Fórum da Real - Legado Realista

Versão completa: Lições valiosas que a morte pode nos ensinar
Você está visualizando uma versão simplificada de nosso conteúdo. Ver versão completa com a formatação apropriada.
[Image: 8a58d6a89593ab763e1079812935f8a9.jpg]


Olha eu aqui. É leitor, infelizmente o tempo anda escasso como sempre digo e você está enjoado de saber, por isso ando meio ausente do blog. Hoje falo sobre algo que todos nós vamos experimentar: a morte.


A morte pode nos ensinar muito, mas geralmente nos esquecemos dela. Eu não sou uma exceção, eu também esqueço que vou morrer um dia. Por que venho aqui hoje refletir sobre as lições que a morte nos ensina sobre viver? Por que me lembrei dela? Perdi um amigo dias atrás, agora no fim de Janeiro (Update: Janeiro de 2016, pouco antes de escrever esse artigo na época).


Esse meu amigo era apenas um pouco mais velho que eu. Não tinha nem 40 anos. Há pouco mais de 1 ano descobriu que tinha câncer. Fez o tratamento e em um primeiro momento a doença pareceu regredir, mas depois voltou com mais força e se espalhou. No começo do ano fui visitar esse meu amigo pela última vez. Ele já estava de cama. O que era um cara atlético que gostava de correr e jogar futebol, se vestia bem e era asseado, tornou-se uma caveira com pele repuxada na cama, fedendo à urina. Não sei se o que me chocou mais, se foi a aparência debilitada dele ou ver a angústia nos olhos da mulher e da filha que tem apenas 7 anos e custava a entender o que estava acontecendo ali. A morte dele me fez refletir muito nos últimos dias e como eu disse acima, é a razão desse artigo.


Este é um assunto sombrio, sem dúvidas. Portanto vou tentar escrever de uma maneira diferente, de forma literária, que é uma maneira mais leve e descontraída de abordar assunto tão pesado e controverso. Escrevo um diálogo com suas pitadas de humor, onde vou chamar a morte pra conversar numa mesa de bar. E assim mostrar os meus pontos de vista à cerca da morte (e da vida). O meu falecido amigo citado gostava de fazer piada de tudo, inclusive da situação dele, acho que ele gostaria de ler esse texto.


A conversa


A morte: Por que você me chamou aqui Rover? Não chegou sua hora ainda. E não precisa ficar com medo de mim, porque eu sei que você tem. Não precisa e nem importa. você não vai conseguir prevenir que eu apareça de novo algum dia. Eu sei que muita gente não gosta nem de ouvir o meu nome, mas tudo bem.


Rover: Deve ser porque as pessoas tem medo do desconhecido e de ficar longe das pessoas que elas gostam/amam.


A morte: Também. Mas não é só por isso. Até as pessoas que sabem que estão próximas de receber minha visita não querem saber de mim. Elas não querem aprender sobre mim, se planejar para a minha visita. Parece até que me odeiam, como se eu tivesse feito algo para elas.


Rover: Acho que é porque você acaba matando elas.


A morte: Alguém tem que fazer o serviço. Mas não sei porque o exagero. Quando falam de mim até parece que alguém morreu, todo mundo fica sério. As pessoas simplesmente não gostam de mim. E são ingratos. Sou eu que dou sentido à vida delas. Sou eu a força por trás de todas as metas e religiões que elas seguem.


Rover: Como assim você que dá sentido à vida? Você é a morte!


A morte: Oras, Rover. É claro que eu sou o sentido da vida de vocês. Se imagine como um imortal por um minuto. Uma vida em que eu não venha mais te visitar. Parece maravilhoso, não é? Viver eternamente. A maioria das religiões promete isso para a "vida após a morte".


Rover:
Seria ótimo, fantástico. Aliás, o que existe depois da morte do nosso corpo, quero dizer, quando você vem fazer uma visita?


A morte: Infelizmente é contra as regras eu te dizer isso. Mas imagine você sendo imortal. Como seria ser imortal?


Rover: Eu nunca parei pra pensar seriamente nisso.


A morte: Eu vou dizer pra você como seria. SERIA CHATO PRA CACETE!!!


Rover: Cara, fala baixo, as pessoas estão olhando pra nossa mesa. E como assim seria chato?


A morte: É o que eu estou dizendo. Seria chato demais. Tão chato que você tentaria se suicidar muitas vezes, igual naquele filme do Bill Murray chamado Groundhog Day (Feitiço no Tempo) em que ele fica repetindo o mesmo dia milhares de vezes.


Rover: Eu já vi esse filme. Por um lado seria legal, mas com um dia só pra viver e depois começar tudo de novo como no filme, ficaria chato. Mas uma vida imortal, com um dia após o outro. Acho que não hein.


A morte: Engano seu. No começo seria maravilhoso. Por algumas décadas você poderia se tornar muito bom em muitas coisas, conseguir muito dinheiro, fama, mulheres, posses, etc, você provavelmente dominaria o mundo. Criariam uma religião pra você. Mas depois de passado um tempo, você não iria nem querer mais sair da cama pela manhã. Nada importaria mais. Sabe por que? Porque tudo seria muito fácil, muito sem graça. Não teria desafio. Acredite em mim, depois que você conseguisse tudo que você quer de material, que conseguisse visitar todos os lugares que quer, tudo perderia a graça. E seus entes queridos, amigos? Ver todos morrendo enquanto você ficaria aqui.


Rover: Bom, vendo por esse lado...


A morte: E suas realizações, seus esforços? Não significariam nada. Pois não existe senso de vitória sem dificuldade.


Rover: Bom, isso é.


A morte: Você gosta de futebol, Rover?


Rover: Não muito, por que? Prefiro futebol americano.


A morte: Que seja, mesmo assim vou dar o exemplo. Imagina um jogo que começa e nunca mais acaba. Não vai existir um perdedor e nem um vencedor. Qual a graça nisso? Depois de alguns tempos de jogo você vai ficar de saco extremamente cheio. Quer saber a real da coisa?


Rover: Sim, qual é?


A morte: Vocês humanos, precisam de prazos. Vocês tem um dia de nascimento e um dia de morte. Sem isso, a vida de vocês não teria significado. Vocês precisam de prazos para se sentir motivados. E ainda sim, as religiões vendem vida eterna. Como você acha que seria uma vida eterna sem certos prazeres da Terra. Se na Terra com "tudo liberado" seria chato demais, imagine em outro lugar controlado.


Rover: Não sei, eu não sou religioso. E já que você não quer ou não pode me dizer o que ocorre depois da sua visita eu não me preocupo muito.


A morte: Hoo ah! Muito bom. Você está certo, é isso que as pessoas deveriam fazer. E sabe o que mais? As pessoas deviam se planejar pra minha visita.


Rover: Como assim se "planejar"? Você quer dizer comprar um túmulo e ir escolher seu caixão igual aqueles malucos que de vez em quando aparecem na TV?


A morte: Não, não, claro que não. Quero dizer que as pessoas deveriam descobrir o que querem fazer da vida delas e fazer. Eu sei que você gosta de listas Rover, as pessoas poderiam fazer uma lista de tudo que querem fazer e ir fazer. Mas pouquíssimas fazem isso.


Rover: É verdade, eu até já escrevi isso no meu blog. Eu também já fiz coisas que gostaria de fazer, mas não tudo.


A morte: Eu sei que você fez. Ir viajar e se divertir muito ao invés de comprar um carro novo? Sim, eu vi. Mas você não fez tudo ainda que eu sei que gostaria porque fica com dó de perder ou gastar dinheiro.


Rover: É complicado cara, eu tenho planos...


A morte: Todo mundo tem. Pouca gente faz o que realmente quer na vida. Elas arranjam muitas responsabilidades que as prendem, ou pelo menos, acham que prendem. Na verdade a maioria gasta a vida fazendo coisas que acham que a sociedade quer que elas façam.


Rover: Não entendi.


