Avaliação do Tópico:
  • 0 Voto(s) - 0 em Média
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
A licitação feminina (relato)
#1
A licitação feminina

(por Heitor, da OLODM)

[Image: GMlp0yg.png]

"Amigos, aconteceu um fato comigo que gostaria de compartilhar com vocês, além de minhas conclusões.

I- O FATO:
Eu estava comendo uma menina direto. Não pensei em namorar até porque não quero mais isso por um bom tempo. Mas o principal motivo é porque sei que ela é safada e rodada. No princípio ela até poderia enganar. Meio tímida, delicada. Mas foi só aplicar a técnica do "Ser liberal", "Aberto", para descobrir os podres dela. Pois bem, mas isso não impedia que eu continuasse pegando. Já estava riscada para namoro, mas não para o sexo.

Mas nos últimos dias ela começou a fazer pressões sobre mim. Primeiro, falava manhosamente que o dia dos namorados estava chegando e eu nem dava sinal de levá-la a sério. Depois começou a pressão violenta, com dramas mais fortes e ameaças do tipo "Você fica me abandonando, depois a fila anda". Mantive a postura de cair fora de compromisso com ela. Não deu outra, nos desentendemos fortemente. Fiquei a semana inteira sem vê-la ou falar com ela, até que na quinta ela me mandou um torpedo falando que precisava falar comigo. No momento eu estava na rua, respondi falando que não dava. Depois ela me mandou outro torpedo, falando pra eu olhar meu e-mail quando desse.

Então ela me escreveu um e-mail gigante, cheio de mágoas, tudo para dizer que tinha encontrado outro cara que a valorizava, que queria levá-la a sério, e que não ia mais ficar comigo. É óbvio que ela estava praticando concomitância e ficando com dois machos ao mesmo tempo, nada que me surpreenda. Nem respondi o e-mail. Ontem entrei no MSN, fiquei na minha, ignorei. Então ela veio puxar papo comigo, e começou a enganchar mais choradeiras. O engraçado é que na medida que eu me mostrava indiferente, mais agressiva ela se tornava. Parecia uma criancinha. O mais patético da conversa foi quando ela disse que eu "Não a respeitava nem quando fazíamos amor, que ela se sentia humilhada", que o outro que ela conheceu era muito mais delicado, a valorizava muito mais, blá, blá, blá, QUE A ESTAVA ESPERANDO HÁ DOIS MESES, QUE DISSE PRA ELA QUE O SEXO NÃO ERA IMPORTANTE QUE O IMPORTANTE ERA A PRESENÇA DELA!!!

Hoje fui no orkut dela, pra ver quem era o cidadão, pra minha surpresa haviam dois depoimentos dele lá de ontem mesmo, falando que nunca conheceu ninguém assim antes, que ela era encantadora, etc. Mas no status dela não estava "Namorando", quando fui no dele estava "Namorando". Na hora eu senti pena.

II- A REFLEXÃO:
Isto posto, me veio uma reflexão. Como os níveis de cinismo e amoralidade femininos podem chegar a níveis tão elevados. Enquanto eu comia a mulher, ela flertava com o "Romeu" e ao mesmo tempo me fazia pressão para namorar com ela! Quando não cedi, ela deu a chance ao que pedia. Isso me faz pensar justamente naquelas vadias que nos tempos de Matrix éramos apaixonados (acredito que isso aconteceu com muita gente aqui) e chamávamos pra sair e elas ficavam enrolando. Aí, de uma hora pra outra, elas se abriam todas e se entregavam. Ficávamos felizes, achávamos que tínhamos "Derrubado as barreiras no coração delas". Mas a história é muito menos colorida.

Na maioria das vezes, existe outro na jogada que ela pretende namorar. Se o cidadão não aceita o empreendimento, ela parte para o reserva e assim sucessivamente. Então, elas colocam nos nicks dos MSN's da vida "Feliz", "Finalmente sou valorizada", e o matrixiano fica cheio de si, achando que ela está gamada nele, sem perceber que essas mensagens são para atingir alguém.

