Avaliação do Tópico:
  • 0 Voto(s) - 0 em Média
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
[RELATO] Conhecer mulheres pela Internet é fria
#21
[Image: 3306799.jpg]






As mulheres do APP são as civis de sempre, não há linha divisória entre elas.

Foram no shoppis centis e chegando lá ela mediu mediu e viu que não serviu. Big Grin Presta atenção muié de app é indecisa é você e mais 5 no pareo , desse 5 ela vai dar para 2 alternadamente até escolher de quem será marmita ou foda fixa, durante alguns meses, depois o ciclo recomeça. Sabe aquelas moças de 30 anos que dizem :  eu nunca namorei assim por muito tempo sabe,meus relacionamentos não duram ou máximo foi um de 6 meses; entenderam a pegada das feministas hibridas?

O cabaço deve ter falado horas a fio e escutado um monte de merda dela na oreia, se chegou nisso, sinto-lhe dizer você se fodeu, ela vai pensar nos outros mais masculinos, que cortam o papo e são mais diretos.

O cabaço temperou para outro comer, imaginou cenas ardentes de sexo farto e romantismo. Heart 





Progressão de local no 1º encontro significa isolamento do ambiente para ficar, buteco ou cinema.


Eu vou julgar essa porra pelo título.


Rapaz, minha última namorada eu conheci graças a internet. Ruge

Era um negócio improvável basicamente, mesmo nós morando perto um do outro era impossível a gente se esbarrar.



Só Jesus salva, vá e não peques mais...
Responda-o
#22
Mulheres de aplicativo é sempre a mesma história, a mesma ladainha. 

Estão num momento ruim e procuram um trouxa no mundo virtual, já que no mundo real todos já conhecem sua fama de rodada. 

Mulher não dá ponto sem nó. Se partiu pra aplicativo é porque no mundo real não conseguiu coisa melhor.

É o fim de feira.
"Homem Marmito"® is trademark of Marmito Man Corporation ™
Responda-o
#23
(06-02-2018, 02:04 AM)Sagitario Escreveu: Mulheres de aplicativo é sempre a mesma história, a mesma ladainha. 

Estão num momento ruim e procuram um trouxa no mundo virtual, já que no mundo real todos já conhecem sua fama de rodada. 

Mulher não dá ponto sem nó. Se partiu pra aplicativo é porque no mundo real não conseguiu coisa melhor.

É o fim de feira.

Todas já passaram por um relacionamento agora e não querem namoro.
Todas falam que "foi uma amiga que instalou pra mim"
Todas falam "Ah eu não uso isso há muito tempo, instalei ontem"

Isso é muito certo.

Fora uma ou outra crente que quer pagar de certinha pra você dar aquela manginada.

@Minerim Cara, eu a conheci por amigos de amigos.

Tinha uma programação marcada entre dois grupos de amigos em um lugar da cidade, uma parte dos grupos já se conhecia, a outra não.
É uma história meio grande, mas ela me adicionou na época pra ver se eu ficava com a amiga dela.
Acabou que quando nos encontramos eu já tinha mais intimidade com ela e aí já foi mais fácil.
The absence of virtue is claimed by despair






Responda-o
#24
Aguardando o post do @Bill Kazmaier, algo como "o juvena iludido cheio de estrogênio..."
Responda-o
#25
Até 2037, metade dos bebês provavelmente nascerá de casais que se conheceram online, diz relatório

https://translate.google.com/translate?s...nline.html
Responda-o
#26
(06-02-2018, 02:04 AM)Sagitario Escreveu: Mulher não dá ponto sem nó. Se partiu pra aplicativo é porque no mundo real não conseguiu coisa melhor.

É o fim de feira.

É um pouco difícil em confessar isso, pra quem já participou por 1 ano e meio (entre 2009 e 2011) do Par Perfeito e do Badoo... estava a ver navios nos meus círculos sociais quando resolvi entrar nesses sites (e duvido que outros homens que estavam lá, estavam por motivos diferentes) e nunca vi mulher de relevância (que eu conhecesse pessoalmente) nesses sites e no Tinder (atualmente, com perfil fantasma) também não. Não chega a ser fim de feira, mas é uma espécie de 'repescagem', onde, quem for exigente, inevitavelmente, irá se frustrar.

