Avaliação do Tópico:
  • 0 Voto(s) - 0 em Média
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
A Vida após a Morte - Estudo Completo
#1
Estudo Completo - A Vida após a Morte 


Orientações:

Nível de profundidade do estudo: Avançado (Não recomendado para iniciantes)
Material necessário: Bíblia (Para confirmar cada passagem e contexto usados)
Material auxiliar: Caderno e caneta (para resumos e anotações dos pontos importantes e dúvidas)

O objetivo do tópico é elucidar por completo tudo o que a bíblia ensina sobre a vida após a morte. Por isso, vou destrinchar ela com vocês aqui.

Eu postei esse estudo completo em 2012 no antigo Mundo Realista, foi um estudo minucioso e bem organizado, investi muito tempo nele, valeu a pena, rendeu dezenas de postagens de realistas com feedback positivo impressionados com as verdades ali escritas que nunca tinham conseguido se aprofundar tão bem assim antes, porém, infelizmente, o estudo se perdeu na queda do fórum, eu já tinha o desejo de refazer todo o estudo novamente, mas como era algo minucioso demorei bastante tempo para criar o ânimo de fazer toda a pesquisa do zero novamente.

Então, esse material é um tópico novo mas inspirado em um estudo bíblico de um tópico antigo, porém completamente renovado, com detalhes novos e uma abordagem mais ampla. Seria impossível para mim conseguir replicar com exatidão um tópico de 8 anos atrás, então não tentei fazer igual, mas sim algo novo, mais completo e com mais profundidade. 

Estes são alguns requisitos para você ler o tópico:
  • Acreditar que Deus existe.
  • Ter a intenção de seguir o que Deus manda.
  • Acreditar que a bíblia é inspirada por Deus.
Sem esses pré-requisitos, eu não te aconselho ler o tópico, pois não terá haver com suas crenças e pontos de vista. Mas, se mesmo assim quiser ler, fique a vontade, mas não venha falar besteira fora do tema.

Outros pontos que considero importantes para a leitura deste tópico:

Leia ele com uma bíblia aberta e vá acompanhando por si mesmo os versículos que eu for postando e verifique se o que eu estou falando está mesmo de acordo com a sua bíblia.
Não leia o tópico com pressa. Deixa para ler ele com calma quando você tiver um tempo livre para isso, para não perder nenhum detalhe.
Faça uma oração antes de começar o estudo do tema do tópico para que Deus te ilumine a entender a verdade.

Este tópico se baseia nesses grandes pilares:

1. Somente a Bíblia. Os meus argumentos são baseados em passagens da bíblia. Se quiser refutar, também terá que usar a bíblia para isso. Pois o objetivo do tópico é descobrir o que a Bíblia Sagrada ensina sobre a vida após a morte.
2. Inspiração divina. Se você não acredita que a bíblia é inspirada por Deus, então não faz sentido entender o que ela ensina. Então, não há necessidade também de participar do debate. O debate é entre pessoas que acreditam que a Bíblia foi inspirada por Deus e que buscam entender o que ela ensina para seguir. Se não acredita na bíblia, leia esses tópicos lendários que com certeza, vai te dar uma nova forma de enxergar este livro sagrado: Primeiro tópico e Segundo tópico.
3. Coerência bíblica. A bíblia não se contradiz. Pois a verdade não pode se contradizer. Se a bíblia é a verdade e a palavra de Deus, como eu acredito que seja, então ela não pode se contradizer. Ela tem que ser harmônica do início ao fim. Todas as aparentes contradições, quando analisadas mais afundo precisam ser explicadas e esclarecidas. Então, qualquer trecho que encontrar que supostamente contradiz o que é falado aqui, jogue na discussão para debatermos, analisarmos o contexto e descobrirmos o que realmente quer dizer.
4. Contexto bíblico. Preste atenção ao contexto do versículo. Analisar o contexto é essencial. Tirar versículos fora do contexto desvirtua o real sentido da palavra e te atrapalha a entender o que realmente significa.
5. Livre debate. O debate é totalmente bem vindo. Contando que siga as as regras acima. Eu sinceramente não tenho problema nenhum de deixar de mudar de opinião se durante o debate com os realistas me for provado biblicamente um ponto de vista novo. Eu quero fazer o que é o certo pela bíblia, independente do que seja. E você? Está disposto a fazer o mesmo?

Como o texto é todo baseado na bíblia está recheado de passagens bíblicas. Por isso, quando ver trechos como esse: "Ap 22.2, 14 e 19", saiba que é uma abreviação de: "Apocalipse, capítulo 22, versículo 2, versículo 14 e versículo 19". Se ver outro trecho escrito: "1 Ts 4.13-16", saiba que é "1 Tessalonicenses, capítulo 4, versículos 13 até o 16". As terminologias de cada abreviação dos livros se encontra no índice da sua bíblia. Para facilitar eu coloquei muitos livros de forma bem abreviada assim. Se não conseguir entender algum deles é só perguntar.

Sugiro primeiro a leitura desse tópico resgatado: A Real sobre a Vida após a Morte. Pois ele aborda todo o tema de forma direta e estruturada sem se ater a detalhes. Esse tópico aqui é mais aprofundado e completo, não indicado para quem nunca ouviu falar sobre o tema por ser mais detalhista em cada ponto.
“A honra, a integridade e a verdade precisam ser guardadas, custe o que custar ao próprio eu.” Obreiros Evangélicos, pág. 447
Responda-o
#2
Parte 1
O que é a morte?


Apesar dos muitos esforços para tentar prolongar a vida, o último inimigo com o qual o ser humano se depara é a morte. Ninguém consegue escapar dela. Talvez por isso exista tanta preocupação em torno do assunto. Há muitas teorias sobre o que ocorre com o ser humano após a morte. Para onde vão os que morrem? Eles sabem alguma coisa a nosso respeito? É possível manter contato com os mortos? Jesus – que morreu e ressuscitou – é o único autorizado a falar sobre o assunto. E Ele o fez na Bíblia. Deus não nos deixaria sem esclarecimento sobre algo tão sério. Pegue sua Bíblia mais uma vez, faça uma oração pedindo entendimento e esteja preparado para descobrir o que a Palavra de Deus tem a lhe ensinar sobre este inimigo que um dia não mais existirá: a morte!

Resumo deste post:

Mediante o sopro divino, o ser humano se tornou alma vivente. Gênesis 2:7
Pó da terra + fôlego de vida = alma vivente (ser vivo). Gênesis 2:7; Tiago 2:26
Quando o ser humano pecou deixou de ser imortal. Romanos 5:12
A desobediência à Palavra de Deus originou a morte. Gênesis 3:19
A alma (ser humano) morre e volta ao pó da terra. Ezequiel 18:4; Genesis 3:19
Somente Deus é imortal. 1 Timóteo 6:15, 16
A morte é a ausência total de vida. Um estado de inconsciência. Eclesiastes 9:5, 6; Salmos 6:5; 146:4
Jesus comparou a morte ao sono. João 11:11, 14, 21
Satanás começou a mentira da imortalidade da alma. Gênesis 2:16, 17 e 3:4
Somente em Deus podemos ter a vida eterna. 1 João 5:12; João 3:16
A imortalidade é um atributo exclusivo de Deus. 1 Timóteo 6:15, 16
Comeremos da árvore da vida para sermos imortais. (Ap 22.2, 14 e 19)
Conheça a solução divina para o problema do pecado e da morte. 1 Tessalonicenses 4:13, 14; Oseias 13:14; Isaías 26:19

Os seres humanos têm uma repulsa inata em relação à morte, porque fomos criados apenas para viver e nunca morrer. A morte é uma intrusa. Ela não foi planejada. Para entender o que ocorre na morte é preciso saber como o homem foi criado. Quais foram os dois elementos que Deus usou para criar o primeiro homem, no sexto dia da Criação? Gênesis 2:7

Bíblia Sagrada Escreveu:Então, formou o SENHOR Deus ao homem do pó da terra e lhe soprou nas narinas o fôlego de vida, e o homem passou a ser alma vivente.

É importante notar que o texto diz que somos uma alma vivente. Não diz que temos uma alma. A palavra “alma”, no original hebraico, é nephesh (Mencionarei a palavra original utilizada em muitos versículos para termos um estudo mais aprofundado), que significa basicamente “ser vivente”. Portanto: pó da terra + fôlego de vida = alma vivente (ser vivo). Isso pode ser ilustrado com uma lâmpada. O vidro pode ser comparado ao corpo. A energia elétrica, ao fôlego de vida. A união dos dois dá origem à luz. A luz pode ser aqui comparada à alma ou pessoa. Sem o vidro ou sem a energia não há luz, assim como sem o corpo ou sem o fôlego não há ser vivente ou alma. A ideia de que teríamos dentro de nós uma entidade imaterial e imortal não é bíblica e eu vou explicar aqui.

Estudo detalhado em spoiler para o aprofundamento do tema. Atenção! Na primeira leitura do tópico, pule as partes em spoilers do texto, para você primeiro conseguir ter uma visão do todo, para facilitar o entendimento pois será uma leitura mais aprofundada, por isso é necessário já estar com toda a visão do assunto. Posso comparar com duas camadas de estudo. O texto é a 1° camada, o material em spoiler é a segunda camada. O tema em segunda camada é muito complexo para se ler na primeira vez que fizer o estudo e pode bagunçar a sua cabeça, por isso é primordial fazer todo o estudo da primeira camada, anotar os pontos importantes, ler todos os versículos, refletir, para só depois estudar a segunda camada do meu material, coloquei a segunda camada na posição certa do texto para se encaixar perfeitamente com o segundo estudo que você fará sobre o tema após terminar o primeiro.

O que é o “espírito”? Explicação detalhada em spoiler.

Spoiler Revelar
O QUE É O “ESPÍRITO”?

O corpo é formado de matéria, de pó. O espírito [ruach] é o que dá animação ao corpo, e assim tornamo-nos almas viventes (Gn.2:7). Sem o espírito em nós, o nosso corpo morto não passa de matéria (pó) inanimada, sem vida (Tg.2:26). O que é o “espírito”, então? É exatamente aquilo que dá animação ao corpo, é a “vida” por assim dizer.

Obviamente não tem parte nenhuma com algum outro “você” que volta para Deus, mas representa tão somente a vida deixada nas mãos do Criador; é por isso que a Bíblia apresenta os animais com o mesmo espírito-ruach possuído pelos humanos (Gn.6:17; Gn.7:21,22; Ec.3:19,20; Gn.7:15; Sl.104:29).

Gênesis 6:17 – “Porque eis que eu trago um dilúvio de águas sobre a terra, para desfazer toda a carne em que há espírito [ruach] de vida debaixo dos céus; tudo o que há na terra expirará”

Gênesis 7:21,22 – “E expirou toda a carne que se movia sobre a terra, tanto de ave como de gado e de fera, e de todo réptil que se roja sobre a terra, e todo homem, tudo o que tinha fôlego de espírito [ruach] de vida em seus narizes, tudo o que havia na terra seca, morreu”

Eclesiastes 3:19,20 – “Porque o que sucede aos filhos dos homens, isso mesmo também sucede aos animais, e lhes sucede a mesma coisa; como morre um, assim morre o outro; e todos têm o mesmo fôlego [ruach], e a vantagem dos homens sobre os animais não é nenhuma, porque todos são vaidade. Todos vão para o mesmo lugar; todos foram feitos do pó, e todos voltarão ao pó”

Gênesis 7:15 – “E entraram na arca de dois a dois de toda carne em que há um espírito vivo” (Young’s Literal Translation)

Fica claro que espírito significa “VIDA” e não um ser inteligente que sai do corpo na hora da morte.

No livro de Apocalipse é lido que até uma imagem de escultura é dotada de espírito [pneuma, no grego] para tornar-se um ser animado: “E foi-lhe concedido que desse espírito [pneuma] à imagem da besta, para que também a imagem da besta falasse, e fizesse que fossem mortos todos os que não adorassem a imagem da besta” (Ap.13:15).

Aqui vemos que a imagem de escultura (um ser inanimado) foi dotada de espírito [pneuma] e assim foi dada animação [vida] à imagem. É mais do que óbvio que Deus não colocou uma “alma imortal” dentro da imagem e muito menos alguma entidade consciente que volta com personalidade e inteligência para Deus, mas simplesmente concedeu-lhe o fôlego da vida para dar animação à imagem de pedra. É exatamente a mesma coisa que sucedeu aos seres humanos.

A mesma coisa sucedeu a nós: Fomos formados do pó da terra, de matéria animada; até que Deus soprou em nós o espírito [vida] dando animação à matéria formada do pó – e assim o homem tornou-se uma alma [ser] vivente. O espírito é o que vem da parte de Deus e que dá animação a um elemento inanimado, tornando tal elemento em animado, concedendo-lhe vida. Quando as pessoas morrem, elas perdem a vida [espírito], tornam-se novamente em matéria inanimada (pó), é por isso que a Bíblia afirma que o espírito de todos retorna para Deus (Ec.12:7), pois as pessoas perdem a vida, voltam a ser pó.

É claramente nos referido que o motivo dos ídolos mudos não serem vivos é decorrente do fato de não possuírem “espírito-ruach”: “Eis que está coberto de ouro e de prata, mas no seu interior não há fôlego [ruach] nenhum” (Hc.2:9). E também em Jeremias: “Todo ourives é envergonhado pela imagem que ele esculpiu; pois as suas imagens são mentira, e nelas não há fôlego [ruach]” (Jr.10:4).

Aqui vemos que os que não têm vida são descritos como sem “espírito-ruach”. Os ídolos são considerados como “sem vida” pelo fato de serem destituídos de espírito-ruach, que é o princípio animador de toda a vida. Quando um ídolo ganha animação, é descrito como constituído de “espírito-pneuma” (Ap.13:15), porque passou a ter vida. Em outras palavras, o espírito é nada a mais do que o poder capacitador de vida a qualquer ser vivente, mesmo quando trata-se de ídolos ou de animais.

Ele não é uma alma imortal, e nem algo que traz consigo imortalidade, consciência e personalidade após a morte, mas apenas a vida que possuímos em nossa jornada terrestre. Quando o espírito é retirado do ser humano, este volta para o pó da terra (Sl.104:29; Sl.146:4; Gn.3:19); quando o espírito concedido temporariamente àquela imagem lhe é retirado, volta a ser uma pedra inanimada.

Os escritores bíblicos correspondiam bem ao fato de que a saída do espírito-ruach por ocasião da morte não significa a continuação da vida, mas sim a cessação dela:

Jó 14:10-12 – “Porém, morto o homem, é consumido; sim, rendendo o homem o espírito, então onde está ele? Como as águas se retiram do mar, e o rio se esgota, e fica seco, assim o homem se deita, e não se levanta; até que não haja mais céus, não acordará nem despertará de seu sono”

Salmos 146:4 – “Quando o espírito deles se vai, eles voltam ao pó, e naquele dia perecem os seus pensamentos”

O que é a "alma"? Explicação em spoiler.

Spoiler Revelar
O QUE É A “ALMA”?

Enquanto o espírito-ruach é o agente transmissor de vida, a alma-psiquê é a vida como ser vivo, consciente, integral. Isso fica claro à luz de Gênesis que nos diz sobre a criação humana:

Gênesis 2:7 – “E formou o Senhor Deus o homem do pó da terra, e soprou em suas narinas o fôlego de vida, e o homem tornou-se uma alma vivente”

Eis aí a passagem bíblica acerca da criação do ser humano, que nos dá um perfeito entendimento dos conceitos bíblicos de corpo, alma e espírito. É aqui que entra em cena algo muito desconhecido pela maioria das pessoas: Biblicamente, o homem não tem uma alma, ele é uma alma. Ele “tornou-se” uma alma e não “obteve” uma!  A alma é o que o homem passou a ser, e não o que ele obteve de Deus. O corpo é a alma em sua forma exterior.

Quando a Bíblia diz que em resultado do sopro divino “o homem tornou-se uma alma vivente”, ela está dizendo apenas que o corpo formado literalmente do pó da terra ganhou animação e se fez um ser vivo, que respira – nada além disso. O sangue (vitalidade da alma – Lv.17:11; Gn.9:4,5) começou a circular, o cérebro começou a raciocinar e o coração a bater, com todos os sinais ativados. O homem tornou-se uma “alma vivente”, ou seja, um ser vivo.

Não houve componente imaterial e imortal colocado no ser humano. Declarado em termos simples, “uma alma vivente” significa “um ser vivo”, e não “uma alma imortal”! Evidentemente a alma é considerada “vivente” enquanto vive, passando a ser “alma morta” por ocasião da retirada do fôlego de vida [espírito] no falecimento. Uma alma vivente significa simplesmente um ser vivo, que morre.

Como vemos, a vida surge quando um corpo inanimado (pó) se une com a força vital, denominada de ruach (espírito ou respiração). Como resultado desta união, o homem tornou-se uma alma vivente (Gn.2:7). Em momento nenhum lhe é infundida uma alma; ao contrário, ele se faz uma alma vivente quando Deus lhes sopra a respiração [fôlego/espírito] nos seus corpos.

Poderíamos compará-lo com a “eletricidade” nesta analogia. A questão que fica é: O que sucede à alma vivente, como resultado da junção da respiração com o pó? A resposta para essa pergunta pode ser ilustrada através da nossa ilustração com a lâmpada. A lâmpada pode ser analogicamente comparada com o corpo e a eletricidade com o espírito. Enquanto a eletricidade circula por dentro da lâmpada, há luz. A luz é como a alma vivente, o ser racional. Quando, porém, desligamos o interruptor da luz e a eletricidade cessa de circular na lâmpada, para onde é que a luz vai?

Simplesmente deixa de existir. Não vai para uma outra dimensão. Ao sair da lâmpada, ela simplesmente acaba. Igualmente, quando Deus resolve desligar a “eletricidade” da nossa vida, o fôlego deixa de entrar de entrar no nosso corpo. Para onde vai a alma vivente? Para onde vai a pessoa? Vai imediatamente para o Céu, para o inferno ou para o purgatório? Não, deixa de existir. Exatamente como a luz. A Bíblia descreve este estado como um sono pacífico (Sl.13:3).

Mais um outro exemplo elucidativo: A alma é o resultado da junção do pó da terra com o fôlego da vida (Gn.2:7). Assim, entendemos que não há uma alma viva [vivente] sem o corpo (pó) com o espírito (fôlego de vida). É como a água, que é a combinação de oxigênio e hidrogênio. Mas se você separar os dois elementos a água desaparece. Não existe uma alma vivente sem o corpo com o fôlego de vida. Poderíamos elucidar a questão da seguinte maneira:

LÂMPADA + ELETRICIDADE = LUZ

LÂMPADA – ELETRICIDADE = SEM LUZ

OXIGÊNIO + HIDROGÊNIO = ÁGUA

OXIGÊNIO – HIDROGÊNIO = SEM ÁGUA

PÓ DA TERRA + FÔLEGO DA VIDA [ESPÍRITO] = ALMA VIVENTE [vida]

PÓ DA TERRA – FÔLEGO DA VIDA [ESPÍRITO] = ALMA MORTA [sem vida]

Qual a diferença entre espírito e alma? Estudo adicional em spoiler.

