Avaliação do Tópico:
  • 0 Voto(s) - 0 em Média
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
[REFLEXÃO] Traumatizados pela "guerra" [FILOSOFIA DA REAL]
#1
Lightbulb 
[Image: 1429708663683]

Olhares vazios, não reação a emoções, desconfiança de qualquer coisa como uma ameaça: As vezes, quando vivemos uma situação de trauma ou stress profundos, entramos em um estado pós traumático. Nas primeira e segunda guerra vimos diversos soldados sofrerem esse pós trauma de guerra, e é o que muitos realistas sofrem hoje e o assunto geral do meu texto.

Há hoje no movimento realista muitos membros traumatizados pelas feridas causadas por relacionamentos, por decepções, por fracassos, alguns tentam se esconder atrás dessas filosofias de que "a mulher não esquece um trauma do primeiro namorado", chegam quase a filosofar sobre footprint feminino, mas se esquecem completamente que estão a mercê da mesma condição. (Por serem seres humanos)

Há aqui pessoas que vivem uma "guerra" diária, um "conflito" diário, em si mesmos, e sim, todas essas guerras são meramente imaginárias simplismente pelo motivo que tais "guerras" não existem mais. (por isso as aspas)
São traumatizados pelo choque que levaram ao descobrir qualquer realidade ao qual tornou sua própria vida insignificante, assim como em uma guerra, e que os levam a ainda viverem lutando eternamente contra fantasmas, inimigos imaginários, personagens que os levam a ficar presos nesse trauma para o resto da vida.

Como já diz a palavra do sábio, é melhor tirar primeiro a trave do teu olho antes de apontar uma poeira no olho do próximo.

A primeira coisa, e um passo bom para se tornar um realista completo é livrar-se dos traumas do passado e parar de viver uma guerra contra aquele que você não é mais.
A guerra acabou, você não é mais um soldado acuado em meio a tiros, bombas e mortos, assuma isso para sua vida.
Livre-se dos seus traumas e pare de viver por eles.

Viva em paz com seu passado:
Muitos realistas acham que por terem virado realistas são automaticamente "santificados" só porque foram mudados racionalmente por livros, mas se enganam porque a santificação não é um estado, é um processo.
Aquele que fazia besteira antigamente, não faça mais, aquele que errava, não erre...
Esse é o passo fundamental para você começar a trabalhar uma situação inversa ao pós traumático.

Aquele que se deu mal em um relacionamento, por exemplo, batalhe, não para vencer todos os relacionamentos, mas para que o seu não cometa os mesmos erros do anterior. Não fique tentando "pegar a espertinha no pulo", "desmascarar a traição que eu sei que ela está escondendo", "arrancar uma confissão sobre hipergamia", pois essas coisas são nada mais, nada menos do que viver uma "guerra invisível". E as vezes vivendo uma guerra imaginária você machuca aqueles que não participam dela.

Entenda, o realismo não é um mundo paralelo em que você vive uma guerra particular contra o mundo cruel e sujo e você é o último samurai que vai desmascarar todas as "vadias", ser um cara bem sucedido e "diferente", admirável, só para que você se sinta "vencedor sobre o mundo", "o conquistador", "o macho alfa da bola azul", "venci a guerra".

A coisa que você deve vencer é seus próprios traumas, se entregar que tais coisas foram reais e fazer o possível para que elas não aconteçam novamente, pois se acontecerem novamente, você vai estar mais lúcido e o trauma não irá te afetar.

Outra coisa é: Assumir que não importa o que você faça, a "guerra" nunca deixará de ter sido "guerra", mas a paz que você vai cultivar adiante é superior. Não haveria a calmaria se não houvesse a tempestade para medirmos o que é bom e o que é ruim, então, agora que você sabe que existem momentos bons e ruins, conviva com isso, aprenda a superar a derrota, o fracasso e siga em frente, em meio a "guerras" e paz.

O mais importante: Se você tentar viver a guerra para o resto da sua vida, você só vai colher mais conflitos, assim como o inverso também, então prefira sempre cultivar aquilo que não te traga mais "guerras", o realista a todo momento deve ser pacífico, até mesmo quando luta pela paz, diante da sobra de guerra.
The absence of virtue is claimed by despair






Responda-o
#2
É o que eu já falei em alguns tópicos antigos.

