Avaliação do Tópico:
  • 2 Voto(s) - 5 em Média
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
[RELATO] Um ano de América
#61
Grande Rover.

Lembro dos seus tópicos e algumas postagens do seu blog. Fico extremamente feliz pela sua conquista. É inspirador ver que conseguiu realizar seus objetivos mesmo com as adversidades, o que faz valer a pena cada segundo lendo e aprendendo cada vez mais.

Saudações.
強さと名誉と尊厳
Responda-o
#62
Up aqui
TUDO OQUE TE RESTA É O DESENVOLVIMENTO PESSOAL!


Responda-o
#63
Relato sensacional e extremamente motivador. Embora eu não tenha objetivos tao grandes quanto ao do Rover, gosto de usar esse relato para me motivar a continuar meu desenvolvimento pessoal, almejando sempre evoluir, um passo de cada vez, cada dia 1% melhor que o dia anterior. Obrigado Rover por compartilhar suas experiencias, e espero que ocasionalmente vc revisite este tópico e nos atualize com suas aventuras e experiencias pelas terras do tio Sam. Parabéns pelas conquistas.
Responda-o
#64
(25-12-2018, 02:07 PM)Loki Escreveu: Eu tenho vários amigos indo embora nos últimos anos para destino diversos: canadá, EUA, asutrália, etc, e não nego que tenho vontade de tentar.

Mas sou concursado com uma renda bem acima da média, e, apesar de meu trabalho não ser as mil maravilhas quando se trata de ausência de stress, as vantagens de receber todo mês em dia, independente de você adoecer ou não, de tirar férias ou não, afora outros incentivos que não vem ao caso por aqui, deixam o sujeito numa zona de conforto proporcional às vantagens acima citadas.

Óbvio que não dá pra vc responder pra mim "Loki, aqui você não tem isso, mas tem A, B, C e D, o que compensa a troca".

Mas sem mais firulas, e vc? Se fosse concursado com uma estabilidade financeira e profissional, além de rendimentos bem acima da média da população em geral, vc permaneceria no Huebr ou mesmo assim trabalharia pra juntar essa grana que você adquiriu e iria embora empreender nos EUA?

Sei que a resposta não é simples, então fique a vontade para fazer um exercício especulativo. Abs e feliz natal.

Tive que comentar isso, o cara ganha tudo junto na conta e se acha o pica do sistema solar.
.
No mais, o cara que criou o tópico ja era rico no Brasil, foi continuar rico nos EUA, super normal ter meio milhão de dolares pra gastar num investimento em terra estranha.
Responda-o
#65
(02-02-2019, 08:22 PM)SapoCaco Escreveu:
(25-12-2018, 02:07 PM)Loki Escreveu: Eu tenho vários amigos indo embora nos últimos anos para destino diversos: canadá, EUA, asutrália, etc, e não nego que tenho vontade de tentar.

Mas sou concursado com uma renda bem acima da média, e, apesar de meu trabalho não ser as mil maravilhas quando se trata de ausência de stress, as vantagens de receber todo mês em dia, independente de você adoecer ou não, de tirar férias ou não, afora outros incentivos que não vem ao caso por aqui, deixam o sujeito numa zona de conforto proporcional às vantagens acima citadas.

Óbvio que não dá pra vc responder pra mim "Loki, aqui você não tem isso, mas tem A, B, C e D, o que compensa a troca".

Mas sem mais firulas, e vc? Se fosse concursado com uma estabilidade financeira e profissional, além de rendimentos bem acima da média da população em geral, vc permaneceria no Huebr ou mesmo assim trabalharia pra juntar essa grana que você adquiriu e iria embora empreender nos EUA?

Sei que a resposta não é simples, então fique a vontade para fazer um exercício especulativo. Abs e feliz natal.

Tive que comentar isso, o cara ganha tudo junto na conta e se acha o pica do sistema solar.
.
No mais, o cara que criou o tópico ja era rico no Brasil, foi continuar rico nos EUA, super normal ter meio milhão de dolares pra gastar num investimento em terra estranha.
Quem se enfada pelas críticas, reconhece que as tenha merecido, daí o fracasso dos que chora a vitória dos merecidos.
"Apego corporal, desapego emocional"
Pragaklan 
Responda-o
#66
relato inspirador

uma coisa que tenho saudade do seu blog é aquela série de postagens com suas indicações de livros.

algum dia vc pretende disponibilizar essa lista aqui no forum?

abs
Responda-o
#67
Um ponto que me chamou muito a atenção:

O Rover tinha uma namorada aparentemente bacana aqui no Brasil, que atendia os seguintes critérios:

- Tinha uma boa profissão, era bem desenvolvida intelectualmente e financeiramente, até rachava os gastos com ele;
- Era uma boa companhia e pessoa de família, sem problemas com vadiagem e etc.
- Apesar de qualquer coisa era uma pessoa agradável de se ter ao lado, sem problemas maiores.
- Se fosse pra casar, seria ela.


Mesmo assim ele ABANDONOU ELA e correu atrás do PRÓPRIO DESENVOLVIMENTO!

O desenvolvimento NUNCA TERMINA, e o @Mr. Rover seguiu seus planos, deu um passo grande e continuou seu desenvolvimento. 

PARABÉNS pra ele! Eu tiro o chapéu!
Ele foi muito forte em abandonar uma buceta legal pra correr atrás de mais crescimento.





Já 99,9% dos brasileiros:

- Abandonam, destroem, ferram com o próprio desenvolvimento por causa de mulher;
- Prejudicam o estudo, o trabalho, os investimentos e riscos para crescer, por causa da namoradinha;
- Colocam o casamento como o maior passo da vida, começam a juntar as moedinhas pra bancar uma festa legal para sua donzela, e vivem apertados;
- Casar com a donzela que conheceu(muitas vezes só ele não enxerga que é uma vadia), está acima de se desenvolver em todos os aspectos.