Spoiler Revelar
Qual a diferença entre alma e espírito?

Os significados das palavras “alma” e “espírito” na Bíblia:

Nas informações etimológicas, nós podemos encontrar que as palavras “alma” e “espírito” nas Escrituras provêm de palavras hebraicas e gregas, línguas em que a Bíblia foi escrita. Vejamos:

Alma – No Antigo Testamento vem do hebraico vpn (nephesh). Ocorre aproximadamente 755 vezes, sendo traduzida de diferentes formas, dependendo do contexto. No Novo Testamento, a palavra grega é quch (psychê) e ocorre aproximadamente 105 vezes.

Espírito – No Velho Testamento são usadas as palavras Mwr (ruach) e hmvn (neshamah). Aparece 377 vezes. No Novo Testamento, a palavra grega para espírito é pneuma (pneuma) e aparece 220 vezes.

Como essas palavras são traduzidas:

São explanadas de diversas formas nas Escrituras. Eis alguns exemplos:

Alma é traduzida como: vida (Gn 9.4,5; 35.18; Sl 31.13), pessoa (Gn 14.21; Dt 10.22; At 27.37), cadáver (Nm 9.6); apetite (Ec 6.7) coração (Êx 23.9) ser vivente (Ap 16.3) pronomes pessoais (Sl 3.2; Mt 26.38)
A palavra “alma” aparece na Bíblia aproximadamente 1600 vezes e em nenhum caso refere-se a uma entidade imaterial com imortalidade e que sobreviva fora do corpo.

Espírito pode ser traduzido como: vento (respiração – Gn 8.1), espírito (no sentido de alento, ânimo – Jz 15.19), atitude ou estado de espírito (Rm 8.15; 1 Co 4.21), sopro ou hálito de Deus (2 Ts 2.8) consciência individual (1 Co 2.11, primeira parte). O termo também é usado para se referir a seres pessoais: anjos e demônios (Hb 1.14; 1 Tm 4.1); a Cristo (1 Co 3.17[3]) a Divina natureza de Cristo (Rm 1.4), à Terceira Pessoa da Trindade (Rm 8.9-11; 1 Co 2.8-12[4]); a Deus Pai (Jo 4.24) e a pessoas vivas (Hb 12.22, 23).

Por que existem tantos sentidos para as palavras “alma e espírito”? As línguas bíblicas não possuem um considerável número de verbetes. O hebraico, por exemplo, não possui vogais, preposições, ou conjunções. Esta escassez de palavras faz com que um termo seja traduzido de diferentes formas. Como comparação, vejamos a língua portuguesa. Mesmo sendo rica em letras e verbetes, enfrenta certas dificuldades. A palavra “manga” tem mais de 1 sentido: refere-se à manga de um casaco e a uma fruta. Se a nossa língua, com seus muitos verbetes, tem palavras com vários sentidos, imagine o alfabeto hebraico!

Apesar das diversas traduções, é importantíssimo sabermos que o conceito básico de “espírito” e “alma” encontrados no texto de Gênesis 2:7, onde é mencionado o processo utilizado por Deus na criação do homem: “Então, formou o SENHOR Deus ao homem do pó da terra e lhe soprou nas narinas o fôlego de vida (neshamah), e o homem passou a ser alma (nephesh) vivente”. Deus formou ao homem de dois elementos: pó da terra e fôlego de vida. De acordo com o original, este texto seria da seguinte forma: “Então, formou o Senhor Deus ao homem do pó da terra e lhe soprou nas narinas o espírito de vida (fôlego de vida), e o homem passou a ser uma pessoa vivente”. Isso significa que no conceito bíblico:

– O principal significado de “espírito” (mesmo podendo ser traduzido de várias maneiras) é fôlego de vida;

– “Alma” é a união do corpo com o fôlego de vida, ou seja, a pessoa como um todo. Uma pessoa viva. Veja Deuteronômio 10:22: “Com setenta almas [pessoas], teus pais desceram ao Egito; e, agora, o SENHOR, teu Deus, te pôs como as estrelas dos céus em multidão.”

Digamos que você tenha uma lâmpada e não tenha a eletricidade. Teria a luz? Certamente não. Agora, suponhamos que você tenha a eletricidade, mas não tenha a lâmpada. Haveria luz? Também não. Para haver a luz, é necessário haver a lâmpada e a eletricidade. Apenas um desses itens não basta.

O mesmo se dá em relação à vida! Para existirmos temos de ter o corpo e o espírito (fôlego de Deus). Do contrário não temos vida; deixamos de existir e dormimos o sono da morte. O próprio Cristo, o “Autor da Vida” (At 3.15) comparou a morte a um sono:

“Isto dizia e depois lhes acrescentou: Nosso amigo Lázaro adormeceu, mas vou para despertá-lo. Disseram-lhe, pois, os discípulos: Senhor, se dorme, estará salvo. Jesus, porém, falara com respeito à morte de Lázaro; mas eles supunham que tivesse falado do repouso do sono. Então, Jesus lhes disse claramente: Lázaro morreu” (Jo 11.11-14).

Com essa comparação, Cristo confirmou o que disse Salomão a respeito do estado do ser humano na morte:

“Porque os vivos sabem que hão de morrer, mas os mortos não sabem coisa nenhuma, nem tampouco terão eles recompensa, porque a sua memória jaz no esquecimento. Amor, ódio e inveja para eles já pereceram; para sempre não têm eles parte em coisa alguma do que se faz debaixo do sol” (Ec 95-6).

Os autores do Antigo Testamento afirmaram de forma constante que o ser humano é indivisível. Os vários termos hebraicos geralmente traduzidos como carne, alma e espírito são apenas formas alternativas de descrever, de diferentes pontos de vista, a pessoa humana como um todo. Em harmonia com essa perspectiva, as Escrituras usam diferentes metáforas para descrever a morte. Entre elas, o sono se destaca como símbolo apropriado para refletir a compreensão bíblica da condição dos mortos (Jó 3:11-13; 14:12; Sl 13:3; Jr 51:39; Dn 12:2). A morte é a cessação completa da vida. É um estado de inconsciência em que não há pensamentos, emoções, obras, nem relacionamentos de qualquer tipo (Ec 9:5, 6, 10; Sl 115:17; 146:4).

O que ocorreu com a alma vivente (o ser humano) quando pecou? Romanos 5:12

Bíblia Sagrada Escreveu:Portanto, assim como por um só homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado, a morte, assim também a morte passou a todos os homens, porque todos pecaram.

Deus não criou a morte. Ela foi um intruso na criação perfeita de Deus. A morte passou a existir a partir do pecado de Adão e Eva. Pecado é ruptura de relação com Deus, e como Deus é a fonte de vida, quando o ser humano pecou deixou de ser imortal.  

O que voltamos a ser depois de mortos? Gênesis 3:19

Bíblia Sagrada Escreveu:No suor do rosto comerás o teu pão, até que tornes à terra, pois dela foste formado; porque tu és pó e ao pó tornarás.

Pó da terra – fôlego de vida = alma deixa de existir (pó volta ao pó; fôlego volta a Deus).

Então a alma pode morrer? Ezequiel 18:4

Bíblia Sagrada Escreveu:Eis que todas as almas são minhas; como a alma do pai, também a alma do filho é minha; a alma que pecar, essa morrerá.

Como já vimos, no momento em que o ser humano morre, o fôlego (espírito) volta a Deus e o pó volta à terra. A alma vivente deixa de existir, morre.

Para onde vai a alma após a morte? Estudo em spoiler com várias passagens bíblicas aprofundando o tema.

Spoiler Revelar
PARA ONDE VAI A ALMA APÓS A MORTE?

Essa questão é facilmente respondida na Bíblia Sagrada, que nos mostra que o corpo é a alma visível. Portanto, o destino da alma não é um destino diferente do corpo; e, por isso, a própria alma não escapa da cova da corrupção [sepultura] para onde vai o corpo:

Isaías 38:17 – “Foi para minha paz que tive eu grande amargura; tu, porém, amaste a minha alma e a livraste da cova da corrupção, porque lançaste para trás de ti todos os meus pecados”

Salmos 88:3 – “Porque a minha alma está cheia de angústia, e a minha vida se aproxima da sepultura”

Salmos 94:17 – “Se o Senhor não fora em meu auxílio, já a minha alma habitaria no lugar do silêncio”

Jó 33:28 – “Ele resgatou a minha alma, impedindo-a de descer para a cova, e viverei para desfrutar a luz”

Jó 33:18 – “Para apartar o homem do seu designo e livrá-lo da soberba; para livrar a sua alma da cova, e a sua vida da espada”

Jó 33:22 – “Sua alma aproxima-se da cova, e sua vida, dos mensageiros da morte”

Muito embora os escritores bíblicos tivessem a sua disposição a plena condição de relatar que o corpo somente é que desce a cova ou que “repousa”, eles insistem em declarar que a alma [nephesh] desce a cova, a corrupção, ao silêncio. Ponderamos: iriam todos eles relatar que a alma jaz na cova caso tivessem em mente que após as suas mortes a sua alma partiria logo para qualquer lugar, menos para a cova?

É óbvio que não! A crença dos escritores bíblicos era de uma natureza holista e não dualista do ser humano, de modo que a alma não escapava da sepultura. É digno de nota, também, o fato de que nunca em passagem nenhuma da Bíblia há qualquer declaração de algum relato da alma subindo ao Céu ou descendo para o inferno. Em absolutamente todas as vezes em que alguém relata o local onde a sua alma partiria com a morte, diz respeito somente a sepultura.

Salmos 88:3 – “Porque a minha alma está cheia de angústia, e a minha vida se aproxima da sepultura”

Nunca em passagem nenhuma da Bíblia há qualquer declaração de algum relato da alma subindo ao Céu ou descendo para o inferno. Em absolutamente todas as vezes em que alguém relata o local onde a sua alma partiria com a morte, diz respeito somente a sepultura. 

Somente quem é imortal? 1 Timóteo 6:15, 16

Bíblia Sagrada Escreveu:a qual, em suas épocas determinadas, há de ser revelada pelo bendito e único Soberano, o Rei dos reis e Senhor dos senhores; o único que possui imortalidade, que habita em luz inacessível, a quem homem algum jamais viu, nem é capaz de ver. A ele honra e poder eterno. Amém!

O ser humano (alma) passou a ser mortal quando pecou. Somente Deus, o Criador, é imortal por Si mesmo. Todos os demais seres criados têm vida derivada dEle.

Ezequiel 18:4 – “Eis que todas as almas são minhas; como o é a alma do pai, assim também a alma do filho é minha: a alma que pecar, essa morrerá”

Um estudo mais aprofundado abaixo:

A alma morre (ou é imortal?). Complemento em spoiler.

Spoiler Revelar
A ALMA MORRE OU ELA É IMORTAL?

A Bíblia fala inúmeras da morte da alma:

Salmos 116:8 – “Porque tu livraste a minha alma da morte, os meus olhos das lágrimas, e os meus pés da queda”

Salmos 39:19 – “Para lhes livrar as almas da morte, e para os conservar vivos na fome”

Salmos 56:13 – “Pois tu livraste a minha alma da morte; não livrarás os meus pés da queda, para andar diante de Deus na luz dos viventes?”

Números 23:10 – “Quem contará o pó de Jacó e o número da quarta parte de Israel? Que a minha alma morra da morte dos justos, e seja o meu fim como o seu”

Jó 33:22 – “E a sua alma se vai chegando à cova, e a sua vida aos que trazem a morte”

Êxodo 31:14 – “Portanto guardareis o sábado, porque santo é para vós; aquele que o profanar certamente morrerá; porque qualquer que nele fizer alguma obra, aquela alma será eliminada do meio do seu povo”

Salmos 78:50 – “Preparou caminho à sua ira; não poupou as suas almas da morte, mas entregou à pestilência as suas vidas”

Juízes 16;18 – “E sucedeu que, importunando-o ela todos os dias com as suas palavras, e molestando-o, a sua alma se angustiou até a morte”

Ezequiel 22:25 – “Conspiração dos seus profetas há no meio dela, como um leão que ruge, que arrebata a presa; eles devoram as almas; tomam tesouros e coisas preciosas, multiplicam as suas viúvas no meio dela”

Ezequiel 18:4 – “Eis que todas as almas são minhas; como o é a alma do pai, assim também a alma do filho é minha: a alma que pecar, essa morrerá”

Josué 10:28 – “Naquele dia tomou Maquedá. Atacou a cidade e matou o rei a espada e exterminou toda a alma que nela vivia, sem deixar sobreviventes. E fez com o rei de Maquedá o que tinha feito com o rei de Jericó”

Ezequiel 22:27 – “Os seus príncipes no meio dela são como lobos que arrebatam a presa, para derramarem sangue, para destruírem as almas, para seguirem a avareza”

Números 31:19 – “Acampai-vos sete dias fora do arraial; qualquer de vós que tiver matado alguma pessoa [nephesh] e qualquer que tiver tocado em algum morto, ao terceiro dia e ao sétimo dia, vos purificareis, tanto vós como os vossos cativos”

Isaías 53:12 – “Por isso lhe darei a sua parte com os grandes, e com os fortes ele partilhará os despojos; porque derramou a sua alma na morte, e foi contado com os transgressores. Contudo levou sobre si os pecados de muitos, e intercedeu pelos transgressores”

Jeremias 4:10 – “Então disse eu: Ah, Senhor Deus! Verdadeiramente enganaste grandemente a este povo e a Jerusalém, dizendo: Tereis paz; pois a espada penetra-lhe até à alma”

Números 35;11 – “Vos estejam à mão cidades que vos sirvam de cidades de refúgio, para que ali se acolha o homicida que ferir a alguma alma por engano”

Salmos 49:8,9 – “Pois o resgate da alma deles é caríssima, e cessará a tentativa para sempre, para que viva para sempre e não sofra decomposição”

Números 35:15 – “Para que nelas se acolha aquele que matar alguém [nephesh] involuntariamente”

Números 31:9 – “Acampai-vos por sete dias fora do arraial; todos vós, tanto o que tiver matado alguma alma [nephesh], como o que tiver tocado algum morto”

Sumariando, vemos que, biblicamente, a alma morre (cf. Ez.18:4), perece (cf. Mt.10:28), é destruída (cf. Ez.22:27), não é poupada da morte (cf. Sl.78:50), é completamente eliminada (cf. Êx.31:14), desce à cova na morte (cf. Jó 33:22), revive na ressurreição [porque estava morta antes disso] (cf. Ap.20:4), é totalmente destruída (cf. Js.10:28), é derramada na morte (Icf. s.53:12), é penetrada pelo fio da espada (cf. Je.4:10), é passível de sofrer decomposição [na sepultura] (cf. Sl.49:8,9), “repousa” na morte (cf. Sl.25:13), é sufocada (cf. Jó 31:39,40), é devorada (cf. Ez.22:25), pode ser assassinada (cf. Nm.35:11) e exterminada (cf. At.3:23).

Os mortos sabem alguma coisa do que se passa com os vivos ou podem se comunicar? Eclesiastes 9:5, 6; Salmo 146:4

Bíblia Sagrada Escreveu:Porque os vivos sabem que hão de morrer, mas os mortos não sabem coisa nenhuma, nem tampouco terão eles recompensa, porque a sua memória jaz no esquecimento. Amor, ódio e inveja para eles já pereceram; para sempre não têm eles parte em coisa alguma do que se faz debaixo do sol.

Bíblia Sagrada Escreveu:Sai-lhes o espirito, e eles tornam ao pó; nesse mesmo dia, perecem todos os seus desígnios.

Esses textos estão em conformidade com o que já estudamos. Quando o corpo volta ao pó e o fôlego volta para Deus, a pessoa deixa de existir. Logo, não pode fazer mais nada.

Ao que Jesus comparou a morte? João 11:11-14

Bíblia Sagrada Escreveu:Isto dizia e depois lhes acrescentou: Nosso amigo Lázaro adormeceu, mas vou para despertá-lo. Disseram-lhe, pois, os discípulos: Senhor, se dorme, estará salvo. Jesus, porém, falara a respeito à morte de Lázaro; mas eles supunham que tivesse falado do repouso do sono. Então, Jesus lhes disse claramente: Lázaro morreu.

Esse é um texto muito esclarecedor. Lázaro, o amigo de Jesus, havia morrido e o Mestre disse que ele estava dormindo. Para Jesus, a morte é como um sono, já que a pessoa deixa de existir e, portanto, fica inconsciente de tudo o que acontece no mundo dos vivos. Depois que Lázaro saiu do túmulo, ele não disse nada sobre ter ido ao Céu ou sobre “corredores de luz”. Além disso, caso Lázaro estivesse no Céu, seria uma injustiça da parte de Jesus trazê-lo de volta a esta vida, sujeito a tristezas, doenças e, novamente, à morte. As pessoas que amam Jesus e fazem a vontade dEle não vão para o Céu imediatamente após a morte. Então quando isso acontecerá? Falarei no próximo post com detalhes.

Como a bíblia define o estado dos mortos? Resumão com passagens bíblicas.

Os mortos não pensam:
Salmos 146:4 – “Quando o espírito deles se vai, eles voltam ao pó, e naquele dia perecem os seus pensamentos”

Os mortos não louvam ao Senhor:
Isaías 38:18,19 – “Pois não pode louvar-te o Sheol, nem a morte cantar-te os louvores; os que descem para a cova não podem esperar na tua fidelidade. Os vivos, somente os vivos, esses te louvam como hoje eu o faço; o pai fará notória aos filhos a tua fidelidade”

Os mortos não se lembram de Deus:
Salmos 6:5 – “Na morte não há lembrança de ti. E no Sheol, quem te louvará?”

