Enquete: Homem Honrado de Julho
Esta enquete está fechada.
Jim Lovell
40.00%
4 40.00%
Colombo
10.00%
1 10.00%
Roald Amundsen
10.00%
1 10.00%
Wright Brothers
0%
0 0%
Santos Dumont
40.00%
4 40.00%
Total 10 voto(s) 100%
* Você votou neste item. [Exibir Resultados]

Avaliação do Tópico:
  • 0 Voto(s) - 0 em Média
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Homem Honrado do Mês de Julho - 2019
#1
Homem Honrado do Mês de Julho - 2019


Vamos à votação mensal para os Homens Honrados de 2019. A cada mês, até novembro será eleito um HH, que no final concorrerá com os demais para o título de HH de 2019, na votação a ser realizada em dezembro/19. Qualquer usuário com patente de soldado ou superior poderá organizar os tópicos, com liberdade para escolher os candidatos, abrir o tópico a indicações de candidatos, ou criar temas para as votações caso seja de seu interesse. Caso dois ou mais usuários manifestem interesse em criar um tópico, os usuários com maior reputação e patente terão prioridade.


Vencedor de 2018 foram os Pracinhas da FEB. Vejam o tópico criado pelo Fernando_R1 para mais detalhes de sua história.

O Vencedor de Junho de 2019 foi Nessahan Alita.


Neste mês de Julho de 2019 comemora-se os 50 anos de um dos maiores feitos da Humanidade, a chegada do Homem à Lua em 20 de Julho de 1969. Portanto neste mês teremos o tema "grandes exploradores, desbravadores e homens da ciência, que arriscaram suas vidas em prol do bem maior da civilização".


Minha indicação pessoal para HH deste mês é:


James Arthur Lovell Jr ou simplesmente Jim Lovell




[Image: Lovell-800x450.jpg]



Jim Lovell nasceu em Março de 1928 em Cleveland, Ohio, filho único de Blanche e James Lovell. O pai faleceu quando ele ainda tinha 5 anos de idade, num acidente de carro e sua mãe o criou em Milwaukee, Wisconsin, fazendo muitos sacrifícios. Em sua juventude ele conseguiu se tornar um Eagle Scout, que é o nível mais alto da organização dos Boy Scouts, ou escoteiros mirins. Curiosamente a grande maioria dos astronautas da era de ouro da corrida espacial também se tornaram Eagle Scouts quando crianças. Parece que ensinar meninos a se virar no mato e trabalhar em equipe forma bons cidadãos, que diria.


Quando ainda era garoto, Jim se interessava em construir modelos de avião e se interessava por foguetes. Quando completou o colegial, não tendo dinheiro para ingressar na universidade, ele optou por usar o programa "Flying Midshipman" da marinha americana, onde você recebia educação superior em troca de se alistar e receber treinamento. Com isso conseguiu cursar engenharia na University of Wisconsin de 1946 à 1948 de onde foi aplicando e finalmente selecionado para a Academia Naval dos Estados Unidos. Lá, na Naval Academy ele terminou seu bacharelado em ciências, como engenheiro.


Na escola de aviação da marinha, onde ficou por 14 meses, ele se formou entre os 50 melhores cadetes de um grupo de 783 graduados. Em seguida foi enviado para uma base da marinha perto de San Francisco, na California, onde fez parte de um grupo chamado Composite Squadron Three, que era um grupo de aviadores que faziam voo noturnos e pousavam em porta-aviões em todas as condições climáticas. No final de 1957, Jim já tinha a patente de capitão.


No começo de 1958 ele entrou em um curso de treinamento de seis meses para ser piloto de testes na U.S. Naval Test Pilot School (escola de pilotos de testes) na famosa Naval Air Station Patuxent River (ou simplesmente Pax River como gostavam de chamar). Lá foi onde se encontrou pela primeira vez com Pete Conrad e Wally Schirra que mais tarde seriam seus colegas na NASA. Em Pax River ele se tornou instrutor e ajudou no desenvolvimento do F4H Phantom Fighter.


Nos meses entre 1958 e 1959, ele, Pete Conrad e Wally Schirra se inscreveram para compor o primeiro quadro de astronautas da NASA, que depois ficou conhecido como Mercury Seven. Infelizmente por causa de uma infecção no fígado Jim Não foi selecionado, Pete Conrad, que andou na Lua na Apollo 12, também não foi selecionado, simplesmente porque não quis passar por uma segunda rodada de exames médicos invasivos (provavelmente não quis sondas entrando na bunda dele uma segunda vez).


[Image: pap0011c.jpg]

Jim Lovell em 1964

Mas desistir não era e nunca esteve no dicionário de Jim Lovell, que se curou do problema no fígado, e continuou aplicando até ser selecionado para o segundo grupo de astronautas da história da NASA. O NASA Astronaut Group 2 também chamado New Nine ou Next Nine (os novos nove ou próximos nove). Para muitos historiadores em história do voo espacial, o New Nine foi o melhor grupo de astronautas já escolhido pela NASA. Nele estavam:

Jim Lovell (o nosso protagonista do texto)

Neil Armstrong (o primeiro homem a pisar na Lua comandando a Apollo 11, foi ao espaço na Gemini 8, aviador naval veterano da guerra da Coreia com 78 missões no currículo, piloto de testes que voou com o X-15, engenheiro aeronautico, etc)

Frank Borman (comandante da apollo 8, o primeiro voo tripulado até a Lua, foi ao espaço na Germini 7, piloto de combate, formado em engenharia aeronáutica depois professor assistente de termodinâmica e mecânica de fluídos na CalTech, piloto de testes, etc)

