Avaliação do Tópico:
  • 0 Voto(s) - 0 em Média
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Qualificação profissional
#1
Milhões de homens estão desempregados ou subempregados, ou quando empregados, trabalham como burro recebendo salários muito baixos (menos de R$ 1000,00) em empregos que demandam pouca ou nenhuma qualificação.

No atual mundo globalizado, para conseguir um emprego razoável (em termos de salário), é preciso ter qualificação e experiência profissional.

Não basta ter um diploma universitário (há profissões bem pagas que não exigem diploma universitário), é necessário ter qualificação, treinamento especializado, preparo, experiência profissional...

Então este tópico é sobre isso, como se qualificar, como tornar sua mão-de-obra qualificada e demandada?
Responda-o
#2
Pirâmide das Habilidades:

[Image: KokcharovSkillHierarchy2015.jpg]
Responda-o
#3
O quanto seria um salário razoável ou bom salário aqui no Brasil?
Se possível deve-se definir valores conforme a qualificação.

R$1.500,00?

R$2000,00?

R$3000,00?

R$5000,00?

R$10.000?
Responda-o
#4
Com o atual custo de vida, salário razoável seria R$ 3000,00 pra cima. Mas ganhar isso, tem que ter muita especialização.
Responda-o
#5
Confrades, quando eu falo em qualificação/capacitação profissional, treinamento, experiencia, etc., não me refiro a só fazer esses cursinhos técnicos gratuitos on-line, como muitos estão fazendo (tenho péssimas notícias para estes). É preciso ter um certo conhecimento prático na área. Além dos conhecimentos teóricos, vc tem que arranjar uma maneira de PRATICAR aquilo que vc está aprendendo. É isso que este mercado de trabalho cada vez mais competitivo, exige hj. Até porque, mesmo que vc consiga um emprego na área, se vc tem apenas o conhecimento teórico, mas nunca praticou, nunca teve um contato com a área, só aprendeu a teoria, mesmo que vc consiga um emprego, vc não vai saber executar o serviço, não será um bom empregado, vai pagar mico. E isso não é bom. Então, tem que ter o conhecimento teórico e prático.
Responda-o
#6
R$1.500,00 - Prestes a se formar na faculdade, primeiro emprego(as vezes estágio). Ou formado curso técnico

R$2000,00 - Recém formado faculdade ou técnico com experiência

R$3000,00 - Profissional Pleno

R$5000,00 - Líder ou profissional Senior

R$10.000 - Gerente ou profissional Senior com muita experiência(geralmente trabalha como PJ)
Responda-o
#7
TUDO SOBRE ESTUDAR NO EXTERIOR: ESSENCIAIS
Como conseguir experiência profissional sem experiência profissional

Como conquistar suas primeiras experiências profissionais para desenvolver um currículo durante a faculdade

[Image: myhc_36693.jpg]
POR Brenda Bellani
6 Mar 2015

O eterno dilema de conseguir um emprego quando ainda não se tem experiência e conseguir experiência quando ainda não se tem um emprego. Nos últimos anos, esse beco sem saída parece ter se intensificado para os estudantes universitários por várias razões. Para começar, os recém-graduados têm enfrentado um mercado de trabalho cada vez mais diverso e exigente, onde habilidades e experiências prévias se tornaram o fator ainda mais central do processo de seleção. Com isso, as oportunidades diminuíram e as expectativas aumentaram.

Não se preocupe se você se identificou com o dilema. Existem outras saídas! O site britânico The Telegraph listou algumas maneiras de conseguir experiências e conhecimentos exigidos para vagas de emprego que, com criatividade e força de vontade, podem ajudá-lo a construir um currículo.

Acesse suas opções

Vagas mais procuradas: verifique qual é o período que as principais empresas do seu setor abrem as inscrições para novas vagas e programas de estágios e trainees. Fique atento a prazos finais e aos pré-requisitos (normalmente, a data de graduação, as áreas de estudo e a cidade dos candidatos).

