Fórum da Real - Legado Realista

Versão completa: Dificuldades de se trabalhar com mulheres
Você está visualizando uma versão simplificada de nosso conteúdo. Ver versão completa com a formatação apropriada.
Páginas: 1 2
Nos três empregos que tive na minha vida até aqui, tive o (des) prazer de trabalhar com mulheres, como colegas e como chefes. Seguem alguns pontos negativos de se trabalhar com mulheres.

Elas falam demais. Além de ser senso comum, é cientificamente comprovado que mulheres conversam mais do que os homens. No local de trabalho, essa característica delas atrapalha a produtividade delas mesmas e dos colegas. Aqui me refiro a conversas não relacionadas ao trabalho. Nem todo mundo consegue fazer mais de uma atividade ao mesmo tempo - conversar e fazer o serviço- principalmente homens, e, quem desses insiste fazer, acaba cometendo muitos erros. Elas adoram falar das intimidades, família e relacionamentos delas e querem que os outros também compartilhem a vida deles. Essa situação é ainda pior param quem não é extrovertido. Comigo já aconteceu de mulher vir até mim desabafar chorando sobre problemas pessoais dela, e eu constrangido tive que ficar procurando palavras para fingir que me importava. Não sou psicólogo porra!

Falta de objetividade. Elas têm a mania irritante de ficar "procurando chifre na cabeça de cavalo". São detalhes que não fazem a mínima diferença no resultado final, mas elas fazem questão dessas irrelevâncias. Acho que aqui dá para encaixar também o comportamento contraditório delas. Em um momento dizem/fazem algo e depois elas mesmas passam por cima do que disseram/fizeram antes. Outro exemplo que aconteceu comigo recentemente. Com o relaxamento do isolamento social imposto pela pandemia do Convid-19 no meu município, "minha chefe" entendeu que não era conveniente o estabelecimento ficar fechado na parte da tarde e me pediu para trocar de turno. Dois dias depois, ela me pediu para ir trabalhar na parte da manhã, pois ela teria uma reunião nesse horário. Tudo bem, ela tinha uma justificativa. O problema é que à tarde ela não foi e o estabelecimento ficou fechado!

Excesso de licenças para ir no médico. Essa eu percebi mais quando trabalhei com servidoras públicas. Parece que elas consultam com todo tipo de médico especialista que existe na face da Terra. Toda semana uma faltava para ir ao médico. Além de desfalcar a equipe, dá trabalho para os encarregados arrumarem substitutos.

Enfim, elas levam para o trabalho as necessidades psicobiológicas delas, como necessidade de falar, de ser notada, de ter o ego inflado, o que pode ser prejudicial ao ambiente de trabalho.
''Elas falam demais. Além de ser senso comum, é cientificamente comprovado que mulheres conversam mais do que os homens. No local de trabalho, essa característica delas atrapalha a produtividade delas mesmas e dos colegas. Aqui me refiro a conversas não relacionadas ao trabalho. Nem todo mundo consegue fazer mais de uma atividade ao mesmo tempo - conversar e fazer o serviço- principalmente homens, e, quem desses insiste fazer, acaba cometendo muitos erros. Elas adoram falar das intimidades, família e relacionamentos delas e querem que os outros também compartilhem a vida deles. Essa situação é ainda pior param quem não é extrovertido. Comigo já aconteceu de mulher vir até mim desabafar chorando sobre problemas pessoais dela, e eu constrangido tive que ficar procurando palavras para fingir que me importava. Não sou psicólogo porra!''




Reforço o tópico criado pelo confrade com um breve relato. Também tive esse desprazer quando trabalhei em um escritório no centro da cidade onde moro. Meu antigo chefe contava com 3 mulheres em sua loja de roupas que ficava no primeiro andar do edifício e, detalhe, tinha duas funcionárias que eram MSol's e a terceira também viria a ocupar o posto posteriormente. Além disso, a esposa do dono do negócio também era uma MSol dondoca e só aparecia esporadicamente para dar ordens. 

Eu trabalhava no 25° andar, mais precisamente no escritório, com meu chefe. No entanto, quando havia muita necessidade, ele pedia para que eu descesse e fosse ajudá-las na loja. Um saco! Só falavam merda o dia todo. De príncipes encantados, relacionamentos, novelas a façanhas sexuais de fim de semana e de experiências de sexo anal e etc... ficava puto quando tinha que ir pra lá.
Este tema é interessante, pois percebi que o ambiente intensifica o comportamento das mulheres. Onde trabalho, a maioria é homem e o chefe separou as mesas das mulheres estrategicamente para evitar que se reúnam. Assim, elas falam menos e trabalham mais. 

