Avaliação do Tópico:
  • 0 Voto(s) - 0 em Média
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
De volta à Matrix via música?
#1
De volta à Matrix via música?
(Por Ice)

[Image: kDSaJm8.png?1]

Pergunta: Você acredita que ouvir determinados estilos de musica (pagode, sertanejo, pop, rock) com uma certa frequência podem fazer com que um homem recém conhecedor da real volte a ficar com ''um pé'' na Matrix?

Resposta: Acho que sim, porque o ser humano é muito influenciável. E uma característica do homem é que tudo aquilo com o que convive passa a ser normal.

Tanto isso é verdade que hoje é normal a mulher ser puta e o cara ser frouxo. Isso acontece justamente pela lavagem cerebral a que somos submetidos diariamente. Lógico que se o sujeito tiver um caráter inabalável isso não vai acontecer, mas o risco sempre existe.

É como o cara tentar se abster da masturbação e se entupir de pornografia, achando que não tem nada a ver, é certo que mais cedo ou mais tarde vai acabar se masturbando. Não dá para encher o copo e achar que ele não vai transbordar...

É como o cara ser adepto da fidelidade, mas ficar flertando e dando trela pra mulherada. Isso não significa que ele vá trair, mas é inegável que facilita bastante. Não digo que o cara vai afundar na Matrix novamente, mas com certeza facilita muito uma recaída.

Certa vez ouvi uma anedota que representa bem essa situação: Um empresário queria contratar um motorista e entrevistou três candidatos. Perguntou ao primeiro: - Se você vê um buraco, qual a distância que fica dele? O cara, pra demonstrar que era um ás do volante disse: - Eu passo a 10 cm do buraco. O empresário se surpreendeu e disse: - Nossa, você é bom de volante mesmo, hein? Entrevistando o segundo, fez a mesma pergunta, ao que o candidato respondeu: - Eu consigo chegar a 5 cm do buraco. O empresário se mostrou ainda mais impressionado, chegando a vez do terceiro, repetiu a pergunta, recebendo a seguinte resposta: - Eu passo o mais longe possível do buraco, escolho outra rota, se puder. No ato o empresário disse: - Parabéns, está contratado.

Esse tópico faz parte do projeto Segunda das Relíquias perdidas.
Responda-o
#2
Deixem o pagode fora disso!

Gargalhada Gargalhada
"Paulistarum Terra Matter..."
Responda-o
#3
viva o rock!
Responda-o
#4
(11-01-2021, 03:35 PM)Scant Escreveu: viva o rock!

Viva o Rock! ²









Assim, Davi prevaleceu contra o filisteu com uma funda e com uma pedra, e feriu o filisteu, e o matou sem que Davi tivesse uma espada na mão.
Responda-o
#5
(10-01-2021, 05:11 PM)Guardião Escreveu: Pergunta: Você acredita que ouvir determinados estilos de musica (pagode, sertanejo, pop, rock) com uma certa frequência podem fazer com que um homem recém conhecedor da real volte a ficar com ''um pé'' na Matrix?

Um pé e 4 dedos doutro pé. Quando se chega na Real, tem que dar um tempo pras músicas do passado. Depois de um tempo, volta a escutá-las... coração / respiração acelerou? E/ou começou a rir? Dá mais um tempo! Só volte escutar quando não reagir ao escutá-las de novo!
Responda-o
#6
Somos pessoas feitas de costumes cristalizados ao longo do tempo. Mesmo que eu escute música nova toda semana, eventualmente vou voltar para as mesmas que eu gosto mais. E não tem nada de errado nisso, pois a gente se acostuma.

O problema é quando a gente associa as músicas a uma sensação de nostalgia, de pessoas que não estão mais com a gente, com situações que nos ocorreram, o que de novo é normal, é como nosso cérebro guarda informações, fazendo associações.

Até hoje me pego escutando ao acaso músicas que fazem lembrar das exs e garotas que conheci no passado, as vezes era uma música que tava em evidência, algo que passava numa rádio ou algum programa que eu assistia, ou algo que eu ouvia na época. E isso é completamente normal, mesmo que o cara extirpe toda a dor do apego e se policie para evitar cair nele.

É impossível apagar as nossas recordações seletivamente de forma trivial (ainda mais sob o risco de perder a sedimentação da nossa própria personalidade, nosso sendo de integridade e identidade provinda das nossas experiências), então devemos usar nossas lembranças como trampolim pra seguir em frente, e a música não é diferente.

O que nunca gostei muito (e depois passei a odiar) foi de músicas melosas demais, no máximo abro uma exceção pra um Lovy Metal e umas baladinhas de Hard Rock. Não por que eu associe a alguma garota, mas sim por que boa parte das músicas romanticuzinhas é monótona e me deixa ou no tédio com sono ou na bad.

Se a pessoa tem muitos gatilhos de apego ligados à música, honestamente recomendo trocar de disco, descobrir uma coisa diferente no Spotify.

Se a pessoa entrar na Real e bambear por conta de música romanticuzinha que traz lembranças de como ele era um miguxo matrixiano da vida fodida, meu parabéns, ao sair da Real, não esqueça de fechar a porta. Escolheu o caminho de Cypher, não o de Neo, e prefere se iludir. Eu não posso fazer nada por um cara desses.
Citação:“Fortuna Perdida? Nada se perdeu... Coragem perdida?
Muito se perdeu... Honra perdida? Tudo se perdeu...”

(Provérbio Irlandês)
Responda-o


Pular fórum:


Usuários visualizando este tópico: 1 Visitante(s)