A morte: Claro que entendeu. Pessoas vivendo sob regras ou dogmas. Elas não fazem as próprias regras. E pior aqueles que se acorrentam em bens materiais e dinheiro. Dinheiro é importante na vida de vocês, porque pode ajudar vocês a fazer as coisas que querem da vida. Mas é burrice da parte de vocês dedicar a vida toda exclusivamente a isso.


Rover: Você quer dizer trabalhar muito apenas pra comprar casas, carros e outras coisas?


A morte: Sim. O tempo de vocês é valioso, mas vocês gastam 1/3 dele dormindo e outro 1/3 trabalhando. Eu não conseguiria pra ser bem sincero. Pra que trabalhar tanto pra comprar coisas que vocês vão deixar ai?


Rover: Isso é verdade, mas mesmo assim desperdiçamos tanto tempo trabalhando. Precisamos de dinheiro se queremos aproveitar a vida de algum modo.


A morte: Claro, mas é preciso ser inteligente e encontrar um equilíbrio entre trabalhar pra comprar o suficiente e poder aproveitar o tempo restante. Sabe quando as pessoas começam a morrer Rover?


Rover: Não. Quando?


A morte: Dizem que o ser humano começa a morrer a partir do momento em que nasce, mas isso não é correto. Ele nasce e se desenvolve, cresce, aprende, o corpo muda. É quando seu corpo para de se desenvolver lá pelos 19, 20 anos de idade, ai sim ele começa a envelhecer e morrer. E quando uma pessoa chega nessa idade, ela já deveria ter aprendido a começar a se planejar para minha visita. Mas não. Todos os dias eu visito gente que não aprendeu isso. Gente que trabalha muito tempo em um trabalho que odeia, só pra pagar alguns luxos pra se exibir pra outras pessoas que também estão presos nesse círculo vicioso.


Rover: Já pensei muito nisso também.


A morte: A maioria é assim. São poucos os que criam alguma coisa que valha a pena, que exploram, que aprendem por aprender e não querendo algo em troca. A maioria na verdade assiste muita TV e navega muito na internet Rover, posso te garantir. E o tempo da vida deles passa.


Rover: Talvez esse seja o mal da nossa geração.


A morte: Talvez. O que quero dizer é que são poucas as pessoas que estão prontas para receber minha visita. Eu gosto muito quando eu chego e alguém me diz 'Eu vivi muito bem, fiz tudo o que eu queria, vamos lá, me leve!'. Realmente é gratificante pra mim visitar gente assim, que não fica com aquele sentimento de injustiça, de que não fez isso, que não tentou aquilo. Mas isso é bem raro. Outra coisa que não gosto é de gente que força minha visita. Eu fico puto. Sou eu que decido a hora de visitar e não vocês.


Rover:
Você quer dizer os que cometem suicídio?


A morte: Sim. Cometer suicídio é uma burrice sem tamanho. Não é porque algumas religiões dizem que você vai pro inferno. Não, isso não existe. O que quero dizer é que você poderia usar seu tempo de maneira mais produtiva do que se matar. E muita gente se mata por bobagens, como dinheiro ou relacionamentos. Coisas que eles poderiam conseguir se mudassem algo aqui ou ali. Já que uma pessoa pretende cometer suicídio, porque não aproveita a sua vida e vai fazer o que quer, livre das obrigações que a maioria das pessoas acha que tem? O que se tem a perder, afinal?


Rover: Espera um pouco, você disse que não existe inferno? AGargalhadahah! Os ateus vão te amar por isso.


A morte: Ateus são chatos pra cacete. E não se engane, religiosos também são. Religiosos e ateus são insuportáveis, mas pelo menos alguns dos religiosos são humildes e mais respeitosos. Tirando aqueles caras que se explodem, é claro. Ateus acham que estão certos e se acham superiores. E fazem isso sem ter prova de nada. Os religiosos não podem se provar e nem os ateus podem. Agora quanto ao inferno, você é um cara que gosta de pensar com lógica não é, Rover?


Rover: Acho que sim, sempre tento colocar lógica e razão em tudo.


A morte: Então digamos que Deus, seja lá como ou o que ele é, seja realmente uma entidade de amor puro e benevolência total.


Rover: Ok...


A morte: E digamos que ele criou o universo e tudo nele, incluindo a Terra e vocês, humanos.


Rover: Ok, continue.


A morte: Você acha mesmo que Deus sendo a entidade de benevolência máxima, portanto, aquele que perdoa tudo, enviaria um filho seu para o sofrimento eterno em um inferno? Eu acho que não. Porque se isso acontecesse, e não estou dizendo que acontece, esse Deus na verdade seria um cara vingativo e mal. Você não quer se meter com alguém assim.


Rover: Quer dizer que gente que fez muito mal à outras pessoas não foram para o inferno? Hitler, Stalin, Gengis Khan...


A morte: Não, porque não existe um.


Rover: Quer dizer que foram perdoados na vida após a morte?


A morte: AGargalhada! Ahhh Rover, eu não te disse que não posso te dizer o que acontece depois da minha visita? O que posso te dizer é que esses caras deixaram de existir na Terra e não fazem mais o mal. O tempo deles passou. Se tornaram apenas histórias tristes e lições para que aqueles no futuro não cometam os mesmos erros. Infelizmente eles escolheram fazer o mal no tempo em que estiveram aqui, mas já passou.


Rover: Então se não existe o inferno... não existe o...


A morte: Diabo? Não. O mal é como o amor Rover. Ele não é uma entidade com asas ou chifres. Ele está apenas dentro das pessoas. Todos possuem o mal e o bem dentro de si. E sabe o que permite que se opere pelo bem e não pelo mal? É simples. A razão. Veja só. Imagine uma pessoa que foi boa toda a vida, mas ficou doente de uma doença neurológica, ou seja, ela perdeu a capacidade de ter razão. Essa pessoa vai dizer coisas terríveis para as pessoas que ela ama. Coisas que poderiam ser consideradas más, mas na verdade ela apenas perdeu a razão.


Rover: Entendo.


A morte: Tem mais. A violência, que sempre me leva a fazer muitas visitas. As pessoas menos esclarecidas e geralmente mais pobres, tendem a ser mais violentas. Elas são assim porque não tiveram a razão desenvolvida o suficiente enquanto estavam crescendo, se desenvolvendo na sua infância, por falta de inúmeros recursos.


Rover: Mas existem pessoas que não são pobres, são inteligentes e que são más também.


A morte:
Sim, tem razão. É claro que existem muitas pessoas que não operam pela razão, mesmo que tenham todos os recursos à mão. Esses, no caso, são assim porque são doentes e se desenvolveram de forma errada. São aqueles que vocês gostam de chamar de sociopatas e psicopatas. Aliás, como odeio fazer visita para pessoas que foram vítimas da falta de razão de outras pessoas assim. Esse país em que você vive é cheio disso Rover. Cheio de sociopatas, psicopatas e pessoas pobres materialmente, espiritualmente e intelectualmente, prato cheio para a maldade e a violência.


Rover: Nem me diga.


A morte: Bom meu amigo, eu tenho que trabalhar, tem muitas pessoas que vão receber minha visita nos próximos minutos, não posso ficar fazendo hora aqui.


Rover: Uma última pergunta, e... eu? Quando você vai voltar pra mim?


A morte: Ahh você ficaria louco se eu te dissesse. Mas vou te dar uma dica, cuide bem do seu corpo e evite correr riscos muito grandes. Fique longe desse pessoal que não age com muita razão no seu país. Fazendo isso, deve demorar pra que voltemos a nos ver. E não fique martelando na sua cabeça tudo o que eu disse. Vá viver sua vida e fazer o que quer fazer. Aja com a razão que você gosta tanto. Pois você terá tempo pra descobrir quando eu vier te visitar novamente. Seja um cavalheiro e pague a conta, sim? Até logo.



[Image: remembering-you-are-going-to-die-steve-j...ctures.jpg]

"Lembrar-se que você vai morrer é a melhor maneira que eu conheço de evitar a armadilha de pensar que você tem algo a perder. Você já está nu. Não há razão para não seguir seu coração." - Steve Jobs



Não sei se eu consegui mostrar a você as lições que a morte me ensinou. Eu escrevi dessa maneira, um diálogo, para tornar mais fácil entrar em certos assuntos, como o da religião que é sempre polêmico e sei que talvez eu seja atacado nos comentários por isso. (Update: e talvez seja atacado aqui novamente)


Existem dois grandes problemas principais em relação à morte.


