 33.jpg]
Jovens em instituições correcionais operadas pelo estado

Isso é controlado por renda e todos os outros fatores que podem ser imaginados. Jovens em famílias de pai ausente, ou seja, apenas mãe ou mãe-padrasto e parentes ou outros, tiveram chances significativamente maiores de encarceramento do que aqueles de famílias mãe-pai. 30% deles vêm de lares com pais, 70% de lares sem pai e, novamente, seus impostos e suas experiências de vida negativas ao serem expostos a esses tipos de criminosos em potencial são significativos.

[Image: 34.jpg]
Pacientes adolescentes em centros de abuso químico

29% vêm de lares com pai, 71% de lares sem pai. O Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA relata que “crianças órfãs correm um risco dramaticamente maior de abuso de drogas e álcool”. Entre os estupradores motivados pela raiva deslocada, 20% deles vêm de lares com pais, 80% vêm de lares sem pai.

[Image: 35.jpg]
Estupradores motivados pela raiva deslocada

Continua no próximo post...
"A paixão é como o álcool. Entorpece a consciência, elimina a lucidez, impede o julgamento crítico e provoca alucinações, fazendo com que o ser amado seja visto como divino." Como lidar com Mulheres - Nessahan Alita
Responda-o
#4
Agora temos um vídeo que você realmente deveria assistir chamado “A verdade sobre a cultura do estupro”, que é muito, muito importante entender. A melhor maneira, especialmente para esses tipos de estupradores, de reduzir a prevalência do estupro na sociedade é fazer com que as mulheres se casem com seus maridos, e que os meninos sejam criados pelos pais.

As mulheres fazem parte do ciclo da violência, como sempre aponto e temos a verdade sobre a violência novamente. Não pretendo promover todas essas apresentações, mas estou apenas abordando muitas informações que obtivemos ao longo dos anos. Mas as mulheres fazem parte do ciclo da violência ao bater nos filhos, espancar, abusar ao escolher homens maus ou homens que desaparecem e assim por diante. Elas fazem parte do ciclo da violência e os homens têm sido muito criticados e com razão sobre o papel dos homens no ciclo da violência. Estou tentando realmente trabalhar na raiz de pelo menos metade do problema, lembrando às mulheres que suas escolhas têm muito a ver com o tipo de sociedade em que envelhecerão.

Os pesquisadores estimaram que entre 60% e 80% dos estupradores, criminosos sexuais e homens sexualmente agressivos foram abusados ​​sexualmente por uma mulher na infância. Isso faz parte do ciclo de violência e estupro. Um estudo de 1989 descobriu que agressores incestuosos adolescentes do sexo masculino abusados ​​por mulheres visavam apenas irmãs do sexo feminino 93,3% das vezes, em comparação com 32,5% para agressores abusados ​​apenas por homens.

Uma meta-análise – uma análise de estudos – descobriu em 17 estudos que criminosos sexuais tinham 3,4 vezes mais chances de ter sofrido abuso sexual na infância em comparação com criminosos não sexuais. Em outras palavras, a criança com abuso sexual foi significativamente correlacionada com se tornar um agressor sexual mais tarde na vida. Como vimos anteriormente, as taxas de abuso podem ser até dez vezes maiores em famílias não conjugais, famílias não casadas. Então, se queremos ter menos criminosos sexuais, mais pessoas precisam se casar e permanecer casadas. É o que dizem os dados. Não atire no mensageiro.

[Image: 36.jpg]
Suicídios de jovens

Crianças com pais solteiros apresentaram maior risco de suicídio, lares com pai 37% dos suicídios, lares sem pai 63%. Após o ajuste para fatores como status socioeconômico ou SES, dependência dos pais ou doença mental, as crianças em famílias monoparentais tiveram duas vezes mais chances de tentar o suicídio e os riscos de doenças relacionadas ao álcool também foram duplicados. O risco de abuso de narcóticos na infância aumentou três vezes entre as meninas e quatro vezes entre os meninos que viviam em lares monoparentais.

[Image: 37.jpg]
Mães solteiras e crime.

As taxas de crimes violentos por 100.000 que você pode ver ainda eram significativamente mais altas – provavelmente mais do que o dobro – do que eram em 1960, mas o pico que foi no final dos anos 80 e início dos anos 90 estava diminuindo a partir daí.