Cansei de ver, o cara arruma tudo quanto é problema pra defender a sua donzela, é como se isso fosse a coisa mais importante que ele tivesse.

E quando você pergunta: "Como anda o desenvolvimento?"
A resposta é: ...
Responda-o
#68
Entrando na brincadeira que o Rover citou sobre especular o lugar em que ele escolheu viver, tenho dois palpites. Utah, Salt Lake City ou Idaho, Boise. Para não ficar em cima do muro, vou de Salt Lake City.
Responda-o
#69
@Lex182


Spoiler Revelar
(16-04-2019, 11:19 PM)Lex182 Escreveu: Entrando na brincadeira que o Rover citou sobre especular o lugar em que ele escolheu viver, tenho dois palpites. Utah, Salt Lake City ou Idaho, Boise. Para não ficar em cima do muro, vou de Salt Lake City.


Ruge Girafales


Esses dias vou tentar postar um update aqui. Seis meses se passaram desde que escrevi esse texto e algumas coisas interessantes ocorreram (e outras infelizmente não tão boas como todos que leram meu post mais recente sabem).
Responda-o
#70
Update



Seis meses se passaram desde que postei este artigo.


Não tem muitas novidades extravagantes, a vida continuou na mesma rotina para mim até o começo do mês passado quando decidi que queria passar as ultimas semanas de vida do meu pai ao lado dele. Pra quem não entendeu, aqui.


Para aqueles que tem curiosidade vou separar em assuntos.


Trabalho (empresa)


Continuo com seis funcionários. Um deles novo, já que um outro que estava lá, achou um emprego que pagava mais. A empresa continua funcionando bem, sempre no azul, estou aumentando o portfolio de produtos que ofereço e talvez eu dê uma escalada no fim do ano ou começo do ano que vem.


Tenho que mencionar o meu funcionário mais velho que virou uma espécie de gerente e está segurando as pontas para mim neste último mês. O cara é competente e confiável, por isso consegui vir para o Brasil pra enfrentar as porradas da vida junto da família. Agora no feriado prolongado (Corpus Christi) fiz um bate e volta pra ver como estavam as coisas. Que aliás controlo por telefone e internet diariamente também.


Preciso dar um bônus pro cara, ele merece. E farei isso quando tudo por aqui passar e eu voltar.


Mulheres


Em Janeiro peguei uma na cidade e peguei uma no local onde fui esquiar de novo, essa mais perto do fim do mês. As duas medianas e foi apenas foda casual. Depois conheci uma mulher de 31 anos no círculo social de amigos. Bonita, loira verdadeira (com direito à bucetão com pelos loiros e cu rosa), rosto bonito apesar de começar a ter algumas linhas de expressão já aparecendo, corpo bonito (pratica atividades físicas, gosta de ir pro mato), etc. Conheci lá pelos idos de Fevereiro. Fiz muitos programas com ela. Começamos indo jantar, dançar (não sei e odeio, mas ela conseguiu me convencer), cinema, bar, etc. Depois de umas seis semanas estávamos indo acampar juntos, fizemos um pouco de turismo dentro do estado, nos hospedando em hotelarias antigas de cidadezinhas pitorescas em fins de semana, etc. Muito sexo de boa qualidade e aquela coisa boa de começo de namoro.


A coisa estava indo muito bem, então no começo de Maio ela me chega com a ideia de que devíamos morar juntos (leia-se na minha casa). Ela até chegou a citar que poderíamos ter um lugar maior para nós (eu pagaria por esse lugar provavelmente).


Falei que eu não queria morar junto, que precisamos de liberdade e privacidade, cada um na sua casa. Ela, como vocês podem prever, detestou minha ideia e depois de uma discussão onde ela me disse que eu estava "desperdiçando o tempo dela se eu não quero me comprometer num relacionamento sério", terminamos.


Mulher me controlando dentro da minha própria casa? Filha da puta nenhuma vai fazer isso. Valeu enquanto durou com essa ai. Esses dias até estava pensando. Até que foi bom ter terminado, pois logo depois recebi a notícia da doença do meu pai e sei que isso seria apenas mais uma preocupação, uma dor de cabeça, coisa que não tenho mais no caso dela. Há males que vem para bem.


Moradia


Continuo morando na mesma casa. Meu relacionamento com os vizinhos próximos na rua está melhor do que nunca. Tanto é que as chaves da minha casa e dos meus carros estão com meus vizinhos da porta ao lado. Um casal de idosos muito simpático e confiável. Toda a comida que eu tinha na geladeira e coisas que se estragariam rápido dei pra eles, é claro, pra não estragar nada e feder minha cozinha. Então de cada dois ou três dias um deles entra em casa para checar se está tudo bem, se não tem vazamento de gás nem nada. E ligam meus carros para as baterias não irem pro saco.


Aquisições interessantes


Se vocês leram esse artigo desde o começo, viram que citei que tenho armas em casa. Quando escrevi este artigo eu tinha duas, uma pistola Sig Sauer P226 e um revolver Ruger Redhawk. Então como é possível que eu tenha armas e deixo minha casa aberta aos meus vizinhos? E meus outros pertences de valor, documentos, etc?


Simples. Eu comprei um cofre de armas, que não apenas serve para estocar armas de forma segura, como também serve pra documentos e outras coisas.


Comprei um cofre da empresa Rhino Metals. Exatamente este modelo aqui da série Bighorn. Com 1,50 metro de altura, 71 cm de largura, 50 cm de profundidade e peso de 160 kg. Resiste à muita pancada e meia hora de incêndio pelo que diz no manual. Então nele eu guardo a pistola, o revolver, documentos importantes da empresa, dos meus investimentos, da papelada de imigração, etc. E guardo minha barrinha de ouro também, que vale em torno de US$ 1600 Trumps.


Mas nele guardo também mais duas novas aquisições feitas.


