Avaliação do Tópico:
  • 0 Voto(s) - 0 em Média
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Filosofia prática
#1
Olá, confrades.

Nos meses anteriores procurei levar meu desenvolvimento orbitando em três heurísticas:
  • "Não sabe fazer, aprende."
  • "Começa onde estás. Usa o que tens. Faz o que podes."
  • "Elimine tudo que é desnecessário."
Procurei em todos os setores da minha vida aplicar tais máximas (farei o relato da minha experiência em outro tópico) e acabei tendo contato com o Estoicismo, começando a praticá-lo consistentemente através de três exercícios, conhecidos na filosofia como "exercícios espirituais". Me chamaram atenção devido a praticidade de suas técnicas, sem a exagerada "teorificação" que sofremos tanto nos dias de hoje. Após algumas semanas de prática já é possível sentir uma maior clareza de propósito e dessensibilização aos acontecimentos externos.

Entretanto, percebi que é vital que tais exercícios sejam feitos ALIADOS À AÇÃO NA VIDA REAL. De nada adianta fazê-los dentro do seu quarto, e passar o resto do dia trancado de casa. APENAS A AÇÃO LIBERTA O HOMEM. Coloco abaixo o texto traduzido e adaptado do post original e fica o convite aos confrades de compartilharem suas práticas.

Método #1: VISÃO DE CIMA
Esse exercício envolve imaginarmos nos observando na terceira pessoa. Nessa visão, nós damos um zoom para fora de nossa imagem, conosco no centro. Continuamos esse processo nos afastando da visão do nosso corpo cada vez mais, contemplando a magnitude de escala do universo. Algo parecido com o efeito do vídeo abaixo. Esse exercício nos permite uma melhor perspectiva da insignificância de nossos problemas quando comparados a infinitude de todo o resto, ou seja, tira você do próprio umbigo.




Método #2: VISUALIZAÇÃO NEGATIVA
Imaginar o que seria da sua vida se você perdesse algo. Esse exercício não tem a intenção de ser sombrio ou mórbido, mas novamente serve para colocar as coisas em perspectiva. Permitindo que você reflita nas coisas que tem, é possível ver de forma honesta o que daquilo é essencial, ou apenas algo desnecessário ou disfuncional. É importante que você simule o sentimento, a emoção que teria com a ausência desse algo. Alguns exemplos:
  • Como seria não ter um teto sobre sua cabeça.
  • Como seria viver como um inválido.
  • Como seria viver se você perdesse toda sua família.
  • Como seria se "coloque aqui situação que considera pior caso possível".
Método #3: DESCONFORTO VOLUNTÁRIO
Deliberadamente se colocar em situações desconfortáveis. Quanto mais desconfortável (use seu bom senso, óbvio) melhor. A MAIORIA DAS COISAS QUE CHAMAMOS CONFORTO SÃO NA VERDADE LUXO. Alguns exemplos:
  • Banho gelado.
  • Exercício pela manhã em jejum.
  • Jejum por dia inteiro.
  • Dormir no chão.
  • Qualquer coisa que negue nossa vida moderna.
É importante que não teorize muito no porque de tais exercícios. Veja o porquê de cada um e pronto, rumo a prática.
Responda-o
#2
Gostei do tópico.

A ressalva sobre a "ação na vida REAL" é válida, com tantas distrações ofertadas neste mundo moderno, é muito fácil cairmos no senso comum de teorizarmos eternamente e não mudarmos nada ao redor.

Aguardo o relato de sua experiência sobre o assunto...

EDIT: Achei o vídeo muito bacana também. Nos transmite um senso de escala incrível.
"Paulistarum Terra Matter..."
Responda-o
#3
Essa visualização negativa eu uso bastante no meu dia dia, já é meio automático. Não lembro se foi com o estoicismo que aprendi, já tive contato com essa "filosofia" a alguns anos atrás, mas é bastante válida. Quando colocamos em perspectiva que perder uma coisa simples que normalmente reclamamos de ter (como um emprego ou compromisso qualquer por exemplo)que deixaria a nossa vida muito pior, conseguimos ver outros caminhos se abrindo.

