Fórum da Real - Legado Realista

Versão completa: O Fator Determinante para o Sucesso
Você está visualizando uma versão simplificada de nosso conteúdo. Ver versão completa com a formatação apropriada.
O Fator Determinante para o Sucesso


Contextualizando o assunto antes de fazer a reflexão, eu me mudei no final do ano passado para Los Angeles na Califórnia antes de ser chamado no concurso que passei, só pelo prazer de fazer uma loucura porque depois que eu começar a trabalhar nesse concurso vai ser bem mais complicado ficar saindo assim por meses seguidos para algum lugar distante. E arrumei um trabalho para me manter lá durante a aventura e nos dias de folga do trabalho eu comprava um passe de metrô/ônibus que vale para o dia todo e saia perambulando por Los Angeles sem rumo, indo em pontos turísticos, como a calçada da fama, o letreiro de Hollywood, o Pier Santa Mônica, a Universal Studios ou só caminhando pela praia e ruas sem rumo observando os nativos e a cultura local. E foi nessas peregrinações que surgiu a reflexão desse tópico.

Em um desses dias quando eu saí no dia de folga para conhecer a cidade, pude ver várias cenas de como o vício destrói a vida das pessoas. Um lugar como este país em que as pessoas ajudam muito os moradores de rua e os necessitados, que tem muita oportunidade de emprego (em todo o canto tem uma placa de contrata-se), que mesmo com o salário mínimo é possível ter uma boa qualidade de vida (14,25 dólares a hora de salário mínimo), mesmo sendo um país bem mais livre economicamente que o Brasil, vemos situações deploráveis por todos os lados. Logo que peguei o metrô já tinha uma mulher desmaiada no banco fedendo muito como se tivesse se cagado toda. Ela estava visualmente destruída, como se tivesse a semanas sem dormir e sem se alimentar direito. Sentei perto e quando senti o odor me levantei e sentei bem longe, assim como vários fizeram, até que foram acabando as vagas e o pessoal foi sentando perto dela.

Depois que saí do metro e fui para Long Beach dar uma volta por lá, andando nas ruas vi uma outra mulher com o vestido todo sujo de merda na parte de trás e com a perna toda suja devido ao fato da merda ter escorrido por toda a perna e endurecido com o tempo. Estava andando como um zumbi, como se tivesse em outra dimensão, olhar distante e sem foco, sem nem se importar com a situação deplorável que se encontrava e nem com as pessoas ao seu redor. E os nativos já acostumados com pessoas assim só davam a volta para passar um pouco mais longe e continuavam caminhando e mexendo no celular sem nem prestar muita atenção.

Essa situação me fez lembrar de um outro dia quando vi uma menina bonita e jovem com um isqueiro e uns alumínios junto com outro rapaz jovem fazendo alguma droga bem na lateral da passarela onde passo quando vou ou volto do trabalho e da academia, e no outro dia ela estava toda destruída caída no chão em cima das plantas na lateral da calçada meio que desmaiada com a cara de lesada, toda vulnerável ali a perigos. Imagina, todo um potencial de vida sendo desperdiçado, imagina a frustração dos pais tentando salvar a vida da filha e ela nessa situação deplorável se auto-destruindo.

Lembro que em Las Vegas quando fui conhecer também tinha muitos moradores de rua, em uma quantidade absurda. Provavelmente foram jogar e perderam tudo nos cassinos e ficaram lá e todo dinheiro ganho devem gastar com o vício aos jogos. Eles ficavam na porta dos cassinos pedindo dinheiro. Não adianta viver em um país como os EUA, ter liberdade, pouca criminalidade, ter prosperidade, estabilidade jurídica, livre de guerras internas, com muitas oportunidades, se não tiver domínio próprio. O vício é a maior das prisões. A falta de domínio próprio faz todos esses benefícios serem jogados no lixo. 