Mas já vi outros setores que ficam juntas e aí é desastroso, parece uma feira: gritaria de voz aguda, comilança, sempre alguém andando, arquivos desorganizados, visual aberrante com excesso de decoração... Enfim, um lugar péssimo para se concentrar e trabalhar.

Quanto às mulheres do meu setor, há cinco: duas jovens, recém casadas que estranhamente falam muito pouco e são reservadas: uma balzaca quase cinquentona, bem perua do tipo que usa cinta para apertar o bucho, e também folgada; uma sexagenária obesa que passa o dia inteiro comendo e falando como adora cuidar e montar os cavalos dela (!!!), e uma cinquentona meio lesada com voz de bêbada, mas gente boa e que trabalha sério. Como disse, das cinco a única que trabalha é a pancada, as demais enrolam.

Outro detalhe importante também é que setores mais produtivos são os que tem mais homens e com chefia masculina. As divisões com liderança feminina são um desastre tecnicamente e sempre são apoiadas por um gerente homem mais experiente. Pra dizer que não tem exceção, há duas mulheres gerentes que dão resultados eficientes, mas elas são rígidas com seus subordinados e ambas curiosamente tem um jeito muito masculinizado - cabelos curtos, andam de terninho, enfim parecem lésbica.
Falam demais? Muuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuito mais.

Outro problema eh privilegio , se seu trabalho for bracal, ficar esquentando cabeca se vai dar conta essas coisas.
Tema bem interessante esse a se debater, concordo com tudo que foi dito,trabalhar com mulheres gera muito mais desgaste e dificuldade sem dúvidas. Posso dizer que pelo visto é meio que padrão o comportamento e o ambiente quando tem muitas mulheres no trabalho.Digo por experiência própria , e inserido em diferentes ''níveis'' sociais digamos.

Eu acabei de sair do meu terceiro trabalho , no primeiro trabalhei numa empresa pequena, onde tinham uns 4 funcionários trabalhando comigo e todos eram homens, já no segundo fui para uma empresa maior com uns 30 funcionários, e umas 5 mulheres , era um centro de distribuição de máquinas, como o ritmo era mais braçal e fiquei pouco tempo lá , senti de leve apenas a diferença , mas já percebia que o nível de perturbação com fofocas,falação desnecessária,e até algumas tentativas de investidas amorosas nos caras da empresa, sem sucesso pois eram todas uns dragões kkk.Mas eu fui notar mesmo como era difícil trabalhar com mulheres nesse terceiro trabalho que acabei de sair.

Nesse emprego eu lidava no pós vendas em uma loja de carros importados, nesse ambiente tinham muuitas mulheres, sua maioria no setor de vendas,mas tinham tipos bem variados , Ninfetas do cool rosa (que só trocavam alguma palavra com alguém do meu setor se precisassem de favores, do contrário nem bom dia davam,lembro de 3, duas eram mais contidas porém de vez em quando se mostravam oportunistas, e uma que era a típica intrigueira ,que só falava futilidades o dia todo e ficava se achando de suas viagens internacionais pra todos.),as Balzacas e Msols (a maioria se achava e ficavam de competição com as Novinhas em chamar a atenção dos chefes e clientes do local, 2 delas nunca cheguem a nem trocar bom dia,elas só miravam em seus alvos,o resto era invisível para as mesmas. E tinha uma em específico que era o que eu chamava de ''bomba atômica'' kkkk por que ela reunia todas as características de uma mulher errada para se relacionar, era Msol,mais de 30 anos carreirista,cheia de vícios (fumava muito), baladeira , se vangloriava das bebedeiras até cair,sempre tentava se escorar nos caras da empresa,essa diferente das outras que só miravam nos chefes,mirava em quem tivesse ali na hora,como ela fumava perto do meu setor,sempre tentava puxar papo comigo,apesar de ser gostosa (porém o chronos já estava começando a cobrar dela a promiscuidade).