Vagas menos divulgadas: pesquise em diferentes empresas menores, locais, com as quais você possa comunicar-se diretamente com os empregadores. Seja proativo e envie um email perguntando sobre possíveis vagas na empresa.

Vagas em outras áreas: não menospreze logo de cara vagas em outras áreas/setores quando as habilidades e conhecimentos adquiridos nela podem ser facilmente transferíveis. Por exemplo: suas habilidades em comunicação e em atendimento ao cliente por trabalhar em uma loja ou restaurante podem ser usados a seu favor em uma entrevista de emprego.

Atividades extracurriculares: fazer parte de grupos ou sociedades enriquece o seu currículo e também ajuda a criar contatos e abrir outras portas. Por exemplo: participar da união estudantil da sua universidade e conhecer mais estudantes da sua área que possam te indicar; fazer aulas de teatro para perder a timidez e ainda sentir-se mais seguro quando passar por outra entrevista de emprego; fazer aquele cursinho básico de Photoshop ou de inglês, etc. Qualquer coisa que possa ajudar a adquirir habilidades exigidas na sua área e que demonstre sua determinação.

Voluntariado: além de ser uma atividade extremamente gratificante e altruísta, pega super bem no currículo e ajuda a criar contatos. No entanto, as atividades voluntárias, obviamente, não são remuneradas.

Estágios: os estágios aumentaram significativamente nos últimos anos e podem oferecer diversas oportunidades de curta duração para estudantes em todos os setores, em vagas remuneradas ou não remuneradas. Algumas empresas, inclusive, costumam efetivar estagiários bem sucedidos. Quando for se inscrever em uma vaga, prefira mandar um email diretamente para algum funcionário específico da empresa, ao invés de endereços eletrônicos genéricos. Se não souber para quem escrever, telefone e pergunte.

Desenvolva um plano
Não passe todo o seu tempo em frente ao computador enviando currículos. Uma das melhores formas de encontrar oportunidades é entrar em contato com pessoas e perguntar por vagas. Você pode começar devagar, perguntando a amigos e familiares se eles conhecem algum profissional da sua área com quem você poderia conversar e pedir dicas. Quem sabe você não encontra alguém disposto a apresentá-lo à empresa e indicá-lo? O pai da noiva do seu amigo pode ser um empresário e saber para quem te encaminhar. Você nunca saberá se não perguntar!
Às vezes, você pode encontrar uma vaga na emprega dos seus sonhos, mas não necessariamente na sua área profissional. Antes de descartar a possibilidade, verifique se, com algum tempo na empresa, você conseguiria ser transferido de departamento ou ser promovido.
Não descarte nenhuma possibilidade antes de analisá-la com afinco. O mais importante nesta fase de procura é determinação e força de vontade. Ter uma meta ajuda a manter o foco no ponto de chegada. Boa sorte!



http://www.hotcourses.com.br/study-abroa...fissional/
Responda-o
#8
Minha opinião é, procurem trabalhos informais, o rendimento costuma ser muito maior do que se imagina, eu por exemplo sou vendedor e estou muito acima do teto "padrão", mas foram anos e anos de sacrifício até o negócio engrenar, mas o que to falando é o seguinte, procurem se especializar em áreas da qual sempre se precisa de mão de obra, como por exemplo, pequenos reparos, tem que deixar o ego um pouco de lado também.
Foi a guerra quem em mim despertou um animal 

Ask mais badass da rede Big Grin : ask.fm/warMR 
Responda-o
#9
Mão gosto de ficar fazendo "merchan" do meu blog, mas esse artigo aqui é pertinente. Se eu não tivesse minha empresa estabelecida hoje e fosse trabalhar por conta com algo, abria um MEI, pagava lá os 40 e poucos reais por mês da contribuição e sonegaria até a puta que pariu.
Responda-o
#10
Experiência profissional X qualificação pessoal

É difícil entender como pessoas com admirável capacitação, qualificações e conhecimentos ficam tanto tempo em busca de emprego.
[Image: member_70167.jpg?v=1357864056]
Seguir + Edvan Reis, 2 de agosto de 2010

Com o mercado de trabalho cada vez mais competitivo e exigente, fica mais complicado destacar-se em meio a tantos candidatos. Mesmo que sejam capacitados, os profissionais continuam fora do mercado de trabalho.
 