Ou nós nos esquecemos que vamos morrer um dia e esquecemos de aproveitar nosso tempo escasso na Terra, nos dedicando apenas a acumular bens que vamos deixar para trás.


Ou nós achamos que vai existir uma existência eterna após nossa morte física e deixamos também de aproveitar o nosso tempo aqui. É ai que entram certas religiões. E é a razão porquê acho que se forem levadas ao pé da letra, só serão perda de tempo. Pois na religião você está se preocupando com algo que não tem total certeza. Afinal, é preciso ter fé. Não me leve a mal se você é religioso. Eu não sou ateu. Acho que a melhor definição para as coisas em que acredito seria que sou um agnóstico teísta. Ou seja, eu acredito que existe uma inteligência superior que criou o universo (ou universos) e que nós somos parte dessa criação. Mas é só. Não acho que tenha nenhuma influência na nossa vida diária. Nossa vida somos nós quem fazemos. Nossos obstáculos somos nós quem criamos e nossas vitórias somos nós quem vencemos, assim como nossas derrotas são fruto único e exclusivo de nossas falhas e incapacidades.


Para alguém que pensa assim como eu, a morte é algo muito importante (na verdade é pra todos). Pois estamos aqui agora, temos que fazer acontecer agora. Como diria René Descartes "penso, logo existo".


[Image: maxresdefault.jpg]

"O medo da morte sucede o medo da vida. Um homem que vive plenamente está preparado pra morrer a qualquer momento." - Mark Twain

E na minha humilde opinião, esse é o melhor dos dois mundos. Pois eu vivo minha vida tranquilamente sem ter que seguir regras ou dogmas religiosos e quando eu morrer, se realmente houver uma existência após a morte, provavelmente serei "perdoado" e aceito. Afinal, eu sou uma boa pessoa e até o presente momento, mais ajudei do que atrapalhei os outros.


Eu tive um avô, que sempre falava: "Quando eu morrer quero ir pro céu e quando chegar lá quero que cada um dos meus cachorros esteja me esperando, um sentado ao lado do outro."


Esse meu avô gostava e teve muitos cães durante a vida. Espero que ele tenha conseguido. Invejei a ideia de paraíso dele.


Enfim, ponderar a morte é algo complicado. A grande lição do artigo que fica, (e ficou para mim ao ver meu amigo definhar com câncer) caso você não tenha conseguido perceber do meu "diálogo" com a Morte, é que deve-se fazer o que tem vontade na vida (contanto que não seja prejudicial para os outros), trabalhe um pouco para realizar certas metas, mas não faça do trabalho e do dinheiro a sua razão de existir. E torne as coisas simples, fuja de regras e de gente dizendo o que você tem que fazer. Assim fica mais fácil navegar pela vida. Seja prático e sempre use a razão e a lógica para tudo. Nunca aceite nada sem refletir antes.
 

Curta e aproveite sua vida, não se esforce além do necessário, pois temos um prazo. E não se preocupe muito com o que vem “depois”, pois você, assim como eu e todos os outros seres humanos, teremos a chance de descobrir. Mais cedo ou mais tarde.



Comente.


Update: Decidi postar esse artigo do meu blog encerrado, porque gostaria que esse ficasse acessível para algumas pessoas e não apenas perdido num arquivo no meu computador. Como acredito que na Real a maioria dos confrades são unidos, deixo o texto para ser lido e refletido para os que desejarem. Cortei algumas partes do artigo onde eu falava sobre o blog em si (já que não interessa aqui) e infelizmente precisei cortar a última parte onde tinha um pequeno livro ilustrado sobre o que poderia acontecer depois da morte (bem interessante). Fiz isso porque infelizmente são mais de 10 imagens (limite por postagem).


Sobre a minha visão sobre religião e minha espiritualidade, quero deixar claro que a intenção do artigo não é atacar e desrespeitar ninguém que seja religioso (a não ser que você seja islâmico, nesse caso, pau no seu cu). A intenção é refletir sobre a morte e o que ela significa nas nossas vidas. Infelizmente religião é um assunto que não pode ser deixado de lado no assunto da morte. Eu fui muito criticado na época que publiquei esse artigo no PFL, fui chamado de ateu, comunista, etc. Não pretendo discutir sobre religião aqui, apenas sobre a morte e o que ela significa na nossa vida. Se os moderadores acharem ofensivo para o forum, não hesitem em excluir o post, não ficarei chateado e vou entender.


Quanto à mulher do meu amigo que faleceu, soube dela pela última vez agora no começo do ano (2017). Ela arranjou outro namorado/noivo. Mas quem sou eu pra julgar? Ela é viúva, jovem e tem que continuar vivendo a vida. Como diz o ditado "Jogo que segue!".



Artigo publicado no PFL em 04/02/2016
Muito bacana! Me trouxe algumas reflexões.

A morte é uma das coisas mais complexas de refletir. O fato de viver anos sobre uma terra, sofrendo e construindo uma história, para no final simplesmente virar pó e sua consciência e individualidade simplesmente desaparecerem para nunca mais existir, costuma ser um dos pensamentos mais terríveis quando refletimos sobre a morte, porque no geral, nós temos aversão ao nada. Porém, ironicamente, ao compreender e aceitar a morte, também compreende-se e aceita a vida.

Sobre a imortalidade e de como possivelmente seria ruim, deixo um filme de sugestão que aborda o tema: O Devorador de Pecados. Um dos melhores filmes do Heath Ledger e que eu já assisti, e prestem atenção em como o personagem William Eden, que tem vivido por vários séculos, mostra o seu cansaço e de como é pesado ter uma vida imortal.

E então penso que, Deus(a força criadora de tudo), é tão perfeito que não nos daria a imortalidade simplesmente porque nenhum de nós teríamos psicológico o suficiente para lidar com isso, e a imortalidade se transformaria num fardo. E talvez seja isso todo o sentido da vida, se existir algum, seria a preparação para ter a imortalidade em outro lugar e em outra forma. Mas de qualquer maneira, quer exista Deus ou não, sejamos planejados ou mero acidente do caos, poucos de nós, entre tantos bilhões que existem, saberia lidar com a imortalidade sem tê-la como um fardo.
Esse texto me lembrou desse vídeo do canal wisecrack que fala sobre o Kanye West





Quem sofre com a ansiedade da morte tende a fazer reflexões sobre o tema. As soluções apresentadas para "vencer" a morte são 3 de acordo com o filósofo Sören Kierkegaard:
estético, ético e religioso.


