Avaliação do Tópico:
  • 0 Voto(s) - 0 em Média
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
[REFLEXÃO] Maconha x Testo
#21
(03-08-2017, 09:27 PM)Bill Kazmaier Escreveu: Ja deitou um maconheiro na porrada hoje? Bora...

[Image: leaoproerd3.jpg]


As alterações fisiológicas que a marijuana causa eu nunca pesquisei. Mas normalmente a busca por alucinógenos é devido a fraqueza no controle mental e a insignificância existencial. Precisam de algum tipo de anestésico pra encobrir o sofrimento infligido pela mente e seus intermináveis diálogos internos, bem como as emoções (como o medo) que são o reflexo da mente no corpo.  Assim a mente sai de cena enquanto a meia vida da droga circula no sangue. Isso traz um alívio extremamente efêmero para a inócua vidinha dos paspalhos, é bem curto, e quando acaba é acompanhado de algum tipo de depressão e necessidade de uma dose maior pra se sentirem vivos novamente.

A sensação de um estado sem mente que os viciados medíocres tanto buscam, é algo que pode ser atingido pela meditação. Isso não é punhetação, é a realidade. É algo que funciona, e é longe de crenças, folclores, dogmas e etc, é apenas uma técnica "abstrata". A partir de um ponto onde temos um controle mental eficiente, tudo fica pleno, e as ações são feitas na mais alta qualidade e com atenção constante, livre de emoções ou condicionamentos. Não é fácil, o ideal é não depender de lugares, e levar esse estado em tempo integral, mas é preciso um total controle de si, e uma percepção realista do mundo pra tornar isso possível.


Extremamente conciso teu argumento! Eu concordo com todas as tuas palavras. Quando o drogadito não usa a droga só por influência dos 'amiguinhos' pra se sentir 'cool' ou descolado, é só para suprir uma lacuna emocional, em outras palavras, sair da realidade da sua vida de merda.

Ademais, nunca vi alguém que usa recreativamente ser bem sucedido, não precisa ser nenhum psiquiatra pra saber que a vida desse pobre infeliz é uma desordem. E quando a pessoa é bem sucedida, ou ocupa uma posição elevada na sociedade(algo que eu já vi acontecer algumas vezes), pode ter certeza que ela tinha potencial pra ser muito mais - e que a maconha(como qualquer tipo de vício) não te deixa evoluir e desenvolver...
Responda-o
#22
(03-08-2017, 12:04 PM)Temujin Escreveu: Nunca estudei nem me interessei pelo assunto, mas acho relevante esse texto do Jamie Lewis: http://chaosandpain.blogspot.com.br/2014...b3bd4e9d2d

Agora sinceramente eu não sei se a maconha causa ou é somente correlata dos problemas de saúde citados por vocês acima. Se se basearem em estudos epidemiológicos, revejam suas crenças, talvez tenham sido enganados.

O que podemos observar, como sempre, é que a ciência mainstream sempre vai exagerar ou diminuir os efeitos de alguma coisa, dependendo dos seus interesses. Nessa pesquisa do J. Lewis também fica fácil observar que o ser humano sempre usou algum tipo de substância para melhorar suas faculdades ou para ficar por algum tempo, fora da realidade.  No caso dos ancestrais, a erva era usada em rituais religiosos (que tinham uma importância infinitamente maior que hj, impossível de se mensurar até), pois diminuem a capacidade de raciocínio lógico. Ficar alto é ficar mais perto do "além".

Mas como tudo no mundo moderno, hj a maconha é usada por fracassados, (na minha opinião) que acham a realidade cotidiana dura de mais para suportar, isso pq não sabem pq estão vivendo. É algo que foi banalizado TAMBÉM.

No caso do desempenho esportivo, assim como o J.Leu não acho que seja um grande problema, e realmente pode ser benéfico e ajudar MUITO em um dos pilares do treinamento que é o descanso. Um conhecido meu tem uma capacidade de desenvolvimento muscular impressionante, e ele credita seu sucesso à maconha. Pq depois do treino, ele fuma um, relaxa completamente, e tem uma larica (fome) gigantesca. Ou seja, ela beneficia muito na recuperação. Acho que é até por isso que é uma substância "proibida" (no papel e na mídia, é claro) nos exames antidoping. Mas essa é uma discussão que vai longe.
"Compreendi o tormento cruciante do sobrevivente da guerra, a sensação de traição e covardia experimentada por aqueles que ainda se agarram à vida quando seus camaradas já dela se soltaram."  (Xeones para o rei Xerxes)

Responda-o
#23
Concordo bastante com as últimas três postagens.

