Avaliação do Tópico:
  • 1 Voto(s) - 5 em Média
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Seu cérebro e o pornô – Final
#1
Seu cérebro e o pornô – Final
por Gary Wilson, do blog “Your Brain On Porn“
(Traduzido por The Priest, do Fórum do Búfalo)

[Image: 5X5LZpk.png]

Caso não leu a primeira parte, clique aqui.

Células que juntas trabalham, juntas se programam
Como a anestesia ao prazer impele ao uso contínuo do pornô, seu cérebro começa a se reprogramar(11). Essa reprogramação envolve superprodução de substâncias químicas naturais (delta FosB), e o reforço das conexões entre as células nervosas, facilitando a comunicação entre elas. Isto é o que acontece em todo aprendizado, é o que se chama de neuroplasticidade. Quanto mais intensa a experiência, mais fortes serão as conexões. Quanto mais fortes as conexões, mais fácil será para os impulsos elétricos fluírem por esse novo caminho.

Com o consumo habitual do pornô, você estará aprofundando um canal em seu cérebro. Assim como a água flui por onde ela encontra menos resistência, os impulsos também o fazem, assim como os pensamentos. Assim como qualquer habilidade, quanto mais se pratica, mais fácil é de se fazer. Logo isto se torna automático, sem necessidade de qualquer pensamento consciente. Você formou um profundo canal de pornografia em seu cérebro. 
Uma anestesia ao prazer combinada com um grande canal levando-o a um alívio de curto prazo, é a base de todos os vícios.


Escala e reprogramação
O desenvolvimento da tolerância (anestesia ao prazer) faz com que um viciado precise de mais “droga” para obter o mesmo efeito. Usuários pesados de pornografia chegam a perceber que assim que eles desenvolvem tolerância para seus antigos gostos, eles partem para novas direções na busca de emoções intensas. Muitos procuram por coisas que os chocam – talvez porque o que é proibido e temível, combinado com prazer sexual, oferece um grande estímulo ao cérebro… pelo menos por um tempo.

Por isso, não é incomum que alguém comece a ver pornô com uma foto do traseiro gostoso de uma Jennifer Lopez – e semanas depois se torna excitado com cenas de zoofilia ou estupros.

Quanto mais intensos os eventos associados (orgasmo + vídeo), ou quanto mais essas cenas se repetem, mais forte é a reprogramação. Cada experiência programa novos gostos ao seu cérebro. Se suas preferências sexuais mudaram, seu cérebro também mudou.


Definição de vício?
Alguns acreditam que somente drogas, e não comportamentos, podem causar vícios. Como já mencionado anteriormente, isto é um equívoco. Especialistas na área definem o vício de várias formas. Sucintamente, as etapas de desenvolvimento do vício são as seguintes:

- Comportamento impulsionado por emoções que progridem da busca para a compulsão;
- Uso contínuo sob o risco de consequências adversas, e- Uso contínuo sob o risco de consequências adversas, e
- Perda de controle.

O vício pode vir acompanhado de dependência física e sintomas de abstinência. Muitos usuários compulsivos de pornografia se surpreendem com suas síndromes de abstinência, que se comparam àquelas sentidas por usuários de álcool e drogas.


O que faz a pornografia na Internet ser única?
Está claro que hoje em dia a pornografia na Internet é de fácil acesso, disponível 24 horas por dia, 7 dias por semana, gratuito e privado. A forma com que é usada mantém os níveis de dopamina anormalmente elevados por um longo período de tempo, tornando-a especialmente estimulante e potencialmente viciante.

Sites de recuperação frequentemente associam que o vício em pornografia na Internet se deve à combinação de masturbação e orgasmo com atuações estimulantes e chocantes. Com certeza ambos desempenham um papel, mas o que se destaca a pornografia na Internet das demais é:

1) Possui fantasias extremas – centenas de novos parceiros sexuais por sessão. As fantasias são altamente estimulantes, e a pornografia atual não lembra em nada a Playboy, de imagens estáticas e conteúdo finito que seu pai consumia. Os usuários frequentemente relatam que mesmo o sexo real se torna chato em comparação com o pornô.

2) Diferente do que acontece com comida e drogas, onde há um limite para consumo, não existe nenhum limite prático para o consumo de pornografia na Internet. Os mecanismos naturais de saciamento do cérebro não são ativados, até o momento do clímax. Mesmo assim, o usuário pode partir para algo ainda mais chocante para ficar se excitar novamente;

3) Com comida e drogras, a única daneira de progredir no vício é consumindo mais. Com o pornô é possível progredir tanto com “parceiros” de fantasias quanto por assistir práticas sexuais novas e incomuns. É bem comum um usuário procurar por pornografia mais pesada.