Citação:Estádio religioso é uma expressão criada pelo filósofo Sören Kierkegaard que representa um dos três estádios da existência por que pode passar o indivíduo ao longo da vida.
Diferente do estádio estético (caracterizado pela busca do prazer), do estádio ético (caracterizado pela obediência a lei moral), o estádio religioso é caracterizado pela fé e pela relação do indivíduo para com Deus. É o encontro entre a subjetividade e o absoluto.
O estádio ético não se confunde com o religioso, pois no ético o indivíduo (que procura cumprir a lei moral) se justifica perante a sociedade como um todo (o seu meio, o Estado, a humanidade) e no religioso ele se justifica somente perante Deus. Ele age não mais por obediência a normas de costumes, mas por amor a Deus. Ético e religioso não se confundem pela natureza que a sua transgressão acarretam: um erro ético acarreta uma falta perante a sociedade, mas um erro religioso acarreta uma ruptura com Deus (pecado).
O estádio religioso não pode ser alcançado por nenhuma certeza ou justificação racional, mas sim pelo salto da fé, em que o indivíduo escolhe posicionar sua subjetividade perante o Absoluto, em um encontro solitário com Deus.
Kierkegaard usa o exemplo de Abraão como representativo da fé, pois Abraão com todas suas dúvidas e dores obedece à ordem de Deus e leva seu filho único, Issac, para ser degolado em sacrifício, sem saber que seu filho seria salvo no último instante.
Para o indivíduo ético, que só conhece a lei moral, o ato de Abraão não passa de um assassinato, mas para o religioso tal ato é o cumprimento da vontade de Deus. Por isso, segundo o filósofo, a vida do homem religioso deve ser como a vida de Abraão, uma vida que procura cumprir as ordens de Deus ainda que não as entenda.
A essa postura religiosa da existência que não segue a lei moral (que não segue o geral) em prol da subjetividade, Kierkegaard dá o nome de exceção. Ser exceção é destoar do geral, é trilhar um caminho diferente do homem médio.
O indivíduo que realiza o geral escolhe para si o projeto de vida elaborado pela sociedade (cujo momento mais simbólico é o casamento), enquanto que o indivíduo que realiza a exceção faz a sua própria escolha na existência. Assim, o indivíduo da exceção traz em si a autenticidade que o do geral não possui, pois um é fruto de sua escolha, enquanto que o outro é o resultado da sociedade. Um segue o roteiro de vida apresentado pelo meio, o outro segue as aspirações da subjetividade rumo ao Absoluto.
O próprio Kierkegaard foi uma expressão de sua filosofia, uma vez que rompeu o noivado com sua amada, Regina Olsen, para seguir o caminho solitário do estádio religioso da existência e assim se tornar exceção.
https://pt.wikipedia.org/wiki/Est%C3%A1dio_religioso


Exemplo de trechos estéticos:
Citação:e deixamos também de aproveitar o nosso tempo aqui

Citação:esquecemos de aproveitar nosso tempo escasso na Terra

Citação:Realmente é gratificante pra mim visitar gente assim, que não fica com aquele sentimento de injustiça, de que não fez isso, que não tentou aquilo. Mas isso é bem raro

Citação:Pouca gente faz o que realmente quer na vida

Citação:deve-se fazer o que tem vontade na vida


Nesse trecho é colocado o estádio estético acima do ético
Citação:porque não aproveita a sua vida e vai fazer o que quer, livre das obrigações que a maioria das pessoas acha que tem?

Nesse trecho é revelado que o seu amigo estava no estádio religioso e que você não está nele
Citação:Eu tive um avô, que sempre falava: "Quando eu morrer quero ir pro céu e quando chegar lá quero que cada um dos meus cachorros esteja me esperando, um sentado ao lado do outro."


Esse meu avô gostava e teve muitos cães durante a vida. Espero que ele tenha conseguido. Invejei a ideia de paraíso dele.

Então a forma filosófica que você encontrou de vencer a sua ansiedade sobre a morte é aproveitar a vida o máximo possível, respeitar as leis estatais mas não se preocupar com os ditames da sociedade e com as leis de Deus. É um sujeito com os dois pés no estádio estético.
Religião=perda de tempo
Reflita mais Basphore, provavelmente o seu tempo nunca vai ser tão bem gasto ao estudar religião ou ler uma bíblia.
"Nossa vida somos nós quem fazemos. Nossos obstáculos somos nós quem criamos e nossas vitórias somos nós quem vencemos, assim como nossas derrotas são fruto único e exclusivo de nossas falhas e incapacidades."


O tópico foi bem intencionado,mas não concordo nunca com este trecho acima.Nada a ver.
Já disse Raul em uma de suas canções: " Morte, morte, morte que talvez, seja o segredo desta vida..."

Excelente post .
@Aragons

Interessante o texto sobre o filósofo, não conhecia. Mas acho muito simplório querer rotular as pessoas em apenas três grupos e de uma maneira tão engessada, tão 8 ou 80, tão preto e branco. Tirando algumas exceções (como fundamentalistas religiosos) ninguém funciona dessa maneira. As pessoas em suas individualidades estão num campo cinzento e não em um preto e branco. Você mesmo me rotulou na categoria "estética" porque segundo você possuo "ansiedade da morte". Pergunto: Você é psicólogo, psicanalista ou psiquiatra? E mais importante: me conhece pessoalmente?


Me mostre alguém que não sofra de depressão profunda e/ou que não tem idade avançada (ou seja um fundamentalista relioso que acha que existe uma "recompensa" do outro lado), que esteja totalmente disposto a morrer hoje. Tirando esses casos, ninguém quer morrer, todo mundo acha que tem algo mais a dar e experimentar. Acho que até quem é bem idoso e cheio de problemas de saúde e dores quer continuar vivendo. Nem você, meu caro Aragons, está pronto pra morrer hoje. Você pode até negar, mas lá no fundo sabe que eu tenho razão. Nosso cérebro é feito pra funcionar assim. Sobreviver é o instinto mais básico que temos.


Citação:"respeitar as leis estatais mas não se preocupar com os ditames da sociedade e com as leis de Deus."



Eu não quero entrar no assunto à respeito das "leis de Deus", este é um assunto impossível de se comentar aqui no forum de maneira aberta e sincera, porque vai ofender 90% dos membros e postei essa artigo pra falarmos sobre a morte em si e não religião. Mas o que quer dizer com não se preocupar com os ditames da sociedade? Eu respeito leis, não cometo crimes, não apoio quem comete e sempre tento ser empático com as pessoas, respeitar o espaço delas como indivíduos. E além disso quero desfrutar dos frutos do meu trabalho. Seja indo viajar pra lugares distantes, seja adquirindo bens materiais, seja comendo aquela puta de revista de vez em quando, etc. É por isso que sou fã do capitalismo, que me dá a liberdade de desfrutar tudo isso como prêmio pelo meu esforço. Eu não apenas me preocupo com os ditames da sociedade como sigo todas as convenções morais, só não sigo regras estabelecidas por nenhuma religião. Percebe agora que os rótulos do Kierkegaard são falhos?


Pessoalmente acho que se eu morresse hoje, seria um desperdício, porque dos meus 33 anos de idade, aproveitei realmente pra fazer e experimentar muitas coisas que eu queria, apenas 8 ou 9 desses anos. Salvo algum acidente fatal, ou doença, acredito que ainda tenho mais 40 anos de existência nesse planeta, o que vier além disso é lucro. Nesses anos restantes quero aproveitar bastante e pretendo trabalhar por mais uns 10 ou 15. Aliás, para alguém, que segundo você, sofre de "ansiedade da morte", parece que eu aceito bem a possibilidade. Afinal estou no auge da minha saúde mental e física mas mesmo assim possuo um testamento. Sabe como é, shit happens. Nunca se sabe se chegaremos respirando no fim do dia hoje. Ainda mais vivendo num local violento como São Paulo.


Agora comentando sobre o seu segundo equívoco (o primeiro foi querer me rotular). O meu avô citado (e não apenas meu amigo). Meu avô veio para o Brasil com menos de 10 anos, vindo de uma cidade do norte italiano. Meu avô sempre quis distância da igreja. Ele tinha a fé dele (acho eu), acreditava em Deus, em inferno, etc. Tanto é que ele queria um céu com todos os cachorros dele. E vou te contar porque ele queria distância da igreja católica (e de todas as outras). Meu bisavô, pai dele, também mantia distância da igreja. Simplesmente porque no local em que viviam na Itália (e provavelmente era assim no país todo), os padres e membros da igreja tinham uma relação estreita com a máfia. Não sei se faziam isso por sobrevivência ou por vontade própria, mas é fato que socializavam até demais com os criminosos. E pelo que ele contava pra mim e meus irmãos (que o pai dele contava pra ele), os fiéis que não faziam parte de uma coisa nem outra tinham que se submeter às vontades dos "Dons".


