Avaliação do Tópico:
  • 0 Voto(s) - 0 em Média
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
[Relato] Vida de Casado
#1
Vida de Casado
(Por Ice)

[Image: hXVVEW0.png?2]

Pergunta: Como você conheceu sua mulher? Ela é uma exceção? Como você convive com ela? A partir de que ponto você percebeu que sua vida é melhor com ela do que sem ela?

Resposta: Conheci na academia, ambos treinávamos kickboxe no mesmo horário, foi daqui, foi dali até que a conheci. Ela não é exceção, não existe esse negócio de mulher exceção, o que existe é mulher vadia que dá pra qualquer um e mulher que não dá pra qualquer um.

Mas mulher que não tem lado obscuro, que não se faz de vítima e que não faz jogos emocionais, (Quevedo mode ON) isso non ecxiste (Quevedo mode OFF).

Convivemos bem, temos problemas, discutimos as vezes e até brigamos, mas ainda considero que nosso casamento é bem acima da media. Não teve esse negócio de vida melhor ou pior. Na verdade minha vida não ficou melhor ou pior com ela, assim como não ficará melhor ou pior se por acaso meu casamento acabar, ela morrer, etc.

O que me deixou satisfeito e me deu confiança para começar me relacionar seriamente com ela foi sua postura. Prestando atenção ao comportamento dela, percebi que era diferente das vadias atuais (Se bem que a educação dela foi mais à moda antiga, o pai trabalhava fora e a mãe era dona de casa, morava em cidade pequena, sem contar que é da mesma idade que eu e tal).

Ela sempre estava nos locais onde disse que estaria, toda vez que eu ligava pra ela, não importa a hora, ela sempre atendia, nunca deixou de atender e nunca inventou desculpas, todas as vezes que fui de surpresa à casa dela ou ao local onde ela disse que estaria, a encontrei fazendo exatamente o que tinha me dito. Percebi que ela não é interesseira, me conheceu e começou a se relacionar comigo na pior época da minha vida, tinha acabado de me formar, estava desempregado e nem na OAB tinha passado ainda, estava literalmente quebrado, não tinha grana nem pra abastecer o carro (que, a propósito, era do meu pai, nem carro eu tinha, ele me emprestava, mas eu tinha que abastecer se quisesse andar com o carro dele).

Um dia disse que não iria vê-la porque estava sem grana (quis dizer que não tinha grana pra abastecer o carro) e ela me disse que era para eu me virar, ir a pé, de bicicleta, mas que ela ia me esperar e que não estava cobrando para eu entrar na casa dela.

Ficamos mais de um ano sem sair de casa porque eu não tinha grana para ir p canto nenhum, o máximo que rolava era um filme em DVD com pipoca e um rolê pela cidade.

Foram essas coisas que me fizeram perceber que ela é bem melhor do que a média que se vê por aí e me deu confiança para me relacionar com ela, embora eu ainda fosse matrixiano quando a conheci.

Nos casamos, ela nunca me fez exigências absurdas, sempre pergunta se pode fazer o que pretende ou se temos condições de comprar o que ela quer comprar. Cuida muito bem do nosso filho e não afunda a família em dívidas, não é modernete, não se acha fodona, não paga de feminista e por aí vai.

Esse tópico faz parte do projeto Segunda das Relíquias perdidas.
Responda-o
#2
O relato do tópico é antigo e se não me falha a memória eu já o li em algum lugar, mas enfim...

Contribuindo com alguns centavos neste (categoria) de assunto, vou deixar minha própria citação quando postei neste tópico.

Spoiler Revelar

"...Cara, é complicado esse lance de convivência a dois, pois cada casa é uma fórmula diferente e essa equação é gigantesca, mudando seus fatores a cada dia, mas honestamente, acredito piamente que para um lar estar de pé, tenha que haver o respeito e cumplicidade... sem isso, esquece!


Já passei por situações muito ruins com grana e a cidadã segurou a onda e vice versa, tudo dentro de um tabuleiro as claras, sem sacanagens ou armamento para futuras picuinhas e encheções de saco - cada um sempre com a sua parcela da responsabilidade de manter a casa de pé, as contas pagas e o armário cheio...


-x-

Para os mais novos ou para os teóricos das causas impossíveis, é legal deixar claro mais uma vez que não existe mulher exceção, o que existe é o quanto limpo e honesto a sua parceira lida com você (...e você é o único e exclusivo responsável por essa postura!) e, jogando luz sobre esse tema mais uma vez, a REAL é aquí fora no dia a dia...".


Aos mais novos: saiam da frente do PC / celular e etc e vão viver, caralho!
"Fiat justitia, et pereat mundus..."

#somostodosvelhos
Responda-o


Pular fórum:


Usuários visualizando este tópico: 1 Visitante(s)