Algumas razões para isso foram discutidas. Não posso falar sobre a validade de todas elas, mas alguns dos argumentos apresentados são a proibição do chumbo nas tintas e nos brinquedos. Vários estados nos EUA os proibiram em vários momentos e você pode ver um período fixo de tempo depois que as taxas de criminalidade diminuem em relação a quando foi banido, então há algum efeito. Foi demonstrado que a exposição ao chumbo aumenta a agressividade em crianças.

O aborto, claro, é um argumento que já foi feito várias vezes. Como você viu, o aborto se tornou legal nos Estados Unidos em 1973 e agora um grande número de bebês está sendo abortado. Portanto, menos crianças indesejadas que assumimos para pais solteiros resulta em que você pode ver uma década e meia depois menos crimes violentos. Também, é claro, a revolução da mídia que ocorreu nos anos 2000, eu acho, diminuiria ainda mais o crime. As crianças liberam suas agressões em videogames violentos, querem ficar mais em casa, ficam menos entediadas e, portanto, há menos crimes, mas há algumas correlações interessantes sobre tudo isso.

Em comparação com homólogos em famílias intactas, adolescentes e famílias monoparentais e famílias adotivas são mais propensas a se envolver em delinquência. Essa relação parecia ser impulsionada por diferenças no envolvimento dos pais, monitoramento de supervisão e proximidade entre pais e filhos entre famílias intactas e não intactas.

O estudo usando dados do Estudo Longitudinal Nacional de Saúde do Adolescente explorou a relação entre a estrutura familiar e o risco de atos violentos nos bairros. Os resultados revelaram que se o número de pais é baixo em um bairro, então há um aumento nos atos de violência juvenil. Os dados estatísticos mostraram que um aumento de 1% na proporção de famílias monoparentais no bairro está associado a um aumento de 3% no nível de violência dos adolescentes. Ou seja, adolescentes que moram em bairros com menores proporções de famílias monoparentais e que relatam maior integração familiar cometem menos crimes.

Isto é verdade. Quando eu estava crescendo e cresci sujo e pobre, com avisos de despejo sempre na porta, não tendo o suficiente para comer, este tipo de pobreza. E principalmente famílias casadas, em parte devido à renda, mas principalmente famílias casadas não querem viver em torno de famílias monoparentais e em parte devido à agressão das crianças e que tipo de crianças você quer no círculo de amigos de seus filhos e na escola de seus filhos e todo esse tipo de coisa. Portanto, 1% de aumento nas famílias monoparentais, 3% de aumento no nível de violência dos adolescentes.

De qualquer forma, quando falamos sobre bullying adolescente e agressão adolescente e violência adolescente realmente precisamos olhar para a paternidade solteira e realmente, fundamentalmente, a maternidade solteira está por trás de muitas dessas disfunções. Há essa coisa estranha em que queremos ser iguais e responsáveis, mas é como juntar dois ímãs opostos às vezes para fazer as pessoas se conectarem à responsabilidade feminina em termos de moldar e enquadrar a sociedade, porque há essa narrativa de mulheres como vítimas e assim por diante. E a ideia de que as más escolhas das mulheres ou más escolhas reprodutivas podem estar causando muitas disfunções sociais é meio estranha a muita propaganda que recebemos, especialmente na televisão, onde as mulheres geralmente são vítimas. Há uma razão pela qual eles chamam de programação de televisão.

Crianças de 10 a 17 anos que vivem com 2 pais biológicos ou adotivos foram significativamente menos propensas a sofrer agressão sexual, maus-tratos infantis, outros tipos de violência grave e tipo de adversidade sem vitimização. Elas também eram menos propensas a testemunhar violência em suas famílias em comparação com homólogos que viviam em famílias monoparentais e famílias adotivas.

Então isso é importante também. As pessoas atacam crianças que não têm apego ou menos apego aos pais. Você ataca uma criança que tem um ótimo relacionamento com a mãe e o pai, ele corre para a mãe e o pai e diz: “Esse cara me atacou”, logo, sua vida se torna horrível e com razão muito rapidamente. Mas se a criança for alienada e não tiver conexões, ela estará ansiosa pela atenção dos adultos e não terá o tipo de conexão que lhes permita discutir coisas difíceis como ser vitimizado e assim por diante. Então isso é importante.

E quanto ao resultado negativo de algo tão interessante e simples como jantares em família por semana?