@Héracles, essa banalização também aconteceu com o tabaco, era um ritual índio sagrado, e erva medicinal (até nas roças brasileiras), e hoje em dia virou só um detalhe nos malditos cigarros brancos. O lendário Michael Jordan usava tabaco para melhorar a performance atlética, bebidas alcoolicas na idade média eram usadas para purificar a água pela fermentação, e a cocaína era usada por intelectuais e atletas. O uso disso tudo pelos drogadinhos modernos reflete precisamente o vazio espiritual a que o Bill Kazmaier se referiu.
  • Citação:Sem a visão de um objetivo um homem não pode gerir a sua própria vida, e muito menos a vida dos outros.
Leia: Nuvem de Giz
Responda-o
#24
Bem colocado essa sua visão na prática , Parabéns.

Tudo verdade , se a gente for analisar esses lixos fumadores de canábis são tudo emasculados .
Responda-o
#25
(04-08-2017, 09:12 AM)Tony Montana Escreveu: Extremamente conciso teu argumento! Eu concordo com todas as tuas palavras. Quando o drogadito não usa a droga só por influência dos 'amiguinhos' pra se sentir 'cool' ou descolado, é só para suprir uma lacuna emocional, em outras palavras, sair da realidade da sua vida de merda.

Ademais, nunca vi alguém que usa recreativamente ser bem sucedido, não precisa ser nenhum psiquiatra pra saber que a vida desse pobre infeliz é uma desordem. E quando a pessoa é bem sucedida, ou ocupa uma posição elevada na sociedade(algo que eu já vi acontecer algumas vezes), pode ter certeza que ela tinha potencial pra ser muito mais - e que a maconha(como qualquer tipo de vício) não te deixa evoluir e desenvolver...

Exatamente, isso é uma limitação. Todo vício nasce da recusa inconsciente de enfrentar os próprios medos e fraquezas. Tentam encobrir a realidade, mas logo vêem que não tem pra onde correr e o vazio existencial está maior do que antes. A plenitude vem de dentro pra fora, e não ao contrário.

Concordo também que alucinógenos são uma limitação no potencial criativo e evolutivo.

(04-08-2017, 09:54 AM)Héracles Escreveu: No caso do desempenho esportivo, assim como o J.Leu não acho que seja um grande problema, e realmente pode ser benéfico e ajudar MUITO em um dos pilares do treinamento que é o descanso. Um conhecido meu tem uma capacidade de desenvolvimento muscular impressionante, e ele credita seu sucesso à maconha. Pq depois do treino, ele fuma um, relaxa completamente, e tem uma larica (fome) gigantesca. Ou seja, ela beneficia muito na recuperação. Acho que é até por isso que é uma substância "proibida" (no papel e na mídia, é claro) nos exames antidoping. Mas essa é uma discussão que vai longe.

Se não me engano a WADA aumentou em 10 vezes o limite de THC no sangue dos atletas. A maconha praticamente não tem benefícios para atletas, a não ser no relaxamento e diminuição das dores. Aparentemente ela ajuda a diminuir a força e explosão muscular ao longo do tempo. Talvez não permitam por uma questão "moral" mesmo. Ja a cocaína tem um efeito estimulante e aumenta a performance em determinadas modalidades.

Os Diaz brothers ja foram pegos no antidoping diversas vezes por cannabis, provavelmente usaram até antes da luta. Mas isso porque são natural born potheads. Usar antes da luta é burrice a nivel monumental.

(04-08-2017, 10:06 AM)Temujin Escreveu: Concordo bastante com as últimas três postagens.

@Héracles, essa banalização também aconteceu com o tabaco, era um ritual índio sagrado, e erva medicinal (até nas roças brasileiras), e hoje em dia virou só um detalhe nos malditos cigarros brancos. O lendário Michael Jordan usava tabaco para melhorar a performance atlética, bebidas alcoolicas na idade média eram usadas para purificar a água pela fermentação, e a cocaína era usada por intelectuais e atletas. O uso disso tudo pelos drogadinhos modernos reflete precisamente o vazio espiritual a que o Bill Kazmaier se referiu.