Os mortos não sabem de nada:
Eclesiastes 9:5,6 – “Porque os vivos sabem que hão de morrer, mas os mortos não sabem coisa nenhuma, nem tampouco terão eles recompensa, mas a sua memória fica entregue ao esquecimento. Também o seu amor, o seu ódio, e a sua inveja já pereceram, e já não têm parte alguma para sempre, em coisa alguma do que se faz debaixo do sol”

Os mortos não tem sabedoria, ciência, obra, projetos ou atividade alguma:
Eclesiastes 9:10 – “Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças, porque no além, para onde vais, não há obra, nem projetos, nem conhecimento, nem sabedoria alguma”

Os mortos só são vivificados na ressurreição:
1ª Coríntios 15:22,23 – “Porque, assim como, em Adão, todos morrem, assim também todos serão vivificados em Cristo. Cada um, porém, por sua própria ordem: Cristo, as primícias; depois, os que são de Cristo, na sua vinda”

Os mortos estão numa terra de silêncio:
Salmos 115:17 – “Os mortos não louvam o Senhor, nem os que descem à região do silêncio”

Os mortos não estão no Céu:
Atos 2:34 – “Porque Davi não subiu aos céus, mas ele mesmo declara: Disse o Senhor ao meu Senhor: Assenta-te à minha direita”

Os mortos só serão lançados no inferno na consumação deste mundo:
Mateus 13:40 – “Assim como o joio é colhido e queimado no fogo, assim será na consumação deste mundo”

Os que morreram só receberão o Reino na segunda vinda de Cristo (ressurreição) e somente neste momento os justos são separados dos ímpios:
Mateus 25:31-34 – “Quando o Filho do Homem vier em sua glória, com todos os anjos, assentar-se-á em seu trono na glória celestial. Todas as nações serão reunidas diante dele, e ele separará umas das outras como o pastor separa as ovelhas dos bodes. E colocará as ovelhas à sua direita e os bodes à sua esquerda. Então o Rei dirá aos que estiverem à sua direita: ‘Venham, benditos de meu Pai! Recebam como herança o Reino que lhes foi preparado desde a criação do mundo”

Os que morrerem só ocuparão as suas moradas no Paraíso quando Jesus voltar:
João 14:2,3 – “Na casa de meu Pai há muitas moradas. Se assim não fora, eu vo-lo teria dito. Pois vou preparar-vos lugar. E, quando eu for e vos preparar lugar, voltarei e vos receberei para mim mesmo, para que, onde eu estou, estejais vós também”

Os heróis da fé ainda não alcançaram a promessa:
Hebreus 11:39,40 – “Ora, todos estes que obtiveram bom testemunho por sua fé não obtiveram, contudo, a concretização da promessa, por haver Deus provido coisa superior a nosso respeito, para que eles, sem nós, não fossem aperfeiçoados”

A coroa da justiça só estará disponível aos crentes na segunda vinda:
2ª Timóteo 4:6-8 – “Quanto a mim, estou sendo já oferecido por libação, e o tempo da minha partida é chegado. Combati o bom combate, completei a carreira, guardei a fé. Desde agora a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, reto juiz, me dará naquele Dia; e não somente a mim, mas também a todos quantos amam a sua vinda”

O reencontro entre nós se dará por ocasião da ressurreição dos mortos:
2ª Coríntios 4:14 – “Sabendo que aquele que ressuscitou o Senhor Jesus também nos ressuscitará com Jesus e nos apresentará convosco”

Os mortos só obterão a misericórdia de Deus no futuro, “naquele Dia”:
2ª Timóteo 1:16-18 –  “Conceda o Senhor misericórdia à casa de Onesíforo, porque, muitas vezes, me deu ânimo e nunca se envergonhou das minhas algemas; antes, tendo ele chegado a Roma, me procurou solicitamente até me encontrar. Senhor lhe conceda, naquele Dia, achar misericórdia da parte do Senhor. E tu sabes, melhor do que eu, quantos serviços me prestou ele em Éfeso”

A salvação do espírito é somente no “Dia do Senhor”:
1ª Coríntios 5:5 – “Entreguem esse homem a Satanás para a destruição da carne, a fim de que o espírito seja salvo no Dia do Senhor”

Os ímpios só serão punidos futuramente, no Dia do Juízo:
2ª Pedro 2:9 – “O Senhor sabe livrar da tentação os piedosos, e reservar os injustos para o dia do juízo para ser punido”

Para os homens, a imortalidade tem que ser buscada (porque não a possuímos):
Romanos 2:7 – “E a vida eterna aos que, perseverando em fazer o bem, buscam glória, honra e imortalidade”

A imortalidade não é algo que já possuímos na forma da alma, mas sim algo que seremos revestidos, na ressurreição:
1ª Coríntios 15:51-54 – “Eis que eu lhes digo um mistério: Nem todos dormiremos, mas todos seremos transformados, num momento, num abrir e fechar de olhos, ao som da última trombeta. Pois a trombeta soará, os mortos ressuscitarão incorruptíveis e nós seremos transformados. Pois é necessário que aquilo que é corruptível se revista de incorruptibilidade, e aquilo que é mortal, se revista de imortalidade. Quando, porém, o que é corruptível se revestir de incorruptibilidade, e o que é mortal, de imortalidade, então se cumprirá a palavra que está escrita: A morte foi destruída pela vitória”

O estado da morte é comparado ao sono:

Na Bíblia, a morte é comparada a um sono (sem sonhos) aproximadamente 53 vezes, indicando assim o estado de inconsciência dos mortos até a volta de Jesus (Sl 6.5; 13.3; 88.10-12; 115.17; Is 38.18-19; Ec 9.5-6 e 10; 1 Ts 4.13-16).

“A Bíblia não apóia em absoluto a doutrina popular de que os mortos permanecem conscientes até a ressurreição. Pelo contrário, enfaticamente refuta tal ensinamento (Sl 115.17; Ec 9.5). Emprega-se comumente o verbo dormir como símbolo da morte (Dt 31.16; 2 Sm 7.12; I Rs 11.43; Jó 14.12 ; Dn 12.2; Jo 11.11,12; I Co 15.51; I Ts 4.13-17. A declaração de Jesus, que consolava a seus discípulos com a idéia de que eles voltariam a estar com ele na ocasião de sua segunda vinda e não na morte, ensina claramente que o “sono” não é uma comunicação consciente dos justos com o Senhor (Jo 14.1-3). Do mesmo modo, Paulo explicou que ao produzir-se o segundo advento, todos os justos que então estão vivos e os mortos que ressuscitarão neste momento se unirão simultaneamente com Cristo, sem que os vivos precedam os mortos (1 Ts 4.16,17)” .

Se a morte fosse um começo de uma nova existência, não poderia ser chamada pelas Escrituras de nossa “inimiga” (1 Co 15.26), teria de ser chamada de amiga, pois estaria nos ajudando a ir para o paraíso…

Deus é o único a possuir a imortalidade:

De acordo com as Escrituras, o único que possui a imortalidade é Deus:

“a qual, em suas épocas determinadas, há de ser revelada pelo bendito e único Soberano, o Rei dos reis e Senhor dos senhores; o único que possui imortalidade, que habita em luz inacessível, a quem homem algum jamais viu, nem é capaz de ver. A ele honra e poder eterno. Amém!” (1 Tm 6.15-16).

Para que o homem fosse eterno, teria de obedecer a Deus e assim teria livre acesso à árvore da vida, que perpetua a existência. Como o ser humano pecou e Deus o expulsou do Éden para que não fosse um pecador imortal, Adão e Eva não comeram mais da árvore da vida, tornando-se assim mortais. (Gn 3.22-24; Is 51.12). Dessa mortalidade herdamos deles (Rm 5.12 e 6.23).

Se já fôssemos imortais não haveria necessidade de Adão ter comido da árvore da vida, e, nós, de a comermos no Céu. (Gn 2.16, 17; 3.23, 24 e Ap 22.2). Como seríamos imortais sendo que Deus privou o homem de comer da árvore da vida? (Gn 3.22 e 24). O ser humano foi criado com a imortalidade, mas ela era “condicional” à obediência a Deus.

Onde e como começou a mentira de que o ser humano não morre? Gênesis 2:16, 17 e 3:4

Bíblia Sagrada Escreveu:E o Senhor Deus lhe deu esta ordem: De toda árvore do jardim comerás livremente, mas da árvore do conhecimento do bem e do mal não comerás; porque, no dia em que dela comeres, certamente morrerás.

Bíblia Sagrada Escreveu:Então, a serpente disse à mulher: É certo que não morrereis.

Deus certamente advertiu Adão e Eva quanto ao perigo de dar ouvidos ao enganador, e disse que o pecado traria a morte. Usando uma serpente como médium, Lúcifer, com toda a sua astúcia diabólica, levou a mulher a duvidar da palavra de Deus e inaugurou a grande mentira: vocês não morrerão coisa nenhuma. Ao longo dos milênios e por vários meios (filmes, séries, livros, religiões, etc.), o inimigo tem disseminado esse engano ao redor do mundo.

Em Gênesis 3.4 encontramos o primeiro “médium” que existiu no mundo: uma serpente que serviu de “canal” para que o diabo falasse por meio dela e enganasse Eva. Foi Satanás quem disse que, mesmo sendo uma pecadora, Eva não morreria: “Então, a serpente disse à mulher: É certo que não morrereis.” Algo totalmente oposto ao que Deus havia dito em Gênesis 2.16, 17.

Portanto, o criador da doutrina da imortalidade natural da alma foi o diabo. Depois, ele usou recursos humanos para difundir essa teoria até os nossos dias, como disse um influente pastor Presbiteriano: “A doutrina da imortalidade da alma não é bíblica, mas pagã. Nasceu na Grécia e propagou-se na Igreja, através de Platão, do século V em diante, graças à influência de Agostinho…” Na sequência histórica surgiu Allan Kardec que, por meio de sua “mediunidade” e escritos incentivou muitos a estudarem o espiritismo, que se tornou bem aceito. Hoje, conta com milhares de adeptos ao redor do mundo, especialmente no Brasil.

Em quem somente podemos ter a vida eterna? 1 João 5:12; João 3:16

Bíblia Sagrada Escreveu:Aquele que tem o Filho tem a vida; aquele que não tem o Filho de Deus não tem a vida.

Bíblia Sagrada Escreveu:Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.

Quando Lúcifer levou Adão e Eva a pecar pensou ter dado um xeque-mate em Deus. Se o Criador ignorasse a rebelião do casal, Satanás O acusaria de injusto, afinal, Ele não ignorou a rebelião dos anjos traidores. Se Deus destruísse o homem e a mulher, Satanás O acusaria de tirano. O que o anjo mau não esperava é que Deus manteria Sua palavra de que o salário do pecado é a morte e não ignoraria o pecado de Seus filhos humanos, ao mesmo tempo em que lhes concederia o perdão. Como Ele fez isso? Morrendo em lugar do casal. Jesus veio ao mundo para saldar a dívida contraída por Adão e Eva, garantindo a vida eterna a todo ser humano que aceita esta troca: da indignidade humana pela justiça divina. A morte momentânea pela qual passamos aqui na Terra é uma das tristes consequências do pecado, mas ela logo terá fim. Dessa morte não podemos fugir, mas da segunda morte (eterna), sim, podemos nos livrar. Falarei da primeira e segunda morte com detalhes no próximo post.

Revisão do assunto com passagens bíblicas:

Nunca na Bíblia inteira “alma” aparece relacionada aos termos “eterno” ou “imortal”. Ademais, nunca é nos dito que a natureza humana é imortal por meio da posse de uma alma eterna, pelo contrário, sempre é nos dito que o homem possui uma natureza mortal (cf. Sl.9:17; Sl.56:4; Is.51:12; Dn.2:10; 1Co.15:54; 2Co.5:4; Rm.1:23; Jó 4:17; Jó 10:5; Jó 9:2). O único que possui a imortalidade por natureza é Deus (cf. 1Tm.6:16).

A Bíblia ensina que ter uma vida eterna e a imortalidade, não é uma possessão natural do ser humano mediante uma alma imortal presa em si mesmo, pelo contrário, é um dom de Deus (cf. Rm.6:23), que só Ele possui em si mesmo (cf. 1Tm.6:16), para os homens tem que ser buscada (cf. Rm.2:7), alcançada por meio do evangelho (cf. 2Tm.1:10), para aqueles que comem do pão da vida (cf. Jo.6:51), para dela se revestir (cf. 1Co.15:53), alcançada através da ressurreição (cf. Jo.5:28,29; Jo.12:25; 1Tm.6:16; Rm.2:7; 1Co.15:53,54) para aqueles que creem em Cristo como Salvador pessoal (cf. Mt.19:29; Jo.6:57; Jo.17:2,3).

Obter vida não é algo fútil que todos possuem na forma de uma alma eterna/imortal, mas sim algo que remete a determinação, perseverança (cf. Lc.21:19). Não é algo tão fácil como a explicação de Satanás de que “certamente não morrerás” (cf. Gn.3:4). Do início ao fim da Bíblia, a alma morre (cf. Ez.18:4,20), perece (cf. Mt.10:28), é destruída (cf. Ez.22:27), não é poupada da morte (cf. Sl.78:50), é eliminada (cf. Êx.31;14), é totalmente destruída (cf. Js.10:28), é devorada (cf. Ez.22:25), é assassinada (cf. Nm.35:11), é exterminada (cf. At.3:23), desce a cova na morte (cf. Jó 33:22), mas revive na ressurreição (cf. Ap.20:4).

Quando Jesus voltar e nos levar com Ele comeremos da árvore da vida para sermos imortais:

“No meio da sua praça, de uma e outra margem do rio, está a árvore da vida, que produz doze frutos, dando o seu fruto de mês em mês, e as folhas da árvore são para a cura dos povos” (Ap 22.2).

“Bem-aventurados aqueles que lavam as suas vestiduras no sangue do Cordeiro, para que lhes assista o direito à árvore da vida, e entrem na cidade pelas portas” (Ap 22.14).

“e, se alguém tirar qualquer coisa das palavras do livro desta profecia, Deus tirará a sua parte da árvore da vida, da cidade santa e das coisas que se acham escritas neste livro” (Ap 22.19).

Para pensar:

Se já tivéssemos uma alma ou espírito imortal, não haveria necessidade de comermos da árvore da vida;
Se o espírito ou alma já estivessem no Céu ou em algum lugar intermediário (vivendo de um modo imaterial), por que Jesus iria vir nos buscar? Não haveria necessidade se já estivéssemos lá em cima.
A doutrina da ressurreição é uma prova de que a pessoa ainda não recebeu a recompensa eterna, pois, se Jesus vem ressuscitar a pessoa para levar ao Céu, é sinal de que ela ainda não está lá. Foi por isso que Paulo sempre acreditou que a recompensa dela era no futuro, na volta de Jesus: “Já agora a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, reto juiz, me dará naquele Dia; e não somente a mim, mas também a todos quantos amam a sua vinda.” (2 Tm 4.8).

E não devemos esquecer que as pessoas que já foram arrebatadas ao Paraíso (Enoque, Moisés e Elias) foram com o corpo, em vida e não por ocasião da morte (Moisés foi ressuscitado antes de ir ao céu – ver Jd 1.9). Isto é uma prova indiscutível de que o ser humano, ao ir para o Céu, irá também com o corpo e não “em espírito”, como ensina a doutrina espírita.


Questões Bíblicas sérias para análise em spoiler:

Spoiler Revelar
1) Se a pessoa ao morrer fosse para o céu, o inferno ou um lugar intermediário entre os dois, que necessidade haveria de Jesus voltar e ressuscitar, se nosso ente querido já estivesse num desses lugares? (lembre-se: os filhos de Cristo, ressuscitarão na volta dEle! Ler 1 Co 15.23). É ilógico Jesus enviar-nos do céu “em espírito” à sepultura para depois ter de nos ressuscitar. Como harmonizar a doutrina da ressurreição com a doutrina imortalista?

2) Como crer que ao morrermos vamos para o Céu se em Hebreus 11.39 e 40 os heróis da fé ainda não obtiveram a concretização da promessa, pois Deus não quer que sem nós eles sejam aperfeiçoados? (1 Co 15.20);

3) Como crer na doutrina da imortalidade da alma sendo que a eternidade do homem era condicional à obediência a Deus, e, por desobedecerem, Adão e Eva foram privados da árvore da vida para que não se tornassem imortais como Deus? Nós não comemos da árvore da vida… (Gn 3.22-23). Outra questão: Por que iremos comer da árvore da vida no céu se nosso “espírito” já é imortal? (Ap 22.2);

4) Se somos imortais, por que devemos ainda “buscar a imortalidade e a incorruptibilidade”? (Rm 2.7). Se devemos buscar, é porque não a temos;

5) Por que Jesus diz ser a morte um sono? (Jo 11.11-14). Se temos uma “alma” ou “espírito” imortal, por que Jesus disse, após Sua ressurreição, que durante a morte “ainda não tinha subido para o Pai?” (Jo 20.17).

6) Como harmonizar a doutrina da imortalidade da alma com o texto de Mateus 16:27, no qual diz que “a recompensa será dada quando Jesus voltar”? Se estivessem os mortos no Céu, no inferno ou num lugar intermediário, já teriam recebido a recompensa antes mesmo do juízo final! Tal doutrina (vida após a morte) não se harmoniza com a doutrina do Juízo, que está no futuro (At 17.31).

7) Jesus disse em Jo 11.25: “… Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá”; (Jo 11.25 grifo meu); Ele não disse: “… ainda que morra, vive…”. “Ao contrário, Ele declarou, que no futuro trará da sepultura aqueles que morreram nEle (Jo 5.28 e 29).

Qual deve ser a nossa atitude diante da morte? 1 Tessalonicenses 4:13, 14

Bíblia Sagrada Escreveu:Não queremos, porém, irmãos, que sejais ignorantes com respeito aos que dormem, para não vos entristecerdes como os demais, que não têm esperança. Pois, se cremos que Jesus morreu e ressuscitou, assim também Deus, mediante jesus, trará, em sua companhia, os que dormem.

A morte é comparada a um sono enquanto se aguarda a ressurreição. Toda despedida é dolorida e é normal nos entristecermos nessas ocasiões, mas, no que diz respeito à morte dos salvos, temos a esperança do reencontro. E quem prometeu foi Jesus, aquele que nunca mente.

A Bíblia diz em Oséias 13:14 “Eu os remirei do poder do Seol, e os resgatarei da morte. Onde estão, ó morte, as tuas pragas? Onde está, ó Seol, a tua destruição? A compaixão está escondida de meus olhos.”

A Bíblia diz em Isaías 26:19 “Os teus mortos viverão, os seus corpos ressuscitarão; despertai e exultai, vós que habitais no pó; porque o teu orvalho é orvalho de luz, e sobre a terra das sombras fá-lo-ás cair.”

Ressuscitar é restituir a vida. Tornar a viver. Falarei no próximo post sobre como funcionará a ressurreição que a bíblia descreve que ocorrerá em breve.
“A honra, a integridade e a verdade precisam ser guardadas, custe o que custar ao próprio eu.” Obreiros Evangélicos, pág. 447
Responda-o
#3
Totalmente excelente este estudo, belo trabalho.
Responda-o
#4
PARTE 2
A Ressurreição

Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em Mim, ainda que morra, viverá” (Jo 11:25).


Tendo Cristo vencido a morte com Sua própria morte e ressurreição, Ele tem as chaves dela, e promete ressuscitar para a vida eterna todo aquele que nEle crê. Essa é, sem dúvida, a maior promessa da Palavra de Deus. Caso contrário, se a morte tivesse a palavra final, toda a nossa vida e tudo que já realizamos teria sido inútil.