Armas


No artigo eu disse que estava experimentando rifles no fim do ano passado. Experimentei vários e comprei. Não apenas um, mas dois. Um Mossberg Patriot com corpo de polímero, mira telescópica, na versão pra munição .308 winchester, e um Remington M700, corpo de polímero, mira telescópica munição também .308 winchester. O Mossberg saiu na faixa de US$ 450 e o Remington já saiu um pouco mais salgado, cerca de US$ 1500. Mas valeu a pena, duas armas sensacionais pra atirar. Escolhi os dois com o mesmo tipo de munição e ambos com os corpos de polímero, pois meu parceiro de tiro e pesca/camping/cerveja (o cara que é MGTOW) me disse que os de madeira empenam com o passar do tempo e perdem precisão. Abaixo um review do hickok45 de um Mossberg bem parecido com o meu, com a diferença que o do vídeo é stock de madeira e munição .270.







Ambos os rifles estão lá "dormindo em pé" no cofre. Nada mal pra quem andava em São Paulo com um cagaço de ser assaltado pela terceira vez (na verdade continuo no cagaço, porque as armas estão lá e eu aqui).


Carros


Continuo com o Focus mas o Equinox não tenho mais. Em Fevereiro uma mulher bateu nele enquanto estava estacionado no estacionamento de um mercado. Ela passou mal no carro, perdeu os sentidos, o pé afundou no acelerador e ela encheu meu carro no meio. A pancada foi tão grande que ela jogou meu carro no carro que estava parado ao lado, estragou o carro do cara também. Afundou a lateral, entortou a coluna central entre as portas. Fodeu o carro todo. Deu perda total. Sorte que ninguém se machucou, ela foi pro hospital mas se recuperou, airbag e cinto salvaram o dia.


O seguro dela me deu a opção de facilidade num leasing ou financiamento com a grana da franquia ou me dar a grana de acordo com a avaliação que fizeram do meu SUV batido (que foi de US$ 7 mil). Eu fiquei muito tentado em financiar uma Toyota 4Runner usada, mas mesmo as usadas semi-novas estão saindo na casa de US$ 25 mil, então decidi pegar um Ford Escape 2016 por US$ 10.500 mesmo, na mesma concessionária que peguei o Focus. Com menos de 25 mil milhas rodadas e tudo conservado. Foi um achado pela baixa milhagem. Ainda não é o carro perfeito pra botar na estrada e na terra, mas é barato e vou poder meter mais umas 80 mil milhas nesse carro até ter que arranjar outro. E o Toyotão não ia caber na garajinha mesmo. Sad



Hobbies


O maior achado foi garimpar ouro, mas isso já contei no artigo que postei esses dias atrás. E é claro, nada como ir pescar com fly, fritar uns filés de peixe na beira do rio e acampar. Estar no meio do mato, com aquele cheiro de pinheiro, céu estrelado, fogueira, etc. Só quem faz essas coisas sabe como é bom. Não importa onde seja.



E acho que é isso. Tirando essas coisas, o resto foi rotina.

Responda-o
#71
(03-07-2019, 11:42 PM)Mr. Rover Escreveu: ,
Update



Seis meses se passaram desde que postei este artigo.


Não tem muitas novidades extravagantes, a vida continuou na mesma rotina para mim até o começo do mês passado quando decidi que queria passar as ultimas semanas de vida do meu pai ao lado dele. Pra quem não entendeu, aqui.


Para aqueles que tem curiosidade vou separar em assuntos.


Trabalho (empresa)


Continuo com seis funcionários. Um deles novo, já que um outro que estava lá, achou um emprego que pagava mais. A empresa continua funcionando bem, sempre no azul, estou aumentando o portfolio de produtos que ofereço e talvez eu dê uma escalada no fim do ano ou começo do ano que vem.


Tenho que mencionar o meu funcionário mais velho que virou uma espécie de gerente e está segurando as pontas para mim neste último mês. O cara é competente e confiável, por isso consegui vir para o Brasil pra enfrentar as porradas da vida junto da família. Agora no feriado prolongado (Corpus Christi) fiz um bate e volta pra ver como estavam as coisas. Que aliás controlo por telefone e internet diariamente também.


Preciso dar um bônus pro cara, ele merece. E farei isso quando tudo por aqui passar e eu voltar.


Mulheres


Em Janeiro peguei uma na cidade e peguei uma no local onde fui esquiar de novo, essa mais perto do fim do mês. As duas medianas e foi apenas foda casual. Depois conheci uma mulher de 31 anos no círculo social de amigos. Bonita, loira verdadeira (com direito à bucetão com pelos loiros e cu rosa), rosto bonito apesar de começar a ter algumas linhas de expressão já aparecendo, corpo bonito (pratica atividades físicas, gosta de ir pro mato), etc. Conheci lá pelos idos de Fevereiro. Fiz muitos programas com ela. Começamos indo jantar, dançar (não sei e odeio, mas ela conseguiu me convencer), cinema, bar, etc. Depois de umas seis semanas estávamos indo acampar juntos, fizemos um pouco de turismo dentro do estado, nos hospedando em hotelarias antigas de cidadezinhas pitorescas em fins de semana, etc. Muito sexo de boa qualidade e aquela coisa boa de começo de namoro.


A coisa estava indo muito bem, então no começo de Maio ela me chega com a ideia de que devíamos morar juntos (leia-se na minha casa). Ela até chegou a citar que poderíamos ter um lugar maior para nós (eu pagaria por esse lugar provavelmente).


Falei que eu não queria morar junto, que precisamos de liberdade e privacidade, cada um na sua casa. Ela, como vocês podem prever, detestou minha ideia e depois de uma discussão onde ela me disse que eu estava "desperdiçando o tempo dela se eu não quero me comprometer num relacionamento sério", terminamos.