4) Diferentemente de comida e drogas, a pornografia na Internet muitas vezes não chega a ativar os mecanismos naturais de aversão. A aversão ocorre quando você não gosta de como uma droga, ou muito purê de batata amanhecido te faz sentir.


Muitos sintomas, uma única causa
Muitas vezes os viciados em pornograf ia sentem uma variedade de sintomas que não conseguem associar ao uso exagerado do pornô. Alguns desses sintomas são:

- Angústia relacionada à progressão em busca de ponografia mais pesada;
- Impotência copulatória (Só se tem ereção com o pornô, e não com parceiros sexuais);
- Masturbação frequente com pouca satisfação;
- Ansiedade social severa, que vai se agravando;
- Aumento da disfunção erétil, mesmo com pornô mais pesado;
- Gostos mórbidos de pornô que não refletem sua orientação sexual (HOCD)(12);
- Dificuldades de concentração, inquietação excessiva;
- Depressão, ansiedade, lapsos de memória.

Há boas razões para acreditar que estes sintomas surgem em decorrência da anestesia ao prazer e a reprogramação cerebral. Ambas são mudanças estruturais do cérebro, que precisam ser revertidas.


Dando um reboot em seu cérebro
Se este fenômeno está por trás de seus sintomas, você precisa restaurar a sensibilidade de seu cérebro. Isto é chamado de “rebooting”. A melhor forma de dar um reboot é dar a seu cérebro um descanso de todo o estímulo sexual intenso – pornografia, masturbação, orgasmo e fantasias sexuais – até que ele recupere sua resposta natural a esses estímulos (Acima de tudo, para muitos usuários a masturbação está fortemente ligada às fantasias, por isso deve-se evitar ambos).

É claro, no princípio isto é muito difícil. O cérebro não pode mais depender do estímulo contínuo da dopamina (e outras substâncias neuroquímicas) associada à pornografia pesada. Suas conexões reforçadas ligando a satisfação de curto prazo a qualquer gatilho que seu cérebro associa ao pornô, estão a mil. Gatilhos como ficar sozinho em casa, imagens picantes ou mesmo stress e ansiedade, ativam a rotina pornô de seu cérebro. A única forma de enfraquecer essas conexões do subconsciente é parar de usar (reforçar) este caminho, e buscar ajuda comportamental. Gradualmente, esse caminho associado à pornografia e à fantasia sexual irá enfraquecer.

O reboot não só vai parar de ativar a rotina pornô, as também vai ajudar seu cérebro a voltar a ter a sensibilidade de antes. Lembre-se, mentes anestesiadas ficam desesperadas por estímulos, e sua liberdade depende de uma mente balanceada. Aí então você poderá escolher entre seguir o caminho da excitação erótica ou ou algum caminho mais saudável. Não é nem necessário dizer que o reboot não vai garantir que você estará seguro contra os efeitos da pornografia na Internet no futuro. O cérebro humano estará sempre vulnerável a uma espiral perigosa estímulos e fantasias, e o cérebro de um ex-viciado em pornografia terá sempre uma forte via erótica, que será fácil de ser reativada.


[11] Termo original: “Rewiring”. Não f oi consultado termo equivalente na literatura médica nacional.
[12] HOCD – Homossexual Obssessive Compulsive Disorder, ou Transtorno Obssessivo Compulsivo relacionado à orientação sexual.

Este texto faz parte do projeto: Segunda das Relíquias Perdidas.
Responda-o
#2
O combate à pornografia devia ser muito mais difundido. Aqui mesmo na real, vejo muito pouco conteúdo de alto nível, como esse. É um veneno. 

Muita gente brochando e tendo paumolecência porque fica assistindo essas merdas a ponto de se viciar.

Mesmo o contato eventual pode ser perigoso.

A diferença de prazer e desempenho sexual numa relação real qdo vc está sem pornô, e qdo vc está assistindo com frequência, é absurda. Eu sei por experiência própria.

Se bate uma vontade doida de gozar e estou sem contato ou viajando, prefiro 1000 vezes pagar uma puta do fatal do que acessar o xvideos.

Sexo só se for de verdade. O resto é lixo
Pelo poder da verdade, eu, ainda vivo, conquistei o universo


Responda-o
#3
Um dos maiores impulsos do homem é o sexo, quando um cara se anestesia com masturbação e se superestimula com pornografia, além de problemas mentais sérios, a satisfação não é alcançada e não há estímulo normal que faça o cara se mexer para outros objetivos.

Pornografia é um veneno e, nos tempos atuais, não há dose segura. A tendência é sempre aumentar, pois a satisfação vai ficando cada vez menor.

Por outro lado, a despeito da masturbação ser algo, em tese, natural. Notadamente ante à dificuldade do homem em encontrar parceiras (nos tempos antigos, hoje e sempre)... a verdade é que punheta, mesmo sem pornografia, é ilusão, um autoprêmio concedido pelo vencido a si mesmo, a consolação do fracassado.