1 vez li num fórum estrangeiro, que as mulheres desses ambientes virtuais, tem problemas emocionais... esses tempos, encontrei no Tinder uma ex-colega que vivia (não sei se vive ainda) a base de calmantes.



O tal Happn tem que deixar em aberto, pois mescla o presencial e o virtual!
Responda-o
#27
(06-02-2018, 02:04 AM)Sagitario Escreveu: Mulheres de aplicativo é sempre a mesma história, a mesma ladainha. 

Estão num momento ruim e procuram um trouxa no mundo virtual, já que no mundo real todos já conhecem sua fama de rodada. 

Mulher não dá ponto sem nó. Se partiu pra aplicativo é porque no mundo real não conseguiu coisa melhor.

É o fim de feira.

Verdade nua e crua.
"O desconforto é a constante que deve acompanhar a vida do indivíduo. É a adaptação ao desconforto que leva à rusticidade."



Responda-o
#28
O site de encontros parperfeito.com em seu auge, há uns 7 anos, fez um levantamento e revelou que acima de 80% das pessoas casadas infiéis registradas no site, encontravam seus amantes nas segundas-feiras no horário de almoço.

Esses aplicativos de encontro devem conseguir filtrar a personalidade, caráter, apetite sexual, a verdadeira face de milhares de pessoas dentro da plataforma
Responda-o
#29
Desisti disso faz tempo, só tranqueira.
"Escola? E o aprendizado com os próprios erros? A experiência te faz professor de si próprio".
Responda-o
#30
As mulheres do APP são as civis de sempre, não há linha divisória entre elas.  


Um tópico datado de 2018 e em 2021,  algumas coisas mudaram.

O que define as tecnologias exponenciais é a capacidade de escalar um negócio em uma curva exponencial, seguindo a chamada Lei de Moore. Concebida pelo cofundador da Intel Gordon Moore, essa lei foi uma constatação de que, a cada 18 meses, o número de transistores dos chips aumentaria em 100% ao mesmo custo.



Parece que a hipergamia feminina segue um padrão do tipo Lei de Moore.


Hoje elas estão linkadas no Instagram e apps simultaneamente. Delícia   O imaginário hipergamico digital é o que determina a seletividade delas, um grande delirio libertino, egolatra e até profissional Big Grin
Só Jesus salva, vá e não peques mais...
Responda-o
#31
(07-04-2021, 11:44 PM)Comediante Escreveu: O site de encontros parperfeito.com  em seu auge, há uns 7 anos, fez um levantamento e revelou que acima de 80% das pessoas casadas infiéis registradas no site, encontravam seus amantes nas segundas-feiras no horário de almoço.

Esses aplicativos de encontro devem conseguir filtrar a personalidade, caráter, apetite sexual, a verdadeira face de milhares de pessoas dentro da plataforma

Bem provável que este levantamento tenha sido feito já no momento do cadastro, muito antes do matchmaking. Já ouvi relatos de caras que usaram Snapchap, Tinder e outras porqueiras, que eles mentem muito nos perfis, por que lá é a rodízio, então imagino que alguns desses sites "de encontros" seja na verdade algo mais direcionado e talvez tenha dados melhores. 

Não sei, estou especulando aqui, por que muitos desses sites você descreve você e descreve o tipo de parceira que procura, então basicamente o trabalho é todo feito por algoritmo computacional, banco de dados relacionais, essas coisas. Essas plataformas são verdadeiros estudos sociais vestidos de negócios, devem ter várias informações interessantes que deve dar pra traçar diversos perfis de personalidade como esse que citou.

(06-02-2018, 02:04 AM)Sagitario Escreveu: Mulheres de aplicativo é sempre a mesma história, a mesma ladainha. 

Estão num momento ruim e procuram um trouxa no mundo virtual, já que no mundo real todos já conhecem sua fama de rodada. 