A Real não se trata de desmascarar vadia em um relacionamento, trata-se de manter um relacionamento com uma mulher que mereça tal relacionamento estável.

E também, não serve como jogo de gato e rato, serve para o cara não cair no sofrimento e na depressão (pra alguns) no caso de términos, conseguir levar a vida adiante, apesar de tudo.

Nos mais jovens esse medo é comum. É o medo do desconhecido.
Pra alguns é o medo do próprio relacionamento, de "voltar pra matrix". Em alguns outros deles é o medo do término.

Pros mais velhos, que já passaram por essas situações por uma vez ou mais, já sabem que não é tudo isso e que na verdade uma das maiores burrices que um homem pode fazer é se preocupar com tais coisas, sendo que muitas delas estão muito além de seu controle.

Parabéns, muito bom tópico Awaken.
Responda-o
#3
Massa, boa reflexão, eu sempre tentei alertar o pessoal pra evitar ficar militando a real, por mais boa intenção que se tenha o resultado é sempre o mesmo, é como pintar um alvo nas suas costas, na maioria das vezes o resultado não é saudável, mas precisa ter um pouco de amadurecimento pra crer que no fim das contas você não vai mudar o mundo, o que tu pode fazer é alertar, mais ou menos como fazemos nos fóruns
Oitavo anjo do apocalipse
Responda-o
#4
Eu sempre me sinto atraído por esse tipo de tópico, pois eu me considero sempre um aprendiz, um realista em desenvolvimento.

A questão é que que muitos acham que a real é uma "tabua de salvação", que após descobrir isso aqui, se acham os fodões, acima das outras pessoas, e devem meter a real em tudo e em todos.

Já teve época por aqui que eu me lembro que tinha gente que postava as tretas que ele arrumava com mulher no face, chamando ela de vadia e etc.. e achando que todo o mundo iria aplaudir aquilo. 

O que a maioria não entende é que a real está em movimento, ela é variável, mas sempre com o unico objetivo, o desenvolvimento pessoal. E sendo assim, você sempre será um aprendiz, porque nenhum de nós está livre de uma queda, e sendo assim, não devemos temer a queda, devemos nós preocupar em ficarmos menos tempo possível no chão.

Desfrute a vida, você está e sempre estará em desenvolvimento, não precisamos de "fodões" e "metedores de reais", precisamos só tão somente de homens que por apesar da guerra que tiveram de lutar, dos erros que por ele foram cometidos, chegou por aqui, sem medo de cair, com vontade e humildade, e que não deseja passar mais um dia no chão das lamentações.
Responda-o
#5
Ótimo tópico, parabéns. [THUMBS UP SIGN]
Esse é o verdadeiro caminho! E não o fosso escuro da revolta, criticas eternas ao mundo, depressão e isolamento...esses fracassaram.
Wake up Neo... Follow the white rabbit. 

https://ask.fm/Groo_Real
Responda-o
#6
Outro texto que vou puxar pro canal.  Big Grin
Responda-o
#7
Up viril texto foda!
Responda-o
#8
toda vez que eu escavo o forum acho alguma reliquia perdida como esta aqui, topico formidavel!!

acho que para alguns a real se aplica como o crescimento pos-traumatico que o Libertador falou em outro topico :

(11-05-2018, 10:59 AM)Libertador Escreveu: Todo mundo conhece a síndrome do Estresse Pós-Traumático. A mídia adora falar sobre isso, que é quando você passa por um nível de estresse tão forte que aquilo de certa forma te destrói e te torna aleijado. Mas o que poucos conhecem, e que a mídia rejeita propositalmente, é um fenômeno chamado Crescimento Pós-Traumático. Que faz justamente o contrário, você se torna melhor e mais forte ao ser exposto a traumas (problemas sérios mas não fatais). Os traumas em vez de te destruírem vão te tornando mais forte e mais resistente. E existem estudos sobre isso.

e para outros é o estresse pos-traumatico que traumatiza a pessoa

o topico da real e o perdao tambem tem tudo a ver com este topico tambem : https://legadorealista.com/forum/showthr...p?tid=2134
"A paixão é como o álcool. Entorpece a consciência, elimina a lucidez, impede o julgamento crítico e provoca alucinações, fazendo com que o ser amado seja visto como divino." Como lidar com Mulheres - Nessahan Alita
Responda-o
#9
Muito obrigado ao Awaken pelo tópico e ao Melâncton por ter o ressuscitado.
Não disse nada além do óbvio, mas parece que em alguns momentos da nossa vida a gente acaba esquecendo o que sempre foi claro para nós.
Simplesmente ótimo!
Spoiler Revelar
Veja o mundo por outras perspectivas, tente o novo todo dia.
O novo lado, o novo saber. Mude,
porque a direção é mais
importante que a
velocidade.