[Image: 38.jpg]
Jantares em família por semana

Se você tem 5 a 7 jantares em família por semana, em vez de 0 a 2, é significativamente menos provável que você use tabaco, use álcool, use maconha quando criança, tenha amigos que bebem regularmente, por exemplo, que usam maconha regularmente e probabilidade de usar drogas no futuro.

E essas são coisas realmente importantes para entender. Não que seja obrigatório todos a jantarem em família, mas os jantares em família são onde você conversa, pergunta sobre o dia, acompanha o que seus filhos estão fazendo e ter esses jantares em família por semana é indicativo de um vínculo familiar que é um escudo contra uma ampla variedade de disfunções.

Agora isso vai explodir sua mente. Isso me surpreendeu. As meninas estão cada vez mais atingindo a puberdade mais cedo. Entre 2004 e 2006, o dobro de meninas caucasianas apresentou maturidade mamária aos 7 anos em comparação com 1997. É uma mudança muito, muito grande. A puberdade precoce tem sido associada a uma maior probabilidade de desenvolver câncer de mama e câncer reprodutivo mais tarde na vida. Isso meio que queima o motor.

Isso é do Dr. Jay Belsky da Birkbeck University:

Citação: “Uma perspectiva da biologia evolutiva diz: o que mais importa à natureza em relação aos seres vivos, incluindo os humanos, é a disposição dos genes nas gerações futuras. Isso ocorre sob as condições em que o futuro parece precário, onde posso nem sobreviver o suficiente para ainda estar respirando amanhã, então devo amadurecer mais cedo para poder acasalar mais cedo antes que esse futuro precário possa me pegar.”

O corpo humano, desde o momento da concepção em diante e até mesmo geneticamente antes disso, está escaneando o ambiente até mesmo dentro do útero para descobrir “Estou vivendo em um mundo pacífico ou em um mundo agressivo?” Agora, se você crescer em um ambiente sem pai, parece que você vai produzir o que é chamado de Estratégia Reprodutiva R, que é fazer muito sexo e simplesmente não se importar muito com seus filhos e apenas esperar que eles sobrevivam à idade adulta. Também conhecida como abordagem do sapo, abordagem de ejacular e orar.

Se o seu pai está por perto, isso significa que é menos provável que você esteja em uma sociedade baseada na guerra ou na violência. Vai ter mais troca, vai ter mais negociação para você buscar negociações ganha-ganha e amadurecer sexualmente depois.

Mais tempo vivendo sem o pai biológico na casa está associado à puberdade precoce em meninas. Ela programa o próprio corpo, aumentando assim os riscos futuros de câncer. Estudos mostraram até que irmãs mais novas em famílias biologicamente desorganizadas atingem a puberdade mais cedo do que suas irmãs mais velhas. Essa tendência não surgiu em famílias biologicamente intactas. Então, se você tem quatro anos quando seu pai vai embora e você tem irmãs mais velhas, as irmãs mais velhas chegarão à puberdade mais tarde do que você.

A qualidade do envolvimento do pai com as filhas foi a característica mais importante do ambiente familiar inicial em relação ao momento da puberdade da filha. Muitos pesquisadores acreditam que essa influência pode ser de natureza química. Então, os pais emitem feromônios. Estes são sinais químicos transmitidos pelo ar que desencadeiam efeitos comportamentais e fisiológicos.

Pesquisas em animais mostraram que os feromônios masculinos têm efeitos diferentes nas fêmeas jovens. A exposição aos feromônios de pais biológicos parece desacelerar a puberdade em meninas, enquanto a exposição aos feromônios de homens adultos não relacionados a acelera. E, novamente, se não houver um pai por perto que irá supervisionar ou cuidar de você, você precisa encontrar outro homem rapidamente e assim terá uma puberdade mais precoce e assim por diante.

Um estudo australiano recente descobriu que ter irmãos mais velhos também pode atrasar o início da puberdade em meninas. Quanto mais irmãos mais velhos uma mulher tem, mais velha ela estará quando menstrua pela primeira vez. São seus protetores, você poderia dizer. Mais uma vez, biologicamente falando.

Curiosamente, os meninos cujos pais estão ausentes têm maior probabilidade de atingir a puberdade mais tarde – o oposto das meninas. Apesar de atingirem a puberdade mais tarde, é mais provável que se tornem pais mais cedo.

E estamos falando sobre a hipersexualidade da juventude, principalmente entre as meninas. Bem, mães que escolhem pais para seus filhos que não vão ficar por perto estão programando suas filhas para terem puberdade mais cedo e serem mais sexualizadas.