A pessoa perde a dignidade, o respeito próprio, entristece a sua família, vira motivo de chacota e de vergonha por todos. Se sente um lixo, um fracassado, um perdedor, fica decepcionado em saber que está destruindo sua vida e que não tem força de vontade para se livrar, vivendo em um estado de letargia como que alheio a tudo, literalmente presos ao mundo encantado de satanás, e suas vidas vão escorrendo, sendo desperdiçadas, sem nunca mais poderem voltar atrás para recuperar esses dias perdidos, famílias destruídas, filhos decepcionados com eles, seus pais arrasados, eles estão se auto-destruindo e sabem disso, mas sentem que perderam o controle da própria vida e se tornaram escravos dos seus vícios, sentem que não tem forças para sair, passam a viver só em função disso, e alguns no auge do desespero e frustração preferem se matar porque não conseguem ver saída dessa situação deplorável porque toda vez que tentam sair acabam voltando e se afundando mais ainda. E veem na morte a solução porque acham que é o único jeito de se livrarem da dor que sentem. Pobres e miseráveis escravos dos seus vícios e fraquezas.

Considero o domínio próprio como a maior das virtudes. A base de todas elas. Vi pessoas extremamente inteligentes com QI altissímos jogar tudo no lixo por falta de domínio próprio, destruírem suas vidas pela ganancia e amor cego ao dinheiro que no fim deram cabo da sua vida. Também já tive a oportunidade de conhecer um jogador de futebol talentoso na juventude que jogava em um grande clube e que perdeu uma carreira brilhante devido ao vício em álcool e foi expulso ainda novo do time e se afundou de vez no vício. Vi um caso de um rapaz que perdeu tudo pelas drogas, família, amigos, noiva, filho, e depois perdeu inclusive a própria vida. Existem centenas de reportagens de famosos, atores, cantores, jogadores com potencial que jogaram uma carreira brilhante no lixo por pura indisciplina e falta de domínio próprio.

Sem domínio próprio não adianta ter talento, ter inteligência ou viver em um país de oportunidades, sem domínio próprio todas as outras virtudes são sacrificadas.

Podemos ver casos de pessoas talentosas, inteligentes, com dom e genética excepcionais que perderam espaço para quem não era tão excepcional mas tinha domínio próprio e era realmente esforçado. Um mediano com controle de si mesmo, que tem a capacidade de dominar suas próprias paixões e impulsos, que dá o seu melhor em tudo que faz vale muito mais do que o gênio negligente, indolente e preguiçoso por mais talentoso que fosse.

[Image: calvin-coolidge-nada-no-mundo-consegue-t...7m3mnp.jpg]

Observação: Acrescentei essa frase acima para complementar com o texto. Persistência e determinação são formas de domínio próprio em que é necessário subjugar desejos e impulsos ruins para continuar em frente quando tudo te puxa para trás. Então, mesmo sem a frase da imagem usar a palavra domínio próprio, ela é válida para todo o sentido da reflexão que fiz aqui.

Existem diversos tipos de vícios, dos mais pesados ao mais leves, mas que a tendência é a mesma: Te escravizar. 

Cada pessoa tem os seus pontos fracos específicos, o seu próprio lado obscuro. Para mim são jogos de computador/videogame e a procrastinação. Eu tenho facilidade total de me manter abstêmico de álcool por anos, inclusive eu só bebo uma taça de champanhe na virada do ano para acompanhar a família e passo o resto do ano sem beber uma gota sequer. Cigarro e drogas eu nunca usei. Cerveja e café eu já experimentei e não sinto a mínima falta ou desejo. Tenho um pouco de dificuldade com Youtube, Instagram e tinha com Facebook também, que estou lutando para me libertar com a Operação Libertação que criei alguns meses atrás e que relatei em outro tópico.

Para algumas pessoas que é fácil não se masturbar e ver pornografia, é, ao mesmo tempo, extremamente difícil ficar 7 dias sem beber uma gota de álcool. Ou ficar 7 dias sem fumar. Ou mesmo ficar 7 dias sem apostar em algum jogo. Ou 7 dias sem acessar o Facebook/Instagram/Youtube para ver porcaria ou fazer postagem atrás de curtidas. Outros são viciados em açucar e carboidratos cavando a própria cova com os dentes. Outros com séries de Netflix deixando de fazer coisas importantes para ficar vendo um episódio atrás do outro. Outros são obcecados por sexo e estão sempre traindo e correndo atrás de um rabo de saia novo sacrificando até a própria dignidade para isso. Outros se irritam facilmente e quando ficam nervosos ficam cegos de ódio e se metem em grandes confusões colocando em risco a própria vida por besteira em várias ocasiões. Alguns são indolentes, ficam desperdiçando horas com besteira e sempre procrastinando as coisas importantes. Já para outros o problema é com o ego, tem a necessidade imensa de ser admirado e ter aprovação alheia, outros o lado obscuro é a inveja e assim por diante.

