Avaliação do Tópico:
  • 0 Voto(s) - 0 em Média
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Hesitante Estou
#41
Tudo bem irmão, espero que evolua e cresça como eu evoluir.

                Veni, vidi, vici
.
Responda-o
#42
Spoiler Revelar
(30-10-2019, 02:18 AM)SoulReaver Escreveu: @Sidarta Gautama, essa sua foto do perfil é do seu próprio olho ? Sua mãe é solo e trabalha em três empregos ? Ela deve ser japa, e por conseguinte, você é japa também, né ? Presumindo isso, como eu sou japa, vou te falar uma coisa. No quesito mulher, vida de japa aqui no huehueBR não é fácil. Eu aprendi isso empiricamente, sendo desprezado e levando toco a vida toda. Já mais velho, vi no fórum do RooshV que no mundo ocidental os orientais ficam em último na "escala da beleza e atração" das mulheres, perdendo até mesmo pros indianos e indígenas. Segundo informações do próprio fórum, a única distorção parece ser a Polônia, onde os caras compram e exibem muito conteúdo coreano na TV aberta, e dessa forma os orientais acabam sendo galãs de programas e anúncios, o que faz com que eles entrem no "ideal de beleza" da mulherada por lá, e dessa forma conseguem ser mais valorizados que os caucasianos locais.

Aqui, japa só se destaca e é bem recebido quando é aluno, quando é empregado, quando entra em loja pra comprar, e na zona...

Pelo que você contou aí, esquece mulher por enquanto e foca no seu desenvolvimento pessoal, lendo, estudando, trabalhando e cuidado do corpo. Como os caras aconselham fazer.

Falaram aí do quesito hormonal. Mas veja também sua dieta. Se come demais fast-food ou arroz-feijão-fritura, ou massas em excesso, isso vai abaixar seu metabolismo e tirar sua energia. Dá uma pesquisada sobre dieta Low-carb.

Só existem três situações de um japa se dar bem com mulher aqui, que obviamente não é o seu caso:

1 - Ter tido sorte na loteria genética e ser um mestiço bem apessoado, mais alto e mais forte que a maioria. Ou seja, ser um alfa.
2 - Participar dessas comunidades japas, onde a maioria das garotas é japa também e é "programada" pra namorar e casar somente e exclusivamente com japa. Mesmo assim, você precisa ser um pouco acima da média no quesito beleza, estudo, trabalho, $$$. Ou seja, um "japa alfa". Eu acho que vivendo aqui e com esse tanto de mulher bonita e de tantos tipos diferentes que temos, difícil olhar e achar uma japa bonita (rosto bonito e corpo de BR). Eu mesmo nunca me interessei muito pelas japas.
3 - Achar uma nipomaníaca que vá com a sua cara (difícil). Geralmente essas mulheres vem de famílias ocidentais que convivem/trabalham com famílias orientais, então desde pequenas elas passam a valorizar os japas. Mesmo assim, elas vão acabar selecionando os mais destacados.

Hoje está mais fácil por causa da cultura Otaku. Então tem um monte de garota fissurada por orientais. Mas, a maioria delas vai ser do tipo nerd branquela gordinha que fica em casa comendo porcaria e assistindo anime, não vai ser do tipo que cuida do corpo e faz marquinha de biquini. As que são gatinhas vão usar o poder de barganha pra escolher, novamente, um destacado.

Dito isto, foque no seu desenvolvimento e tenha em mente que você só vai começar a colher os resultados daqui a no mínimo uns 5, talvez 10 anos. Tendo algum sucesso e permanecendo solteiro e sem filhos, você vai começar a ser visto como "bom partido" e ser assediado pela M$ol e balzacas. Ou seja, vai continuar a ser um Beta, mas um beta assediado kkk.

Provavelmente vai cair em algumas ciladas, porque a Matrix é foda, e fugir de muitas outras... Mas inegavelmente você terá finalmente poder de barganha e poderá finalmente fazer certas escolhas.

Mas se não começar, nunca chegará lá. E quanto mais tempo demorar pra começar, mais tempo levará pra chegar.

E leia os livros do Nessahan Alita e da Esther Villar.

Se isso for verdade, que vida desgraçada heim? Olha, imagino o que o Sêneca diria de um troço desses, é foda... meus pêsames por essa existência vã, perdida. Mais sorte na próxima para os que se encontram assim. 