Pete Conrad (terceiro homem a pisar na Lua comandando a Apollo 12, foi ao espaço na Gemini 5 e Gemini 11, engenheiro aeronáutico formado em Princeton, piloto de testes da marinha, provavelmente o maior gozador que já pisou dentro da NASA, etc)

James McDivitt (comandante da Apollo 9, foi ao espaço na Gemini 4, piloto da força aérea com 145 missões na Guerra da Coreia, piloto de testes, engenheiro aeronáutico, etc)

Elliot See (aviador naval, piloto de testes, engenheiro aeronáutico e marinho. Foi selecionado para comandar a Gemini 9, mas morreu em um acidente com um caça T-38 antes da missão)

Tom Stafford (comandante da Apollo 10 e do Apollo-Soyuz, a primeira missão conjunta entre americanos e soviéticos, foi também ao espaço nas missões Gemini 6A e Gemini 9A, piloto de testes da força aérea, etc)

Ed White (foi ao espaço na Gemini 4 e se tornou o primeiro americano a fazer uma "caminhada" no espaço, piloto de combate da força aérea e piloto de testes, engenheiro aeronáutico, morreu no incêndio da Apollo 1 junto de Gus Grisson e Roger Chaffee)

John Young (foi para a Lua duas vezes, a primeira na Apollo 10 e a segunda comandando a Apollo 16 no qual andou na Lua, foi também ao espaço na Gemini 3 e Gemini 10, comandou o primeiro voo do Space Shuttle, o STS-1 à bordo do Columbia e voltou ao espaço na STS-9, primeira pessoa a fazer parte de 6 missões espaciais, piloto de combate e testes da marinha, bateu vários recordes de velocidade e manobras enquanto esteve voando na marinha)


Um resumo bem mal feito da minha parte, afinal são 8 caras diferentes, além do Jim Lovell, cada um com uma história de vida muito rica em feitos e conquistas. Mas provavelmente os historiadores tem razão em dizer que esse foi o all star group de astronautas durante a corrida espacial. Esta é a foto oficial dos caras:

Em pé, da esquerda pra direita: Elliot See, James McDivitt, Jim Lovell, Ed White e Tom Stafford
Ajoelhados da esquerda pra direita: Charles `Pete` Conrad, Frank Borman, Neil Armstrong e John Young

[Image: Astronaut_Group_2_-_S62-6759.jpg]



Voltando à história do Jim.


Em Dezembro de 1965 veio o primeiro voo espacial na Gemini 7 junto com Frank Borman. Dos vários objetivos dessa missão, os principais foram fazer uma aproximação com Tom Stafford e Wally Schirra na Gemini 6A, e quebrar o recorde de duração de órbita para sanar as dúvidas de que o corpo humano aguentaria tanto tempo no espaço. Lovell e Borman ficaram sentados dentro da apertada Gemini por 330 horas, ou quase duas semanas inteiras. Abaixo a Gemini 7 fotografada a partir da Gemini 6A.

[Image: Gemini_6_7.jpg]


Em Novembro de 1966, Lovell e Buzz Aldrin (que viria a se tornar o segundo homem a pisar na Lua, na Apollo 11) fizeram a missão final da Gemini, a de número 12. O maior dos objetivos dessa missão de 4 dias foi realizar manobras de acoplamento com o módulo de acoplagem Agena e realizar atividades extra-veículares, ou seja, caminhada no espaço, que foi feita pelo Buzz Aldrin.


Com os sucessos e aprendizados da Gemini, o projeto Apollo ia de vento em popa e Lovell foi escolhido para formar uma tripulação com o Frank Borman e Bill Anders, para compor a primeira viagem do Homem até a Lua na Apollo 8. Nesta missão de 6 dias, Lovell serviu como piloto do módulo de comando e navegador, enquanto Borman serviu como comandante. Esta também foi a primeira vez que uma nave Apollo foi levada para o espaço pelo foguete Saturn V. Eles completaram 10 órbitas lunares, testaram muitos componentes, mapearam a superfície da Lua para futuras missões e voltaram para casa. Abaixo um bom vídeo sobre essa missão histórica (uma pena a definição baixa do vídeo).






Como era muito respeitado entre seus colegas e superiores, e é claro, muito capaz, já veterano, ganhou o comando da Apollo 13, que seria a terceira missão lunar, para alunissar nas montanhas de Fra Mauro. Esta seria a primeira missão Apollo totalmente dedicada à ciência. Pois o intuito da Apollo 11 foi fazer a coisa pela primeira vez "do jeito que desse", a Apollo 12, foi conseguir pousar no ponto exato planejado e recuperar parte da sonda Surveyor (tiveram êxito em ambos objetivos) além de testar componentes/experimentos para as missões posteriores.


Portanto a Apollo 13 seria a primeira missão com objetivos totalmente científicos, já que o know how de como pousar na Lua e voltar em segurança estava definido.


[Image: 4-14-Lovell-and-Haise.jpg]

Jim Lovell e Fred Haise estudando geologia no deserto texano em 1970, aprendizado que usariam na superfície da Lua durante a missão da Apollo 13

A primeira tripulação era composta por Lovell, o comandante, Ken Mattingly seria o piloto do módulo de comando e Fred Haise, seria o piloto do módulo lunar. Lovell e Haise pisariam na Lua. Mas infelizmente ou felizmente (pra eles todos, como vão ler abaixo), Ken Mattingly foi diagnosticado como possível infectado por sarampo, contraído de um dos seus filhos. Então o piloto do módulo de comando da tripulação "titular" passou a ser Jack Swigert. Mattingly iria para a Lua mais tarde na Apollo 16.