Cada um tem o seu lado obscuro. Cada um tem um ponto fraco que o afeta mais. Cada um tem a sua própria batalha para travar. Satanás sabe o seu maior ponto fraco, aquilo que te atinge profundamente e dedica todos os seus esforços em te apertar naquele ponto em específico com toda a força que consegue. Onde é o seu ponto mais fraco é onde ele ataca com maior força. Existe uma tentação específica que afeta cada um de nós de maneira especial. O que devemos fazer é não se comparar com os outros, mas procurar vencer o nosso próprio lado obscuro. Dia após dia vencer as nossas maiores fraquezas.

Subjuguem as vossas fraquezas e vícios e assumam o controle da própria vida!

Todo mundo acha bonito aqui no Legado Realista falar que as mulheres se entregaram ao seu lado obscuro e que quase não existe mulher que lute contra o seu lado obscuro no mundo atual. É fácil apontar os dedos e vê o erro dos outros. Mas, e você? Você está lutando contra o seu lado obscuro? Está se superando e se tornando melhor, mais forte e desenvolvendo um caráter nobre? 

Para complementar, vou colocar em spoiler a resposta que mandei ao Gorlami ano passado:

Spoiler Revelar
(27-01-2019, 07:16 PM)Gorlami Escreveu: [ -> ]Estou na mesma, subestimei os efeitos da pornografia e da masturbação na mente, achei que eu tinha o controle pleno, mas estava enganado. Me sinto um drogado, noia, quando a mente fica atoa, no tempo livre a vontade vem, mas por enquanto estou conseguindo superar. Força pra nós.

Essa questão da pornografia é uma droga mesmo. Qualquer descuido, qualquer gatilho que vemos na TV ou internet, o desejo volta com força total, aí você vai querer dar só uma olhadinha rápida e já era. Agora eu sei o que acontece com um bêbado quando passa na frente de um bar e sente o cheiro do álcool e começa aquela batalha interna imensa entre o prazer e a renuncia. O bom disso tudo é que no processo a gente desenvolve muito o domínio próprio e o auto-controle. Eu vi um estudo impressionante sobre isso, de 1960, o teste do Marshmallow.

Descobriram que o maior fator para o sucesso de uma pessoa, não é o QI dela, não era a riqueza dos pais, as melhores escolas, o dom dela, e nem algum gene especifico, o maior fator entre as pessoas de sucesso era o domínio próprio.
 
No teste, colocaram as crianças de 4 e 5 anos em frente a um marshmallow e disseram que poderia comer na hora que quisesse, mas se esperasse 15 minutos e não comesse, ele voltaria e daria mais um marshmallow para ela comer. Um retorno de 100% do seu investimento em 15 minutos. Quase todas comeram o marshmallow, algumas na hora que ele fechava a porta. E a maioria nos primeiros minutos porque não resistiram esperar.

Poucas crianças tinham a auto-disciplina de postergar a recompensa para receber uma recompensa maior depois. 

15 anos depois, foram ver as crianças, 100% das que não comeram o marshmallow eram bem sucedidas. Tinham boas notas, eram felizes, tinham planos para o futuro, bons relacionamentos com pais. Já as crianças que comeram o marshmallow muitas estavam mal, envolvidos em notas ruins, crimes, vícios com álcool ou drogas. Fizeram o teste com crianças de vários países e os resultados foram os mesmos.

Depois de mais algumas décadas foram ver eles na idade adulta e os resultados foram mais distintos ainda. Um grupo disciplinado e que sabe buscar benefícios de longo prazo, como fazer academia esperando resultados para o futuro, se alimentar corretamente para ter saúde no futuro, fazer mestrado, doutorado, pensando no futuro da carreira acadêmica, investindo o dinheiro para ter bons resultados no futuro, ou seja, saber estudar, treinar e investir para uma recompensa no futuro.
E no outro grupo muitos eram impacientes e precipitados, querendo resultados imediatos, buscando atalhos, pensando só no curto prazo. Se envolvendo em drogas, não conseguindo tirar boas notas, sem faculdade, empregos ruins, alimentação ruim e doenças, e etc.

O mais interessante disso tudo, ao meu ver, é que o fator mais importante para determinar o sucesso de uma pessoa pode ser desenvolvido por qualquer um. Não importa a sua origem.