Enfim, eu lembro que o trabalho com elas era desgastante, pois muitas vezes vinham pedidos com informações pela metade, fora ter que ficar correndo atrás para não atrasar o trabalho (elas solicitavam as coisas e depois esqueciam, a gente que tinha q correr atrás). Até me lembro de uma vez que uma delas foi solicitar pastilhas de freio para um carro, e simplesmente largou o documento do carro lá comigo,além de não saber nem se era as pastilhas dianteiras ou traseiras, simplesmente era para eu me virar. Ou seja além de tudo isso que os caras já citaram (falação,disperção,etc) tinha o fator de falta de responsabilidade,oportunismo,e querer envolver vida pessoal com trabalho.
Realmente, os relatos dos confrades demonstram um padrão comportamental delas no trabalho.

@Bilidequidi achei graça do chefe que separou as tagarelas Yaoming mas se isso vem à tona o chefe corre o risco de ser acusado de machismo e discriminação contra as mulheres..
Muito bom tópico! Olha, é um assunto muito sério porque o que está em jogo é a vida do cara e sua reputação no trabalho.
Eu tive duas péssimas experiências quando era mais jovem. 

Meu 1º trabalho foi em uma papelaria onde fiquei por incríveis 11 dias. Trabalhar com vadia acaba você fazendo merda, então decidi sair, mulher com ego ferido é uma bomba relógio. 

No 2º trabalho uma grávida começou cismar comigo, como eu era estagiário, a corda arrebentou para o meu lado. Fiquei uns 22 dias nesta empresa, até me desligarem sem me dar muitas explicações.

Meu atual trabalho, onde estou há 10 anos, devido o meu pai que fez carreira nesta onde estou agora, tive que aguentar alguns trancos, algumas problemáticas saíram e me aliviaram, atualmente passo sufoco com algumas mal comidas e separadas, além de uma bicha de 50 anos, que não vai com a minha cara, me persegue quando tem oportunidade. 

O que tenho para passar para vocês: façam o melhor que puderem, trabalhem com afinco, foco e excelência. Isso será uma arma caso vocês entrem em confusão e parem no RH da empresa. 
Não caíam nessa de ficar em redes sociais trabalhando ao mesmo tempo. Todo trabalho sempre tem aquele X9 que te observa e a gente nem percebe. Com certeza ele vai te entregar para algum superior seu.
Flertar então, como todo mundo aqui já sabe, é inadmissível em ambiente de trabalho. 
Cortem de início brincadeiras depreciativas ou atitudes folgadas de colegas porque a tendência é só piorar. 
Infelizmente tem pessoas que só entram nos trilhos se a gente intimidar ou passar um certo medo nelas. Algumas irão te respeitar por isso e vão pensar duas vezes antes de fazê-lo de trouxa ou entregar você para um superior.
Não falem mal de colega de trabalho NENHUM, mesmo aquela pessoa com quem vc esteja conversando passar confiança para você. Pode ser um teste ou até mesmo alguém pode escutar. O que mais tem em ambiente de trabalho são paredes com ouvidos.
Não deem carona para colegas de trabalho, não compensa, por incrível que pareça, já vi muita coisa acontecendo de ruim para o dono do carro.
Não falem de seus aprimoramentos e/ ou estudos para aquele cargo que você ocupa. Cumprimentem a todos, desde a faxineira até o diretor geral da empresa. 
Falar de assuntos particulares como esposa, filho, doença, problemas na família só vai deixar a tona sua fragilidade e talvez até suas fraquezas e limites.
Não falte por qualquer besteira, exceto doença ou cirurgia. Redes sociais é para seus amigos e familiares, colegas de trabalho pode ser uma dor de cabeça para vc que vai investigar sua vida, como já aconteceu comigo. Tive pequenos problemas com isso. No mais, quem quiser acrescentar alguma coisa...

Força e Honra,

Abraços .
@Challenger  quais problemas você conhece em relação a caronas para colegas, isso vale apenas para mulheres ou para ambos os sexos?
Aqui onde trabalho, metade são mulheres, metade são homens. Não costumo me estressar, pois os contatos são esporádicos, busco nem criar muitos laços.

A única situação que me é frequente é o horário do almoço. Como a maioria dos homens aqui são chefes, eles saem almoçar fora. Quando estou no modo frugal busco almoçar todos os dias no refeitório. O problema é que é uma falação sem fim até enquanto estão almoçando... ou é isso ou é descendo a telinha do Instagram. Não levem a mal, as mulheres até são gente boa, mas vai enchendo o saco... Lembro até quando cheguei na empresa, tentavam me "sondar" kkkk, inclusive o fazem até hoje. Levo na esportiva, sem dar muita abertura, de forma que quando preciso de algo, fica uma comunicação cordial. Posso até dizer que algumas situações mais estressantes, como aquele pessoa que tenta te levar ali no limite, melhoraram por agir assim.