Sei que muitos confrades aqui romantizam os mafiosos italianos (tem até um ai com nickname de mafioso), por causa dos livros e filmes fantásticos, como a trilogia do Godfather ou até mesmo filmes mais recentes como Casino (adoro todos esses filmes, confesso), mas temos que aprender a diferenciar realidade de ficção. No fim, a mafia nunca passou de um bando de criminosos e assassinos (e ainda é). Não existe aquela lealdade, cosa nostra, respeito à família, à bons costumes, temer a Deus e à igreja, etc, que aparecem nos filmes. Nada disso. Isso é uma romantização da literatura e do cinema. Veja o que a mafia italiana está fazendo hoje em dia, por exemplo. Estão por trás do negócio de cruzar africanos naquelas jangadas pelo Mediterrâneo. Como é que a máfia protege os interesses da família e dos bons costumes italianos fazendo isso? Eles só conhecem a linguagem do dinheiro. Se dá dinheiro, eles vão fazer. E sempre foi assim. Os motivos do meu avô e bisavô se distanciarem da igreja é diferente dos meus. E é claro, muito provavelmente a máfia e a igreja na Itália nos dias de hoje não devem manter os mesmos laços de 80, 90, 100 anos atrás. A sociedade hoje é muito diferente do que era. Mas fica ai o registro para que você e os outros confrades possam entender essa parte do texto que você destacou.


Se me avô fosse vivo e você explicasse pra ele esse negócio de estádio estético, religioso, etc, ele riria na sua cara e diria que o único estádio que ele vai é no palestra.


No mais agradeço a atenção e tempo que você dedicou ao meu texto, indo procurar e analisar cada pedacinho dele. Respeito a sua opinião apesar de discordar quase que inteiramente dela. Mesmo quando não concordamos entre nós aqui na Real, aprendemos uns com os outros e é por isso que vale tanto a pena esse espaço.



@Basphore

Não acho que seja perda de tempo. Religião tem muitos pontos positivos para a sociedade, e é muito benéfica quando usada de maneira inteligente. Ela pode ajudar muitas pessoas à encontrar um rumo. Mas não se pode deixar que ela tome conta da sua vida, se torne maior que seu eu individual, é preciso aprender a pensar por si próprio, aprender a formar e ter suas próprias opiniões e não deixar que outros decidam qual serão suas opiniões.

Tem pessoas que não necessitam de nenhum tipo de religião, vejo que você é uma delas e eu também estou nesse grupo. Entretanto não podemos deixar de perceber a importância que ela teve e ainda tem pra manter nossa sociedade coesa.


@Challenger


Sem problemas em não concordar. Mas por quê? Você acredita que nada que acontece pra você, seja bom ou ruim, seja fruto de suas ações anteriores?

Quero dizer, por exemplo, que se você tentar atravessar a Marginal Pinheiros de olhos vendados às 6 da tarde e for atropelado, não foi culpa sua? Estava escrito nas estrelas? Ou outro exemplo, se você ganhar um aumento e subir de cargo na empresa que trabalha, não foi devido ao seu esforço e bom desempenho, ou ter puxado bastante o saco do chefe, foi meramente obra do acaso?

Tem tudo a ver o que eu disse. Tudo na nossa vida é fruto de ação e reação.

Ai está o texto. Serve para os confrades refletirem e deixarem suas opiniões sobre a morte e o que ela significa pra cada um.

E espero que não se ofendam comigo e fiquem frios. De maneira nenhuma eu quero causa discordia e brigas aqui. Morte, religião e política são assuntos que geralmente acabam em quebra pau por essas bandas. Mas quando discutidos com calma e respeito, dá pra tirar ganho e aprender muito.
Vamos imaginar uma cena:
Existe uma criança pobre que ganhou um bilhete para ir num parque de diversões. O bilhete diz que ele só pode ficar até as 6 horas da tarde. Depois desse horário o parque fechará e o pobre garoto nunca mais vai conseguir brincar nos brinquedos.
Esqueça a ideia de que a criança pode trabalhar, juntar dinheiro ou pedir novo bilhete. Isso é escapismo e arruinaria meu exemplo.
Nessas condições citadas, o garoto tentaria brincar em todos os brinquedos o máximo de tempo possível e faria todo o possível para evitar perdas de tempo.

Agora leia esse trecho:
Citação:[...]desfrutar dos frutos do meu trabalho. Seja indo viajar pra lugares distantes, seja adquirindo bens materiais, seja comendo aquela puta de revista de vez em quando, etc
Você é o garoto do meu exemplo. O seu único bilhete é a sua única vida, o parque de diversões é tudo aquilo que te dá sentido para a sua vida (viajar, fazer sexo, consumir bens materiais), ambos estão cientes que possuem um tempo limite e ambos tentarão valorizar o tempo que lhes falta evitando desperdícios.
Por qual motivo você não comete crimes? Medo de ser preso e de não poder desfrutar a vida? Pra você ficar uma década preso deve ser uma ideia apavorante, aquele tempo se passando, segundo a segundo enquanto a morte se aproxima cada vez mais?
Lendo seu texto eu tenho essa impressão, não te conheço pessoalmente e nem sou da área que trata desses assuntos.

A afirmação de que nem tudo é 8 ou 80 está correta. Tanto é que Kanye West é um mix dos 3 estádios. No futuro você poderá ver o sentido da vida em montar uma família, deixar seu nome na história ou realizar trabalhos voluntários/doações (ético). Poderá ficar mais religioso e acreditar num sentido que transcenda a matéria (religioso). A questão é que no dia que fez esse texto, e hoje inclusive, você colocou o sentido da sua vida (leia-se a forma de superar a inevitável morte) em mulheres, viagens e bens materiais que apenas você desfruta com os bens que você conquistou com os frutos do seu trabalho, esforço e dedicação. É carpe diem puro, mas é um um carpe diem feito com o dinheiro próprio, e isso o torna mais aceitável moralmente.

Eu não estou nem um pouco surpreendido ao ler que você já tem um atestado com apenas 33 anos. Se duvidar já pensava em escrever ele na casa dos 20.

Sobre o seu avô não ter uma religião específica ou não ser católico, isso não faz diferença nenhuma. No "céu católico" nem existem cachorros. O sujeito morreu achando que ele iria para um céu com os cachorros dele e isso por si só já é uma religião em que apenas ele está inscrito. É a religião que ele criou para ele mesmo. E com base nas regras morais dessa religião particular ele julgou que iria para o paraíso. Essa foi a forma do velho doente vencer sua ansiedade sobre a morte.

Citação:Mas o que quer dizer com não se preocupar com os ditames da sociedade?
Você tem 33 anos e ainda não tem filhos? Ruge
Já casou?
Todo brasileiro deve gostar de carnaval porque senão é careta
Jovem deve ir em baile e beijar 10 pros amigos verem que ele não é incapaz
Você não gosta de assistir telivisão/música O.O
São essas pequenas coisas que a sociedade cobra de forma indireta. O simples ato de fazer sexo casual já não é bem visto pela sociedade a partir de uma certa idade.
Excelente reflexão Mr. Rover.

Levar as pessoas a refletirem na vida como um todo e não apenas no momento presente é sempre construtivo e enriquecedor.

Se me permite vou discordar de algumas partes do seu texto.


(03-08-2017, 11:15 PM)Mr. Rover Escreveu: [ -> ]
Update: Decidi postar esse artigo do meu blog encerrado, porque gostaria que esse ficasse acessível para algumas pessoas e não apenas perdido num arquivo no meu computador. Como acredito que na Real a maioria dos confrades são unidos, deixo o texto para ser lido e refletido para os que desejarem.

Ledo engano. Yaoming

Brincadeira. O pessoal tem se mostrado bem mais unido do que antes.


(03-08-2017, 11:15 PM)Mr. Rover Escreveu: [ -> ]
[....] e infelizmente precisei cortar a última parte onde tinha um pequeno livro ilustrado sobre o que poderia acontecer depois da morte (bem interessante). Fiz isso porque infelizmente são mais de 10 imagens (limite por postagem).

O limite foi aumentado há algum tempo atrás para 20 imagens por postagem. Se for necessário me envie as imagens que anexo no tópico.


(03-08-2017, 11:15 PM)Mr. Rover Escreveu: [ -> ]
Se os moderadores acharem ofensivo para o forum, não hesitem em excluir o post, não ficarei chateado e vou entender.