A história da Apollo 13, provavelmente alguns aqui devem saber, pois já devem ter visto o filme Apollo 13 de 1995 com o Tom Hanks. Este filme ficou bem perto da realidade do que aconteceu. O diretor Ron Howard é um cara que sempre gosta de se ater aos detalhes históricos dos seus filmes. Vide o que ele fez no Rush, contando a história da rivalidade do Niki Lauda e James Hunt na Formula 1.


A Apollo 13 sofreu uma explosão em um dos tanques de oxigênio e por muito pouco não teve falha catastrófica. O treinamento e sangue frio dos três caras à bordo e o mesmo do pessoal no controle em Houston foi o que os trouxe de volta. O exemplo da Apollo 13 serve para nós realistas. Quando a água bate na bunda, o negócio não é entrar em desespero, é respirar fundo e tentar achar uma solução, como esses astronautas fizeram. E foi uma tremenda sorte ter o Swigert à bordo, afinal foi ele que escreveu o livro de parâmetros de emergência nos sistemas do módulo de comando, isso ajudou pra cacete.






Em 2018 tive o imenso prazer de assistir uma palestra do Jim Lovell, contando com Frank Borman e Bill Anders, os colegas da Apollo 8. Hoje em dia já estão bem velhos, mas continuam dando suas 2, 3 palestras por ano (pelo menos até ano passado). Uma grande pena que nenhum dos três tenham feito uma sessão de fotos após o evento naquela oportunidade. Mas sou grato por ter ouvido pessoalmente um homem que vai estar nos livros de história daqui 500 anos.


No momento que escrevo isso, este grande homem está com 91 anos de idade.


Jim Lovell não é apenas um homem com uma carreira e história invejável, ele também criou uma bela família com quatro filhos e provavelmente muitos netos e talvez bisnetos. Casou com sua esposa Marilyn em 1952 e estão juntos até hoje, um casamento de 67 anos.



[Image: quote-there-are-people-who-make-things-h...-52-80.jpg]

"Existem pessoas que fazem as coisas acontecer, tem pessoas que observam as coisas acontecer e tem pessoas que imaginam o que aconteceu.
Para ter sucesso, você precisa ser a pessoa que faz as coisas acontecerem."

Para nós realistas ele é um belo exemplo: esse homem nunca conseguiu realizar o sonho dele que era por os pés na Lua, e ele foi pra lá duas vezes. Mesmo assim nunca baixou a cabeça, é grato por ter sobrevivido e ter tido uma vida longa e produtiva. E o sucesso dele veio através de trabalho duro, não nasceu em berço de ouro, nasceu durante a Depressão. Ele é um grande espelho pra mim, por isso que uso a foto oficial dele da Apollo como meu avatar.


Outro que poderia muito bem ser inserido nessa votação é o Neil Armstrong, outro homem brilhante. Como citado lá acima neste mês completamos 50 anos da missão histórica da Apollo 11.


Todos esses homens são brilhantes, e servem de exemplo pra todos nós aqui. 


P.S. Peço ao @Libertador  que edite o que estiver errado e/ou faltado no cabeçalho do tópico e que adicione a votação mais tarde quando os confrades indicarem outros homens inspiracionais. (e que apague esse P.S. depois)
Responda-o
#2
Aviso ao leitor :É o seguinte não vou usar padrão abnt para escrever no Fórum, com espaçamento, caixa alta,justificação, paragrafo e o caraio a quatro, letrinha colorida; a retórica aqui não é visual trata-se da apresentação da verdade e nada mais e outra não quero que fiquem rolando a barrinha 3 dias para baixo para lerem um 100 metros de textos, não se impressionem com diagramações simétricas.

No Jubileu dos 50 anos da ida a Lua o máximo que o @Mr. Rover terá será uma medalhinha da NASA comemorativa, nem uma missão os mentirosos planejaram para data especial.

Em que pese os feitos dos atornautas,  a história de oficiais e pilotos de teste de humildes homens do povo que antecederam a falsa viagem são dignas de aplauso   trollface porém o feito desmorona ao sustentarem a farsa conspiratória do embuste anticristão heliocentrista.


Agora se é para falar sobre lendas e lendários vamos trocar chumbo então.


[Image: meme_galvao1.jpg]


Oia  a foto da Lua da Nasa perante os mineiros...

[Image: paodelua.jpg]


Admin vou indicar 3 lendários no nível de qualidade do MR. Rover o primeiro deles é:

[Image: papai_noel__19122016085516.jpg]

O segundo para dizer que os brasileiros não tem complexo de vira-lata...

[Image: size_960_16_9_pon2.jpg]

E por fim creio que será considerado só um, aponto esse cara aqui, um dos  grandes denunciadores das perversidades das elites e senhores do mundo...Alex Jones o homem com os pés no chão.