O caso mais estridente é uma MSOL que sempre se apura com o filho que ora vai para o pai ora volta pra ela, parece se estressar bastante com o ex marido. Com ela procure nem ouvir muito sobre, sei que isso é resultado de escolhas e sorte, afinal quem planta colhe, mas o que sinto é uma certa piedade por ela. Parece que sofreu muito já.

No mais sou grato pelo ambiente em que trabalho, a comunicação costuma ser direta e as "piadinhas" e bate papo são só de vez em quando. Devo agradecer pelo ambiente de trabalho aqui, ninguém procura encher o saco de ninguém, é meio que uma cultura que se estabeleceu. Sei que isso está longe de ser verdade na maioria dos outros ambientes de trabalho, mas creio que o motivo principal é meu chefe ter um senso de cuidado, ao mesmo tempo que é linha dura nos momentos certos. Me inspiro nele nesse sentido.
(05-05-2020, 10:28 AM)Mastroiane Escreveu: [ -> ]@Challenger  quais problemas você conhece em relação a caronas para colegas, isso vale apenas para mulheres ou para ambos os sexos?

É claro que é para ambos os sexos. O ser humano é complicado, independente de gênero.
Deve ter alguma correlação entre mulheres no trabalho e homens jovens.
Quando eu era mais novo, tive mulher chefe nos primeiros empregos e foi um SACO. Misturavam muito as coisas pessoais com o trabalho. Gostam de "emotivar" o ambiente, tentando emular uma novela ou filme romântico. Duas vezes fui escolhido para o papel de vilão e ficaram pegando no meu pé. Pensando bem deveria ser por minhas características da época: jovem muito magrelo e muito mal vestido, pobre, fudido. Talvez as mulheres tenham algum tipo de instinto para identificar um "beta" e tentar humilhar de alguma maneira, sei lá.
Era fácil de perceber, como um confrade escreveu acima: escolhem algum detalhe totalmente IRRELEVANTE para o trabalho e ficam pegando naquilo, mandado refazer e chamando a atenção. E na maioria das vezes esperavam alguém chegar perto pra chamar a minha atenção (aparentavam precisar de plateia). Consegui sobreviver pois fui aprendendo a fazer um jogo de se fazer de abobalhado, escutar as conversas idiotas como se fosse interessante, aprender a ficar o máximo invisível possível, etc. Importante: NUNCA demonstrar inteligência. Isso é MUITO ofensivo pra "chefa". Se então entender alguma coisa que ela não entendeu e ela perceber, você está FUDIDO, meu amigo.
Depois (graças a Deus), pela característica do trabalho, fiquei muitos anos numa posição de intermediar a empresa com os clientes, então praticamente não tinha interação frequente com mulheres no trabalho.
Por fim passei para uma posição de chefia que mantenho até hoje. Com o chefe as mulheres não costumam criar atrito. Sempre manti MUITA distância, fazendo cara de bravo pra qualquer gracinha. Aprendi com o tempo a contratar mulheres feias mesmo, o mais derrubadas possível. E há uns poucos anos eu achei a fórmula perfeita: mulheres feias e evangélicas, de preferência beirando os 40 anos. ZERO problemas, trabalham muito e falam pouquíssimo, mesmo entre elas. Não sei se dei sorte, mas vou manter essa regra.
(05-05-2020, 03:10 PM)Berzerk Escreveu: [ -> ]E há uns poucos anos eu achei a fórmula perfeita: mulheres feias e evangélicas, de preferência beirando os 40 anos. ZERO problemas, trabalham muito e falam pouquíssimo, mesmo entre elas. Não sei se dei sorte, mas vou manter essa regra.

Se funciona eu não sei, mas que foi engraçado, foi! GargalhadaGargalhadaGargalhadaha
Mais uma vez estamos abrindo uma vaga de estágio para um determinado departamento aqui. No entanto, essa saga já vem desde o ano findo e como eu já postei anteriormente, é "SOFRÍVEL!" não só o currículo profissional do(a) pretenso(a) candidato(a), como ele(a) em sí, pois estamos falando de um nicho etário bem complicado nos dias de hoje (...18 / 25!).