Nós devemos nos comparar com pessoas acima de nós, não em aparência mas em virtudes, devemos abandonar a companhia de fracassados, é um conselho bíblico, afaste-se de pessoas que te colocam pra baixo com essa perspectiva inútil de vida, passar anos trabalhando em algo pra ser assediado por velhas e m$ols no futuro, e por sorte. Isso é revoltante pra um homem, ao invés de se portar como um mal diagramado, vitimista, feio e inútil da vida, pense em como alguém de sucesso se portaria nessa situação, como você acha que Sócrates lidaria com isso? Como o Bruce Lee lidaria com isso? Como Buddha lidaria com isso? Sei lá quem você admira, mas o que custa pensar em como essas pessoas verdadeiramente afortunadas lidariam com essa perspectiva esdrúxula disso que alguém ainda tem coragem de chamar de vida? O problema às vezes não é o fenótipo mas apenas uma fraqueza da mente mesmo. Quando estiver pensando em como você é visto por meia dúzia de mulheres com vaginas fétidas, pense se alguma pessoa verdadeiramente afortunada faria isso ou o que faria no seu lugar.
 

Responda-o
#43
(01-11-2019, 01:23 AM)Indomável Escreveu: Engraçado é que eu vi justamente o contrário durante a minha vida, então isso vai afetar minha percepção, sem dúvida. Acho que marcou porque nunca conheci muitos descendentes ou japoneses mesmo.

Coincidência ou não, dos meus três amigos de fé um é japonês e ele passa o rodo na mulherada sem dó. Um desses amigos levou uma paquera pra festa de aniversário dele achando que ia pegar a mulher de calça arreada e quando olho o japa safado tava traçando a calanga num canto da casa, massacrando ela no cantinho. Foi esse mês esse ocorrido  Yaoming

Se for seguir essa lógica determinista era pra eu estar pegando ela nesse dia, sem dúvida nenhuma. Ela até deu uma encarada, mas quem faturou foi ele. Estou em forma com oitenta e poucos kg e baixa gordura corporal, bem financeiramente e encaminhado no resto e não tenho metade do "sucesso" amoroso dele. 

Ele me sacaneia falando que eu não tenho disposição com a mulherada.
 
Esse amigo não tem grana, nem físico, se formou em engenharia civil e acabou virando uber depois que a área praticamente morreu e ele não conseguiu mais nenhum projeto. Tem no máximo 1,65 de altura, porque eu que tenho 1 e 70 e pouco pareço alto perto dele. Tem uma lábia que nunca vi igual... leva qualquer um na conversa, sem sacanagem. Come a mulherada no uber dele. Não sei que praga é essa que ele faz, mas funciona. Carisma absurdo.

Tenho certeza que tem alguma explicação, mas até encontrar a resposta o cara tem talento e acabou.


Seems legit

Massacrando com 3cm de pau!
Responda-o
#44
(01-11-2019, 08:44 PM)Karl Rossmann Escreveu: Se isso for verdade, que vida desgraçada heim? Olha, imagino o que o Sêneca diria de um troço desses, é foda... meus pêsames por essa existência vã, perdida. Mais sorte na próxima para os que se encontram assim. 

Nós devemos nos comparar com pessoas acima de nós, não em aparência mas em virtudes, devemos abandonar a companhia de fracassados, é um conselho bíblico, afaste-se de pessoas que te colocam pra baixo com essa perspectiva inútil de vida, passar anos trabalhando em algo pra ser assediado por velhas e m$ols no futuro, e por sorte. Isso é revoltante pra um homem, ao invés de se portar como um mal diagramado, vitimista, feio e inútil da vida, pense em como alguém de sucesso se portaria nessa situação, como você acha que Sócrates lidaria com isso? Como o Bruce Lee lidaria com isso? Como Buddha lidaria com isso? Sei lá quem você admira, mas o que custa pensar em como essas pessoas verdadeiramente afortunadas lidariam com essa perspectiva esdrúxula disso que alguém ainda tem coragem de chamar de vida? O problema às vezes não é o fenótipo mas apenas uma fraqueza da mente mesmo. Quando estiver pensando em como você é visto por meia dúzia de mulheres com vaginas fétidas, pense se alguma pessoa verdadeiramente afortunada faria isso ou o que faria no seu lugar.

Boa noite, confrade @Karl Rossmann.

Concordo, se isso for verdade. Coitado de quem está nessa situação.

O que eu estou tentando passar pro confrade @Sidarta Gautama é que a curva de desenvolvimento pessoal funciona. Pelo menos pra mim, funcionou.

Desde o início, sem conhecer NA e a REAL, sempre foquei na minha carreira, em estudo e trabalho.

