Avaliação do Tópico:
  • 3 Voto(s) - 5 em Média
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
[RELATO] A História do Conde
#61
Veja o filme depois comente se há semelhança.
A Real salva vidas!
“Train yourself to let go of everything you fear to lose.” (Yoda)
Responda-o
#62
Li pela terceira vez este relato faraônico. Toda vez que leio vem alguma ardilosidade feminina que minhas bruxas madrinhas aprontaram comigo e que não enxerguei antes. Essa história é fenomenal.

Alguém sabe onde tem o link do relato do Arlindo Menezes? Procuro desde 2016 e até hoje não achei pra lê-lo.
Responda-o
#63
(07-08-2018, 03:31 AM)Trunks Escreveu: Li pela terceira vez este relato faraônico. Toda vez que leio vem alguma ardilosidade feminina que minhas bruxas madrinhas aprontaram comigo e que não enxerguei antes. Essa história é fenomenal.

Alguém sabe onde tem o link do relato do Arlindo Menezes? Procuro desde 2016 e até hoje não achei pra lê-lo.

Bom, sei que não foi isso que pediu, mas a Real evoluiu muito com os anos, e aqui mesmo no fórum você encontrará excelentes tópicos, de todas as áreas da vida do homem, que podem ser úteis para seu crescimento como homem.

Não vejo vantagem alguma ficar alimentando revolta com relatos, ainda mais antigos. Mas aí é uma escolha sua.
[...]
Responda-o
#64
Sobre semelhança com o filme O Conde de Monte Cristo, existe alguma, mas para por ai. Essa história é sobre a matrix.
Responda-o
#65
Começando a ler os ouros do fórum. Realmente uma lição de vida e tapa na cara.
Passando por vários trechos pude identificar atitudes que eu tive e atitudes da minha BM, tudo escarrado e cuspido na minha face, que não percebi com o passar do tempo. Meu ressentimento por BM virou agradecimento, por retirar as vendas dos meus olhos.
Alguns podem não concordar, mas a ideia de que "Deus nos fará justiça" é um ótimo propulsor (contanto que não sirva de muleta).
Responda-o
#66
(08-10-2015, 07:27 PM)Axiom Escreveu: Eu já estava bem, tinha comprado já uma carro zero, estava magro, enfim, era um outro homem naquele momento. Chegando lá, para a minha surpresa, adivinhem quem estava lá junto? Isso mesmo, a Aline. Quando eu a vi não criei caso, a cumprimentei normalmente, conversamos um pouco. E, sinceramente, olhando para ela ali, me perguntei como que eu fiquei tanto tempo me humilhando por um lixo daquele. Ela estava aparentemente mais gorda, cabelo mal cuidado sem chapinha, tava com o semblante bem mais acabado do que eu tinha visto da última vez. Lhe perguntei como estava o casamento e ela me disse que tinha se separado pois a convivência junto com ele e os seus familiares ficou insuportável. Mesmo assim ela aguentou para não terminar o seu casamento por conta disso apenas.

Mas ela descobriu depois que o seu marido a traía com outras, sempre a deixava sozinha em casa alegando sair com os amigos para beber e na verdade saia com outras mulheres. Ela me disse que ao descobrir decidiu terminar e voltou (de novo) para a maloca que ela sempre viveu mas nunca gostou de morar lá, sempre querendo arrumar algum otário provedor que a tirasse dali.

Estava desempregada, percebi nela um ar meio depressivo. E ela me elogiava o tempo inteiro, do tipo "Nossa, mas como você está diferente, está magrinho, lindo!"/"Puxa, que carro bonito você comprou,  parabéns!"/"Está namorando? se estiver, ela é a mulher mais sortuda desse mundo". Não procurei em nenhum momento isso, confrades, mas me senti plenamente vingado naquele momento.

Resolvi a pendência com a mãe dela, deixei tudo em ordem. Elas me pediram uma carona, estava chovendo, mas lhes disse que não poderia pois tinha que resolver algo urgente naquele momento, não iria dar. Elas se foram, eu entrei no meu carro. Estava com uma sensação estranha, parece que tinha tirado da minhas costas um peso enorme. Sem querer eu tinha me vingado dela. Ela estava totalmente por baixo naquele momento e eu ali estava vitorioso. Como diz uma postagem do blog do Doutrina, "Sucesso, a verdadeira vingança do homem honrado".