[Image: alex%20jones.jpg?itok=v5ITD8_e]
A guerra política também é  espiritual orando para YHWH castigar o Congresso, STF e a isentosfera.
Responda-o
#3
vou indicar um dos primeiros desbravadores da cerveja de péssima qualidade do continente gelado, a Antártida:

Roald Amundsen

[Image: cc5151d5_ba2d_4bfb_8873_2970c884fcc0_659...482932.jpg]

da uiquipedia:

Roald Engelbregt Gravning Amundsen (Borge16 de julho de 1872 — Ártico, perto da Ilha do Urso18 de junho de 1928) foi um exploradornorueguês das regiões polares,[1] que liderou a primeira expedição a atingir o Polo Sul em 14 de dezembro de 1911 utilizando trenós puxados por cães.
Amundsen nasceu em uma família de proprietários de navio e capitães. Inspirado na leitura das aventuras do explorador inglês John Franklin, que provou a existência da passagem Noroeste, ele se decidiu por uma vida de exploração ao desconhecido.[2] Com 16 anos Amundsen estudava as regiões polares, tendo como referência a travessia da Groenlândia por Fridtjof Nansen.[3] Embora tivesse frequentado o curso deMedicina, Amundsen decidiu seguir uma vida ligada ao mar e à exploração. Em 1897, com 25 anos, fez parte da tripulação do Belgica, como primeiro oficial, na Expedição Antártica Belga, de Adrien de Gerlache. Anos mais tarde, em 1903, parte para uma expedição que iria atravessar apassagem Noroeste, que liga os oceanos Atlântico ao Pacífico, na região norte do Canadá, a bordo do Gjøa.

Depois de atingir o Polo Sul, em 1911, Amundsen desejava alcançar novas conquistas. De regresso dos Estados Unidos, onde esteve em digressão de conferências, interessou-se pelo mundo da aviação e, em 1914, obteve o seu certificado de voo, o primeiro atribuído a um civil na Noruega. Em 1918, parte para o Ártico, no veleiro Maud mas, depois de dois anos à deriva, não conseguiu chegar ao Polo Norte. Em 1925, organizou a primeira expedição aérea ao Ártico, chegando à latitude de 87º 44' N. Um ano depois, foi o primeiro explorador a sobrevoar o Polo Norte no dirigível Norge, e a primeira pessoa a chegar a ambos os Polos Norte e Sul.[2]

Em junho 1928, Roald Amundsen embarcou num hidroavião, em Tromso, perto do cabo Norte, para efectuar as buscas do dirigível Itália que levava o aviador Umberto Nobile a bordo; foi a última vez que se teve notícias de Amundsen.
Índice
Juventude[editar | editar código-fonte]
Nascido no município de Borge, localizado entre as cidades de Fredrikstad e Sarpsborg, próximo da capital da Noruega, Cristiania (atual Oslo), foi o quarto filho do capitão da Marinha e proprietário de navio, Jens Amundsen.[4] Sua mãe, Gustava Sahlquist, tentou mantê-lo longe do mar e queria que o filho seguisse a carreira de médico.[5] Quando do retorno triunfal do Fridtjof Nansen, que atravessou no ano de 1889 a Groenlândia em esquis, Amundsen, então com 18 anos, decidiu tornar-se um explorador polar. Em 1890, entretanto, ele começou a estudar medicina atendendo o desejo materno. Após a morte da mãe em 1893, perdeu os exames escolares e abandonou a Universidade.[2][6] Com a idade de 21 anos embarcou em um navio caça focas, continuando a sua aprendizagem como marinheiro.[7]
Viajou aos Estados Unidos em busca de patrocínio para os seus projetos. O milionário e explorador norte-americano Lincoln Ellsworth tornou-se um de seus principais financiadores.[8] O passo seguinte foi adquirir conhecimento em navegação; retornou a Cristiania, cursando a Christiania Sjømandsskole (Escola Náutica) aonde obteve a sua licença náutica em 1 de maio de 1895.[9]
Expedições polares[editar | editar código-fonte]
Expedição Antártica Belga[editar | editar código-fonte]


Adrien de Gerlache era o comandante do navio Belgica, utilizado na Expedição Antártica Belga (1897-1899), no qual Roald Amundsen embarcou como primeiro oficial. A expedição partiu do porto de Antuérpia em agosto de 1897 e tinha como objetivo a investigação científica da costa da Antártida. O grupo foi o primeiro a passar um inverno no círculo polar antártico, ficando isolado por 13 meses. Os cientistas vindos de diversos países visitaram, coletaram material de pesquisa e fizeram medições na região conhecida como estreito de GerlacheEmile Dancocientista belga responsável por observações geofísicas, faleceu devido às rigorosas condições vividas pelos cientistas e tripulantes.[10]
Também estava a bordo o médico americano Frederick Cook, que posteriormente reclamou a honra de ter sido o primeiro homem a alcançar o Polo Norte. Cook provavelmente salvou a tripulação do escorbuto, fazendo-os comer carne fresca de pinguins e focas, uma importante lição para as futuras expedições de Amundsen.[3]

Passagem Noroeste[editar | editar código-fonte]


Em 16 de junho de 1903 Amundsen parte de Cristiania ao comando da primeira expedição a atravessar a passagem Noroeste entre o Atlântico e oceano Pacífico, com seis outros tripulantes no veleiro Gjøa. Eles passaram pelo sul da Groelândia, indo em direção à baía de Baffin e estreitos de LancasterPeelJames Ross e Rae. Passaram dois invernos explorando por terra e gelo o local hoje chamado de Gjoa Haven, que fica no território NunavutCanadá. Foram também cartografadas as inúmeras ilhas da região. Em 1904, Amundsen e sua pequena equipe seguiu para o Polo norte magnético, que havia se mudado 30 milhas desde que fora localizado por James Clark Rossem 1831. Esta foi a primeira vez que alguém registrou o movimento dos polos magnéticos.[2] Durante este tempo, Amundsen estudou o povo local Netsilika fim de aprender técnicas de sobrevivência no Ártico e logo adotou suas vestimentas. Deles também aprendeu a usar cães de trenó. Continuando para o sul da ilha Victoria, o navio afastou-se do arquipélago Ártico Canadiano em 17 de agosto de 1905, mas teve que parar no decurso do inverno antes de ir para Nome na costa do Pacífico do Alasca, 800 km distante de Eagle, aonde havia uma estação de telégrafo. Amundsen fez a viagem de ida e volta por terra, tendo alcançado o posto de telégrafo de onde enviou uma mensagem de seu sucesso em 5 de dezembro de 1905. A expedição chegou a Nome em 1906.[11] A Passagem Noroeste nunca foi utilizada por navios de maior porte devido à pouca profundidade da água, que em grande parte do percurso não ultrapassa um metro.[12]