Sim, na India tambem aplicavam a droga pra mostrar como é o estado meditativo. Aí o cidadão tinha a percepção, uma referência do estado mental que ele precisava buscar sem o uso de nenhuma substância, porque depender de algo externo para ter uma completude interior é uma fraqueza e instabilidade. O uso servia como um direcionamento. Se funcionava não sei, mas era um uso "aceitável" como pontapé inicial. 

O problema começa quando se tenta buscar continuidade onde não existe. Tentar tampar o abismo existencial com as migalhas que as sensações efêmeras proporcionam. Isso é uma marcha rumo ao fracasso e à ilusão melancólica sem fim.
"IT'S ALL ABOUT WORKING BODY, MIND AND SOUL" 

"Todo mundo tem um plano....Até tomar o primeiro soco"  M. Tyson
Responda-o
#26
O que é natural, não se FUMA. Isso já é uma voadora para inicio de conversa com um defensor do Cannabis.

Boa parte dos problemas apresentados pelos colegas, deve ao fato de boa parte da população brasileira comprar seus "calmantes" em bocas de fumo. O "calmante" prensado é tratado nas piores condições que você possa imaginar e sem contar que você sustenta o trafico de drogas, o que é algo inadmissível. Dizem que os traficantes misturam crack e cocaína (não faço ideia como) para as pessoas se viciarem muito mais, mesmo que você fume e sente um bom gosto de bosta na boca. Maconha é veneno.


Responda-o
#27
Maconha causa esquizofrenia e é fator de risco para ataques cardíacos, dizem os especialistas em um estudo histórico que considera a maioria dos benefícios médicos da droga como não provados

Por Mia De Graaf

[*][Image: maconha.png]

[*]
A maconha aumenta o risco de esquizofrenia e é fator de risco para ataques cardíacos, de acordo com o mais significativo estudo sobre os efeitos da droga até o momento.

Um painel consultivo federal reconheceu que a cannabis quase certamente alivia a dor crônica e pode ajudar algumas pessoas a dormir. Mas descarta a maioria dos outros supostos “benefícios medicinais”, considerando-os infundados.

Um ponto crucial é que os pesquisadores concluíram não haver pesquisas suficientes para afirmar se a maconha de fato trata a epilepsia – uma das principais razões para a prescrição de cannabis.

O relatório também coloca dúvidas sobre o uso de cannabis para o tratamento de câncer, síndrome do intestino irritável ou certos sintomas da doença de Parkinson, ou como auxílio para as pessoas superarem vícios.

Especialistas de todo o país se juntaram para estudar mais sobre a família química da maconha, incluindo compostos de ação similar, chamados canabinóides.

De fato, a atual falta de informação científica “representa um risco para a saúde pública”, afirmou o relatório, divulgado pelas Academias Nacionais de Ciências, Engenharia e Medicina.

Pacientes, profissionais de saúde e políticos precisam de mais evidências para tomar decisões sensatas, afirmou.
[*]
Vários fatores têm limitado a pesquisa. O governo federal aprovou alguns medicamentos contendo ingredientes encontrados na maconha, mas ainda classifica a maconha em si como ilegal e impõe restrições à pesquisa. Os cientistas então têm de fazer malabarismos burocráticos que alguns acham assustadores, segundo o relatório.

A política de financiar estudos sobre os possíveis danos também impede a pesquisa sobre possíveis benefícios para a saúde, segundo o relatório. Também é restrita a gama de produtos derivados da maconha disponíveis para estudo, embora o governo esteja expandindo o número de fornecedores aprovados.

Vinte e oito estados e o Distrito de Colúmbia legalizaram a maconha para vários usos médicos, e oito desses estados além do DC também a legalizaram para uso recreativo.

O relatório apresenta quase 100 conclusões sobre a maconha e outras substâncias de ação semelhante, com base em estudos publicados desde 1999.

Encontrou fortes evidências, por exemplo, de que a maconha pode tratar a dor crônica em adultos e que compostos similares aliviam a náusea da quimioterapia, com diferentes graus de evidência para o tratamento da rigidez muscular e espasmos na esclerose múltipla.

Uma evidência limitada mostra que a maconha e outros compostos podem aumentar o apetite em pessoas com HIV e AIDS e aliviar os sintomas do transtorno de stress pós-traumático, concluiu o relatório.

Podem haver mais evidências em breve: um estudo no Colorado está ainda investigando o uso de maconha como tratamento para o TEPT.