Mulher me controlando dentro da minha própria casa? Filha da puta nenhuma vai fazer isso. Valeu enquanto durou com essa ai. Esses dias até estava pensando. Até que foi bom ter terminado, pois logo depois recebi a notícia da doença do meu pai e sei que isso seria apenas mais uma preocupação, uma dor de cabeça, coisa que não tenho mais no caso dela. Há males que vem para bem.


Moradia


Continuo morando na mesma casa. Meu relacionamento com os vizinhos próximos na rua está melhor do que nunca. Tanto é que as chaves da minha casa e dos meus carros estão com meus vizinhos da porta ao lado. Um casal de idosos muito simpático e confiável. Toda a comida que eu tinha na geladeira e coisas que se estragariam rápido dei pra eles, é claro, pra não estragar nada e feder minha cozinha. Então de cada dois ou três dias um deles entra em casa para checar se está tudo bem, se não tem vazamento de gás nem nada. E ligam meus carros para as baterias não irem pro saco.


Aquisições interessantes


Se vocês leram esse artigo desde o começo, viram que citei que tenho armas em casa. Quando escrevi este artigo eu tinha duas, uma pistola Sig Sauer P226 e um revolver Ruger Redhawk. Então como é possível que eu tenha armas e deixo minha casa aberta aos meus vizinhos? E meus outros pertences de valor, documentos, etc?


Simples. Eu comprei um cofre de armas, que não apenas serve para estocar armas de forma segura, como também serve pra documentos e outras coisas.


Comprei um cofre da empresa Rhino Metals. Exatamente este modelo aqui da série Bighorn. Com 1,50 metro de altura, 71 cm de largura, 50 cm de profundidade e peso de 160 kg. Resiste à muita pancada e meia hora de incêndio pelo que diz no manual. Então nele eu guardo a pistola, o revolver, documentos importantes da empresa, dos meus investimentos, da papelada de imigração, etc. E guardo minha barrinha de ouro também, que vale em torno de US$ 1600 Trumps.


Mas nele guardo também mais duas novas aquisições feitas.


Armas


No artigo eu disse que estava experimentando rifles no fim do ano passado. Experimentei vários e comprei. Não apenas um, mas dois. Um Mossberg Patriot com corpo de polímero, mira telescópica, na versão pra munição .308 winchester, e um Remington M700, corpo de polímero, mira telescópica munição também .308 winchester. O Mossberg saiu na faixa de US$ 450 e o Remington já saiu um pouco mais salgado, cerca de US$ 1500. Mas valeu a pena, duas armas sensacionais pra atirar. Escolhi os dois com o mesmo tipo de munição e ambos com os corpos de polímero, pois meu parceiro de tiro e pesca/camping/cerveja (o cara que é MGTOW) me disse que os de madeira empenam com o passar do tempo e perdem precisão. Abaixo um review do hickok45 de um Mossberg bem parecido com o meu, com a diferença que o do vídeo é stock de madeira e munição .270.







Ambos os rifles estão lá "dormindo em pé" no cofre. Nada mal pra quem andava em São Paulo com um cagaço de ser assaltado pela terceira vez (na verdade continuo no cagaço, porque as armas estão lá e eu aqui).


Carros


Continuo com o Focus mas o Equinox não tenho mais. Em Fevereiro uma mulher bateu nele enquanto estava estacionado no estacionamento de um mercado. Ela passou mal no carro, perdeu os sentidos, o pé afundou no acelerador e ela encheu meu carro no meio. A pancada foi tão grande que ela jogou meu carro no carro que estava parado ao lado, estragou o carro do cara também. Afundou a lateral, entortou a coluna central entre as portas. Fodeu o carro todo. Deu perda total. Sorte que ninguém se machucou, ela foi pro hospital mas se recuperou, airbag e cinto salvaram o dia.


O seguro dela me deu a opção de facilidade num leasing ou financiamento com a grana da franquia ou me dar a grana de acordo com a avaliação que fizeram do meu SUV batido (que foi de US$ 7 mil). Eu fiquei muito tentado em financiar uma Toyota 4Runner usada, mas mesmo as usadas semi-novas estão saindo na casa de US$ 25 mil, então decidi pegar um Ford Escape 2016 por US$ 10.500 mesmo, na mesma concessionária que peguei o Focus. Com menos de 25 mil milhas rodadas e tudo conservado. Foi um achado pela baixa milhagem. Ainda não é o carro perfeito pra botar na estrada e na terra, mas é barato e vou poder meter mais umas 80 mil milhas nesse carro até ter que arranjar outro. E o Toyotão não ia caber na garajinha mesmo. Sad



Hobbies


O maior achado foi garimpar ouro, mas isso já contei no artigo que postei esses dias atrás. E é claro, nada como ir pescar com fly, fritar uns filés de peixe na beira do rio e acampar. Estar no meio do mato, com aquele cheiro de pinheiro, céu estrelado, fogueira, etc. Só quem faz essas coisas sabe como é bom. Não importa onde seja.



E acho que é isso. Tirando essas coisas, o resto foi rotina.


 Grande Rover, bom ver vc postando em algum local. Sempre vi em suas palavras uma singularidade e característica únicas.  Eu era leitor assíduo do PFL, um pena que o blog acabou, mas entendo. Até trocamos alguns e-mails. Achei massa seu post de 1 ano de de América. Lamento muito pelo seu pai, tbm li o outro post. Espero que vc encontre força e inspiração para esse complicado momento. Perdi meu pai há 3 meses. É barra mas a vida segue e Deus sempre nos dá força a cada amanhecer. Vc é um cara que parece se ocupar de várias coisas (trabalho, responsabilidades, leituras, hobbies, etc) e isso ajuda muito.