O poder da ressurreição vem de Cristo. A Bíblia diz em 1 Coríntios 15:21-22 “Porque, assim como por um homem veio a morte, também por um homem veio a ressurreição dos mortos. Pois como em Adão todos morrem, do mesmo modo em Cristo todos serão vivificados.”

Na criação, “formou o Senhor Deus ao homem do pó da terra e lhe soprou nas narinas o fôlego de vida”; como resultado, “o homem passou a ser alma vivente” (Gn 2:7). Enquanto Deus mantém o fôlego de vida nos seres vivos, eles estão vivos. Mas, quando Ele tira o seu fôlego, eles morrem e voltam ao pó (Sl 104:29; Ec 12:7). Essa não é uma decisão arbitrária de Deus. É a consequência inevitável do pecado. Mas a boa notícia é que, por meio de Cristo, há esperança, mesmo na morte.

Leia João 1:1-4. O que está implícito nesses versos que mostra o poder de Jesus para ressuscitar os mortos?

Cristo tem vida em Si mesmo, pois Ele é a vida (Jo 14:6). Ele criou tudo e tem o poder de dar vida a quem Ele quer (Jo 5:21). Assim, Ele pode ressuscitar os mortos.

Como a ressurreição acontece? Lc 8:54, 55

De acordo com a Bíblia, a ressurreição é a reversão da morte. A vida é restaurada quando o fôlego de vida volta de Deus. Foi assim que Lucas explicou a ressurreição da filha de Jairo. Depois de saber que a menina, de doze anos, havia falecido, Jesus foi para a casa e disse aos pranteadores que ela estava dormindo. Então, “Ele, tomando-a pela mão, disse-lhe, em voz alta: Menina, levanta-te! Voltou-lhe o espírito [pneuma], ela imediatamente se levantou, e Ele mandou que lhe dessem de comer” (Lc 8:54, 55). Pela divina ordem de Jesus, o princípio de vida concedido por Deus voltou para a garota. O termo grego usado por Lucas, pneuma, significa “vento”, “fôlego” ou “espírito”. Quando a Bíblia o usa em relação aos seres humanos, nunca indica uma entidade consciente capaz de existir separada do corpo. Nesse texto, ele se refere claramente ao fôlego de vida.

Em spoiler (estudo de segunda camada) mais detalhes do que acontece na ressurreição.

Tudo que está em spoiler abaixo e nos próximos spoilers são estudos de segunda camada, mais aprofundados, que devem ser lidos depois de ter lido o texto primeiro sem spoilers para ter uma visão e entendimento do todo. 

Spoiler Revelar
Com a morte, o espírito [o princípio de vida] volta para Deus (cf. Ec.12:7), e quem era “alma vivente” torna-se “alma morta” (cf. Núm. 31:19; 35:15,30; Jos. 20:3, 9; Gên. 37:21; Deut. 19:6, 11; Jer. 40:14, 15; Juí. 16:30; Núm 23:10; Ez.18:4; Ez.18:20; Juí. 16:30; Núm. 23:10; Eze. 22:25, 27). O que acontece na Ressurreição? Simplesmente, Deus sopra novamente em nós o fôlego de vida [espírito], como relatado figurativamente em Ezequiel, no vale dos ossos secos:

Ezequiel 37:5,6 – “Assim diz o Senhor Deus a estes ossos: Eis que farei entrar em vós o espírito, e vivereis. E porei nervos sobre vós e farei crescer carne sobre vós, e sobre vós estenderei pele, e porei em vós o espírito, e vivereis, e sabereis que eu sou o Senhor”

Ou seja, o espírito de Deus que é soprado da parte dele em nós pela duração de nossa existência terrestre, volta para ele mesmo e, na ressurreição, ele novamente sopra o espírito dele em nós, ressuscitando-nos em corpos glorificados, como relatado em 1 Coríntios 15:42-44:

1ª Coríntios 15:42-44 – “Assim será com a ressurreição dos mortos. O corpo que é semeado é perecível e ressuscita imperecível; é semeado em desonra e ressuscita em glória; é semeado em fraqueza e ressuscita em poder; é semeado um corpo natural e ressuscita um corpo espiritual”

E, desde modo, nós que éramos almas mortas tornamo-nos novamente em almas viventes, como relatado em Apocalipse 20:4.

Apocalipse 20:4 – “Então vi uns tronos; e aos que se assentaram sobre eles foi dado o poder de julgar; e vi as almas daqueles que foram degolados por causa do testemunho de Jesus e da palavra de Deus, e que não adoraram a besta nem a sua imagem, e não receberam o sinal na fronte nem nas mãos; e reviveram, e reinaram com Cristo durante mil anos”

Veja que aqui é nos dito que as almas dos que foram degolados por causa do testemunho de Jesus reviveram. Se elas “reviveram”, é porque estavam mortas. Sendo que o “reviver” aqui está claramente relacionado às almas (e não somente ao corpo que passa pela ressurreição), segue-se logicamente que, para as almas reviverem, certamente antes deste acontecimento elas estavam mortas mesmo.

A posição de que é somente o corpo que revive nega inteiramente que em Apocalipse 20:4,5 o “reviver” é clarissimamente relacionado às alma-psiquê, e não aos corpos-soma. Na verdade, corpo-soma nem sequer é mencionado neste contexto. A realidade bíblica nos mostra com clareza indiscutível que o corpo ressuscita e, assim, a alma [que era morta] revive.

O momento em que as almas mortas revivem não vem senão depois da ressurreição no fim do mundo! Vemos, portanto, que esse é o ideal da ressurreição:

–Na ressurreição, Deus sopra novamente em nós o fôlego da vida [espírito], ressuscitando um corpo [glorificado] e assim tornamo-nos novamente em almas viventes.

Este é o ideal da ressurreição, que não tem parte nenhuma com religações de corpos com almas ou com espíritos descorpóreos que já estivessem habitando no Céu em um “estado intermediário” e tivessem que “despertar” para retornar novamente ao corpo, ser ressuscitado e passar finalmente pelo juízo para continuar no Céu.

O espírito que nos é soprado não é nós mesmos em um estado desencarnado, mas sim o espírito do próprio Deus que nos é soprado novamente (Ez.37:5,6; Ez.37:12-14; Ap.11:11), e as almas não estavam vivas antes da ressurreição, mas realmente mortas e, por isso, faz-se necessário que eles revivam nesta ocasião (cf. Ap.20:4). Algo semelhante ocorre com as duas testemunhas de Deus no tempo do Apocalipse: “Mas, depois dos três dias e meio, entrou neles um sopro de vida da parte de Deus, e eles ficaram de pé, e um grande terror tomou conta daqueles que os viram” (Ap.11:11).

Veja que não é nos dito que as suas “almas” se “religaram” com os seus corpos e nem que eles próprios retornaram ao estado encarnado; ao contrário, é nos referido o sopro de Deus (que originalmente foi soprado nas narinas de Adão – Gn.2:7) sendo soprado da parte Dele naqueles corpos a fim de ganharem vida novamente. Este é o ideal da ressurreição.

Citação:Revisão até aqui:

Na criação humana 
– Deus sopra o fôlego da vida no homem (cf. Gn.2:7)
– Este torna-se uma alma vivente (cf. Gn.2:7)

Na morte 
– O sopro de Deus se vai (cf. Ec.12:7)
– O homem torna-se alma morta (cf. Lv.19:28; 21:1, 11; 22:4; Nm.5:2; 6:6,11; 9:6, 7, 10; 19:11, 13; Ag.2:13)

Na ressurreição
– Deus sopra novamente em nós o fôlego da vida (cf. Ez.37:5,6; Ez.37:12-14; Ap.11:11)
– A alma revive (cf. Ap.20:4)

Por que podemos declarar que a ressurreição de Lázaro foi o clímax do ministério terrestre de Cristo? Jo 11:38-44

Embora Jesus tenha ressuscitado outras duas pessoas, nenhum desses casos foi tão dramático como esse. Lázaro estava morto havia quatro dias, fato que Marta confirmou ao lado da sepultura. Jesus realizou o milagre em plena luz do dia diante de uma multidão de respeitadas testemunhas de Jerusalém. A evidência não podia ser rejeitada.

Contudo, muito mais importante do que a ressurreição de Lázaro, foi a própria ressurreição de Jesus. Uma vez que Ele tem vida em Si mesmo, Ele não somente tem o poder de ressuscitar os mortos e dar vida a quem Ele quer (Jo 5:21), mas também tem o poder de dar a própria vida e reassumi-la (Jo 10:17, 18). Sua ressurreição provou isso de forma convincente.

Qual é a relação entre a ressurreição de Cristo e a nossa? Por que Sua ressurreição é tão importante para nossa salvação? 1Co 15:17-20

O poder de Cristo para quebrar os laços da morte é indiscutível. Ele ressuscitou do sepulcro como as primícias dos que dormiram nEle. Sua ressurreição é a garantia da ressurreição de todos os crentes, pois Ele tem as chaves da morte (Ap 1:17, 18).

"Para o crente, Cristo é a ressurreição e a vida. Em nosso Salvador é restaurada a vida que se havia perdido mediante o pecado; pois Ele possui vida em Si mesmo, para vivificar a quem quer. Acha-Se investido do direito de conceder a imortalidade. A vida que Ele depôs como homem, Ele reassumiu e concedeu aos homens” (Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, p. 786, 787).

 “E, assim como aos homens está ordenado morrerem uma só vez, vindo, depois disto, o juízo, assim também Cristo, tendo-se oferecido uma vez para sempre para tirar os pecados de muitos, aparecerá segunda vez, sem pecado, aos que o aguardam para a salvação” (Hebreus 9:28, 29).

Estudo aprofundado em spoiler sobre esse trecho acima. Jesus no santuário, juízo e a segunda vinda, como tudo está ligado:

Spoiler Revelar
 “E, assim como aos homens está ordenado morrerem uma só vez, vindo, depois disto, o juízo, assim também Cristo, tendo-se oferecido uma vez para sempre para tirar os pecados de muitos, aparecerá segunda vez, sem pecado, aos que o aguardam para a salvação” (Hebreus 9:28, 29).

A seguir, algumas considerações introdutórias. A carta aos hebreus foi escrita ainda em tempo de crise, após o concílio de Jerusalém, e evidentemente antes da destruição do templo pelos romanos.[1] “Cristãos judeus ainda observavam as festas, sacrificavam como antes e eram zelosos da lei cerimonial (Atos 15)”.[2] Ignoravam que, pela morte de Cristo, oficialmente cessaram os rituais simbólicos e tipológicos que apontavam para o Senhor e seu sacrifício, e que em sua ascensão, Ele passara a oficiar como Sumo Sacerdote em um santuário real que está no céu (Mateus 27:51; Hebreus 8:1, 2; 10:11-13).[3]

Jesus no Santuário

O autor sagrado não se detém a explicar em que lugar do santuário celestial Jesus oficiou em sua ascensão. Devido à familiarização dos leitores com o livro de Levítico, e o ritual do santuário terrestre, seria evidente concluir que o ministério celestial de Cristo iniciou no lugar santo. O uso da palavra hágia para o lugar santo sem o artigo, e o emprego da expressão hágia hagion para o lugar santíssimo (9:1-7) “sugere que o autor de Hebreus compreendia que o santuário celestial era uma estrutura dividida em duas partes”.[4] Mas, em Hebreus “o ministério de duas fases não faz parte do propósito do autor, embora ele nada diga que o invalide”.[5] O autor também “não faz nenhuma tentativa para detalhar o significado antitípico do santuário levítico”, porque o seu foco é explicar o motivo da cessação do mesmo.[6]

Ele queria animar cristãos judeus a “correr com perseverança a carreira” que lhes estava “proposta, olhando firmemente para o Autor e Consumador da fé, Jesus” (Hebreus 12:1, 2). Para isto, deveria fazer seus leitores olharem para Jesus, seu legítimo Sumo Sacerdote oficiando no verdadeiro santuário, que está no céu. (Hebreus 8:1, 2).[7]

Juízo

A primeira parte do texto, em análise, inicia com a expressão “assim como”, e a segunda, com “assim também”. Estas palavras forneceram aos leitores a certeza de dois eventos no futuro, o juízo e a segunda vinda de Cristo. O texto “assim como aos homens está ordenado morrerem uma só vez, vindo, depois disto, o juízo”, é uma explícita declaração de que não há vida após a morte, mas sim, a perspectiva do juízo.[8] Por outro lado, não implica que o juízo é imediatamente após a morte de cada pessoa. “Hebreus não dá dicas sobre acontecimentos escatológicos no tempo”.[9] Não era propósito da pessoa divina do Espírito Santo fornecer em Hebreus uma data para o início do ministério de Cristo no lugar santíssimo do santuário celestial, o que envolve um juízo investigativo e a purificação do santuário, pois através do livro profético apocalíptico de Daniel, Ele já indicara que iniciaria em 1844 (2Pedro 1:20, 21; Daniel 8:13, 14; 9:24-27).[10] (Para se aprofundar melhor nesse trecho veja o meu tópico: Apocalipse - Estudo Completo) 

O fato do juízo vir após a morte também não significa que todos morrerão antes dele, pois, por ocasião da segunda vinda de Cristo, haverá pessoas vivas que serão trasladadas sem a experiência da morte (1Tessalonicenses 4:17). Entretanto, os que ficarem vivos para o retorno do Senhor, não estarão isentos deste processo legal (2Coríntios 5:10).[11] Cristo fez a promessa: “Eis que venho sem demora, e comigo está o galardão que tenho para retribuir a cada um segundo as suas obras” (Apocalipse 22:12).[12] Sem dúvida, a expressão juízo investigativo pré-advento usada pelos adventistas do sétimo dia é apropriada, porque é antes da segunda vinda de Cristo que se definirá os que receberão a bênção da recompensa final.[13]

A propósito, não precisamos temer o juízo, pois, nele será feito justiça aos santos do Altíssimo, concedendo-lhes o reino (Daniel 7:22).[14] De fato, no juízo, quem está verdadeiramente em Cristo, “não entra em condenação”, mas somente os desprovidos da justiça do Senhor (João 5:24; Mateus 22:11-14).[15] Tão certo como pecado, morte e juízo são realidades universais, “assim também Cristo”, ofereceu-se “uma vez para sempre para tirar os pecados”. Em relação aos seres humanos, se todos morrem é porque todos pecaram (Romanos 3:23), pois, “o salário do pecado é a morte” (6:23; 5:12). Entretanto, a morte de Cristo foge a esta regra, pois, Ele é o segundo Adão (Romanos 5:14; 1Coríntios 15:22).

Cristo nasceu sem pecado, e embora com natureza bem mais fraca que a de Adão, continuou sem pecado, isento de qualquer corrupção e inclinação para o mal, do contrário, Ele também necessitaria de salvação (Hebreus 7:26, 27).[16] Contudo, “tornou-se pecado por nós” (2Coríntios 5:21), e ao receber sobre si a carga dos nossos pecados e culpas, sofreu o castigo que nos pertencia (Isaías 53:4, 5). Sendo verdadeiramente Deus e verdadeiramente homem[17] (João 1:1-3; 1João 5:20; João 1:14; Hebreus 2:14; 1 João 4:2, 3), para tirar nossos pecados, experimentou uma morte real, voluntária, vicária e expiatória (Gálatas 1:4; Efésios 1:7).[18]

Após sua ressurreição e ascensão, necessariamente[19], Cristo passou a atuar como Sumo Sacerdote no santuário celestial (Hebreus 4:14-16; 8:1, 2).[20] Sem dúvida, Seu sacrifício foi aceito pelo Pai, do contrário, não poderia ser nosso advogado junto a Ele (Hebreus 10:12-18; 1João 2:1).[21] Embora, “o sangue de Cristo é a moeda corrente no Céu no que diz respeito à salvação”[22], apesar deste infinito investimento feito em favor dos pecadores, seu sacrifício, suficiente para salvar todos, infelizmente não será eficiente em todos. Beneficiará apenas a “muitos”, os que O buscaram, e dele receberam arrependimento e libertação dos pecados (João 1:29; 1 João 1:9).[23]

Segunda vinda de Cristo

Finalmente, logo após o término do juízo, Jesus “aparecerá segunda vez, sem pecado”. A primeira vez, sem pecado, lembra a impecabilidade de Cristo, mas, neste contexto, a segunda vez, sem pecado, indica que é no processo do juízo, e não na cruz, que os registros dos pecados serão eliminados para sempre (Daniel 7:10; 8:13, 14).[24] Após resolver definitivamente o problema do pecado por meio de Sua mediação e juízo, Cristo “aparecerá segunda vez,… aos que o aguardam para a salvação”. Outra evidência de que ninguém precisa perder a certeza da sua salvação diante a perspectiva do juízo, é a descrição de crentes fieis que aguardam o retorno do Senhor para a salvação.

Assim como o juízo deveria ocorrer depois da morte, a segunda vinda de Cristo ocorrerá após o juízo (Apocalipse 14:6, 20). Sua volta é tão certa como Sua morte. Será a culminação do processo da redenção em favor dos Seus servos que morreram, e dos que O aguardam para a salvação. A vinda de nosso amado Senhor e Salvador Jesus Cristo será o grande clímax da história!

A palavra aparecerá, tradução do termo grego ὀπτάνομαι (optanomai) apresenta-se no tempo futuro, e modo indicativo, pois se refere a um fato real a ocorrer no futuro. Das 58 ocorrências da mesma palavra no Novo Testamento, 53 vezes se referem explicitamente a um aparecimento pessoal, real, visível e audível, por exemplo: Mateus 17:3; 24:30; 26:64; 28:7, 10; Lucas 1:11; 21:27; 24:34; Atos 26:16; 1 Coríntios 15:6; 1João 3:2; Apocalipse 1:7.[25]

O aparecimento do Senhor Jesus Cristo será globalmente visível, desde o oriente até o ocidente, e totalmente audível (Atos 1:11; Apocalipse 1:7; Mateus 24:27, 30, 31; 1Tessalonicenses 4:16). O Rei dos reis e Senhor dos senhores, virá com poder e muita glória, acompanhado por todos os anjos celestiais (Apocalipse 19:16; Mateus 24:30).

Referências:

[1]Francis D. Nichol, ed., Comentário bíblico adventista do sétimo dia, 1ª ed. (Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 2014), 7: 417, 416. A seguir: Comentário bíblico adventista do sétimo dia.

[2]Ibíd., 417.

[3]Edward Heppenstall, Nuestro sacerdote (Villa Libertador San Martin, Argentina: Editorial Ceapé), 28. A seguir: Heppenstall.

[4]Ángel Manuel Rodriguez, “Santuário”, em Tratado de teologia adventista do sétimo dia, editado por Raoul Dederen, 1ª ed. (Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 2011), 436. A seguir: Tratado de teologia adventista do sétimo dia. https://noticias.adventistas.org/pt/coluna/

wilson-borba/o-santuario-que-esta-no-ceu/.

