Fórum da Real - Legado Realista

Versão completa: Suíços Preferem Casar com Brasileiras
Você está visualizando uma versão simplificada de nosso conteúdo. Ver versão completa com a formatação apropriada.
Seguindo o que parece ser uma tendência no ocidente, o número de casamentos na Suíça diminuíram em 31% entre 1987 e 2011. Todavia, entre os casamentos celebrados neste período, houve um crescimento de 137% de uniões de suíços do sexo masculino com estrangeiras. As brasileiras estão entre as preferidas dos suíços, juntamente com tailandesas, dominicanas, filipinas e outras seis nações. Em 2009, as brasileiras chegaram a ocupar a segunda posição no ranking de preferência dos suíços.

A pesquisadora Maria Eduarda Noura Rittiner, que é casada com um suíço e mora no Brasil, dedicou 20 anos de sua vida acadêmica estudando o fenômeno. Ela escreveu sua tese de mestrado e doutorado (2014) sobre o assunto. Ao longo desses anos realizou mais de 50 entrevistas com casais binacionais. A conclusão a que a doutora chegou é que a predileção dos suíços por mulheres estrangeiras vai além da simples preferência física ou atração por mulheres exóticas. Pesa também o comportamento empoderado das mulheres suíças.

Entre os motivos pelos quais os suíços preferem casar com brasileiras e mulheres de outras nacionalidades está o fato de "estarem cansados da "tentativa de igualdade ao extremo", explicada por eles como uma masculinização da mulher em todos os seus papéis, inclusive no relacionamento afetivo". Segundo a pesquisadora, os suíços reclamam que a competição da mulher para se igualar aos homens chegou ao ponto de elas perderem a feminilidade e a doçura. "Eles dizem que elas querem pagar a conta do jantar, precisam decidir tudo sozinhas, se vestem de forma mais masculina e que muitas não estão disponíveis para formar uma família"

Na visão dos suíços, as latinas e asiáticas apresentam maior disponibilidade para ter filhos, além de características culturais que valorizam o afeto, a proximidade familiar e casamentos tradicionais.

Abaixo, trecho da entrevista de um suíço que falou em anonimato:

Citação:"Acho que o último relacionamento amoroso que tive com uma conterrânea foi quando eu estava com 20 anos, hoje tenho 63. Parece que elas não gostam de ser mulher. Querem competir com os homens. Já a brasileira assume todos os papéis que as minhas conterrâneas, como profissional, mãe e dona de casa, mas não deixam a feminilidade de fora.

Elas gostam de se arrumar, de se sentir bonitas. A mulher suíça usa até sapato de homem. Aí perdem na hora de atrair o sexo oposto."

E por que brasileiras casam-se com suíços?

- Resistência que algumas mulheres de maior nível educacional tem em se relacionar com homens culturalmente inferiores;

- Busca por ascensão social;

- Atração pelo "charme" do homem europeu;

- Machismo do homem latino.

[Image: mila-brum-e-fam-lia.jpghttp:]
Camila Brun, o marido suíço e as duas filhas: a carioca considera, em geral, o homem brasileiro muito machista.

Duas constatações interessantes para os realistas sobre os fatos narrados acima: Primeiro, na Suíça as mulheres sentem de forma mais incisiva os efeitos colaterais causados pela histeria doentia feminista, pois os homens que ainda se dispõem a casar estão procurando mulheres estrangeiras menos infectadas.

Segundo, os homens suíços estão encontrando mulheres brasileiras que servem para casar.

** As informações contidas neste tópico foram obtidas em matéria publicada no site https://www.swissinfo.ch/por/sociedade/sociedade_por-que-su%C3%AD%C3%A7os-preferem-casar-brasileiras-/44865826.
Já vi mulher aqui terminar noivado e ate dizer que só casaria mais tarde ,bastou conhecer um americano que se mandou com ele ,casou cedo e teve um filho antes dos 23. Segunda ela os americanos no geral são mais sérios e não traem.Esse foi o motivo da escolha dela .
Há um tempo atrás, estava a maior zona de brasileiras roubando os maridos suíços das outras brasileiras .... tudo pelo passaporte vermelho !
Onde o feminismo predatório está mais consolidado gera estas bizarrices... então nada mais certo do que estes homens buscarem alternativas.

Para as mulheres vindas do terceiro mundo, hipergamia de sempre.

Nada de novo no front.
Esse é o melhor jeito de se destruir uma civilização a médio prazo. Big Grin Pobres suíços estão trocando 6 por -6   trollface  Aquele paraíso fiscal da elite um dia roda.

O patriarcado só é possível se for pago o preço da hipergamia, virou uma modalidade censitária do empoderamento feminista, sem isso o  genocídio cultural e civilizacional feminista prossegue lindo, forte, feliz e empoderado.

A pesquisadora Maria Eduarda Noura Rittiner, que é casada com um suíço e mora no Brasil, dedicou 20 anos de sua vida acadêmica estudando o fenômeno. Ela escreveu sua tese de mestrado e doutorado (2014) sobre o assunto. Ao longo desses anos realizou mais de 50 entrevistas com casais binacionais. A conclusão a que a doutora chegou é que a predileção dos suíços por mulheres estrangeiras vai além da simples preferência física ou atração por mulheres exóticas. Pesa também o comportamento empoderado das mulheres suíças.

