Avaliação do Tópico:
  • 0 Voto(s) - 0 em Média
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
[RELATO] Meu relato de trabalho com as quengas
#21
Pelo relato dá para saber o quão tóxico é esse ambiente. Porém, tudo na vida tem seu preço, incluindo a devassidão.
Responda-o
#22
@Haggar

O ambiente é pedreira mesmo, tanto nas de mais alto nível, quanto nas de nível mais baixo, o abismo é o mesmo.

O homem que além do programa, ainda procura outros tipos de envolvimentos com GPs vai receber toda a 'carga negativa' de seus ambientes.
Responda-o
#23
Nunca fui em puteiro mas um dia quero ir,só pela experiência.acredito que a promiscuidade seja algo natural.
Responda-o
#24
Bom relato , É interessante a degradação pois entram de um modo e sai 100x pior; Se não me engano dizem que o ambiente criam a personalidade das pessoas ou podem alterar.
Ayanokoji diz : "Reis não se misturam com bobos da corte!"
Responda-o
#25
Essas mulheres fazem de tudo para obter qualquer vantagem, não ligam para o que os outros pensam e nem o que precisa ser feito. O fato é que dificilmente irão mudar de vida.
Responda-o
#26
Eu frequentava as boates aqui da minha cidade, e essa história e a mesma muda somente o nome e endereço, mas o enredo e o mesmo.
Eu dei um tempo depois que li um artigo no blog quebrando mitos sobre luxúria e Exu e pomba gira, estou vasculhando o Badoo.
E depois que dei um tempo nas idas a boate consegui um bicos que amentou minha renda.
Responda-o
#27
(10-12-2018, 02:06 PM)pipoca Escreveu: Nunca fui em puteiro mas um dia quero ir,só pela experiência.acredito que a promiscuidade seja algo natural.


Se for leva sua camisinha e conversar antes com a GP que quer comer, fala do tempo, o que ela faz, para ela não te enrolar.
E não marca com a carteira
Responda-o
#28
@garotofênix
A degradação é terrível, nos aspectos físico, mental e espiritual ...

@V-Power
Difícil mesmo, conheço um egressa das termas, que mesmo juntada com um cavalheiro branco, sempre sai com seus clientes fiéis da época de GP ... algumas saem da putaria mais a putaria não sai dela, ela apenas desvinculou-se de uma casa de prostituição, ela continua puta em sua essência.

@die01
Muito bem observado, nas casas de prostituição mais ralezinhas do RJ é comum imagens de umbanda em um cantinho, isto é até recorrente.
Responda-o
#29
Por mais que eu odeie admitir, eu pensava que essa vida de ter muitos parceiros só ferrava com a cabeça da mulheres, mas hoje pela primeira vez sinto que possa estar ferrando com a minha também e não falo só em sair com profissionais. É muito fácil se conseguir uma foda (mesmo com uma civil) depois que se alcança um certo status financeiro. Não entendi

A cada dia menos vontade de começar um relacionamento sério eu tenho (apesar de ter tentado engatar dois namoros esse ano) e quando tento, minha paciência está com um nível de menos 9 mil pra qualquer probleminha que mulher cause. Como resultado, estou pulando fora muito mais fácil do que antes. 

O bom de ler este tipo de tópico é que serve como alerta também para o realista, se ele souber filtrar.
Responda-o
#30
(11-12-2018, 11:49 AM)Loki Escreveu: Por mais que eu odeie admitir, eu pensava que essa vida de ter muitos parceiros só ferrava com a cabeça da mulheres, mas hoje pela primeira vez sinto que possa estar ferrando com a minha também e não falo só em sair com profissionais. É muito fácil se conseguir uma foda (mesmo com uma civil) depois que se alcança um certo status financeiro. Não entendi

A cada dia menos vontade de começar um relacionamento sério eu tenho (apesar de ter tentado engatar dois namoros esse ano) e quando tento, minha paciência está com um nível de menos 9 mil pra qualquer probleminha que mulher cause. Como resultado, estou pulando fora muito mais fácil do que antes. 

Bem-vindo ao clube.
[...]
Responda-o
#31
Olá, confrades.

No caso do transporte seria das pizzas que pode-se pedir por app?