Me lembrei, naquele momento, da frase que Edmond Dantes escreveu na parede da sua prisão, no momento de seu maior sofrimento:

"Deus me fará justiça!"

Fim!

Muito bom! Essa é a melhor parte do relato.

Você se desenvolveu, evoluiu e se tornou um homem muito melhor enquanto ela ficou feia, gorda, e em vez de de tentar evoluir, foi correr atrás das fortes emoções que ela queria tanto e ela conseguiu exatamente o que foi buscar: Um cara do mesmo nível dela e que a tratou como lixo assim como ela tratava os outros que se esforçavam para fazer ela feliz.
Cuidai, para que isso que agora julgais ser ouro puro, não se vos demonstre ser metal vil.

Conheça meu tópico: Evidências Bíblicas Arqueológicas.
Responda-o
#67
Depois de 3 meses de real tomei coragem e tirei uma horinha para ler este clássico. Leitura obrigatória.

Como diz o @Loki

Thank, man.

Relato fuderoso, leiam juvenas.
A vida passa como um conto ligeiro. 
Responda-o
#68
Leitura clássica da real... Acho que já li umas 20x pelo menos.
Entrei na real em 2012 (em 2013 que me cadastrei no FB) e essa história mexeu muito comigo.
Responda-o
#69
Muito bom, especialmente pelo confrade que saiu por cima.
"Escola? E o aprendizado com os próprios erros? A experiência te faz professor de si próprio".
Responda-o
#70
Eu sempre me emociono quando leio esse relato. Foi um dos primeiros que li depois de chegar na REAL e ser libertado da Matrix, ano passado.

Conde de Monte Cristo, onde você estiver saiba que é uma inspiração, obrigado por compartilhar sua história.
Responda-o
#71
Sempre lembro desse relato junto com o do Batman sendo um dos mais fodas, que me fizeram de fato cair a ficha e que "venderam" a Real pra mim.

Hoje em dia é muito mimimi, picuinha pequena, briguinha e gente impaciente pra ler. Os fóruns eram menos hostis, mas de fato os que chegavam aqui eram casos maios fodas e não juvenas soyboys chorando por que quebraram a unha.

Esse relato... Garanto que esse relato vale cada palavra. Quem não leu, leia, isso aqui é um pilar da Real aos meus olhos.
Citação:“Fortuna Perdida? Nada se perdeu... Coragem perdida?
Muito se perdeu... Honra perdida? Tudo se perdeu...”

(Provérbio Irlandês)
Responda-o
#72
(13-06-2020, 01:29 AM)Wild Escreveu: Sempre lembro desse relato junto com o do Batman sendo um dos mais fodas, que me fizeram de fato cair a ficha e que "venderam" a Real pra mim.

Hoje em dia é muito mimimi, picuinha pequena, briguinha e gente impaciente pra ler. Os fóruns eram menos hostis, mas de fato os que chegavam aqui eram casos maios fodas e não juvenas soyboys chorando por que quebraram a unha.

Esse relato... Garanto que esse relato vale cada palavra. Quem não leu, leia, isso aqui é um pilar da Real aos meus olhos.

Onde acho esse relato do Batman?

Cara, esse relato do conde é surreal, e eu acho que se prosseguisse no meu relacionamento, estaria igual ele, sendo tratado igual um pedaço de bosta...
Responda-o
#73
Puta que o pariu, que coisa absurda esse tópico.
Esse texto do Conde não pode ser simplesmente reduzida a um simples relato.
Isso é um guia, um manual, uma história de vida.

Esse tópico, por conter essa história, com certeza está entre os melhores desse fórum, juntamente com A Real e a Promiscuidade, Jejum de Dopamina, entre outros.

Todos devem marcar na agenda, calendário, sei lá, qualquer coisa: ler essa história de tempos em tempos.

Eu já me fodi também, creio que quase todos nós, mas não chegou nem perto do que o camarada Conde passou, puta que o pariu.

Espetacular!
Responda-o
#74
Cara eu li esse texto faz muuuuuuuuuuuuito tempo, mas eu nunca entro no meu perfil.
Sinceramente, se um dia ver essa pergunta: se pudesse voltar no tempo, considerando todo o aprendizado que teve, você faria tudo de novo (ou manteria a situação como ela foi), ou seguraria vela naquela noite? Pra não ter que passar por tudo isso?
Responda-o


Pular fórum:


Usuários visualizando este tópico: 1 Visitante(s)