Não vamos excluir o seu post, pode discutir e debater a vontade.
(03-08-2017, 11:15 PM)Mr. Rover Escreveu: [ -> ]
Quanto à mulher do meu amigo que faleceu, soube dela pela última vez agora no começo do ano (2017). Ela arranjou outro namorado/noivo. Mas quem sou eu pra julgar? Ela é viúva, jovem e tem que continuar vivendo a vida. Como diz o ditado "Jogo que segue!".

Mulheres sendo mulheres. Nada de novo no front.

Como sou cristão e estudioso da Bíblia, vou explanar aqui a minha interpretação sobre alguns trechos que a morte te "falou" e sobre a sua reflexão em geral. Não se acanhe em discordar. O estudo completo sobre A vida após a morte eu postei AQUI.

Vou começar com uma passagem bíblica sobre a importância de considerarmos estas coisas:

Citação:Melhor ir a casa onde há luto do que ir à casa onde há banquete, pois naquela se vê o fim de todos os homens; e os vivos que o tomem em consideração. Eclesiastes 7:2 - Bíblia Sagrada

(03-08-2017, 11:15 PM)Mr. Rover Escreveu: [ -> ]
Esse meu amigo era apenas um pouco mais velho que eu. Não tinha nem 40 anos. Há pouco mais de 1 ano descobriu que tinha câncer. Fez o tratamento e em um primeiro momento a doença pareceu regredir, mas depois voltou com mais força e se espalhou. No começo do ano fui visitar esse meu amigo pela última vez. Ele já estava de cama. O que era um cara atlético que gostava de correr e jogar futebol, se vestia bem e era asseado, tornou-se uma caveira com pele repuxada na cama, fedendo à urina.

Ele até podia fazer exercícios físicos, mas e a alimentação dele e o descanso?

Faculdade intelectual, força física e longevidade dependem de leis imutáveis. Existem leis orgânicas e para cada transgressão existe uma penalidade que, cedo ou tarde, será executada. Nesta questão o acaso não existe. A morte prematura acontece em resultado da violação da lei natural. 

O homem é, em grande parte, o arquiteto do seu próprio destino.

(03-08-2017, 11:15 PM)Mr. Rover Escreveu: [ -> ]
A morte: Oras, Rover. É claro que eu sou o sentido da vida de vocês. Se imagine como um imortal por um minuto. Uma vida em que eu não venha mais te visitar. Parece maravilhoso, não é? Viver eternamente. A maioria das religiões promete isso para a "vida após a morte".
[....]
A morte:
Eu vou dizer pra você como seria. SERIA CHATO PRA CACETE!!!

Discordo. A Bíblia várias vezes promete que o céu é um paraíso e vamos viver eternamente. Vou tirar esse trecho do livro que estou lendo de um profeta importante relatando como é o céu que viu em visão (já incluso as passagens bíblicas sobre o assunto), o trecho é grande, coloquei tudo para quem quiser, mas pode ir direto pra parte em azul que é o resumo que fiz:

Spoiler Revelar
O propósito original de Deus na criação da Terra cumpre-se, ao fazer-se ela a eterna morada dos remidos. “Os justos herdarão a Terra e habitarão nela para sempre.” Salmos 37:29.

Um receio de fazer com que a herança futura pareça demasiado material tem levado muitos a espiritualizar as mesmas verdades que nos levam a considerá-la nosso lar. Cristo afirmou a Seus discípulos haver ido preparar moradas para eles na casa de Seu Pai. Os que aceitam os ensinos da Palavra de Deus não serão totalmente ignorantes com respeito à morada celestial. E, contudo, “as coisas que o olho não viu, e o ouvido não ouviu, e não subiram ao coração do homem, são as que Deus preparou para os que O amam.” 1 Coríntios 2:9. A linguagem humana não é adequada para descrever a recompensa dos justos. Será conhecida apenas dos que a contemplarem. Nenhum espírito finito pode compreender a glória do Paraíso de Deus.

[....]

“O meu povo habitará em morada de paz, e em moradas bem seguras, e em lugares quietos de descanso.” “Nunca mais se ouvirá de violência na tua Terra, de desolação ou destruição nos teus termos; mas aos teus muros chamarás salvação, e às tuas portas louvor.” “Edificarão casas, e as habitarão; e plantarão vinhas, e comerão o seu fruto. Não edificarão para que outros habitem; não plantarão para que outros comam; … os Meus eleitos gozarão das obras das suas mãos.” Isaías 32:18; 60:18; 65:21, 22.

Ali, “o deserto e os lugares secos se alegrarão disto; e o ermo exultará e florescerá como a rosa.” “Em lugar do espinheiro crescerá a faia, e em lugar da sarça crescerá a murta.” Isaías 35:1; 55:13. “E morará o lobo com o cordeiro, e o leopardo com o cabrito se deitará, … e um menino pequeno os guiará.” “Não se fará mal nem dano algum em todo o monte da Minha santidade”, diz o Senhor. Isaías 11:6, 9.

A dor não pode existir na atmosfera do Céu. Ali não mais haverá lágrimas, cortejos fúnebres, manifestações de pesar. “Não haverá mais morte, nem pranto, nem clamor, … porque já as primeiras coisas são passadas.” Apocalipse 21:4. “E morador nenhum dirá: Enfermo estou; porque o povo que habitar nela será absorvido da sua iniqüidade.” Isaías 33:24.

Ali está a Nova Jerusalém, a metrópole da nova Terra glorificada, como “uma coroa de glória na mão do Senhor e um diadema real na mão de teu Deus.” Isaías 62:3. “Sua luz era semelhante a uma pedra preciosíssima, como a pedra de jaspe, como cristal resplandecente.” “As nações andarão à sua luz; e os reis da Terra trarão para ela a sua glória e honra.” Apocalipse 21:11, 24. Diz o Senhor: “Folgarei em Jerusalém, e exultarei no Meu povo.” Isaías 65:19. “Eis aqui o tabernáculo de Deus com os homens, pois com eles habitará, e eles serão o Seu povo, e o mesmo Deus estará com eles e será o seu Deus.” Apocalipse 21:3.

Na cidade de Deus “não haverá noite.” Ninguém necessitará ou desejará repouso. Não haverá cansaço em fazer a vontade de Deus e oferecer louvor a Seu nome. Sempre sentiremos a frescura da manhã, e sempre estaremos longe de seu termo. “Não necessitarão de lâmpada nem de luz do Sol, porque o Senhor Deus os alumia.” Apocalipse 22:5. A luz do Sol será sobrepujada por um brilho que não é ofuscante e, contudo, suplanta incomensuravelmente o fulgor de nosso Sol ao meio-dia. A glória de Deus e do Cordeiro inunda a santa cidade, com luz imperecível. Os remidos andam na glória de um dia perpétuo, independentemente do Sol.

“Nela não vi templo, porque o seu templo é o Senhor Deus todo-poderoso, e o Cordeiro.” Apocalipse 21:22. O povo de Deus tem o privilégio de entreter franca comunhão com o Pai e o Filho. “Agora vemos por espelho em enigma.” 1 Coríntios 13:12. Contemplamos a imagem de Deus refletida como que em espelho, nas obras da Natureza e em Seu trato com os homens; mas então O conheceremos face a face, sem um véu obscurecedor de permeio. Estaremos em Sua presença, e contemplaremos a glória de Seu rosto.

Ali os remidos conhecerão como são conhecidos. O amor e simpatias que o próprio Deus plantou na alma, encontrarão ali o mais verdadeiro e suave exercício. A comunhão pura com os seres santos, a vida social harmoniosa com os bem-aventurados anjos e com os fiéis de todos os tempos, que lavaram suas vestes e as branquearam no sangue do Cordeiro, os sagrados laços que reúnem “toda a família nos Céus e na Terra” (Efésios 3:15) — tudo isto concorre para constituir a felicidade dos remidos.

Ali, mentes imortais contemplarão, com deleite que jamais se fatigará, as maravilhas do poder criador, os mistérios do amor que redime. Ali não haverá nenhum adversário cruel, enganador, para nos tentar ao esquecimento de Deus. Todas as faculdades se desenvolverão, ampliar-se-ão todas as capacidades. A aquisição de conhecimentos não cansará o espírito nem esgotará as energias. Ali os mais grandiosos empreendimentos poderão ser levados avante, alcançadas as mais elevadas aspirações, as mais altas ambições realizadas; e surgirão ainda novas alturas a atingir, novas maravilhas a admirar, novas verdades a compreender, novos objetivos a aguçar as faculdades do espírito, da alma e do corpo.