(Acho que deu para sacar)
Responda-o
#32
(11-12-2018, 05:45 PM)Gashead Escreveu:
(11-12-2018, 11:49 AM)Loki Escreveu: Por mais que eu odeie admitir, eu pensava que essa vida de ter muitos parceiros só ferrava com a cabeça da mulheres, mas hoje pela primeira vez sinto que possa estar ferrando com a minha também e não falo só em sair com profissionais. É muito fácil se conseguir uma foda (mesmo com uma civil) depois que se alcança um certo status financeiro. Não entendi

A cada dia menos vontade de começar um relacionamento sério eu tenho (apesar de ter tentado engatar dois namoros esse ano) e quando tento, minha paciência está com um nível de menos 9 mil pra qualquer probleminha que mulher cause. Como resultado, estou pulando fora muito mais fácil do que antes. 

Bem-vindo ao clube.

Machistas. trollface

Falando sério agora. Isso acontece porque não encontraram o verdadeiro amor.

Spoiler Revelar
trollface

Agora sem zoeira.

As vezes não tem ninguém na praça que valha a pena um esforço maior.
"Há um amplo fosso de aleatoriedade e incerteza entre a criação de um grande romance – ou joia, ou cookies com pedaços de chocolate – e a presença de grandes pilhas desse romance – ou joia, ou sacos de biscoitos – nas vitrines de milhares de lojas. É por isso que as pessoas bem-sucedidas em todas as áreas quase sempre fazem parte de um certo conjunto – o conjunto das pessoas que não desistem." O andar do bêbado.
Responda-o
#33
Spoiler Revelar
(26-10-2018, 05:32 PM)Fernando_R1 Escreveu: Antes de mais nada cabe ressaltar que todas as pessoas aqui citadas terão seus nomes verdadeiros omitidos. As experiências aqui relatadas aconteceram a mais de 10 anos. (vou esmiuçar as histórias mais a frente). E para a leitura não ficar enfadonha, vou escrever ainda uma parte II, onde vou relatar os 'causos'.

Antes do tom jocoso do meu texto quero divagar aqui sobre a superficialidade assustadora da forma que lidamos sobre o tema da prostituição, muitos tratam isto como se fosse apenas uma questão de escolha da mulher, como se a prostituição fosse tão superficial como começar a fazer bolo de chocolate ou ir a academia. Outro ponto que acho importante é tentar passar minha humilde experiência com as minhas impressões. Vou dividir o texto em duas partes para o texto não ficar enfadonho.

A julgar pela glamourização da atividade, como se o destino de toda moça que se prostitui é encontrar um cliente fosse um Richard Gere fofo (como no filme Pretty Woman) a prostituição cobra um preço severo não só pelo lado físico e mental, como agressões físicas, uso de drogas pesadas, etc.

Na minha convivência  com as meretrizes o dano mais significativo nas mulheres que se prostituem é na essência, na alma feminina ... É nítida  a degradação da feminilidade pura, especialmente no caso das meninas novatas, em menos de 6 meses era possível ver mudanças drásticas de postura e comportamento, além do indefectível 'olhar das mil rolas' ... Tudo isso fica atestado pelo vocabulário, pela forma de andar e por sua vestimenta, tatuagens, etc. Algumas até desejam ser discretas, mas sempre algum vício acaba ficando evidente

No geral, boa parte das mulheres que entram para este mercado, ajuntam a fome com a vontade de comer, boa parte começou cedo na hipergamia e o fato de cobrar pelo coito, pelo menos torna sua promiscuidade algo lucrativo, nem preciso dizer que boa parte delas é filha de pais separados e de lares com estrutura familiar totalmente desajustada;

Muitas delas assumem abertamente suas atividade, é claro qe elas não colocam em seu perfil de rede social que é meretriz, mas em boa parte dos casos os pais já sabem das atividades das filhas e estas com aprovação tacita da família, vem não escondem de ninguém que usam o corpo para ganhar dinheiro. Boa parte delas omite que trabalha como GP, para isto inventam toda sorte de empregos, com contextos para lá de doidos, outras dão a desculpa que estão na prostituição por falta de opção e por estarem na pindaíba financeira, ou precisar da grana para custear os estudos, posso dizer que estas que entram pelo fator utilitário, geralmente ficavam pouco tempo, pois seu objetivo na verdade é usar a atividade no baixo meretrício para colar com um sugar-daddy;

A forma que a mídia retrata as piranhas nas novelas chega a ser piegas e caricata, o que gera mitos e deturpações bizarras vou tentar colocar algumas aqui:

- Ser puta dá dinheiro:  as novelas retratam isto de forma totalmente bizonha e aquelas putas que seriam as bem sucedidas conseguiram consolidar uma boa rePUTAção e uma carteira e clientes a ponto delas se auto gerenciar, mas este número é bem restrito, seria o mesmo que dizer que todo jogador profissional de futebol ganhará o que o Neymar ganha.