Bem meu amigo, o tempo passou desde que trocamos e-mails e acabei não indo empreender em Portugal. A crise econômica brasileira agravou o câmbio e reduziu minha capacidade de investimento em euros. Fiz estudo de mercado, plano de negócios, pesquisei pontos  comerciais, viabilizei todo o projeto e infelizmente acho que no momento o que cabe dentro das minhas capacidades é empreender aqui no Bananil mesmo.

Meu caro, se vc voltasse a 10 anos atrás, no início de sua vida empreendedora, porém o Brasil estivesse enfrentando a terrível crise econômica que o assola hj,ainda assim vc teria aberto sua empresa por essas bandas tupiniquins no momento ou esperaria uma melhora econômica?
Responda-o
#72
@Joe Lovano 


Fala rapaz. Me lembro de receber seus emails. Me perdoe por não lembrar seu nome, pois já faz bastante tempo da ultima vez que nos falamos no email do blog mas lembro da sua história. Uma pena que seu projeto de Portugal não tenha dado certo ainda. E sinto muitíssimo pelo seu pai. Infelizmente a saúde do meu pai deteriora a cada dia que passa e em breve vou ter que passar pela mesma experiência terrível que você passou com o seu meses atrás. Resta nos agarrar ao apoio de nossos familiares e apoiá-los também. A sensação de impotência é terrível, mas creio que essa é mais uma lição que a vida nos ensina. Provavelmente uma das mais duras de todas.


Quanto à sua pergunta, se você for esperar o Brasil melhorar pra empreender, você não vai empreender. É a mesma coisa que dizer: "Vou treinar pra ficar com um shape legal, mas só vou treinar quando não estiver calor.". Ou seja, você não vai treinar no Brasil.


Os primeiros meses da minha antiga empresa foram em meio à crise de 2008. Crise sempre vai ter cara. Mas lembre-se que é sempre no meio dos momentos merda que surgem oportunidades.
Responda-o
#73
Imagina a frustração do cara em voltar pra um lugar onde nada funciona. A comparação entre as terras é automática!

Eu fui pro Sul do país nessas férias e já senti uma diferença absurda em relação ao Sudeste, tudo lá parece funcionar, de forma simples, mas funciona. 

Agora pensa em viver num país anos luz à frente de organização e economia, a despeito de seus problemas.

Não é à toa que a maioria vai e nunca mais quer voltar. Aliás, fiquei surpreso ao saber o desfecho do relato do Libertador há alguns meses atrás quando li.
"Escola? E o aprendizado com os próprios erros? A experiência te faz professor de si próprio".
Responda-o
#74
(05-07-2019, 01:59 AM)Bilidequedi Escreveu: Imagina a frustração do cara em voltar pra um lugar onde nada funciona. A comparação entre as terras é automática!

Eu fui pro Sul do país nessas férias e já senti uma diferença absurda em relação ao Sudeste, tudo lá parece funcionar, de forma simples, mas funciona. 

Agora pensa em viver num país anos luz à frente de organização e economia, a despeito de seus problemas.

Não é à toa que a maioria vai e nunca mais quer voltar. Aliás, fiquei surpreso ao saber o desfecho do relato do Libertador há alguns meses atrás quando li.

Já tive esse pensamento, mas hoje penso totalmente diferente.

Hoje na minha concepção, não existe lugar melhor para se morar que perto de seus amigos e familiares.

Eu por exemplo moro em uma cidade, e é muito bom você conhecer todo mundo na cidade , jogar aquela pelada com os amigos ,fazer um churras de vez em quando.

Vejo poucas pessoas valorizando isso aqui dentro da Real, a maioria prega o Des.pessoal acima de tudo, confesso , já fui assim. Mas não acredito que esse seja o caminho para uma vida mais feliz.
TUDO OQUE TE RESTA É O DESENVOLVIMENTO PESSOAL!


Responda-o
#75
O Desenvolvimento Pessoal pode estar mais voltando às questões interiores, morais, espirituais e psicológicas.
No passar dos anos isso já faz uma diferença danada, mesmo que ele permaneça no mesmo meio social e financeiro de antes.
Tudo na vida melhora.
No longo prazo a linguagem e a propaganda possui muito mais força do que as armas.

A mulher é a maior fábrica de cafajestes do mundo.
Responda-o
#76
(05-07-2019, 12:11 AM)Mr. Rover Escreveu: @Joe Lovano 


Fala rapaz. Me lembro de receber seus emails. Me perdoe por não lembrar seu nome, pois já faz bastante tempo da ultima vez que nos falamos no email do blog mas lembro da sua história. Uma pena que seu projeto de Portugal não tenha dado certo ainda. E sinto muitíssimo pelo seu pai. Infelizmente a saúde do meu pai deteriora a cada dia que passa e em breve vou ter que passar pela mesma experiência terrível que você passou com o seu meses atrás. Resta nos agarrar ao apoio de nossos familiares e apoiá-los também. A sensação de impotência é terrível, mas creio que essa é mais uma lição que a vida nos ensina. Provavelmente uma das mais duras de todas.


Quanto à sua pergunta, se você for esperar o Brasil melhorar pra empreender, você não vai empreender. É a mesma coisa que dizer: "Vou treinar pra ficar com um shape legal, mas só vou treinar quando não estiver calor.". Ou seja, você não vai treinar no Brasil.


Os primeiros meses da minha antiga empresa foram em meio à crise de 2008. Crise sempre vai ter cara. Mas lembre-se que é sempre no meio dos momentos merda que surgem oportunidades.