Todos os tesouros do Universo estarão abertos ao estudo dos remidos de Deus. Livres da mortalidade, alçarão vôo incansável para os mundos distantes — mundos que fremiram de tristeza ante o espetáculo da desgraça humana, e ressoaram com cânticos de alegria ao ouvir as novas de uma alma resgatada. Com indizível deleite os filhos da Terra entram de posse da alegria e sabedoria dos seres não-caídos. Participam dos tesouros do saber e entendimento adquiridos durante séculos e séculos, na contemplação da obra de Deus. Com visão desanuviada olham para a glória da criação, achando-se sóis, estrelas e sistemas planetários, todos na sua indicada ordem, a circular em redor do trono da Divindade. Em todas as coisas, desde a mínima até à maior, está escrito o nome do Criador, e em todas se manifestam as riquezas de Seu poder.

E ao transcorrerem os anos da eternidade, trarão mais e mais abundantes e gloriosas revelações de Deus e de Cristo. Assim como o conhecimento é progressivo, também o amor, a reverência e a felicidade aumentarão. Quanto mais aprendem os homens acerca de Deus, mais Lhe admiram o caráter. Ao revelar-lhes Jesus as riquezas da redenção e os estupendos feitos do grande conflito com Satanás, a alma dos resgatados fremirá com mais fervorosa devoção, e com mais arrebatadora alegria dedilharão as harpas de ouro; e milhares de milhares, e milhões de milhões de vozes se unem para avolumar o potente coro de louvor.

“E ouvi a toda a criatura que está no Céu, e na Terra, e debaixo da terra, e que está no mar, e a todas as coisas que neles há, dizer: Ao que está assentado sobre o trono, e ao Cordeiro, sejam dadas ações de graças, e honra, e glória, e poder para todo o sempre.” Apocalipse 5:13.

O grande conflito terminou. Pecado e pecadores não mais existem. O Universo inteiro está purificado. Uma única palpitação de harmonioso júbilo vibra por toda a vasta criação. Daquele que tudo criou emanam vida, luz e alegria por todos os domínios do espaço infinito. Desde o minúsculo átomo até ao maior dos mundos, todas as coisas, animadas e inanimadas, em sua serena beleza e perfeito gozo, declaram que Deus é amor.

Fonte do livro: http://www.ograndeconflito.com.br/ (no último capitulo)

(03-08-2017, 11:15 PM)Mr. Rover Escreveu: [ -> ]
Rover: Espera um pouco, você disse que não existe inferno? [....]


A morte: [....] Agora quanto ao inferno, você é um cara que gosta de pensar com lógica não é, Rover?


Rover: Acho que sim, sempre tento colocar lógica e razão em tudo.


A morte: Então digamos que Deus, seja lá como ou o que ele é, seja realmente uma entidade de amor puro e benevolência total.

[...] E digamos que ele criou o universo e tudo nele, incluindo a Terra e vocês, humanos.

[...] Você acha mesmo que Deus sendo a entidade de benevolência máxima, portanto, aquele que perdoa tudo, enviaria um filho seu para o sofrimento eterno em um inferno? Eu acho que não. Porque se isso acontecesse, e não estou dizendo que acontece, esse Deus na verdade seria um cara vingativo e mal. Você não quer se meter com alguém assim.


Rover:
Quer dizer que gente que fez muito mal à outras pessoas não foram para o inferno? Hitler, Stalin, Gengis Khan...


A morte: Não, porque não existe um.


Rover: Quer dizer que foram perdoados na vida após a morte?


A morte: AGargalhada! Ahhh Rover, eu não te disse que não posso te dizer o que acontece depois da minha visita? O que posso te dizer é que esses caras deixaram de existir na Terra e não fazem mais o mal. O tempo deles passou. Se tornaram apenas histórias tristes e lições para que aqueles no futuro não cometam os mesmos erros. Infelizmente eles escolheram fazer o mal no tempo em que estiveram aqui, mas já passou.

De fato, eu estudei a fundo este assunto na Bíblia, comparando passagem com passagem, e cheguei a mesma conclusão: Não existe inferno, não existe pessoas queimando eternamente.

A morte é a cessação completa da vida. É um estado de inconsciência em que não há pensamentos, emoções, obras, nem relacionamentos de qualquer tipo. Postei o link do estudo acima. Mas resumindo, esse versículo já explana bem: 

Citação:Porque os vivos sabem que hão de morrer, mas os mortos não sabem coisa nenhuma, nem tampouco terão eles recompensa, porque a sua memória jaz no esquecimento. Amor, ódio e inveja para eles já pereceram; nunca mais eles terão parte em nada do que acontece debaixo do sol. Eclesiastes 9:5-6 - Bíblia Sagrada

Citação:Goza a vida com a mulher que amas, todos os dias da tua vida fugaz, os quais Deus te deu debaixo do sol; porque esta é a tua porção neste vida pelo trabalho com que te afadigaste debaixo do sol. Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças, porque na sepultura para onde tu vais, não há obra, nem projetos, nem conhecimento, nem sabedoria alguma. Eclesiastes 9:9-10 - Bíblia Sagrada

Citação:Os mortos não louvam o Senhor, nem o que descem ao silêncio. Salmos 115:17

Citação:Sai-lhes o espírito, e eles tornam para sua terra; naquele mesmo dia, perecem os seus pensamentos. Salmos 146:4

O sono se destaca como símbolo apropriado para refletir a compreensão bíblica da condição dos mortos:

Citação:Atenta em mim, ouve-me, ó Senhor, meu Deus; alumia os meus olhos para que eu não adormeça na morte. Salmos 13:3

Citação:E muitos dos que dormem no pó da terra ressuscitarão, uns para a vida eterna e outros para vergonha e desprezo eterno. Daniel 12:2

Existem vários outras passagens da bíblia sobre isso, uma complementa a outra, é um tema bem interessante. Este assunto é interligado com o da ressurreição e da volta de Jesus, leia 1 Tessalonicenses 4:13-18 para entender a conexão. Se alguém quiser pode me mandar uma MP que eu posso explicar mais sobre o assunto.

Existem outros dois pontos que discordo, é sobre Satanás não existir e sobre não se preocupar com valores morais porque provavelmente você ser "perdoado" e irá pro céu. Postei um texto detalhado sobre isso muito bom, segue o link AQUI.

Mas já adianto:

Citação:Alegre-se, jovem, na sua mocidade! Seja feliz o seu coração nos dias da sua juventude! Siga por onde seu coração mandar, até onde a sua vista alcançar; mas saiba que por todas essas coisas Deus te pedirá contas. Eclesiastes 11:10
@Aragons

Boa analogia essa do garoto com o bilhete para o parque de diversões, gostei. Mas vamos esquecer por um momento o Kierkegaard e seus estádios existenciais. E pelo amor de Deus, vamos esquecer essa porra desse Kanye West. Se quiser me comparar com algum músico me compare com o Steve Vai, eu toco guitarra e não acho que meus ancestrais foram kangz n'sheit.


Vamos pensar aqui entre nós, pessoalmente falando. No meu caso, você quase acertou ao descrever o sentido que dei à minha vida (e que não precisa ser o sentido da sua e o de mais ninguém aqui). O que quero da vida é um pouco mais complexo do que você citou, mas pra simplificar e resumir bastante, troque mulheres ali pela minha família, adicione aprender algo sempre que for possível e você está quase perto de acertar.


Ai eu te pergunto: é errado compartilhar sua vida e experiências com aqueles que você ama (no meu caso, minha família), estar sempre tentando aprender algo novo e fazer as coisas que eu gosto usando os recursos que são recompensa pelo meu trabalho/responsabilidade financeira?