- A putaria de luxo é tranquila sim: Que nada! Mesmo as quengas que cobram acima de R$250,00 a hora, até pelo fato da meretriz ou da casa cobrar caro pela foda, os caras exigem as piores escatologias e é bom que elas se submetam as doideiras e façam as coisas sem frescura;

- Nas novelas sempre aparece um homem fofo que trata a piranha como o Richard Gere tratou a Julia Roberts: Uma ova! Ser piranha é conhecer o pior do lado masculino é sair com malucos tarados por sexo anal, casais desajustados com gostos malucos, 'homens casados que gostam de ser fodidos pelas quengas com cintas de pica de silicone, orgias com traficantes e policiais barra pesada regadas com bebidas alcoolicas e drogas pesadas;

- Mesmo que a moça ache um sugar daddy que a sustente com uma mesada financeira, ou consiga um white knight inspirado em Odair José, o problema em questão é que as moças não conseguem se adaptar a uma vida no estilo família feliz e voltam para o quengal, é como o porco que não vai gostar de ficar no pasto verdinho, mas sim chafurdar na lama e comer lavagem;

Conforme vou puxando o software da memória cerebral, vou contar os causos na parte II
 
Pesado esse texto assim como a vida. 
Na lata e sem enrolação. 

Vou ler a segunda parte depois .
A vida passa como um conto ligeiro. 
Responda-o
#34
(21-04-2019, 01:39 PM)Mr.Lothbrok Escreveu:
Spoiler Revelar
(26-10-2018, 05:32 PM)Fernando_R1 Escreveu: Antes de mais nada cabe ressaltar que todas as pessoas aqui citadas terão seus nomes verdadeiros omitidos. As experiências aqui relatadas aconteceram a mais de 10 anos. (vou esmiuçar as histórias mais a frente). E para a leitura não ficar enfadonha, vou escrever ainda uma parte II, onde vou relatar os 'causos'.

Antes do tom jocoso do meu texto quero divagar aqui sobre a superficialidade assustadora da forma que lidamos sobre o tema da prostituição, muitos tratam isto como se fosse apenas uma questão de escolha da mulher, como se a prostituição fosse tão superficial como começar a fazer bolo de chocolate ou ir a academia. Outro ponto que acho importante é tentar passar minha humilde experiência com as minhas impressões. Vou dividir o texto em duas partes para o texto não ficar enfadonho.

A julgar pela glamourização da atividade, como se o destino de toda moça que se prostitui é encontrar um cliente fosse um Richard Gere fofo (como no filme Pretty Woman) a prostituição cobra um preço severo não só pelo lado físico e mental, como agressões físicas, uso de drogas pesadas, etc.

Na minha convivência  com as meretrizes o dano mais significativo nas mulheres que se prostituem é na essência, na alma feminina ... É nítida  a degradação da feminilidade pura, especialmente no caso das meninas novatas, em menos de 6 meses era possível ver mudanças drásticas de postura e comportamento, além do indefectível 'olhar das mil rolas' ... Tudo isso fica atestado pelo vocabulário, pela forma de andar e por sua vestimenta, tatuagens, etc. Algumas até desejam ser discretas, mas sempre algum vício acaba ficando evidente

No geral, boa parte das mulheres que entram para este mercado, ajuntam a fome com a vontade de comer, boa parte começou cedo na hipergamia e o fato de cobrar pelo coito, pelo menos torna sua promiscuidade algo lucrativo, nem preciso dizer que boa parte delas é filha de pais separados e de lares com estrutura familiar totalmente desajustada;

Muitas delas assumem abertamente suas atividade, é claro qe elas não colocam em seu perfil de rede social que é meretriz, mas em boa parte dos casos os pais já sabem das atividades das filhas e estas com aprovação tacita da família, vem não escondem de ninguém que usam o corpo para ganhar dinheiro. Boa parte delas omite que trabalha como GP, para isto inventam toda sorte de empregos, com contextos para lá de doidos, outras dão a desculpa que estão na prostituição por falta de opção e por estarem na pindaíba financeira, ou precisar da grana para custear os estudos, posso dizer que estas que entram pelo fator utilitário, geralmente ficavam pouco tempo, pois seu objetivo na verdade é usar a atividade no baixo meretrício para colar com um sugar-daddy;