Enfim, se eu puder contribuir com alguns centavos nesse papo, trabalhar com mulher é complicado justamente pelo fato dela ser mulher e já começa por aí! "Ain, Callahan, seu machista, seu misógino, seu isso ou aquilo..." NÃO CARALHO! isso não se trata de ser ou não ser isso ou aquilo, como podemos ver mais abaixo:
  • Convenhamos que já começamos esse papo já sabendo que mulher trabalha menos sim e possui infinitos direitos a mais do que o homem (...vide legislações e afins!);
  • Mulher trabalha por competição e naturalmente vê seu colega de trabalho como degrau e vê sua colega como inimiga;
  • Todo apontamento de custo variável que chamamos de custos invisíveis na auditoria, são na esmagadora maioria das vezes por conta da mulherada dando aquela morcegada (...ócio!);
  • Por conta da doutrinação feminista do caralho, a mulher, por mais nova que seja, já se acha a última bolacha do pacote tanto na entrevista como já no ambiente de trabalho;
  • É fútil, reclamona, mimizenta, vitimista;
  • Fala pra caralho e tumultua o ambiente de trabalho;
  • Não aceita críticas e apontamentos;
  • Não se sujeita a subordinação;
1ª Obs: Claro que temos os vagabundos, os chiliquentos, os mimados e etc. também, mas estamos falando de convivência com mulher no trabalho, portanto preciso continuar a lista ou paro por aqui?

2ª Obs: Tenho empresa e sei do que estou falando! 

Enfim, segue o debate...
Hoje eu ocupo um cargo de confiança, sendo chefe de uma seção com mais de 200 servidores públicos e por muito tempo fui subordinado direto de uma mulher.
Por esse motivo, tenho até uma certa experiência em ser subordinado de uma mulher e ter mulheres subordinadas à mim. Porém, prefiro ser zeloso e evitar explanar qualquer situação mais específica, mas com certeza quando não estiver ocupando esse cargo, eu volto e conto "causos" que presenciei. Coisa absurda mesmo, que você desacredita, Gargalhada.

Mas só para não passar em branco, sem dúvida alguma um dos maiores problemas delas é que não se contentam em apenas fofocarem. Parece que elas têm algum tipo de obrigação em fazer fofocas sempre aglomeradas. Quando você olha, tem umas quatro em volta de uma mesa fazendo fofoca, rindo em altos decibéis, querendo chamar atenção. Fora a histeria, que é de praxe.
Quando a bolha misândrica vai estourar pra igualdade de verdade chegar no mundo corporativo?

(05-05-2020, 02:49 PM)Challenger Escreveu: [ -> ]
(05-05-2020, 10:28 AM)Mastroiane Escreveu: [ -> ]@Challenger  quais problemas você conhece em relação a caronas para colegas, isso vale apenas para mulheres ou para ambos os sexos?

É claro que é para ambos os sexos. O ser humano é complicado, independente de gênero.

Mas o que poderia acontecer em uma simples carona? Você conheceu algum causo envolvendo carona? Poderia contar? Fiquei curioso também com essa da carona.
(05-05-2020, 08:30 PM)hjr_10 Escreveu: [ -> ]Hoje eu ocupo um cargo de confiança, sendo chefe de uma seção com mais de 200 servidores públicos e por muito tempo fui subordinado direto de uma mulher.
Por esse motivo, tenho até uma certa experiência em ser subordinado de uma mulher e ter mulheres subordinadas à mim. Porém, prefiro ser zeloso e evitar explanar qualquer situação mais específica, mas com certeza quando não estiver ocupando esse cargo, eu volto e conto "causos" que presenciei. Coisa absurda mesmo, que você desacredita, Gargalhada.

Mas só para não passar em branco, sem dúvida alguma um dos maiores problemas delas é que não se contentam em apenas fofocarem. Parece que elas têm algum tipo de obrigação em fazer fofocas sempre aglomeradas. Quando você olha, tem umas quatro em volta de uma mesa fazendo fofoca, rindo em altos decibéis, querendo chamar atenção. Fora a histeria, que é de praxe.

Concordo, mas o ser humano segue um padrão que não há como distinguir gênero. O ego está em todo mundo. Tenho colegas homens insuportáveis de má índole e mau caráter.
Tem muito cara que queima seu filme para a mulherada na empresa. Se vc não colocar moral, os caras te torram sem piedade alguma, falo por experiência própria! 
O foco aqui é mulher mas tem muita gente que polariza demais as coisas colocando culpa somente nas mulheres, ora.
Os maiores problemas e atritos sérios que tive na vida foram com homens.
Voltando ao assunto, já fui intimidado por caras mais fortes do que eu, já fui vítima de calúnia e difamação por mulheres onde trabalhei, portanto, não vamos achar que a culpa de tudo o que acontece está no sexo feminino.