Infelizmente, as vezes, a regulação hormonal exige tal ato. Entretanto, quem tem vontade de sexo deve procurar isso, com inteligência e responsabilidade para não se ferrar com filhos e doenças, mas a satisfação deve vir do ato real, seja com gp ou civil.
"Only women, children, and dogs are loved unconditionally. A man is only loved under the condition he provide something." -Chris Rock
Responda-o
#4
Citação:Um dos maiores impulsos do homem é o sexo, quando um cara se anestesia com masturbação e se superestimula com pornografia, além de problemas mentais sérios, a satisfação não é alcançada e não há estímulo normal que faça o cara se mexer para outros objetivos.

Pornografia é um veneno e, nos tempos atuais, não há dose segura. A tendência é sempre aumentar, pois a satisfação vai ficando cada vez menor.

O cara está condicionado, preso nesse ciclo de buscar aquele satisfação que teve bem no começo, quando seu cérebro respondia de maneira mais natural. Não consegue quebrar devido à Hipofrontalidade. (sem autocontrole). 

Citação:Por outro lado, a despeito da masturbação ser algo, em tese, natural. Notadamente ante à dificuldade do homem em encontrar parceiras (nos tempos antigos, hoje e sempre)... a verdade é que punheta, mesmo sem pornografia, é ilusão, um autoprêmio concedido pelo vencido a si mesmo, a consolação do fracassado.

Sempre tem esse papo de masturbação ser natural, e de fato, concordo. O porém é que ninguém pratica ela por si só. Porque ela por si só é entediante. O porém é que para muitos,

masturbação sem pornografia ou qualquer outro estimulo visual é o mesmo que masturbação com pornografia ou "softporn". NÃO É!

O ponto chave é que o cara só a pratica quando tem um estimo. Agora, cria-se um cenário aonde sempre tem esses estímulos (pornografia online), o cara tem uma hiper-satisfação (essa que mencionei no parágrafo anterior.) -> Criou uma memória super reforçada pela recompensa (orgasmos e outros). A tendência agora é repetir esse processo. 

O cara simplesmente vai em busca de mais porque é muito fácil ter algo novo, pelo menos no começo. Até ele não conseguir esse pico de prazer porque cada vez mais o cérebro responde menos devido a dessensibilizarão do mesmo. Então, o cara parte para categorias mais pesadas. No final, ele tanto tem o impacto de prazer, porém, ao mesmo tempo, tem desgastes ainda maior.
"...os homens se corrompem, o sistema quebra, mas DEUS CONTINUA SENDO DEUS!"  
Spoiler Revelar
Autor Desconhecido
Responda-o
#5
(12-09-2022, 02:04 PM)MacGyver Escreveu: O combate à pornografia devia ser muito mais difundido. Aqui mesmo na real, vejo muito pouco conteúdo de alto nível, como esse. É um veneno. 

Muita gente brochando e tendo paumolecência porque fica assistindo essas merdas a ponto de se viciar.

Mesmo o contato eventual pode ser perigoso.

A diferença de prazer e desempenho sexual numa relação real qdo vc está sem pornô, e qdo vc está assistindo com frequência, é absurda. Eu sei por experiência própria.

Se bate uma vontade doida de gozar e estou sem contato ou viajando, prefiro 1000 vezes pagar uma puta do fatal do que acessar o xvideos.

Sexo só se for de verdade. O resto é lixo

Deveria ser muito mais. No entanto, vejo que ela impacta muito mais os jovens do que os mais velhos, com seus circuitos já formados. Assim, para o mais velho se condicionar (criar super memórias pavlovianas) é muito difícil visto que ele já tem mais experiências com mulheres (que criou memórias). Diferente dos mais jovens, aonde seus circuitos, memórias ainda estão em formação. Daí, o jovem cresce achando que é normal toca uma com vídeo de personagem de anime (ou qualquer outro estímulo artificial). Já o mais velho diz que é coisa de adolescente (certo em parte) e que ele deveria parar, porque é fácil parar, porque para ele foi fácil e ele assiste e não se vicia.

Ninguém quer abrir mão de rabas e peitos enormes brancos, mesmo que virtual (Até porque, segundo o próprio Gary Wilson, a pornografia não pode ser definida ou classificada porque o cérebro responde a estímulos. Se para o cérebro o que você está vendo é, de fato, palpável ou virtual (luzes), não importar, o que importa é o quanto esse estimulo provocou de prazer. Será assim que ele irá registrar a informação).
"...os homens se corrompem, o sistema quebra, mas DEUS CONTINUA SENDO DEUS!"  
Spoiler Revelar
Autor Desconhecido
Responda-o
#6
Eu costumo associar o vício na pornografia ao vício do crack

Eu tive uma experiência com crack, onde eu estava com dois amigos cheirando cocaína, e um deles decidiu ir na biqueira buscar mais droga, e voltou com 3 pedras de crack, pegou cinzas de cigarro e acendeu numa latinha, depois instigou os outros dois (eu e um outro colega) à dar uma tragada pra sentir a "brisa". Eu pensei duas vezes e decidi não fumar, mesmo sentindo uma baia curiosidade, enquanto o outro colega fumou aquela merda. Hoje em dia, os dois são viciados, que vivem nas ruas fumando durante o dia inteiro.