Tive a sorte de meus pais terem condições de me manter em escola particular até terminar o ensino médio, e depois cursei universidade pública estadual, pra qual entrei na primeira chamada e sem fazer cursinho. Meu primeiro emprego foi em multinacional estrangeira. Foi o único emprego do qual fui demitido, porque a empresa executou um lay-off gigante e mais tarde foi adquirida por outra. Em seguida, passei por mais três empresas, sendo uma delas outra multinacional. Desses três empregos eu pedi demissão porque considerei melhor a oportunidade seguinte que se apresentou a mim. Mas foram mais de dez anos sem poder tirar férias, os patrões não me liberavam. Nessa esfera, ao invés de ficar fazendo discurso vitimista, exigir meus direitos, procurar sindicato, entrar com processo trabalhista, etc. Comecei a prestar concursos, e passei para um cargo de nível superior do poder executivo na esfera federal.

Depois de formado, a minha renda sempre esteve entre 11 e 14 salários mínimos. Sempre tive estilo de vida low-profile, como muitos recomendam aqui. Sempre comprei carro usado e nunca gastei dinheiro com roupas de marca.

Meu primeiro relacionamento durou 8 anos, chegamos a morar junto. Ela era um pouco mais velha e não podia ter filhos por causa de um problema congênito.

Em seguida namorei por 2 anos uma M$ol mais jovem. Essa tinha 3 filhos de um mesmo pai, sendo que fez o terceiro parto por cesariana para fazer a laqueadura. Esse relacionamento terminou no começo de 2016 e foi o que mais me abalou emocionalmente, por isso a considero minha BM. Me apeguei demais e fiquei indo atrás dela e tentando reatar por 6 meses. Deprimido e desiludido, fazendo buscas genéricas na internet eu acabei conhecendo NA e a REAL.

O fato dessas duas mulheres não poderem ter filhos foi determinante pra escolha para relacionamento. Apesar dessa escolha racional, nesses dois relacionamentos eu caía em todos os jogos emocionais.

Eu era sedentário e acima do peso. Passei a cuidar da alimentação e fazer academia. Consegui sair de 87 kg e hoje estou mantendo por volta de 70Kg.  Procuro seguir a dieta low-carb, mas não de forma radical. Continuo comendo pizza, lasanha, ou fast-food esporadicamente, geralmente aos finais de semana. Havia feito uma TC de abdome em 2015 na qual aparecia um pouco de esteatose hepática. Na última que fiz essa esteatose desapareceu.

Conhecendo NA e REAL, mudei minhas atitudes nos relacionamentos. Parei de manginar. Meu último relacionamento foi levado por mim de forma completamente diferente dos anteriores, graças aos conhecimentos adquiridos. Do final de 2017 ao início de 2019 namorei uma bela jovem solteira e sem filhos cerca de 25 anos mais nova. Ela estava aqui em casa no dia em que ela falou que estava terminando definitivamente comigo. Apenas perguntei a ela se tinha certeza do que queria. Com a confirmação, peguei uma camisola e um vestido que ela deixava aqui, coloquei na mão dela e falei calmamente: Agora vamos então, que eu vou te levar pra sua casa. Deixei-a lá e não fui mais atrás. 

Na minha situação, 46 anos, em forma, solteiro, sem filhos, casa, carro, emprego estável, bom salário, é normal que seja assediado por balzacas e M$óis. Impossível ser de outra forma no balzaquistão. Temos vários relatos semelhantes de confrades.

Tive, e tenho ocasionalmente outras opções de mulheres mais jovens e com poder de barganha. Durante os relacionamentos recebi ofertas, tive chances de trair, mas não o fiz.

Estou optando por ficar um tempo sozinho e focar em outras coisas que não relacionamento. Talvez voltar a recorrer aos serviços das GPs se apertar a "necessidade" de agarrar um corpo feminino. Prefiro isso, a ficar com uma mulher que não preencha os meus requisitos. Mas de qualquer forma, casamento e filhos não fazem parte dos meus planos.

Reconheço que posso estar enganado quanto ao meu pressuposto ao respeito do fenótipo. Procurarei desconstruir essa idéia.

Concluindo, quando li o relato do confrade @Sidarta Gautama, quis contar a ele que já passei por uma fase semelhante de deserto sexual há mais de 20 anos, a tal da "vida desgraçada". Espero que ele tire o foco disso e concentre-se no seu próprio desenvolvimento pessoal.
Responda-o


Pular fórum:


Usuários visualizando este tópico: 3 Visitante(s)