Em relação as fofocas, no meu trabalho é meio que dividido, tem homens fofoqueiros tbm e fora os homossexuais que são insuportáveis!
Rapaz.... eu tenho 18, nunca trabalhei e esses relatos foram ouro pra mim. Por essas e outras que decidi seguir carreira militar - pode ter sim mulheres nas forças armadas (algo que eu acho muita graça pois mulher NUNCA lutou em guerra, MULHER NÃO NASCEU PRA GUERREAR, mas em tempos de paz... pode tudo kkkkk).

(05-05-2020, 08:54 PM)Reale Escreveu: [ -> ]Quando a bolha misândrica vai estourar pra igualdade de verdade chegar no mundo corporativo?

(05-05-2020, 02:49 PM)Challenger Escreveu: [ -> ]É claro que é para ambos os sexos. O ser humano é complicado, independente de gênero.

Mas o que poderia acontecer em uma simples carona? Você conheceu algum causo envolvendo carona? Poderia contar? Fiquei curioso também com essa da carona.

Opa,

Então, não quis generalizar. É claro se vc tiver um carro e vê um colega seu na rua indo para o trabalho, não tem como não parar.
Olha só, seu carro é como sua casa, nele tem seus pertences próprios, vc pode receber uma ligação e atender e não ficar a vontade naquele momento. De repente vc vai querer passar em algum lugar e a pessoa ali no seu carro, te esperando. São coisas simples mas ali está sua privacidade. 
Eu mesmo já presenciei uma ligação de uma amante de um colega meu. Ele ficou constrangido e tentou reverter a situação. Disse pra ele que eu não tenho nada com isso e pra ele ficar tranquilo que morria ali o assunto. A carona se vc oferecer uma vez, acabou. 
O cara que trabalha comigo vai pro estacionamento pegar o carro e sabe que todos os dias tem uma colega nossa esperando por ele. A senhora pede pra deixá-la em casa e ele tem que mudar o itinerário todos os dias. Já bateu o carro por isso.
Carona não tem como não conversar e jogar conversa fora, ali vc vai se expondo e tendo mais intimidade com a pessoa. 
É o meu ponto de vista, mas vc pode discordar. A carona é válida porém é algo bem restritivo.
[quote pid='86616' dateline='1588720186']
Spoiler Revelar
Challenger

(05-05-2020, 08:54 PM)Reale Escreveu: [ -> ]Quando a bolha misândrica vai estourar pra igualdade de verdade chegar no mundo corporativo?


Mas o que poderia acontecer em uma simples carona? Você conheceu algum causo envolvendo carona? Poderia contar? Fiquei curioso também com essa da carona.

Opa,

Então, não quis generalizar. É claro se vc tiver um carro e vê um colega seu na rua indo para o trabalho, não tem como não parar.
Olha só, seu carro é como sua casa, nele tem seus pertences próprios, vc pode receber uma ligação e atender e não ficar a vontade naquele momento. De repente vc vai querer passar em algum lugar e a pessoa ali no seu carro, te esperando. São coisas simples mas ali está sua privacidade. 
Eu mesmo já presenciei uma ligação de uma amante de um colega meu. Ele ficou constrangido e tentou reverter a situação. Disse pra ele que eu não tenho nada com isso e pra ele ficar tranquilo que morria ali o assunto. A carona se vc oferecer uma vez, acabou. 
O cara que trabalha comigo vai pro estacionamento pegar o carro e sabe que todos os dias tem uma colega nossa esperando por ele. A senhora pede pra deixá-la em casa e ele tem que mudar o itinerário todos os dias. Já bateu o carro por isso.
Carona não tem como não conversar e jogar conversa fora, ali vc vai se expondo e tendo mais intimidade com a pessoa. 
É o meu ponto de vista, mas vc pode discordar. A carona é válida porém é algo bem restritivo.
[/quote]
Porra, ai é foda, mas pior que é verdade, é muito fácil a pessoa transformar o ato de dar carona como rotina e você precisar dar carona para ela todos os dias.
A pior coisa são os manginas (fácil de encontrar em todos os níveis da hierarquia), esses caras facilitam às coisas para às mulheres e dificultam para outros homens. Deixam os colegas se fodendo e são ''gentis'' com às fêmeas.

Perfeitos potencializadores do comportamento de libertinagem feminino no mundo corporativo.
Páginas: 1 2