Depois deste fato, eu procurei saber porque o crack é tão devastador e encontrei uma analogia entre o crack e a pornografia:

O cracudo, geralmente não fica muito tempo sem consumir crack, gasta uma grande parte do seu dinheiro para obter mais e mais, quanto mais usa, mais ele precisa, ou seja, ele nunca vai ter o mesmo efeito que teve quando fumou uma só pedra, então ele busca fumar várias e busca compostos do crack, como o oxi por exemplo, ou drogas mais pesadas como a heroína e é comum eles fazerem muita merda em prol do uso, como roubar ou até mesmo matar alguém por causa da abstinência.

O viciado em pornô, começa com algo comum, como um vídeo pornô tradicional, depois muda pro amador, depois explora fetiches que beiram à bizarrice, e até mesmo pedofilia, ou então ele começa à ter fetiche por pornografia interracial e quer que a mulher/namorada vire uma puta em prol do prazer dele. Não é incomum ver comentários em vídeos pornôs interraciais onde tem vários caras implorando por um "negão" pra comer a esposinha deles. E as vezes alguns chegam à cometer merdas como estupros, abuso de crianças, animais e etc, em prol do pornô.

Assim como um cracudo consegue fumar pedra infinitamente, pois o crack não dá overdose; o viciado em pornô, se deixar, fica o dia todo se masturbando. Eu trabalhei com um cara no McDonalds, que se masturbava em horário de trabalho, no banheiro do shopping.


Deviam criar o P.A - Punheteiros Anônimos.


Detalhe: hoje em dia, criou-se uma nova modalidade de tráfico: sites como onlyfans e etc.
Responda-o
#7
Um tópico que pode complementar o assunto no que tange à saúde mental.

https://legadorealista.net/forum/showthr...p?tid=1386
"A Real tem 5 estágios: Conhecimento, Revolta, Aceitação, Compreensão e Evolução".
Responda-o
#8
Ninguém fica livre eternamente do pornô, afinal pra cada lado que tu olha na internet hoje em dia tem uma bunda, um peito e um estimulo sexual, mas que ficar longe dos xvideos da vida é uma parada saudável é sim, mas ai que ta o pulo do gato, nofap essas paradas é bullshit, pode ser bem vindo um período quando tu ta tentando se desintoxicar da enchurrada de dopamina, mas ficar sem tocar uma não é indicado nem pela medicina, inclusive a boa e velha punheta ajuda na prevenção do câncer de prostata, entao resumindo, a parada é, se manter o mais longe possível dos estímulos visuais mas não abandonar a boa e velha 5/1

Mas o indicado é 1 a 2 vezes na semana escutaram ai seus punheteros (@Penoso ) GargalhadaGargalhada
Oitavo anjo do apocalipse
Responda-o
#9
(14-09-2022, 09:26 AM)War Escreveu: Ninguém fica livre eternamente do pornô, afinal pra cada lado que tu olha na internet hoje em dia tem uma bunda, um peito e um estimulo sexual, mas que ficar longe dos xvideos da vida é uma parada saudável é sim, mas ai que ta o pulo do gato, nofap essas paradas é bullshit, pode ser bem vindo um período quando tu ta tentando se desintoxicar da enchurrada de dopamina, mas ficar sem tocar uma não é indicado nem pela medicina, inclusive a boa e velha punheta ajuda na prevenção do câncer de prostata, entao resumindo, a parada é, se manter o mais longe possível dos estímulos visuais mas não abandonar a boa e velha 5/1

Mas o indicado é 1 a 2 vezes na semana escutaram ai seus punheteros (@Penoso ) GargalhadaGargalhada

Pode falar o que for, não vou diminuir, foco no progresso até abrir o portal do apocalipse e zerar o xvideo Yaoming
Responda-o
#10
quem tem uma rotina regrada, e pouco tempo livre, dificilmente se viciará em pornô
Responda-o


Possíveis Tópicos Relacionados...
Tópico Autor Respostas Visualizações Última Postagem
  Seu cérebro e o pornô – parte 1 Guardião 0 436 21-03-2022, 12:19 AM
Última Postagem: Guardião

Pular fórum:


Usuários visualizando este tópico: 1 Visitante(s)