Muitas empresas, na maioria de pequeno e médio porte, acreditam que por colocar um produto novo no mercado atrairá a atenção e fidelizará o cliente com facilidade, enganam-se, porém, dependerá da estratégia de marketing usada, até atraí-lo, mas para torná-lo fiel muita informação e qualidade do produto, que se fortalece com a comprovação da veracidade dos fatos expostos sobre o produto pela empresa, terá que vir a tona através dos meios viáveis de informação para seu publico alvo.

É dessa forma também que os profissionais emergentes são vistos como um novo produto no mercado competitivo, exigente, ou seja, globalizado. As empresas precisam saber claramente e até comprovadamente quais são as qualificações desse candidato para assim poder compará-lo com os demais e o eleger para determinada função baseada nas informações doadas pelo próprio. E esse processo pode até ser chamado de introdução ao trabalho, porém para manter-se na função todas as informações terão que ser comprovada na prática.

A maior dificuldade que os novos profissionais encontram para se engajar no mercado de trabalho é um histórico de experiência comprovada em seu curriculo, por não possuirem essa bagagem profissional acabam estagnendo-se no mundo dos concursos. Com isso cresce o desemprego, aumenta-se a competitividade em cursos, concursos e etc. É difícil entender como pessoas com admirável capacitação, qualificações e conhecimentos ficam tanto tempo em busca de emprego.

A solução pode estar no marketing pessoal, um diferencial esperado pelas empresas. O marketing pessoal pode ser definido como uma estratégia individual para atrair e desenvolver contatos e relacionamentos interessantes, bem como para dar visibilidade às características, habilidades e competências relevantes na perspectiva da aceitação e do reconhecimento por parte de quem contrata ou auxilia na contratação.

O reconhecimento é fundamental para diferenciar e situar um individuo no contexto social em que vive, e determina, em grande parte, a maneira como ele estará posicionado para o sucesso profissional e pessoal. O modelo de sociedade em que vivemos dita padrões de competitividade extremamente elevados em praticamente todas as áreas. Por isso é preciso utilizar todo marketing pessoal possível, redes de contato: Orkut, Twiter, Facebook, Blogs, empresas de recrutamento e seleção online, possuir um bom networking e acima de tudo ser determinado e persistente.
No mundo competitivo em que se vive, é grande a importância de um diferencial na atuação dos profissionais. A trajetória pessoal e profissional sempre foi e continuará sendo, um patrimônio individual a ser administrado com rigor e competência. O profissional deve construir uma marca pessoal no universo onde atua, sendo essa a sua principal ferramenta para se posicionar diante dos desafios. A inércia, nos dias de hoje, custa muito caro, em termos de carreira profissional e pode afetar inclusive as atividades do seu dia-a-dia. (Eliane Doin. Diretora da Fictus Consultoria e Treinamento)



http://www.administradores.com.br/artigo...oal/46966/
Responda-o
#11
A oportunidade dos temporários


20/10/2003 - A atividade garante a experiência profissional que geralmente faz falta no currículo do candidato a uma vaga