Uma coisa interessante que eu venho notando ultimamente é relacionado ao título do tópico. Pensamento filosófico não só pode como deve ser prático, por mais abstrato que pareça num primeiro momento. Hoje eu acredito que a única maneira de entender realmente determinada filosofia é pondo-a em prática. Esse é o grande diferencial de quem descobre isso, pq te coloca um ou alguns passos a frente das pessoas "comuns". Alguns autores reforçam ainda mais essa necessidade de prática que foi completamente esquecida por estudantes de filosofia contemporâneos (não só acadêmicos mas ou autodidatas como nós). Filosofia é uma merda na sociedade atual pq filosofar sem fazer algo útil com isso (só discutir com esquerdistas em fóruns e no facebook) ou aplicar na sua vida cotidiana é a mesma coisa que nada, tempo perdido. Por isso a maioria não sabe a importância que esses conhecimentos podem ter. Só quem passa de nível começa e perceber que a filosofia é extremamente prática, porque afinal de contas, todo o universo é mental...

Novas coisas estão por vir para você confrade. Uma pessoa que aprende a pensar (e não apenas a copiar) vai longe
"Compreendi o tormento cruciante do sobrevivente da guerra, a sensação de traição e covardia experimentada por aqueles que ainda se agarram à vida quando seus camaradas já dela se soltaram."  (Xeones para o rei Xerxes)

Responda-o
#4
Show de bola, parabéns ao autor.


Spoiler Revelar
(23-07-2019, 09:36 AM)Héracles Escreveu: Pensamento filosófico não só pode como deve ser prático, por mais  abstrato que pareça num primeiro momento.

Boa contribuição também. Esse tipo de pensamento atinge-se com a autorreflexão, era isso que os filósofos estimulavam. Ao mesmo tempo, vejo como é importante o equilíbrio, viver e testar a filosofia na prática. Não são poucas as vezes que ficamos paralisados pensando, pensando, pensando em algo, ao invés de agir.

Vi em uma aula recente que, cognitivamente, temos grande capacidade para operar nosso corpo e mente em conjunto para realizar determinada ação ou atividade.

Ao pensar, raciocinar, sobre algo, estamos empregando nossa mente para encadear sequências lógicas, estabelecer conexões e formular uma dedução ou pensamento. Acontece que, ao agir, fazer algo, seja praticar um esporte, operar um instrumento, dirigir, cozinhar, sexo e uma infinidade de coisas práticas, estamos ocupando o comando central para processar diretamente nossa ferramenta, nosso corpo. Esse tipo de ligação direta explica porque tantas vezes fazemos coisas que nós mesmos nos surpreendemos depois, com excelentes resultados, maestria de performance. Como foi que consegui fazer isso? Ora, o que tu praticastes foi a ação e não o pensamento da ação; a mente opera livre e diretamente o seu corpo e coordenação. Ao pensar sobre algo, o que é trabalhado não é o instrumento da ação, no máximo, em alguns casos, prepara-se para ela. Nestes casos ainda, não dispensa-se a necessidade do foco ao estudar algo, ou seja, a dedicação total do pensar naquele instante, sem divisão.

Spoiler Revelar
[Image: Challenge_vs_skill.svg]
Responda-o
#5
(23-07-2019, 11:11 AM)Ducati Escreveu: Ora, o que tu praticastes foi a ação e não o pensamento da ação; a mente opera livre e diretamente o seu corpo e coordenação. Ao pensar sobre algo, o que é trabalhado não é o instrumento da ação, no máximo, em alguns casos, prepara-se para ela.

[Image: tenor.gif]

Isso, isso mesmo. Ótima resposta. 


Começar a aprender a pensar fará com que nós operemos mais no que é chamado "instinto" ou seja, a ação sem pensar que é muito mais eficiente e abrangente, o famoso "flow" tão divulgado nas comunidades "red pill". Claro que a prática da filosofia não é o único caminho mas sem dúvida é um dos importantes, uma vez que a própria espiritualidade e auto conhecimento humano podem ser caracterizados afinal, como, filosofia. 

Todas nossas impressões e análises sobre a realidade das coisas que nos chega é uma ilusão criada pela própria mente com base nas nossas impressões psicológicas arquivadas, mutas (se não todas) são apenas réplicas advindas de outras e outras pessoas. Agir sem pensar (mas agir corretamente) lhe dará uma liberdade muito maior de ação e a possibilidade muito maior de encontrar a melhor resposta. Essa é a mágica da coisa.

(23-07-2019, 11:11 AM)Ducati Escreveu: Ora, o que tu praticastes foi a ação e não o pensamento da ação; a mente opera livre e diretamente o seu corpo e coordenação. Ao pensar sobre algo, o que é trabalhado não é o instrumento da ação, no máximo, em alguns casos, prepara-se para ela.

[Image: tenor.gif]

Isso, isso mesmo. Ótima resposta. 