Mulher não dá ponto sem nó. Se partiu pra aplicativo é porque no mundo real não conseguiu coisa melhor.

É o fim de feira.

Esse e complementando o do comentário do GeladeiraMan, da "repescagem", não tem muito a acrescentar, de fato é isso. Qualquer mulherzinha mais ou menos arrumada já deve receber atenção de mangina o suficiente por dia. As que quebraram a barreira do orgulho pra se submeter a isso no mínimo são as desiludidas por que não pescam nada no círculo social delas, muitas vezes por problemas ou até pelo ego das mesmas, ou por que são imprestáveis pra relacionamentos mesmo e isso acaba virando um último recurso.

A tendência deveria ser elas verem que no mar desses apps não dá peixe também, mas lá mesmo que devem receber mais atenção de mais mangina desesperado, o que cria nela efeito parecido com as "redes sociais não-undergrounds" como Insta e Face: Não recebem a atenção que querem (de destacados), mas tem o suficiente para não o ego delas não morrer de inanição. Ou dizendo de outra forma, essas redes sociais no fim também acabam se tornando mais um cardápio na qual as mulheres pagam pra poder ter mais opções de receber mais atenção kkkk 
Yaoming

Claro que isso é o negócio mais lucrativo do mundo, vender em cima do ego das futuras criadores de gato tomadoras de tarja preta, por isso a tendência também essas redes se tornarem lugares cada vez mais feminilizados e hostis ao homem médio. A não ser o efeminado e/ou matrixiano, que vai comprar coisa velha com defeito jurando que compro algo novo e funcional, com garantia. Melhor coisa é evitar a todo custo, vá para os sites das primas que ao menos o serviço é garantido e a dor de cabeça bem menor.

O título do tópico é claro. Esses sites e apps de relacionamentos são uma furada sem fim.
Citação:“Fortuna Perdida? Nada se perdeu... Coragem perdida?
Muito se perdeu... Honra perdida? Tudo se perdeu...”

(Provérbio Irlandês)
Responda-o
#32
(08-04-2021, 11:05 PM)Wild Escreveu:
(07-04-2021, 11:44 PM)Comediante Escreveu: O site de encontros parperfeito.com  em seu auge, há uns 7 anos, fez um levantamento e revelou que acima de 80% das pessoas casadas infiéis registradas no site, encontravam seus amantes nas segundas-feiras no horário de almoço.

Esses aplicativos de encontro devem conseguir filtrar a personalidade, caráter, apetite sexual, a verdadeira face de milhares de pessoas dentro da plataforma

Bem provável que este levantamento tenha sido feito já no momento do cadastro, muito antes do matchmaking. Já ouvi relatos de caras que usaram Snapchap, Tinder e outras porqueiras, que eles mentem muito nos perfis, por que lá é a rodízio, então imagino que alguns desses sites "de encontros" seja na verdade algo mais direcionado e talvez tenha dados melhores. 

Não sei, estou especulando aqui, por que muitos desses sites você descreve você e descreve o tipo de parceira que procura, então basicamente o trabalho é todo feito por algoritmo computacional, banco de dados relacionais, essas coisas. Essas plataformas são verdadeiros estudos sociais vestidos de negócios, devem ter várias informações interessantes que deve dar pra traçar diversos perfis de personalidade como esse que citou.

(06-02-2018, 02:04 AM)Sagitario Escreveu: Mulheres de aplicativo é sempre a mesma história, a mesma ladainha. 

Estão num momento ruim e procuram um trouxa no mundo virtual, já que no mundo real todos já conhecem sua fama de rodada. 

Mulher não dá ponto sem nó. Se partiu pra aplicativo é porque no mundo real não conseguiu coisa melhor.

É o fim de feira.