É um dilema na cabeça de todo o jovem. Como adquirir experiência profissional para que as portas do mercado de trabalho se abram com mais facilidade? A resposta pode estar numa modalidade muito popular fora do País, mas que aqui ainda encontra certa resistência por parte dos adolescentes e dos próprios empregadores: o trabalho temporário. “É uma oportunidade válida para o jovem, porque ele adquire certa vivência e pode aproveitar o período de férias para trabalhar”, diz Jan Wiegerinck, presidente da Gelre, a maior empresa de recrutamento de trabalhadores temporários do Brasil. A Gelre, fundada há 45 anos, administra atualmente 30 mil temporários em todo o País. Ao contrário do que se imagina, esse tipo de funcionário tem todos os direitos garantidos por lei. A empresa que o contrata recolhe todos os impostos e tributos trabalhistas, e o empregado recebe 13º salário e férias proporcionais ao período de atividade. A única diferença é que ele trabalhará por um período de tempo definido, de três meses, prorrogáveis por mais três meses.

“Esse modelo dá uma oportunidade para que o jovem adquira experiências variadas”, alerta Christina Bicalho, diretora de marketing do Student Travel Bureau, STB, uma entidade que organiza viagens de estudantes para o exterior. A cada temporada o STB despacha para o exterior cerca de 900 jovens. O destino principal são os EUA. O STB tem um convênio com a Disney que lhe permite enviar trabalhadores temporários para os parques, hotéis e navios administrados pela empresa americana. Os jovens pagam apenas a passagem até os Estados Unidos e recebem um salário de US$ 6 a US$ 12 por hora de trabalho. Em geral, ficam por lá de três a quatro meses nos meses de novembro a fevereiro. Em alguns casos, eles conseguem voltar para casa com um pé-de-meia de até US$ 2 mil. Na bagagem, ainda trazem um domínio muito maior do idioma inglês.

Essa foi uma das principais motivações para que Roberta Guimarães Frederico, de 21 anos, saísse do Brasil em novembro de 2002, desembarcasse na Disney, trabalhasse por lá e retornasse três meses depois. Estudante do quarto ano de Desenho Industrial na FAAP, em São Paulo, ela aproveitou o dinheiro que ganhou para bancar um cruzeiro marítimo pelas Bahamas. “Mas o melhor foi que aprimorei bastante o inglês”, conta ela. “Fiz muitas amizades e conheci uma cultura diferente da brasileira.” Em sua avaliação, a presença dessa experiência no currículo também a ajudou a obter uma vaga de estagiária na AM6, uma agência paulistana de design gráfico. “No mínimo, essa experiência revelou que tenho noções das responsabilidades e obrigações exigidas em um ambiente de trabalho”, resume ela.

O que é temporário pode se tornar definitivo. Aos 22 anos, Josias Genésio Mendes ingressou em 2001 em uma metalúrgica de porte médio no bairro da Vila Carioca, em São Paulo. Ficaria ali como auxiliar de produção durante três meses, em substituição a um operário afastado por motivo de doença. Passado esse
período inicial foi convidado a permanecer por mais um mês para cobrir férias de um outro funcionário. Aceitou e trabalhou por mais 30 dias. Quando estava arrumando seus pertences para ir embora, foi chamado na sala do chefe. “Ele me contou que abrira uma vaga na empresa e perguntou se eu gostaria de ocupá-la”, conta Mendes. “Topei na hora.” Hoje ele concilia o emprego com um curso técnico na área de instrumentação e vê um mundo se abrir diante de seus olhos. “Depois de concluir o curso, vou tentar ingressar em uma faculdade de engenharia”, planeja. “Ainda viro diretor de uma empresa.”


http://www.cmconsultoria.com.br/novo/ifr...odigo=6763
Responda-o
#12
(25-08-2015, 10:52 PM)Mr. Rover Escreveu: Mão gosto de ficar fazendo "merchan" do meu blog, mas esse artigo aqui é pertinente. Se eu não tivesse minha empresa estabelecida hoje e fosse trabalhar por conta com algo, abria um MEI, pagava lá os 40 e poucos reais por mês da contribuição e sonegaria até a puta que pariu.

[Image: troll+face.jpg]
Falando sério, conheço gente que segue esse esquema do post do Rover, sempre tem demanda, independente de crise tem coisas que as pessoas sempre precisam.