São dezenas de milhares de crianças que estão na 8ª a 12ª série. Depois de contabilizar um conjunto de variáveis ​​de envolvimento dos pais, os adolescentes que vivem com dois pais biológicos tiveram uma probabilidade significativamente menor de fazer a transição para a atividade sexual quando comparados aos adolescentes de todas as outras estruturas familiares. Adolescentes de outras estruturas familiares tiveram entre 40% e 198% mais chances de iniciar atividade sexual do que adolescentes vivendo com dois pais biológicos.

[Image: 39.jpg]
Taxa de virgindade – adolescentes que se sentem próximos ao pai

O amarelo aqui é virgem e cinza não virgem e, como você pode ver, se você não se sente nem um pouco próximo de seu pai, é muito mais provável que você seja uma não virgem. Se você se sente muito próximo de seu pai, é muito mais provável que seja virgem nessas ocasiões.

Adolescentes de famílias intactas são menos propensos a ter relações sexuais, têm em média menos parceiros sexuais, são menos propensos a relatar doenças sexualmente transmissíveis e são menos propensos a ter tido uma gravidez ou parto em comparação com homólogos de famílias não intactas.

Isso não é algo negativo de se dizer em relação a sexualidade, prazer da sexualidade e assim por diante, mas o melhor ambiente para as crianças é estarem em uma família casada intacta e certamente é o melhor ambiente para sexo regular e feliz também. Então, na verdade, é positivo em relação a sexualidade falar sobre essas coisas. Não é nada negativo ou hostil em relação à sexualidade.

Para as adolescentes do sexo feminino, cada ano passado em uma família monoparental, desde o nascimento até os 11 anos de idade, aumentou a probabilidade de terem relações sexuais durante a adolescência em aproximadamente 8%.

Meninas adolescentes vivendo com dois pais biológicos casados ​​até o colegial têm cerca de 50% menos probabilidade de dar a luz antes de terminarem a escola, mesmo incluindo desistências do ensino médio.

Mulheres entre 15 e 19 anos cujos pais eram casados ​​no momento do nascimento tinham 42% menos probabilidade de relatar atividade sexual quando comparadas àquelas cujos pais coabitavam no nascimento.

Para adolescentes do sexo masculino, cada mudança no estado civil dos pais entre as idades de 6 a 11 anos aumentou as chances de homens terem relações sexuais em 37%. Ao comparar meninos de 14 anos, aqueles que vivem com uma mãe solteira quase dobraram as chances de engravidar uma menina em comparação com aqueles que vivem com ambos os pais biológicos.

E a saúde infantil e a morte infantil? Estudos também descobriram que o envolvimento do pai com a mãe grávida antes do nascimento reduzia o risco de que o bebê morresse antes de seu primeiro aniversário. A ausência do pai aumentou as chances de morte infantil no primeiro ano em quase 4 vezes, ou seja, 400% em comparação com quando o pai estava envolvido. Se os pais não estiveram envolvidos durante a gravidez, os bebês têm maiores chances de nascer prematuramente ou com peso inferior. O risco de resultados de nascimento problemáticos foi maior para bebês nascidos de mulheres negras, pois mesmo após o ajuste para fatores socioeconômicos, bebês negros tinham sete vezes mais chances de morrer na infância do que bebês nascidos de mulheres hispânicas ou brancas nas mesmas situações.

Há também uma maior probabilidade de complicações maternas que podem afetar a saúde do bebê, incluindo pressão alta, anemia, eclâmpsia, descolamento prematuro da placenta e muito mais se o pai não estiver por perto durante a gravidez. As gestantes na categoria de pai ausente tendiam a ser mais jovens, mais educadas, mais propensas a serem negras e tinham uma porcentagem maior de fatores de risco como tabagismo e pré-natal inadequado.

O estudo Famílias Frágeis e Bem-Estar Infantil descobriu que os pais que estavam envolvidos com seus parceiros antes do parto eram mais propensos a se envolver com os filhos um ano depois e três anos depois.

É comprovado que os pais envolvem os filhos no que é chamado de brincadeiras violentas com mais frequência do que as mães. As mães estão mais inclinadas a usar brinquedos para brincar com seus filhos pequenos, enquanto os pais muitas vezes desafiam as limitações físicas de seus filhos. Um estudo descobriu que bebês preferem ser segurados por seus pais porque os pais eram mais propensos a brincar com eles, enquanto as mães eram mais propensas a trocar suas fraldas e alimentá-los etc.