[5]Frank H. Holbrook, ed., A luz de hebreus, 2ª ed. (Engenheiro Coelho, São Paulo: Unaspress, 2013), 7. A seguir: A luz de hebreus.

[6]Ibíd.

[7]Heppenstall, 28.

[8]Questões sobre doutrina, 1ª ed.(Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 2009), 352-416. A seguir: Questões sobre doutrina; Norman Gulley, Christ Is Coming (Hagerstows, MD: Review and Herald Publishing, Association, 1998), 283-298.

[9]A luz de hebreus, 232.

[10]Gerhard F. Hasel, “Julgamento Divino” em Tratado de teologia adventista do sétimo dia, 929; William H. Shea, Daniel (Buenos Aires: Asociación Casa Editora Sudamericana, 2009), 183-188. A seguir: Shea; https://noticias.adventistas.org/pt/colu...o-de-1844/.

[11]Ellen G. White, O grande conflito, 43ª ed. (Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 2013), 483. A seguir: O grande conflito.

[12]Ibíd. 486.

[13]João Antonio Rodrigues Alves, O juízo investigativo pré-advento (Cachoeira, BA: CePlib, 2008).

[14]Shea, 216, 217; Frank H. Holbrook, O sacerdócio expiatório de Jesus Cristo, 1ª ed. (Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 2013), 218-220. A seguir: Holbrook.

[15]A palavra krisis traduzida por condenação em João 5:24 é também traduzida por juízo; e, tem outras conotações como acusação (Jd 9; 2Pd 2:11), e condenação do inferno (Mt 23:33; Mc 3:29; Jo 5:29). Questões sobre doutrina, 301, 302.

[16]Tratado de teologia adventista do sétimo dia, 185.

[17]Heppenstall, 28.

[18]Vicária, isto é, substitutiva. Sobre expiação ver: Questões sobre doutrina, 250-260.

[19]Ibíd., 269-283; Heppenstall, 29.

[20]Ibíd., 28.

[21]Ellen G. White, Atos dos apóstolos, 9ª ed., (Tatuí, São Paulo: Casa publicadora Brasileira, 2013), 35, 138, 180, 334.

[22]Holbrook, 7.

[23]“O arrependimento inclui a tristeza pelo pecado e o afastamento dele”. Ellen G. White, Caminho a Cristo, 1ª ed. (Tatuí, São Paulo: Casa Publicadora Brasileira, 2008), 17; O grande conflito, 483.

[24]Holbrook, 194.

[25]J. Strong, The exhaustive concordance of the Bible: Showing every word of the text of the common English version of the canonical books, and every occurrence of each word in regular order, electronic ed. G3700 (Ontario: Woodside Bible Fellowship, 1996).

O texto “assim como aos homens está ordenado morrerem uma só vez, vindo, depois disto, o juízo”, é uma explícita declaração de que não há vida após a morte nem reencarnação, mas sim, a perspectiva do juízo. Por outro lado, não implica que o juízo é imediatamente após a morte de cada pessoa.

O fato do juízo vir após a morte também não significa que todos morrerão antes dele, pois, por ocasião da segunda vinda de Cristo, haverá pessoas vivas que serão trasladadas sem a experiência da morte (1Tessalonicenses 4:17). Entretanto, os que ficarem vivos para o retorno do Senhor, não estarão isentos deste processo legal (2Coríntios 5:10). Cristo fez a promessa: “Eis que venho sem demora, e comigo está o galardão que tenho para retribuir a cada um segundo as suas obras” (Apocalipse 22:12).

Assim como o juízo deveria ocorrer depois da morte, a segunda vinda de Cristo ocorrerá após o juízo (Apocalipse 14:6, 20). Vou detalhar cada trecho.

Haverá duas ressurreições distintas:

Daniel 12:2 resume os dois destinos muito diferentes que a humanidade enfrenta: “Muitos dos que dormem no pó da terra ressuscitarão, uns para a vida eterna, e outros para vergonha e horror eterno.” Muitos vão ressuscitar dos mortos, mas nem todos irão compartilhar o mesmo destino. O Novo Testamento revela detalhes adicionais das ressurreições distintas para os justos e os injustos.

O que é a primeira ressurreição? O que é a segunda ressurreição?

Apocalipse 20:4-6 menciona uma “primeira ressurreição” e identifica os envolvidos como “bem-aventurados e santos.” A segunda morte (no lago de fogo, Apocalipse 20:14) não tem poder sobre essas pessoas. A primeira ressurreição, então, é o levantamento de todos os crentes. Corresponde ao ensinamento de Jesus da “ressurreição dos justos” (Lucas 14:14) e “ressurreição da vida” (João 5:29).

A primeira ressurreição ocorre em vários estágios. O próprio Jesus Cristo (as “primícias”, 1 Coríntios 15:20) abriu o caminho para a ressurreição de todos os que creem nEle. Houve uma ressurreição [de Moisés e] dos santos de Jerusalém (Mateus 27:52-53), a qual deve ser incluída em nossa consideração da primeira ressurreição. Ainda por vir estão a ressurreição dos “mortos em Cristo” no retorno do Senhor (1 Tessalonicenses 4:16) e a ressurreição dos mártires no final da Tribulação (Apocalipse 20:4).

Apocalipse 20:12-13 identifica aqueles que fazem parte da segunda ressurreição como os ímpios sendo condenados por Deus no julgamento do grande trono branco, antes de serem lançados no lago de fogo. A segunda ressurreição, então, é o levantamento de todos os incrédulos e está ligada à segunda morte. Corresponde ao ensino de Jesus sobre a “ressurreição do juízo” (João 5:29).

O evento que divide a primeira e segunda ressurreições parece ser o reino milenar. Os últimos justos são ressuscitados para reinarem “com Cristo durante mil anos” (Apocalipse 20:4), mas “os restantes dos mortos não reviveram até que se completassem os mil anos. Esta é a primeira ressurreição” (Apocalipse 20:5).

Que grande alegria vai fazer parte da primeira ressurreição! Que grande angústia da segunda! Que responsabilidade temos de compartilhar o Evangelho! “Salvai-os, arrebatando-os do fogo” (Judas 23).

Citação:Super Resumo para auxiliar:
1. A primeira ressurreição será dos justos e ocorrerá na segunda volta de Jesus. Sofreram a primeira morte mas a segunda morte não tem poder sobre eles.
2. Intervalo de mil anos.
3. A segunda ressurreição será dos ímpios e ocorrerá depois do milênio. Sofreram a primeira morte e sofrerão a segunda que será a morte definitiva.

Então, para confirmar, quando os mortos ressuscitarão? 1 Tessalonicenses 4:16-17; 1 Coríntios 15:51

Bíblia Sagrada Escreveu:Porquanto o Senhor mesmo, dada a sua palavra de ordem, ouvida a voz do arcanjo, e ressoada a trombeta de Deus, descerá dos céus, e os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro. Depois nós, os que ficarmos vivos seremos arrebatados juntamente com eles, nas nuvens, ao encontro do Senhor nos ares, e assim estaremos para sempre com o Senhor.

Bíblia Sagrada Escreveu:Eia que vos digo um mistério: nem todos dormiremos, mas transformados seremos todos.

Os mortos em Cristo, os salvos, ressuscitarão na volta de Jesus, não antes nem depois. Como vimos no estudo de Apocalipse (Link) e logo acima neste estudo, haverá um intervalo de mil anos entre a ressurreição dos salvos e a dos ímpios, que rejeitaram o plano de salvação.

Mais confirmações bíblicas das duas ressurreições:

João 5:28 a 29 diz: “Não vos maravilheis disto, porque vem a hora em que todos os que se acham nos túmulos ouvirão a sua voz e sairão: os que tiverem feito o bem, para a ressurreição da vida; e os que tiverem praticado o mal, para a ressurreição do juízo”. Agora, Apocalipse 20:5 e 6: “Os restantes dos mortos não reviveram até que se completassem os mil anos. Esta é a primeira ressurreição. Bem-aventurado e santo é aquele que tem parte na primeira ressurreição; sobre esses a segunda morte não tem autoridade; pelo contrário, serão sacerdotes de Deus e de Cristo e reinarão com ele os mil anos”.

A Bíblia ensina que haverá uma ressurreição por ocasião da volta de Cristo, que será somente a ressurreição dos justos (I Tessalonicenses 4:16); e outra ressurreição que será após o período de mil anos, a dos ímpios (Apocalipse 20:5).

Essa segunda ressurreição (dos ímpios) não será com o intuito de dar-lhes outra chance de salvação, pois a Bíblia diz que nossa chance é apenas nesta vida (II Coríntios 6:1-2; Hebreus 3:7-8; Hebreus 9:27) e que a segunda morte não tem autoridade apenas sobre aqueles que participaram da primeira ressurreição (Apocalipse 20:6).

A segunda ressurreição será para destruir definitivamente os ímpios: “Quando, porém, se completarem os mil anos, Satanás será solto da sua prisão e sairá a seduzir as nações que há nos quatro cantos da terra, Gogue e Magogue, a fim de reuni-las para a peleja. O número dessas é como a areia do mar. Marcharam, então, pela superfície da terra e sitiaram o acampamento dos santos e a cidade querida; desceu, porém, fogo do céu e os consumiu”. (Apocalipse 20:7-9).

Quando se completarem os mil anos, satanás sairá para enganar as nações com a intenção de reuni-los para tomar a cidade santa de Deus, que descerá do céu neste período (Deus fará sua morada aqui, na terra renovada). Estas nações serão enganadas por ele por que terão sido ressuscitadas. Juntamente com satanás, esta hoste de ímpios tentará tomar a cidade santa e, no momento em que se aproximarem para faze-lo, sairá fogo da cidade e consumirá os ímpios e satanás. (Satanás demorará mais para ser consumido no lago de fogo após o milênio por ele ser a raiz que originou todo o pecado dos outros anjos caídos e dos ímpios e merecer maior castigo).

O motivo para a ressurreição dos ímpios não é lhes dar outra chance, mas sim destruí-los. Deus terá de fazer isto com lágrimas nos olhos, mas irá fazer porque foi assim que eles quiseram; não aceitaram aos apelos do Espírito Santo durante sua vida.

O que Jesus disse sobre o inferno:

Spoiler Revelar
Jesus usou dois termos gregos, hadēs e geena, para falar sobre a morte e a punição dos ímpios. Dada a crença popular no significado de “inferno”, é preciso considerar cuidadosamente essas palavras.

Hadēs é equivalente ao hebraico She’ol, o termo mais comum do Antigo Testamento para o reino dos mortos. Esses nomes representam simplesmente a sepultura ou o lugar para o qual todos descem na morte, sem nenhuma conotação de punição ou recompensa. Há um texto, entretanto, em que hadēs parece estar ligado à punição. É a parábola do rico e Lázaro.

Leia Lucas 16:19-31. Qual é a lição básica que essa parábola apresenta (ver especialmente v. 27-31)? O que há de errado em usar essa parábola para ensinar que os seres humanos vão para o paraíso ou para o inferno imediatamente após a morte?

Essa parábola não se concentra no estado do homem na morte. Uma crença popular, mas não bíblica, mantida por muitos dos contemporâneos de Jesus, proveu o contexto para essa parábola, que ensina uma lição importante: nosso destino futuro é determinado pelas decisões que tomamos diariamente nesta vida. Se rejeitarmos a luz que Deus nos concede hoje, não haverá oportunidade depois da morte. Qualquer tentativa de interpretar essa parábola literalmente leva a muitos problemas insolúveis. Na verdade, os detalhes do quadro parecem propositadamente estranhos, a fim de nos mostrar que Jesus não tinha a intenção de que Suas palavras fossem tomadas literalmente, mas figurativamente.

Que advertências Jesus pronunciou sobre o inferno? Mt 5:22, 29, 30; 23:33

Em muitas traduções da Bíblia, a palavra inferno aparece onze vezes nos lábios de Jesus. Na verdade, Ele usou o termo grego geena, da expressão hebraica Gê Hinom, “Vale de Hinom”. De acordo com o Antigo Testamento, nesse vale ao sul de Jerusalém, os reis Acaz e Manassés realizaram o horrendo ritual pagão de queimar crianças a Moloque (2Cr 28:3; 33:6). Posteriormente, o piedoso rei Josias interrompeu essa prática (2Rs 23:10). Por causa dos pecados cometidos no local, Jeremias profetizou que Deus iria torná-lo “o vale da Matança” (Jr 7:32, 33; 19:6).

Assim, para os judeus, o vale se tornou um símbolo do juízo final e da punição do impenitente. Jesus usou o nome figurativamente, sem explicar detalhes sobre o tempo e o lugar da punição, que encontramos em outras passagens bíblicas. O inferno, porém, não é um lugar de castigo eterno.

Quem são os ímpios?

A Bíblia diz em Apocalipse 21:8 “Mas, quanto aos medrosos, e aos incrédulos, e aos abomináveis, e aos homicidas, e aos adúlteros, e aos feiticeiros, e aos idólatras, e a todos os mentirosos, a sua parte será no lago ardente de fogo e enxofre, que é a segunda morte.”

No fim dos tempos, haverá duas classes de pessoas: os preparados (Isaías 25:9) e os despreparados (Apocalipse 6:14-17). A grande questão que precisamos responder hoje é: a qual delas pertenceremos?

Aceite a Jesus. Ele quer dar-lhe a vida eterna e lhe proporcionará a oportunidade de encontrar na primeira ressurreição seus queridos que um dia a morte levou.

152 versículos bíblicos que comprovam que os ímpios não ficarão queimando em um inferno pra sempre e sim que morrerão definitivamente (Aniquilacionismo dos ímpios):

Spoiler Revelar

A Bíblia, do início ao fim, não cansa de caracterizar o aniquilamento final dos ímpios, cujo destino final é a destruição completa. São mais de 152 passagens designando tal fato, as quais selecionei apenas algumas, contrastando o destino final dos ímpios com o dos justos, tanto no Antigo como no Novo Testamento.

NO ANTIGO TESTAMENTO

“No dia em que te manifestares farás deles uma fornalha ardente. Na sua ira o Senhor os devorará, um fogo os consumirá” (cf. Salmos 21:9)

“Passada a tempestade o ímpio já não existe, mas o justo permanece firme para sempre”(cf. Provérbios 10:25)

“Aqueles que o Senhor abençoa receberão a terra por herança, mas os que ele amaldiçoa serão eliminados” (cf. Salmos 37:22)

“Pois os maus serão exterminados, mas os que esperam no Senhor receberão a terra por herança” (cf. Salmos 37:9)

“Um pouco de tempo, e os ímpios não mais existirão, por mais que você os procure, não serão encontrados” (cf. Salmos 37:10)

“Mas todos os rebeldes serão destruídos, futuro para os ímpios nunca haverá” (cf. Salmos 37:38)

“A desgraça matará os ímpios, os que odeiam os justos serão condenados” (cf. Salmos 34:21)

“Mas os ímpios perecerão, os inimigos do Senhor murcharão como a beleza dos campos,desvanecerão como a fumaça” (cf. Salmos 37:20)

“Até quando maquinareis o mal contra um homem? Sereis mortos todos vós, sereis como uma parede encurvada e uma sebe prestes a cair” (cf. Salmos 62:3)

“E trará sobre eles a sua própria iniquidade; e os destruirá na sua própria malícia; o Senhor nosso Deus os destruirá” (cf. Salmos 94:23)

“Sejam os pecadores da terra eliminados e deixem de existir os ímpios” (cf. Salmos 104:35)

“O Senhor guarda a todos os que o amam; mas todos os ímpios serão destruídos” (cf. Salmos 145:20)

“Mas àqueles que o desprezam, retribuirá com destruição; ele não demora em retribuir àqueles que o desprezam” (cf. Deuteronômio 7:10)

“Porque o Senhor defenderá a sua causa em juízo, e aos que os roubam ele lhes tirará a vida” (cf. Provérbios 22:23)

“O homem que muitas vezes repreendido endurece a cerviz, de repente será destruído sem que haja remédio” (cf. Provérbios 1:29)

“Dos que justificam ao ímpio por suborno, e aos justos negam a justiça! Por isso, como a língua de fogo consome a palha, e o restolho se desfaz pela chama, assim será a sua raiz como podridão, e a sua flor se esvaecerá como pó; porquanto rejeitaram a lei do Senhor dos Exércitos, e desprezaram a palavra do Santo de Israel” (cf. Isaías 5:23,24)

“Mas julgará com justiça aos pobres, e repreenderá com eqüidade aos mansos da terra; e ferirá a terra com a vara de sua boca, e com o sopro dos seus lábios matará ao ímpio”(cf. Isaías 11:4)

“Porque, como vós bebestes no meu santo monte, assim beberão também de contínuo todos os gentios; beberão, e sorverão, e serão como se nunca tivessem existido” (cf. Obadias 1:16)

“Porque eis que aquele dia vem ardendo como fornalha; todos os soberbos, e todos os que cometem impiedade, serão como a palha; e o dia que está para vir os abrasará, diz o Senhor dos Exércitos, de sorte que lhes não deixará nem raiz nem ramo” (cf. Malaquias 4:1)

“E pisareis os ímpios, porque se farão cinza debaixo das plantas de vossos pés, naquele dia que estou preparando, diz o Senhor dos Exércitos” (cf. Malaquias 4:3)

“Aqueles que se opõem ao Senhor serão despedaçados. Ele trovejará do céu contra eles; o Senhor julgará até os confins da terra. Ele dará poder a seu rei e exaltará a força do seu ungido” (cf. 1ª Samuel 2:10)

“Todas as trevas são reservadas paro os seus tesouros; um fogo não assoprado o consumirá, e devorará o que ficar na sua tenda. As rendas de sua casa ir-se-ão; no dia da ira de Deus todas se derramarão. Esta, da parte de Deus, é a porção do ímpio; esta é a herança que Deus lhe reserva” (cf. Jó 20:26-29)

“Pelo sopro de Deus são destruídos, pelo vento de sua ira eles perecem” (cf. Jó 4:9)

“Não é o caso dos ímpios! São como a palha que o vento leva. Por isso não resistirão no julgamento, nem os pecadores na comunidade dos justos. Pois o Senhor aprova o caminho dos justos, mas o caminho dos ímpios leva a destruição!” (cf. Salmos 1:4-6)

“Voltem os ímpios ao pó, todas as nações que se esquecem de Deus!” (cf. Salmos 9:17)

“Mas os ímpios perecerão; os inimigos do Senhor murcharão como a beleza dos campos;desvanecerão como fumaça” (cf. Salmos 37:20)

“Os ímpios serão varridos antes que as suas panelas sintam o calor da lenha, esteja ela verdade ou seca. Os justos se alegrarão quando forem vingados, quando banharem os seus pés no sangue dos ímpios. Então os homens comentarão: De fato os justos têm a sua recompensa, de fato há um Deus justo na terra” (cf. Salmos 58:9-11)