Esse e complementando o do comentário do GeladeiraMan, da "repescagem", não tem muito a acrescentar, de fato é isso. Qualquer mulherzinha mais ou menos arrumada já deve receber atenção de mangina o suficiente por dia. As que quebraram a barreira do orgulho pra se submeter a isso no mínimo são as desiludidas por que não pescam nada no círculo social delas, muitas vezes por problemas ou até pelo ego das mesmas, ou por que são imprestáveis pra relacionamentos mesmo e isso acaba virando um último recurso.

A tendência deveria ser elas verem que no mar desses apps não dá peixe também, mas lá mesmo que devem receber mais atenção de mais mangina desesperado, o que cria nela efeito parecido com as "redes sociais não-undergrounds" como Insta e Face: Não recebem a atenção que querem (de destacados), mas tem o suficiente para não o ego delas não morrer de inanição. Ou dizendo de outra forma, essas redes sociais no fim também acabam se tornando mais um cardápio na qual as mulheres pagam pra poder ter mais opções de receber mais atenção kkkk 
Yaoming

Claro que isso é o negócio mais lucrativo do mundo, vender em cima do ego das futuras criadores de gato tomadoras de tarja preta, por isso a tendência também essas redes se tornarem lugares cada vez mais feminilizados e hostis ao homem médio. A não ser o efeminado e/ou matrixiano, que vai comprar coisa velha com defeito jurando que compro algo novo e funcional, com garantia. Melhor coisa é evitar a todo custo, vá para os sites das primas que ao menos o serviço é garantido e a dor de cabeça bem menor.

O título do tópico é claro. Esses sites e apps de relacionamentos são uma furada sem fim.


"Já ouvi relatos de caras que usaram Snapchap, Tinder e outras porqueiras, que eles mentem muito nos perfis, por que lá é a rodízio"

Isso é verdade porque eu vi não me lembro onde um empresário que ganha dinheiro alugando celulares de ultima geração pra outros ostentarem nos bares, baladas e aplicativos de encontro Yaoming

Outra merda que eu vi é sobre como parecer ser rico nas fotos sem ostentar. 

Ex: Foto jogando tênis 

O que eu entendi dessa palhaçada é que mulheres tem preferencia por caras ricos, mas não querem que eles joguem isso na cara delas porque vão assumir que são interesseiras quando aceitarem a solicitação de paquera



"Essas plataformas são verdadeiros estudos sociais vestidos de negócios"

Imagine as possibilidades! Como eleger até um presidente americano
Responda-o
#33
(07-04-2021, 11:44 PM)Comediante Escreveu: O site de encontros parperfeito.com  em seu auge, há uns 7 anos, fez um levantamento e revelou que acima de 80% das pessoas casadas infiéis registradas no site, encontravam seus amantes nas segundas-feiras no horário de almoço.

Esses aplicativos de encontro devem conseguir filtrar a personalidade, caráter, apetite sexual, a verdadeira face de milhares de pessoas dentro da plataforma

Essas pesquisas são suspeitas, o Match Group, dono do Par Perfeito, Tinder, entre outros... divulgam em sites populares, mas é bem evidente de que é postagem patrocinada.

Me lembro que quando ia pagar o boleto a assinatura do PP, ficava com receio que o bancário soubesse do que se tratava e pra variar, encontrei uma conhecida na fila do banco (fiquei suando frio).

Anos depois de sair do PP, foi dar uma lida nas 'histórias de sucesso', e fui buscar por aquelas pessoas com sobrenome raro no Facebook e no Instagram, só encontrei uma mulher no Instagram, sozinha na foto principal, perfil privado e poucas fotos, ou seja, esses casais de sucesso deveriam ser falsos. Vi agora as 'histórias de sucesso', aparecem somente o primeiro nome dos supostos casais. Muito estranho, tá na cara que é tudo falso.

Me lembro de uma mulher de 35 anos que eu conversava na época, e ela reclamou 1 vez dizendo que nos finais de semana, ela ficava no vácuo, exatamente o que ela fazia comigo durante a semana Yaoming



Salvaje @Wild, seria fim de feira, se tivesse, a esmagadora maioria de pessoas de meia idade (pra cima)...
Responda-o


Pular fórum:


Usuários visualizando este tópico: 1 Visitante(s)