Começar a aprender a pensar fará com que nós operemos mais no que é chamado "instinto" ou seja, a ação sem pensar que é muito mais eficiente e abrangente, o famoso "flow" tão divulgado nas comunidades "red pill". Claro que a prática da filosofia não é o único caminho mas sem dúvida é um dos importantes, uma vez que a própria espiritualidade e auto conhecimento humano podem ser caracterizados afinal, como, filosofia. 

Todas nossas impressões e análises sobre a realidade das coisas que nos chega é uma ilusão criada pela própria mente com base nas nossas impressões psicológicas arquivadas, mutas (se não todas) são apenas réplicas advindas de outras e outras pessoas. Agir sem pensar (mas agir corretamente) lhe dará uma liberdade muito maior de ação e a possibilidade muito maior de encontrar a melhor resposta. Essa é a mágica da coisa.
"Compreendi o tormento cruciante do sobrevivente da guerra, a sensação de traição e covardia experimentada por aqueles que ainda se agarram à vida quando seus camaradas já dela se soltaram."  (Xeones para o rei Xerxes)

Responda-o
#6
@Bandeirante Paulista
Tenho pensado nessa teorização massificada que temos hoje em dia. É quase uma "masturbação intelectual" pensar e meditar sobre desenvolvimento pessoal (não apenas isso) mas poucos de fato executam e partem para a práxis de fato.

@Héracles
Creio cada vez mais que a única maneira de aprender de fato é pela experiência direta (bom senso aqui, claro). Comecei a prestar atenção nisso na faculdade: um monte de gente falando pelos cotovelos sobre teoria da educação x, projeto pedagógico y, mas pouquíssimos com bagagem real de literalmente "botar a mão na massa". As vezes as pessoas ficam tão presas na teoria (que é bonita, por natureza) e esquecem que ela é um modelo da realidade. Alguns tipos de informação e conhecimento são advindo apenas da prática.  

@Ducati
Na cultura antiga como um todo era senso comum essa diferença entre a ação e o pensar sobre a ação. Sinto que perdemos hoje isso em dia, o cara lê um livro sobre assunto x e começa a perpetuar aquilo como verdade sem colocar-se à prova. Me parece que os fatos são mais importantes que o conhecimento prático atualmente.
Responda-o
#7
De onde você tira coragem para agir?
Responda-o
#8
(24-07-2019, 08:42 PM)Varão Opressor Escreveu: De onde você tira coragem para agir?

Acho que a questão é outra.

Por que você precisa de coragem para agir? Tentar incutir um sentimento para só então partir para a ação é uma inversão da ordem natural das coisas, na minha opinião.

Esperar esses sentimentos "positivos" surgirem para usá-los como combustível e então empreender algo é apenas mais uma vertente do pensamento de que "em algum momento do futuro, quando eu estiver preparado..." e bla bla bla. Fiquei muito tempo nessa vibe e hoje percebo como é contraproducente.

Basicamente:
  • Você age e essa ação lhe volta informação;
  • Informação gera ajustes no seu agir;
  • Você executa nova ação, mas agora com aquela informação absorvida.
  • Repita.
Sentimentos devem vir do PROCESSO, e não como itens iniciais.

Mas novamente, não se entende isso só de forma intelectual lendo um tópico. É preciso AGIR.
Responda-o
#9
*Alerta de texto grande, passe direto, você não é obrigado a ler e não vai perder nada se fizer isso... 


Spoiler Revelar
Em todos esses anos eu vi estudantes de áreas da construção civil penarem com algumas disciplinas e confesso que também tive as minhas, um acadêmico geralmente se sente superior ao leigo porque supostamente detém o conhecimento, mas o que é o ensino superior no Brasil? Um professor despejando meia dúzia de palavras desconexas à frente de um projetor com slides feitos por outros doutores e mestres renomados enquanto demonstra imensa superioridade intelectual perante os cabeças de vento que fingem aprender mas apenas direcionam seus olhos arregalados na direção da empáfia do especialista universal?

 Na outra margem, vejo peões de obra que demonstram muito conhecimento técnico mesmo sem sequer ter visto cálculo na universidade, aliás, talvez não tenham visto sequer frações ou equações pois geralmente muitos nem concluem o fundamental, é simples, estar onde as coisas acontecem é o que te levará ao conhecimento prático, ninguém aprende na zona de conforto nem muito menos desenvolve ideias ou progride na vida.