De acordo com outro estudo, crianças de dois anos abordam seus pais com mais frequência do que suas mães quando querem brincar. Quando os pais brincaram com os bebês aproximadamente a mesma quantidade de tempo, descobriu-se que os bebês responderam mais positivamente aos pais. O maior envolvimento do pai nos cuidados gerais também está associado a menos despertares noturnos dos bebês, o que significa que há uma relação significativa com os pais e o sono do bebê. Dada a importância do sono infantil no desenvolvimento geral, a importância desse achado não pode ser exagerada.

Estudos também descobriram que o pai desempenha um papel incrivelmente crucial, ainda maior do que a mãe, no desenvolvimento da linguagem de seus filhos. Sugere-se que os pais usem um vocabulário mais diversificado em suas interações com seus bebês em comparação com as mães. Muito arrulho e conversa de bebê para as mães. Verificou-se que as crianças tinham habilidades de comunicação mais avançadas aos 15 meses e desenvolvimento de linguagem expressiva mais avançado aos 36 meses, mesmo quando se controlava a linguagem e a educação da mãe.

Essas descobertas sugerem que a linguagem do pai quando as crianças têm apenas seis meses pode ser importante para entender o desenvolvimento da linguagem infantil mesmo dois anos e meio depois. E o desenvolvimento da linguagem é claro que é muito importante na negociação, muito importante no desenvolvimento e exercício da empatia, muito importante em encontrar situações ganha-ganha. Surpreendentemente, não houve efeitos significativos do vocabulário materno nas habilidades comunicativas da criança ou no desenvolvimento da linguagem.

De quem são os conselhos que as mães valorizam?

[Image: 40.jpg]

Apenas 11% das mães valorizam as contribuições de seus maridos quando se trata de lidar com problemas com seus filhos. Professores e médicos 45% e amigos próximos e parentes 16%. Eu nem sei o que dizer sobre isso. Imagine se fossem pais com esposas, com mães.

O que está sendo estudado de acordo com uma pesquisa do PubMed?

[Image: 41.jpg]

Os estudos dos pesquisadores referem mães mais de seis vezes mais que pais e maternas mais de 15 vezes mais que paternas. Em uma revisão de mais de 500 estudos de psicologia infantil e adolescente para os principais periódicos, quase metade deles excluiu completamente os pais. Alguns estudos envolvem ambos os pais, enquanto apenas 11% se concentram exclusivamente nos pais.

O papel central dos pais no desenvolvimento infantil saudável foi negligenciado por décadas em detrimento das crianças em todo o mundo. Você tem mães solteiras o suficiente e elas não querem ouvir e as crianças não querem ouvir. É doloroso ver o que foi roubado, o que faltou, o que se perdeu.

Então, por que estou falando sobre a responsabilidade feminina nisso? Pesquisas indicam que os homens são os únicos a convidar as mulheres para encontros entre 90% a 95% das vezes. Apenas 5% dos casais heterossexuais dizem que a mulher pediu em casamento. Em um estudo com mais de 17.000 homens e mulheres heterossexuais solteiros, 84% dos homens e 58% das mulheres disseram que os homens pagam a maioria das despesas de namoro, mesmo depois de namorar por um longo período de tempo. Então temos 84% dos homens e 58% das mulheres, logo, um dos grupos está mentindo. Presumo que seja ele quem está abrindo a carteira. 44% das mulheres disseram que se incomodavam quando os homens esperavam que elas ajudassem a pagar; 57% das mulheres se ofereceram para ajudar a pagar, mas 39% confessaram esperar que os homens rejeitassem sua oferta; 76% dos homens relatam que se sentem culpados por aceitar o dinheiro da mulher para pagar as despesas do namoro.

Por que isso é importante? Parece estranho até ter que dizer isso, mas os homens pedem e as mulheres dispõem. Os homens perguntam se podem namorar, se podem casar e as mulheres dizem que sim ou não. As mulheres estão na posição de dizer sim e não. As mulheres são as que escolhem os homens. É claro que os homens são responsáveis ​​por gerar filhos fora do casamento, mas as mulheres são as guardiãs. As mulheres dizem sim ou não.