O exame foi desse jeito aí:




Como bem escreveu Jocko Willink em seu livro, Disciplina é liberdade! Então, vem a pergunta, você é realmente livre?

Como dizia a minha assinatura anterior: "A fortaleza do caráter consiste em duas coisas - força de vontade; e domínio de si mesmo. Muito jovem confunde paixão forte, desenfreada, com fortaleza de caráter; o fato, porém, é que aquele que é dominado pelas paixões é um homem fraco. A genuína grandeza e nobreza do homem, mede-se pela força dos sentimentos que ele subjuga, não pela dos que o dominam."
Baita tópico.

Respondendo a pergunta: 

Citação:Você é realmente livre?

Eu respondo, não, ninguém é. 

Acredito eu que a maior lição do Nosso Senhor Jesus é justamente essa, a da liberdade. Ele nos manda a renegar os nosso pecados derivados dos desejos e impulso e até mesmo da liberdade que foi consedida ao ser humano, e do nosso ego, para podermos renascer realmente livre, ou seja, para sermos realmente livres devemos vencer a a nós mesmo por meio da liberdade que nos foram consedidas

Citação:Se alguém quiser acompanhar-me, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me.

LC 9:18

Estive até refletindo sobre isso a pouco tempo e cheguei a conclusão o do porque devemos evitar o pecado (impulsos que nos levam ao desastre). Cristo nos promete um novo céu e uma nova terra.

Citação:eis que tudo se fez novo.
2 Cr 5

Para tanto é necessário vencer este mundo (o pecado e tudo que é derivado dele) e porque disso ? Porque se nesta terra corrupta conseguimos resistir e transcender os nossos pecados mesmo sendo pecador não há empecilho algum para um novo céu e nova terra que deve ser incorruptíva. E para isso devemos vencer os nossos defeitos as nossas fraquezas. O novo lugar para aqueles que seguem a Cristo não pode ter pessoas fracas em que não pode ter domínio próprio.

O domínio próprio está associada a força pois requer grande esforço para tal, não é fácil por isso quem passa pelo tormento e vence esse é digno de uma vitória. 

Claro que essa é uma visão pessoal e teológica da coisa.

Por isso devemos morrer e renascer. (A morte psicológica dita por N.A). Li uma frase uma vez aqui que dizia o seguinte: Muitos querem renascer, mais poucos estão dispostos a tocar fogo em si. E essa é uma grande máxima porque para ter uma nova vida para transcender suas fraquezas é necessário a dor, o sacrifício a luta até alcançar o que parecia ser inalcançavél. 

Para Fernando Pessoa só alcançaremos a liberdade através da morte pois ali nos destruímos tudo o que nos aprisiona, podemos também alcançar a liberdade através do silêncio e solidão. 

Citação:A liberdade é a possibilidade do isolamento. És livre se podes afastar-te dos homens, sem que te obrigue a procurá-los a necessidade de dinheiro, ou a necessidade gregária, ou o amor, ou a glória, ou a curiosidade, que no silêncio e na solidão não podem ter alimento. Se te é impossível viver só, nasceste escravo. Podes ter todas as grandezas do espírito, todas da alma: és um escravo nobre, ou um servo inteligente: não és livre. E não está contigo a tragédia, porque a tragédia de nasceres assim não é contigo, mas do Destino para si somente. Ai de ti, porém, se a opressão da vida, ela própria, te força a seres escravo. Ai de ti se, tendo nascido liberto, capaz de te bastares e de te separares, a penúria te força a conviveres. Essa, sim, é a tua tragédia, e a que trazes contigo.
Nascer liberto é a maior grandeza do homem, o que faz o ermitão humilde superior aos reis, e aos deuses mesmo, que se bastam pela força, mas não pelo desprezo dela.
A morte é uma libertação porque morrer é não precisar de outrem. O pobre escravo vê-se livre à força dos seus prazeres, das suas mágoas, da sua vida desejada e contínua. Vê-se livre o rei dos seus domínios, que não queria deixar. As que espalharam amor vêem-se livres dos triunfos que adoram. Os que venceram vêem-se livres das vitórias para que a sua vida se fadou.
Por isso a morte enobrece, veste de galas desconhecidas o pobre corpo absurdo. É que ali está um liberto, embora o não quisesse ser. É que ali não está um escravo, embora ele chorando perdesse a servidão. Como um rei cuja maior pompa é o seu nome de rei, e que pode ser risível como homem, mas como rei é superior, assim o morto pode ser disforme, mas é superior, porque a morte o libertou.
Fecho, cansado, as portas das minhas janelas, excluo o mundo e um momento tenho a liberdade. Amanhã voltarei a ser escravo; porém agora, só, sem necessidade de ninguém, receoso apenas que alguma voz ou presença venha interromper-me, tenho a minha pequena liberdade, os meus momentos de excelsis.
Na cadeira, aonde me recosto, esqueço a vida que me oprime. Não me dói senão ter-me doído.