Em relação a possíveis danos, o comitê concluiu:

• Forte evidência ligando o uso de maconha ao risco de desenvolver esquizofrenia e outras causas de psicose, com maior risco entre os usuários mais frequentes.

• Algumas evidências sugerem um pequeno risco aumentado para o desenvolvimento de distúrbios depressivos, mas não há evidência sobre como ela afeta o curso ou os sintomas de tais distúrbios, ou o risco de desenvolver transtorno de estresse pós-traumático.

• Há uma forte evidência de que o uso de maconha aumenta o risco de acidentes de trânsito, mas nenhuma indicação clara de como ou se promove acidentes ou ferimentos no local de trabalho, ou morte por overdose.

• Há poucas evidências para a idéia de que ela prejudique o desempenho escolar, aumente as taxas de desemprego ou prejudique o funcionamento em sociedade.

• Para as mulheres grávidas usuárias, existem fortes evidências de peso reduzido da criança ao nascer, mas apenas evidências fracas de quaisquer efeitos como complicações na gravidez para a mãe ou necessidade de tratamento intensivo para a criança. Não há evidências suficientes para concluir sobre efeitos tardios na criança, como síndrome de morte súbita infantil ou predisposição para uso de substâncias.

• Algumas evidências sugerem que não há ligação entre câncer de pulmão e uso da maconha. Mas não há evidências, ou elas são escassas, para apoiar ou refutar qualquer ligação com o desenvolvimento de câncer da próstata, colo do útero, bexiga ou esôfago.

• Evidências substanciais ligam o uso de maconha a uma piora em sintomas respiratórios, e a episódios mais frequentes de bronquite crônica.

• Há evidências fracas que sugerem que fumar maconha pode desencadear um ataque cardíaco, especialmente em pessoas com risco aumentado de doença cardíaca. Mas não há evidências sobre como ou quando o uso crônico influencia o risco de um ataque cardíaco.

• Algumas evidências sugerem uma ligação entre usar maconha e o desenvolvimento de dependência ou abuso de outras substâncias, incluindo álcool, tabaco e outras drogas ilícitas.

[*]Mia De Graaf. “Marijuana DOES cause schizophrenia and triggers heart attacks, experts say in landmark study that slams most of the drug’s medical benefits as unproven”. Daily Mail, 12 de Janeiro de 2017.


Tradutores de Direita
Cuidai, para que isso que agora julgais ser ouro puro, não se vos demonstre ser metal vil.

Conheça meu tópico: Evidências Bíblicas Arqueológicas.
Responda-o
#28
É o único tópico que achei sobre isso.
Estou vendo A História dos EUA no History. Em 1922 os EUA proibiu a venda e produção de bebidas.
A tese era que os EUA deveria ser uma nação sóbria.
A economia estava a todo vapor...
Isso abriu espaço para a celebridade gangster Al Capone, que começou a faturar milhões com a venda de bebidas.

Logo o uso da maconha será banalizado porque o consumo só aumenta. A maconha é mais danosa que a bebida, mas eu começo a pensar na ideia da liberação ser um ponto positivo porque só vai enriquecer os Al Capones da vida se não regular. Não pagam nem imposto. E se a demanda popular for suficiente, não vai ter governo que segure. E claro que o estado vai querer os tributos em cima disso...

Não bebo e nem fumo, só de vez em quando tomo whisky ou cerveja. Fico sóbrio na maior parte do tempo. Mas vejo uma tendência na legalização da maconha, que vai ser reflexo do aumento da demanda e do interesse do estado em fatiar esse mercado. Ou vai continuar enriquecendo traficantes a rodo.
Responda-o
#29
Dizer que maconha faz bem é conversa pra boi dormir.
O princípio ativo talvez até ofereça algum benefício mas como os prejuízos à saude sao maiores, acho que não compensa.
E também concordo, todos os caras que conheço que usam maconha são tudo lesado, pau mandado da mulher, como alguns dizem "cuckão".
"Quem é, quem é?"
Responda-o
#30
Hoje demonizam o cigarro e divinizam a maconha.
Responda-o
#31
(10-06-2019, 12:01 AM)Mike Stonza Escreveu: Hoje demonizam o cigarro e divinizam a maconha.

No futuro os maconheiros vão demonizar a maconha e divinizar as pirokas. Do jeito que a coisa anda...
Responda-o


Pular fórum:


Usuários visualizando este tópico: 1 Visitante(s)