E as mulheres são responsáveis ​​pelas escolhas de com quem escolhem ter filhos. Elas são as responsáveis. E se dissermos “Ah sim, mas ele acabou se revelando um cara mau, pouco confiável e instável. Quem poderia saber disso antes?” Oh vamos lá. Os sinais estão por toda parte se você quiser vê-los. Como é que as mulheres no passado eram capazes de escolher homens melhores e as mulheres agora não são? Bem, até certo ponto é porque elas cresceram sem pais, mas isso é culpa de seus pais, suas mães em particular, escolhendo os caras errados para ter filhos.

Existem muito poucas disfunções sociais que podem ser rastreadas até as primeiras situações familiares, as primeiras escolhas familiares. Muitas dessas disfunções envolvem más escolhas masculinas e nós meio que analisamos isso por meio século ou mais. O que muitas vezes se perde, quase invariavelmente, é o grau em que as mulheres são responsáveis ​​por criar as condições que são difíceis e prejudiciais para as crianças como um todo e para a sociedade como um todo. Se as mulheres reclamam que a sociedade é violenta, se as mulheres reclamam que a sociedade é disfuncional, se as mulheres reclamam que não há homens confiáveis ​​por perto, então as mulheres precisam olhar para suas irmãs e dizer: que tipo de escolhas estamos fazendo?

Porque o que aconteceu é que subsidiamos más decisões. Tudo o que você tributa, você recebe menos; tudo o que você subsidia, você recebe mais. Temos tributado boas decisões e aumentamos os impostos sobre famílias casadas com filhos, essas pessoas são mais ricas e responsáveis ​​e são tributadas a uma taxa muito mais alta. Na verdade, más decisões nem sequer são tributadas porque muitas mães solteiras não pagam impostos de forma alguma. Assim, tributamos famílias responsáveis ​​e subsidiamos meias famílias irresponsáveis. E assim temos menos famílias estáveis ​​e temos mais famílias instáveis.

Agora, uma coisa é uma mulher namorar um cara que acaba não sendo confiável e talvez pague algumas contas ou algo assim. Isso é ruim, isso é terrível, mas pelo menos a escolha só reverte para suas próprias responsabilidades e seus próprios efeitos. O que basicamente fizemos foi usar uma marreta na base da instituição mais estável, mais benéfica para crianças e mais benéfica para humanos que o mundo já viu, que é o casamento tradicional. Usamos uma marreta na base disso e subsidiamos más decisões por parte das mulheres em geral. Busque um homem bom, decente e confiável. Não busque o alfa, não busque o cara de alto status, não busque o abdômen do cara ou seu Lamborghini. Escolha um provedor estável, confiável e decente. Isso é o que é melhor para seus filhos.

Mas na ruptura maciça da vida familiar em grande parte liderada pela esquerda que ocorreu nos últimos 50 anos, subsidiamos em grande medida más decisões por parte das mulheres, endividamos as gerações futuras em níveis verdadeiramente surpreendentes. Nós minamos a inteligência das crianças criando situações em que altos impostos e subsídios levam a mais mulheres trabalhando, o que reduz a chance de as crianças desenvolverem sua inteligência. Nós prejudicamos o desenvolvimento das habilidades sociais apropriadas das crianças, excelência acadêmica, habilidades de linguagem, todas as coisas que são realmente fundamentais para uma sociedade civilizada onde as pessoas usam suas palavras, não seus punhos. O desenvolvimento da linguagem é essencial para o desenvolvimento e manutenção da paz social e negociação em vez de agressão e violência.

Portanto, subsidiamos em grande medida as más decisões por parte das mulheres. Tributamos e prejudicamos os interesses de mulheres que tomaram boas decisões na escolha de seus parceiros. E tudo isso em geral resulta em danos significativos e crescentes contra as crianças. Nós, como sociedade, faríamos qualquer coisa por nossos filhos, nos preocupamos com crianças, crianças são tudo, família é tudo. Ok, vamos aceitar isso. Vamos aceitar todas essas declarações sentimentais sobre como faríamos qualquer coisa por nossos filhos.

Ok, vamos fazer isso. Vamos acompanhar os dados, começar a tomar melhores decisões sobre com quem vamos ter filhos. Homens, escolham as boas mulheres. Mulheres, escolham os bons homens. Porque, ao fazer isso, você está escolhendo o que é melhor para seus filhos e está escolhendo o tipo de sociedade pacífica, virtuosa e sem dívidas, na qual você pode envelhecer com confiança, calma e serenidade.

