Avaliação do Tópico:
  • 1 Voto(s) - 5 em Média
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
[DEBATE] Dar o fora do Brasil
Complementado, fato é que a nossa educação é fraquíssima, sendo necessário estudar por conta própria. Por conta disso e outros fatores que os cursos e faculdades brasileiras não são valorizadas lá fora, restando os sub-emprego para quem se arrisca tenta a vida como ilegal. Outros meios de sair já foram debatidos nas páginas anteriores, e ressalto que o talento é a melhor forma de sair desse país.

Spoiler Revelar
(29-09-2019, 11:23 PM)FuturoAlguem Escreveu:
(25-09-2019, 07:26 AM)elc001 Escreveu: O brasileiro acha que sair do pais resolve o seu problema....Estou morando a 5 anos na Australia e posso dizer que se vc tem um emprego mediano no Brasil ganha entre 2,5k pense 2x antes de fazer isso.

Posso dizer por experiencia propria a maioria das pessoas vai quebrar a cara e voltar com o rabo entre as pernas. Se vier ilegal pra ca... vc ta fudido as vagas que valem a pena sao so pra quem esta legal, a lingua e uma barreira ferrada pra brasileiros porque normalmente nao estudam ou se desenvolvem vivem em casas so com brasileiros vivendo o brazilian style fora do pais. A pior barreira de todas e que as melhores vagas de trabalho sao para quem tem o visto permanente e conseguir o visto e um parto de varios anos estudando,sofrendo e gastando muito dinheiro nesse meio tempo para talvez dar certo.

So recomendo se vc for jovem e nao tiver profissao ainda ou ja vir com o visto de resident porem venha com furia de guerreiro que vc vai precisar. Profissoes simples aqui te proporcionam uma boa vida se vc tiver cabeca.


Um gerente de banco aqui da minha cidade que ganhava lá seus 7~8lk reais pediu demissão e caiu fora pra Australia, no começo era delivery e hoje em dia virou ajudante de cozinheiro..

Esse é o grande divisor para mim. Se o cara já estava ganhando mais que a média aqui, só vejo satisfação profissional e uma brusca qualidade de vida para larga a boca aqui e se aventurar no mundão.
Responda-o
Citação:Um gerente de banco aqui da minha cidade que ganhava lá seus 7~8lk reais pediu demissão e caiu fora pra Australia, no começo era delivery e hoje em dia virou ajudante de cozinheiro..

Isso nao quer  dizer nada so que ele nao mora mais no Brasil...

Isso nao quer dizer que ele vai poder ficar aqui por muito tempo.

Isso nao quer dizer que a vida dele esta sendo facil e melhor do que era.

A real e que muitos nao pensam e que as redes sociais so vao mostrar a melhor parte de morar fora. Ninguem que esta se fodendo posta isso no instagram kkkkk

Como disse no post anterior a maioria vem pra ca se fode e volta com o rabo entre as pernas. Muitos sem dinheiro,sem ingles e o pior de tudo sem ter aprendido a se virar.
Responda-o
Para os que gostam de se aventura:





Em resumo, os três passos que ele desenvolve são:

- Ganhar dinheiro de forma autônoma (visto que o cidadão exemplo é um trabalhador comum, com salário comum);

- Mudança de hábitos ( o que incluir reduzir os gastos afim de chega no valor mais rapidamente)

- Adquiri habilidades valiosas para o mercado de trabalho (preferencialmente formal para quem quer fica no país em questão)

Achei plausível, já que, a princípio, sairia como a maioria: sem uma proposta de emprego e  uma quantia razoável; No entanto, estaria mais preparado: a língua já não seria um abismo e o principal, teria uma habilidade que poderá ajuda-lo a ganhar uma grana ou até ser contratado por uma empresa.
Responda-o
O irmão do meu colega foi pro Canadá trabalhar com a profissão que já exercia aqui, Analista de Dados, e está muito bem. No começo reclamava do clima, mas agora parece que se acostumou. Em cinco anos, já fala Inglês e Francês fluentemente. Economiza muito dinheiro e manda todo mês uns 800 dólares pra ajudar os pais idosos aqui. Não pretende voltar. É o único caso de "sucesso" que conheço. O restante é tudo trabalhando em subemprego, gastando tudo sem planejamento pro futuro.
"Escola? E o aprendizado com os próprios erros? A experiência te faz professor de si próprio".
Responda-o
(07-10-2019, 02:21 AM)Bilidequedi Escreveu: O irmão do meu colega foi pro Canadá trabalhar com a profissão que já exercia aqui, Analista de Dados, e está muito bem. No começo reclamava do clima, mas agora parece que se acostumou. Em cinco anos, já fala Inglês e Francês fluentemente. Economiza muito dinheiro e manda todo mês uns 800 dólares pra ajudar os pais idosos aqui. Não pretende voltar. É o único caso de "sucesso" que conheço. O restante é tudo trabalhando em subemprego, gastando tudo sem planejamento pro futuro.

Se vc sair com ingles, profissao e visto. Pode vir que e sucesso.
Responda-o
(07-10-2019, 02:21 AM)Bilidequedi Escreveu: O irmão do meu colega foi pro Canadá trabalhar com a profissão que já exercia aqui, Analista de Dados, e está muito bem. No começo reclamava do clima, mas agora parece que se acostumou. Em cinco anos, já fala Inglês e Francês fluentemente. Economiza muito dinheiro e manda todo mês uns 800 dólares pra ajudar os pais idosos aqui. Não pretende voltar. É o único caso de "sucesso" que conheço. O restante é tudo trabalhando em subemprego, gastando tudo sem planejamento pro futuro.