Responda-o
#10
Muito bom o tópico! É interessante como o termo "Rambo dos Teclados" cai como uma luva para o indivíduo que está na fase da revolta e sai metendo a real pra todo lado. Não só pela analogia que se faz com o personagem do filme atirando a esmo com sua metralhadora, mas também pelo fato de que o Rambo vivenciou os horrores da guerra e, por isso, sofria de transtorno de estresse pós-traumático.

                                       
                                                 [Image: giphy.gif]
Responda-o
#11
Texto extremamente ótimo !!

Destaco ainda a frase do texto ''Viva em paz com seu passado'' ,que eu creio que é uma das coisas que a Real busca ensinar , é o verdadeiro caminho do desenvolvimento pessoal pleno

Viva em paz com seu passado, para conseguir se desenvolver no seu presente , e receber a recompensa de um futuro pleno

Ter traumas da ''guerra'' na mente é algo comum para muitos , muitas vezes até existem ''gatilhos'' ou seja , coisas ou situações que remetem aquele trauma vivido no passado. Principalmente na parte de relacionamentos com as mulheres.

Como no primeiro filme da saga Rambo, em uma cena , ele preso vendo o guarda amolar a navalha para barbeá-lo, acaba tendo lembranças das torturas que sofreu durante a Guerra do Vietnã, aquilo ativou o ''gatilho'' na mente dele , o que o fez surtar.

Quando passamos por um trauma, alguma coisa fica ''gravada'' na mente,muitas vezes uma coisa boba e idiota se for vista por um olhar fora de trauma,mas para quem tem o ''gatilho'' na mente , é algo terrível

Eu mesmo posso citar um gatilho que tive , hoje ainda bem sou livre dele : A alguns anos , antes de conhecer a real ,eu quase cheguei a ter um relacionamento com uma garota quando era mais moleque,eu totalmente destreinado , agi de todas as formas erradas e fadadas ao fracasso que um cara pode agir numa relação,quando estava num nível alto de apaixonamento e sem perceber com a relação a um sopro de ruir,uma situação em específico me traumatizou,em uma tarde de um dia de semana ela simplesmente sumiu e não respondia minhas mensagens,quando fui descobrir, ela tinha passado a tarde posando pra fotos profissionais, tinha ganho um ensaio parece, e quando digo descobrir , foi por que eu ao chegar do trabalho na época, vi algumas fotos do tal ensaio postadas no FB , aquilo gerou um gatilho na minha mente , que mesmo depois de alguns anos , eu não podia ver uma câmera profissional, uma foto profissional,qualquer coisa me fazia lembrar daqueles dias ruins q passei, que minha mente travava e eu não conseguia me concentrar em nada,ao ponto de me tirar noites de sono,pois ficava relembrando na cabeça,uma coisa extremamente idiota ao meu ver hoje,porém os gatilhos funcionam assim,mas eles vão se auto alimentando,ao ponto de crescerem tanto que te aprisionam 100%, e quase sempre,são coisas idiotas e pequenas, que sem o contexto ''gatilho'', são normais, o ponto final para eu dar um jeito de me livrar disso , foi numa empresa que eu trabalhava , onde foram uns fotógrafos tirar fotos de uns produtos oferecidos pela empresa para fazer publicidade, e eu pedi para sair mais cedo , mentindo que tive um problema de ultima hora, só para fugir daquela cena.

O modo para me livrar disso, foi primeiramente, acordar para vida, e que eu estava sendo um chorão idiota deixando uma coisa inofensiva me parar, depois claro buscando me desenvolver como homem , para meu próprio sucesso, e não por causa de mulher, que é simples consequência disso, e não o objetivo. A real e seus ensinamentos são libertadores e claro ajudaram muito para essa empreitada.