Valeu Mestre Rover! @ Lucas Gallon, com certeza vc lembrará deste nome. Meu perfil aqui tem o nome do lendário saxofonista ítalo-americano Joe Lovano, gosto muito de sax, como hobbie.
Meu caro, é verdade o que vc falou sobre empreender. se for esperar o Brasil melhorar pra isso..... 
Lembro também de seus conselhos na época em que estava na França estudando MBA em negócios e na época da crise da segurança pública aqui na minha cidade natal, Vitória/ES. Enfim acompanhei o PFL de 2015 até o fim. 
Uma pena não ter dado certo (ainda) o projecto de Portugal. Na época eu já tinha 26 anos, agora estou com 28 pra 29, vou começar a empreender por aqui mesmo, mas um pouco tarde né. Mas nunca é tarde de verdade.
Responda-o
#77
@"Bilidequedi" 



Spoiler Revelar
Olha rapaz, o choque não foi tão grande porque quando eu tinha a empresa aqui no Brasil eu viajava bastante pra fora e nas primeiras vezes o choque de realidade era grande, mas depois é algo que você começa a ficar dessensibilizado com a situação. Seus olhos acostumam com as coisas. O que me deixou aflito nessa volta "forçada" por motivo maior, é o ar de São Paulo e o trânsito. Pois onde vivo o ar é puro na maior parte do ano (só no inverno a qualidade da uma caída, e mesmo assim só na cidade) e o trânsito.

Mas é claro, não dá nem pra comparar. Só de olhar em volta, para a arquitetura urbana e a jardinagem do lugar e a paisagem do horizonte, é um choque de diferença tremendo com qualquer cidade no Brasil. Nem cidades consideradas modelo como Gramado e Campos do Jordão chega perto das cidadezinhas pelas bandas onde vivo.


@gRILO 


Spoiler Revelar
Citação:Hoje na minha concepção, não existe lugar melhor para se morar que perto de seus amigos e familiares.

Nisso eu concordo. Amigos você acaba fazendo em qualquer lugar, se for uma pessoa social, mas ter a família perto vale ouro realmente.

O desenvolvimento pessoal não é o caminho para ser feliz. É o caminho que vai te proporcionar mais liberdade e ter mais opções. Comprar tempo. É tendo tempo, liberdade e mais opções na vida que você pode ir em busca de viver momentos felizes, já que a felicidade plena é algo impossível de ser alcançado como ser humano.


@SteveMcQueen


Spoiler Revelar
Tem que haver um equilíbrio entre todos. O meio social pode ser o mesmo contanto que não seja um meio que te impossibilite de evoluir. Já o financeiro você precisa desenvolver. Querendo ou não, sem desenvolver a parte financeira provavelmente você não terá espaço nem tempo pra se desenvolver nas outras áreas. Vai sempre estar preocupado com sua subsistência. Diferente do que diz o ditado, "dinheiro não é um mal, mas ele continua necessário".


@Joe Lovano 


Spoiler Revelar
Sim Lucas, me lembro. Lembro até de você comentando como estava a situação na França, durante o período que fiquei apenas na página do facebook. Como eu disse, se for esperar a melhor situação pra fazer qualquer coisa, você não vai fazer. E nunca é tarde pra começar nada. Se você estivesse com 70, 75, ai eu diria pra você relaxar e procurar outras coisas, mas você não tem nem 30 ainda. A única coisa que te digo é: sempre tenha um plano B, C, D... e por ai vai. Avalie seus riscos.
Responda-o
#78
Então @Mr. Rover , realmente você faz amigos em todos os lugares, só que eu vejo que para você criar uma identidade forte em um lugar com amizades duradouras vai anos heim.

Já tive o sonho de ir para os EUA , mas hoje não tenho mais, valorizo muito morar em minha cidade pequena de 20k habitantes e conhecer todo mundo
todo lugar que eu vou estou cumprimentando alguém , trocando uma idéia , isso é bom demais.
´
Já morei em cidade grande e sei como essas coisas não existem , você não conhece ninguém , difícil alguém te comprimentar.

Enfim , você falou sobre o Des.pessoal, concordo com oque você disse, acredito que não podemos esquecer dele nunca , mas você concorda que há de aver um equlibrio , Des.pessoal acima de tudo como muitos pregam é mecânico , você literalmente é uma máquina que ( Trabalha , faz academia , lê livros , faz dieta e dorme) muito gente segue essa linha que citei e também vejo elas perdendo tempo.
TUDO OQUE TE RESTA É O DESENVOLVIMENTO PESSOAL!


Responda-o
#79
(06-07-2019, 09:43 AM)gRILO Escreveu: Então @Mr. Rover  , realmente você faz amigos em todos os lugares, só que eu vejo que para você criar uma identidade forte em um lugar com amizades duradouras vai anos heim.

Já tive o sonho de ir para os EUA , mas hoje não tenho mais, valorizo muito morar em minha cidade pequena de 20k habitantes e conhecer todo mundo
todo lugar que eu vou estou cumprimentando alguém , trocando uma idéia , isso é bom demais.
´
Já morei em cidade grande e sei como essas coisas não existem , você não conhece ninguém , difícil alguém te comprimentar.

Enfim , você falou sobre o Des.pessoal, concordo com oque você disse, acredito que não podemos esquecer dele nunca , mas você concorda que há de aver um equlibrio , Des.pessoal acima de tudo como muitos pregam é mecânico , você literalmente é uma máquina que ( Trabalha , faz academia , lê livros , faz dieta e dorme) muito gente segue essa linha que citei e também vejo elas perdendo tempo.


Realmente depende muito do lugar, das pessoas, etc. E criar identidade com um lugar tem pontos positivos mas também tem alguns negativos. Os negativos são que se você vive apenas ali e não tem contato com lugares e pessoas diferentes, seus horizontes não se abrem, sua percepção sobre muitas coisas fica diminuída. Isso é claro não conta, se você já for uma pessoa que teve experiências morando e conhecendo muitos lugares diferentes e já tiver uma certa idade também.


Morar em cidade pequena realmente deve ser muito bom. Eu vivi minha vida toda em São Paulo e como você sabe, mudando pros EUA, saí de uma cidade de 20 milhões de habitantes pra uma que tem menos de 1 milhão. Isso fez uma diferença tremenda. No futuro quero ir pra um local que tem menos gente ainda. Algo em torno de 20 mil também.