 Ninguém progride se não estiver em constante conflito, tem algo interessante que sempre me questionei, o Brasil é um dos países mais privilégiados do mundo, temos uma imensa floresta, quase que continental, e que é considerada o pulmão do mundo, ainda temos abundância de terras, de minérios, de matéria prima, de terrenos, de alimentos e uma infinidade de coisas mas mesmo assim somos extremamente vulneráveis a tudo, se houver uma falha humana em alguma de nossas usinas nucleares, levaremos séculos para recuperar o investimento perdido e talvez nem consigamos, se a política desandar, levaremos décadas para que as coisas comecem a melhorar novamente e vivemos nesses intermináveis ciclos. Em contrapartida, vejo países como o Japão por exemplo que sofre com constantes terremotos, tsunamis, furacão e várias catástrofes frequentes e até já foi palco de explosão de bombas nucleares, mas parece que o país sempre consegue dar a volta por cima e até melhorar após passar por tudo isso, tudo é reconstruído rapidamente e de uma forma muito mais eficiente que outrora, hoje é um dos polos tecnológicos do mundo, possui uma população com imensa expectativa de vida, tem uma média altíssima de Q.I e um dos ensinos mais eficientes de todo o planeta e ainda figura entre os poderosos da economia mundial sendo praticamente do mesmo tamanho que o estado do Rio de Janeiro. 

"Ah mais o Brasil é gigante, é difícil de progredir", "ah mais o japão é muito pequeno", tudo conversa fiada, o Brasil nem de perto é o maior país do mundo, só olhar os poderosos, China, EUA, Rússia, ambos gigantes em extensão territorial e ambos com suas conquistas, eu não falo isso pra puxar saco de país nenhum até porque gosto daqui mas tenho que ser franco, parece que tudo é sempre pior por aqui, tem problema em tudo quanto é lugar nesse mundo mas tudo tem uma carga dupla aqui, nesse país pois somos imensamente vulneráveis e acostumados com essa falsa ideia de que somos privilegiados por não termos intempéries climáticas ou outras catástrofes. Temos todas as ferramentas possíveis pra prosperas mas ainda sim nunca saímos da fossa, do esgoto mundial, a grande maioria de nossos problemas são derivados da incapacidade de focar naquilo que é realmente necessário, e sempre isso será algo difícil, penoso. No Brasil somos condicionados a buscar por soluções práticas e por atalhos, por isso indivíduos saudáveis mas viciados em drogas lícitas/ilícitas saem nas ruas com o bordão "é melhor pedir do que roubar, me ajude", isso é revoltante, pessoas que se maldizem por falta de emprego e oportunidades mas quando chamadas pra festas, são os primeiros a acamparem nas imediações do palco. 

 Você que é universitário já deve ter ouvido reclamações de alunos com relação a trabalhos extenuantes solicitados por professores ou então súplicas para o adiamento de prazos para a entrega destes, odeio ter que admitir isto mas brasileiro vive reclamando e se maldizendo da própria vida e colocando a culpa de sua própria incapacidade nos outros e no universo. Perceba o quanto é fácil ser um bom aluno em alguma escola por aqui, basta entregar todos os trabalhos, estudar minimamente todos os dias e aplicar isto nas avaliações, isso já lhe garantirá notas altíssimas na faculdade seja você um gênio ou não mas conte nos dedos a quantidade de pessoas que agem assim. Quando nos misturamos com medíocres, parece que somos únicos, especiais e gênios perante eles, então a tendência é relaxarmos e diminuirmos o ritmo, mas se você quebrar essa bolha e se inserir em um ambiente desafiador de pessoas que realmente fazem as coisas acontecerem, você se sentirá um saco ambulante de estrume, verá o quão inútil é e o quanto realmente precisa aprender. Aqui no Brasil, qualquer coisa minimamente diferente do senso comum que você faça te tornará uma entidade, não existem desafios e é por isso que profissionais, artistas e até atletas raramente competem de igual pra igual com alguns estrangeiros. 


 Aqui você ainda tem que lidar com as famigeradas difamações quando começa a agir de forma diferente, "ah, fulano ficou besta depois que comprou aquele carro", "ah, fulano tá neurótico com isso de treino e dieta", "ah, fulano vai enlouquecer de estudar", ninguém apoia nada, só critica ou malogra, qualquer disrupção é sinônimo de loucura. O Brasil não tem culpa da mediocridade de boa parte de seus habitantes, ele nunca prosperará com essa cultura da malandragem. Aqui somos condicionados a seguir nossos corações e fazer sempre aquilo que nos seja favorável, sempre escutamos aquelas frases maternais de "trabalhe com o que você goste", isso é uma das maiores ilusões que são permeadas por aí, uma das primeiras fake news da história, não temos que trabalhar com o que gostamos, trabalho não é pra ser divertido, trabalho é para cumprir tarefas, objetivos, metas..., uma pessoa que joga futebol ocasionalmente gosta disso mas coloque-a num jogo profissional e ela odiará isso porque nem aqui nem em Marte essas coisas se convergem, um jogador de futebol passa a maior parte do tempo treinando feito louco, fazendo bateria de exames, tendo que cumprir dietas rigorosas, treinos extenuantes, viajar por horas toda semana, lidar com seus resultados, é um estresse tão grande que jogar nem de longe é algo divertido, era caso ele continuasse na várzea ou no amadorismo. 