O que mais temos além disso com o nosso limitado tempo nesse canto escuro e esquecido do universo? E não me venha com ditames religiosos, vamos tirar a religião da equação aqui. Pense na vida e somente na vida. Será que dá pra rotular o meio de vida que citei acima com o simplista termo realista do "viva o carpe diem, hur dur vamos comer mulher"?


Você tem avatar de um astronauta do projeto Apollo. Mesmo com a imagem reduzida dá pra ver que é um astronauta da Apollo 16 ou 17, pois o traje que usaram nessas duas missões era um pouco diferente da versão utilizada nas anteriores, já que essas ultimas duas missões eram totalmente cientificas com ênfase em geologia e os astronautas ficavam muito tempo em EVA. Mas você com certeza sabe isso, as poucas pessoas que gostam do assunto (como eu) sabem.


Já que tem um astronauta ali, vou usar o exemplo de outro astronauta, no caso, o Alan Bean da Apollo 12, quarto homem a pisar na Lua. A história dele é bem interessante. Você também deve conhecer mas vou resumir pros outros confrades que talvez leiam esse comentário e não conhecem.


Depois de ser selecionado para os Astronaut corps no começo dos anos 60, Alan Bean ficou anos treinando e estudando sem saber se sairia do chão (quem dirá andar na Lua), pois o grupo de astronautas era grande, todo mundo era muito capacitado, muitos eram mais carismáticos, tinham seus laços políticos e amizades influentes. A competição pelos lugares era imensa entre os veteranos que já tinham missões (incluindo Mercury e Gemini) no curriculo e para os juvenas que não tinham (caso do Bean). Mesmo assim, o Alan Bean conseguiu seu lugar na Apollo 12, não apenas porque era competente mas porque o comandante da missão, Pete Conrad, tinha sido seu instrutor na escola de pilotos de teste em Pax River, Maryland. Aliou-se competencia, mais a amizade entre os dois e o famoso QI (quando o cara é competente e merece, QI não tem problema na minha opinião).


Seis anos treinando pra pisar na Lua. Seis anos treinando pra passar 8 horas em pé na superfície da Lua cumprindo um cronograma de tarefas cinetíficas bem apertado. Na volta da Lua para a Terra, quando aquela tensão da missão já tinha quase que se dissipado totalmente, ele virou pro Pete Conrad e perguntou "That's all there is?".


"Isso é tudo?"






Dá pra comparar essa pergunta/afirmação dele com a vida. Quando lembramos que a morte vem pra todos, não são apenas os resultados e o legado que interessa, afinal, uma pequena minoria de pessoas realmente deixa um legado que é lembrado por alguém, que beneficiou a sociedade como um todo. Nós mesmos, eu, você, todos aqui nesse forum, muito provavelmente seremos parte da maioria que não deixa um legado pra sociedade, vamos deixar pra nossas famílias talvez, mas é só.


Então o que realmente vai importar é como você percorre a jornada da sua vida. Como no final desse episódio do From the Earh to the Moon, o personagem do Alan Bean diz que ir pra Lua e andar no Ocean of Storms não passa de uma lembrança, com imagens que vem e vão, como se fosse uma ida à praia, o importante na verdade foi ir até lá com seus dois melhores amigos. E os três realmente foram o trio na Apollo que eram mais unidos. O que é importante é como você aproveita aquela experiência e se faz isso com aqueles que gosta.


Talvez eu seja simplório demais, mas acho que essa é uma bela lição de como viver uma vida bem vivida, se tirarmos religião e política do cenário, é claro. Porque esses dois citados vão sempre trazer outras implicações.


Sobre a pergunta do porquê de eu não cometer crimes, me fez parar pra pensar. Cheguei à conclusão de que não cometo crimes porque é errado, me foi ensinado desde pequeno pelos meus pais que é errado e eu me sentiria mal ao cometer algo de ruim pra outra pessoa. Depois de adulto percebi que aquele ditado do Confúcio que diz "Não faça aos outros o que você não quer que seja feito a você" é o que define o fato de eu não ser criminoso. É isso e não "medo de ir pra cadeia". Eu já fui assaltado com arma na cara duas vezes. Depois de passado o susto fiquei pensando em algo do tipo "Queria saber como aqueles filhos da puta reagiriam se fizessem o mesmo com eles!". Isso é uma reação natural causada pela impotência e raiva que você sente ao estar numa situação injusta e totalmente fora do seu controle.


Insinuar que eu não cometo crimes apenas porque vou perder tempo na cadeia e não poderei viver meu estilo de vida "carpe diem" é bobagem. Todos sabemos que perder tempo dentro da cadeia é o menor dos problemas. Ter que conviver com a escória da sociedade confinado em um espaço reduzido sem nenhuma privacidade e segurança seria muito pior. Essa é a cadeia para cidadãos comuns igual eu e você, e não a cadeia de luxo dos políticos, onde apenas perde-se tempo e certas liberdades. E não vamos esquecer o país em que vivemos. Existem dois pesos e duas medidas para o crime no Brasil.


Apesar de eu não ter ficado ofendido, essa afirmação sobre perder tempo na cadeia foi infeliz da sua parte Aragons, seria a mesma coisa que eu te perguntasse:


"Aragons, por que você não comete crimes? Pelo que você escreveu sobre esse filósofo e seus estádios, acho que você só não está assaltando e matando por ai, porque tem medo de ser punido por uma entidade sobrenatural, que você acredita cegamente, mesmo não tendo absolutamente nenhuma prova material de que existe. É essa impressão que tenho."


Seria desonesto e calunioso da minha parte perguntar/comentar isso, não? Acho que você vai concordar com isso. Por isso não devemos rotular ninguém ou achar que sabemos o que leva as pessoas à fazer o que fazem ou à não fazer. Temos que fazer nossa parte em ser pessoas corretas, de bem e não se tornar um fardo pra sociedade, pras nossas famílias ou nós mesmos.


Quanto aos ditames, concordo e nem vou debater, point taken.


E pra finalizar digo...

Mas para que ter filhos se tem tantas guerreiras por ai procurando por um homem de verdade para ser o pai dessas criaturas inocentes que são os filhos delas? trollface


@ Libertador

Sim, tem poucas tretas aqui, menos que na época dos outros fóruns e do orkut. Acho que ninguém odeia ninguém aqui de verdade. As vezes tem uma disputinha de ego aqui e ali, alguém que fica ofendido porque não aprendeu ainda a lidar com gente que discorda das opiniões deles e um ou outro moleque que vive fora da realidade e fica falando bobagens (como citar o tal do pobretão). Mas tirando isso, o forum tá excelente. Aliás parabéns pelo milésimo inscrito, a interface aqui me agrada demais. E é por isso que sempre que dá estou por aqui dando uma olhada.


Depois que o tópico esfriar e não estivermos mais debatendo sobre o corpo do artigo que postei, colocarei as imagens que citei aqui mesmo nesse tópico. Ai poderemos discutir o que achamos que acontece depois da morte. Falemos da importância da vida primeiro, por ela ser abreviada pela morte, e depois falemos do que achamos do além.


Bem interessante as passagens que você citou, vou esperar você terminar o seu argumento pra responder, senão fica muito grande a resposta e difícil de ler.


Apesar de não ter postado esse artigo pra discutir sobre religião, pois essa definitivamente não é minha praia, só quero adiantar que não defendi no texto que as pessoas não devem se preocupar com deveres morais, pois serão perdoados por Deus independente do que fizerem. Não foi isso que eu quis dizer. O que eu quis dizer é que, caso exista mesmo uma vida após a morte e uma existência espiritual, e exista um Deus de amor infinito, mesmo aqueles que fizeram o mal serão perdoados, porque Deus não condena nenhum filho à danação eterna. É provável que exista alguma passagem na própria bíblia que cite isso. Mas isso não dá passe livre pra ninguém ser bandido e canalha.


Eu sei que se olharmos por esse lado, não seria "justo" que, digamos, um Stalin da vida não fosse pro inferno ser enrabado 24/7 pelo capiroto, mas esse é um jeito humano de pensar, o de querer punir o mal fazendo o mal. E temos que lembrar que a vida não é justa, então porque o além morte, caso ele exista, teria que ser?