Só que ai tem uma grande diferença. Enquanto que uma cidade no interior do Brasil com 20k seja diferente de infernos como São Paulo, Rio, Salvador, etc, você ainda está no Brasil. Você ainda está sujeito aos impostos e preços do Brasil. Você está sujeito à bandidagem e leis que só protegem bandido e vagabunda. Você está sujeito à uma retomada do governo pelas forças marxistas da América latina (leia-se Foro de São Paulo), você está sujeito à paralisações (caminhoneiros) e escassez, etc, etc. Você está longe do formigueiro das grandes capitais, mas se a merda bater no ventilador você ainda vai se sujar. Não precisa se mudar para os EUA em si, mas apostar no Brasil à longo prazo é algo que pessoalmente eu escolhi não fazer. O Brasil é um castelo de cartas no meio de um vendaval. Sua cidadezinha realmente é uma maravilha hoje, mas será daqui 10, 15 anos? Você tem como se defender do próprio governo e de outros invasores caso der merda? Caso ocorrer uma "venezuelização"?


Veja só isso abaixo, vi no facebook do meu irmão (pq nem uso mais essa merda) o que o Flavio Augusto postou agora a pouco. Até pedi pra ele copiar a foto e me mandar pra que eu colasse aqui.



[Image: uKIDHFm.jpg]


Citação:10 dias no Brasil. Incontáveis emoções. Muitos avanços. Poucas horas de sono. Apesar das contradições do Brasil, amo o Brasil. Hora de voltar pra casa.


Acho que nem ele percebeu, mas veja no fim o "hora de voltar pra casa". Ama o Brasil, mas não mora aqui. O Brasil que ele tanto ama não é a casa dele. Não sei se sou só eu, mas ele não ama porra nenhuma. O Brasil é lindo, maravilhoso, Deus é brasileiro, etc. Mas Deus me livre de ter que morar aqui. Foi isso que ele acabou dizendo sem perceber.


O problema do desenvolvimento pessoal que muitos não entendem aqui é que não estão vivendo o presente e não aproveitam as experiências dessa caminhada. Temos que viver o presente. Essa maioria realiza atividades de aprendizado e desenvolvimento que não gostam/não se interessam pensando num resultado futuro apenas.


Por exemplo, neguinho vai treinar na academia como parte do desenvolvimento pessoal? Ok. Mas ele gosta de treinar? Se sente bem em fazer exercício ou só está pensando em resultado estético por causa de vagabundas e do próprio ego? Se você treina e não gosta, acha um desconforto, já está fazendo errado.Não deveria estar fazendo algo que não gosta. Mesmo porque o resultado de se exercitar não é algo que se conquista, é algo que se mantém. Se você não gosta, uma hora vai abandonar e tudo que foi feito antes, terá sido em vão.


Outro exemplo. Vejo na seção de indicações de livros que nego aqui em geral posta muito livro de autoajuda, etc. Vou citar o livro Como fazer amigos e influenciar pessoas, por exemplo. Eu comecei ler esse livro anos atrás mas não terminei, porque é CHATO PRA CARALHO. Pra seguir tudo que aquele livro ensina, é preciso ser um sociopata. É até ridículo um livro que te ensina afazer amizade com as pessoas. Eu diria que ler aquilo só por "desenvolvimento pessoal" é uma tremenda perda de tempo. De cada 10 livros que leio uns 7 são literatura ficção, 2 são literatura não-ficção (como os recentes da Anne Jacobsen que indiquei) e apenas 1 é de algo que vai me ensinar algo útil pra aplicar no meu intelecto financeiro/profissional/social. Livros tem que ser lazer e não obrigação.


Qualquer atividade de desenvolvimento pessoal que não traz prazer e satisfação em ser realizada, será inútil e NÃO SERÁ INTERNALIZADA. E é preciso ter hobbies, desacelerar a vida de vez em quando também, como citei no Os homens e suas vidas de desespero silencioso. Apenas trabalhar igual um burro de carga pensando num resultado futuro distante, é uma tremenda de uma estupidez.
Responda-o
#80
Photo 
(07-07-2019, 11:28 PM)Mr. Rover Escreveu:
(06-07-2019, 09:43 AM)gRILO Escreveu: Então @Mr. Rover  , realmente você faz amigos em todos os lugares, só que eu vejo que para você criar uma identidade forte em um lugar com amizades duradouras vai anos heim.

Já tive o sonho de ir para os EUA , mas hoje não tenho mais, valorizo muito morar em minha cidade pequena de 20k habitantes e conhecer todo mundo
todo lugar que eu vou estou cumprimentando alguém , trocando uma idéia , isso é bom demais.
´
Já morei em cidade grande e sei como essas coisas não existem , você não conhece ninguém , difícil alguém te comprimentar.

Enfim , você falou sobre o Des.pessoal, concordo com oque você disse, acredito que não podemos esquecer dele nunca , mas você concorda que há de aver um equlibrio , Des.pessoal acima de tudo como muitos pregam é mecânico , você literalmente é uma máquina que ( Trabalha , faz academia , lê livros , faz dieta e dorme) muito gente segue essa linha que citei e também vejo elas perdendo tempo.


Realmente depende muito do lugar, das pessoas, etc. E criar identidade com um lugar tem pontos positivos mas também tem alguns negativos. Os negativos são que se você vive apenas ali e não tem contato com lugares e pessoas diferentes, seus horizontes não se abrem, sua percepção sobre muitas coisas fica diminuída. Isso é claro não conta, se você já for uma pessoa que teve experiências morando e conhecendo muitos lugares diferentes e já tiver uma certa idade também.


Morar em cidade pequena realmente deve ser muito bom. Eu vivi minha vida toda em São Paulo e como você sabe, mudando pros EUA, saí de uma cidade de 20 milhões de habitantes pra uma que tem menos de 1 milhão. Isso fez uma diferença tremenda. No futuro quero ir pra um local que tem menos gente ainda. Algo em torno de 20 mil também.