 Quanto mais coisas desconfortáveis você fizer, melhor será e é somente isso que conseguirá destruir essa mediocridade que nos é imposta desde o berço por familiares, amigos e até desconhecidos. Uma das habilidades do futuro disparadamente lida com o fato de fazer algo que não se quer fazer, é o primeiro indicativo de que a mentalidade infantil está deixando de controlar o córtex e suas decisões, é ai que separamos os verdadeiros dos impostores. Não posso deixar de citar o fato de que somos permeados com uma cultura do imediatismo, não adianta ter um dia de intensidade se a velha rotina medíocre de sempre retorna no restante dos dias, o mais importante é ter consistência. Recentemente conversei com um senhor que tem lá seus 65 anos mas que aparenta ter 50 ou menos e com um condicionamento físico de fazer inveja a qualquer adolescente desses que praticam o sedentarismo, o segredo? Ele me diz, acordar 4 horas da manhã para correr e se exercitar no mínimo 3 vezes na semana, ele me relata que em muitas das vezes quer permanecer dormindo o que chamamos por aqui de "o melhor sono que há", o que antecede as primeiras horas do dia, ou por conta do intenso frio ou por conta de chuvas, ou por essas desculpinhas corriqueiras mas diz que nunca faltou um único dia de treino e já me alertou de antemão que pratica exercícios físicos há quase 2 décadas, sem parar, sem quebrar a rotina, sem espaço pra erros e quando não pode ir em um dia da semana, vai nos finais de semana. Ele me relata que em todos esses anos viu pessoas dando passos maiores do que a própria perna e até desenvolvendo doenças por decorrência de exercícios demasiado intensos, a soberba de se sentir especial, único e indestrutível e também dos preguiçosos e turistas que começam dominados pelo ânimo mental mas que desistem logo nas primeiras semanas, hoje esse senhor cultiva uma boa saúde e o mais cômico de tudo, fazendo aquilo que o próprio corpo jamais pede para ele fazer e até o implora para não realizar, o nosso próprio cérebro, principal órgão de nosso corpo, nos implora para que nunca executemos algo que não nos seja de bom grado.

 Imagina você, acordar 4 horas da manhã para correr numa estrada completamente escura e perigosa, passando por perigos que vão desde pessoas mal intencionadas que além de serem verdadeiras bestas sem cérebro ainda querem praticar o mal gratuitamente, seja por meio de furtos, seja tentando intimidar e inúmeros outros perigos dessa arriscada prática e tudo isso para cultivar frutos apenas depois de vários anos nessa mesma rotina? Você suportaria? Um homem considerado idoso por muitos mas com disposição para comercializar com um monte de jovens preguiçosos por aí que sequer levantam pra desligar a luz quando vão dormir. Prefiro conversar com pessoas humildes, sem esses academicistas donos da verdade e com jargões técnicos, gosto de conversar com pessoas que me contam histórias reais, esse senhor me contou de todas as vezes que ele se arriscou correndo na madrugada, passando por situações muito perigosas que fariam qualquer um desistir no primeiro dia mas que manteve-se firmemente no processo e isso sem ter instrução acadêmica, sem ter consultoria com coach, sem ler livros de autoajuda e desenvolvimento, nada disso, tudo é apenas a prática, o tiro no escuro. Enquanto você se acha superior e dotado do conhecimento universal, tem alguém que sequer sabe do que debatemos por aí na internet e até em rodinhas universitárias mas que realiza verdadeiros milagres apenas fazendo, executando. Meus caros, a melhor motivação se chama ter raiva da mediocridade, o resto é perda de tempo. 

 
 

Responda-o
#10
Sem execução, sem ganho. Me acostumei a pensar demais e fazer de menos
Responda-o
#11
ótimo comnetário Karl
"Compreendi o tormento cruciante do sobrevivente da guerra, a sensação de traição e covardia experimentada por aqueles que ainda se agarram à vida quando seus camaradas já dela se soltaram."  (Xeones para o rei Xerxes)

Responda-o


Pular fórum:


Usuários visualizando este tópico: 1 Visitante(s)