A forma que a mídia retrata as piranhas nas novelas chega a ser piegas e caricata, o que gera mitos e deturpações bizarras vou tentar colocar algumas aqui:

- Ser puta dá dinheiro:  as novelas retratam isto de forma totalmente bizonha e aquelas putas que seriam as bem sucedidas conseguiram consolidar uma boa rePUTAção e uma carteira e clientes a ponto delas se auto gerenciar, mas este número é bem restrito, seria o mesmo que dizer que todo jogador profissional de futebol ganhará o que o Neymar ganha.

- A putaria de luxo é tranquila sim: Que nada! Mesmo as quengas que cobram acima de R$250,00 a hora, até pelo fato da meretriz ou da casa cobrar caro pela foda, os caras exigem as piores escatologias e é bom que elas se submetam as doideiras e façam as coisas sem frescura;

- Nas novelas sempre aparece um homem fofo que trata a piranha como o Richard Gere tratou a Julia Roberts: Uma ova! Ser piranha é conhecer o pior do lado masculino é sair com malucos tarados por sexo anal, casais desajustados com gostos malucos, 'homens casados que gostam de ser fodidos pelas quengas com cintas de pica de silicone, orgias com traficantes e policiais barra pesada regadas com bebidas alcoolicas e drogas pesadas;

- Mesmo que a moça ache um sugar daddy que a sustente com uma mesada financeira, ou consiga um white knight inspirado em Odair José, o problema em questão é que as moças não conseguem se adaptar a uma vida no estilo família feliz e voltam para o quengal, é como o porco que não vai gostar de ficar no pasto verdinho, mas sim chafurdar na lama e comer lavagem;

Conforme vou puxando o software da memória cerebral, vou contar os causos na parte II
 
Pesado esse texto assim como a vida. 
Na lata e sem enrolação. 

Vou ler a segunda parte depois .
Eu já fiz a parte dois  @"Mr.Lothbrok" 

A propósito, neste fim de semana eu vi uma GP dos tempos que eu trabalhava no ramo, ela estava bem gorda, e só a reconheci por uma tatuagem que ela tinha desde os tempos de putaria (quando jovem era estilo cavalona, muito gostosa).
Responda-o
#35
[
Spoiler Revelar
quote="Fernando_R1" pid='72835' dateline='1555939959']
(21-04-2019, 01:39 PM)Mr.Lothbrok Escreveu: [spoiler] 
Pesado esse texto assim como a vida. 
Na lata e sem enrolação. 

Vou ler a segunda parte depois .

Eu já fiz a parte dois  @"Mr.Lothbrok" 

A propósito, neste fim de semana eu vi uma GP dos tempos que eu trabalhava no ramo, ela estava bem gorda, e só a reconheci por uma tatuagem que ela tinha desde os tempos de putaria (quando jovem era estilo cavalona, muito gostosa).

[/quote]

Daora espero que tu faça uma parte III, pois sua escrita ficou de forma clara, como funciona esse meio e sem glamourização. Esse tom sombrio e realista é o que precisamos.
A vida passa como um conto ligeiro. 
Responda-o
#36
@"Mr.Lothbrok"

Uma das maiores desgraças é esse glamour da putaria e da promiscuidade sem 'efeitos colaterais' veja o histórico das putas rodadas, nenhuma sai ilesa dessa vida, pesam efeitos físicos e espirituais também, cargas e energias pesadíssimas.

Até para o homem que participa dessas coisas é meio brabo.