Só que ai tem uma grande diferença. Enquanto que uma cidade no interior do Brasil com 20k seja diferente de infernos como São Paulo, Rio, Salvador, etc, você ainda está no Brasil. Você ainda está sujeito aos impostos e preços do Brasil. Você está sujeito à bandidagem e leis que só protegem bandido e vagabunda. Você está sujeito à uma retomada do governo pelas forças marxistas da América latina (leia-se Foro de São Paulo), você está sujeito à paralisações (caminhoneiros) e escassez, etc, etc. Você está longe do formigueiro das grandes capitais, mas se a merda bater no ventilador você ainda vai se sujar. Não precisa se mudar para os EUA em si, mas apostar no Brasil à longo prazo é algo que pessoalmente eu escolhi não fazer. O Brasil é um castelo de cartas no meio de um vendaval. Sua cidadezinha realmente é uma maravilha hoje, mas será daqui 10, 15 anos? Você tem como se defender do próprio governo e de outros invasores caso der merda? Caso ocorrer uma "venezuelização"?


Veja só isso abaixo, vi no facebook do meu irmão (pq nem uso mais essa merda) o que o Flavio Augusto postou agora a pouco. Até pedi pra ele copiar a foto e me mandar pra que eu colasse aqui.



[Image: uKIDHFm.jpg]


Citação:10 dias no Brasil. Incontáveis emoções. Muitos avanços. Poucas horas de sono. Apesar das contradições do Brasil, amo o Brasil. Hora de voltar pra casa.


Acho que nem ele percebeu, mas veja no fim o "hora de voltar pra casa". Ama o Brasil, mas não mora aqui. O Brasil que ele tanto ama não é a casa dele. Não sei se sou só eu, mas ele não ama porra nenhuma. O Brasil é lindo, maravilhoso, Deus é brasileiro, etc. Mas Deus me livre de ter que morar aqui. Foi isso que ele acabou dizendo sem perceber.


O problema do desenvolvimento pessoal que muitos não entendem aqui é que não estão vivendo o presente e não aproveitam as experiências dessa caminhada. Temos que viver o presente. Essa maioria realiza atividades de aprendizado e desenvolvimento que não gostam/não se interessam pensando num resultado futuro apenas.


Por exemplo, neguinho vai treinar na academia como parte do desenvolvimento pessoal? Ok. Mas ele gosta de treinar? Se sente bem em fazer exercício ou só está pensando em resultado estético por causa de vagabundas e do próprio ego? Se você treina e não gosta, acha um desconforto, já está fazendo errado.Não deveria estar fazendo algo que não gosta. Mesmo porque o resultado de se exercitar não é algo que se conquista, é algo que se mantém. Se você não gosta, uma hora vai abandonar e tudo que foi feito antes, terá sido em vão.


Outro exemplo. Vejo na seção de indicações de livros que nego aqui em geral posta muito livro de autoajuda, etc. Vou citar o livro Como fazer amigos e influenciar pessoas, por exemplo. Eu comecei ler esse livro anos atrás mas não terminei, porque é CHATO PRA CARALHO. Pra seguir tudo que aquele livro ensina, é preciso ser um sociopata. É até ridículo um livro que te ensina afazer amizade com as pessoas. Eu diria que ler aquilo só por "desenvolvimento pessoal" é uma tremenda perda de tempo. De cada 10 livros que leio uns 7 são literatura ficção, 2 são literatura não-ficção (como os recentes da Anne Jacobsen que indiquei) e apenas 1 é de algo que vai me ensinar algo útil pra aplicar no meu intelecto financeiro/profissional/social. Livros tem que ser lazer e não obrigação.


Qualquer atividade de desenvolvimento pessoal que não traz prazer e satisfação em ser realizada, será inútil e NÃO SERÁ INTERNALIZADA. E é preciso ter hobbies, desacelerar a vida de vez em quando também, como citei no Os homens e suas vidas de desespero silencioso. Apenas trabalhar igual um burro de carga pensando num resultado futuro distante, é uma tremenda de uma estupidez.

Você gabaritou em sua análise sobre o Des.Pessoal , é isso aí mesmo que eu internalizei recentemente.  A gente tem que fazer as coisas que dão prazer para nós, porque como você disse, não será internalizado no longo prazo.

Sobre o Brasil em sí, eu achei sua análise um pouco equivocada e pessimista, embora eu te respeite completamente.
Acredito que no Brasil existem vários Brasil, inclusive você citou o exemplo das grandes capitais x cidades pequenas.

é claro que tudo isso que você citou, como a esquerda voltando ao poder são coisas que realmente poderiam acontecer com esse belo país, da mesma forma que os EUA poderiam entrar em guerra com Russia/China e ser bombardeado, então são hipóteses que podem não acontecer. Acredito que não devemos levar a vida dessa forma.

Sobre o Flávio Augusto e seu post, acredito que não é parâmetro para muita coisa, cada um é cada um.

Oque eu quis dizer sobre o Brasil e a comunidade que você está inserida, é que é muito bom você ser reconhecido por sua comunidade , ser convidados para diversos eventos, ir a todos os lugares e conhecer todo mundo, hoje eu valorizo isso bastante.

Se hoje por exemplo, eu mudasse para os EUA, eu teria experiências bacanas ? sim teria, viveria em um país de primeira ? sim. Mas acredito que seria muito sozinho, seria muito difícil criar uma identidade com alguma comunidade, ainda mais falando outra língua. Então hoje eu valorizo muito esse tipo de coisa aqui:
[img]undefined[/img]
TUDO OQUE TE RESTA É O DESENVOLVIMENTO PESSOAL!


Responda-o


Pular fórum:


Usuários visualizando este tópico: 2 Visitante(s)