O Polo Sul[editar | editar código-fonte]
undefinedVer artigos principais: Expedição de Amundsen ao Polo Sul e Idade Heroica da Exploração da Antártida
undefined


Depois da passagem Noroeste, Amundsen fez planos para atingir o Polo Norte. Com a notícia em 1909 que primeiro Frederick Cook e depois Robert Peary terem chegado ao polo, ele mudou seus planos. A bordo do lendário navio de Fridtjof Nansen, o Fram, partiu da Escandinávia em direção àAntártida em 1910.[3]
Seu grupo invernou na plataforma de gelo Ross, no local conhecido como a baía das Baleias. Utilizaram o tempo para planejar a jornada e estabelecer depósitos com alimentos, aguardando a partida prevista para a primavera. Estava 600 km distante da expedição rival britânica liderada por Robert Falcon Scott que estabelecera-se na Ilha de Ross.[13] Scott seguia uma rota descoberta por Ernest Shackleton, através da geleira Beardmore em direção ao planalto Antártico. Amundsen teve que procurar seu próprio caminho através dos montes Transantárticos.[14]
undefined

Amundsen iniciou seu ataque ao polo em 20 de outubro de 1911, e juntamente com [url=https://pt.wikipedia.org/wiki/Olav_Bjaaland]Olav Bjaaland
Helmer Hanssen,Sverre Hassel e Oscar Wisting, atingiu o polo em 14 de dezembro de 1911.[1] O ponto mais ao sul do planeta foi alcançado em uma tarde ensolarada com temperatura ambiente de -23 °C e ventos leves vindos do sudoeste. A bandeira de seda vermelha e azul da Noruega foi fincada em uma planície branca. Após 35 dias, Scott teve a infelicidade de encontrar uma tenda deixada por Amundsen, com uma carta relatando a chegada. A extensa experiência de Amundsen, a preparação, e o uso dos melhores cães de trenó disponíveis fizeram a diferença no final. Em contraste aos infortúnios da expedição de Scott, Amundsen teve uma viagem com menos dificuldades, retornando ao acampamento base no dia 25 de janeiro de 1912 após percorrer durante três meses 3 000 km.[15]
Como nenhuma das expedições levou o volumoso equipamento de telégrafo sem fio, que seria a única forma de comunicação direta com o polo, o sucesso de Amundsen só foi anunciado ao público em 7 de março de 1912. Amundsen narrou em detalhe sua jornada no livro The South Pole; an account of the Norwegian Antarctic expedition in the Fram, 1910-12.[16][17]
Últimas expedições[editar | editar código-fonte]

Durante a Primeira Guerra Mundial, Amundsen ganhou uma grande quantidade de dinheiro com o suprimento de navios, o que deu a ele a possibilidade de construir uma nova embarcação.[17] Em 1918 ele iniciou uma expedição com o navio que recebeu o nome de Maud, para explorar a passagem Nordeste. Também chamada de rota marítima do norte, é uma via marítima que permite ligar o oceano Atlântico ao oceano Pacífico ao longo da costa norte da Sibéria. Não atingiu os seus propósitos e a expedição foi considerada um fracasso por não realizar a travessia. O lado científico compensou em parte a frustração. A expedição estava bem equipada para realizar medições do magnetismo da terra, experimentos meteorológicos e oceanográficos. As observações geofísicas conduzidas pelo meteorologista e oceanógrafo Harald Sverdrup foram consideradas o mais importante projeto de investigação realizado no Ártico até aquela data.[18]
Em 1925, com o financiador e também participante da expedição Lincoln Ellsworth e mais quatro outros tripulantes, Roald Amundsen voou até à latitude 87° 44' norte. Este foi o local mais ao norte atingido por um avião até então. Na expedição foram utilizados dois hidroaviões modelo Dornier Do J, fabricados pela empresa italiana S.A.I. di Construzioni Mecchaniche i Marina di Pisa. A Ilha do Rei George foi usada como ponto de partida, estando a 1 200 km do Polo Norte. O Fram foi um dos barcos de apoio.[8][19]

No ano seguinte Amundsen, Lincoln Ellsworth e o engenheiro italiano Umberto Nobile fizeram a travessia do Ártico no dirigível Norge projetado por Nobile. Eles partiram de Spitzbergen, a maior das ilhas do arquipélago Ártico das Svalbard, em 11 de maio de 1926. Depois de 16 horas de voo, foram lançadas as bandeira dos Estados UnidosNoruega e Itália sobre o Polo Norte. O Norge pousou em Teller no Alasca. A expedição percorreu 5 456 km durante 72 horas de voo.[18] O Polo Norte foi sobrevoado pela primeira vez alguns dias antes, em 9 de maio, pelo aviador e oceanógrafo norte-americano Richard Evelyn Byrd, que utilizou um avião Fokker F.VII.[2][20]