“Que tu dissipes assim como o vento leva a fumaça, como a cera derrete na presença do fogo, assim pereçam os ímpios na presença de Deus” (cf. Salmos 68:2)

“Até que entrei no santuário de Deus, e então compreendi o destino dos ímpios. Certamente os põe em terreno escorregadio e os fazes cair na ruína. Como são destruídos de repente, completamente tomados de pavor! São como um sonho que se vai quando acordamos, quando te levantares, Senhor, tu os farás desaparecer” (cf. Salmos 73:17-20)

“Os ímpios que te abandonam sem dúvida perecerão; tu destróis todos os infiéis” (cf. Salmos 73:27)

“O insensato não entende, o tolo não vê que, embora os ímpios brotem como a erva e floresçam todos os malfeitores, eles serão destruídos para sempre” (cf. Salmos 92:6,7)

“Deus fará cair sobre eles os seus crimes, e os destruirá por causa dos seus pecados; o Senhor, nosso Deus, os destruirá!” (cf. Salmos 94:23)

“Sejam os pecadores eliminados da terra e deixem de existir os ímpios” (cf. Salmos 104:35)

“Pois o resgate de uma vida não tem preço. Não há pagamento que o livre para que viva para sempre e não sofra decomposição” (cf. Salmos 49:8,9)

“O Senhor cuida de todos os que o amam, mas a todos os ímpios destruirá” (cf. Salmos 145:20)

“Quem obedece aos mandamentos preserva a sua vida, mas quem despreza os seus caminhos morrerá” (cf. Provérbios 19:16)

“Pois não há futuro para o mau, e a lâmpada dos ímpios se apagará” (cf. Provérbios 24:20)

“Tema ao Senhor e o rei, meu filho, e não se associe aos dissidentes, pois terão repentina destruição, e quem pode imaginar a ruína que o Senhor e o rei podem causar?” (cf. Provérbios 24:21,22)

“Mas os ímpios serão eliminados da terra, e dela os infiéis serão arrancados” (cf. Provérbios 2:22)

“Quem permanece na justiça viverá, mas quem sai em busca do mal corre para a morte” (cf. Provérbios 11:19)

“Há uma severa lição para quem abandona o seu caminho; quem despreza a repreensão morrerá” (cf. Provérbios 15:10)

“Sião será redimida com justiça, com retidão aos que se arrependerem. Mas os rebeldes e os pecadores serão destruídos, e os que abandonam ao Senhor perecerão” (cf. Isaías 1:28)

“Por isso, assim como a palha é consumida pelo fogo e o restolho é devorado pelas chamas, assim também as suas raízes apodrecerão, e as suas flores, como o pó, serão levadas pelo vento: pois rejeitaram a lei do Senhor dos Exércitos, desprezaram a palavra do Santo de Israel” (cf. Isaías 5:24)

“O opressor há de ter fim, a destruição se acabará e o agressor desaparecerá da terra. Então, o amor será firmado em trono; em fidelidade um homem se assentará nele a tenda de Davi, um juiz que busca a justiça e se apressa em defender o que é justo” (cf. Isaías 16:4,5)

“Erguida está a tua mão, mas eles não a vêem! Que vejam o teu zelo para com o teu povo, e se envergonhem; que o fogo reservado para os teus adversários os consuma” (cf. Isaías 26:11)

“Mas os seus muitos inimigos se tornarão como o pó fino, as hordas cruéis, como palha levada pelo vento. Repentinamente, num instante, o Senhor dos Exércitos virá com trovões e terremoto e estrondoso ruído, como tempestade e furacão e chamas de um fogo devorador” (cf. Isaías 29:5,6)

“Naquele dia os surdos ouvirão as palavras do livro, e não mais em trevas e escuridão, os olhos dos cegos tornarão a ver. Mais uma vez os humildes se alegrarão no Senhor, os necessitados exultarão no Santo de Israel. Será o fim do cruel, o zombador desaparecerá e todos os de olhos inclinados para o mal serão eliminados” (cf. Isaías 29:18-20)

“Ai de você, destruidor, que ainda não foi destruído! Ai de você, traidor, que não foi traído! Quando você acabar de destruir, será destruído” (cf. Isaías 33:1)

“Todos os que o odeiam certamente serão humilhados e constrangidos; aqueles que se opõe a você serão como o nada e perecerão. Ainda que você procure os seus inimigos, você não os encontrará. Os que guerreiam contra você serão reduzidos a nada” (cf. Isaías 41:11,12)

“Sem dúvida eles são como restolho; o fogo os consumirá” (cf. Isaías 47:14)

“Vocês deixarão seu nome como uma maldição para os meus escolhidos; o Soberano, o Senhor, matará vocês, mas aos seus servos dará outro nome” (cf. Isaías 65:15)

“Pois como o fogo e a espada o Senhor executará julgamento sobre todos os homens, e muitos serão os mortos pela mão do Senhor” (cf. Isaías 66:16)

“Os que se consagram para entrar nos jardins indo atrás do sacerdote que está no meio, comem carne de porco, ratos e outras coisas repugnantes, todos eles perecerão, declara o Senhor” (cf. Isaías 66:17)

“Tu, porém, me conheces, Senhor; tu me vês e provas a minha atitude para contigo. Arranca os ímpios como as ovelhas destinadas ao matadouro! Reserva-os para o dia da matança!”(cf. Jeremias 12:3)

“Mas, se um ímpio se desviar de todos os pecados que cometeu e obedecer a todos os meus decretos e fizer o que é justo e é direito, com certeza viverá, não morrerá” (cf. Ezequiel 18:21)

“Teria eu algum prazer na morte do ímpio? Palavra do Soberano, o Senhor. Ao contrário, acaso não me agrada vê-lo desviar-se dos seus caminhos e viver? Se, porém, um justo se desviar de sua justiça, e cometer pecados e as mesmas práticas detestáveis dos ímpios, ele deverá viver? Nenhum de seus atos de justiça será lembrado! Por causa de sua infidelidade de que é culpado e por causa dos pecados que ele cometeu, ele morrerá” (cf. Ezequiel 18:23,24)

“Se um justo desviar-se de sua justiça e cometer pecado, ele morrerá por causa disso, por causa do pecado que ele cometeu ele morrerá. Mas, se um ímpio se desviar de sua maldade e fizer o que é justo e direito, ele salvará a sua vida. Por considerar todas as ofensas que cometeu e se desviar delas, ele com certeza viverá, não morrerá” (cf. Ezequiel 18:16,28)

“Por isso serão como a neblina da manhã, como o orvalho que bem cedo evapora, como a palha que num redemoinho vai-se de uma eira, como a fumaça que sai pela chaminé” (cf. Oseias 13:3)

“Embora estejam entrelaçados como espinhos e encharcados de bebida como bêbados, serão consumidos como a palha mais seca” (cf. Naum 1:10)

“Nem a sua prata nem o seu ouro poderão livrá-los no dia do Senhor. No fogo do seu zelo o mundo inteiro será consumido, pois ele dará fim repentino a todos os que vivem na terra” (cf. Sofonias 1:18)

NO NOVO TESTAMENTO

“Aquele que cair sobre esta pedra será despedaçado, e aquele sobre quem ela cair será reduzido a pó” (cf. Mateus 21:44)

“Vocês são o sal da terra. Mas se o sal perder o seu sabor, como restaurá-lo? Não servirá para nada, exceto para ser jogado fora e pisado pelos homens” (cf. Mateus 5:13)

“Não temais os que matam o corpo e não podem matar a alma; temei antes aquele que pode destruir no inferno tanto a alma como o corpo” (cf. Mateus 10:28)

“Faltava-lhe ainda um para enviar: seu filho amado. Por fim o enviou, dizendo: A meu filho respeitarão. Mas os lavradores disseram uns aos outros: ‘Este é o herdeiro. Venham, vamos matá-lo, e a herança será nossa’. Assim eles o agarraram, o mataram e o lançaram para fora da vinha. O que fará então o dono da vinha? Virá e exterminará aqueles lavradores e dará a vinha a outros” (cf. Marcos 12:5-9)

“Comiam, bebiam, casavam, e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca, e veio o dilúvio, e os consumiu a todos. Como também da mesma maneira aconteceu nos dias de Ló: Comiam, bebiam, compravam, vendiam, plantavam e edificavam; Mas no dia em que Ló saiu de Sodoma choveu do céu fogo e enxofre, e os consumiu a todos” (cf. Lucas 17:27-29)

“Ele, porém, lhes disse: Pensais que esses galileus eram mais pecadores do que todos os outros galileus, por terem padecido estas coisas? Não eram, eu vo-lo afirmo; se, porém, não vos arrependerdes, todos igualmente perecereis” (cf. Lucas 13:2,3)

“Ou pensais que aqueles dezoito, sobre os quais caiu a torre de Siloé e os matou, foram mais culpados do que todos os outros habitantes de Jerusalém? Não, eu vos digo; antes, se não vos arrependerdes, todos de igual modo perecereis” (cf. Lucas 13:4,5)

“Mas os seus concidadãos o odiavam e enviaram após ele uma embaixada, dizendo: Não queremos que este reine sobre nós. Quanto, porém, a esses meus inimigos, que não quiseram que eu reinasse sobre eles, trazei-os aqui e executai-os na minha presença” (cf. Lucas 19:14,27)

“Jesus olhou fixamente para eles e perguntou: Então, qual é o significado do que está escrito? ‘A pedra que os construtores rejeitaram tornou-se a pedra angular’. Todo o que cair sobre esta pedra será despedaçado, e aquele sobre quem ela cair será reduzido a pó” (cf. Lucas 20:17,18)

“Pois quem quiser salvar a sua vida a perderá; mas quem perder a vida por minha causa, este a salvará” (cf. Lucas 9:24)

“Pois que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro, e perder-se ou destruir a si mesmo?” (cf. Lucas 9:25)

“Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu filho único, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (cf. João 3:16)

“Em verdade, em verdade vos digo: quem crê em mim tem a vida eterna. Em verdade, em verdade vos digo: quem crê em mim tem a vida eterna. Vossos pais comeram o maná no deserto e morreram. Este é o pão que desce do céu, para que todo o que dele comer não pereça. Eu sou o pão vivo que desceu do céu; se alguém dele comer, viverá eternamente; e o pão que eu darei pela vida do mundo é a minha carne” (cf. João 6:47-51)

“Eu lhes disse que vocês morrerão em seus pecados. Se vocês não crerem que Eu Sou, de fato morrerão em seus pecados” (cf. João 8:24)

“Disse-lhes Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida. Aquele que crê em mim, ainda que morra, viverá; e quem vive e crê em mim, não morrerá eternamente” (cf. João 11:28)

“Aquele que ama a sua vida, a perderá; ao passo que aquele que odeia a sua vida neste mundo, a conservará para a vida eterna” (cf. João 12:25)

“Eu lhes dou a vida eterna, e eles jamais perecerão; ninguém as poderá arrancar da minha mão” (cf. João 10:28)

“Pois Davi não subiu ao céu, mas ele mesmo declarou: O Senhor disse ao meu Senhor: Senta-te à minha direita até que eu ponha os teus inimigos como estrado para os teus pés” (cf. Atos 2:34,35)

“Acontecerá que toda alma que não ouvir a esse profeta será exterminada do meio do povo” (cf. Atos 3:23)

“Cuidem para que não lhes aconteça o que disseram os profetas: Olhem, escarnecedores, admirem-se e pereçam; pois nos dias de vocês farei algo que vocês jamais creriam se alguém lhes contasse!” (cf. Atos 13:40,41)

“Embora conheçam o justo decreto de Deus, de que as pessoas que praticam tais coisas merecem a morte, não somente continuam a praticá-las, mas também aprovam aqueles que as praticam” (cf. Romanos 1:32)

“Todo aquele que pecar sem Lei, sem a Lei também perecerá, e todo aquele que pecar sob a Lei, pela Lei será julgado” (cf. Romanos 2:12)

“Não sabem que, quando vocês se oferecem a alguém para lhe obedecer como escravos, tornam-se escravos daquele a quem obedecem: escravos do pecado que leva a morte” (cf. Romanos 6:16)

“Que fruto colheram então das coisas das quais agora vocês se envergonham? O fim delas é a morte!” (cf. Romanos 6:21)

“E se Deus, querendo mostrar a sua ira e tornar conhecido o seu poder, suportou com grande paciência os vasos da sua ira, preparados para a destruição?” (cf. Romanos 9:22)

“Porque, se viverdes segundo a carne, morrereis; mas, se pelo Espírito mortificardes as obras do corpo, vivereis” (cf. Romanos 8:13)

“Que fruto vocês colheram então das coisas as quais agora vocês se envergonham? O fim delas é a morte!” (cf. Romanos 6:21)

“Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor” (cf. Romanos 6:23)

“Pois a palavra da cruz é uma estultícia para os que perecem, mas para nós que somos salvos é o poder de Deus” (cf. 1ª Coríntios 1:18)

“Entretanto, falamos de sabedoria entre os que já têm maturidade, mas não da sabedoria desta era ou dos poderosos desta era, que estão sendo reduzidos a nada” (cf. 1ª Coríntios 2:6)

“Vocês não sabem que são santuário de Deus e que o Espírito de Deus habita em vocês? Se alguém destruir o santuário de Deus, Deus o destruirá; pois o santuário de Deus, que são vocês, é sagrado” (cf. 1ª Coríntios 3:16,17)

“Pois para Deus somos o bom cheiro de Cristo nos que são salvos e nos que perecem. Para estes somos cheiro de morte; para aqueles, fragrância de vida” (cf. 2ª Coríntios 2:15,16)

“Ele nos capacitou para sermos ministros de uma nova aliança, não da letra, mas do Espírito; pois a letra mata, mas o Espírito vivifica” (cf. 2ª Coríntios 3:6)

“Se ainda um véu permanece sobre o nosso Evangelho, naqueles que perecem está o véu”(cf. 2ª Coríntios 4:3)

“A tristeza segundo Deus não produz remorso, mas sim um arrependimento que leva à salvação, e a tristeza segundo o mundo produz a morte” (cf. 2ª Coríntios 7:10)

“Quem semeia para a sua carne, da carne colherá destruição; mas quem semeia para o Espírito, do Espírito colherá vida eterna” (cf. Gálatas 6:8)

“Sem de forma alguma deixar-se intimidar por aqueles que se opõe a vocês. Para eles isso é sinal de destruição, mas para vocês, de salvação, e isso da parte de Deus” (cf. Filipenses 1:28)

“Quanto a estes, o seu destino é a destruição, o seu deus é o estômago e têm orgulho do que é vergonhoso; eles só pensam nas coisas terrenas” (cf. Filipenses 3:19)

“Ele punirá os que não conhecem a Deus e os que não obedecem ao evangelho de nosso Senhor Jesus. Eles sofrerão a pena da destruição eterna, a separação da presença do Senhor e da majestade do seu poder” (cf. 1ª Tessalonicenses 1:8,9)

“Pois que, quando disserem: Há paz e segurança, então lhes sobre-virá repentina destruição, como as dores de parto àquela que está grávida, e de modo nenhum escaparão” (cf. 1ª Tessalonicenses 5:3)

“E com sinais e com prodígios mentirosos e com toda a sedução da injustiça para aqueles que perecem, porque não receberam o amor da verdade, a fim de serem salvos” (cf. 2ª Tessalonicenses 2:10)

“Portanto, deixemos os ensinos elementares a respeito de Cristo e avancemos sem lançar novamente o fundamento do arrependimento de atos que conduzem à morte” (cf. Hebreus 6:1)

“Nós, porém, não somos dos que retrocedem para a destruição; somos, entretanto, da fé, para a conservação da alma” (cf. Hebreus 10:39)

“Se continuarmos a pecar deliberadamente depois que recebemos o conhecimento da verdade, já não resta sacrifício pelos pecados, mas tão-somente uma terrível expectativa de juízo e de fogo intenso que há de devorar os rebeldes” (cf. Hebreus 10:26,27)

“Mas quando este sacerdote acabou de oferecer, para sempre, um único sacrifício pelos pecados, assentou-se à direita de Deus. Daí em diante, ele está esperando até que os seus inimigos sejam colocados como estrado dos seus pés” (cf. Hebreus 10:12,13)

“Há apenas um Legislador e Juiz, aquele que pode salvar e destruir. Mas quem é você para julgar o seu próximo?” (cf. Tiago 4:12)

“Saiba que aquele que fizer converter do erro do seu caminho um pecador, salvará da morte uma alma, e cobrirá uma multidão de pecados” (cf. Tiago 5:20)

“Aquele que pratica o pecado é do diabo, porque o diabo vem pecando desde o princípio. Para isso o Filho de Deus se manifestou: para destruir as obras do diabo” (cf. 1ª João 3:8)

“Se alguém vir seu irmão cometer pecado que não leva à morte, ore, e Deus lhe dará vida. Refiro-me àqueles cujo pecado não leva à morte. Há pecado que leva à morte; não estou dizendo que se deva orar por este” (cf. 1ª João 5:16)

“No passado surgiram falsos profetas no meio do povo, como também surgirão entre vocês falsos mestres. Estes introduzirão secretamente heresias destruidoras, chegando a negar o Soberano que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina destruição” (cf. 2ª Pedro 2:1)

“Em sua cobiça, tais mestres os explorarão com histórias que inventaram. Há muito tempo a sua condenação paira sobre eles, e a sua destruição não tarda” (cf. 2ª Pedro 2:3)

“Mas eles difamam o que desconhecem e são como criaturas irracionais, guiadas pelo instinto, nascidas para serem capturadas e destruídas; serão corrompidos pela própria corrupção. Eles receberão retribuição pela injustiça que causaram” (cf. 2ª Pedro 2:12,13)

“Ora, os céus que agora existem e a terra, pela mesma palavra, têm sido entesourados para fogo, estando reservados para o Dia do Juízo e destruição dos homens ímpios” (cf. 2ª Pedro 3:7)

“O Senhor não demora em cumprir a sua promessa, como julgam alguns. Pelo contrário, ele é paciente com vocês, não querendo que ninguém pereça, mas que todos cheguem ao arrependimento” (cf. 2ª Pedro 3:9)

“Também condenou as cidades de Sodoma e Gomorra, reduzindo-os as cinzas, tornando-as como exemplo do que acontecerá com os ímpios” (cf. 2ª Pedro 2:6)

“Então a morte e o Hades foram lançados no lago de fogo. O lago de fogo é a segunda morte. Se o nome de alguém não foi encontrado no livro da vida, este foi lançado no lago de fogo” (cf. Apocalipse 20:14,15)

“E subiram sobre a largura da terra, e cercaram o arraial dos santos e a cidade amada; e de Deus desceu fogo, do céu, e os consumiu” (cf. Apocalipse 20:9)

