Avaliação do Tópico:
  • 2 Voto(s) - 5 em Média
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
[RELATO] Um ano de América
Que se prevaleça o verso bíblico, quem quiser comer, que trabalhe.

Não tem sentido em dar dinheiro de impostos (em qualquer país, e no caso do Brasil, que é um país pobre, nem pensar) pra quem teve oportunidade de realizar sua IF e não foi precavido e não teve humildade de buscar orientação.

Somente tem obrigações positivas com o indivíduo, ele próprio e seus pais (e ainda assim até certa idade), de resto que se vire.
"Só os canalhas precisam de uma ideologia que os absolva e justifique." (Rodrigues, Nelsson)
Responda-o
(18-07-2019, 08:31 PM)Baralho Escreveu: Que se prevaleça o verso bíblico, quem quiser comer, que trabalhe.

Não tem sentido em dar dinheiro de impostos (em qualquer país, e no caso do Brasil, que é um país pobre, nem pensar) pra quem teve oportunidade de realizar sua IF e não foi precavido e não teve humildade de buscar orientação.

Somente tem obrigações positivas com o indivíduo, ele próprio e seus pais (e ainda assim até certa idade), de resto que se vire.



Concordo. E também acho que não deveria ser dado nem aposentadoria "simbólica" pra esses caras. Porque nesse caso estaria sendo aberta uma exceção e isso é injusto com todos os outros contribuintes que ficam anos sendo roubados pela previdência falha e piramidal do Brasil.


Isso sem contar que tem muita gente lá do passado que representou o Brasil em competições esportivas e o governo cagou e andou. Será que deram prêmio pra Maria Esther Bueno? Pro Chico Landi? E sei lá mais quem poderia ser posto nessa lista.
Responda-o
É por quê no Brasil, automobilismo ou tênis são esportes de elite, então por ''default'' seus praticantes seriam privilegiados da sociedade; e o futebol, um esporte das classes baixas, da ascensão social, daí não fica tão ''impopular'' premiar seus ex-jogadores (mesmo de seleção) com esse dinheiro.

Mas esquece-se, na mídia sobretudo, que é exatamente o atleta que chegou na seleção e além disso, disputou uma copa, que passou da condição de ''mais humilde'' para de fato um outro patamar social e financeiro.

Porém como a maioria é ''pino frouxo'', torra toda a grana com GP e cachaça e depois de novamente pobres, reaparecem em programas caça-níqueis de audiência, sobretudo na Record e Band.

O irônico é que no futebol, onde se encontram os casos mais notórios de desvio/sonegação de impostos (que beneficiariam exatamente os mais necessitados em seus países).

Qual boleiro, ajudado por seus empresários, nunca ''moveu'' nos contratos, a maior parte da bolada pra rubrica de ''direitos de imagem'' (onde incide menor tributação como IRPF, por ex.) ???

Como um general bem asseverou, há muito tempo, o Brasil não é (nunca foi) um país sério.
"Só os canalhas precisam de uma ideologia que os absolva e justifique." (Rodrigues, Nelsson)
Responda-o
(19-07-2019, 10:27 PM)Baralho Escreveu: Como um general bem asseverou, há muito tempo, o Brasil não é (nunca foi) um país sério.

Não é, não foi e nunca será. Essas semanas que estou passando aqui me mostram como tomei a decisão certa em querer sair.
Responda-o
Triste realidade.
"Compreendi o tormento cruciante do sobrevivente da guerra, a sensação de traição e covardia experimentada por aqueles que ainda se agarram à vida quando seus camaradas já dela se soltaram."  (Xeones para o rei Xerxes)

Responda-o
(19-07-2019, 10:27 PM)Baralho Escreveu: É por quê no Brasil, automobilismo ou tênis são esportes de elite, então por ''default'' seus praticantes seriam privilegiados da sociedade; e o futebol, um esporte das classes baixas, da ascensão social, daí não fica tão ''impopular'' premiar seus ex-jogadores (mesmo de seleção) com esse dinheiro.

Mas esquece-se, na mídia sobretudo, que é exatamente o atleta que chegou na seleção e além disso, disputou uma copa, que passou da condição de ''mais humilde'' para de fato um outro patamar social e financeiro.

Porém como a maioria é ''pino frouxo'', torra toda a grana com GP e cachaça e depois de novamente pobres, reaparecem em programas caça-níqueis de audiência, sobretudo na Record e Band.

O irônico é que no futebol, onde se encontram os casos mais notórios de desvio/sonegação de impostos (que beneficiariam exatamente os mais necessitados em seus países).

Qual boleiro, ajudado por seus empresários, nunca ''moveu'' nos contratos, a maior parte da bolada pra rubrica de ''direitos de imagem'' (onde incide menor tributação como IRPF, por ex.) ???

Como um general bem asseverou, há muito tempo, o Brasil não é (nunca foi) um país sério.

Meu camarada, infelizmente não temos material humano pra isso. Parece racista mas é realidade.
Mas eu vislumbro uma boa perspectiva econômica no Bostil sob a gangue do capitão,  isso falando pra GANHAR DINHEIRO.
Responda-o


Pular fórum:


Usuários visualizando este tópico: 1 Visitante(s)