Roald Amundsen morreu em 18 de junho de 1928 em um acidente com o seu hidroavião Latham 47, no oceano Ártico.[21][22] O voo tinha o objetivo de resgatar o explorador e aviador italiano Umberto Nobile, cujo dirigível Italia caiu a nordeste do arquipélago Svalbard ao retornar do Polo Norte.[1] Cinco países enviaram navios e aviões para os trabalhos de resgate dos sobreviventes do dirigível, que aguardavam socorro em uma massa de gelo flutuante. Os tripulantes sobreviventes foram resgatados pelo navio quebra-gelo russo Krassin em 12 de julho, dezenove dias após a retirada de Umberto Nobile do local por um avião da Suécia.[19] A busca por Amundsen e pelos seis desaparecidos do Italia continuou por todo o verão de 1928, e dela participou Louise Boyd, exploradora e aviadora norte-americana. O hidroavião de Amundsen nunca foi encontrado. O corpo de Roald Amundsen permanece no Ártico.[23] A Marinha Real da Noruega organizou expedições nos anos de 2004 e 2009 com o objetivo de localizar os restos do hidroavião.[24]

Existe controvérsia quanto à conquista do Polo Norte por Frederick Cook e depois Robert Peary. Pesquisas e estudos recentes apontam Roald Amundsen e o seu companheiro de explorações Oscar Wisting, como os primeiros a alcançar os dois polos da terra.[25]
Reconhecimento[editar | editar código-fonte]

Roald Amundsen é reconhecido e lembrado por seus feitos, sendo destaque:
  • Citação:Sem a visão de um objetivo um homem não pode gerir a sua própria vida, e muito menos a vida dos outros.
Leia: Nuvem de Giz
Responda-o
#4
Quando se fala em exploradores já lembro logo dos navegadores europeus, então vou indicar Cristóvão Colombo.


[Image: colombo.jpghttp:]

Cristóvão de Colombo (Génova, entre 22 de agosto e 31 de outubro de 1451 — Valladolid, 20 de Maio de 1506) foi um navegador e explorador italiano,responsável por liderar a frota que alcançou o continente americano em 12 de Outubro de 1492, sob as ordens dos Reis Católicos de Espanha, no chamado descobrimento da América. Empreendeu a sua viagem através do Oceano Atlântico com o objectivo de atingir a Índia, tendo na realidade descoberto as ilhas das Caraíbas (Antilhas) e, mais tarde, a costa do Golfo do México na América Central.


Vou fazer mais duas indicações que não sei se encaixam exatamente na temática, cabe ao @Mr. Rover decidir. Trata-se dos pioneiros da aviação. Há divergências sobre quem foi o primeiro  a fazer voar uma máquina mais pesada que o ar, se Santos Dumont ou os irmãos Wright. Sendo assim, vou indicar o trio. O @Mr. Rover decide se vai pôr sob escrutínio todos os indicados, só um deles ou nenhum.

Santos Dumont

Alberto Santos Dumont (Palmira, atual Santos Dumont, 20 de julho de 1873 — Guarujá, 23 de julho de 1932) foi um aeronauta, esportista e inventor brasileiro.

Santos Dumont projetou, construiu e voou os primeiros balões dirigíveis com motor a gasolina. Esse mérito lhe é garantido internacionalmente pela conquista do Prêmio Deutsch em 1901, quando em um voo contornou a Torre Eiffel com o seu dirigível Nº 6, transformando-se em uma das pessoas mais famosas do mundo durante o século XX. Com a vitória no Prêmio Deutsch, ele também foi, portanto, o primeiro a cumprir um circuito pré-estabelecido sob testemunho oficial de especialistas, jornalistas e populares.

[Image: santos-dumont.jpghttp:]        [Image: voo-2.jpghttp:]

Santos Dumont também foi o primeiro a decolar a bordo de um avião impulsionado por um motor a gasolina. Em 23 de outubro de 1906 voou cerca de sessenta metros a uma altura de dois a três metros com o Oiseau de Proie' (francês para "ave de rapina"), no Campo de Bagatelle, em Paris. Menos de um mês depois, em 12 de novembro, diante de uma multidão de testemunhas, percorreu 220 metros a uma altura de 6 metros com o Oiseau de Proie III. Esses voos foram os primeiros homologados pelo Aeroclube da França de um aparelho mais pesado que o ar e possivelmente a primeira demonstração pública de um veículo levantando voo por seus próprios meios, sem a necessidade de uma rampa para lançamento.

Apesar de os brasileiros considerarem Santos Dumont como o responsável pelo primeiro voo num avião, na maior parte do mundo o crédito à invenção do avião é dado aos irmãos Wright.

Irmãos Wright

Os Irmãos Wright, Wilbur (Millville, 16 de abril de 1867;  Dayton, 30 de maio de 1912) e Orville (Dayton, 19 de agosto de 1871;  Dayton, 30 de janeiro de 1948), foram dois irmãos norte americanos, inventores e pioneiros da aviação aos quais foi concedido o crédito pelo desenvolvimento da primeira máquina voadora mais pesada que o ar, que efetuou um voo controlado, em 17 de Dezembro de 1903.

[Image: irm-os.jpghttp:]                          [Image: voo-1.jpghttp:]
Se você não estiver disposto a ser forte e não for interiormente corajoso, é melhor desistir de ser macho e virar uma borboleta... [Nessahan Alita]
Responda-o
#5
@Jagunço 


Os irmãos Wright e o Santos Dumont se encaixam nessa lista. Eles eram inventores/engenheiros (ou seja homens da ciência), que arriscaram os pescoços testando seus inventos e mudaram o mundo com sua criação.