Concluíndo a vida precisa de liberdade e ela pode ser alcançada através do domínio próprio pois nada o fará com que a sua consciência seja aprisionada lhe causando tormento e dor eterna. Com Domínio próprio obtemos disciplina e essa é a chave para o sucesso.
Mais um excelente texto! Outra vez encontramos o tema do desapego de si mesmo. O domínio de si, suprema fortaleza de caráter que possibilita o subjugo das paixões, só é possível com a mortificação do ego.

A soberba da vida é a ruína do homem. Como profissionais, temos que ver a nós mesmos como ferramentas para o trabalho, meros mercenários buscando recompensa. Assim, as nossas ações serão sempre no sentido da melhoria dessa ferramenta humana. Afiar o machado, lubrificar as engrenagens, melhorar o design; se necessário, voltar à prancheta e recomeçar o projeto, adicionando ao desenho dos nossos mecanismos todo o conhecimento acumulado.
Ainda nem li o resto das postagens, mas a da abertura é completamente genial.

[Image: giphy.gif]

Não tem mais o que acrescentar. O homem deve ser senhor de si mesmo, e isso significa não só ser independente financeiramente ou emocionalmente, mas mandar no próprio focinho, nos seus próprios impulsos.

Infelizmente eu mesmo sou um tanto indisciplinado e tenho dificuldade para fazer as coisas sozinho (trabalho melhor em grupo), pra mim é muito difícil criar alguns hábitos novos que preciso. Acredito que todo mundo aqui pode também ter um ou outro defeitinho, besta que seja, ou talvez até um maior, e não sabe como lidar com isso.

Claro que a força maior está dentro, mas nem todo mundo tem o conjunto de características que precisa para sair da inércia. Acredito que essa área mereça um grupo de estudos e de ajuda de maneira dedicada.
Ótimo texto!

Eu bem que gostaria de poder comentar algo útil e contribuir, mas não estou ainda podendo, preciso melhorar muito, em muitas áreas.

Esta reflexão, junto com a do Mr. Rover sobre escolher e suportar o sofrimento são a base que estou buscando criar para realmente me desenvolver.

No mais, me fez lembrar outra figura relevante no desenvolvimento pessoal, David Goggins. A história dele é inspiradora e ilustra bastante a importância de saber sofrer, ter autodomínio.
Chegando nesse (belo) tópico, um pouco tarde.
É fato que há uma guerra espiritual (ou mental, pode-se dizer também) que é, discretamente, revelada no mundo aparente, e só.
E como esse tema é pouco tratado no debate público, em programas da grande midia, e mesmo na web, talvez só tendo (um pouco) abordagem no café filosófico, programa por uma emissora de Sp.
De resto, até nas universidades e escolas, reina um vazio, típico de um país de tão limitada mentalidade como o Brasil.
(24-07-2021, 01:17 AM)Baralho Escreveu: [ -> ]Chegando nesse (belo) tópico, um pouco tarde.
É fato que há uma guerra espiritual (ou mental, pode-se dizer também) que é, discretamente, revelada no mundo aparente, e só.
E como esse tema é pouco tratado no debate público, em programas da grande midia, e mesmo na web, talvez só tendo (um pouco) abordagem no café filosófico, programa por uma emissora de Sp.
De resto, até nas universidades e escolas, reina um vazio, típico de um país de tão limitada mentalidade como o Brasil.

O café filosófico está no mesmo nível do submundo intelectual e platinho, não faça mais isso.