Eu não fiz a parte III pois as histórias iam ser repetitivas, além do que algumas histórias bizarras nãos serem novidade nenhuma para os confrades;

Mas aí, até que eu tenho saudade das piranhas, algumas eram engraçadas e tinha sempre uma ou outra que me dava um boquetinho 'de grátis' no carro. Ainda mais quando dava carona para as damas em suas residências
Responda-o
#37
Tenho muitas histórias com as quengas...
Devido a área e posição em que atuo, é muitíssimo normal, após fechamentos de grandes negócios, levar o cliente num puterão bacana. E claro, pagar a conta. É de praxe também eu sair com a alguma quenga por conta da firma...
Isso foi muito frequente no começo dos anos 2000, hoje já diminuiu muito; os clientes sacaram que quem paga a conta, no final, é eles mesmos. É a crise (rs).
Mas enfim, queria contar uma historinha que me marcou.
Negocião fechado, cliente quis ir numa massagem que ele conhecia e eu não. Ok, vamos lá. Dinheiro de hoje, uns 200 contos pela massagem + uns 100 pra comer a puta.
O de sempre: casa bacana na região dos jardins, vc chega e tem o desfile pra vc escolher uma que te agrade. O cara pegou uma que pelo jeito ele já conhecia, chamei ela de canto e já deixei acertada a foda do meu cliente. Eu peguei uma morena (tipo kardashian) gostosíssima e bem solícita e carinhosa na massagem. Paguei a diferença direto com ela e foi de primeira.
Até aí, roteiro normal. Como o cara tava demorando e eu tinha muito tempo e era o último cliente dela naquela noite, tomamos um banho juntos e ficamos trocando ideias.
Daqui a pouco, ela me mostra através das venezianas da janela (era um quarto no andar de cima com vista pra rua), um carro parado na rua, com um cara na frente e uma criança atrás. Ela disse NA MAIOR NATURALIDADE DESSE PLANETA:
Ela: Ah, chegou meu namorado pra me buscar!
Eu: O quê? Namorado?
Ela: Isso, e trouxe meu filho junto...
Eu: Ele sabe o que vc faz?
Ela: Eu digo que sou terapeuta, faço massagens com shiatsu, etc. Ele acredita, ou pelo menos finge...

O carro do cara era meio zoado na época. Ela me mostrou uma foto com os 3 juntos (o cara, ela e o filho) e deu pra notar que o cara tinha um visual MUITO abaixo do dela. O tipo betão mesmo. Detalhe: o filho não era do cara. E na foto notava-se a cara de APAIXONADO dele.

Esse sim era o verdadeiro CAPITÃO SALVA PUTA.

"Tem de tudo nesse mundo, puta que pariu" - Eu pensei na época. O cara ia levar pra casa o momozi e beijar uma meia dúzia de pica por tabela - só naquele dia!
Responda-o
#38
(22-04-2019, 07:03 PM)Fernando_R1 Escreveu: @"Mr.Lothbrok"



Eu não fiz a parte III pois as histórias iam ser repetitivas, além do que algumas histórias bizarras nãos serem novidade nenhuma para os confrades;

Por favor, faça confrade! Sempre dá para se tirar alguma lição de tudo.
  Se o machado está cego e sua lâmina não foi afiada, é preciso golpear com mais força. Agir com sabedoria assegura o sucesso. - Salomão em Eclesiastes 10.10.
  Muito cara legal foi parar debaixo de uma ponte por causa de uma mulher. - Bukowski.
Responda-o
#39
Spoiler Revelar
(22-04-2019, 07:03 PM)Fernando_R1 Escreveu: @"Mr.Lothbrok"

Uma das maiores desgraças é esse glamour da putaria e da promiscuidade sem 'efeitos colaterais' veja o histórico das putas rodadas, nenhuma sai ilesa dessa vida, pesam efeitos físicos e espirituais também, cargas e energias pesadíssimas.

Até para o homem que participa dessas coisas é meio brabo.

Eu não fiz a parte III pois as histórias iam ser repetitivas, além do que algumas histórias bizarras nãos serem novidade nenhuma para os confrades;

Mas aí, até que eu tenho saudade das piranhas, algumas eram engraçadas e tinha sempre uma ou outra que me dava um boquetinho 'de grátis' no carro. Ainda mais quando dava carona para as damas em suas residências
Compreendo mas o assunto tratado de forma séria, como você relatou e muito importante... Pois esse lado obscuro é essencial para termos noção de onde estamos nos envolvendo.
A vida passa como um conto ligeiro. 
Responda-o
#40
Esses prazeres violentos tem fins violentos,
E morrem em seu triunfo, como o fogo e a pólvora,
Que, ao se beijarem, se consomem.
O mais doce mel repugna por sua própria doçura,
e seu sabor confunde o paladar.
- Romeu e Julieta

William Shakespeare
Meus Posts sobre:

1 - Fitness + Finanças   2 - Cultura Pop

Responda-o


Pular fórum:


Usuários visualizando este tópico: 1 Visitante(s)