Digo que ainda não atingi o nível que quero, porém vou a cada dia buscando mais e mais , não podemos deixar ''os horrores da guerra'' ficarem perpetuando nossos pensamentos e ações. Gatilhos devem ser arrancados na raiz, pois são pior que mato, se deixar toma conta do seu ''terreno mental'' rapidamente.

No mais, texto ótimo do confrade.
Responda-o
#12
Excelente topico. Muitos não conseguem superar o trauma e acabam se transformando em rambos do teclado metendo a real em tudo e todos perdendo o foco do aprendizado e se especializando em caçar vadias. O pior é que alguns ainda conseguem evoluir do nivel rambo para cavaleiros do apocalipse e são esses que começam a polarizar tudo para o lado negativo e começam a meter a real na própria real como uma doença auto-imune. Mas a metamorfose não termina ai depois dos cavaleiros ja vem os hollows (uma referencia do anime bleash) os que possuem um buraco no peito. Esse nivel não tem volta, ja entram em tretas como matar mulheres e outras coisas macabras.
Responda-o
#13
Texto muito bom. Infelizmente a vida me deixou cheio de traumas. Em breve uma das coisas que terei que corrigir em mim e superar os bloqueios e traumas adquiridos em relacionamentos. Será uma das metas me aperfeiçoar nesse ramo. Abraços
Responda-o
#14
(15-12-2018, 11:48 PM)cerroazul Escreveu: Texto muito bom. Infelizmente a vida me deixou cheio de traumas.  Em breve uma das coisas que terei que corrigir em mim e superar os bloqueios e traumas adquiridos em relacionamentos.  Será uma das metas me aperfeiçoar nesse ramo. Abraços

Gostaria de saber sua história, parece que é macabra. Onde encontro o relato? Se não tiver em lugar nenhum vc poderia abrir um tópico pra contar novamente.
Responda-o
#15
(02-08-2015, 01:12 PM)Awaken Escreveu: Entenda, o realismo não é um mundo paralelo em que você vive uma guerra particular contra o mundo cruel e sujo e você é o último samurai que vai desmascarar todas as "vadias", ser um cara bem sucedido e "diferente", admirável, só para que você se sinta "vencedor sobre o mundo", "o conquistador", "o macho alfa da bola azul", "venci a guerra".

A coisa que você deve vencer é seus próprios traumas, se entregar que tais coisas foram reais e fazer o possível para que elas não aconteçam novamente, pois se acontecerem novamente, você vai estar mais lúcido e o trauma não irá te afetar.


O mais importante: Se você tentar viver a guerra para o resto da sua vida, você só vai colher mais conflitos, assim como o inverso também, então prefira sempre cultivar aquilo que não te traga mais "guerras", o realista a todo momento deve ser pacífico, até mesmo quando luta pela paz, diante da sobra de guerra.

1up
Um homem com escolhas é um homem livre.
Responda-o
#16
(UP)

Excelente tópico @Awaken!



"Fiat justitia, et pereat mundus..."
Responda-o
#17
Praticamente tudo é competição.

Desde o vestibular, a fila da lotérica pra pagar as contas a tempo, a hora da xepa na feira, pra aproveitar as melhores ofertas, a seleção para o primeiro emprego, a paquera naquela bonitinha ali do lado..

E o que não é a competição senão um tipo de guerra, de combate? Quando mais rápido se entende isso, melhor o sujeito organiza suas ideias e avalia melhor suas prioridades.

Não é questão de mais justo, menos justo.. nem de beleza ou lição moral..

É de entender como é o jogo e se adaptar, separando os traumas como descarte ou aprendizado e seguir em frente.

"Só os canalhas precisam de uma ideologia que os absolva e justifique." (Rodrigues, Nelsson)
Responda-o
#18
Up, ótimo texto @Awaken
Responda-o


Possíveis Tópicos Relacionados...
Tópico Autor Respostas Visualizações Última Postagem
  Terceira Guerra Mundial ou A volta da Guerra Fria? Solomon 9 2,634 06-09-2022, 09:31 PM
Última Postagem: Joxokhanurs
  [DEBATE] Pobretão explica as diferenças entre a sua filosofia e o movimento da Real Bern 7 5,588 10-09-2015, 07:24 AM
Última Postagem: Awaken

Pular fórum:


Usuários visualizando este tópico: 1 Visitante(s)