“As nações se iraram; e chegou a tua ira. Chegou o tempo de julgares os mortos e de recompensares os teus servos, os profetas, os teus santos e os que temem o teu nome, tanto pequenos como grandes, e de destruir os que destroem a terra” (cf. Apocalipse 11;18)

Conclusão – Com todo o arsenal que a Bíblia usa retratando o destino final dos ímpios, até um cego é capaz de notar todas as evidências: de que os ímpios serão eliminados (cf. Pv.2:22; Sl.37:9; Sl.37:22; Sl.104:35; Is.29:18-20), destruídos (cf. 2Pe.2:3; 2Pe.2:12,13; Tg.4:12; Mt.10:28; 2Pe.3:7; Dt.7:10; Fp.1:28; Rm.9:22; Sl.145:20; Gl.6:8; 1Co.3:16,17; 1Ts.5:3;2Pe.2:1; Sl.145:20; Sl.94:23; Pv.1:29; 1Ts.5:3; Jó 4:9; Sl.1:4-6; Sl.73:17-20; Sl.92:6,7; Sl.94:23; Pv.24:21,22; Is.1:28; Is.16:4,5; Is.33:1; Lc.9:25; Gl.6:8; 1Ts.1:8,9), arrancados (cf. Pv.2:22), mortos (cf. Jo.8:24; Jo.11:28; Jo.6:47-51; Is.65:15; Rm.6:23; Is.11:4; Pv.11:19; Sl.34:21; Rm.8:13; Sl.62:3; Pv.15:10; Tg.1:15; Rm.8:13; Pv.19:16; Is.66:16; Jr.12:3; Rm.1:32; Ez.18:21; Ez.18:23,24; Ez.18:16,28; 2Co.7:10; Rm.6:16; 2Co.3:6; Hb.6:1), exterminados (cf. Sl.37:9; Mc.12:5-9; At.3:23), executados (cf. Lc.19:14,27), devorados (cf. Ap.20:9; Jó 20:26-29; Is.29:5,6; Sl.21:9), se farão em cinzas (cf. 2Pe.2:6; Is.5:23,24; Ml.4:3), não terão futuro (cf. Sl.37:38; Pv.24:20), perderão a vida (cf. Lc.9:24), serão consumidos (cf. Sf.1:18; Lc.17:27-29; Is.47:14; Sl.21:9; Jó 20:26-29; Ap.20:9; Is.26:11; Naum 1:10; Sl.21:9; Lc.17:27-29), perecerão (cf. Jo.10:28; Jo.3:16; Sl.37:20; Jó 4:9; Is.66:17; Sl.37:20; Sl.68:2; Sl.73:27; At.13:40,41; Is.1:28; Is.41:11,12; 1Co.1:18; Rm.2:12; 2Co.4:3; 2Co.2:15,16; Lc.13:2,3; Lc.13:4,5; 2Ts.2:10), serão despedaçados (cf.Lc.20:17,18; Mt.21:44; 1Sm.2:10), virarão estrado para os pés dos justos (cf.At.2:34,35), desvanecerão como fumaça (cf. Sl.37:20; Sl.68:2; Is.5:24), terão um fim repentino (cf. Sf.1:18; Pv.24:21,22; Is.29:5,6; 1Ts.5:3; Is.29:18-20; 2Pe.2:1), serão como a palha que o vento leva (cf. Sl.1:4-6; Is.5:24; Is.29:5,6), serão como a palha para ser pisada pelos que vencerem (cf. Ml.1:1,3; Mt.5:13; Hb.10:12,13), serão reduzidos ao pó (cf. Sl.9:17; Is.5:24; Is.29:5,6; Lc.20:17,18; Mt.21:44; 2Pe.2:6), desaparecerão (cf. Sl.73:17-20; Is.16:4,5; Is.29:18-20), deixarão de existir (cf. Sl.104:35), serão apagados (cf. Pv.24:20), serão reduzidos a nada (cf. Is.41:11,12; 1Co.2:6), serão como se nunca tivessem existido (cf. Ob.1:16), serão evaporados (cf. Os.13:3), será lhes tirada a vida (cf. Pv.22:23; Jo.12:25), e não mais existirão (cf. Sl.104:35; Pv.10:25).

Diante de tudo isso, apenas alguém bem mal entendido ou mal intencionado achará que Deus condena pessoas a terem seus corpos (que, ao contrário dos justos, não serão incorruptíveis – cf. Gl.6:8; Rm.2:7) queimando em um tormento eterno que não acaba nunca, em um processo de destruição eterno e inconclusivo. A Bíblia nos mostra um quadro claro de consumo total pelo fogo, não de um tormento eterno.


Que acontecerá depois da ressurreição?

A Bíblia diz em Filipenses 3:20-21 “Mas a nossa pátria está nos céus, donde também aguardamos um Salvador, o Senhor Jesus Cristo, que transformará o corpo da nossa humilhação, para ser conforme ao corpo da sua glória, segundo o seu eficaz poder de até sujeitar a si todas as coisas.”

Estudo complementar. O juízo na ressurreição.

Spoiler Revelar
O que temos estudado até agora poderia nos levar a pensar que a ressurreição seja apenas para poucos. Mas Jesus afirmou que virá um tempo “em que todos os que se acham nos túmulos ouvirão a Sua voz e sairão” (Jo 5:28, 29, ênfase acrescentada). Crentes e descrentes, justos e pecadores, salvos e perdidos, todos serão ressuscitados. Como Paulo declarou: “Há de haver ressurreição de mortos, tanto dos justos como dos injustos” (At 24:15, ARC).

Apesar de que todos serão, finalmente, ressuscitados, para cada um haverá apenas um entre dois destinos eternos. Quais são eles? Jo 5:28, 29

A universalidade da ressurreição não significa que, no último dia, todos serão levados a uma bem-aventurada vida eterna. “Muitos dos que dormem no pó da Terra ressuscitarão, uns para a vida eterna, e outros para vergonha e horror eterno” (Dn 12:2).

A Bíblia ensina que Deus julgará a vida de cada ser humano, determinando o destino eterno de cada pessoa que já viveu (Ec 12:14; Rm 2:1-11). A execução da sentença divina, no entanto, não ocorre imediatamente após a morte de cada indivíduo, mas só depois de sua ressurreição. Até então, os salvos e os perdidos dormem inconscientemente no pó. A ressurreição, por si só, não é recompensa nem punição. É a condição prévia para receber a vida eterna ou a condenação.

Falando das duas ressurreições, Jesus indicou que nosso destino será decidido com base na qualidade moral de nossas ações (boas ou ruins). Esse fato, porém, não significa que as obras nos salvam. Ao contrário, Jesus ensinou que a salvação depende exclusivamente de nossa fé nEle como nosso Salvador (Jo 3:16). Por que, então, as obras são levadas em consideração? Porque elas mostram se nossa fé em Cristo e nossa entrega a Ele são verdadeiras ou não (Tg 2:18). Nossas obras demonstram se ainda estamos “mortos nos [nossos] delitos e pecados” (Ef 2:1) ou “mortos para o pecado, mas vivos para Deus, em Cristo Jesus, nosso Senhor” (Rm 6:11, ARC).

Quando receberemos a imortalidade:

Em João 5.24 o Senhor diz que ao cremos nEle, temos a imortalidade garantida. Mas isto não significa que hoje tenhamos recebido a imortalidade. Isto fica claro nos seguintes textos, onde se afirma que a receberemos quando Jesus voltar e ressuscitar os justos:

“Disse-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá” (Jo 11.25).

E serás bem-aventurado, pelo fato de não terem eles com que recompensar-te; a tua recompensa, porém, tu a receberás na ressurreição dos justos. (Lc 14.14).

“De fato, a vontade de meu Pai é que todo homem que vir o Filho e nele crer tenha a vida eterna; e eu o ressuscitarei no último dia” (Jo 6.40).

“Ora, todos estes que obtiveram bom testemunho por sua fé não obtiveram, contudo, a concretização da promessa, por haver Deus provido coisa superior a nosso respeito, para que eles, sem nós, não fossem aperfeiçoados” (Hb 11.39-40).

“Cada um, porém, por sua própria ordem: Cristo, as primícias, depois, os que são de Cristo, na sua vinda” (1 Co 15.23).

“Não queremos, porém, irmãos, que sejais ignorantes com respeito aos que dormem, para não vos entristecerdes como os demais, que não têm esperança. Pois, se cremos que Jesus morreu e ressuscitou, assim também Deus, mediante Jesus, trará, em sua companhia, os que dormem. Ora, ainda vos declaramos, por palavra do Senhor, isto: nós, os vivos, os que ficarmos até à vinda do Senhor, de modo algum precederemos os que dormem. Porquanto o Senhor mesmo, dada a sua palavra de ordem, ouvida a voz do arcanjo, e ressoada a trombeta de Deus, descerá dos céus, e os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro; depois, nós, os vivos, os que ficarmos, seremos arrebatados juntamente com eles, entre nuvens, para o encontro do Senhor nos ares, e, assim, estaremos para sempre com o Senhor” (1 Ts 4.13-17).

Neste texto da carta de Paulo aos Tessalonicenses podemos ver a sequência correta dos eventos antes de recebermos a imortalidade que já nos está assegurada em Cristo:

1°: Vinda de Jesus;

2°: Ressurreição dos mortos;

3°: Transformação dos vivos;

4°: Arrebatamento dos vivos juntamente com os mortos ressuscitados, indicando assim que iremos para o Céu todos juntos; os mortos não vão primeiro após a morte;

5°: Encontro com o Senhor nos ares;

6°: Vida eterna ao lado de Cristo.

Em 1 Coríntios 15 também podemos observar esta seqüência em detalhes:

“Eis que vos digo um mistério: nem todos dormiremos, mas transformados seremos todos, num momento, num abrir e fechar de olhos, ao ressoar da última trombeta. A trombeta soará, os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados. Porque é necessário que este corpo corruptível se revista da incorruptibilidade, e que o corpo mortal se revista da imortalidade. E, quando este corpo corruptível se revestir de incorruptibilidade, e o que é mortal se revestir de imortalidade, então, se cumprirá a palavra que está escrita: Tragada foi a morte pela vitória”. (1 Co 15.51-54).

1°: Volta de Jesus, anunciada por trombetas;

2°: Ressurreição dos mortos;

3°: Transformação dos vivos;

4°: É-nos outorgada a imortalidade, pois é neste momento que é dito que “tragada foi a morte pela vitória”.

Eis a sequência apresentada e apoiada pelas Escrituras. Não há como fugir disso. E, não esqueça de que aceitar a Verdade sobre o destino do homem na morte é muito importante, pois pode resultar em salvação ou perdição eterna (Ap 22.15).

Isso significa que depois de ressuscitados viveremos eternamente. Seremos imortais. A Bíblia diz em Lucas 20:36 “Porque já não podem mais morrer; pois são iguais aos anjos, e são filhos de Deus, sendo filhos da ressurreição.”

Continua no próximo post....
“A honra, a integridade e a verdade precisam ser guardadas, custe o que custar ao próprio eu.” Obreiros Evangélicos, pág. 447
Responda-o
#5
Continuando a parte 2 sobre a Ressurreição, porque não coube tudo em um post só.

Em spoiler estudo adicional com 10 perguntas sérias para quem acreditava na imortalidade da alma:

Spoiler Revelar
Dez Perguntas Para Quem Defende a Imortalidade da Alma
Autor: Prof. Azenilto G. Brito
Ministério Sola Scriptura
Bessemer, Ala., EUA

1º – Por que Jesus diz a Seus seguidores que iria subir para lhes “preparar moradas”, mas a ênfase que dá quanto à ocupação das mesmas é o momento do reencontro com eles quando retornasse para os receber, e não quando morressem e suas almas fossem para o céu para as irem ocupando (João 14:1-3)?

2º – Por que Cristo e Paulo acentuam que os mortos ressuscitarão ao ouvirem a voz do arcanjo e a trombeta divina, sendo “despertados” do sono da morte (Mateus 24:30; 1 Tessalonicenses 4:16), quando suas almas supostamente vêm do céu, inferno, purgatório para reincorporarem, estando já bem despertas?

3º – Por que Jesus, quando confortava as irmãs do falecido Lázaro, além de empregar a metáfora do sono-“Nosso amigo Lázaro está dormindo. . .”-não lhes indicou que o falecido estava na glória celestial, mas referiu-lhes a esperança da ressurreição (João 11:17-27)?

4º – Quando Cristo ressuscitou a Lázaro, após estar o seu amigo morto por quatro dias, tirou-o do céu, do inferno ou do purgatório? Se foi do céu fez-lhe uma maldade trazendo-o de volta para sofrer nesta Terra. Se foi do inferno (pouco provável, pois ele era um seguidor do Mestre), concedeu-lhe uma segunda oportunidade de salvação, o que é antibíblico.

5º – Onde é dito que o lago de fogo, que acontece sobre a Terra (Apocalipse 20: 9, 14, 15) se transfere para alguma outra parte do universo e ali continua queimando, quando o contexto imediato diz que logo em seguida à segunda morte o profeta viu “novo céu e nova terra . . . e o mar já não existe” (Apocalipse 21:1)?

6º – Por que Paulo, ao discutir específica e detalhadamente em 1 Tessalonicenses 4:13-18 e, especialmente, no capítulo 15 de 1 Coríntios, como será o reencontro final de todos os salvos com o Salvador em parte alguma fala de almas vindas do céu, ou seja de onde for, para reincorporarem?

7º – Paulo diz ainda aos Tessalonicenses que não deviam lamentar pelos seus amados falecidos que “dormiam”, encerrando com a recomendação: “Consolai-vos, pois, uns aos outros com estas palavras” (vs. 18). Ele não diz que já desfrutavam as bênçãos celestiais, e sim que estavam “dormindo” e seriam despertados. Por que a consolação deriva da promessa da ressurreição, e não de que as almas de seus entes queridos já estivessem no céu?

8º – Paulo diz claramente que sem a ressurreição dos mortos-confirmada e garantida pela do próprio Cristo-“os que dormiram em Cristo pereceram” (1 Coríntios 15:16 a 18). Por que pereceram, já que deviam estar garantidos com suas almas no céu?

9º – Mais adiante no mesmo capítulo Paulo confirma o que disse nos vs. 16 a 18, acentuando que arriscou morrer lutando com feras, dando a entender que se morresse estaria também perdido (vs. 32). Ao comentar, “comamos, bebamos que amanhã morreremos”, não estaria claramente indicando que sem a realidade da ressurreição, não há esperança alguma de vida eterna?

10º – Por que Jó fala de sua esperança em ver o seu Redentor “na minha carne”, quando Ele finalmente “se levantará sobre a Terra”, e não que iria vê-lo quando sua alma fosse para o céu (Jó 19:25)?

Em spoiler passagens bíblicas explicando como será o céu:

Spoiler Revelar

O que Deus prometeu dar àqueles que são amigos Seus? Romanos 2:7

Bíblia Sagrada Escreveu:a vida eterna aos que, perseverando em fazer o bem, procuram glória, honra e incorruptibilidade;

Como serão as condições da vida eterna? Apocalipse 21:4

Bíblia Sagrada Escreveu:E lhes enxugará dos olhos toda lágrima, e a morte já não existirá, já não haverá luto, nem pranto, nem dor, porque as primeiras coisas passaram.

Entre as coisas tristes que não mais haverá na Nova Terra está a morte. Ela será eliminada para sempre e nós viveremos eternamente em um mundo de paz e alegria, na companhia de Deus, dos anjos e dos nossos queridos salvos. Detalhe: se não mais haverá dor, nem clamor, nem lágrimas, também não haverá um lugar de tormentos onde os ímpios supostamente ficariam queimando para sempre.

Que diz a Bíblia sobre o céu?
A Bíblia diz em João 14:2-3 “Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito; vou preparar-vos lugar. E, se eu for e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos tomarei para mim mesmo, para que onde eu estiver estejais vós também.”

O conceito de céu é algo que já conhecemos?
A Bíblia diz em 1 Coríntios 2:9 “Mas, como está escrito: As coisas que olhos não viram, nem ouvidos ouviram, nem penetraram o coração do homem, são as que Deus preparou para os que o amam.”

Como descreveu Isaías o céu?
A Bíblia diz em Isaías 65:21-23 “E eles edificarão casas, e as habitarão; e plantarão vinhas, e comerão o fruto delas. Não edificarão para que outros habitem; não plantarão para que outros comam; porque os dias do meu povo serão como os dias da árvore, e os meus escolhidos gozarão por longo tempo das obras das suas mãos: Não trabalharão debalde, nem terão filhos para calamidade; porque serão a descendência dos benditos do Senhor, e os seus descendentes estarão com eles.”

Haverá paz até no reino animal?
A Bíblia diz em Isaías 65:25 “O lobo e o cordeiro juntos se apascentarão, o leão comerá palha como o boi; e pó será a comida da serpente. Não farão mal nem dano algum em todo o meu santo monte, diz o Senhor.”

Os deficientes serão curados?
A Bíblia diz em Isaías 35:5-6 “Então os olhos dos cegos serão abertos, e os ouvidos dos surdos se desimpedirão. Então o coxo saltará como o cervo, e a língua do mudo cantará de alegria.”

Quando a morte, lamento e dor vão acabar?
A Bíblia diz em Apocalipse 21:3-4 “E ouvi uma grande voz, vinda do trono, que dizia: Eis que o tabernáculo de Deus está com os homens, pois com eles habitará, e eles serão o seu povo, e Deus mesmo estará com eles. Ele enxugará de seus olhos toda lágrima; e não haverá mais morte, nem haverá mais pranto, nem lamento, nem dor; porque já as primeiras coisas são passadas.”

Aqui está a grande esperança do cristão, a segunda volta de Jesus quando a morte será finalmente vencida e o grande conflito entre o bem e o mal vai finalmente acabar.

A voz do Filho de Deus chama os santos que dormem. Ele olha para a sepultura dos justos e, levantando as mãos para o céu, brada: ‘Despertai, despertai, despertai, vós que dormis no pó, e surgi!’ Por todo o comprimento e largura da Terra, os mortos ouvirão aquela voz, e os que ouvirem viverão. Do cárcere da morte eles vêm, revestidos de glória imortal, clamando: ‘Onde está, ó morte, a tua vitória? Onde está, ó morte, o teu aguilhão?’ (1Co 15:55). E os vivos justos e os santos ressuscitados unem as vozes em prolongada e jubilosa aclamação de vitória.

Perguntas para reflexão
1. Todos nós já lutamos com a realidade da morte, seu suposto caráter definitivo e sua aparente falta de sentido. Se, como muitos acreditam, não há Deus, não há esperança de vida eterna nem ressurreição, então qual é o sentido da vida humana?
O que ela significa se, mais cedo ou mais tarde, todos os vivos morrem e a memória de cada um deles desaparece? Como nossa compreensão da ressurreição responde a esse dilema?