O empoderamento da mulher é abandonado quando a hipergamia é saciada,estamos na  era do patriarcado liberal de mises, mas e a igualdade? É estorinha para otário virar cuckold, mijar sentado e ser fodido pelo ESTADO SOCIALISTA das formas mais injustas e legais possíveis, controle, censura e sanção para o gado escravo. e muito imposto no cú para sustentar a máquina feminazi politica, juridica, assistencialista e ativista.
hGargalhadaha vão escolher justo brasileiras? as + promíscuas, e com genética lixo? Fosse uma russa então.
Brasileira vai pra europa e libera geral para estrangeiro. Ai o inocente acredita que busca relacionamento serio e entra nessa roubada. Em poucos minutos a vadia ja esta postando fotos no instagram tomando vinho e comendo fondue, sem o cara na foto, é claro. Depois garantem a cidadania, muito dinheiro no bolso e uma colecao de amantes.
Podem citar inúmeros motivos, mas a verdade é que querem greencard para qualquer lugar...
Essa história de machismo e tudo mais é frescura, se fosse assim nenhuma brasileira iria para Dubai ou qualquer país árabe...


Isso foi bastante visto por aqui na época da Copa do Mundo...mulherada que se fazia de santa e sérias tavam liberando geral para os gringos na esperança de ter algo a mais (teve até notícia de um motorista de busão na Holanda que casou com uma brasileira)...

Os caras da Suíça vão descobrir o óbvio daqui uns anos, que casamento custa caro e divórcio mais ainda...se for com brasileira então, piora as coisas...
... porque as suíças não os querem!

Não faz sentido o homem olhar pras mulheres de classes sociais abaixo, se não for, por ser rejeitado pelas semelhantes financeiramente.
Tenho uma conhecida que diz ter um rolo com um suíço que a banca. Ela mora metade do ano aqui no BR e a outra metade volta pro "momozi" que a banca de lá - pelo menos essa é a história que ela diz...

Sabe aquelas mulheres que tem escrito na testa "F R E E L A N C E R", famosinha de instagram que não tem um trampo sério mas vive em tudo quanto é baladinha etc? Então, é uma dessas.
Conheci muitos anos atrás uma mulher na academia que tinha um namorado suíço. NA REALIDADE era um brasileiro que morava na Suíça. O cara se deu bem lá e morava fora há mais de dez anos.
LÓGICO que não conseguia arrumar namorada lá, então veio pro BR nas férias, conheceu essa moça e engataram um namoro a distância. A cada seis meses ou ela ia pra lá ou ele vinha pra cá. A ideia era se casarem em menos de uma ano na época que eu a conheci.
Ela era BEM gostosa, marombeira, mas feinha de rosto. Rapidamente ficamos amiguinhos na academia e vivíamos conversando assuntos bem "apimentados". Logo comecei a comê-la, mas sempre tinha que ser na casa dela, pois o "suíço" sempre chama ela no chat à noite. CANSEI de comer ela de todo jeito entre as conversas.
Ela era muito safada, comprava umas lingeries legais, gostava de coisas diferentes, me tratava super bem. Como era um relacionamento sexo & mais nada, não havia apego, então me sentia a vontade pra dormir na casa dela várias vezes durante a semana, voltando da casa da minha namorada da época, do trampo, no meio da madrugada na balada, etc.
Comi ela praticamente até o último dia que o "suíço" veio busca-la. Fizeram uma cerimônia simples e foram embora. Mas deixei ela bem "cuidada" no tempo que ela ficou aqui.
Moral da história:
1 - relacionamento à distância? NÃO, OBRIGADO
2 - Esses "suíços" tão levando umas mulheres BEM rodadas por aqui.
Particularmente, não conheço nenhuma brasileira casada com suíço. Com alemão, sim.

Não gosto de ficar teorizando essas porra, mas o desnivelamento social no Brasil favorece a hipergamia, na qual as mulheres vendem o empoderamento em troca de ascensão social, como dito pelo Minerim. Como na Suíça as diferenças socioeconômicas são muito baixas, o casamento não é muito útil para fins de ascensão social por lá, o que explicaria maior empoderamento das mulheres suíças e a dificuldade dos homens em casar com elas.

Agora vamos supor que Brasil alcance algum dia o patamar socioeconômico da Suíça. Os homens brasileiros estarão na mesma situação que estão os homens suíços, com o agravante que a essa altura todo o ocidente estaria corrompido pelo feminazismo a níveis suíços.

Restaria aos homens importar mulheres de países mulçumanos trollface ainda assim correndo risco de elas serem corrompidas por estas bandas. Sorte a nossa que alguns países islâmicos tem mulheres top. Vejam essa afegã submissa abaixo. Comecem a avaliar!



[Image: afeg.jpghttp:]
Na minha opinião não chega no ponto do feminazismo dominar completamente o ocidente. Muuuito antes disso outros povos patriarcais irão dominar os países masculinamente fracos. Antes das feminazis darem as cartas em todo o ocidente, os islâmicos, chineses, eslavos, sei lá mais qual vai chutar o rabo delas e dominar o país inteiro. Façam suas apostas sobre o primeiro país que será dominado: Alemanha, Suíça, Bélgica, Suécia...
Agora, se os restantes vão se dar conta da dominação e virar o jogo para o patriarcado, já não sei. Talvez os homens ocidentais estejam enfraquecidos além do ponto de volta.
Para o homem ocidental restará a extinção, fuga ou conversão para os invasores.
Apesar de detestar a religião dos caras, me converteria facinho só pra ver feminista levando dez chibatadas dos kebabs por ousar reclamar de qualquer coisa.