Se você estiver fazendo uma longa viagem marítima e errar alguns graus no início, poderá acabar em um continente totalmente diferente. Precisamos muito rever o que temos feito com a família, o que temos feito com as crianças, que tipo de semente estamos plantando aqui e se é tarde demais para mudar. Eu acho que não é tarde. Mas temos que aceitar os dados e nos comprometer com um caminho melhor agora.

Link do texto: https://rothbardbrasil.com/a-verdade-sob...solteiras/
"A paixão é como o álcool. Entorpece a consciência, elimina a lucidez, impede o julgamento crítico e provoca alucinações, fazendo com que o ser amado seja visto como divino." Como lidar com Mulheres - Nessahan Alita
Responda-o
#5
É uma força motriz e parte da matriz da civilização Frankfurtiana ou da Escola de Frankfurt são cidadãos woke e transtornados ou revolucionários, massa de manobra comunista. Dessa condição saem criminosos  patrimoniais, sexuais e politicos,  agentes ideológicos da esquerda que subvertem a ordem juridica e a realidade devorando a economia e as liberdades civis e politicas.

Vamos esperar os NOVOS DONOS DO IBGE inventarem os números bostileiros.... Gargalhada Se há muita M$OL no Bostil talvez seja pq o pais morreram literalmente numa guerra ou confronto militar Big Grin  

A guerra é ideologica e cultural promovida por instituições estatais e midia com verba pública, o ESTADO de civilização não subsiste, talvez por isso nessa Republica os comandantes das Forças armadas tenham perfil e intelecto de segurança de puteiro e de agiotas. O elemento hibrido e assimetrico desse tipo de guerra sofisticada é direcionado contra a propria população... Heart .
Só Jesus salva, vá e não peques mais...
Responda-o
#6
(03-08-2023, 05:32 PM)Minerim Escreveu: É uma força motriz e parte da matriz da civilização Frankfurtiana ou da Escola de Frankfurt são cidadãos woke e transtornados ou revolucionários, massa de manobra comunista. Dessa condição saem criminosos  patrimoniais, sexuais e politicos,  agentes ideológicos da esquerda que subvertem a ordem juridica e a realidade devorando a economia e as liberdades civis e politicas.

Vamos esperar os NOVOS DONOS DO IBGE inventarem os números bostileiros.... Gargalhada Se há muita M$OL no Bostil talvez seja pq o pais morreram literalmente numa guerra ou confronto militar Big Grin  

A guerra é ideologica e cultural promovida por instituições estatais e midia com verba pública, o ESTADO de civilização não subsiste, talvez por isso nessa Republica os comandantes das Forças armadas tenham perfil e intelecto de segurança de puteiro e de agiotas. O elemento hibrido e assimetrico desse tipo de guerra sofisticada é direcionado contra a propria população... Heart .

Se hoje no Brasil há muitas mães solteiras, os motivos serão os mesmos que a mídia divulga aí:

- Homens não prestam e as mulheres são empoderadas e não precisam mais se sujeitar a isso.
- Homens estão largando mais as mulheres e abandonando a família
- A maioria dos divórcios partem de mulheres, mas isso é porque elas são traídas ou vivem em relacionamentos abusivos.
- Red Pill e movimentos misóginos estimulam o homem a abandonar a família

E aí vão ter aquelas outras frases do tipo:
- A média de pensão que um homem paga é de 250 reais por criança, ignorando que o cara classe média com emprego paga 2.500.
- A mulher é chefe do lar e sempre mãe exemplar, guerreira e etc.


De forma alguma vão querer discutir que a promiscuidade de certas mulheres é fortemente responsável por isso.

Nunca pintam questões seríssimas como as MSOLs que colocam um desconhecido para morar em casa
junto com suas crianças pequenas...
Independente do perfil da mãe, a regra é: "A criança fica melhor com a mãe, independente do histórico".
Responda-o


Possíveis Tópicos Relacionados...
Tópico Autor Respostas Visualizações Última Postagem
  Guia de Fuga das Mães Solteiras Filho de Krypton 70 26,417 14-07-2019, 08:46 PM
Última Postagem: Gorlami
  [DEBATE] Brasil tem mais de 20 milhões de mães solteiras OGuardiao 51 19,443 20-08-2015, 08:14 PM
Última Postagem: Rooster

Pular fórum:


Usuários visualizando este tópico: 1 Visitante(s)