Os homens indicados não precisam ser exatamente as três coisas "exploradores, desbravadores e homens da ciência", podem ser uma dessas coisas, contanto que tenham contribuído para o desenvolvimento do saber da nossa civilização ou tenha feito algo que beneficiou muita gente ou evitou merdas que poderiam ter acabado com a civilização. Existem vários nomes que se encaixam nisso, por exemplo:


Neil Armstrong e todos os astronautas da NASA dos anos 60, e incluindo os soviéticos também, como o Yuri Gagarin, Alexei Leonov, etc

Irmãos Wright e o Santos Dumont que você indicou, além do Colombo.

James Cook que navegou às cegas e mapeou praticamente todo o Pacífico Sul.

Ernest Shackleton que assim como o Amundsen citado pelo @Temujin  foi um explorador polar.

Leif Ericsson, o viking que colocou os pés na América 500 anos antes do Colombo.

Vasco da Gama que foi o primeiro a descobrir uma rota entre a Europa e Índia circunavegando a África e atravessando o temido Cabo da Boa Esperança.

Fernão de Magalhães que foi o primeiro à cruzar o oceano Pacífico e mapear a região como o James Cook.

Charles Lindbergh que foi o primeiro a cruzar o Atlântico norte de avião num voo sem escalas.

Valery Legasov, o físico nuclear que botou o dele na reta se expondo à radiação e à maquina soviética pra deixar o mundo à par do que aconteceu em Chernobyl.


Tem vários exemplos. Se alguém souber com profundidade sobre qualquer um desses homens e quiser desenvolver um texto sobre, indicando-o pra votação, fiquem à vontade.


Por enquanto temos Jim Lovell, Colombo, Roald Amundsen, Wright brothers e Santos Dumont na lista. Não sei qual o prazo pra fechar, o @Libertador decide.
Responda-o
#6
(16-07-2019, 09:08 PM)Mr. Rover Escreveu: Por enquanto temos Jim Lovell, Colombo, Roald Amundsen, Wright brothers e Santos Dumont na lista. Não sei qual o prazo pra fechar, o @Libertador decide.

Na verdade, a votação é sua e você pode escolher o dia exato para começar a votação. O ideal é que ela se encerre no dia 31/07. Então, se você considera 5 dias o suficiente para votarem, pode encerrar no dia 25 a 26/07 que já colocamos os nomes para votação. Se quiser mais tempo, a gente coloca os nomes na enquete antes. Por mim tanto faz. kkk
A maior necessidade do mundo é a de homens - homens que se não comprem nem se vendam; homens que no íntimo da alma sejam verdadeiros e honestos; homens que não temam chamar o pecado pelo seu nome exato; homens, cuja consciência seja tão fiel ao dever como a bússola o é ao pólo; homens que permaneçam firmes pelo que é reto, ainda que caiam os céus.
Responda-o
#7
Falhei em não pesquisar a vida completa de Santos Dumont. Considerando a morte desonrosa de Santos Dumont, que cometeu suicídio, retiro a indicação, a critério do Mr. Rover.
Se você não estiver disposto a ser forte e não for interiormente corajoso, é melhor desistir de ser macho e virar uma borboleta... [Nessahan Alita]
Responda-o
#8
(24-07-2019, 09:48 AM)Jagunço Escreveu: Falhei em não pesquisar a vida completa de Santos Dumont. Considerando a morte desonrosa de Santos Dumont, que cometeu suicídio, retiro a indicação, a critério do Mr. Rover.

Pelo que sei, ele se suicidou pois viu sua invenção servindo pra matar outras pessoas em guerras não foi?
Responda-o
#9
Isso Dark, ele desenvolveu depressão quando aviões começaram a ser utilizados na 1ª Guerra Mundial.
Se você não estiver disposto a ser forte e não for interiormente corajoso, é melhor desistir de ser macho e virar uma borboleta... [Nessahan Alita]
Responda-o
#10
@Libertador 


Spoiler Revelar
Pode colocar então a partir de amanhã (26) se não puder colocar hoje à noite, até o dia 31. Coloque os nomes citados na lista.


@Jagunço 



Spoiler Revelar
Como ele morreu não é importante meu caro. Pelo que disseram, ele ficou depressivo por ver que o trabalho dele se transformou em maquinas de matar, como o @Dark_Painter01 ressaltou. Pelo que li também, ele sofria de esclerose múltipla. Isso causa muitos transtornos físicos e psicológicos na pessoa, portanto pode ter sido algo determinante no suicídio dele, ainda mais na época em que a medicina era precária. E não podemos esquecer que ele morreu com 59 anos. Já não era jovem.


Outra coisa que já andei lendo, são alguns esquerdistas dizendo que o Santos Dumont era gay. Pelo fato dele ter sido solteiro a vida toda e nunca ter sido visto na companhia de mulheres da sociedade. É relatado que ele possuía a foto de uma mulher entre os pertences dele, que teria sido a única mulher a voar em um de seus aviões.


Ele provavelmente foi um daqueles homens que conseguiram produzir o que produziram pelo fato de terem abdicado de mulher. O Tesla foi assim e também foi o caso do Isaac Newton. Mas isso não quer dizer que ele era viado. Ele era o que conhecemos hoje por MGTOW.  Big Grin
Responda-o
#11
Foi postado. Postei um pouco atrasado por excesso de coisas pra resolver e acabei me esquecendo do tópico. Por isso estendi o tempo limite da votação por mais alguns dias.
A maior necessidade do mundo é a de homens - homens que se não comprem nem se vendam; homens que no íntimo da alma sejam verdadeiros e honestos; homens que não temam chamar o pecado pelo seu nome exato; homens, cuja consciência seja tão fiel ao dever como a bússola o é ao pólo; homens que permaneçam firmes pelo que é reto, ainda que caiam os céus.
Responda-o
#12
Não conhecia muito bem o Jim Lovell, mas lendo um pouco mais a história dele, gostei bastante.