2. Quais são alguns dos perigos inerentes à ideia da imortalidade da alma? Por que Satanás está ansioso para divulgar essa crença não bíblica? Qual será o papel desse conceito no cenário religioso do tempo do fim? De quais enganos são poupados os que entendem a morte como um sono até a ressurreição?
“A honra, a integridade e a verdade precisam ser guardadas, custe o que custar ao próprio eu.” Obreiros Evangélicos, pág. 447
Responda-o
#6
Parte 3 - Espiritismo


Agora que finalizamos o tema e esclarecemos pela bíblia que a alma é mortal, então quem são os espíritos do espiritismo? E porque Deus proíbe totalmente o contato com esses espíritos? Vamos esclarecer esses pontos agora.

Parte 1

O espiritismo tem 3,8 milhões de fiéis autodeclarados, segundo o IBGE de 2016, e 30 milhões de simpatizantes, segundo a Federação Espírita Brasileira.

Existem mais de mil autores espíritas e mais de 150 milhões de livros já foram editados. Entre eles, os mais vendidos são: Evangelho Segundo o Espiritismo, O Livro dos Médiuns , O Céu e o Inferno e o próprio O livro dos Espíritos. Espiritismo é o termo criado por Allan Kardec para identificar a doutrina que ele codificou sob a orientação de diversos espíritos, na segunda metade do século 19. No Brasil, Chico Xavier é o maior representante do grupo. Esses dados acima mostram que a filosofia espírita tem ganhado cada vez mais força e destaque, principalmente pela mídia brasileira. Novelas, filmes, literatura e até desenhos animados são usados para disseminar a filosofia espírita. E existe toda uma roupagem de amor, paz e caridade por trás do espiritismo.

São cinco os pilares fundamentais que servem de base para a doutrina espírita:

· A possibilidade de os espíritos voltarem a nascer (reencarnação).

· A sobrevivência da alma após a morte física (imortalidade da alma).

· A comunicação entre as almas dos desencarnados e dos encarnados. Intermediários entre o plano material e o espiritual (médiuns).

· Tudo que uma pessoa faz fica registrado numa espécie de "ficha espiritual". Toda vez que a pessoa reencarnar, vai resgatar os feitos bons e ruins do passado (Lei do Karma).

· Os espíritos evoluem com o tempo, passando pelas fases mineral, vegetal, animal e humana (evolução).

Mas o que a Palavra de Deus afirma sobre cada um desses pilares?

Parte 2

O súbito aparecimento de um garoto que diz ser a reencarnação de seu falecido marido faz com que uma mulher relembre seu passado e as escolhas que fez na vida. Esse é, basicamente, o enredo do filme "Reencarnação", estrelado por Nicole Kidman. Assim como esse, muitos outros filmes, seriados, novelas já foram produzidos tendo como pano de fundo a idéia de que os mortos podem, de alguma forma, retornar a este mundo. Mas o que dizem as Escrituras Sagradas com relação a esta que é a primeira coluna do espiritismo: a reencarnação? Vejamos.

Gênesis 2:16 e 17 - "E ordenou o Senhor Deus ao homem, dizendo: De toda a árvore do jardim comerás livremente. Mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, dela não comerás; porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás."

Aqui o próprio Deus, o Criador de todo o Universo, numa conversa com Adão e Eva os instrui sobre o perigo que corriam se desobedecessem Sua ordem. O resultado da desobediência seria a morte certa.

Gênesis 3:4 e 5 - "Então a serpente disse à mulher: Certamente não morrereis. Porque Deus sabe que no dia em que dele comerdes se abrirão os vossos olhos, e sereis como Deus, sabendo o bem e o mal."

A serpente foi usada como instrumento de Satanás, naquele momento, para seduzir e enganar Eva. A afirmação que ele fez foi totalmente contrária ao que Deus havia dito. Constitui-se, a partir daí, o conflito entre Deus e Satanás sobre o assunto: mortalidade/imortalidade da alma.

Alguns podem questionar afirmando que esses textos tratam da morte física do corpo, e não da alma. Mas veja o que a Palavra diz sobre isso:

Ezequiel 18:4 – "Deus diz: Eis que todas as almas são Minhas; como o é a alma do pai, assim também a alma do filho é Minha: a alma que pecar, essa morrerá."

Deus afirma que toda alma que pecar, morrerá. Logo, a alma é mortal. Não há menção alguma que sequer sugira que almas possam estar vagando em algum lugar ou encarnando em outro corpo.

I Timóteo 6:16 - "Aquele que tem, Ele só, a imortalidade, e habita na luz inacessível; a quem nenhum dos homens viu nem pode ver, ao qual seja honra e poder sempiterno." O texto faz menção a Deus, o único que possui a imortalidade inerente.

João 6:54 - "Quem come a Minha carne e bebe o Meu sangue tem a vida eterna, e Eu o ressuscitarei no último dia." Aqui Jesus fala sobre ressurreição, algo totalmente diferente de reencarnação.

Conclusão: Na Bíblia não há menção alguma à reencarnação, muito pelo contrário, a Palavra afirma que se morre apenas uma vez, vindo depois disso o juízo, e que Deus é o único que possui imortalidade inerente.

Parte 3

E quanto a tal "imortalidade da alma"? Note o que diz Eclesiastes 9:5 e 6: "Porque os vivos sabem que hão de morrer, mas os mortos não sabem coisa nenhuma, nem tampouco terão eles recompensa, mas a sua memória fica entregue ao esquecimento. Também o seu amor, o seu ódio, e a sua inveja já pereceram, e já não têm parte alguma para sempre, em coisa alguma do que se faz debaixo do sol."

Salomão, inspirado por Deus, deixa claro que os mortos não sabem de nada, não vêem nada, não sentem nada. Não têm mais parte em nada do que se faz neste mundo. Segundo o texto, é impossível que uma pessoa que tenha morrido interaja de alguma maneira com os vivos. No Salmo 146:4, é dito que quando a pessoa morre, naquele momento "perecem todos os seus desígnios".

Eclesiastes 12: 7 - "E o pó volte à terra, como o era, e o espírito volte a Deus, que o deu."

Segundo a Bíblia, espírito é o ruach, ou simplesmente fôlego. No ato da criação do ser humano, Deus promoveu a união de dois elementos para formar um terceiro: "Então, formou o Senhor Deus ao homem do pó da terra e lhe soprou nas narinas o fôlego de vida, e o homem passou a ser alma vivente." Pó da terra (carbono, enxofre, hidrogênio, oxigênio, ferro...) + fôlego de vida (energia vital, respiração, fôlego...) = alma vivente (nephesh, ser humano). Note que o texto diz que Adão se tornou alma vivente e não que teria recebido uma alma. Na morte, segundo a Bíblia, o processo é inverso: o pó volta ao pó, o fôlego (espírito), que não se trata, portanto, de uma entidade consciente, volta a Deus e a alma (pessoa) deixa de existir (até a ressurreição).

Hebreus 9:27 - "E, como aos homens está ordenado morrerem uma vez, vindo depois disso o juízo." O Homem nasce, cresce e morre apenas uma vez.

Conclusão: A idéia de imortalidade da alma teve início na criação, quando Satanás disse a Eva que ela não morreria se comesse do fruto da árvore do conhecimento do bem e do mal. Essa idéia, segundo a Bíblia, surgiu na mente de Satanás, idéia essa totalmente contrária ao que Deus revelou. Depois, outras culturas trataram de dar formas e contornos diferenciados à mesma idéia, como ocorreu no caso do dualismo grego, que ensinava ser o corpo uma espécie de mero "envoltório" da alma (que para eles se tratava de uma entidade imaterial).

A vantagem do inimigo com essa ideologia é que, crendo assim, o ser humano passa a não depender mais daquele que é "o caminho, a verdade e a vida", Jesus Cristo. (Aliás, para o espiritismo, Jesus não é Deus, mas um "espírito evoluído" à semelhança de quem podemos nos tornar. O anjo caído queria ser como Deus. Não conseguiu e agora tenta rebaixar o Deus Filho à posição de simples "espírito".)

Parte 4

Outro pilar do espiritismo é conhecido como Lei do Karma. Mas a Bíblia repele frontalmente também essa idéia. Note o que escreveu o apóstolo João: "E, passando Jesus, viu um homem cego de nascença. E os seus discípulos lhe perguntaram, dizendo: Rabi, quem pecou, este ou seus pais, para que nascesse cego? Jesus respondeu: Nem ele pecou nem seus pais; mas foi assim para que se manifestem nele as obras de Deus."

Quando Jesus disse "Nem ele pecou nem seus pais", não precisaria dizer mais nada. Acabou aí com qualquer idéia sobre karma. Como é possível crer que Jesus, que é o próprio Deus, tradução maior do amor, poderia consentir com algo assim? Deus seria realmente capaz de fazer com que Seus filhos nascessem com alguma deficiência porque em "outra vida", da qual nem se lembram, não praticaram o bem? Deus não foi, não é e nunca será autor de nada que é mal.

Gálatas 6:7 - "Não erreis: Deus não Se deixa escarnecer; porque tudo o que o homem semear, isso também ceifará." Aqui fica claro que muitos dos males deste mundo são conseqüência dos atos que as próprias pessoas cometem, em vida. Como, por exemplo, uma pessoa que fuma a vida inteira e adquire câncer, ou alguém que bebe o tempo todo e é acometido de cirrose.

Pode demorar anos, ou até ocorrer imediatamente, mas as conseqüências dos nossos atos certamente virão. É a lei da causa e efeito.

Eclesiastes 9:2 - "Tudo sucede igualmente a todos: o mesmo sucede ao justo e ao ímpio, ao bom e ao mau, ao puro e ao impuro; assim ao que sacrifica como ao que não sacrifica; assim ao bom como ao pecador; ao que jura como ao que teme o juramento."

O mal é conseqüência do pecado. O pecado entrou no mundo por meio de um só, mas contaminou todos os seres humanos. Se todos somos pecadores, todos também sofremos. O sofrimento vem para todos, não faz distinção.

Conclusão: Às vezes atribuímos a Deus características e ações que mesmo nós, seres humanos com tendência ao mal, jamais faríamos, como condenar alguém que ignora os fatos sobre Deus. João diz que “Deus é amor” (1Jo 4:8). E essa revelação deve sempre nortear nossos pensamentos e conclusões sobre o Pai celestial.

Parte 5

E quanto ao conceito espírita de Evolução? Eclesiastes 3:19 e 20 responde: "Porque o que sucede aos filhos dos homens, isso mesmo também sucede aos animais, e lhes sucede a mesma coisa; como morre um, assim morre o outro; e todos têm o mesmo fôlego, e a vantagem dos homens sobre os animais não é nenhuma, porque tudo é vaidade. Todos vão para um lugar; todos foram feitos do pó, e todos voltarão ao pó."

Salomão afirma que, do ponto de vista da morte, não existe vantagem alguma do homem sobre o animal. Os dois foram criados por Deus, que lhes deu vida. Após a morte, ambos - animal e ser humano, que foram feitos do pó - ao pó retornam.

Gênesis 2:7, 21-22 - "E formou o Senhor Deus o homem do pó da terra, e soprou-lhe nas narinas o fôlego da vida; e o homem tornou-se alma vivente. ... Então o Senhor Deus fez cair um sono pesado sobre o homem, e este adormeceu; tomou-lhe, então, uma das costelas, e fechou a carne em seu lugar; e da costela que o senhor Deus lhe tomara, formou a mulher e a trouxe ao homem."

Gênesis 1:27 - "Criou, pois, Deus o homem à Sua imagem; à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou." Deus criou o ser humano à Sua imagem e semelhança. Eram obras perfeitas até a entrada do pecado no Éden. A raça humana e a vida em geral, neste planeta, começou a "involuir" praticamente em todos os sentidos, inclusive geneticamente falando. É no mínimo contraditório falar em evolução, quando se vê que a raça humana, comparada com o que Deus criou originalmente, tem degenerado em vários aspectos.

Conclusão: Acreditar que o próprio ser humano pode pagar por seus pecados, retornando em outras vidas cada vez mais evoluído e perfeito, é tirar o mérito de Jesus, que deu a própria vida para salvar os pecadores. O sacrifício foi dEle; só o filho de Deus poderia pagar; o próprio Criador e nenhuma criatura.

Jesus disse que as Escrituras constituem a Palavra de Deus. A Bíblia, com suas inúmeras passagens, derruba os cinco principais pilares do espiritismo. A Bíblia é clara quanto à criação do homem, feita pelas próprias mãos de Deus, que soprou o fôlego de vida nas narinas de Sua criatura perfeita.

Sabemos que Deus deu livre arbítrio para todos os filhos escolherem o próprio caminho. Porém, por meio de Sua palavra, Ele nos instrui na verdade. Seguir a filosofia espírita é uma decisão (e deve ser respeitada), porém, é importante saber que os principais pilares defendidos por esse grupo não têm e nunca tiveram embasamento bíblico. Portanto, dizer que o espiritismo está de acordo com as Escrituras Sagradas é um grande equívoco.
“A honra, a integridade e a verdade precisam ser guardadas, custe o que custar ao próprio eu.” Obreiros Evangélicos, pág. 447
Responda-o
#7
Queria curtir, as vezes esqueço essa função, quando fui clicar não tinha.

Tem muita coisa misturada no pedantismo dos youtuberes "entendidos de biblia" : esoterismo, esoterismo judaico,gnose e conceitos de nova era.

Vou copiar e colar para estudar depois, não tenho condições intelectuais de debater, nível novato, porém aprecio as exposições de estudiosos dedicados, que podem ser utilizadas como roteiro para posterior aprofundamento e verificação do que foi dito.


Vi algo num grupo privado de mulheres cristãs numa rede social algo que me espantou, uma postagem continha trechos do livro de TITO.A repulsa e rejeição ao texto foram grandes. Rolleyes

Tu, porém, fala o que convém à sã doutrina.

Os velhos, que sejam sóbrios, graves, prudentes, sãos na fé, no amor, e na paciência;

As mulheres idosas, semelhantemente, que sejam sérias no seu viver, como convém a santas, não caluniadoras, não dadas a muito vinho, mestras no bem;
Para que ensinem as mulheres novas a serem prudentes, a amarem seus maridos, a amarem seus filhos,
A serem moderadas, castas, boas donas de casa, sujeitas a seus maridos, a fim de que a palavra de Deus não seja blasfemada.
Exorta semelhantemente os jovens a que sejam moderados.

Em tudo te dá por exemplo de boas obras; na doutrina mostra incorrupção, gravidade, sinceridade,
Linguagem sã e irrepreensível, para que o adversário se envergonhe, não tendo nenhum mal que dizer de nós.
Exorta os servos a que se sujeitem a seus senhores, e em tudo agradem, não contradizendo,
Não defraudando, antes mostrando toda a boa lealdade, para que em tudo sejam ornamento da doutrina de Deus, nosso Salvador.
Porque a graça salvadora de Deus se há manifestado a todos os homens,
Ensinando-nos que, renunciando à impiedade e às concupiscências mundanas, vivamos neste presente século sóbria, e justa, e piamente,
Aguardando a bem-aventurada esperança e o aparecimento da glória do grande Deus e nosso Senhor Jesus Cristo;
O qual se deu a si mesmo por nós para nos remir de toda a iniqüidade, e purificar para si um povo seu especial, zeloso de boas obras.
Fala disto, e exorta e repreende com toda a autoridade. Ninguém te despreze.

Tito 2:1-15

Façam o teste e constatem a reação das ditas cristãs declaradas. Sleepy

Parece que as cristãs estão feministas e seguem o cristianismo de thelema. Yaoming


Fonte wikipedia.

panteão Thelêmico inclui um número de divindades, principalmente um trio adaptado da antiga religião Egípcia, que são os três locutores do Livro da LeiNuitHadit e Ra-Hoor-Khuit. Crowley descreveu essas divindades como uma "conveniência literária". A religião é baseada na ideia de que o século 20 marcou o início do Aeon de Horus, em que um novo código de ética deve ser seguido: "Faze o que tu queres há de ser tudo da Lei". 
Responda-o
#8
(15-04-2020, 06:37 PM)Minerim Escreveu: Queria curtir, as vezes esqueço essa função, quando fui clicar não tinha.

Eu tirei a opção de curtidas nos posts dos administradores e moderadores. Acho que talvez seja melhor que o staff não receba curtidas já que a ideia é incentivar os usuários a participarem mais e incentivar os melhores textos entre eles. E o staff ganhar curtidas e competir com eles talvez não faça muito sentido. Mas ainda não tenho uma posição definitiva sobre o assunto.

(15-04-2020, 06:37 PM)Minerim Escreveu: Vou copiar e colar para estudar depois, não tenho condições intelectuais de debater, nível novato, porém aprecio as exposições de estudiosos dedicados, que podem ser utilizadas como roteiro para posterior aprofundamento e verificação do que foi dito.

Acabei de postar a parte 2 do texto. Ela é um complemento muito importante da parte 1 para fechar o assunto com chave de ouro. Já acrescente aí nos seus estudos. E apesar de eu tentar ter abrangido o tema da forma mais completa possível fique a vontade para postar dúvidas relacionadas a trechos bíblicos porque posso ter deixado passar algum ponto sem a devida explicação.

Bons estudos.
“A honra, a integridade e a verdade precisam ser guardadas, custe o que custar ao próprio eu.” Obreiros Evangélicos, pág. 447
Responda-o
#9
Um texto bem redigido. De certa forma, acabou com minha romantização de vida após a Morte. Agora sabemos que é algo muito mais simples e complexo ao mesmo tempo.

Sobre o texto Minerim; sensacional. Usarei sem dúvidas para pegar falsas moralistas.
Responda-o
#10
Fiz uma leitura diagonal agora e parabenizo o autor pelo texto. Muito bem escrito, de excelente organização, coesão e coerência.

Todavia, em acréscimo, deixo duas perguntas (uma delas por curiosidade, responda se quiser).

1 - O que o fez aprofundar tão detalhadamente sobre o tema? Qual o contexto de vida...

2 - Sei que o estudo se firma unicamente na Bíblia. Mas, para além do espiritismo, você chegou a fazer alguma análise comparada com outros textos sagrados como o Corão, Torá, Vedas etc. (e suas respectivas religiões)?
Responda-o


Possíveis Tópicos Relacionados...
Tópico Autor Respostas Visualizações Última Postagem
  A Real sobre a Vida Após a Morte! Guardião 8 280 01-06-2020, 12:11 AM
Última Postagem: Guardião
  Apocalipse - Estudo Completo Libertador 4 198 05-04-2020, 01:31 AM
Última Postagem: Dallas
  [REFLEXÃO] Veja o que deus diz sobre vida e morte!!! Exercito Soviético 10 954 03-11-2017, 11:00 AM
Última Postagem: Melancton

Pular fórum:


Usuários visualizando este tópico: 1 Visitante(s)