Facepalm  

Palavras cruzadas e estudo da lógica são melhores que os ditos filósofos de puc e usp, c é loko venerar aquela esquerdalha redundante de retórica rasa.
[Image: Pacote-logica.png]

[Image: _e97a6e4bfd071702ce38f4850f6d11bf899218d0.jpg]


Sucesso para o bostileiro é FAMA e FAMA= twitter, instagram, tik tok , youtube no maior vale tudo,até virar puta, ser criminoso ou ser eleito para algum cargo politico.
O tal do "Chafé" filosófico tá pra mais qualidade de água de lavagem de bule de café. Já foi melhor, mas nunca excelente. Se quiser algum material que ainda tenha qualidade apresentável, terá que procurar na gringa, pois o nível de consciência do brasileiro médio é tão profundo quanto uma poça de chuva de verão.

Não preciso falar das banalidades e frivolidades a vocês que já conhecem, o horizonte de consciência é tão estreito que a maior preocupação do peão é saber se o time dele vai ganhar no campeonato.

Aqui a gente pode não ter condições ideais (ter liberdade, pouca criminalidade, ter prosperidade, estabilidade jurídica, livre de guerras internas, com muitas oportunidades) e se depender das coisas, nunca terá. Ter domínio próprio aqui é ainda mais essencial para ao menos safar o cara de tudo de ruim que já está destinado a lhe ocorrer.

Resumo da ópera... Se há algum caminho para o cara realmente se tornar livre, terá de ser encontrado por conta própria. Só que há o porém. Na cegueira espiritual coletiva chamada Brasil, será bem mais difícil.
Sem crise.
Paz por favor... Nem surpreendeu tanto as críticas á citação do CF, e são procedentes.

O comentário postado ontem, foi no sentido de que, mesmo (não obstante, apesar de) com estruturalistas em sua ampla maioria no quórum de ''palestrantes'' , o CF é o único programa em rede aberta que trata de temas mais existenciais e perpassa, por vezes, por temáticas espirituais/metafísicas.
E sim, o viés deles é bem conhecido.

De resto... relevem, o YT tem mais conteúdo que eles hoje.
Que fique a menção como informação mesmo.
Eu diria que dois fatores determinantes para o sucesso são:

1) Respeito à Lei da Harmonia (ter empatia, viver em sociedade, percepção coletiva, bondade, "não criar confusões e atritos", noção de gerar valor à civilização, manter a paz na sociedade e no convívio etc)

2) Bons hábitos e disciplina pessoal (o próprio Fator já diz tudo, autocontrole, temperança, fazer coisas positivas, boa rotina, "andar na linha" etc)
(25-07-2021, 01:26 AM)Baralho Escreveu: [ -> ]Sem crise.
Paz por favor... Nem surpreendeu tanto as críticas á citação do CF, e são procedentes.

O comentário postado ontem, foi no sentido de que, mesmo (não obstante, apesar de) com estruturalistas em sua ampla maioria no quórum de ''palestrantes'' , o CF é o único programa em rede aberta que trata de temas mais existenciais e perpassa, por vezes, por temáticas espirituais/metafísicas.
E sim, o viés deles é bem conhecido.

De resto... relevem, o YT tem mais conteúdo que eles hoje.
Que fique a menção como informação mesmo.

Justo, justo eu só falo por que já cheguei e assistir e a qualidade desaponta cada vez mais. A proposta é legal, mas se perde logo. É que nem um programa da cultura que vi esses dias com participação do Pondé. É curto e raso e quase um desserviço a ele, pois mesmo que ela seja um filósofo de segunda linha para uns, ainda tem coisa interessante pra falar e ser ouvido dele. 

Mas considerando que é TV aberta, tipos como ele é o mais "a direita" aceitável antes de começarem a cancelar ele. Não duvido que o problema do CF seja esse mesmo, não tem como fazer algo mais contundente sem desagradar a mídia emburrecedora arco-iris, não precisa nem falar de política ou de nada de direita, só falar algo que eles não compreendam que eles já começam a chorar e espernear. Aí o programa fica aguado e difícil de vender.

As vezes o problema não é nem o viés, mas sim o próprio conteúdo. Lembro do Provocações com o Abujamra, o cara era esquerdalha assumido, mas não era nenhum idiota, e o programa dele ainda prestava na maior parte nem que seja pelo valor de entretenimento. Claro que aí o programa praticamente se sustentava no carisma e pessoa do apresentador, tanto que agora com Marcelo Tas chega nem aos pés do falecido.