Como o próprio Rover falou, mesmo não conseguindo atingir seu objetivo principal, nunca baixou a cabeça e continuou seguindo em frente, e aposto que se dependesse apenas dele chegar a lua, ele conseguiria atingir este objetivo.

No mais, que sirva de exemplo para nós, prosseguir mesmo quando as coisas não saem do jeito que a gente quiser.

"se estiver passando pelo inferno, apenas continue."
Responda-o
#13
Santos Dumont, apesar do suicídio (que não me cabe julgar), teve bolas pra arriscar a vida voando em uma época em que não havia controle ou segurança alguma, além de ser Br e ter inventado coisas úteis como o relógio de pulso.

Lovell também se arriscou, mas foi um risco muito mais calculado e é gringo, além de não ter inventado nada.
Um homem com escolhas é um homem livre.
MEU BLOG - POST NOVO - Mudança de Nome
Responda-o
#14
(29-07-2019, 12:14 PM)Gorlami Escreveu: Santos Dumont, apesar do suicídio (que não me cabe julgar), teve bolas pra arriscar a vida voando em uma época em que não havia controle ou segurança alguma, além de ser Br e ter inventado coisas úteis como o relógio de pulso.

Lovell também se arriscou, mas foi um risco muito mais calculado e é gringo, além de não ter inventado nada.


O Santos Dumont tecnicamente também não inventou nada. Quando ele voou 200 e poucos metros com o 14-bis em 1906, os irmãos Wright já tinham voado com o primeiro avião mais pesado que o ar três anos antes e voaram mais de 30 km com outra versã, o Flyer III em 1905.


Apesar da contribuição e importância do Santos Dumont pra aviação, ele não é o primeiro. É que brasileiro precisa acreditar que ele foi o primeiro pra dar uma amenizada no nosso complexo de inferioridade. Mas fatos são fatos.
Responda-o
#15
Registrei meu voto!.
  • Citação:Sem a visão de um objetivo um homem não pode gerir a sua própria vida, e muito menos a vida dos outros.
Leia: Nuvem de Giz
Responda-o
#16
(29-07-2019, 11:10 PM)Mr. Rover Escreveu:
(29-07-2019, 12:14 PM)Gorlami Escreveu: Santos Dumont, apesar do suicídio (que não me cabe julgar), teve bolas pra arriscar a vida voando em uma época em que não havia controle ou segurança alguma, além de ser Br e ter inventado coisas úteis como o relógio de pulso.

Lovell também se arriscou, mas foi um risco muito mais calculado e é gringo, além de não ter inventado nada.


O Santos Dumont tecnicamente também não inventou nada. Quando ele voou 200 e poucos metros com o 14-bis em 1906, os irmãos Wright já tinham voado com o primeiro avião mais pesado que o ar três anos antes e voaram mais de 30 km com outra versã, o Flyer III em 1905.


Apesar da contribuição e importância do Santos Dumont pra aviação, ele não é o primeiro. É que brasileiro precisa acreditar que ele foi o primeiro pra dar uma amenizada no nosso complexo de inferioridade. Mas fatos são fatos.

Quando falei voar, não quis dizer especificamente em aviões.

"Em 1901 ganhou o prêmio “Deutsch” de 100 mil francos com o (diridível) nº6.  Tornou-se famoso no mundo pelo seu feito, ditando até mesmo a moda da época com seu chapéu panamá com as abas abaixadas. Chegou a viajar para os Estados Unidos onde conheceu o laboratório de Thomas Edison e foi recebido pelo presidente americano Theodore Roosevelt."

O simples fato de ser um intelectual, um inventor propriamente dito, já o torna melhor que qualquer ídolo brasileiro desse século.

E quando falei de riscos: "Ficava incomodado com a ideia de falta de controle no veículo e no mesmo ano construiu seu primeiro dirigível, o Santos Dumont nº 1 tinha a forma de um charuto. O primeiro voo não foi tão bem sucedido quanto o planejado, quase matou seu inventor. "
Um homem com escolhas é um homem livre.
MEU BLOG - POST NOVO - Mudança de Nome
Responda-o
#17
Devido ao Rover ter quitado do fórum, vou assumir o voto de desempate, que vai para Alberto Santos Dumont, que assim fica com 5 de 11 votos, o equivalente a 44,4%, e se juntará aos demais vencedores mensais na votação do fim do ano.
  • Citação:Sem a visão de um objetivo um homem não pode gerir a sua própria vida, e muito menos a vida dos outros.
Leia: Nuvem de Giz
Responda-o


Possíveis Tópicos Relacionados...
Tópico Autor Respostas Visualizações Última Postagem
  Homem Honrado do Mês de Outubro - 2019 Temujin 9 399 11-10-2019, 07:36 AM
Última Postagem: Barãozin
  Homem Honrado do Mês de Setembro - 2019 Temujin 3 225 01-10-2019, 04:05 PM
Última Postagem: Temujin
  Homem Honrado do mês de Agosto - 2019 Temujin 8 503 03-09-2019, 04:17 PM
Última Postagem: Temujin
  Homem Honrado do Mês de Junho - 2019 Libertador 10 652 15-07-2019, 10:20 AM
Última Postagem: Jagunço
  Homem Honrado do Mês de Abril - 2019 Temujin 18 633 09-07-2019, 05:51 PM
Última Postagem: Jagunço

Pular fórum:


Usuários visualizando este tópico: 1 Visitante(s)