De nada adianta ganhar bem num país frio e densamente pouco povoado, mais ainda num país considerado de '1º mundo'.

Que mancada esse cara mandando dinheiro pros pais... um eventual filho fica com futuro comprometido.
Responda-o
Cada caso é um caso...

Tenho basicamente dois tipos de conhecidos que foram tentar a sorte no exterior:
1 - Os que foram transferidos de uma empresa multinacional aqui com sede nos EUA/Europa. Foram com visto de trabalho oficial, green card, colocação boa... ou seja, lavando a égua. Isso não é coisa de 1% ou menos dos que eu conheço que foram.
Vantagens: qualidade de vida em relação a segurança, criação dos filhos, preço de bens duráveis baixo.
Desvantagens: certo isolamento social (em relação ao que viviam no BR), saudades absurdas da família e uma coisa da minha percepção em relação aos homens: vida sexual abaixo do medíocre, para os homens casados. Isso é uma coisa que observo muito atentamente.

2 - Os que foram ilegais trabalhar em subempregos. Esses se subdividem em outros dois grupos (vou chamar de A e B):
A) Grupo dos que já eram fudidos aqui: esses costumam se dar até bem. Lavar pratos nos EUA é bem melhor que lavar pratos aqui. Vai levar uma vida muito mais digna, mas vai ralar feito louco.
B) Grupo dos que já tinham emprego ou estudo razoável aqui, mas foram "por que lá fora é muito melhor que essa merda", meio modinha até. Esses SE FODEM lá fora, trabalham feito loucos, não tem vida social, gastam tudo que ganham e normalmente voltam com o rabo no meio das pernas.

Em comum aos grupos A e B: os homens têm uma visa sexual PATÉTICA. Habitam o subsolo da pirâmide masculina local, são invisíveis para as mulheres nativas e raramente conseguem algo com alguma latina por lá. Muito raro mesmo, pois as latinas estão atrás dos gringos pra conseguir cidadania via casório. E conheço vários e vários casos de casais que foram na condição B e a mulher largou o cara por um gringo ou brasileiro com cidadania. Ou seja o cara levou a mulher dele pros outros comerem.

Minha opinião HOJE: Na maioria dos casos, para o HOMEM, não vale a pena. Vejo raríssimos casos de sucesso (pra quem foi ilegal) e ainda por cima esse tipo se dá muito, mas muito mal sexualmente. Mesmo os poucos que se deram bem financeiramente por lá e tentam voltar aqui só pra "importar" uma mulher, se fodem.
Já para a mulher BR de beleza MEDIANA, nem sei o que está fazendo por aqui. Tenho amigas nota 6 que em menos de 6 meses no USA eram disputadas na porrada pelos gringos, com mais de uma proposta de casamento...

Já fui várias vezes pros EUA a trabalho. Fiquei muito tempo lá observando as pessoas. Quem foi sabe: mulherada (na média, comparado com aqui) feia pra caralho, gorda, insuportavelmente chatas, se acham. Feminismo muito mais forte do que aqui. Os caras se fodem na mão da mulherada lá... imagine um latino, mal falando a língua, subemprego. Tá fudidaço.

Minha conclusão pessoal: mais negócio tentar o desenvolvimento pessoal aqui mesmo.
Responda-o
(08-10-2019, 05:54 PM)Hombre de hielo Escreveu:
(07-10-2019, 02:21 AM)Bilidequedi Escreveu: O irmão do meu colega foi pro Canadá trabalhar com a profissão que já exercia aqui, Analista de Dados, e está muito bem. No começo reclamava do clima, mas agora parece que se acostumou. Em cinco anos, já fala Inglês e Francês fluentemente. Economiza muito dinheiro e manda todo mês uns 800 dólares pra ajudar os pais idosos aqui. Não pretende voltar. É o único caso de "sucesso" que conheço. O restante é tudo trabalhando em subemprego, gastando tudo sem planejamento pro futuro.

De nada adianta ganhar bem num país frio e densamente pouco povoado, mais ainda num país considerado de '1º mundo'.

Que mancada esse cara mandando dinheiro pros pais... um eventual filho fica com futuro comprometido.

Por que mancada? Os pais deles tem uma aposentadoria miserável, e com mais de 70 anos. Eu faria o mesmo se estivesse morando fora. O cara deve ganhar uns 4,5 mil dólares por mês e é extremamente econômico, nao chega a gastar 1k com despesas, então deve guardar todo mês brincando uns 2k.

Nao entendi seu comentário.
"Escola? E o aprendizado com os próprios erros? A experiência te faz professor de si próprio".
Responda-o
(09-10-2019, 06:24 PM)Bilidequedi Escreveu:
(08-10-2019, 05:54 PM)Hombre de hielo Escreveu: De nada adianta ganhar bem num país frio e densamente pouco povoado, mais ainda num país considerado de '1º mundo'.

Que mancada esse cara mandando dinheiro pros pais... um eventual filho fica com futuro comprometido.

Por que mancada? Os pais deles tem uma aposentadoria miserável, e com mais de 70 anos. Eu faria o mesmo se estivesse morando fora. O cara deve ganhar uns 4,5 mil dólares por mês e é extremamente econômico, nao chega a gastar 1k com despesas, então deve guardar todo mês brincando uns 2k.

Nao entendi seu comentário.

Nem vou estender muito, não é com ninguém daqui... não faz sentido filhos darem dinheiro de forma contínua pros pais.
Responda-o


Pular fórum:


Usuários visualizando este tópico: 1 Visitante(s)