Esse trecho do texto dele resume.

Citação:Fato é, hoje muitas profissões que são NECESSÁRIAS para que qualquer país aconteça são ridicularizadas no Brasil. Essas profissões geralmente não recebem o respeito que merecem. O mal do brasileiro é julgar a pessoa pelas suas posses, aparência e geralmente seu trabalho, não pelo que as pessoas são. - See more at: http://projetofreelifestyle.blogspot.com...up1Wi.dpuf
Responda-o
#13
Alguém poderia acrescentar algo mais sobre marketing pessoal? Estou com problemas nesse quesito.
"E, se tiver de cair, caia com os revólveres fumegando." - Roland Deschain
Responda-o
#14
(05-09-2015, 10:47 PM)RolandDeschain Escreveu: Alguém poderia acrescentar algo mais sobre marketing pessoal? Estou com problemas nesse quesito.

Para melhorar o  marketing pessoal, vc precisa demonstar iniciativa, ser autoconfiante, apresentar uma postura dominante, se vestir bem....

Textos recomendáveis:

O Marketing Pessoal Eficaz

Dicas Profissionais: Marketing Pessoal em 7 passos

No mais, o foco desse tópico é sobre como adquirir experiência e capacitação profissional. Não há marketing pessoal melhor do que ser um trabalhador capacitado.
Responda-o
#15
(05-09-2015, 10:47 PM)RolandDeschain Escreveu: Alguém poderia acrescentar algo mais sobre marketing pessoal? Estou com problemas nesse quesito.

Leia este livro, fará milagres na sua vida:

[Image: como-fazer-amigos-e-Influenciar-pessoas.png]
Responda-o
#16
A verdade é que aqui no BR nada dessas teorias funcionam. Tem que contar c a sorte na maioria dos casos p ser bem sucedido profissionalmente

Responda-o
#17
Zeta, estou gostando muito de alguns dos seus tópicos.

Você tem algum material que possa auxiliar advogados no empreendedorismo?  Cool Grato.
Responda-o
#18
(12-09-2015, 01:07 AM)Loki Escreveu: Zeta, estou gostando muito de alguns dos seus tópicos.

Você tem algum material que possa auxiliar advogados no empreendedorismo?  Cool Grato.

Não posso te ajudar na questão de advogar, mas acredito que qql empreendimento tenha os mesmos principios.


Acesse no facebook ou youtube o geração de valor, o cara dá várias dicas e ensinamentos para empreendedores.
Responda-o
#19
(12-09-2015, 01:07 AM)Loki Escreveu: Zeta, estou gostando muito de alguns dos seus tópicos.

Você tem algum material que possa auxiliar advogados no empreendedorismo?  Cool Grato.


Eu não sou advogado, muito longe disso, mas eu tenho uma opinião sobre que pode ser de valia. Aliás, é algo que se encaixa em qualquer tipo de negócio:  aparência.


Vamos pensar com lógica. Tirando o talento e conhecimento jurídico, tirando o network que um advogado tem que ter dentro de um forum, depois disso, o que atrai um cliente para o seu escritório?


Parecer bem sucedido. Ter uma aparência de seriedade e profissionalismo. Ainda mais sendo advogado. O brasileiro enxerga o advogado bem sucedido como aquele profissional que sempre está com terno impecável e sua pasta. 


Use o jogo das aparências ao seu favor, confrade. Mas é claro, a aparência de nada vale se o seu serviço ou produto não for de qualidade. O cliente nunca mais volta se ele não sentir que o dinheiro que ele gastou com vc não valeu a pena.
Responda-o
#20
Aparência é um coisa importante

Mas Aquele tal de kakay parece um hippie maconheiro e é uns dos advogados mais poderosos do huezil

Enviado de meu XT1069 usando Tapatalk
Responda-o


Pular fórum:


Usuários visualizando este tópico: 1 Visitante(s)