Fica o conselho para quem pretende se relacionar com mulheres que fogem, se esquivam. Quase sempre, essa "fuga" não é somente para te avaliar, para te fazer "correr atrás". A "Fuga" também é uma forma que elas podem usar de analisar propostas. Como se estivessem fazendo uma licitação da sua boceta. Por isso acredito que o homem não deve adotar posturas ativas na formalização de um namoro. Ele deve esperar a mulher começar a mandar indiretas para, aí sim, pensar em pedi-la em namoro (desde que ela tenha requisitos mínimos para relacionamentos, obviamente).

É lamentável o homem "achar normal" mulher se esquivar de relacionamentos. ISSO NÃO É NORMAL. Há muito mais por trás dessa simples fuga. Para um relacionamento sério, fujam das mulheres que fogem. É isso que eu recomendo.

(Nota do Guardião: Recomenda-se nunca pedir a mulher em namoro, ela tem que fornecer motivos de sobra a ponto de encurralar o realista, a proposta deve ser realmente irrecusável, coisa dificílima hoje em dia, se levarmos em consideração os tempos atuais com leis como a Maria da Penha).

Esse tópico faz parte do projeto Segunda das Relíquias perdidas.
Responda-o
#2
É por essas e outras que continuo solteiro, nunca me senti tão bem.
"Escola? E o aprendizado com os próprios erros? A experiência te faz professor de si próprio".
Responda-o
#3
Isso me pareceu relato de 15 anos (alias a palavra torpedo denuncia), assim como nós elas sempre tem outros, meio óbvio o relato.
Responda-o
#4
(23-03-2020, 06:21 AM)SapoCaco Escreveu: Isso me pareceu relato de 15 anos (alias a palavra  torpedo denuncia), assim como nós elas sempre tem outros, meio óbvio o relato.

Não fale por todos  Yaoming a maior parte da minha vida eu fui solteiro involuntário. Agora sou voluntariamente solteiro, mas continuo celibato... involuntariamente  Yaoming
Responda-o
#5
Muito bom esse relato. Nada como ter a oportunidade de ver o mundo de outras perspectivas, estar "dos dois lados".
Uma vez estava saindo com uma mulher que na época tinha um namoraduxo trouxão. Era uma morena bem gostosa, funcionária da linha de produção da fábrica que eu trabalhava. Eu era um representante, carro bacaninha. Apesar de não ser grandes coisas, aos olhos dela eu devia ser um executivo bacana, pois ela tinha uma vida bem humilde. Praticamente se ofereceu pra mim. Eu pegava ela após o horário de trabalho, durante a semana e íamos pra algum motel nas redondezas. Depois deixava ela no jeito pra pegar algum busão bem próximo da casa dela. Não levava ela diretamente no bairro dela pra não levantar suspeitas pro namoradinhu.
Detalhe: só fui sacar essa do namoradinho depois de alguns meses transando com ela, já que ela mesmo não queria que eu levasse ela em casa. Mas naquela época eu não estava nem ai.

Tava bebendo e conversando com um amigo meu as coisas que ela fazia comigo e miguelava pro namoradinho, que queria ficar noivo dela. O cara comentou comigo que já tinha acontecido isso com ele também.
De repente pensamos e falamos a mesma coisa: quantas vezes deve ter acontecido isso conosco quando éramos babões correndo atrás de alguma namoradinha. Se fazia de difícil enquanto cavalgava loucamente na pica de algum cafajeste. Ali ficou claro que CERTAMENTE isso já tinha acontecido e vc começa a vir na cabeça as namoradinhas antigas e imaginar as coisas...
Esse camarada comentou: "melhor nem pensarmos nisso senão ficamos loucos..."
Responda-o


Pular fórum:


Usuários visualizando este tópico: 1 Visitante(s)